Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

26
Fev 21

[O meu parceiro e o dele.]

 

“Melhor que ter um conhecido ou amigo,

só mesmo tendo um parceiro:

que o digam nesta história, o HOMEM e o CORVO.”

 

0_SWNS_PET__CROW_001.jpg

I suffer with my mental health

but looking after him takes up all my time,

not giving my brain time to overthink things.

(Lee Calbert)

 

Uns (1/2) bem definidos (social/economicamente) e com necessidade de troca (conhecidos ou amigos, dependendo da graduação), outros (3) aleatórios (entre marginais, assim como entre integrados) e sem demonstrarem necessidade (parceiros). Evidentemente que se escolhendo ─ com “um arrepio de alegria na espinha”, até pelo impacto da sua graciosidade e beleza (figurativa e gestual do conjunto) (3) o parceiro. Questionando-nos como entre espécies e ainda por que razão, será isto mesmo assim, estabelecendo-se tantas parcerias (Homem/Cão, Homem/Gato, Homem/Corvo, etc.) e entre o Homem não. Vejamos então esta parceria (tão bem-sucedida) HOMEM/CORVO.

    

original 1.jpgoriginal 2.jpg

 

Uma parceria fortuita por não planeada ocorrida no ano 2020 em plena Pandemia Covid-19 nos EUA (o país mais atingido do mundo pelo vírus SARS CoV-2, perto de atingir os 30 milhões de infetados e ultrapassando já o meio milhão de mortes) ─ no estado de Massachusetts, município de Weymouth, cidade de Dorset ─ colocando acidentalmente no mesmo ponto “de espaço e de tempo” e forçando à junção (futura parceria), duas vidas distintas seguindo o seu próprio caminho aqui cruzando-se e como tal coincidindo (nos seus destinos):

 

0_SWNS_PET__CROW_007.jpg

 

Um homem certamente introvertido e solitário tentando no seu caminho (de Vida) precaver-se de algum problema de saúde mental (como acontece, mais superficial ou profundamente a todos nós), recorrendo se possível mesmo que inconscientemente (estando completamente aberto) a um qualquer apoio (ajuda/salvação) ─ Lee Calbert de 46 anos ─ e um corvo (animais dotados de um aparato cognitivo capaz de lhes propiciar diversas ações que podem ser compreendidas como sinais de inteligência) ainda novo/desajeitado e que  tendo caído de uma árvore (permanecendo nos seus ninhos 20/40 dias) sobre um pavimento colocado na rota do seu passeio (do homem), procurava perdido e aflito que um acaso o reintroduzisse na sua rota e o salvasse ─ o recém-nascido corvo Russell.

    

original 3.jpgoriginal 4.jpg

 

Com Russell a ser recolhido por Calbert, salvando-se, recuperando-se e crescendo (num processo cuidadoso/demorado/trabalhoso desenvolvido por Calbert) e a caminho de um ano estabelecendo-se entre eles um elo (extraordinário e profundo) ─ com o corvo Russell como que a tomar o comando (da casa da vida de Calbert) ─ dando origem num relâmpago a (mais) esta parceria: talvez de longa duração (esta agora coligação), sabendo-se que um corvo tem um tempo médio de vida estimado em 20 anos (em vida selvagem uns 30) e que em cativeiro um chegou quase aos 60.

 

(imagens: SWNS/24.02.2021/flipboard.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:20

25
Fev 21

[Porque somos Objetos, apesar de sermos Sujeitos.]

 

file-20210223-14-cnfbpy.jpg

Sapo em Campo de Golfe

(GB)

 

Como de duas consequências da intervenção do Homem, uns aproveitam (os irracionais/inconscientes) ─ exemplo disso (1) os batráquios outros não (os racionais/inexperientes) ─ exemplo disso (2) os humanos.

 

Os primeiros (1) adaptando-se às condições (artificiais) de um campo de golfe (terreno terraplanado e depois comercialmente adaptado) ─ com imensos pontos negativos agregados (alterando o ambiente natural e poluindo o ecossistema)

 

Os segundos (2) apanhados desprevenidos por delegação de competências (como as autoridades/responsáveis/políticos) ─ e acreditando fanaticamente nos seus líderes (depois de formatados/condicionados) ─ abandonados, colapsando.

 

file-20210222-13-uzbzp0.jpg

Texas em Blackout

(EUA)

 

Num duelo terrestre (e adaptado) entre RACIONAIS & IRRACIONAIS (disputado numa faixa bem estreita, de uma bolha fechada) e sabendo-se em antecipação das condições de sobrevivência (básicas, às mesmas inerentes) de cada uma das espécies …

 

Partilhando este ínfimo e para nós (raça dita dominante) belo Ponto-Azul celeste, não contra todas as certezas ─ sendo o Homem a autointitulada Raça Superior (cientifico-tecnológica-espiritualmente) ─ mas confirmando todas as evidências (Alterações Climáticas/Aquecimento Global), afetando todas as outras espécies (não dominantes/inferioras),

 

Perdendo (mais uma vez) o HOMEM e triunfando (como é seu hábito prevenindo-se/evoluindo/adaptando-se) o IRRACIONAL: uns (1) vivendo um dos seus melhores momentos (nada melhor) os outros (2) um dos seus piores (ainda-por-cima podendo repetir-se).

 

(imagens: Erni/Shutterstock e Ricardo B. Brazziell/

American-Statesman/USA TODAY/Sipa em theconversation.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:45

01
Fev 21

Talvez um dia os alienígenas, nos ofereçam o antídoto.

 

Demonstrando a sua inteligência avançada e cumprindo respeitosamente a regra dos três parâmetros (R-3P) ─ “distanciamento, máscara e mãos” ─ eis que os nossos alienígenas (por ser nossa criação) socorrendo-se da sua tecnologia revolucionária (pelo menos aplicada às viagens), provam mais uma vez ─ por uma razão qualquer, por mais estranha que seja ─ continuarem interessados em nós. Seja por necessidade ou por acaso  (deles, como poderia ser de nós, podendo haver contactos) passando a curta ou média distância (de nós). Ainda hoje pela parte deles (alienígenas, cumprindo na integra a R-3P) sem provas irrefutáveis (credíveis para os 8 biliões de terrestres) da sua existência.

 

impacts-moon-surface.jpg

Três impactos (brilhantes) na Lua

 

Something Huge Appears Next To the Sun - Helioview

E enorme objeto (passando) perto do Sol

 

Visitando o Sol e a Terra (entre outros corpos celestes) como provavelmente o fazem desde que nos conhecemos (nos tornamos conscientes) ─ mesmo antes, tendo a Terra mais de 4 biliões de anos ─ saltando na sua observação histórica (Terra/Homem) diversos ciclos civilizacionais (réplicas temporais) onde o Homem predominaria e nos múltiplos trajetos pelos mesmos (alienígenas) estabelecidos, acompanhando a evolução do sistema (o Sistema Solar de hoje, não será igual ao da sua origem) e o desenvolvimento do Homem (e da Vida). Neste início de século (XXI, segundo a cronologia terrestre) passando por cá amiúde, neste contexto espácio-temporal em “tempos de covidário”.

 

ufo-fastwalker.jpg

Objetos não identificados, um voando

 

ufo-ocean-florida.jpg

O outro voando e mergulhando no oceano

 

Surgido a partir de uma mera singularidade ─ conjugando Espaço/Tempo, Matéria/Eletromagnetismo ─ o Universo e os seus triliões de galáxias datados de quase 14 biliões de anos (a Terra terá aparecido 10 biliões de anos depois), continuam no presente no seu processo contínuo de expansão ─ talvez no seu estado inicial (diâmetro do Universo superior a 90 biliões de anos-luz). Na prática, respeitando a coexistência e a distribuição em diferentes regiões do espaço (e sua evolução, expansão) dos Mundos Mineral e Orgânico (unidos pelo eletromagnetismo, a Alma Universal) ─ em fases diferenciadas do processo, uns (em termos relativos e na sua viagem) mais velhos (+distantes) outros mais novos (+próximos) ─ com a situação a sugerir a existência no Universo de diferentes civilizações, umas vistas (tal e qual como na Terra) como avançadas (deuses) outras muito mais atrasadas (primitivas). Pelo que se estes visitantes não forem terrestres (pertencendo por ex. a um anterior salto civilizacional), poderão certamente ser oriundos de muitas outras paragens ─ bastando para tal ter um veículo, capaz de manipular (torcendo-o, expulsando um deles) o Espaço e o Tempo.

 

(imagens: ufosightingshotspot.blogspot.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:28

31
Jan 21

About 70,000 years ago,

when the human species was already on Earth,

a small reddish star approached our solar system

and gravitationally disturbed comets and asteroids.

(Enrique Sacristán/agenciasinc.es)

 

A-star-disturbed-the-comets-of-the-solar-system-in

O Homem

 

Em mais um dos muitos episódios (iniciados há 4,5 biliões de anos com a formação do nosso planeta) tendo como tema central “a História da Terra e a Evolução do Homem”, a possibilidade de há cerca de 70.000 anos a passagem de uma estrela errante nas proximidades (a menos de um ano-luz de distância) do Sistema Solar ─ Sistema Planetário onde a Terra se integra ─ tenha provocado algumas anomalias e disrupções no funcionamento no mesmo: originando uma chuva de cometas e asteroides (passando perto dos limites exteriores da Nuvem de Oort) e atingindo a Terra quase ao nível da extinção, entre outros do Homem de então.

 

Screenshot_2021-01-31 Discourses on an Alien Sky #

A Deusa-Mãe

 

Estrela pretensamente oriunda da direção da constelação Gémeos e catalogada como extrassolar, tal como o recente visitante (esse entrando no nosso Sistema) Oumuamua (um objeto interestelar oriundo da direção da constelação de Lira).

 

Encaminhando-nos para uma nova história (reinventada todos os anos) ─ mesmo que não de imediato definida tendo um mesmo protagonista (alterado/replicado) ─ readaptando memórias de outros tempos (figuras, espaços) e dando-lhe conteúdo (contexto/estrutura): como o Planeta X, como uma estrela nómada ou como outro objeto qualquer, físico ou (levando-nos a Tesla) eletromagnético.

 

Screenshot_2021-01-30 Discourses on an Alien Sky #

A Configuração Polar

 

No meio da História do Homem, pondo de lado outra presença (alienígena) e desejando-nos como os escolhidos (a única espécie conhecida inteligente e organizada), observando obrigatoriamente mais além (o céu, o espaço) na procura de sinais e respostas: e inserindo-se o Homem e a sua civilização na história da evolução de um objeto (a Terra) já com vários biliões de anos, podendo-se igualmente supor uma História feita aos Saltos (sobrepostos por camadas) introduzindo-nos em ciclos.

 

(consulta: The Thunderbolts Project/thunderbolts.info

─ imagens: José A. Peñas/SINC/agenciasinc.es e rumble.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:41

23
Abr 20

[Do Homem aos outros Bichos e passando pelo Micro.]

 

WP3 INSIDER.jpg

 

Com muitos e muitos milhões de pessoas refugiadas em casa (e podendo a muito curto--prazo perdê-la) e com muitos mais outros milhões em fuga − muitos deles dirigindo-se para lado nenhum (se não para o suicídio, individual ou coletivo) − destruindo no decorrer do processo toda a sua vida social,  económica e até espiritual (transformando-a num caminho, único e sem retorno) − não entendendo muito bem porquê nem mesmo por quem − tornando-se incompreensível como perante um Evento podendo provocar a nível global uns 200.000 mortos (0,00026% da população mundial), o nosso Planeta pareça estar mesmo à beira do abismo com todos os nossos “fazedores de opinião” (os papagaios do poder intermédio) cada um deles projetando um cenário ainda mais Catastrófico do que o anterior, a querer impor-nos o seu Fim-do-Mundo (a esmagadora maioria deles apesar de péssimos a matemático, preferindo o Fim-do-Mundo Económico): quando a gripe mata muitos mais do que isso por ano, quando em África milhões são vítimas da fome, da doença e das mais variadas epidemias (mesmo muitos milhões), quando os contingentes de migrantes já se formam e espalham por todo o mundo e até quando, recorrendo às nossas ações do passado (ainda muito recentes) e à nossa memória (fonte de informação e cultura), atiramos para cima da mesa crimes praticados em nosso nome por coincidência pelo mesmo tipo de pessoas (ligadas ao poder), assassinando ainda mais uns milhões e praticando genocídio – de que um bom exemplo é a II Guerra Mundial ou então juntando, todas as outras guerras (e guerrinhas) desde aí e até ao presente levadas sistematicamente a cabo.

 

WP5 dailymail.co.uk.jpg

 

E se o Poder (intermédio, podendo ser posto em causa, pelos Ricos que lhes pagam e exigem) hesita entre um lado e o outro não conhecendo ainda bem todos os dados do problema de modo a tomar uma opção levando-o a uma solução (minimamente eficaz e credível, pelo menos sendo digerível, pelos outros os pobres assim como pelos achando-se médios), já os pobres antes da chegada da “vacina” e para muitos outros males já estando vacinado, mesmo perante o “Perigo de Morte” (relativo, mas expondo-se à Pandemia) revoltando-se e erguendo-se e afirmando perentoriamente, preferir trabalhar (com dignidade) a morrer de fome (como um cão): mortas as ideologias e separado o mundo entre os que nada têm e os que tudo têm (já não se tratando apenas de uma Luta de Classes) surgindo cenas antes julgadas incomuns (impossíveis) juntando no mesmo palco e seguindo o mesmo guião, predadores e presas – oferecendo-nos um cenário caótico, alienado de tudo, colocando frente-a-frente de um lado o Mundo e do outro o Outro Mundo (juntando num saco pobres e ainda intermediários − a classe média de que os políticos são o símbolo máximo, agora considerados parasitários − e colocando num outro nível Corporações e milionários, familiares e amigos).

 

WP1 INSIDER.jpg

 

Ainda-por-cima colocando-nos sob uma pesada camada de nervos, não sabendo qual o tipo do vírus (volta ou não volta) nem o que será agora de nós −  entrando-se aí em Depressão não apenas mental como também económica. Só tendo durado uns meses em turmas desdobradas (países seguindo-se a outros) − com bons e maus resultados − e mesmo assim e por isso (numa Europa decadente, estendo à mão ao ainda Império) pondo tudo de pernas para o ar: mas repetindo de novo sendo tudo isto muito estranho, quando tudo está de pé e pronto a funcionar de novo. Será que o bicho é extraterrestre e afetou-nos o cérebro? Só os norte-americanos e ainda no século passado (WW2 já resolvida) com uma única bomba (atómica) mataram muito mais.

 

WP2 INSIDER.jpg

 

Os bichos esses animais sem psique (irracionais), pelos vistos (sem muito terem de se esforçar, tendo um cérebro limitado, respondendo apenas por reflexo) sem parecerem nada condicionados, aproveitam simplesmente a situação com que se deparam no seu dia-a-dia (tal como nós no nosso quotidiano ─ e tendo nós psique ─ repetitivo e de sobrevivência) e se antes não os víamos por cá (nos nossos espaços fechados de cimento e de betão, apontando e erguidos como que em transe religioso até aos céus e implantados sobre toneladas de múltiplos e de bizarros dejetos, produzidos nos pisos superiores e habitando e circulando sob nós) ─ certamente uns por livres e refugiados na floresta (conhecendo-o, protegendo-se do Homem, optando pela Liberdade) e outros por presos e integrados em linhas de produção (confiando nele, sendo enganados pelo Homem, optando pela Segurança) ─ hoje com “os humanos colocados fora-de-circulação” (refugiados e amontoados em “celas” algumas deles climatizadas mas não deixando de ser um inferno) e com todos as suas variedades e intensidades de “poluição completamente ausentes” libertando o espaço, com os bichos graças a toda a sua experiência prática (repetitiva, imitativa, sendo assim que se aprende) a entenderem o significado do cenário agora sendo-lhes apresentado e tranquilamente regressando: e sem a presença nem da Poluição (atmosférica, sonora, visual, percorrendo todos os seus órgãos dos sentidos e entupindo-lhes os neurónios e toldando-lhes a mente, aos sem psique) nem do Homem (o predador dele próprio e de tudo o mais que o rodeia),

 

ven-800x445.jpg

 

Regressando os bichos nossos conhecidos e há muito esquecidos (muitos deles nossos companheiros iniciais de viagem) já depois dos mais pequenos e por nós criados (de uma forma consciente/deliberada ou não) por cá terem passado e feito o seu “trabalho de limpeza”. Vendo-se (lá longe) a partir da Índia e como há muito não se via a cordilheira dos Himalaias e o Tibete, conseguindo-se a partir das margens (logo ali) e apenas debruçando-se observar claramente algo de impensável o fundo dos canais de Veneza, qual a justificação para o (nosso) espanto e admiração como que incrédulos observando “extraterrestres”, por vermos as nossas cidades e arredores a começarem a ser invadidas (mas com toda a cautela) por macacos e até por cabras ─ quando até em Portugal se verifica (mesmo que a espaços ou temporariamente) essa migração, em terra com os passarinhos como no mar com os golfinhos. Algo que morto ou adormecido “o bicho-corona” não voltaremos a ver, não aprendendo nada de novo com tudo isto tornaremos a esquecer (aí e para recuperar a economia “tempo será dinheiro”), permitindo de novo e infelizmente (inevitavelmente e pela lobotomia induzida) o regresso dos mesmos ─ intermediários, parasitas e predadores (mas todos ao contrário dos restantes, certificados).

 

(imagens: yahoo.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:17

09
Abr 20

[Como existem outros doentes (agora abandonados e morrendo em segredo, em casa ou nos hospitais) para além dos originados por este novo coronavírus – “na moda, na média, na mediana, na bissetriz, etc.”, conforme o desejo dos “matemáticos” (os ditos “especialistas”) e o “interesse” (não tendo mais nada para dizer) da DGS.]

 

Tiny tardigrades might hold the key to the origin of life

(Kazuharu Arakawa − Rowan Hooper/japantimes.co.jp)

 

e7m2B3eCRZ3ZLoYcfyfRsR-650-80.jpg

 

Fluorescent staining shows a tardigrade's full stomach

(livescience.com)

 

“Tardigrades can come to a complete stop of metabolism with almost complete loss of water but can still restart life upon rehydration”. By removing all water, the animals can put life on hold. This form of “life pause” is called anhydrobiosis.

“We have no idea how life arose from matter several billion years ago.”

 

By studying tardigrade revival, we can get an idea of how molecules assemble in the spaces between cells in the tardigrade’s body. Before cells and life evolved, organic molecules had to put themselves together without the shelter provided by the cell, so what happens in tardigrades provides a good insight into that.

It seems that when the animals dry out and rehydrate, other bits of DNA can easily slip inside. Rather than cause a problem, tardigrades have embraced the benefits this can bring.

 

[artigo: japantimes.co.jp/news/2018/03/23/national/science-health/tiny-tardigrades-might-hold-key-origin-life/#.Xo8KTHLOUdU]

 

Tagide de Carvalho: Vencedor do prémio internacional de fotografia (aqui utilizando o microscópio) “Global Image of the Year Life Science Light Microscopy Award”.

 

(texto: japantimes.co.jp – imagem: Tagide de Carvalho/Olympus Image of the Year Award/ livescience.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:17

12
Mar 20

Mais uma vez colocados na berlinda agora pelo surto epidémico do Covid-19, com os animais irracionais − e como os Suspeitos do Costume a começarem a ser apontados a dedo (e sem provas) pelos ditos animais c/ psique: na Lulu da Pomerânia causando surpresa, no seu amigo indignação.

 

file-20200309-118956-1cqvm6j.jpg

Lulu da Pomerânia

(surpreendida c/ os humanos)

 

Depois de morcegos, cobras, camelos e pangolins serem acusados de sendo portadores do novo coronavírus Covid-19 podendo ser um deles o portador-zero − não se tendo ainda descoberto qual o animal sem psique sendo o portador, nem qual o Homem (o animal com psique) podendo ser considerado o paciente-zero, provavelmente ambos de origem chinesaeis que o pânico regressa de novo a esta população (já bastante inquieta e alarmada) exposta a este novo surto epidémico (e mortal) de uma nova estirpe de coronavírus (sabendo-se o que aconteceu em epidemias anteriores como a do MERS e do SARS), agora provocado por um cão: um Zwergspitz ou “Lulu da Pomerânia” (raça splitz-alemão-anão) − com os seus antepassados sendo nativos da região da Pomerânia (região geográfica englobando a Alemanha e a Polónia) e residindo em Hong Kong – tal como nós (o Homem) portador do Covid-19.

 

Hong Kong dog causes panic

– you needn’t worry about pets spreading COVID-19.

("Even in the worst-case scenario of coronavirus being able to replicate in dogs at reasonable levels, it is safe to assume that you are much more likely to be infected by your neighbour than your dog."/11.03.2020/theconversation.com)

 

file-20200310-61148-vllmgm.jpg

Amigo da Lulu

(indignado c/ os humanos)

 

Colocando-se de novo a questão da possibilidade da transmissão desta nova versão (mortal) de coronavírus dos Outros Animais para o Homem, dado o cão ter sido contagiado (não se sabe como, nem por quem) e tal como acontece noutros casos podendo transmitir para outros, irracionais e até (não existindo para já provas disso, ninguém podendo confirmar) racionais. Encontrando-se (ligeiríssimos) vestígios da presença do Covid-19 no animal (em níveis muito baixos, no nariz e na garganta), posteriormente confirmando-se “Positivo”, sendo internado e forçando-o a um período de quarentena. Na realidade com o cão até a poder estar inocente dada a situação em que o colocaram − revelando-se positivo ao covid-19 – dado que se por um lado podendo, apesar de aparentemente portador, nem sequer ser um possível e potencial replicador do vírus (tendo-se contaminado e agora podendo contaminar, mas que se saiba não os humanos), por outro lado até a poder acontecer nada ter a ver diretamente com ele dado ter sido contaminado mas em superfícies (expostas/acessíveis) por exemplo de sua casa.

 

(imagens: aonip/Shutterstock e Galina Kovalenko/Shutterstock

em theconversation.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:01

24
Fev 20

[Entre Animais & Plantas, Irracionais & Racionais, Partilhando este Maravilhoso e Único Ecossistema – e fazendo parte de Um Organismo Vivo ainda Maior, o Universo.]

 

d23d9e7a378640d1c788d25056eb3f40.jpg

 

Agora que como ocidentais (ainda-por-cima da parte mais civilizada e desenvolvida, a do hemisfério norte) e católico-romanos (adeptos de uma igreja com 2020 anos, seguindo os ensinamentos de Jesus e de Maria e tendo como seu representante atual e 266º iniciando-se com Pedro, o Papa Francisco) festejamos o CARNAVAL (período de tempo antes da preparação da Páscoa a Quaresma, geralmente caindo pelo fim de fevereiro/início de Março e este ano comemorando-se esta terça-feira 25), utilizando sobre a máscara que utilizamos sistemática e ciclicamente durante todo um ano da nossa vida (364 ou 365 dias se o ano for bissexto) e durante um único dia, uma outra máscara bem diferenciada sendo Carnaval ninguém da hierarquia político-religiosa (a dupla que ainda nos domina) levando a mal – revelando de uma forma sem consequências (a parte negativa) mas libertadora (a parte positiva) algo daquilo que desejaríamos ter sido na vida (quando sonhávamos como crianças irresponsáveis) mas por qualquer tipo de motivo (ou mais corretamente, por imposição integradora) nunca o tendo alcançado,

 

Em Albufeira com “o ponto alto do programa a ir para o Carnaval de Paderne de 23/25 de fevereiro − tema “Viajando pelo Mundo” − um dos festejos mais tradicionais do Algarve, este ano celebrando a sua 32ª edição

 

Sendo dentro do que já é habitual e até para não fugirmos muito à monotonia repetitiva que acompanha os nossos gestos e comportamentos quotidianos (ou seja, não nos excedermos, pensando estarmos noutro nível), sermos sujeitos a vários tipos de informação oriundos dos mais diversos pontos do planeta: e com muitos dos seus temas a poderem ser de alguma forma (ou feitio) integrados nestes festejos cristãos, pagãos, da Quadra Carnavalesca. E neste mesmo cenário (de divulgação global e torrente informativa) inserido no ENTRUDO (com os seus carros alegóricos e figurantes), incluindo no cortejo pássaros, peixes, gafanhotos e percevejos, castores (ou primos, não me lembro bem) e até o covid-19 (alternando com estes e se necessário introduzindo seres c/ psique como os “deploráveis”) − colocando-os aí uma questão existencial especialmente para o Homem e para a sua visão do mundo antropocentrista (em que somos o centro e os definidores do conjunto), sobre o limite animal considerado ou não irracional, ou seja, se equiparado connosco por dotado de PSIQUE.

 

(1) Pássaros, (2) peixes, (3) gafanhotos e (4) percevejos, (5) castores (ou primos), (6) covid-19 e até (7) deploráveis, (8) entre outros, tendo ou não essa intenção e talvez mesmo por obrigação (mais uma na integração), passando todos eles por esta Quadra Carnavalesca numa mista organolética Sagrada & Profana.

 

GettyImages-200165159-001.jpg

 

E num embate de psiques envolvendo todo o “Mundo Mineral & Animal” constituindo e dando forma  − Movimento e Vida − a este Ecossistema Terrestre (que tudo e todos partilhamos) onde agora sobrevivemos, mesmo no discurso do Homem e do seu guia antropocentrista posto perante situações tão simples de explicar e de justificar (comuns em todos os dias), deixando-nos pela falta de lógica das opiniões expostas e aí projetadas e  da total falta de conteúdo (não podendo limitar-se ao “conduto”) da informação nesse espaço então fornecida, com uns certos laivos de dúvida sobre de quem a psique seria mesmo exclusiva: ou seja, quem teria psique (e o demonstrasse) ou não, no mínimo fazendo-o entre os animais (já que até dizem que “as flores e as plantas pensam”) uns ditos racionais (o Homem, dito pelo Homem) e outros denominados irracionais (os restantes animais, assim definidos pelo Homem).

 

Desde (1) ouvirmos um político português (racional) apesar da construção de um aeroporto sobre uma zona aparentemente protegida e habitado por milhares e milhares de pássaros, afirmar que a segurança dessas aves estaria sempre garantida até por iniciativa das próprias (irracionais) “não sendo estupidas e vendo os aviões, afastando-se da zona e adaptando-se à situação, mudança o seu local de pouso e domicílio habitual”; passando (2) por um responsável e porta-voz do atual presidente do Brasil (racional) numa interpretação feita na presença do mesmo, face a um extenso derrame de petróleo na costa brasileira e nas consequências que tal poluição traria para a vida marinha local, afirmando até para tranquilidade da população pesqueira que “não sendo o peixe (irracional) nada estúpido, facilmente repararia nas manchas na água, reagiria de imediato ao perigo e fugiria”; para já não falar em (3) gafanhotos (irracionais estendendo a sua praga ao Quénia/Tanzânia/Uganda) e (4) percevejos (irracionais invadindo e parasitando as cama de Paris) em duas ações que poderíamos afirmar mostrar aquisição de informação, aplicação e organização de processos (nem que num número limitado, mas nesse espaço/tempo considerado suficiente), suficientes para cumprirem com êxito uma determinada missão, não individual mas coletiva e variando (como acontece em todo o Universo com a Evolução) entre o caos e a ordem, sugerindo presença de psique (racionais); e incluindo, numa mistura um pouco louca e potencialmente explosiva de racionalidade e de irracionalidade (pelos vistos podendo haver ligações estreitas entre ambas, que para já não queremos ver ou não conhecemos), ainda (5) os castores (ou primos), (6) o covid-19 e já agora (7) os deploráveis e (8) os outros – com os castores (ou primos) a estarem ao serviço dos políticos e militares russos, logo tendo estes animais psique, com o covid-19 a ser um produto artificial de origem chinesa transmitido e obtido a partir do morcego e agora secretamente testado pelo Homem no Homem, logo não tendo este psique, e com os “deploráveis (tal como nos poderíamos referir aos outros) − estando entre o ter psique e ser desprovida dela – nem sequer sendo caso de falar mais disso, fazendo-nos logo lembrar Hillary, como ela tratou os norte-americanos e como estes lhe responderam − no final de 2016 em vez dela optando por Trump. Lançando-nos num estado de irracionalidade (cada vez mais brutal e vinda de todos os lados) já durando há 4 anos.

 

No meio do Carnaval, no meio de muitas mais máscaras.

 

(imagens: osabio.com.br −  John Lund/lonelyplanet.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:18

21
Out 19

Razão pela que muitos de nós

(p/ alguns sendo necessário)

ainda usam o(a) Boneco(a) Insuflável.”

(em vez das modernas e amanhã digitais SEX-DOLLS)

 

5daa94f92030277971650e5d.jpg

 

Talvez como o artigo (da RT) sugere devido a HAL – no filme de STANLEY KUBRICK “2001 A SPACE ODYSSEY”, o computador (HAL 9000) controlando a maioria das operações a bordo da nave espacial DISCOVERY (na sua missão a JÚPITER) – assim como à falta de confiança que se tem no HOMEM (assim como na sua criação a MÁQUINA) – com a Máquina a poder servir-se ilegalmente do Homem (não cumprindo a regra número um, protege-lo), assim como o Homem (não o sabendo, mas eventualmente podendo ser “uma verdade”) a poder ultrapassar indevidamente (“viciosamente”) o pedido à mesma solicitado – não e como se esperava para proteção do Homem, mas como salvaguarda suplementar de preservação e de segurança (selo de garantia de integridade) para a Máquina − DAÍ O NOSSO GRANDE ESPANTO − eis que um grupo de Académicos (Anco Peters e Pim Haselager/International Journal of Social Robotics/researchgate.net) solicita às autoridades oficiais de direito (com competências e responsabilidades na área) uma autorização de consentimento (de “utilização”), por parte não do Homem mas vindo do lado da Máquina:

 

“Academics want sex robots

capable of withdrawing consent.

Even our fantasies aren't safe

from the virtue police.”

(rt.com)

 

Partindo da ideia da existência de um conflito futuro (verdadeiramente possível) entre o Homem e a Máquina (vindo de um lado ou vindo do outro, pelos vistos devendo ser equiparados), com estes investigadores (a partir do seu artigo “Designing Virtuous Sex Robots”) nas suas experiências teórico-existenciais (e certamente tendo muito tempo e espaço, para gastar) não reais por refletidas (num Espelho) preferindo em vez de confiar no Homem, prevenir-se defendendo a Máquina (pensando-a como uma “minoria” como tal, a ser protegida). E assim oferecendo às Máquinas, a possibilidade de dizerem não ao Homem:

 

Sem título.jpg

 

“Researchers are calling for sex robots

to be programmed with the ability to give and rescind consent,

lest their human 'partners'

become rape-crazed maniacs.”

(rt.com)

 

Levando esta “Cultura do Consenso” a um extremo nunca pensado, colocando agora a Máquina (no mínimo) ao nível de nós, do Homem (como se já não chegasse como sujeitos que somos a nossa desvalorização crescente face aos objetos, agora tornados inteligentes e transformados em ROBÔS) e abrindo ainda mais as portas para a nossa (completa) subjugação (consentida): nem sequer se podendo brincar com objetos (o que naturalmente fazemos, desde a nossa infância, com os chamados brinquedos) apesar de se o poder (fazer) mais tarde ou mais cedo mas com sujeitos e armas (conjugados = Morte). E desse modo mesmo que nunca se recorra a um humano para uma simples prática de sexo − devido a possíveis desentendimentos e diferentes versões futuras −  substituindo-o por um Robô-Sexual (com o(a) Boneco(a) Insuflável tal não acontecendo provavelmente por ser “analógico”) podendo-se mesmo assim ter azar, com o Robô chamando a polícia (por falta de cumprimento do processo de consentimento) e acabando-se na prisão.

 

“Robots face ‘sabotage’

from human co-workers

fearing they will be replaced.

But is that a surprise?”

(rt.com)

 

E continuando as violações entre Humanos (sem fim à vista e em crescendo), optando-se prioritariamente (pelo menos nas suas “particulares” preocupações, de alguns) por proteger não os originais, mas as suas (ou seja, as nossas) próprias cópias (mecânicas), apenas por digitais e com certificado IA (Inteligência Artificial): e mais cedo do que pensávamos com a Raça Dominante a ser (depois do BIOHOMEM ) – inicialmente e num período definido – BIOMECÂNICA, para posteriormente e ao Evoluir se metamorfosear, tornando-se num Entidade qualquer, individual – “negando a Morte” − ou coletiva – “deixando-se levar por ela”.

 

(imagens: Global Look/Lapone/Fotogramma/RT −GIPHY/RT)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:44

22
Jul 19

[Face a tanta porcaria hoje aceite por tão banal e não apenas poluindo a terra, o mar e o ar – “esqueceram-se da nossa Cabeça?” − mas muito mais perigosa e insidiosamente intoxicando (manipulando e comandando/por nosso cansaço/demissão/entrega), a nossa tão torturada e cada vez alienada mente.]

 

Há 50 anos com o Homem

− ARMSTRONG, ALDRIN e COLLINS

A conseguir fazer aquilo

Que não consegue imitar hoje.

 

apollo_11_lm_rendezvous_seq_4_jul_21_1969_as11-44-

A Terra, a Lua e o módulo lunar Eagle

(com Armstrong e Aldrin a bordo)

 

Neste registo da autoria de COLLINS

(filmando a aproximação do módulo lunar EAGLE)

Com ARMSTRONG e ALDRIN

(no interior do mesmo módulo)

Acabadinhos de chegar da superfície da LUA:

Aqui na sua aproximação para acoplagem

Com o módulo de comando COLUMBIA.

 

apollo_11_final_earthrise_photos_seq_2_jul_21_1969

A Lua e a Terra

Um dos últimos registos da missão Apollo 11

Apresentando-nos dois Mundos distintos

Mas unidos por complementares

(pelo menos no que aos Humanos diz respeito)

Colocando-nos a questão:

O que seria da Terra e do Homem

Se a Lua não lá estivesse?

 

Nunca mais?

 

Por favor leiam e viagem e deixem para trás

(agora que é a Silly Season,

momento em que tudo se desculpa

e desse modo/e contra-a-corrente

mostrando categoricamente

toda a vossa coragem)

a

Fornicação Global Certificatória”.

 

(imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:52

Fevereiro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO