Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

17
Jan 17

Uma das últimas imagens enviadas pela sonda CASSINI (a 22 de Outubro do ano passado e editada a 9 de Janeiro deste ano) obtida a cerca de 185.000Km de distância MIMAS e mostrando-nos a enorme cratera de impacto de HERSCHEL (com uma dimensão igual a 1/3 do diâmetro da lua) e um dos seus picos interior (típicos nestes casos de impactos) – tão alto como o nosso monte EVEREST.

 

PIA20515.jpg

Mimas

Uma das 62 luas do planeta Saturno com cerca de 400Km de diâmetro

Com a sua misteriosa e enorme cratera Herschel – 140Km de extensão

(nasa.gov)

 

Terminada em meados de Setembro a missão CASSINI-HUYGENS (com o impacto da sonda CASSINI com o planeta Saturno), restarão no espaço ocupado pelos planetas exteriores do Sistema Solar (Júpiter, Saturno, Úrano e Plutão) 3 sondas automáticas: DAWN (visitando VESTA e CERES), JUNO (já orbitando JÚPITER) e NEW HORIZONS (tendo já ultrapassado Plutão e agora a caminho do interior do CINTURÃO de KUIPER – para além das sondas lançadas em 1977 a VOYAGER 1 (encontrando-se já no exterior do nosso Sistema Planetário) e a VOYAGER 2 (talvez jpara além da heliopausa). Ficando-se agora à espera da nova herdeira da sonda CASSINI-HUYGENS junto dos Gigantes Gasosos (antes próxima de Saturno), a sonda norte-americana JUNO (agora próxima de Júpiter).

 

CASSINI-HUYGENS

Vinte anos de trabalho no Espaço

(1997/2017)

 

PIA07236_modest.jpg

Superfície da lua de Saturno Titã

O que poderia ser o estuário de um rio desaguando num oceano

TITÃ – HUYGENS – PIA 7236

(nasa.gov)

 

Aproveitando para dar uma espreitadela noutros corpos celestes como ENCELADUS (outra das luas de Saturno) – juntamente com TITÃ dois mundos bastante interessantes (para o Homem) dada a presença de água e emissão de vapor de água (com fenómenos semelhantes a geysers).

 

Com a sonda automática CASSINI-HUYGENS a entrar em órbita de Saturo em Julho de 2004 aproximando-se a cerca de 20.000Km do planeta e posteriormente enviando a sonda HUYGENS em direção à lua TITÃ onde aterraria no início do ano de 2005.

 

Numa missão iniciada em 1997 (na realidade com as suas origens em 1982 mas apenas concretizada quinze anos depois), com os seus objetivos cumpridos em 2008 e por duas vezes com o seu período de atividade prolongada até ao ano de 2017.

 

E numa clara demonstração da qualidade científica e tecnológica dessa gloriosa (e saudosa) geração entretanto já ultrapassada (mas sempre presente na memória da nossa experimentação e na evolução do nossos conhecimento),

 

E da excelente e produtiva (apresentando resultados científicos importantíssimos) tecnologia de ponta então produzida,

 

Capaz da execução de tais feitos incríveis e extraordinários (como voar para outros planetas) em Eventos mesmo hoje para alguns ainda considerados impossíveis de o serem (ainda hoje há quem não acredite que fomos à Lua) e mais próprios de um sonhador que põe mesmo em dúvida se o é.

 

A 15 de Outubro de 1997 (já lá vão quase vinte anos) quando a missão CASSINI-HUYGENS foi lançada de Cabo Canaveral utilizando um foguetão do tipo TITAN IV-B, um dos objetivos da mesma para além de incluir o estudo do Gigante Gasoso SATURNO (através da utilização do seu orbitador CASSINI), seria também o de se dirigir para uma dos seus satélites artificiais neste caso TITÃ e aí aterrar na sua superfície (através da utilização do seu pousador HUYGENS).

 

PIA06440.jpgPIA06440.jpgPIA06440.jpg

Superfície de Titã

Um mundo alienígena, com água e localizado a 10 UA de distância do Sol

TITÃ – HUYGENS – PIA 6440

(nasa.gov)

 

No ano em que a missão completa vinte anos (sete anos de viagem até Saturno e mais treze orbitando o planeta) a sonda CASSINI prepara-se para o fim anunciado da sua longa viagem programado após várias extensões para 15 de Setembro de 2017: justificando-se essa decisão por parte da NASA não só pela reduzida quantidade de combustível ainda disponível no seu foguetão (o plutônio que tem propulsionado a sonda desde a Terra, juntamente com a poderosa ação dos campos magnéticos dos planetas por onde passou), como pelo perigo de ao ficar descontrolada (a sonda) esta se perder no espaço podendo vir a contaminar outros corpos impactando com eles e possivelmente transmitindo-lhe certos micróbios ainda presentes na sonda (alienígenas para esse corpo e podendo ter mesmo origem terrestre).

 

Tendo provavelmente em TITÃ e em ENCELADUS dois dos maiores prémios desta viagem agora a terminar: pela água e pela hipótese da existência de algum tipo de vida mesmo que primitiva mesmo que diferente.

 

Numa etapa derradeira a realizar por parte da sonda CASSINI (e com a sonda HUYGENS jazendo inerte sobre a superfície de TITÃ) e já iniciada nos finais de 2016, com a sonda a fazer as suas últimas órbitas em aproximação a Saturno e finalmente a mergulhar na atmosfera deste Gigante Gasoso (a 15 de Setembro).

 

432541main_titan_huygens_big_full.jpg59_cassini_proximals_in_ring_plane_2.jpg

Huygens em Titã e Cassini em Saturno

Chegada à superfície da lua e preparação para o fim da missão no planeta

Ilustração

(nasa.gov)

 

Não concordando completamente com o nome atribuída a esta etapa da missão CASSINI-HUYGENS – “Cassini Grand Finale” – já que em si o suicídio seja por que motivo for nunca é nada desejado (seja sujeito ou por representação objeto) e até porque talvez a máquina ainda pudesse ser utilizada para outras funções interessantes e talvez reveladoras (como continuar a sua viagem) – sucedendo-se assim ao suicídio da MESSENGER (então orbitando Mercúrio) o suicídio da Cassini (ainda orbitando Saturno).

 

Aproveitando-se a ocasião para a comemoração do maior feito desta sonda de iniciativa conjunta norte-americana e europeia, ao aterrar há 12 anos atrás (fez sábado anos) o seu módulo HUYGENS sobre a superfície de um corpo distante como esta lua do planeta Saturno (na região de Shangri-La): e enviando-nos desta lua pertencendo aos planetas exteriores imagens e dados de um mundo nunca visto, sendo este simultaneamente o mais distante objeto jamais alcançado e tocado pelo Homem (a Lua presencialmente e TITAN com um objeto representando-nos e por nós construído).

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:22

29
Ago 13

Imagem da lua de Saturno TITÃ obtida pela sonda HUYGENS – numa colaboração conjunta da NASA, da ESA (agência espacial europeia) e da ISA (agência espacial italiana) – ao atravessar a atmosfera acastanhada desse satélite natural de Saturno.


Titã – 2005.01.14

 

SATURNO é um dos planetas do Sistema Solar com maior número de satélites naturais – até hoje mais de sessenta – sendo Titã e ENCÉLADO as luas mais interessantes, não só por poderem ter água líquida em profundidade, como por apresentarem uma atmosfera rica em metano – tal como deverá ter apresentado a Terra nos primórdios da sua história.

 

A sonda HUYGENS foi lançada em direcção à lua Titã pela nave espacial CASSINI em mais uma das missões da responsabilidade da NASA/JPL. Apesar dos mais de oito anos passados sobre este fantástico registo de imagem, esta não nos deixa de impressionar e ao mesmo tempo desiludir: o que é feito do programa espacial norte-americano, dos seus sonhos e das suas concretizações? E porque raio foi a LUA praticamente abandonada?

 

(imagem – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:12

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
18

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Cassini-Huygens

Titã

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO