Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

17
Mai 19

“Poderá fazê-lo brevemente, aquando da 3ª Guerra Mundial”

(cada vez mais quente, cada vez mais próxima)

 

wp-header-logo-117.png

A Última Provocação

Com o envio do porta-aviões USS Lincoln a ser considerada pelos responsáveis iranianos como uma mensagem de guerra (afirmada e divulgada pelo próprio John Bolton) desafiando os russos, os chineses e os terroristas do Hezbollah (e esquecendo a Arábia Saudita e os hard-terroristas da Al-Qaeda e do Exército Islâmico) autores dos atentados vitimando milhares

 

IRAN-2-superJumbo.jpg

A resposta do Irão

E como resposta com o Irão face ao sucedido na Coreia (do Norte)

E no agora em curso na Venezuela (asfixiando-a até à morte e entregando-a aos Abutres)

Gritando “Morte à América” e “Estamos Prontos para a Grande Guerra”

Na comemoração de mais um aniversário (35º) da sua Revolução

– E não sendo de admirar face aos ataques (de)

John Bolton, Mike Pompeo e Donald Trump,

Afirmando sem despudor terem

“Todas as opções sobre a Mesa” até a Vida dos Iranianos

(homens, crianças, mulheres, entre novos e velhos,

tudo no mesmo “saco” e com o mesmo papel de embrulho)

 

Para quem (por qualquer motivo) não tem nada que fazer (por estar desempregado, estar doente ou ser excedentário) e ainda dispensa algum tempo (prolongando-se as situações anteriores e antes de ser definitivamente descontinuado) para pensar na situação política nacional (numa visão ao pormenor olhando para o nosso Interior) e internacional (numa visão global expandindo o nosso olhar para o mundo Exterior que nos rodeia) − algo que para quem trabalha se transforma de uma forma progressiva e irreversível numa impossibilidade técnica (absoluta) pretendendo-se resistir (dado o pouco Espaço disponibilizado para a nossa Movimentação e desintoxicação) e Sobreviver (no pouco Tempo disponibilizado para a celebração e absorção da Cultura e da Memória, guilhotinando-nos periódica e sistematicamente entre os ponteiros das horas e dos minutos da Máquina Suprema o Relógio) – poderá a partir da observação das notícias maioritariamente (assim consideradas e editadas por algum motivo ou interesse) publicadas no nosso país, posteriormente complementadas por outras oriundas (depois de filtradas por todas as Agências de Informação Público-Privadas intermédias) de todos os outros Cantos do Mundo (e sem ter que se esforçar/pensar muito)– obviamente e pertencendo nós à parte do HEMISFÉRIO NORTE OCIDENTAL, sendo inequivocamente o QUADRANTE da LIDERANÇA GLOBAL (Cientifica, Tecnológica, Económica, Financeira, Militar) com sede política (atual) em WASHINGTON DC – concluir que, tudo aquilo que se passou antes na nossa vida, poderá já ter completado um dos seus ciclos (ou subciclos), estando-se agora a preparar para o início do seguinte (ciclo/subciclo) provavelmente e sendo uma réplica (do anterior, do mesmo Molde Cíclico Original) em tudo idêntico ao anterior”: e se o fim do CICLO/X-1 teve como Marco Histórico (e decisivo) o Fim da II Guerra Mundial e a estrondosa derrota do Estado então considerado Dominante e Imperial − o Império Nazi, sob a Liderança do Führer ADOLF HITLER, a ALEMANHA – no Presente (meados de 2019) e face a certos Sinais e Manifestações cada vez mais evidentes e preocupantes (e perigosos, extremando-se as posições “dos predadores e das presas”) podendo-se estar já perante o declínio do Império (eliminada no percurso a Concorrência) que se lhe seguiu (em conjunto desde 1945, a solo desde 1991) prevalecendo durante 74 anos: assistindo-se ao Vivo e em Direto (e sobretudo connosco ainda Vivos) a uma Grande Convulsão Mundial com a (eminente) queda de mais um império “O Império Americano (o mais relevante por mais falado desde o Império Romano) com todas as causas e consequências já conhecidas por arroladas a partir de todo o conhecimento adquirido no caso anterior – projetando-se uma Guerra sem Quartel mesmo que regional repercutindo-se a nível Global (mais extensa pela Matéria-Prima preciosa e pelas Fontes de Energia), a sua derrota e o descalabro final (do Imperador e seus Aliados) e a nível imperial a subida do seguinte (na hierarquia por direitos transferidos/adquiridos), pelo que todos vemos (deslocando-se o Eixo do Poder de um quadrante para outro, do Hemisfério Norte Ocidental para o Hemisfério Norte Oriental) o IMPÉRIO do SOL com centro na Ásia e epicentro em Pequim.

 

1111.jpg

EUA − Morto pela Dívida

Não nos tendo entretanto extinguido (ao Homem)

E tal como escrito por Joergen O. Moeller há cerca de um ano (em checkpointasia.net)

Com o Império Norte-Americano a cair não por obra dos Russos nem sequer dos Chineses

Mas pela sua Dívida insuportável e em crescimento brutal (exponencial)

(ao nível dos Triliões e Triliões e não sendo problema, quando muito do Resto do Mundo em crise sem esperança, se depara com milhões quando muito biliões)

 

Não sendo (como consequência) de admirar ver agora as ratazanas a fugir (abandonando o Barco em salva-vidas), enquanto perdidos e desesperados, se vêm os ratos a afogar (como por cá para já entre margens, nos cacilheiros do Tejo).

 

No caso da ponte da Arrábida e parecendo (para alguns “não interessados” por indiferentes e/ou ou “interessados”, que não para os que lá passam todos os dias e fazendo-o por várias vezes) descabido associar tal assunto a outros de um nível Nacional/Internacional muito superior (por referido oficialmente e pelas “forças-vivas-da-terra” − em oposição às “forças-mortas” – consideradas como relevante para o desenvolvimento das Comunidades), com a realidade explicativa e distribuída (e direcionada) a ser para o público em geral (talvez as tais forças-mortas, mentalmente assassinadas por inatividade e sedentarismo) uma justificação esclarecedora para o estado critico e caótico em que todas as estruturas (físicas, morrais, materiais, etc.) se encontram, olhando apenas para as reações (ao sucedido devido à sua aflitiva falta de ação) das Autoridades: tal e qual como no Totobola e como se não passem de meros apostadores (ouvindo todos aqueles ligados ao “mesmo coletivo” à Administração ao poder) propondo-nos uma Tripla (1X2) e a partir daí deixando-nos ainda mais confusos (e sem saber o que fazer) verdadeiramente com “as-calças-na-mão (já a caírem por falta de “cinto/suspensórios” e podendo-se face à visão cada vez mais enublada “tropeçar nelas”) – segundo Eles (os especialistas-certificados, por instituições público ou privadas, curiosamente concessionadas pelos mesmos) nada se passando (1), segundo outros necessitando apenas de manutenção (X) e segundo uns outros (e ainda) podendo ter as estruturas de suporte debilitadas (2). Numa resposta só possível vinda de um Coletivo tendo como símbolo a “Irresponsabilidade e a Incompetência”, dando Eles o exemplo do que devemos fazer como “Novos-Escravos” Interiorizando e Aceitando (o nosso Fado/Destino) e assim “Fazendo Nada”: com um efeito de contágio ultrapassando fronteiras (de Local e à velocidade da luz, tornando-se em segundos Global) ultrapassando de longe o do Ébola e transformando-nos em Zombies (cada vez mais mortos que vivos). Como o poderia ser o caso Berardo (um drama humorístico-dramático), a situação no polo fundamental social (e da manutenção de Soberania) da Saúde e da Educação (dramáticas pelas Vítimas e péssima pela má Formação) − Um Drama-Brutal e sem Solução, transmitido (já) ao longo de sucessivas Temporadas − concluindo-se logo nos Bancos, no topo da Excelência (como o dos Cartões Dourados) e no Branqueamento ou Lavagem (tão bonitos como presentes) dos tão desejados (como necessários no presente, como de “pão para a boca”) Capitais. Com quase todos a Roubarem (em Portugal como no Mundo), sendo presos os sem ambição (pequenos furtos/delitos) e premiando os Grandes Devedores (de tão devedores que são, chantageando “a Fonte” e tendo esses Bancos na mão).

 

Russia-1107574.jpg

John Bolton Vs. Vladimir Putin

Com as duras (por provocatórias) posições de John Bolton para com a Rússia e a China

− Numa reedição de “Uma Aventura Norte-Americana no Médio-Oriente” antes levada a cabo sem a URSS/com os chineses ainda escondidos (temporada de Caça no Iraque), agora com a Rússia de Putin/com os chineses bem visíveis (temporada de Caça no Irão) e substituindo os norte-americanos a quererem “Chamar a si o Mundo”) –

E sabendo-se da pretensão do mesmo (em nome dos EUA)

Em controlar toda a Energia (sendo agora a vez do que falta a Venezuela e o Irão)

Com os receios de um novo conflito (já bem pesado)

A pairarem no ar e (de repente) ameaçando cair (EUA vs. Bloco Asiático)

 

E Unilateralmente (evitando diálogo/discussões) com um Polícia-Mundial colocado na Manutenção e no Controlo da correta Aplicação (se necessário e sem remorsos, pronto a punir, a sancionar, a asfixiar, a obliterar) atento a qualquer desvio (na implementação da programação) e (em caso de necessidade e para a prossecução normal do projeto) sempre preparado e pronto para a Declaração: de Guerra e de Fim de Percurso, seja para Algo ou para Alguém. Sendo o Polícia norte-americano (Capitão América), parecendo-lhes-bem” incluindo Europeus (comportando-se como vassalos e prostitutos deste espetáculo contraditório/deprimente) e apontando as suas Armas não por o declarar (oficialmente) seu Inimigo, mas por (este) não querer partilhar as suas próprias Reservas (por acaso das maiores reservas Globais) com o Supremo Protetor: e não podendo (pelo menos para já) atacar a RÚSSIA e a CHINA reservando-se para Ele (EUA) o direito de o fazer com a VENEZUELA e (de seguida) com o IRÃO – expectável/certamente e segundo Eles com russos e chineses (todos “cheios de medo”) limitando-se a ser “atropelados, a ver e a engolir”. Para quem quiser acreditar.

 

A nível Internacional e perante toda a acomodação (sinónimo de inatividade e de cobardia) relativamente à considerada, única e todo-poderosa Potência Global Terrestre, os EUA – com a América bem controlada (exceção feita à Venezuela), a África em “Banho-Maria(agora com o BOKO HARAM, como fundamentalistas islâmicos e do tipo terrorista-hardcore, pondo a “panela-a-ferver” tal como o fariam os seus “pais”, a Al-Qaeda e o ISIS/ISIL), a Europa alienada/“bem-entalada (dos seus valores Humanistas/entre o Atlântico/EUA e a Rússia), a Oceânia inexistente por conformismo económico-social, por aliada e obediente (no fundo lutando por integração e garantias de sobrevivência) e o Médio-Oriente alinhado  (sob liderança Saudita) submetendo-se docilmente (mais-ou-menos) ao omnipresente e forte Petrodólar

 

24152426-3f25-11e9-b20a-0cdc8de4a6f4_image_hires_1

A América e o seu maior adversário de sempre a China

Colocada a questão (e a dúvida) sobre a possibilidade dos EUA vencerem a sua nova Guerra Fria com a China (a velha e reativada, sendo com a Rússia) com a resposta de Hugh White (Professor de Estudos Estratégicos da Universidade Nacional Australiana) a ser clara e curta: “Não, sem se correr o risco de uma Guerra Nuclear” (em South China Morning Post)

 

Restando apenas a Rússia e o seu vizinho asiático a China (no tal continente em expansão, por grande e populoso, agora considerado perigoso) como podendo representar os Grandes Adversários do presente dos líderes Norte-Americanos (como Potência Dominante) e por desleais e incertos (para com os EUA, sua ideologia e prática), sendo os Alvos a Abater e os Inimigos do Mundo.

 

Com a atual Administração (comandando a Casa Branca) sob controlo Republicano (antes nas duas câmaras, agora só no Senado) e liderança de DONALD TRUMP (desde início de 2017 e surpreendentemente o 45º Presidente Norte-Americano) − como o poderia ser por caminhos aparentemente diferentes (da mesma forma “enviesados”) mas com o mesmo conteúdo e objetivo (ideológico) tendo como líder a Democrata e dupla ex-candidata presidencial (sempre derrotada) Hillary Clinton, ou não fosse igualmente o “soft” Barack Obama nos seus oito anos de mandatos (consecutivos e tendo sido reeleito, dois) para além de autor do fracassado Obamacare (interessando apenas Bancos/Seguradoras), Campeão na Expulsão de Emigrantes (entre eles os Alienígenas oriundos para lá do célebre Muro) e promotor e Rei Absoluto dos Drones (essas máquinas voadoras não sendo precisas na escolha mas à sua volta e como nos tratamentos por prudência ou inevitabilidade exterminando tudo) e mesmo assim coroando-o com um Nobel (da PAZ) e desse modo limpando-lhe (e protegendo-lhe para o Futuro) a Alma apenas a cumprir o mesmo trajeto reinventado e como que iniciado há 18 anos, com o Evento Catastrófico (principalmente para o cidadão comum norte-americano ou não habitando Nova Iorque ou seja os EUA) do 11 de Setembro de 2001, por hipótese (na altura logo transformado em Certeza) interpretado como um ATAQUE à AMÉRICA mas como se verificou e confirmou (pelo menos o que se constata, nem duas décadas depois) mais parecendo uma encomenda enviando com a mesma um pretexto para a exibição (justificação por parte deles/aceitação por nossa parte) de “ALGO +: talvez um GOLPE de ESTADO (apenas para confirmar o poder do C I-M/Complexo Industrial-Militar), conjuntamente com as Armas e o DÓLAR (e as respetivas Impressoras), Fazendo Girar a América (com eixo em Washington) e com ela todo o Mundo (incluindo russos e chineses).

 

fake-post_custom-435acadc6ab1c42433611cde8d472d535

Fake News

(1 de Maio de 2019)

Com o símbolo estampado do Washington Post

Uma notícia de última hora

Sobre a resignação (secreta) de Donald Trump

As celebrações que se lhe seguiram

E o juramento de Mike Pence como novo Presidente

 

Ainda hoje (16.05.2019) para nós (interpretes secundários) e por vezes com os mesmos (interpretes principais), vendo-se o caso flagrante de JOHN BOLTON representante do C I-M − um dos grandes promotores e divulgadores da existência das (nunca descobertas por como se viu inexistentes) Armas de Destruição Maciça (do executado sumariamente Saddam Hussein) – no presente e de novo absorvido e fixado no controlo (para ele estratégico e decisivo) de todas as fontes de ENERGIA (neste caso o Petróleo), se antes conselheiro na que seria a futura Guerra do Iraque (0000 de mortos) depois (agora) conselheiro na que poderá vir a ser a futura Guerra do Irão: talvez não como no Iraque com uma aparente conclusão (pela pobreza do território sem grandes ondas de propagação), mas dadas as “especiais circunstâncias (da subida da Rússia e da China − e em Bloco − ao topo do pódio global) com uma hipotética III Guerra Mundial como continuação e sem conclusão (não sobrando ninguém).

 

E por cá com o novo TOMÁS (Américo Tomás 13º Presidente de Portugal de 1958/1974) a fazer reverência aos chineses (convidando-as a investir e como já não chegasse ainda mais) para simultaneamente o fazer (com descaramento e falta de vergonha, duas das suas características) − como se fosse necessário sabendo-se quem ele é − aos norte-americanos (defendendo o aumento dos laços com os norte-americanos e fazendo o contrário − Portugal ou Europa − “cometendo-se Suicídio”). Marcelo Rebelo de Sousa, na altura cumprindo aquilo que a mãe lhe achava estar destinado (como filho precoce e brilhante e frequentando via paterna os Corredores do Poder) e sendo visto como “afilhado” do Chefe do Governo (de então, tendo sucedido a Salazar, caído acidentalmente da cadeira) como consequência lógica e natural podendo vir a ser o sucessor de Marcello Caetano, não alcançando (aí) tal Cadeira do Poder (1º Ministro ou Presidente para ficar na História no fundo tanto faz) sabendo parar e ter calma, engolir e sobretudo esperar (mas vendo-se/vendo-nos pela TV) − e 42 anos depois sendo eleito PRESIDENTE (e já noutro Regime logo o inverso do anterior). Que dizer dele? Oportuno e Inteligente num Mundo em que quem vai nu (contrariando o que sempre disseram), não é o REI, mas és TU (ainda eu e o resto do Povo).

 

(imagens: viralnewspaper.com e Getty/nytimes.com − checkpointasia.net – Getty/express.co.uk – Craig Stephens/scmp.com − north american political activists/npr.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:27

11
Mar 19

[Apesar do Preto & Branco relevar as Imperfeições e um dia nos Transformarmos sem tempo nem destino.]

 

israel-netanyahu-judeus-estadoprieiro-ministro-isr

Benjamin Netanyahu

Disavowed the idea of the Palestinians ever getting their own state

Israel is not a state of all its citizens

Israel is the state of Jewish people alone

(antiwar.com)

 

isreali lobby 2017-02.png

 

How has the Israel lobby further captured key nodes of U.S. government policymaking?

THE ISRAEL LOBBY & AMERICAN POLICY CONFERENCE 2019

March 22, 2019 at the National Press Club, Washington, DC

(iniciando-se quase que anonimamente dois dias antes da certa e amplamente publicitada reunião do Comité de Assuntos Políticos Israel-Americanos a AIPAC (grupo de lobby pró-israelita)

 

Num momento da História Mundial (supostamente liderada pelos EUA) em que tudo o que se passa ou se mexe (mesmo que aparentemente/senão mesmo estrategicamente) se resume a uma simples (interessada e unilateral/por decidida pelos escrivas do regime)

 

Análise a Preto & Branco:

 

– Desde a influência de Israel na política

(interna/externa)

e nas diversas Administrações norte-americanas;

(Republicanas ou Democratas);

 

− Até à situação crítica

(cercada, sancionada, congelada e asfixiada)

em que se encontra a Venezuela;

(citando apenas dois exemplos mencionados no site ANTIWAR/antiwar.com);

 

− E passando ainda

(e obviamente)

pelo clima político extremado que se verifica

(mais evidente desde Donald Trump se começou a impor surpreendentemente nas primárias de 2016, acabando posteriormente eleito como representante Republicano)

no interior dos próprios EUA

(de que a CNN e a FOX são excelentes exemplos dessa promoção-publicitária e extremamente intrusiva, resumindo tudo a Trumpistas e Antitrumpistas e propagandeando os seus patrocinadores sejam eles REP ou DEM)

colocando Uns de um lado e os Outros do outro lado do MURO

(que não o que separa os EUA do México, mas o que separa a Realidade/que nos cerca da Ficção/que nos impõe);

 

É interessante constatar que tudo o que nos é retratado apenas a Preto & Branco (logicamente depois de tratado), é-o (inevitavelmente e de modo a não pensarmos muito no assunto, já que Tempo é Dinheiro) após ser filtrado e de reduzida a sua (de todos/de tudo) palete de cores.

 

Não sendo algo que já não se esperasse (muitas vezes a Esperança Futura mata a Realidade Presente), mas que anteriormente não tendo sido notícia (reflexo) ou tempo de análise da mesma (não existindo suporte cultural e memória), posterior e dificilmente teriam eco quando tudo se tornasse irresolúvel:

 

D0hg4WfWoAA1zVc.jpg

Ponte fronteiriça Venezuela/Colômbia

 

HqI42dFt.jpeg

Com os camiões de ajuda humanitária a serem incendiados (com cocktails Molotov e do lado colombiano da fronteira) por opositores internos (apoiantes de Guaidó) e externos (EUA e Colômbia à cabeça) ao regime de Maduro

 

Uma conclusão natural a que todos chegaremos (os mais de 7,5 biliões de pessoas habitando a Terra) vivendo num Mundo em que 1% (um deles sendo o Presidente da maior potência do Mundo, não um político/em risco de ser dispensado, mas um Milionário/o Dispensador) detêm um poder idêntico ao de 99%

 

− No decurso e na vigência do atual Império Norte-Americano, um regime suportado por Armas & Dólares

 

Mas que espantosamente (pelo menos para os que ainda acreditam no Homem) e apesar da distribuição (desequilibrada) de todas as poderosas forças em presença, ainda consegue furar (a membrana orwelliana), expondo a realidade e se necessário a (sua/nossa) tradução.

 

Nos (1) EUA como poderia ser em (2) Israel ou na (3) Venezuela (no Afeganistão, no Iraque, na Líbia, na Síria, no Iémen, a curto-prazo no Irão) com os factos (após manipulação/reorientação) a ultrapassarem a realidade e a serem traduzidos, conforme a sua origem, os interesses da mesma e as cobaias a serem instrumentalizadas

 

  • Impedido o Presidente de se impor internamente (perseguido implacavelmente pelos Media e agora pela Câmara dos Representantes) mantendo-se a sua política de pressão/intervenção sancionatória/agressiva (mesmo contra a opinião dos seus Aliados Ocidentais) sobre todas as áreas geográficas do globo terrestre onde o problema dos recursos energéticos (apropriação/exploração) se coloque – como é evidente com a questão iraquiana/no passado, venezuelana/no presente e iraniana/no futuro – mesmo que contra todas as promessas não intervencionistas (em princípio mais protecionistas) do novo Presidente Norte-Americano (desejando o regresso das tropas a casa, atuando nos diversos conflitos);
  • Na confusão do panorama político norte-americano surgido das eleições intermédias de 2018 – com a Assembleia de Representantes virando de REP Para DEM, pressionando ainda mais Donald Trump (com todos os impeachments possíveis/impossíveis e imaginários) e com os novos contingentes Democratas a distribuírem-se desde o centro aos socialistas até à extrema-esquerda – com Israel a manter a sua presença e pressão e poder de persuasão (face a REP e a DEM): como entreposto prioritário (dos EUA) no Médio-Oriente, no presente em período eleitoral e a nível geográfico-estratégico protagonista e  mesmo vital (no controlo de armas/energia);
  • E já na Venezuela (maior reserva petrolífera do mundo) depois de anos e anos de cerco, de sansões, de congelamento de contas, de tentativas de intrusão, de ameaças de intervenção militar e de asfixia económico-financeira e social total (devido ao bloqueio ao país nem sequer se deixando aí chegar o básico em alimentação e medicamentos), com a história do Chile (e de toda a América Latina) a parecer querer repetir-se, com a eliminação de um regime − agora o Venezuelano (orientado no seu processo exatamente pelos mesmos golpistas externos de então) − para lá voltar a colocar os mesmos do antigo regime (que tanta miséria provocaram aos venezuelanos apropriando-se das receitas do petróleo) agora enquadrados por Guaidó (aqui o Agente-Provocador).

 

Mas sempre com a Rússia e a China à espreita do erguer do novo Império (e da Queda do Antigo), pelos indícios do oriente (cada vez mais evidentes para a própria Angela Merkel) o inevitável Império Chinês (nós por cá já tendo o Mexia).

 

(imagens: Gali Tibbon/Reuters e israellobbyandamericanpolicy.org − @USAenEspanol/Twitter.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:54

26
Jan 19

[Com o Deutsche Bank (umas das maiores instituições financeiras mundiais) já falido e com o Baralho a Desfazer-se (veja-se o Brexit).]

 

A China à Conquista da Europa e do Mundo

 

beltroad_cina.jpg

Na concretização de um projeto do seu Presidente Xi-Jinping

(num caminho iniciado em 2013)

Repondo a Rota da Seda e pré-declarando a chegada do Novo Império

(substituindo o anterior)

 

Sendo certo que neste ano de 2019 (talvez com um apêndice em 2020, antes das Presidenciais Norte-Americanas) algo terá que suceder (de verdadeiramente relevante) de modo aos EUA surpreenderem (todo o Mundo) – confirmando-se como Imperio Reinante – mantendo por mais um pouco (pelo menos umas temporadas) o suspense Global sobre o Líder: vendo-se aí e então (face aos dois blocos em presença) qual a Força das Armas (neste início do ano já com o dólar sob ataque) – se as do Bem ou do Mal.

 

Sob a batuta virtual de Xi-Jinping (China) – e do seu país a caminho dos 1.400 milhões de habitantes/sendo o 3º em área – e de Vladimir Putin (Rússia) – e do seu país a caminho dos 147 milhões de habitantes/sendo o 1º em área, muito bem acompanhados por territórios estratégica e igualmente extensos (e ricos) como a Índia – a caminho dos 1.280 milhões de habitantes /7º em área – a Turquia – a caminho dos 77 milhões de habitantes/36º em área – e o Irão – a caminho dos 79 milhões de habitantes/17º em área – ou seja e considerando apenas estes 5 países cerca de 40% da população Mundial, o último Eixo do Mundo tendo como centro do mesmo o Atlântico e as suas margens a América e a Europa – assim decretado desde meados do século XIX, oficializado com a criação da NATO, já lá indo mais de 70 anos – mostra claramente que a deslocação desse Eixo (do poder Económico/Financeiro Global) se dirigiu ainda mais (talvez já irreversivelmente) para leste (tendo a Europa/o nosso continente como referência) tendo o Índico-Pacífico como ponto central e a América e a Ásia como fronteiras: deslocando-se (longitudinalmente) de Washington e centrando-se em Pequim e colocando nas mãos da China (e dos seus aliados como a Rússia) o Futuro do nosso Mundo (Sociedade/Civilização), antes (por nós) centrado na Europa, de seguida na América (do norte) e agora no Império da Ásia. E confirmando-se tal facto pela desagregação da Europa (com a economia a abrandar e nova Bolha a caminho) e pelo seu isolamento crescente (desta Europa bipolar, agora e depois do Brexit, nas mãos da dupla Merkel/Macron) face aos aparentemente desinteressados EUA (com Trump isolado internamente, a ter que optar até 2020 por algo espetacular a nível externo): com os EUA deixando cair (lentamente) a Europa, com a Rússia de costas voltadas para ela (virada para a sua parte asiática) e com as multidões de migrantes (entre elas africanas) a espalharem-se por todo o lado.

 

(imagem: agenziacomunica.net)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:09

09
Mai 18

China and Russia to SHOOT DOWN US missiles in shock war warning to Trump.

US missiles are set to be blasted out of the sky

In a terrifying war warning by China and Russia.

(dailystar.co.uk/18.11.2017)

 

Com o Mundo efetivamente dividido em 3 Blocos poderosos,

 

Russia-war-660953.jpg

EUA, China e Rússia

(A um Império seguindo-se inevitavelmente Outro)

 

1 ‒ O Norte-Americano (de longe o Maior) apoiado por Israel e pela Arábia Saudita (controlando o petróleo), seguido pelos Aliados Ocidentais (como o Reino Unido, a França e a Alemanha) e pelo contingente restante de outros territórios (menores) igualmente submetidos ao dólar,

 

2 ‒ O Russo (o Menor) liderado por Vladimir Putin (tentando recolocar-se no panorama Internacional como grande potência Global), tentando diversificar os mercados (e áreas a investir), mantendo relações privilegiadas com a Alemanha (dependendo energeticamente da Rússia devido ao fornecimento de gaz) e uma aliança estratégica e cada vez mais reforçada com a China (sendo necessário facilmente virando costas à Europa),

 

3 ‒ E o Chinês (o Próximo Império) liderado pele seu Chefe Supremo o Presidente Xi Jinping (tendo como 1º Ministro Li Keqiang) e pelo politburo do Partido Comunista (no poder), englobando um território (já incluindo Hong Kong e Macau e faltando apenas Taiwan) de quase 9,4 milhões de Km² de área (só suplantada pela Rússia com mais de 16 milhões de Km² de área) e uma população de mais de 1400 milhões de indivíduos ‒ juntamente com um dos seus mais poderosos parceiros e aliados (estratégicos e sobretudo económicos) no continente (Asiático) ‒ a Índia ‒ perfazendo um número perto dos 2800 milhões de indivíduos (aproximadamente 37% da população mundial). Num país dando prioridade ao Mercado e ao Comércio (não ao forte investimento Militar), podendo a curto-prazo tornar-se na maior Potência Económica Global (se já não o é, mesmo que numa etapa inicial) e necessitando apenas para se impor de resolver alguns problemas tecnológicos e sobretudo de desigualdade (se quiser impor-se como modelo no Mundo, destacando-se decisivamente do modelo anterior),

 

‒ Podendo-se transformar no entanto num Farol da Humanidade ou então num Vulcão Apocalíptico

 

É de fácil conclusão que o próximo Centro do Mundo (e do Império do Sol que virá) terá como localização geográfica o continente Asiático (com as ilhas do sul incluídas) e com o respetivo Motor sediado na Grande China:

 

Hoje já a caminho de se tornar a maior Potência Económica Global, detentora (em concorrência com o Banco Mundial sediado nos EUA) do seu próprio Banco Mundial (o AIIB),

 

Ranking

País

%

Ranking

País

%

1

China

31,0

7

França

3,5

2

Índia

8,7

8

Indonésia

3,5

3

Rússia

6,8

9

Reino Unido

3,2

4

Alemanha

4,7

10

Turquia

2,7

5

Coreia do Sul

3,9

11

Arábia Saud.

2.7

6

Austrália

3,8

12

Itália

2,7

Asian Infrastructure Investment Bank

(cerca de 77% do total de investimentos no Banco AIIB rondando os 100 mil milhões de USD)

 

‒ Com cerca de 64 países regionais ou não regionais associados (um dos não regionais sendo Portugal com um investimento de 65 milhões de dólares ou seja de 0,0677%) e outros 22 países em perspetiva ‒

 

E conjuntamente com a Rússia (esta em menor percentagem) detendo em vez de papel impresso (o dólar), ouro, prata e outros metais (objetos) cada vez mais raros e crescentemente preciosos ‒ e como tal compatíveis (de utilização) no mercado básico de troca (de matéria-prima por outra).

 

[Curiosamente (e não se vislumbrando na lista de investidores os EUA) com o Trio Europeu Alemanha/França/Reino Unido a entrarem logo (no AIIB) com 11,4%, tornando-se mesmo que virtualmente (e em conjunto) no 2º maior Investidor; e Portugal lá com os seus (preciosos) 0,0677%.]

 

(dados/tabela: aiib.org e imagem: Getty/dailystar.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:04

08
Jul 15

“Salve, César! Aqueles que vão morrer te saúdam.”

 

60.gladiatorial_combat.jpg

 

Construído há quase 2.000 anos pelo imperado VESPASIANO (em homenagem ao seu antecessor NERO) e desactivado cerca de 400 anos depois (pelo imperador HONÓRIO), o COLISEU de ROMA foi um dos principais símbolos do então todo-poderoso Império Romano. Neste grande anfiteatro com capacidade para receber cerca de 50.000 pessoas eram proporcionados aos presentes espectáculos extraordinários e sem precedentes na altura, que deixavam sempre todas as bancadas em total delírio e estado extremo de loucura, especialmente quando no palco central se juntavam os GLADIADORES e os ANIMAIS FEROZES (por lá terão passado centenas e centenas de gladiadores e milhares e milhares de feras). Da sua TRIBUNA colocada num ponto privilegiado do anfiteatro e bem perto do centro da ARENA, os convidados oriundos das camadas mais poderosas e de maior rendimento (da população romana e alguns estrangeiros) podiam assistir na companhia do seu IMPERADOR ao grandioso espectáculo (com a MORTE como limite) e às decisões definitivas do mesmo (em que a decisão final da colocação do dedo do Imperador deixava tudo em suspenso, provocava fortes arrepios na espinha, terminando num apocalipse de loucura generalizada). Na ARENA e durante o seu período de maior actividade terão morrido mais de 10.000 pessoas, lutando entre si ou lutando contra as feras: inicialmente contando com a presença dos gladiadores (que lutavam entre si até à morte), mais tarde com o recrutamento das vítimas a ser feito entre os criminosos, os escravos e até os prisioneiros de guerra (lutando contra as feras e na qual a História inclui os CRISTÃOS). Nunca esquecendo as FERAS (principalmente LEÕES) retirados do seu meio ambiente natural (trazidos dos territórios ocupados em ÁFRICA) e atirados para um cenário de MORTE e degradação HUMANA (e animal).

 

Mas como a EUROPA nunca dorme recuperando no entanto e invariavelmente os nossos maiores pesadelos (o que é estranho pois se não sonha não deveria ter também pesadelos), o cenário de GUERRA como solução radical para os nossos problemas internos, parece estar de novo de volta à mesa de negociações do nosso CONTINENTE: passado pouco mais de meio século sobre a II Guerra Mundial iniciada na Europa e tendo como protagonista fundamental deste GENOCÍDIO global a ALEMANHA de HITLER (contando para que se registe e para memória futura com a complacência oportunista de países europeus e estrategicamente dos EUA), temos de novo a Alemanha diante de nós como uma MURALHA intransponível mas agora servindo-se da sua arma ECONÓMICA e FINANCEIRA de modo a interpor-se entre a EUROPA e o seu DESENVOLVIMENTO e assim ditar as nossas novas regras de vida e de conduta. E se antes todos se acovardaram face ao poderio da máquina de guerra NAZI, é ver de novo todos os nossos oportunistas e hipócritas representantes Europeu, a uivarem em coro e em conjunto com a Nova Alemanha e a força do seu BCE (no entanto sob controlo do Banco Mundial) e como animais ferozes e famintos que são, a exigirem para SACRIFÍCIO e seu REPASTO o CORPO de um deles: a GRÉCIA e os seus mais de 10 milhões de habitantes. Esquecendo o que nos contam todas as histórias que lemos ou escutamos até hoje e que nos dizem que depois de comermos a galinha número um (e se nada mais fizermos ou tentarmos fazer em alternativa) seguir-se-á a galinha número dois. E depois das GALINHAS vão-se os OVOS.

 

606x340_309533.jpg

 

Isto tudo por causa daquilo que hoje se passou e consumou no Parlamento Europeu, em princípio um local de encontro e de diálogo de toda a EUROPA Civilizada e Ocidental.

 

“TSIPRAS recebido no Parlamento Europeu com vaias e aplausos.”
(Económico)

 

Que me fez logo lembrar o Coliseu de Roma (com a presença de poderosos/temporários como os 17 e de fracos/definitivos como a Grécia). Com as duas maiores famílias políticas europeias (o PPE/Partido Popular Europeu de direita e o S&D/Socialistas Europeus de esquerda) sendo vistas pela esmagadora maioria dos cidadãos europeus (tenham votado nelas ou não) como as principais responsáveis pela situação caótica (económica e financeira) em que se encontra todo o seu Continente (não só com o conflito permanente no interior da UE, como com o novo conflito criado na UCRÂNIA) e no entanto conseguindo juntar as suas últimas forças e unindo-se momentaneamente como predadores (que sempre foram) às suas vítimas (apenas para comer uma delas) ainda conseguem dar este espectáculo deprimente e acima de tudo e incompreensivelmente serem notícia. Nunca se esqueçam que apesar de EXCEDENTÁRIOS ainda dispomos dos nossos órgãos dos sentidos, tendo acesso a sensações e percepcionando eventos. E que até os Impérios (as COISAS) se Abatem pela força da EVOLUÇÃO (dos POVOS).

 

(imagens: the-romans.co.uk/euronews.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:37

31
Dez 11

“Salazar foi muito mais rápido a lá chegar e a de lá partir – quem dirigia, tinha que mandar!”

 

Salazar – o pai ainda a preto-e-branco

Ministro das Finanças após o 28 de Maio de 1926

(aos 37 anos)

 

Portugal dos Pequenitos

 

Parque temático construído durante o Estado Novo, com o único objectivo de mostrar às crianças, diversos aspectos da arquitectura e da história do Império Português. Numa primeira fase de construção com as casas típicas, em seguida com os monumentos representativos e finalmente com todo o mundo português, incluindo naturalmente as províncias ultramarinas.

 

“As palavras – de inépcia e de inacção – do Salazarinho sem dinheiro: taxar e receber!”

 

Salazarinho – o filho já a cores

Ministro das Finanças após o 21 de Junho de 2011

(aos 51 anos)

 

Portugal dos Pequenitos

 

Ainda pensei que Salazar tivera uma espécie de premonição do que iria acontecer a Portugal num futuro próximo. Mas afinal esta obra tinha sido criada com uma certeza absoluta do que nos iria acontecer, face a uma avalanche populacional de velhos e novos analfabetos, ainda por cima completamente submissos; e para usufruto único e exclusivo do seu filho Salazarinho, nas suas experiências financeiras com as próximas gerações – a dimensão do parque temático, teria que ser alargado ao país!

 

Extra CM:

 

Salazarinho – as conversas privadas e as dores nas costas

 

Entre conversas privadas e nas costas do ministro das Finanças, Vítor Gaspar é conhecido por alguns dos seus colegas como o novo 'Salazarinho', escreve o Correio da Manhã.

O Correio da Manhã explica que esta alcunha nasceu do alegado perfil de «sovina», do percurso político e dos discursos de austeridade, que surgem como semelhanças entre este ministro das Finanças e Salazar quando teve a mesma pasta.  

Ambos foram professores universitários e ambos têm origens rurais e beirãs - Salazar nasceu em Santa Comba Dão e o pai de Vítor Gaspar é original de Manteigas, escreve o CM.

Salazar exigiu controlo absoluto sobre as despesas e receitas de todos os ministérios durante o mandato nas Finanças, «tal como Vítor Gaspar tem feito desde que se tornou ministro», diz o Correio da Manhã, reforçando que o actual ministro conseguiu impor uma «ditadura financeira» a que todos, «até o primeiro-ministro», se têm de submeter. Tal como Salazar.

                                                                                                                                                       

(consulta: WEB, CM e Wikipédia)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:29

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO