Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

11
Dez 15

Esta fotografia foi tirada no passado dia 8 algures na costa Atlântica do México, na companhia de uns bichinhos focinhudos e com uma cauda bastante comprida, deveras curiosos com a presença de um novo contingente de turistas nos seus territórios habitualmente partilhados: e como é habitual nestes casos, com os animais extremamente interessados em comer!

 

^A5196BE3E49085A18442403A4B253B821DED7CAE0E86FD469

México – Quatis

 

O hotel está cheio desses animais que vem atras de ti a ver se tens comida.
Um deles veio com o nariz até à minha mão.
Mas depois ao ver que não temos comida fogem logo.
Hoje demos um pãozinho aqueles animais (os quatis) e um tentou trepar pela minha perna.
E arranhou-me e não foi pouco.
Ele devia pensar que tava a subir na árvore dele.

 

Frequentadores habituais destas zonas costeiras localizadas no sul do Golfo do México (bem à frente de Cuba) e tal como os nossos cães e os gatos perseguidores constantes de todos aqueles que lhes poderão providenciar serviços básicos de sobrevivência: como a comida e a amizade. Vivendo no seu paraíso entre praias, hotéis e turistas.

 

^4510CD3287D482969BEBF51A0BF91715E145F149DB990D894

Estado de Quintana Roo – Riviera Maia

 

Vimos uns animaizinhos muito fofos e uns pássaros lindos.
E quando fomos dar um mergulho na praia com água quente, vimos peixinhos que nos rodeavam na água e que vinham dar beijinhos.

 

Mas não são só estas belas praias nem os seus simpáticos bichinhos (como os quatis) que atraem a curiosidade de todos aqueles que visitam esta zona do globo terrestre conhecida como a Riviera Maia: também as suas célebres pirâmides da Civilização Maia (oriundas dos tempos pré-hispânicos) e os seus lagos subterrâneos ligados à superfície (os cenotes) nos levam para outras culturas e diferentes visões sobre o mundo.

 

^90E93B9EB1EE9714E67E63EA95BDF08E4CC01D3CFF03224FE

Grande Cenote – Tulum

 

Nadamos no cenote que é uma espécie de lago (uma piscina natural numa gruta).
E comemos tortilha feito na hora e fizemos uma limpeza espiritual maia.

 

Mas um dos animais mais típicos e resistentes desta zona de desenvolvimento urbano e turístico deste estado mexicano onde se insere a Riviera Maia é sem dúvida a iguana. Não só porque esta espécie se teve que adaptar ao repentino desenvolvimento artificial e humano registado no seu espaço de vida (implicando a invasão do seu território pelo imobiliário e pela indústria turística), como para sua infelicidade e como consequência da invasão de grandes e sucessivos contingentes de humanos, se ter transformado num prato tradicional (como nos estados de Tabasco e de Chiapas situados a oeste de Quintana Roo).

 

^F9C9F64515529B64BFE66D5500B95F8D693F51B5406B0D46F

Típica iguana mexicana

 

Ao pequeno-almoço vimos uma iguana pela janela.
E depois fomos lá dizer olá.
Vimos também iguanas com cerca de 5 quilos: os homens que as tinham pegavam nelas como bebés, de tão grandes e pesadas que elas eram.

 

Com os vestígios ainda intactos e bem conservados da existência em tempos antigos da Civilização Maia sempre presentes e rodeando-nos constantemente, como é o caso da pirâmide pré-colombiana de Cobá (construída há mais de mil anos). Num cenário onde a selva desapareceu para melhor acolhimento do curioso viajante e onde os técnicos souberam recuperar e preservar um tesouro histórico agora tornado lucrativo.

 

^9ADA3F2764163C4ABB38373191620ED52E77710FB42E807E7

A Via Sagrada Maia – Pirâmide de Cobá

 

Vamos ver Cobá e Tulum.
O passeio é amanhã.
Estamos a descansar para ir jantar e depois beber umas tequilas.

 

Uma região atualmente virada para o turismo e para o comércio a ele associado, onde há mais de mil anos surgiu uma civilização social e culturalmente avançada e bem organizada para a época e que deixou para todas as futuras gerações muitos conhecimentos em astronomia, em arquitetura e até no ramo da escrita. Uma Civilização que verdadeiramente acreditava em ciclos temporais (de Vida) e na ocorrência de eventos de tempos-a-tempos (catastróficos).

 

Um continente que nunca pisei (Daniel) mas onde ela já esteve (Daniela).

 

(texto/itálico: D – imagens: D&D)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:23

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Viva o México

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO