Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

06
Out 19

Mattel launched a line of dolls with no distinctive feminine or masculine features because “kids don’t want their toys dictated by gender norms”

 

maxresdefault.jpg

 

[a Gender-Neutral Doll]

 

Neste novo ciclo evolutivo centralizado na América entrando agora em cena (e como tal estando na moda) “os bonecos ou as bonecas” olhando-lhes para a cara sendo claramente designadas como “Neutras de Género”, quando (não sendo pois novidade e saindo muito mais barato) até nas feiras e desde há muitos anos se vendiam bonecos(as) facilmente podendo ser considerados como “neutros”, dado não terem pila nem possuírem mamas.

 

2019-09-26-14_56_52-A-Doll-For-Everyone_-Meet-Matt

 

Com as questões do “SEXO & DINHEIRO” a continuarem a ser de uma forma cada vez mais indesmentível, temas centrais (mesmo entre homem & mulher) do nosso quotidiano “monótono e de miséria” (em que até as crianças são utilizadas e “banalizadas”, a nível não só físico como psíquico, tal como o faria alguém designado como um pedófilo), eis que nem sequer respeitando as mais baixas e desprotegidas faixas etárias (os jovens, os menores, as crianças) os adultos refletindo nos seus descendentes todos os sintomas visíveis da sua doença (inserida ou hereditária, degenerativa, “mortal”), tentam desesperadamente reproduzir nos seus filhos e como se fosse a sua derradeira tentativa de se manterem à superfície (tentando unicamente sobreviver), os seus receios e medos (impostos pelos limites, recusando reconhecer a evolução), como se os transferissem deles se exorcizassem dos mesmos − ficando limpos, como se tivessem sido reiniciados.

 

Matell Gender Bender Barbie.jpg

 

Agora com as “Bonecas” (até hoje sendo vistas como objetos, amanhã como os primeiros “humanoides”) – ou será Bonecos? − a terem de suportar as angústias dos adultos, obrigatória e falando-se de género (masculino/feminino) tendo-se de manter neutrais: não o sendo e revelando deliberadamente o seu sexo, certamente tendo de ser destruídas (não será racismo?). E nesse jogo atual e moderno (e bem assente nesta “sociedade espetacular”, da base até ao topo) de sobrevivência comercial prioritária − sendo a Economia e o Mercado os únicos a ditar leis − vendo-se desde já a Mattel (“espalhando e divulgando o Evento”) a tomar a dianteira com as suas Bonecas-Neutrais incluindo a linha Barbie. Segundo os especialistas sendo esta intervenção escolhida (lobotomia sexual adaptada) pela razão simples e central de que os miúdos nas suas brincadeiras − com bonecos & bonecas −  pouco se importavam com o sexo, não ligando aos limites (talvez como cortar-lhes, mamas ou pilas, numa aventura com objetos, sobrepondo-nos e sendo incrível) apenas com o seu reflexo-de-adulto (???): mesmo quando em miúdos manipulando bonecos(as) e olhando para a sua cabeça, logo lhe procurando o sexo ou arrancando-lhe cabeça/tronco/membros.

 

(imagens: Time/youtube.com/humansarefree.com − Mattel)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:35

17
Jul 18

[Com Gramsci do Outro Lado]

 

A utopia e a derrocada da Nicarágua, contada pelo olhar de Susan Meiselas

“Susan Meiselas, quase 40 anos depois, voltou à Nicarágua, agora para nos mostrar como um dos heróis de 1979 é o chefe dos déspotas de 2018.”

(Francisco Sena Santos/24.sapo.pt/15.07.2018)

 

Daniel_Ortega_2008.jpg

Daniel Ortega

Presidente da Nicarágua

(um ditador do género masculino)

 

Recordando e ainda consciente do ocorrido nos finais dos anos 70 no continente Sul-Americano (período de 1978/80) ‒ com o combate da guerrilha Sandinista a levar à queda do ditador Anastasio Somoza e à instalação de um Governo Revolucionário (na Nicarágua) liderado pelo então herói Daniel Ortega ‒ neste artigo de opinião de FSS (português ‒ Média e Jornalismo) sobre uma experiência e relato de SM (norte-americana ‒ fotógrafa e contadora de histórias) sendo clara e violentamente demonstrada, a afirmação já há muito conhecida e verificada, de tudo aquilo de que qualquer Homem é capaz (afirmando/praticando tudo e por banalização intensiva, aplicando sem problemas e aos mesmos, até o seu contrário): com exemplos de género (Masculino) como o de Daniel Ortega (na Nicarágua), mas envolvendo o outro género (o Feminino) como no caso de Aung Suu Kyi (em Myanmar) ‒ recebendo o Nobel da Paz (em 1991) pela sua luta contra a ditadura (Militar no seu país Myanmar, antiga Birmânia) e posteriormente reintegrada pela mesma (ditadura ainda no poder) e sendo na prática 1º Ministro, apoiando agora o regime e colaborando no genocídio do povo da etnia Rohingya.

 

Remise_du_Prix_Sakharov_à_Aung_San_Suu_Kyi_Strasb

Aung Suu Kyi

1º Ministro de Myanmar

(um ditador do género feminino)

 

Um Milhão de Muçulmanos oficialmente tornados existentes (por Bons/Maus e Homens/Mulheres), já com milhares de mortos em caixa e uns 700.000 em fuga ‒ numa Obra de Género M/F Extremamente Violento, não só pelo Duplo Impacto Mortal (masculino-feminino) como pela notada (deliberada) ausência dos Média (se comparada com o caso recente da Tailândia e o impacto global que teve): levando-nos à confirmação da mentira descarada contida subliminarmente na afirmação “Ler Jornais é Saber Mais”, sabendo-se que até o conteúdo já nem sequer está nas entrelinhas, mas na Miscelânea da Informação (chegada após edição e lógica tradução/manipulação). E que tal como a afirmação anterior (Ler Jornais é Saber Mais) outra tendo igualmente ainda muito a explicar (olhando com desconfiança para os que dela mais se servem): Todos Diferentes, Todos Iguais” quando se sabe … uns mais que os outros! Num artigo curto de Francisco Sena Santos a ler se quiser recordar, ensinar e aprender (valorizando como Insubstituível, a Memória e a Cultura de um Povo).

 

Gramsci.jpg

Antonio Gramsci

Secretário-Geral do PCI

(eleito deputado/1924, preso/1926 e libertado já doente/antes de morrer)

 

Aproveitando para deixar por aí um pensamento de Antonio Gramsci sobre esta “Democracia (a de ontem, como a de hoje) e de como um dos seus “Produtos” se infiltra em cada ponto (do percurso mais linear do que se pensa apesar das derivações) encobrindo o nosso Trilho:

 

“Between consent and force stands corruption/fraud. This consists in procuring the demoralization and paralysis of the antagonist (or antagonists) by buying its leaders—either covertly, or, in cases of imminent danger, openly—in order to sow disarray and confusion in his ranks.”

(Antonio Gramsci/Prison Notebooks, Volume 1)

 

Um Marxista/Jornalista/Escritor/Político natural da Sardenha (Itália, 1891/1937) tendo sido Secretário-Geral do Partido Comunista Italiano (e oriundo de uma cisão no Partido Socialista Italiano) e que no entanto (apesar de Comunista e de como estes vêm o Estado) ficou conhecido (ou como a Wikipedia diz reconhecido) pela sua teoria da hegemonia cultural que descreve como o Estado usa, nas sociedades ocidentais, as instituições culturais para conservar o poder (wikipedia.org). Preso pelo regime fascista de Benito Mussolini e libertado por motivos de saúde poucos anos antes de morrer ‒ uma das razões da opção oportunista e exclusivamente pessoal aqui conhecida (e reconhecida/confirmada) como Ortega/Suu Kyi (envolvendo em paridade os dois géneros).

 

(imagens: wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:50

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO