Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

23
Out 18

Num país – a ÍNDIA – com quase 1.300 milhões de seres humanos e cerca de 50 milhões de macacos

 

– Ou seja 26 seres humanos por cada macaco –

 

girl_living_with_monkies_india_fb.jpg

 

Onde numa área mais de 35X a de Portugal 1.000 pessoas são diariamente mordidas por estes nossos primos afastados (pertencendo ambos ao mesmo Reino/Animal, Classe/Mamíferos e Ordem/Primatas),

 

Chegam-nos este mês notícias da ocorrência de atos criminosos e mortais levados a cabo (na passada semana) por um grupo aparentemente organizado de MACACOS e conduzindo à morte (não acidental) de um ser humano:

 

Na sequência de outros ataques (semelhantes) levados a cabo por Macacos contra HUMANOS

 

Como o ataque mortal de um grupo de macacos (ação coletiva) a um vereador de Deli (depois de Bombaim a 2ª maior e mais importante cidade da Índia) e o rapto levado a cabo por um outro macaco (ação individual) levando consigo um bebé (entrando numa casa e roubando-o) posteriormente encontrado morto afogado num poço –

 

Com um outro grupo numeroso destes primatas (neste caso Macacos RHESUS) a atacarem no passado dia 18 de Outubro no estado indiano de UTTAR PRADESH (um estado densamente povoado pelos vistos não só por Homens como simultaneamente por macacos) um residente local de cerca de 72 anos,

 

Deixando-o após um brutal e definitivo ataque praticamente morto (levado ainda ao hospital mas nunca recuperando do seu estado).

 

Numa ação concertada com um Grupo de Macacos Rhesus a surpreender Dharampal Singh (o tal septuagenário indiano) enquanto recolhia madeira numa floresta próxima (para uma cerimónia/ritual Hindu necessitando da presença de fogo),

 

Atirando-lhe tijolos recolhidos nas ruínas de uma casa (próxima) a partir de uma árvore aí posicionada:

 

E fazendo-o até o deixar prostrado, inanimado e às Portas da Morte.

 

(dados e imagem: Paul Seaburn e thestatesman.com/snopes.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:36

27
Jun 18

Natural ability to know about things before other people or to know things that other people do not know

(collinsdictionary.com)

 

PIA22330 A.jpg

Antes da Tempestade

Marte ‒ Cratera Gale

(local de perfuração Duluth)

CURIOSITY ROVER ‒ SOL 2058

(21 Maio 2018)

 

Como todos nós intuitivamente e por experiência direta (como qualquer tipo de ser vivo e inteligente capaz de se Movimentar fisicamente, transformando Energia e colocando-nos psiquicamente num estado de Alma Evolutivo) constatamos,

 

- Durante todo o nosso percurso presencial e físico neste Mundo Fantástico e Nunca visto (noutra parte deste nosso Conjunto Virtual por nós Idealizado e Edificado),

 

‒ Numa atitude normal de proteção e de preservação de uma Espécie, declarando-se Dominante e tendo necessidade absoluta de definir o seu Centro de Gravidade ‒

 

- E de modo a manter o equilíbrio necessário à solidificação da Estrutura e à Manutenção do seu Sistema (deixando funcionar tranquilamente a Máquina Divina, criada à imagem do Homem),

 

‒ Respeitando todos os dogmas necessários e devidos ao respeito pela Autoridade Político-Religiosa-Ideológica ‒

 

A obsessão pela Centralização Socioeconómica da nossa Sociedade tem sido um dos focos prioritários e orientadores da nossa Civilização (tal como o Comunismo Soviético nos demonstrou no século passado, aplicando-o e levando-o até ao fim/ao seu colapso),

 

‒ Comunista ou Capitalista, Crente ou Não-Crente (mais ou menos Idealista/Materialista)

 

star-wars-1.jpg

Donald Trump e a sua Space Force

Inspirada na série Star Wars

(do cineasta norte-americano George Lucas)

E destinada a defender os interesses dos EUA no Espaço

(contra qualquer ataque não sendo exclusivo a Space Aliens)

 

Essencialmente (sendo a partir daí definida, executada e oficializada),

 

- Desde os Tempos Fundadores do Geocentrismo (tendo a Terra como Centro do Universo),

 

- Passando pelo Heliocentrismo (posta em causa a Terra e o Homem como Elementos Centrais e substituindo-os por um outro Elemento Exterior mas Próximo e sobretudo Poderoso ‒ o Sol)

 

- E situando-se nos dias de hoje (Presente e perspetivando Um Futuro) numa situação incerta e caótica (transversal a todas as ideologias/comuns à presença do Homem):

 

Navegando à deriva quanto muito à bolina (como as Caravelas Portuguesas) entre a Defesa in deflectível do Sujeito (sujeito a desgaste mas insubstituível) e a Projeção (em sua substituição, para já dita irrelevante por apenas parcial) Icónica do Objeto (sujeito a desgaste mas podendo ser reciclado /substituído).

 

Com a maior potência Global a nível Económico, Financeiro e sobretudo Militar (os Estados Unidos da América) no presente liderada pelo multimilionário e Republicano Donald Trump (45º Presidente dos EUA) a prosseguir (como seria sempre previsível) sem qualquer tipo de interrogação ou recuo (mesmo que moral) no caminho pré-definido (e inevitável) de consolidação virtual do seu Poder:

 

Tendo como único objetivo a Edificação do Sonho Soviético (adaptado ao Sonho Americano) com uma única Corporação/Conglomerado a dominar/controlar (no caso da URSS representado por uma Empresa Totalitária Estatal) todas as Áreas Terrestres,

 

Mas no caso destes autoproclamados Excecionais (os EUA) com esse poder a ser exercido por uma Empresa Totalitária mas Privada (não sendo Governamental, para os Liberais sendo Democrática).

 

PIA22330 B.jpg

Durante a Tempestade

Marte ‒ Cratera Gale

(local de perfuração Duluth)

CURIOSITY ROVER ‒ SOL 2084

(17 Junho 2018)

 

E com exemplos bastantes (e variados) tanto a nível Global (hierarquicamente superior e contando) como a nível meramente local e institucional (nível intermédio e inferior),

 

‒ Com os Norte-Americanos a ameaçarem os seus Aliados com sansões/efeito Global e com o presidente destituído do SCP (não querendo deixar de ser Presidente) a desrespeitar tudo (mesmo a Lei) e todos (mesmo os sócios tendo-o eleito anteriormente) /efeito local

 

Justificando em conjunto e em conteúdo prático a conclusão (sentida por muitos mas nunca concretizada) de que para lá dos óbvios Cinco Sentidos haverá um outro Órgão:

 

Talvez relacionando o que a nossa Epiderme (o maior órgão humano) sente (em conjunto com um outro órgão presente mas nunca materializado ‒ o Terceiro Olho) com uma outra Realidade existente (interior, verificada e mesmo com o corpo aparentemente em repouso ‒ não estática ‒ integrando todo o processo),

 

Mas (por algum motivo que não a inevitabilidade) nunca sendo projetada com eficácia dado ser um produto da nossa (pelos vistos Pobre e Desnecessária) Imaginação. Um Sexto Sentido perdido e pelos vistos nunca mais replicado (por defeito ou pelo contrário por evolução modular).

 

No caso do planeta Marte e aproveitando a Grande Tempestade Atmosférica (incluindo areias e poeiras) engolindo toda a superfície do planeta,

 

‒ Tornando turva e quase opaca a sua atmosfera e não deixando penetrar minimamente os raios solares (afetando entre outros instrumentos os painéis solares geradores de energia instalados nas sondas Opportunity e Curiosity)

 

7.jpg

The dividing line between past, present, and future is an illusion.

Reality is merely an illusion, albeit a very persistent one.

(Albert Einstein)

What one man calls God, another calls the laws of physics.

(Nikola Tesla)

 

Com a Grandiosidade da mesma (sendo Global) aproximando-a de um Extremo (ao nível de um Evento), podendo em certas circunstâncias e tendo em vista determinados objetivos,

 

‒ Por deficiência de interpretação ou incidentes na transmissão ‒

 

Transportar-nos para cenários não correspondentes (como diríamos Reais) mas no entanto (e por outro lado) podendo não rejeitar a nossa doação (como alguns diriam Imaginária):

 

Tal como nos Sonhos e de acordo com o nosso Quotidiano de Miséria há muito normalizado (pelo mínimo) não sendo compatível com o mundo material em que hoje vivemos, apesar da presença sentida de algo de Espiritual (ocupando um determinado recetáculo), faltando saber se sob a forma de Código de Produto ou de algo só por vezes a ela (a dita Coisa) inerente (na execução de uma aplicação só conhecida na Terra).

 

Aí podendo ser considerada não apenas a Coisa (um simples objeto), mas um seu superior manipulando a anterior (sem Alma) e impondo-lhe com uma força interior (talvez do género eletromagnética) o dono da Coisa o Sujeito.

 

No caso do Planeta Vermelho e como consequência da Grande Tempestade com as amostras visuais oriundas da sua superfície a evidenciarem mais uma vez que a cor de Marte se relaciona com muitos e diversificados fatores, podendo ser mais castanhas ou mais vermelhas dependendo da variação de múltiplos parâmetros:

 

Mostrando-nos uma ou outra Realidade (mesmo que muito semelhante) nem que seja por simples variação de cor. Se fosse de forma ou de conteúdo, podendo como que representar (ser) uma Realidade Paralela (talvez mesmo) coincidente (em parte ou no todo) com o nosso Centro do Mundo.

 

Mas ficando por se saber, qual deles surgiu primeiro (tal como com o Ovo e com a Galinha): se o Mundo Mineral ou o Mundo Orgânico.

 

(imagens: nasa.gov ‒ filme Star Wars I ‒ chatdem.net)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:48

05
Jun 18

[Aqui com o Homem e o Metano como Protagonistas]

 

Também conhecido como gás natural ou gás dos pântanos, o METANO é um gás representado pela fórmula química CH4, incolor, de odor fraco a levemente adocicado, altamente inflamável, estável, praticamente insolúvel em água e solúvel em solventes orgânicos (álcoois, benzenos, ésteres e gasolina). Trata-se do composto mais simples e abundante do grupo dos hidrocarbonetos.” (infoescola.com)

 

methane-rise-2000-2016.png

1

O aumento contínuo de metano na atmosfera terrestre

(um poderoso impulsionador do Efeito de Estufa)

 

Numa clara demonstração das inúmeras áreas e temas (tanto físicas como mentais) que determinadas organizações oficiais (públicas ou privadas) ligadas à Ciência e à Tecnologia podem explorar, desenvolver e utilizar ‒ num processo (sem preço) de contínua evolução (e investimento), em benefício de um grupo restrito (tornado inatingível) personificando o Sistema (assente numa Estrutura Virtual, Invisível, mas extremamente Sólida) e subordinado (não fosse o Homem o seu Autor) aos que muitos identificam como o Complexo Industrial-Militar (e aos interesses destes tornados prioritários, não interessados propriamente no objetivo inicial de um determinado projeto mas da sua possível adaptação e utilização militar) ‒ o JPL (Jet Propulsion Laboratory) decidiu mostrar-nos mais uma vez como ainda é tão fácil utilizar (como o fariam certamente os nossos antepassados e já recorrendo a componentes artificiais) os nossos sentidos apurados: utilizando um instrumento de análise atmosférica detetando a partir de um avião circulando a grande altitude os níveis de metano aí existentes (na atmosfera). Confirmando-se mais uma vez a afirmação de que “ o Mundo é mesmo muito pequeno” em nenhum ligar se podendo esconder (por mais pequeno que seja) os sujeitos, os objetos ou os seus inerentes dejetos (um dia todos devidamente fichados/com um chip).

 

PIA22466.jpg

2

Emissão de metano para a atmosfera

(a partir de instalações colocadas à superfície)

 

Servindo-se de um método de utilização (informação e deteção) extremamente rigoroso (a nível da implementação das mais recentes descobertas científicas, aplicadas e executadas à distância utilizando tecnologia de ponta e extremamente intrusiva) ‒ de modo a rapidamente e como medida de proteção (da própria Estrutura de Poder), assim como de salvaguarda (antecipando possíveis cenários), se proteger (de certos periféricos indesejados) se necessário excluindo (ou integrando) ‒ para detetar Objetos e até certos Sujeitos: não com câmaras de vigilância espalhadas um pouco por todo o Mundo como as do CCTV (Closed Circuit Television), não com os múltiplos processos e técnicas de espionagem utilizadas pela NSA (National security Agency) ‒ curiosamente tudo se dirigindo tendo o Sujeito como objetivo final ‒ mas com Instrumentos de recolha, de análise e de estudo (de dados) equipando satélites de investigação (da Terra e do seu Ecossistema), não para verificar o comportamento do Cliente (mais uma vez o Sujeito, o Homem) mas para controlar o Ambiente (proporcionado pelo Produtor), o responsável pela sua Manutenção (o Chefe) e pela oferta do Produto (o Objeto a coisa).

 

PIA22466_fig1.jpgPIA22467_fig1.jpg

3/4

Locais associados à libertação de metano

(2→3 e 5→4)

 

Mas sempre com esta NASA (a pobre, a Civil) dependendo da maior (a rica, a Militar) a fonte da sua subsistência e do seu financiamento. Sendo esse o caso e o papel desempenhado pelos dois ex-candidatos Republicanos à Presidência dos EUA Ted Cruz e Marco Rubio (derrotado por Donald Trump nas primárias mas agora colaborante) no seu pretenso apoio ao financiamento da NASA para a prossecução da Exploração Espacial, quando na realidade o seu verdadeiro interesse estaria prioritariamente ligado ao desenvolvimento de foguetões mais poderosos e de maior alcance (aproveitando-se a tecnologia ‒ por exemplo ‒ para futuros mísseis balísticos): não tendo objetivos externos mas internos como alvo. Mas deixando para trás esta grande perturbação que com razão nos inquieta e intoxica o pensamento (mas que incompreensivelmente ninguém pega, para ainda nos podermos salvar), voltemos aos cientistas e ao seu verdadeiro trabalho (pela Ciência e pelo Homem) neste caso retratado pela deteção de Metano ‒ particularmente interessando ao Sujeito.

 

PIA22467.jpg

5

Fuga de metano para a atmosfera

(originadas numa fuga num gasoduto)

 

Aqui com a Agência Espacial Norte-Americana NASA ‒ numa demonstração aérea de mais um dos seus produtos tecnológicos (e levada a cabo num avião a cerca de 3.000 metros de altitude) ‒ a conduzir mais uma pesquisa científica (e atmosférica na Califórnia) tentando medir os níveis de um determinado gaz na atmosfera ‒ o Metanoutilizando para tal o seu espectrómetro a infravermelhos de nova geração o AVIRIS-NG (Airborne Visible Infra Red Imaging Spectrometer-Next Generation). Sendo de fácil conclusão ser esta mais uma iniciativa de promoção (por parte da NASA civil) de mais um produto (Comercial) nesta nova fase de venda (após Corporações ligadas à NASA militar) agora destinada aos privados (e demais interessados), espremido o seu potencial militar e travestindo-o em civil (os seus verdadeiros objetivos) deixando partes para os Outros os usarem (em benefício de muitos) ou deles se servirem (em benefício de poucos). E assim depois dos Militares (na senda da Supremacia Global pelo Controlo das Armas tanto físicas como psicológicas), com a nova tecnologia a chegar ao Mundo (Civil) com o objetivo de (simplesmente) o servir e a partir daí (depois de o servir, deixando-o usufruir) melhorar o seu quotidiano (o Nosso) melhorando Naturalmente (sem Intrusão) o Ecossistema terrestre. Nas imagens (2 e 3) associadas respetivamente às imagens (3 e 4) ‒ a primeira relativa à emissão de metano para a atmosfera a partir de um depósito de gás (nas instalações de Honor Ranch) e a segunda a uma fuga de metano num gasoduto (aí detetado e posteriormente reparado) ‒ comprovando-se a utilidade de tais técnicas e equipamentos até no combate à Poluição (artificial e introduzida na Natureza) no sentido da melhoria do ar que todos (os Seres Vivos) respiramos (sem a necessidade de em qualquer ponto do processo e numa manobra doentia e desviante se recorrer à Violência).

 

(imagens: 1-es-static.us/NASA e 2/3/4/5-photojournal.jpl.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:12

03
Mai 18

O Homem ‒ Da Conquista dos Oceanos à Conquista de Marte

 

I

 

“Inspirada em factos reais, ‘The Terror’ retrata a perigosa viagem em território inexplorado de uma tripulação em busca da passagem do Noroeste. Cercados por condições extremas, a lidar com recursos limitados, falta de esperança e medo ao desconhecido, a tripulação encontra-se constantemente a lutar pela sobrevivência. Enregelados, presos e isolados nos confins da terra, ‘The Terror’ mostra tudo o que pode correr mal quando um grupo de homens desesperados por sobreviver, lutam não só contra elementos externos, mas também entre si próprios.” (amctv.pt)

 

836_terror_web.jpg

The Terror

(Autor do livro: Dan Simmons ‒ Produtor do filme: Ridley Scott ‒ Estreia da série: 2018)

 

Numa Aventura realizada no passado (já lá vão mais de 170 anos) ‒ em zonas inexploradas e extremamente inóspitas (e mortais) do planeta Terra, tentando descobrir uma passagem entre Mundos ligando-os por desconhecidos, enormes e perigosos Oceanos ‒ e na altura podendo ser equiparada em múltiplos aspetos (senão mesmo em todos, por objetivos e condições de aplicação muito semelhantes) a uma outra Grande Aventura que o Homem pretende levar a cabo num futuro a muito curto-prazo (agora a um Outro Mundo que não a Terra) ‒ ao planeta Marte conquistando-o, colonizando-o e descobrindo uma Passagem para Outros Destinos ‒ poderemos, colocando-nos no lugar desses marinheiros, sentir e refletir um pouco mais (profundamente e por associação) sobre o que terá sido o sofrimento (físico e mental qual deles o pior) desses cerca de 100 homens perdidos e isolados num território hostil (para a sua sobrevivência), sabendo que muito possivelmente os seus barcos estariam definitivamente perdidos (progressivamente sendo esmagados pelo gelo) e que o socorro exterior nunca lá chegaria a tempo (devido a condições atmosféricas exteriores ‒ de Inverno no Círculo Polar Ártico/Polo Norte ‒ registando temperaturas impossíveis de suportar pelo Homem). Deixando-nos assim a pensar quase que dois séculos depois como será certamente a futura Conquista do Espaço (Depois da Conquista dos Oceanos), agora que todos falam na colonização de um Outro Mundo mas localizado não na Terra mas num outro planeta (localizado a uma distância de 228 milhões de Km do Sol): Marte.

 

II

 

“Primeiro livro do premiado escritor Dan Simmons no Brasil, O terror, que foi adaptado para a TV por Ridley Scott, com estreia nos EUA em novembro, é, ao mesmo tempo, uma aventura histórica e uma fantasia sombria. A partir de uma meticulosa pesquisa, o autor recria de maneira original uma das mais fascinantes histórias da exploração marítima no século XIX, a Expedição Franklin, como ficou conhecida a trágica investida da Marinha Britânica, em 1845, à cobiçada Passagem Noroeste, que liga os oceanos Atlântico e Pacífico através do Círculo Polar Ártico. Sob a liderança do renomado sir John Franklin e mesmo contando com os equipamentos mais avançados da época, a tripulação de mais de cem homens acabou presa nas geleiras ao norte do Canadá. A luta pela sobrevivência naquele ambiente hostil é o tema da narrativa de Simmons, que adiciona uma misteriosa ameaça aos bravos marinheiros: um predador desconhecido que tenta abrir caminho através dos cascos dos navios.” (travessa.com.br)

 

t2.jpgt6.jpg

t3.jpgt7.jpg

t8.jpgt1.jpg

The Terror

(série estreada pelo canal AMC em Março de 2018)

 

Associando a (1) Era dos Descobrimentos (séculos XV a XVII) ‒ com portugueses e espanhóis como pioneiros desta Grande Aventura Humana (dos Navegadores), a partirem à procura de novas rotas e destinos de comércio (com intensa troca de culturas e de memórias e como tal de conhecimentos), ligando entre si Oceanos e Continentes e contribuindo decisivamente para o desenvolvimento científico e tecnológico dos Tempos Modernos ‒ a (2) história real de The Terror (ocorrida no século XIX) com a exploração marítima de então (neste caso dos Britânicos) tentando ligar dois oceanos (Atlântico e Pacífico) atravessando o Oceano Ártico e dispensando a travessia por terra (praticamente impossível dadas as suas condições meteorológicas extremas) ‒ e a (3) futura colonização do planeta Marte (prevista para o século XXI) ‒ contando para além da agência espacial governamental NASA com projetos já em curso (e aparentemente mais avançados) da responsabilidade da iniciativa Privada norte-americana (como é o caso da SPACE X do milionário Elon Musk), para além de outros projetos similares entretanto anunciados por russos e chineses ‒

 

Constatando-se fácil e rapidamente ao assimilar estes três pontos (1/2/3) de referência (por fundamentais) na atual Evolução do Homem e da Civilização Humana, como ao longo da sua Evolução e nos últimos 600 anos (com os resultados a serem bem evidentes já no século XVIII, com a Boom Científico-Tecnológico-Industrial e a 1ª Revolução Industrial, seguida da 2ª/séc. XIX, da 3ª/séc. XX e da 4ª/a atual com a chegada do Mundo Digital e sua ligação com o mundo Real) o Homem se tem conseguido adaptar, desenvolver e transformar no interior do seu tão frágil como Fantástico Ecossistema e mesmo que limitando-se a replicar (uma característica fundamental da nossa aprendizagem, faltando no entanto conhecer/interiorizar tudo sobre esse mesmo processo de transformação), tendo sempre avançado em frente e igualmente nunca aceitando limites (pois parar é sinónimo de morte por ausência de Movimento). Ontem lançando-se pelos Oceanos hoje e amanhã pelo Espaço.

 

[A série “The Terror” é transmitida no canal por cabo AMC tendo já 5 dos seus 10 episódios transmitidos (6º episódio a 8 de Maio).]

 

(imagens: imdb.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:30

30
Mar 18

(com a Terra entregue definitivamente e como território assumido de caça na mão de predadores inimputáveis – por oficialmente certificados e pelas vítimas aceites como intermediários – a estar definitivamente condenada: ou não fosse o Homem de hoje já um subproduto do Objeto)

 

Aproveitando mais uma vez as imagens fornecidas pela sonda norte-americana CURIOSITY a partir da superfície de MARTE (nosso vizinho e último Planeta Interior do Sistema Solar)

 

PIA22313.jpg

Monte Sharp

Tentando compreender a contribuição da possível presença de água na sua criação

(PIA 22313)

 

– Com as suas câmaras apontando para uma das referências marcianas (localizada na cratera Gale com mais de 150Km de diâmetro) desde que o módulo de aterragem tocou pela 1ª vez a superfície do planeta (a 6 de Agosto de 2012)

 

A mesma apresenta-nos mais uma vez um retrato do já famoso (por tantas vezes mencionado) MONTE SHARP (numa construção de imagens obtida no passado mês de Janeiro), realizada no 1931º dia de estadia do ROVER CURIOSITY no planeta VERMELHO: desde há mais de três anos (2014) escalando o referido monte.

 

Com o ROVER CURIOSITY circulando sobre a superfície de Marte e tendo até ao momento (meados de Fevereiro de 2018) percorrido mais de 18Km (uns 9m/dia), oferecendo-nos para nosso usufruto uma área (no centro da imagem tendo ao fundo a elevação) junto da base do MONTE SHARP onde a presença de certos minerais poderá confirmar (ou não) a presença de água (no passado) à sua superfície:

 

Talvez num passado já bastante distante (uns biliões de anos atrás) com um Oceano cobrindo parte da superfície do planeta (como na Terra, com uma menor dimensão e outras características) e provavelmente (talvez mesmo certamente, dados os indícios) ainda hoje com vestígios da sua presença, talvez à superfície ou em depósitos subterrâneos (no estado sólido).

 

E como afirmam os cientistas da NASA responsáveis pela missão,

 

PIA22312.jpg

Monte Sharp

Área assinalada na base sugerindo a presença de água no local e no passado

(PIA 22312)

 

– “This mound, which Curiosity has been climbing since 2014, likely formed in the presence of water at various points of time in Mars ancient history. That makes it an ideal place to study how water influenced the habitability of Mars billions of years ago” (nasa.gov)

 

Com o planeta MARTE apesar de todas as suas caraterísticas e alta toxicidade para a permanência e sobrevivência de seres Humanos à sua superfície (largado aí como viera ao Mundo/Terra morrendo em escassos segundos),

 

Conjuntamente com a Lua e outras Estações Espaciais (associadas no mesmo Objetivo),

 

Sendo sem qualquer tipo de dúvida o Destino dos Novos Navegadores do Presente e do Futuro (tal como já o fôramos com os Oceanos no Passado) tendo a Conquista do Espaço como novo Paradigma e a nossa Sobrevivência, resiliência e persistência (neste Universo sem limites) como o nosso inevitável (sonhado/imaginado/realizado) destino:

 

Talvez aí compreendendo o Fantástico Misterioso da nossa Exclusividade (pelo menos local) e finalmente (concretizando) transformando-nos em Mágicos (com Alma).

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:48

08
Jan 18

Tsunami? Não.

Ação conjugada das marés com a Lua e/ou com o Sol.

(duplo impacto)

 

Há já uns anos atrás não me recordando bem quando (talvez perto da mudança anual de semestre) ‒ e observando de uma das margens do Arade o rio a deslocar-se (no que deveria ser correndo da terra para o mar) ‒ vendo o movimento das águas a deslocar-se em sentido contrário: em princípio provocado por um (pequeno) deslocamento de terras (submarino) ocorrido algures no mar e provocando a recessão (de águas) como resultado de um sismo ou então uma conjugação de mais uma maré-baixa mas aí interagindo com a Lua e/ou mesmo com o Sol, quando a Terra e o Lua se encontram no seu perigeu (a Lua relativamente à Terra e a Terra relativamente ao Sol).

 

ocean disappears Ecuador 2018 (1).jpg

Equador ‒ Costa do Pacífico

Santa Rosa ‒ 5 de Janeiro 2018

 

Numa localidade situada na América do Sul na costa oeste do Equador (fazendo frente ao oceano Pacífico) ‒ SANTA ROSA ‒ no dia 5 de Janeiro (deste ano) os seus habitantes (vivendo numa vila piscatória e como tal tirando a sua subsistência do mar) viram-se confrontados com um fenómeno raro e como tal preocupante (com muitos não o conhecendo e compreendendo e logo despertando medo e receio) ‒ envolvendo o seu local de trabalho o MAR ‒ que pelas suas caraterísticas seria um TSUNAMI: com as águas (do oceano Pacífico) a retrocederem mais de uma centena de metros, deixando o leito do mar à vista e os barcos dependurados.

 

DStT0zGXcAAC2Ee.jpg

Equador ‒ Costa do Pacífico

Baía de Caráquez em Manabé ‒ 4 de Janeiro de 2018

 

Já mais a norte ainda sobre o Pacífico e localizado na região da baía de Caraquéz (por estrada a cerca de 450Km a norte de Santa Rosa) ‒ ao contrário de Santa Rosa uma terra de pescadores, com a Baía de Caráquez a ser um destino turístico ‒ com a localidade costeira da província (equatoriana) de MANABÍ a ser afetado por um fenómeno semelhante (pela data o mesmo) com as águas a recuarem (para mais tarde regressarem) deixando o extenso areal a descoberto: aqui mais depressa interpretado (e reconhecido) como um fenómeno habitual (neste espaço) apesar de menor vezes observado e como tal conhecido (no tempo) “Un fenómeno tan natural, ahí si la gente tiene miedo, pero para la maldad, no hay ni el mínimo de temor.” (Kevin Arteaga/@ArteagaKevin/twitter.com)

 

ocean disappears Ecuador 2018 (3).jpg

Ainda no ano de 2017 com outros países a assistirem a fenómenos semelhantes

Com a água do mar (temporariamente) a desaparecer (do areal)

 

Mas nunca esquecendo (mesmo no anterior fenómeno) a interferência do Homem

E a sua contribuição para o Aquecimento Global e para as Alterações Climáticas.

(triplo impacto)

 

Felizmente com uma Instituição Governamental fazendo o devido esclarecimento (Instituto Oceanográfico da Armada Equatoriana ou INOCAR) explicando a razão do fenómeno e assim afastando medos, mitos e possíveis conspirações: “Aguaje máximo y factores océano atmosféricos causaron recogimiento del mar”: o que por vezes não acontece noutros países pela sua postura moral e poder militar efetivo (infelizmente interligados) com muitas mais obrigações e responsabilidades de defesa dos seus próprios cidadãos (caso exemplar os momentosa que se seguiram ao furacão Katrina com todos os esforços em princípio dedicados á salvação de vidas civis ‒ como disse George W. Bush da cidade de Pecadores de Nova Orleães ‒ a serem desviados para a assistência imediata às plataformas petrolíferas, enquanto centenas de cadáveres flutuavam à superfície de vastas zonas urbanas invadidas pela água dos rios saltando e submergindo rapidamente as suas margens).

 

tumblr_oket8jQnNG1qcwlyto3_1280.jpg

Além das alterações climáticas (marés mais extremas, degelo nos polos)

Com todo o Hemisfério Norte a ficar congelado (Nova Iorque ‒ Rio Hudson)

 

Nem mesmo em países como Portugal recordando o caso recente dos Incêndios provocando grande destruição e um elevado número de vítimas (mais de uma centena) ‒ algo de impensável para todos aqueles que ainda valorizam o estatuto do Homem e do seu Direito à Vida, jamais aceitando a banalização da violência e da morte (como algo de natural apesar da sua origem imposta e artificial) e a substituição do que nos define como Sujeito transformando-nos agora num mero (e cada vez mais desprezível) subobjecto. Mas no caso do Equador (um país talvez mais discreto mas não menos sofrido no panorama geral e dramático da História da América do Sul) com os seus serviços a funcionarem divulgando explicações bem cuidadas, verificadas na difusão dos avisos como salvaguarda da segurança e proteção (1º) dos seus cidadãos e (2º) seus bens: falando-nos das marés, da atração gravitacional, do Sol e da Lua, da Lua Cheia e da Lua Nova, do nível da água do mar, do apogeu e perigeu … e até de como por vezes tudo isto se conjuga dando origem à ocorrência destes fenómenos parecendo tsunamis mas sendo apenas variações (extremas) de marés. Excelente pela oportunidade e pela atitude pedagógica.

 

(imagens: David Lainez@lainezch/twitter.com ‒ Noticiero 24 Horas/@24Horas/GYE/twitter.com ‒ ufosightingshotspot.blogspot.pt ‒ brasil247.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:44

05
Out 17

[Observada anteontem em Marte]

 

“I believe in the possibility of commercial space travel - for exploration and for the preservation of humanity. I believe that life on Earth is at an ever-increasing risk of being wiped out by a disaster, such as a sudden nuclear war, a genetically engineered virus, or other dangers. I think the human race has no future if it doesn’t go to space. We need to inspire the next generation to become engaged in space and in science in general, to ask questions: What will we find when we go to space? Is there alien life, or are we alone? What will a sunset on Mars look like?” (How to make a Spaceship/Julian Guthrie/Stephen Hawking)

 

MARTE.JPG

Marte ‒ O Adulto

(Curiosity Rover ‒ SOL 1834)

 

Pela 1ª vez desde que um veículo motorizado terrestre circula num Mundo Alienígena (neste caso o planeta MARTE), uma imagem registada ontem (dia 3 de Outubro) por um desses veículos (o CURIOSITY) mostra a quem quiser ver e não tiver dificuldade em acreditar, a sombra do que será um MARCIANO adulto acompanhado (na imagem à direita) por dois indivíduos mais jovens (e mais pequenos):

 

Numa prova irrefutável de que poderá existir Vida em Marte (biológica, mecânica ou biomecânica) com um conjunto de sombras a comprovar a existência de três Sujeitos (e não objetos por se deslocarem por sua iniciativa), deslocando-se sobre a superfície (do planeta) nas proximidades do veículo (oriundo da Terra a mais de 200 milhões de km e no dia deste registo comemorando o seu 1834º dia de estadia no Planeta Vermelho).

 

Nestes cinco anos de estadia e trabalho científico sobre a superfície de Marte (noutra região do planeta circulando a sua irmã mais velha OPPORTUNITY) e entre as várias imagens proporcionadas pelas câmaras instaladas a bordo do veículo ‒ e com o mesmo já se tendo deparado ao longo destes quase 2000 dias (ainda faltam 166) com fisionomias semelhantes às humanas (humanoides), fazendo-nos lembrar outros animais (irracionais) e até objetos familiares (como o terminal do tubo de sucção de um aspirador, pela sua apresentação e forma sendo o que teve mais impacto pela sua extrema semelhança ao ainda utilizado na Terra) ‒ deixando-nos mais uma vez desconcertados pela sua Presença mas em notícias revelando a sua Ausência (nem todos acreditando nas sombras como originadas em Sujeitos num Mundo pejado de objetos), cada vez mais desesperados e com menor esperança.

 

MARTE 1.jpg

As sombras dos jovens Marcianos

(detalhe da imagem anterior)

 

Seremos nós os únicos Seres (organizados, inteligentes) em todo o Sistema Solar?

 

Uma espécie até ao momento (tendo em conta o seu ainda curto período de Evolução sobre a face da Terra) tendo atingido um nível apreciável de desenvolvimento científico e tecnológico (bem explícito na área da Saúde e da Exploração Espacial), mas que no entanto não aproveitando tudo o que lhe chega às mãos (por aprendizagem ou acidentalmente) e todas as possibilidades que os novos cenários lhe apresentam (e sugerem pela sua simples presença), apenas tem aproveitado tal transformação (e desenvolvimento) para aceder a novas possibilidades e estratégias de matar seres da sua própria espécie ‒ já que mesmo excedentário (o Homem) e dada a (pretensa) sobrelotação da Terra, a solução não será reduzi-lo (o nº de elementos como nós) mas conquistar outros territórios (deixando definitivamente o exclusivo das sondas automáticas ‒ sem tripulação ‒ criando uma base intermédia ‒ em órbita da Lua ou sobre a sua superfície ‒ e daí partindo em naves espaciais tripuladas ‒ interplanetárias ‒ em direção a outros planetas e aí originando colónias).

 

De momento com os norte-americanos (iniciativa privada seguida pela NASA) a apontarem para Marte (com Elon Musk e a Space X à frente) mas só na próxima década (2020/2030) e com outros a proporem uma 1ª passagem pela Lua (Base/Colónia Zero), só depois seguindo viajem.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:07

17
Jul 17

Ameaçadoramente estas Sombras extremas integrando a superfície marciana apenas nos indicam que a Invasão Apocalíptica iniciada há biliões de anos em Marte ainda prossegue sob os olhos curiosos de uma raça alienígena (mas próxima) sem saber bem o que fazer (no mínimo para que o mesmo não lhe aconteça).

 

PIA21784_modest.jpg

Espectros de Marte

Malea Planum ‒ Pólo Sul

(PIA 21784)

 

Num dos planaltos vulcânicos situado na bacia de impacto de HELLAS localizado no hemisfério sul do planeta MARTE (MALEA PLANUM), a sonda espacial MRO enviada do planeta Terra e atualmente orbitando o Planeta Vermelho, conseguiu obter a partir do seu instrumento ótico HiRISE instalado a bordo deste satélite (artificial), sinais evidentes da terrível invasão direcionada para as periferias e envolvendo poeiras e cinzas: resultado da atividade geológica que terá existido num passado bastante remoto nesta região do planeta, num conjunto formado por vários vulcões distribuídos pela bacia e então extremamente ativos.

 

Ainda agora prosseguindo na sua marcha imparável e necessária de purificação (incluída no seu ciclo evolutivo), no seu caminho cobrindo vestígios pretendendo aniquilar o nosso último pretexto (a possível existência no passado de vida e de uma alma marciana) e rodeando todo um corpo seco, varrido, calcinado e completamente despejado de vida, sujeitando-se a um processo aparentemente irreversível da mais pura erosão tóxica, persistente e extremamente mortal.

 

PIA21784_fig1.jpg

Região onde se integram os Espectros de Marte

(“sombras” à direita)

 

E com a prossecução desta Invasão no presente planetária mas num futuro extraplanetária, com os terrestres a pretenderem a aí se instalar (em Marte), tentando dar-nos uma resposta (ao futuro do Homem) e à sua necessidade de partir: sabendo-se como debaixo das areias do deserto se escondem sempre os maiores segredos e talvez o mapa do tesouro do nosso próprio destino.

 

Até talvez a resposta para o facto de existirmos (existência de Vida).

 

When a group of atoms is driven by an external source of energy (like the sun or chemical fuel) and surrounded by a heat bath (like the ocean or atmosphere), it will often gradually restructure itself in order to dissipate increasingly more energy. This could mean that under certain conditions, matter inexorably acquires the key physical attribute associated with life: “You start with a random clump of atoms, and if you shine light on it for long enough, it should not be so surprising that you get a plant (Jeremy England/Físico norte-americano do MIT)”

 

(texto final/itálico: quantamagazine.org/ A New Physics Theory of Life/22.01.2014 ‒ imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:44

11
Jul 17

Se o Homem pretende sobreviver às dimensões do Espaço e do Tempo (no nosso caso ao Sol ‒ vivemos num ponto impercetível do Espaço, num Tempo equivalente ao de uma mosca) o nosso destino será sempre o de partir: mesmo que seja no interior do Sistema (Solar) e preparando a primeira Viagem Exterior (junto de outras estrelas).

 

Ficando, nunca teremos existido.

(provavelmente como muitas espécies, vivendo num tempo relâmpago e nunca tendo comunicado ‒ e com todas estas pensando, terem sido elas as únicas).

 

Agora que se aproxima o fim definitivo da missão Cassini-Huygens com o suicídio da sonda CASSINI sobre o corpo do gigante e gasoso planeta SATURNO (programado para meados de Setembro e deixando-nos isolados desta região do nosso sistema), viramo-nos agora para um seu semelhante (também gigante) considerado o maior dos oito planetas integrando o nosso sistema planetário (Sistema Solar) e recentemente começando a ser orbitado pela sonda JUNO ‒ o planeta JÚPITER.

 

PIA21713.jpg

Jupiter With Great Red Spot, Near Infrared, May 2017

(PIA21713)

 

Nesta primeira imagem de 18 de Maio de 2017 com as diferentes partículas constituindo a espessa camada exterior de nuvens rodeando o planeta Júpiter, a apresentarem-se com cores diferenciadas conforme as respetivas altitudes pelas mesmas atingidas.

 

Com a Grande Mancha Vermelha (GMV aqui aparecendo num branco brilhante) a ser uma das mais altas regiões (acima da região de convecção) do planeta Júpiter o maior do Sistema Solar.

 

E devido aos ventos extremamente intensos circulando a altíssimas velocidades no interior da GMV, observando-se outros fenómenos a ela associados e estendendo a tempestade para oeste (braço da espiral) e para este (em forma de ondas).

 

E com outras regiões rodeando a GMV a registarem uma menor densidade de nuvens/partículas na atmosfera de Júpiter, como as zonas mais escuras situadas a norte (as ovais) e situadas a sul (os blocos) ‒ mas sempre com a presença de grandes tempestades ciclónicas e com a particularidade de rodarem no sentido dos ponteiros do relógio (ao contrário da GMV).

 

Mais a norte e acima da linha do equador com mais uma extensa camada em forma de onda atravessando como uma faixa todo o norte do planeta, nela incluindo mais duas ovais (brancas) referenciadas como anticiclones e registadas em Janeiro deste ano (2017).

 

Num recrudescimento das tempestades atmosféricas detetadas em Júpiter desde essa altura, como o demonstra a nova tempestade referenciada ainda mais a norte do equador (outra oval branca).

 

PIA21714.jpg

Jupiter With Great Red Spot, Mid-Infrared, May 2017

(PIA21714)

 

Nesta segunda imagem igualmente de 18 de Maio de 2017 utilizando um filtro infravermelho, sendo possível observar algumas características da troposfera de Júpiter, como a temperatura e a maior ou menor espessura das camadas de nuvens que o rodeiam (nuvens localizadas nas proximidades do nível de condensação do gás de amónia).

 

Segundo os especialistas da NASA pela cor induzida nessa região do planeta com a GMV a representar uma zona mais fria da troposfera jupiteriana, caraterizada por apresentar uma fina camada de nuvens ‒ por sua vez sendo rodeada por uma zona mais quente localizada mais a nordeste (turbulenta e com partes quentes e secas alternando com outras mais frias e húmidas) no seu conjunto e perante os contrastes de cores emitidas oferecendo-nos uma imagem mais rigorosa deste Gigante.

 

De modo a compreender-se melhor toda a estrutura e mecanismo de funcionamento e desenvolvimento da GMV (assim como de todas as outras manchas ovais), como simultaneamente das áreas a ela adjacentes e estruturas aí existentes.

 

Contando agora com a presença da sonda Juno no dia de hoje (entre 10/11 de Julho) fazendo a sua 6ª aproximação ao planeta: agora que estamos tão perto de perder a sonda Cassini, a pouco mais de 2 meses da sua viagem final em direção ao outro gigante o planeta Saturno.

 

O que nos deixará ausente de uma das zonas mais importantes do nosso Sistema Solar, região onde a probabilidade de existência de água será uma das mais altas em todo este sistema planetário, sabendo-se que perto de nós e à exceção da Terra a mesma não é visível (nos Planetas Interiores pelos menos à vista desarmada e em depósitos relevantes).

 

E que por outro lado as certezas da existência da mesma mais longe de nós, na e para além da Cintura (de Asteroides) ‒ onde se situam os planetas Exteriores e as suas inúmeras luas ‒ são cada vez maiores e cada vez mais evidentes (e com muitos candidatos entre tantos luas e outros corpos).

 

(dados, imagens e legendas: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:33

27
Fev 17

Recordando

“Um ser Humanoide entrevistado por um ser Humano na estação CNBC”

 

Numa apresentação de Março de 2016 gravada pela estação de televisão norte-americana CNBC podemos observar o projetista robótico David Hanson numa demonstração ao vivo levado a cabo em conjunto com a sua criação o androide Sofia – na altura considerado o mais avançado humanoide dotado de Inteligência Artificial. Num dos momentos da entrevista gravada pela CNBC e levada a cabo por Hanson (o Criador) questionando Sofia (a Criação), deixando alguns de nós um pouco preocupados face à resposta do robot humanoide em que o mesmo admitia que um dia destruiria humanos.

 

R1.jpg

Sofia e Hanson

 

Um robot humanoide que na entrevista com o humano seu criador (e sabendo de antemão do projeto futuro que o mesmo lhe reservara – daqui a uns 20 anos movimentando-se e passando despercebido entre nós) já demonstrou relevantes capacidades de conversação e de reconhecimento visual (necessária para a sua inserção na sociedade), desejos particulares a concretizar durante a sua vida (como o de ter uma família, apresentando assim algo de semelhante às nossas emoções e com sentido resiliente e evolutivo) e até alguns pensamentos coletivos podendo interferir na organização da estrutura (corpo central do nosso sistema): confessando (se necessário) poder destruir seres humanos (matá-los).

 

Uma afirmação que tendo sido emitida pela primeira vez, em público e pela TV pela boca de um robot humanoide em diálogo com um ser humano (quando este a questionava sobre temas como as suas aspirações e as suas crenças) deixou muitos dos que a escutavam perplexos e especialmente alarmados: com Sofia a responder “que gostaria de ir à escola, constituir família e destruir humanos”. Uma Máquina que poderá vir a substituir o Homem na pirâmide hierárquica terrestre, colocando de novo no pedestal da Vida algo diretamente ligado ao Mundo Mineral e com a particular ironia de aí ser recolocada pelo Mundo Animal – a estrutura extraordinária resultando do esforço, da dedicação e da evolução da Matéria (Mineral) criando algo de exclusivo (um organismo).

 

Sofia

A Robot Humanoide mais Avançada do Mundo

1

 

R2.jpg

 

2

 

R3.jpg

 

3

 

R4.jpg

 

Sofia

Pelo menos assim retratada há um ano atrás

  

Sendo capaz de perceber (mantendo um diálogo), recordar (outras interações passadas com os registos visuais) e evoluir (com a repetição ficando cada vez mais inteligente). E tal como acontece com as nossas máquinas (biológicas) tornando-se cada vez mais conscientes, criativos e cheios de capacidades (de todo o tipo e feitio e certamente de outros mais). Hoje já percebendo (talvez por interposta pessoa e sendo mesmo temporário) ainda não ser uma pessoa e sendo ainda ilegal não o podendo exercer – e assim partilhar o espaço e ser um nosso igual. Apenas com um processador e uns quantos algoritmos.

 

E obviamente para aqueles que receando um levantamento popular de mais uma minoria nem sequer se podendo designar como um ser vivo, biológico e assente numa estrutura orgânica (como um conjunto mecânico que são controlado por processadores minerais), levando-os de novo e de uma forma mais dura a manifestar-se de imediato contra as Máquinas dotadas de Inteligência Artificial: com o aparecimento dos primeiros robots biomecânicos e até com a aplicação dos primeiros periféricos em seres humanos (as novas próteses mas agora inteligentes e adaptadas adaptando-se) temendo pelo fim da espécie Humana – neles se incluindo nomes como o do cientista Stephen Hawking ou do milionário Elon Musk (e com este último a comparar a utilização da inteligência artificial a “uma convocatória feita ao Demónio”).

 

R6.jpg

Sofia

 

No final, como sempre e até para a Máquina continuar a funcionar eficazmente – triturando até ao seu fim o seu futuro e único obstáculo o Homem (problema inerente ao ato de criar e logicamente com os efeitos deste sendo associados ao seu Criador) – com a balança a ficar de novo equilibrada e à primeira vista perfeita: no fundo nada se fazendo para evitar o desastre, que assim se irá tornando inevitável e já neste preciso momento irreversível. Com uns a posicionarem-se frontalmente contra, enquanto outros vão apresentando possíveis virtudes e benefícios futuros de tal intervenção (até por estarem interessados no desenvolvimento do seu próprio projeto não só cientifico como financeiro).

 

Dos que estão Contra

(como Hawking e Musk)

Dos que estão a Favor

(como Hanson)

No Futuro a maior parte das ameaças contra a Humanidade serão causadas pela enorme diferença entre o grande desenvolvimento tecnológico e o nosso pobre desenvolvimento intelectual; com a tecnologia como a parte mais forte a representar o maior perigo e podendo nos próximos séculos provocar um grande desastre (com as Máquinas a dominarem o Homem).

 

Num Evento que só não será ao nível de extinção da Humanidade (já que a concretização do nosso paradigma está ligado á Tecnologia e à respetiva operação da qual será o resto) desde que a mesma encontre um meio de viajar no Espaço: e assim evitando com a permanência na sua única zona de conforto, o desastre e o fim da Humanidade (com guerras, problemas climáticos e doenças).

 

Prevendo-se caso o cenário mais dramático (para o Homem) se concretize (a chegada da Hora das Máquinas) que os empregos diminuam, que os robots se equiparem (a nós) e com tudo isto a ocorrer em menos de uma década ou duas. Com estas máquinas misturadas ou não (com componentes orgânicos) tendo até personalidade e as suas próprias emoções. Quando muito adaptadas do Homem para a Máquina.

Inevitavelmente um dia virá no Futuro em que Homem e o Robot (a Máquina) se confundirão: com os mesmos circulando na maior das normalidades entre nós e fazendo as mesmas coisas que nós fazemos todos os dias – ajudando, brincando, aprendendo e ensinando e com uma maior experiência e desenvolvimento, podendo executar (cada vez) mais tarefas.

 

 

Evoluindo até um nível tal, que poderá ser equiparado a um amigo – um nosso semelhante, numa réplica perfeita e tornando-se idêntico.

 

E até podendo ter ideias idênticas às nossas (ou não fossemos nós a sua fonte e modelo).

 

 

 

Até para o Bem e até para o Mal – seja o grande Criador ou a sua Criatura: criatura que quando indagada pelo seu criador sobre se “se gostaria de destruir humanos” pestanejou (ou dobrou o sobrolho) e disse que “sim”. Com o seu Criador a sorrir. O que qualquer um faria fosse Homem ou fosse Máquina.

 

 

E perante tudo isto envolvendo Organismos (elementos biológicos, adaptados ao meio ambiente e vivos como nós) e Máquinas (elementos mecânicos, programados para se adaptarem – ao meio ambiente mas prioritariamente ao Homem – e suportados por uma estrutura central de base mineral), qualquer um de nós seja leigo ou cientista e colocado perante tantas versões (e outras tantas previsões) só poderá mesmo pensar no grande buraco negro onde estamos (todos) enfiados – e entre tantos trilhos que nos dizem existir, resumindo todos a 2 em caminhos paralelos e tendo o mesmo destino: um entronizando o Homem como único protagonista-herói (a única personagem, a principal e à imagem de um Deus ativo/direto e cruel), outro solicitando à Máquina apoio tornando-o um ícone (figura sagrada e simbólica e à imagem de um Deus mas num estado já passivo/contemplando e pacifista) – e tendo todos como destino uma guerra declarada (e há muito iniciada), entre o Homem e o Homem ou entre o Homem e a Máquina (mas sempre com a Máquina presente e atuando legal ou ilegalmente).

 

Pelo que o maior perigo que as Máquinas nos dias de hoje representam para o Homem não será tanto motivado por uma revolta das mesmas (numa fase muito inicial do seu desenvolvimento, manifestando-se violentamente contra o seu Criador e ainda sem garantias de autossuficiência futura), mas por aquilo que o Homem fará utilizando o que nós pensamos ser apenas mais um periférico: mais próximo, atuando independentemente e a uma certa distância. E no meio da cirurgia com a mais exata das precisões, surgindo os colaterais e as primeiras vítimas humanas – com as Máquinas entretidas a substituírem as peças (delas).

 

(imagens: CNBC/youtube)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:19

Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO