Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Nova Normalidade ─ O Futuro do Algarve poderá estar nas Plataformas

Domingo, 07.02.21

“Cafés e restaurantes vão manter-se fechados

até fim de abril devido à pandemia.”

(cmjornal.pt)

 

img_298x168$2021_01_15_22_21_16_1005749.jpg

Restaurante que recusou fechar portas

(devido ao Estado de Emergência que vigora desde 14 de janeiro)

terá de pagar multa que pode ir até aos 20 mil euros

(cmjornal.pt)

 

Neste domingo cinzento de 7 de fevereiro (em Albufeira) com a nova vaga de Covid-19 ainda em curso (para uns a 2ª para outros a 3ª, mas já e aparentemente na sua curva descendente) ─ hoje registando +3.508 casos de infeção (máximo de novos casos de 16.432 em 28 de janeiro) e +204 óbitos (máximo de óbitos de 303 em 28/31 de janeiro) ─ questionando-nos ansiosamente face à evolução desta Pandemia (do vírus ARS CoV-2) agora que atravessamos uma sua nova fase (nova vaga), se frente ao aparecimento de novas variantes/estirpes (tornando mais difícil o seu combate) e a um possível prolongamento desta última vaga (conjugado com a vacinação e sua maior/menor eficácia), resistiremos (tal como toda a sociedade) a todas as subsequentes e sucessivas privações: aproximadamente (em datas) e numa 1ª vaga atingidos pela pandemia em 2020 (fevereiro/março) ─ durante 4 meses com o país fechado (março a junho), durante outros 4 com o mesmo aberto/meio-aberto (julho a outubro) ─ para numa 2ª vaga nestes últimos 4 meses (outubro a janeiro) se atingir aparentemente um pico máximo (de atividade do vírus) e se entrar na curva descendente (de casos de infeção/óbitos). Obrigando a um novo encerramento do país ─ colocando-o em suspensão com um novo confinamento geral ─ se no que diz respeito à Saúde com o caos geral já instalado (hospitais) podendo deixar todo o SNS em causa (como consultas e cirurgias), já no caso do setor da Economia e no sector do Turismo (um dos com maior receita/empregabilidade em Portugal) ─ Hotelaria/Restauração e múltiplas áreas associadas ─ podendo originar (já visível pelos sinais) uma enorme tragédia social, um encerramento geral e definitivo de Portugal (de muitos dos órgãos vitais deste corpo, levando-o ao colapso), incluindo a região do Algarve e integrando-a de Albufeira. Com todas as previsões a apontarem para uma possível (ainda não confirmada, talvez para já desejada) abertura do país nunca antes do mês de maio, podendo colocar em risco (tal como o ano passado, numa situação semelhante) no país e na região do Algarve, mais um ano turístico: sendo o 2º sucessivo (depois de 2020) ─ e depois de cerca de 80% de hotéis já estarem encerrados ─ neste ano de 2021 e repetindo-se a receita, podendo ser o ponto final.

 

mapa_concess_es_Licencas4_p.jpg

Several companies are planning to explore for gas and oil in the Algarve (Gulf of Algarve) and contracts (explore/drill/produce petroleum) were already granted. All the companies are currently in the exploration phase, some preparing the firsts perforations.

(ejatlas.org)

 

“E aí consumado o desastre (social e económico) e colocados sem outra alternativa (dado o Turismo no Algarve ser uma monocultura, um verdadeiro eucalipto), podendo-se sempre aproveitar todo o imobiliário antes turístico como base estratégica (estaleiros de material, de máquinas e de mão-de-obra) ─ reconvertendo-se igualmente os trabalhadores ─ para as futuras plataformas (exploração de gás): apenas deslocando os investimentos, da terra para o mar. Cá como pelo resto do país.”

 

(imagens: cmjornal.pt e ejatlas.org)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:55

Guerra-Fria Reloaded

Quarta-feira, 21.05.14

China adia acordo para compra de gás à Rússia

(Económico – 21.05.2014)

 

 

Putin regressa de Pequim sem acordo que poderia reduzir dependência de clientes europeus. Companhia estatal diz que não pode perder mais dinheiro com a importação de gás.

 

Depois de mais de uma década de negociações, ainda não será desta que Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jingping fecham um acordo para o fornecimento de gás natural russo à China.

 

Com Moscovo sob pressão do seu maior mercado externo - as sanções económicas e a tensão na Ucrânia precipitaram os clientes europeus para uma redução da dependência do gás russo -, o tema voltou a estar em cima da mesa na visita oficial a Pequim, que Putin conclui hoje.

 

Mas o Financial Times, que cita fonte oficial da PetroChina, garante que o acordo ficará para uma próxima. "Não será assinado [nesta visita]. (...) Actualmente os preços de importação e de produção interna estão invertidos. Já estamos a perder dinheiro por importar gás e não podemos perder mais", disse Mao Zefeng, porta-voz da empresa.

 

As declarações da estatal chinesa contrariam afirmações do ministro russo da Energia, que garantia que o acordo estava pronto "a 98%" para ser assinado. Em causa estaria o fornecimento de gás natural ao longo de 30 anos, num contrato que ascenderia a 332,8 mil milhões de euros.

 

Putin esperava que esta visita selasse simbolicamente uma maior proximidade entre os dois gigantes vizinhos, ajudando a responder internacionalmente ao afastamento do Ocidente, que respondeu com sanções económicas ao apoio de Moscovo aos pró-russos da Ucrânia.

 

Russia and China seal historic $400bn gas deal

(RT – 21.05.2014)

 

 

After 10 years of negotiations, Russia's Gazprom and China's CNPC have finally signed a historic gas deal which will provide the world's fastest growing economy with the natural gas it needs to keep pace for the next 30 years.

 

The total value of the contract is $400 billion, Gazprom CEO Aleksey Miller said. However, the price of gas stipulated in the document remains a "commercial secret."

 

Assuming the overall price of the contract includes only the cost of supplies of Russian gas, then the $400 billion price tag means China will pay about $350 per 1,000 cubic meters. Delivery price for the contract will be tied to market oil prices, Putin said from Shanghai on Tuesday.

 

Infrastructure investment from both sides will be more than $70 billion and will be the world's largest construction project, with Russia providing $55 billion up front and China $22 billion for pipelines on their respective territories.

 

This is Gazprom's biggest contract to date.

 

Russia will supply China 38 billion cubic meters of gas per year via the eastern 'Power of Siberia' pipeline, which crosses Siberia and reaches China's populous northeast regions. A separate route that could deliver gas to China's western provinces and provide diversification is also in the works, according to Putin.

 

A memorandum of understanding was signed in the presence of Russian President Vladimir Putin and President of China Xi Jinping on the second day of Putin’s two-day state visit to Shanghai.

 

According to Miller, the deal was set to go through at 4:00pm Shanghai time when he understood "all fundamental issues were resolved."

 

RT producers were informed of the landmark energy deal prior to its signing after a conversation with Miller.

 

(imagens – Económico/RT)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:19

Ucrânia – Vale Tudo

Quarta-feira, 14.05.14

Ukraine Crisis

UN-Marked Combat Helicopters Used in Government Offensive against Separatists

 

The UN has expressed concern at Kiev's use of UN-marked helicopters

(in their anti-terror operations against pro-Russian separatists in Donetsk)

 

Footage has emerged of a white UN-marked Mil Mi-24 helicopter allegedly being used in Ukraine's anti-terror operation against pro-Russian separatists near the Donestsk Oblast city of Kramatorsk.

Three further combat Mi-24 helicopters and one transport Mi-8 helicopter bearing the UN logo were spotted in the region by the Russian news outlet Life News. 

The UN has distanced itself from the footage below, stating that, as Ukraine is a contributor to the organisation's forces, it must remove any UN insignia when the materials are returned.

 

Hunter Biden e o pai Joe Biden Vice-Presidente dos USA

 

Apêndice:

Enquanto isso e acompanhando a falta de ética e de vergonha que tem caracterizado muitos dos actos levados a cabo em zonas de conflito estratégicos pelos representantes políticos norte-americanos – entendam-se estas zonas como revelando elevado interesse económico – o filho do Vice-Presidente dos USA Joe Biden acaba de aterrar na capital da Ucrânia Kiev para tratar de assuntos ligados à comercialização de gás e à empresa ucraniana associada à sua comercialização e que a partir de agora irá representar: neste caso a Burisma Holdings que terá a partir de agora à sua frente o novo director Hunter Biden. Mais uma provocação directa à vizinha Rússia – o produtora de gás e sem o qual não existiriam empresas nem pipelines – com a colocação de um norte-americano ligado (familiarmente) à Administração da Casa Branca no caminho do gás proveniente da fronteira leste, ainda por cima contando com o apoio dum governo golpista e ilegítimo (segundo os governantes russos) instalado na capital da Ucrânia Kiev e antes do acto eleitoral de 25 de Maio. E o que faz a Europa? Afinal de contas isto ainda não é o Iraque!

 

(texto em inglês: ibtimes.co.uk – imagens: LiveNewsRU/Web)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:13

Entre Ladrões – Neofascismo e Máfia Russa

Terça-feira, 19.03.13

"A ilha mediterrânica está prestes a entrar numa era de "austeridade severa, de dor inconcebível e sem fim"

(Paul Krugman)

 

Nicósia

 

Até os neofascistas são liberais. Ou será o contrário?

É que nesta Europa é tudo muito confuso!

 

O problema de Chipre reside nos direitos de exploração das reservas de gás natural dum país integrado na Comunidade Económica Europeia, financeiramente dominado pelo governo russo, por empresários russos e pela máfia russa. Até agora os dirigentes europeus nunca se tinham incomodado muito com este paraíso fiscal – apenas mais um entre os diversos offshore por eles utilizados – ignorando sem grandes preocupações a crescente influência russa no sistema financeiro cipriota e a consequente lavagem de dinheiro sujo. Mas com o agravamento da crise que assola toda a Europa – que atingiu o sul, atinge agora o centro e acabará por chegar ao norte – e com o assalto aos mercados por parte dos novos centros mundiais de poder – Rússia/Países Árabes, China/Ásia e com os USA/UK como “observadores e também parte interessada” – os lobbies económicos europeus finalmente falaram mais alto: não porque reconhecessem finalmente a miséria moral e económica em que a Europa estava a cair – sem perspectivas de escapar do abismo e ao seu fim previsível a curto prazo – mas porque os seus direitos adquiridos e interesses estritamente pessoais poderiam estar agora a ser postos em causa, face à possibilidade duma matéria-prima produtora de mais-valia e pertencente à CEE, poder passar para as mãos dos novos usurpadores imperialistas.

 

E que golpada: de uma só vez assaltavam-se os russos – atacando as suas contas – assaltavam-se os cipriotas – atacando as suas poupanças – e assaltava-se o Chipre – atacando as suas reservas de gás natural. E o que é que a CEE oferecia em troca? Retirar a ameaça de lançar o país na bancarrota e o seu povo na miséria total e emprestar em troca – pela garantia da obtenção dos direitos exclusivos de exploração das reservas de gás natural – uma quantia ridícula para o total do orçamento comunitário e que provavelmente até uma grande empresa russa como a GazProm, acabaria por chegar a acordo para emprestar e com juros menos elevados. E claro está (golpada) que também forneceria austeridade, mas sem bancarrota e com uma miséria mais suportável.

 

Na minha terra a estes indivíduos chamamos ladrões e são todos enviados para a cadeia!

Só não vão para lá se estiverem cheias mas se calhar é bem pior para eles!

 

(imagem – google.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:40