Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

24
Out 19

[Dunas de Areia Geladas do Pólo Norte de Marte]

 

Através destas 3 imagens obtidas pelo instrumento ótico HiRISE instalado na sonda espacial MRO – orbitando o planeta MARTE – com a NASA a apresentar-nos (via Photojournal) o que denomina “Um Jogo de Tabuleiro Marciano(A Martian Game Board).

 

PIA23527_fig1.jpg

 

Mostrando-nos uma região do Hemisfério Norte de Marte durante a (sua) estação da Primavera, com alguns desses locais localizados no polo norte, apresentando alguns pontos esbranquiçados devido à presença (aí e ainda) de gelo (de dióxido de carbono).

 

PIA23527.jpg

 

Um registo de uma parte da superfície de Marte encontrando-se nas proximidades de um “Oceano de Areia” ou ERG – uma superfície muito comum de se ver em Marte, cobrindo grandes extensões do planeta e dando por vezes origem a grandes “Tempestades de Areia”, por vezes (tornando-se Globais) cobrindo-o quase todo – rodeando “water ice-rich layered deposits (nasa.gov).

 

ESP_060791_2550.jpg

 

E traduzindo o que os nossos olhos viam, com as protuberâncias aparecendo em grande número nas imagens (extensão de uns 100 metros) a serem apenas, pequenas dunas marcianas cobertas de gelo: tal como o afirmam os cientistas da NASA assemelhando-se a construções artificiais, mas tendo origem natural sendo moldadas pelos ventos marcianos aí exercendo o seu poder (entre eles de transporte e erosivo); para as manchas mais escuras (aparecendo nas imagens) indicarem pontos em que o gelo passou de sólido a gasoso, expondo a superfície do planeta (menos refletora, mais “cinzenta”).

 

(texto: a partir de dados NASA − imagens: PIA 23527/A Martian Game Board/MRO/HiRISE/Marte/photojournal.jpl.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:12

17
Jul 18

Avistado inicialmente a 12, passando em frente a Innarsuit a 13 e partindo para norte a 14.

 

aHR0cDovL3d3dy5saXZlc2NpZW5jZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMD

Innarsuit ‒ Gronelândia ‒ Dinamarca

(169 habitantes)

13 Julho 2018

 

No passado dia 13 de Julho (quinta-feira) na aldeia piscatória de INNARSUITlocalizada no noroeste da GRONELÂNDIA (região autónoma da DINAMARCA) ‒ os seus poucos residentes foram inesperadamente surpreendidos mesmo à porta da sua entrada (para o oceano Atlântico, no Mar de Lavrador), pela presença de um Grande e Misterioso Calhau (não estando lá no dia anterior) que não um asteroide (ou outro objeto caído do céu): com cerca de 200 metros de comprimento, com uns 100 metros de altura (acima do nível das águas do mar) e no total do seu conjunto com um peso de 12 milhões de toneladas ‒ um Monstro em forma de ICEBERGUE. Já nesse dia e dado o perigo de a qualquer momento o Monstro se poder fragmentar (apresentando buracos e rachas visíveis) ‒ provocando um TSUNAMI local e atingindo os residentes mais próximos da costa e do mar ‒ com 33 pessoas a serem evacuadas e as restantes postas em alerta (de um total de 169 residentes); e de seguida (e por precaução) com os barcos a serem rebocados mais para o interior e para terra, enquanto se olhava o Calhau (de Gelo) vendo se o mesmo se partia ou se então se decidia (partindo para outras bandas). Já no dia 14 e deslocando-se para norte com o Monstro de Gelo a afastar-se uns bons 600 metros (e em progressão) deixando os residentes mais descansados dada a proximidade dos depósitos (de combustíveis) e da própria Central Elétrica (visíveis parcialmente na imagem no canto inferior esquerdo).

 

(imagem: Karl Petersen/AFP/Getty Images/livescience.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:33

25
Out 17

[E em muitos Outros Lados]

 

maxresdefault.jpg

Could It Be Possible That the Universe

Is A Giant Living Organism?

(Universe Explorers/youtube.com)

 

Mantendo-se para muitos a Ideia de podermos encarar o Sistema Solar com um Universo Vivo, comparando-o a uma célula (eucariota depois de procariota) e a um organismo unicelular (a menor unidade dos seres vivos): e tal como uma célula, constituída por núcleo, citoplasma e membrana ‒ sendo esta última a fronteira que envolve e protege o Sistema e que regula a entrada e saída de vários elementos (do mesmo). Estando o núcleo do Sistema centrado no Sol (delimitando e protendo o seu material genético), mergulhado e rodeado por todo o Espaço exterior (o citoplasma) e estendendo-se sem fim até aos Limites talvez tendo como fronteira as Nuvens de Oort: e nesse Espaço Citoplasmático (interior do Sistema) coexistindo outras estruturas ‒ como microfilamentos/túbulos (planetas, asteroides e outros corpos mais) ‒ na sua grande semelhança podendo ser comparáveis (sugerindo-nos uma explicação para muitas das nossas questões, paralelizando problemas e neles encontrando soluções simples por comuns, válidas e estendendo-se do infinitamente grande ao pequeno). E juntando várias células passando-se a um Organismo (de nível superior).

 

mars_landscape_dry_wet.jpg

An artist's conception of what Mars looks like today, juxtaposed with what Mars may have looked like earlier in its history, when the planet had a thicker atmosphere

(NASA's Goddard Space Flight Center)

 

Dunas e Gelo

 

Numa imagem que facilmente todos poderiam associar a um qualquer território instalado na superfície terrestre (por exemplo nas dunas de um deserto ou numa exploração qualquer de argila), o telescópio HiRISE instalado na sonda orbital MRO (satélite artificial em órbita de Marte) apresenta-nos mais um cenário dunar marciano localizado na HELLAS PLANITIA.

 

Segundo os cientistas e responsáveis desta missão (da NASA) com esta extensa planície marciana (uns 2.200Km de diâmetro) a ser considerada a maior bacia de impacto (conhecida) em todo o Sistema Solar, sendo a mais baixa região do planeta e apresentando os mais diversificados cenários: como neste caso com a visualização de um campo de dunas.

 

PIA22052.jpg

Marte ‒ Planície Hellas

Sonda MRO

PIA 22052

 

Sugerindo-se que a formação deste relevo dunar nesta zona particular da planície de HELLAS poderia ter na sua base a intervenção dos DUST DEVILS (ventos em redemoinho característicos destas regiões e deslocando-se sobre a superfície das mesmas, contribuindo para a obtenção destas formas/texturas dunares);

 

Como também que a sua forma, direção e profundidade (verificadas nas linhas/canais apontando uma direção) poderiam ser explicadas pelo derretimento do gelo (não de H₂O mas de CO₂) a elevadas latitudes e formado no Inverno ‒ acabando por se transformar (passando do estado sólido a gasoso), arrastando material e assim criando este efeito (de linhas).

 

(imagens: Universe Explorers/youtube.com e nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:09
tags: , , ,

11
Jun 17

Uma imagem (fig. 3) fornecida pelo telescópio HiRISE (operado por técnicos da Universidade do Arizona) colocado a bordo do orbitador MRO (controlado por técnicos da NASA/JPL ‒ uma divisão do Caltech/Instituto de Tecnologia da Califórnia) movimentando-se em torno do planeta Marte.

 

PIA21636 A.jpgPIA21636 C.jpg

Fig. 1/2

A lacuna e o queijo suíço

 

No fim do Verão no Hemisfério Sul do planeta Marte e com o Sol agora mais baixo no horizonte (dando origem ao aparecimento de zonas de sombra e tornando mais fácil a visualização da topografia do planeta), o instrumento ótico HiRISE instalado a bordo da sonda orbital MRO girando em torno de Marte (desde Março de 2006),

 

PIA21636.jpg

Fig. 3

Gelo tipo queijo suíço e cratera de abatimento ou impacto

(a partir de Marte/PIA 21636)

 

Ofereceu-nos recentemente um cenário da superfície marciana (editada em 30 de Maio) com pequenos resíduos de gelo (de dióxido de carbono) ainda presentes e bem visíveis sobre a mesma (brancos e brilhantes), incluindo nesse registo uma depressão algo profunda e de forma circular (penetrando o gelo e a cobertura superficial) supostamente atribuída (na sua formação) a um abatimento de terrenos ou a um impacto exterior.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:13

15
Jan 17

“Enquanto nos entendermos como uma espécie central e sedentária (recuperando a antiga teoria do geocentrismo) destinada exclusivamente a usufruir ao máximo do Tempo (visto incorretamente como um intervalo entre o nascimento e a morte) que lhe foi atribuído (não compreendendo o movimento perpétuo do nosso Universo baseado em constantes interações Eletromagnéticas), jamais sairemos da Terra passando despercebidos e como se nunca tivéssemos sido.”

 

Mais uma imagem da superfície do planeta Marte recolhida pelo instrumento HiRISE colocado a bordo da sonda automática MARS RECONNAISSANCE ORBITER e editada pela NASA no dia de ontem.

 

PIA13151_fig1.jpg

Marte – MRO – PIA 13151

(imagem original)

 

“No dia em que partirmos definitivamente rumo ao desconhecido e à aventura (reconhecendo não sermos exclusivos mas fazendo parte de algo pluridimensional, sem origem e sem limites), percorrendo tal como os grandes navegadores e descobridores de outrora caminhos há muito imaginados (na nossa mente) mas nunca antes fisicamente percorridos (pelo Homem), estaremos finalmente perante o nosso paradigma de Vida, de expansão, de conhecimento e de sobrevivência: aí tomaremos verdadeiramente consciência da complementaridade existente entre o infinitamente pequeno e o infinitamente grande – nunca se distinguindo e fazendo parte de um todo simples por replicado.”

 

Mostrando-nos uma região localizada no Hemisfério Sul do planeta Marte agora que a mesma atravessa a Estação da Primavera e que se começa a dar a sublimação do gelo seco instalado na sua calote polar.

 

Segundo os cientistas da NASA investigando fenómenos naturais como este ocorrendo atualmente no planeta Marte tendo a sua origem na passagem do gelo do seu estado sólido ao estado gasoso e na procura de caminho desses gases até atingir a superfície.

 

Cavando canais na superfície do planeta Marte até escapar finalmente para a sua atmosfera.

 

PIA13151_fig1 a.jpg     PIA13151_fig1 b.jpg

Marte – NRO – PIA 13151

(imagem decomposta e ampliada)

 

“Com o Homem atravessando um conjunto virtualmente definido (mas sem limites reais nem outro tipo de limites associados a conjuntos fechados, erradamente impressos na nossa cabeça e intuitivamente aí arquivados apenas por questões de orientação e de segurança), colocando irreversivelmente em causa (tal como tantas e tantas vezes acontecido com o átomo) a sua estrutura original (com a origem a ser o nascimento e a mudança a ser comparada à morte) e abandonando de vez a sua zona de conforto, tornando-se livres (como os eletrões-livres) e abrindo novos horizontes aos seus próprios progenitores (o núcleo central).”

 

E com a origem dos mesmos canais a poder ser atribuído a essa passagem de estado e à mudança de ambiente, ao mesmo tempo proporcionando o seu aparecimento e desenvolvimento no tempo, para uns devido a se poder estar aqui perante terrenos antigos ou então facilmente sujeitos (e evidenciando) erosão.

 

Nesta imagem mostrando-nos canais muito mais extensos dos que normalmente encontrado no planeta Marte, justificando o anteriormente afirmado para esta região do seu Hemisfério Sul.

 

E demonstrando que num mundo supostamente sem manifestações de Vida Orgânica (por mais rudimentar e primitiva que fosse), sem Água, nem Atmosfera (como na Terra), o contraste é sempre possível até como comprovativo (da existência) da estrutura: e se ela existe na realidade mesmo sendo Mineral, é porque atrás deste Mundo algo poderá existir (e que por acaso é apenas a base de tudo e de todos).

 

(imagem: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:14

09
Fev 14

“No momento em que o nosso pais está sol alerta vermelho meteorológico e próximo (segundo as previsões) do seu período de actividade máxima – entre as 21h00 de hoje e as 06h00 de amanhã. Pior será o impacto desta tempestade na costa Atlântica de Espanha e nas ilhas Britânicas (com ventos fortes, chuva intensa e vagas de mais de dez metros)”.

 

 

Se por um lado o mau tempo se tem vindo a fazer sentir com bastante intensidade e visibilidade sobre a costa ocidental da Europa – com ventos fortes, chuva intensa e mar com vagas de mais de dez metros a fustigar o seu litoral atlântico – o centro do continente também tem sofrido bastante com as condições climatéricas extremas que aí se têm registado.

 

    

 

No caso concreto de Portugal ainda hoje o país se encontra sob alerta vermelho meteorológico, devido à aproximação de uma nova tempestade vinda do Atlântico e que atingirá com maior intensidade o litoral do nosso país a partir das 21 horas locais (começando a abrandar a partir das 6 da madrugada do dia seguinte). Até o derby de futebol a realizar em Lisboa entre o S.L. Benfica e o Sporting C.P teve que ser adiado.

 

    

 

Na Europa central o vento frio e cortante e a chuva gelada mais sólida do que líquida, tem coberto as cidades e os campos dum manto de gelo quase imaginário e surreal, fazendo-nos recordar cenários de filmes rodados em Hollywood, em que o tema era o clima, o tempo e as alterações climáticas e a criação de condições propícias para uma eventual calamidade. Certas regiões da Eslovénia, Sérbia, Montenegro, Bulgária, Áustria e Polónia não têm sido poupadas ao mau tempo, nem mesmo as conhecidas zonas turísticas croatas da zona costeira do Adriático no Mediterrâneo.

 

(imagens: Eslovénia – The Watchers)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:31

18
Jan 14

Os Pilares Solares são um fenómeno comum no Hemisfério Norte, durante a passagem da estação de Inverno. São frequentes de ocorrer em torno das áreas rodeando zonas urbanas.

 

Um pilar isolado

 

Este fenómeno – neste caso registado no dia catorze deste mês na cidade de Valmiera na Letónia – resulta duma conjugação simultânea de dois importantes factores, envolvendo a luz originada na iluminação das cidades e os cristais de gelo existentes no ar.

 

Inúmeros pilares associados

 

Assim quando a temperatura desce estes dois factores conjugados criam um pilar luminoso erguendo-se da terra para o céu: neste caso a única diferença reside nos flocos de neve (cristais de gelo) aqui produzidos artificialmente através da utilização de máquinas e posteriormente arrastados pela acção dos ventos para o interior das cidades, causando o efeito de múltiplos pilares.

 

(imagens: Janis Satrovsky – spaceweather.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:09

23
Mai 11

Má – Água

 

Vale da Morte

 

(USA)

 

Com o Sol por trás e o meu “telescópio”

 

 

Vale dos Reis

 

Cidade

 

(Egipto)

 

Numa manhã de Sol forte e temperaturas elevadas – areia com uma forte tonalidade dourada

 

 

Resort Zao Onsen

 

Monstros de Gelo

 

(Japão)

 

Árvores moldadas pela neve e pelo gelo – conjunto de monstros gelados

 

 

(Fotos National Geographic)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:41

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO