Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Segunda-feira 10 Recomeçam as Aulas

Sábado, 08.01.22

Reabrindo-se uma das mais importantes

“vias de comunicação e de transporte”.

Depois da sua rápida viagem África do Sul →Portugal, instalando-se, tirando o protagonismo ao seu antecessor ─ a variante Delta, mais eficaz nos seus objetivos, mas mais lenta ─ e tornando-se num flash maioritária ─ a variante OMICRON, muito menos letal ─

Imagem1.jpg

Depois do seu acolhimento aparentemente não desejado (pelos portugueses), mas sendo acelerado talvez inconscientemente ou assumindo-se o risco ─ na semana iniciada a 17/18 de dezembro acelerando-se a sua progressão até 24/25 de dezembro (ainda de 2021) e na semana aí iniciada reforçando-se essa aceleração até 31 de janeiro/1 de janeiro (já de 2022) ─ pensando-se que face à evolução desta nova vaga de Covid-19 estimando-se um pico máximo da sua atividade lá para 21 de janeiro, depois da experiência dos últimos 15 dias (de meados de dezembro até à Passagem de Ano) e da campanha de testes (excessiva) e vacinação (correta, aplicando-se o reforço), as nossas autoridades tirassem uma conclusão (não assumindo mais uma vez uma atitude reativa, mas ativa, assumindo-a) e em vez de cumprirem “as ordens vindas de Espanha” pedindo ao Governo de Portugal para acompanhar o reino espanhol iniciando o período escolar igualmente a 10 de janeiro (próxima segunda-feira), sabendo não se ter ainda atingido o pico (desta vaga) e que o período crucial (começando a dar sinais de recuar) se verificará em principio até meados deste mês,

Imagem2.jpg

Porque não o nosso Governo e António Costa terem assumido o risco, mas digno, corajoso e certamente pela esmagadora maioria das pessoas aceite ─ quem não arrisca não petisca, sobretudo em altura de eleições e o objetivo sendo nobre, as condições nem sendo pior que antes, pelo contrário ─ de adiarem a reabertura das aulas para 17 de janeiro, comprometendo-se por outro lado (sob compromisso de honra e registado), a aí terminar definitivamente esta Fase Covid-19 (já com dois anos), iniciando-se uma outra fase, integrado (mais correto, reintegrado) e já digerido o coronavírus (até se fala já de um tratamento, de uma pastilha) no nosso ecossistema (de onde em princípio ele veio). Aí podendo-se falar figurativamente e sem género definido de tomates e como consequência, tendo-se fé, acreditando-se ─ tal como Fox Mulder e Dana Scully nos Ficheiros Secretos (X-Files) ─ e vivendo-se no presente num Mundo Paralelo, de maioria absoluta. No que poderá ser um evento de Duplo-Impacto e de consequências desconhecidas (felizmente Omicron, sendo mais “fraco”), abrindo-se a 10 de janeiro (1) arriscando-se e nem sequer se (2) garantindo antecipadamente a vitória. No nosso combate já de dois anos consecutivos (contra sucessivas invasões de exércitos de Alfas, Betas, Gamas, Deltas, entre os mais conhecidos), cansativos e doentios (solitários), contra o coronavírus SARS CoV-2.

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:27

O Não-Futuro (pelo menos para o Homem e neste cenário) do Espaço

Quinta-feira, 09.12.21

Num registo fotográfico (com umas horas), obtido no interior da ISS (Estação Espacial Internacional) e contando nada mais nada menos com a presença de 10 elementos (partilhando em conjunto um espaço tão pequeno) ─ os 7 ocupantes da ISS, 1 piloto da cápsula de transporte russa SOYUZ e um bilionário japonês ─ YUSAKU MAEZAWA e 1 seu assistente ─

yusaku2-1536x842.jpg

Acabadinhos de chegar

Descubra os 3 infiltrados na tripulação de 7 elementos da ISS

(totalizando de momento, uma multidão de 10)

 

Um retrato daquilo em que transformou a Exploração e a Conquita do Espaço ─ sendo então os EUA a potência espacial dominante, desde que a iniciativa privada norte-americana se apoderou do sector, alterando completamente o seu desígnio e a sua estratégia ─ em vez de apontar os seus objetivos para a investigação e para o conhecimento, investindo no Espaço apenas como mais um mercado, mais uma possibilidade de investimento.

Abandonando-se a Ciência (a investigação, a cultura) e dando-se como sempre prioridade à Economia (esquecendo-se dos fracassos desta, selecionando a construção da nossa memória), primeiro e como se vê começando-se pela Indústria Turística ─ como é caso desta viagem turística de 11 dias à ISS ─ e de imediato colocando-se a alternativa (já sendo mais do que uma hipótese, mas de uma verdadeira teoria e faltando apenas pô-la em prática) da Indústria Mineira.

maxresdefault.jpg

Juntando-se a esta nova Indústria Espacial c/ a agência espacial russa

─ Roscosmos ─

Colaborando na produção de um novo filme num palco em órbita da Terra

 

“I feel excited like an elementary student waiting for a school trip. I want to see the Earth from space, float in zero gravity, and see how I will change through this experience. I was blessed with this opportunity, and I’m truly happy I can go.” (Yusaku Maezawa)

E perante tanta excitação demonstrada por um adulto de 46 anos, apesar da sua passada vida ainda tendo sonhos alguns deles e dada a sua condição financeira talvez sendo possíveis de concretizar (pelo menos arrancando-se e dando-se os passos iniciais) ─ como poder dispensar um mínimo de 20/40 milhões de dólares ─

Escancarando-se ainda mais a oportunidade de abrir definitivamente as portas do Turismo Espacial, ontem ultrapassando-se a fronteira Terra/Espaço e colocando turistas em órbita, hoje levando-os a fazer uma estadia na ISS e amanhã como já previsto e planeado, inaugurando viagens Terra/Lua e regresso, com a possibilidade extra de uma descida até à superfície do nosso único satélite natural.

snapshot.jpg

Com uma nova série tipo SURVIVAL “Quem Quer ser um Astronauta”

a oferecer como prémio ao vencedor deste Reality Show

uma viagem de oito dias à ISS

 

Estado (como a russa ROSCOSMOS) e iniciativa privada (como a norte-americana SPACEX) compartilhando já o setor ─ no meio introduzindo-se outros como a ESA ─ tendo como objetivo do nosso alvo os EUA (como referência no Espaço), ficando para a NASA os pequenos investimentos/a investigação e para agências privadas como a SPACEX, os grandes investimentos, o grosso do financiamento antes atribuído em exclusivo á NASA.

Um dia suspensa a NASA ─ há exceção das idas/vindas à ISS, sem voos tripulados desde há quase meio século (fim das missões Apollo) ─ e para além do Estado (desde sempre presente), vendo-se finalmente a chegada dos Privados suscitando um despertar do nosso entusiasmo (como que estando adormecido),

snapshot 1.jpg

Com a empresa Axiom Space em conjunto c/ a NASA/SPACEX

a anunciar as suas primeiras viagens de turismo à ISS, aí permanecendo

─ custo/individuo de 55 milhões de dólares

 

Num 1º embate e perante uma chuva propagandística de promessas e de compromissos acreditando ─ oferecendo-nos a Lua, Marte, outras estrelas ─ para de seguida (2º embate), consistentemente, cada vez mais rapidamente e com os prazos a dizerem tudo (constantemente adiados) ─ e com um impacto brutal para a nossa Civilização ─

Cairmos violentamente na realidade, só que sendo a deles (que não a de 8 biliões).

E enquanto eles se divertem lá por cima (no Céu, mais perto de Deus), cá em baixo os restantes contentam-se alegremente com os carroceis (mais perto das farturas e do Diabo). Entretendo-se os norte-americanos com os alienígenas da Terra (locais, como os migrantes vindos do México, miseráveis) e dispensando os alienígenas do Espaço (distantes, desconhecidos e por controlar).

(imagens: universetoday.com ─ Первый канал/youtube.com

─ Alan Boyle/youtube.com ─ ABC News/Youtube.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:55

Espaço ─ Objetos Andando por Perto

Quarta-feira, 08.12.21

“Logo em meados de janeiro de 2022 (e seguindo-se a outros dois em dezembro de 2021 um pouco menores), com um asteroide de dimensão entre 1,5Km/2,0Km ─ um monstro, um grande calhau ─ a passar a apenas 2 milhões de Km da Terra.”

Screenshot 2021-12-08 at 19-47-48 Asteroid 7482 (1

Comparando a dimensão do asteroide 7482 (cerca de 1.732m)

─ Já um “grande-calhau” ─

com a altitude do monte Everest (perto de 8.849m)

 

Todas as 24 horas cumprindo a sua rotação girando em torno do seu eixo (virtual), percorrendo durante um ano com o seu movimento de translação a sua habitual trajetória em torno do SOL (a sua estrela de referência),

─ Acompanhando o movimento de todo o SISTEMA SOLAR (o sistema planetário onde o nosso planeta se integra) e da galáxia à qual pertence, a VIA LÁCTEA ─

Com o 3ª planeta mais distante do SOL incluído no plano do seu Sistema, por sua vez fazendo parte de um conjunto ainda mais vasto a sua galáxia, a percorrer desde que evoluiu até à sua 1ª forma (surgida há mais de 4,5 biliões de anos) indo até aos dias de hoje (ano de 2.021DC),

─ Agregando neste conjunto Sistemas (só o nosso e utilizando como seu limite a heliosfera tendo perto de 100 UA de diâmetro) e Galáxias (a nossa tendo cerca de 100.000 anos-luz de diâmetro) ─

Conjuntamente com todo este imenso e extraordinário agregado de material interestelar, incluindo estrelas, planetas, asteroides, cometas, poeiras, etc. (mencionando apenas os mais conhecidos e pondo de lado por ex. os fantásticos e ainda pouco compreendidos “buracos negros”),

1024px-1994_PC1_orbit_2022.jpg

Trajetória do asteroide 7482 na sua aproximação à Terra

─ tendo um período orbital de pouco mais de 1,5 anos ─

com o ponto de maior aproximação a dar-se a 18 de janeiro

 

Ao longo de todo este tempo visto como podendo ser analisado/interpretado em diferentes escalas (tão díspares com as humanas e as cósmicas), percorrendo, atravessando para tal a profundidade escura e imensa do Espaço

─ Com extensões de anos e anos-luz (milhares/milhões/biliões, para nós nada) ─

Num percurso a ser concretizado de uma forma ou de outra (evoluindo/transformando-se) até “um infinito” (bem determinado, mas ainda por nós incompreendido), sendo a própria dimensão de um ponto relativa.

Isto tudo porque até ao fim do próximo mês (os dois primeiros, até ao fim deste ano) ainda estar previsto a passagem por perto (da Terra) de alguns,

─ Pela sua dimensão podendo ser considerados de “monstros” ─

Asteroides (três), o 1º passando a pouco mais de 10 DL da Terra (11 dezembro, diâmetro d=759m), o 2º a pouco mais de 14 DL (17 dezembro, d=1.093m) e o 3º a pouco mais de 5 DL (18 janeiro, d=1.732m).

snapshot.jpg

Bola de fogo observada (V=23Km/s) no passado domingo (por 15’’)

a atravessar o céu noturno sobre o mar Mediterrânio (ocidental),

tal como aqui registado do sul da Península Ibérica

 

Os dois primeiros ─ asteroide 4660 e asteroide 163889 ─ a uma menor velocidade (6,6Km/s e 5,6Km/s), o terceiro ─ asteroide 7482 ─ sendo mais veloz no cumprimento da sua trajetória em torno do Sol (19,6Km/s), dos três e em princípio o mais “assustador” (mas sem razão não existindo risco de impacto) sendo sem dúvida o maior, ao mesmo tempo passando mais perto:

Designado como 7482, previsto passar mais perto da Terra a 18 de janeiro de 2022, a quase V=20Km/s (o jato comercial mais rápido tendo uma média de nem V=0,3Km/s) ─ distância Terra/Lua nesse dia 18 de janeiro de nem 2.000.000Km, a nível mesmo do nosso Sistema Solar (nem nos atrevendo a ir, ao nível de uma galáxia) sendo muito pouco,

Semelhante a uma viagem de automóvel na Península Ibérica, mas entre Faro e Albufeira.

Desde pequenos e grandes objetos circulando no nosso Sistema, orbitando a nossa estrela (aproximando-se/periélio, afastando-se/afélio dela) e na aproximação à mesma passando nas proximidades da TERRA,

Podendo-se mencionar desde os grandes (impacto de asteroides como o que levou à extinção dos Dinossauros há 65 milhões de anos) até aos mais pequenos (como as bolas de fogo, uma das últimas tendo sido observada no sul de Portugal na madrugada do passado domingo, 5 de dezembro), naturalmente aquando da sua passagem (ou possível impacto),

Tendo repercussões diferentes (no nosso planeta e ecossistema).

(imagens: spacereference.org ─ wikipedia.org ─ Meteors/youtube.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:25

DART Vs. ASTEROIDE

Quarta-feira, 24.11.21

“DART is a planetary defense-driven test of technologies for preventing an impact of Earth by a hazardous asteroid. DART will be the first demonstration of the kinetic impactor technique to change the motion of an asteroid in space.” (NASA)

dart-poster3_.jpg

Missão DART

(impactando a lua de um asteroide)

 

Tendo a noção de que todos os dias o nosso planeta é bombardeado por uma miríade de partículas das mais diversas dimensões, oriundas das mais diferenciadas regiões do espaço e podendo estas passar ao lado, fazer-nos uma tangente ou então atingir-nos fazendo-nos aí uma secante ─ e sabendo-se a velocidade a que essas partículas se movimentam, podendo ir de velocidades bastante inferiores à da luz (como uns 20Km/s em certos asteroides) a valores iguais ou superiores à mesma (300.000Km/s) e  tendo-se conhecimento das suas dimensões por vezes extremas (a 18 de janeiro do próximo ano com o asteroide 7482 com mais de 1,7Km de diâmetro a passar a cerca de 2 milhões de Km da Terra) potencialmente perigosas pelo menos para o nosso planeta (caso fosse Júpiter até sendo engolido tal como sucedido cometa Shoemaker-Levy 9)

Podendo-se naturalmente ─ tratando-se de grandes projeções de energia e de matéria em direção à Terra ─ sejam esses impactos de grandes emissões e jatos de energia ou de impactos diretos de objetos com o nosso planeta, prever que a curto ou longo prazo poderemos ser atingidos por um desses Eventos (como tempestades solares ou impactos de asteroides/cometas) sendo necessário e por antecipação fazer algo (para protegermos a terra e salvarmos o Homem): podendo um impacto direto ter ou não consequências catastróficas (dependendo do seu nível de intensidade), não se podendo evitar o energético (dada a dimensão e proximidade do Sol, para já não falar dos raios cósmicos) talvez se podendo no caso do impacto físico ─ por exemplo de um asteroide ─ pelo menos tentar desviá-lo, deixando a Terra de ser o centro do seu alvo.

screen_shot_2017-06-30_at_12.03.56_pm.jpg

Asteroide DIDYMOS

(e a sua lua, separados nem de 1Km)

 

Desde que a NASA divulgou o seu projeto de lançar uma nave em direção a um asteroide, tentando com o impacto da nave com o objeto e através dos resultados daí obtidos e posteriormente analisados, estudar a hipótese de em caso de necessidade futuramente se ter que por salvaguarda ou mesmo obrigatoriamente desviar um (asteroide) ─ já com alguns curiosos bem atentos e com a “orelha-bem-esticada” ─ mal a janela de oportunidade de lançamento da nave se soube (abertura a partir de 24 de novembro) nunca mais as notícias sobre a mesma cessaram:

Missão DART (Double Asteroid Redirection Test) apresentando como seu objetivo mudar a trajetória de um objeto no Espaço e tendo como seu alvo o asteroide Didymos (65803) com cerca de 780m de dimensão e a sua lua com cerca de 160m ─ planeando-se atingir a lua com a sonda, impactando a v=6,6Km/s ─ sendo a mesma DART lançada da Terra por um foguetão Falcon 9 da SpaceX da base de Vandenberg (na Califórnia). Chegando lá pelos finais de setembro de 2022 quando o asteroide e a sua lua estiverem a cerca de 11 milhões de Km da Terra e deixando o trabalho de observação e de recolha (não estando lá terrestres em regime presencial) a cargo telescópios e radares online.

(imagens: nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:20

O Asteroide que matou os Dinossauros, veio da Cintura de Asteroides

Terça-feira, 10.08.21

Ao passar muito levemente e com muito pouco tempo disponível pela página interior de uma revista de carater cientifico-tecnológico,

Por acaso ou talvez por coincidência, ou então porque algo ou alguém previamente o definiu, falando do tema pelo qual cada vez mais pessoas se entusiasmam e se deixam arrastar,

Vendo-me de novo face à questão do nosso possível e futuro desaparecimento ─ da Terra ─ perante o Evento Apocalíptico que há cerca de 66 milhões de anos atrás,

Levou a raça dominante de então os DINOSSAUROS á extinção.

US3vqKhyVfGNa5hJTZTQrP-970-80.jpg

Com um asteroide com quase 10Km de dimensão a entrar numa rota de colisão com a Terra, entrando na sua atmosfera e impactando de seguida com a superfície do que viria a ser o nosso planeta,

Para de seguida se dar uma grande explosão e se produzir uma intensa onda de choque, dando a volta completa a todo o planeta e no seu caminho de destruição,

Provocando violentos sismos, sucessivas erupções, tsunamis para todos os gostos, todos eles fenómenos arrasadores, catastróficos, à sua passagem não deixando nada vivo nem de pé,

Especialmente se não se pudesse proteger, se fosse grande, azar aí (sendo essa a razão, o tamanho) dos dinossauros (sendo o seu fim).

Na sua trajetória secante ao nosso planeta colidindo (o asteroide) na região do globo terrestre onde se situa a grande cratera (de impacto) de Chicxulub, com cerca de 145Km de diâmetro.

Sabendo-se assim o seu destino, a data e o local de impacto e tendo-se algumas ideias sobre a proveniência do asteroide, certamente para lá da nossa órbita e podendo ir até ao limite do nosso Sistema Solar ou mesmo ultrapassá-lo,

Faltando ter apenas mais uma ideia para assim esclarecer todas as dúvidas, através dela sabendo-se a direção e a morada correta do seu remetente (antes até se levantando a possibilidade de ser um cometa, mas ficando-se por mais um asteroide),

Podendo-se assim investigá-lo e até situá-lo, aproveitando toda a experiência e conhecimento entretanto adquirido (com os eros e correções, sendo consolidado) caso fenómeno semelhante volte de novo a acontecer.

Pelos vistos e depois de anos e anos de estudos e de múltiplas observações e até da entrada e da saída do nosso Sistema de Objetos Interestelares como os asteroides 2I Borisov e Oumuamua,

Chegando-se à brilhante conclusão esperando-se que agora correta (para asteroides desta dimensão e caraterísticas de composição),

De que o asteroide que deu origem à extinção dos Dinossauros terá vindo de uma região localizada entre o planeta Marte e o plante Júpiter, mais rigorosamente da CINTURA de ASTEROIDES.

E a partir desse estudo e da sua conclusão ─ oferecendo-nos a origem, o trajeto e o destino do asteroide, 66 milhões de anos depois (e assim acompanhando-os) ─ tirando eu a minha própria conclusão, baseando-me no comportamento deste objeto:

Voltando a ser lançado do Cinturão de Asteroides e tendo de novo a Terra como seu alvo (até lá esperando-se o nosso planeta ter algum mecanismo de proteção contra esse tipo de objetos),

Sabendo-se que a distância Cinturão de Asteroides/Terra é de cerca de 260 milhões de Km (média) e que a velocidade dos asteroides anda pelos (uma hipótese) 20Km/s, significando que arrancando um asteroide desta “base” (a cintura), este estaria a tocar-nos 150 dias depois.

Cinco meses para nos prepararmos.

(imagem: Getty Images)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:04

Bola de Fogo sobre a capital da Noruega

Quinta-feira, 29.07.21

Entrando na atmosfera terrestre no passado dia 25 de julho de 2021 (no início da madrugada de domingo) e falhando o nosso território (Portugal) por menos de 3.000Km, por volta da uma hora da madrugada uma “BOLA-DE-FOGO” atravessou os céus da NORUEGA (a uma velocidade de  19Km/s) sobre a região da sua capital OSLO, iluminando-o (o céu noturno) por uns segundos e acabando por explodir, desintegrando-se (devido ao forte atrito atmosférico), com alguns dos seus fragmentos a caírem numa floresta nos arredores da capital norueguesa (a cerca de 60Km).

snapshot.jpg

Bola de Fogo

Aproximando-se da Terra a v=19Km/s e explodindo no céu da Noruega

 

Ao surgir repentina e inesperadamente, já a noite ia adiantada e bem escura, com o seu aparecimento atravessando a atmosfera terrestres a alta altitude e velocidade, como que a “fazer acender as luzes no céu” envolvendo (e emanando a partir daí) todo o espaço por onde ela passava ─ a Bola-de-Fogo, um METEORO ─ aumentando progressivamente a sua luminosidade e impacto visual, até atingir o seu próprio clímax ao explodir (desintegrando-se): depois de  segundos de uma noite sendo iluminada, surgindo um grande flash-de-luz, observando-se então a queda de fragmentos iluminando a sua descida, perdendo intensidade, até desaparecerem/impactarem (na superfície terrestre).

Para além do impacto luminoso provocado pela entrada do meteoro na atmosfera da Terra (fenómeno visual) ─ o mesmo (o meteoro/bola-de-fogo) sendo sentido (a sua presença física) ainda mais intensamente aquando da sua explosão, originando um “intenso e rápido relâmpago-de-luz” (efeito visual acrescido, por mais intenso e concentrado) ─ com a explosão do meteoro tendo ainda um outro efeito, também deveras importante se não mesmo o principal, até pelas suas possíveis consequências: a “onda-de-choque”. Aquando da explosão do meteoro a maior ou menor altitude, com a mesma (explosão) a provocar uma onda de choque mais ou menos intensa, podendo em certos casos dada a sua propagação e intensidade (dependendo de fatores como o ângulo de entrada, a velocidade, a altitude da explosão, a constituição do objeto) provocar danos materiais e ainda humanos.

onsogX7ZTwxTc5piun25rL-970-80.jpeg

Bola de Fogo

Momentaneamente transformando a noite em dia na capital Oslo

 

Felizmente a explosão do meteoro não tendo registado graves consequências, limitando-se a um breve espetáculo de luz (intenso aquando da explosão/desintegração), a uma pequena “onda de choque” e a uns quantos fragmentos tendo caído a quilómetros de distância na floresta (sem se ter ainda conhecimento de ter atingido algo ou alguém de relevante). As únicas notícias já tendo, entretanto, chegado, sendo a do início da caça aos possíveis fragmentos, caídos em terra/no solo e integrando antes o meteoro (o OVI/objeto voador identificado, vindo do Espaço).

Segundo os especialistas nestes tipos de fenómenos envolvendo objetos atravessando o Sistema Solar e passando perto da Terra ou impactando-a (o que acontece diariamente com fenómenos como este) ─ envolvendo meteoros, meteoritos, bolas-de-fogo, etc. ─ um meteoro desviado aquando da sua trajetória no Cinturão de Asteroides (localizado entre Marte e Júpiter) e atingindo posteriormente o nosso planeta. Não se sabendo ainda qual a sua composição (se rochoso, metálico, etc.) nem dimensão, pelo seu comportamento ao atravessar a atmosfera terrestre, devendo andar pela dimensão em redor de um metro (o usual): e no entanto um meteoro/meteorito provocando um “Boom Sónico”, recuando-se no tempo recordando-nos Cheliabinsk (Rússia/2013) e a sua “Bola de Fogo”, ao explodir provocando uma explosão (no ar) equivalente a 400/500Kt de TNT (felizmente ainda a grande altitude/distância) e causando elevados danos materiais e cerca de 1.200 feridos ─ devido à forte “onda de choque” resultante da explosão.

(dados: livescience.com ─ imagens: JassMaan vlog/youtube.com

─ Norwegian Meteor Network)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:09

O 1º Módulo da Estação Espacial Chinesa

Sábado, 08.05.21

[E o descontrolo e queda do foguetão Longa Marcha. Portugal estando incluído na “zona de risco”.]

S55QBGIKIJODRAZH6YUASWHZHQ.jpg

Lançamento do foguetão chinês

Longa Marcha-5B Y2

 

No passado dia 29 de abril de 2021 (há pouco mais de uma semana) com a China a lançar para o Espaço a partir do seu Centro Espacial de Lançamento de Wenchang (localizado na província de Hainan) e a bordo do seu poderoso foguetão Longa Marcha-5B Y2, o 1º módulo de três da sua futura Estação Espacial colocando-o de seguida em órbita (da Terra).

Até aqui tudo decorrendo sem problemas e com uma grande multidão de interessados e de curiosos a assistirem de longe ─ estrategicamente colocados e protegidos no areal de uma praia próxima ─ ao fantástico e monstruoso Evento da explosão por combustão de material ocorrida no interior dos motores do foguetão Longa Marcha, vencendo com toda a sua potência cinética a força da gravidade e ejetando para fora da Terra, o núcleo central da Estação Espacial Chinesa TIANHE: já se o vendo circular pelo céu noturno ─ por vezes sendo iluminado e visível, conforme a sua posição e ângulo com o Sol e a Terra ─ movimentando-se em órbita da Terra e nesse caminho sendo acompanhado pelo agora “excedente” Longa Marcha.

SGORB443CJL4HAGOXJP56HNCTY.jpg

Multidão observando o lançamento do 1º módulo

da Estação Espacial Chinesa Tianhe

 

Como tudo tendo um destino e daí surgindo o problema (antes aparentemente não existindo ou então, podendo ocorrer não preocupando): com o foguetão Longa Marcha agora descontrolado ─ mais cedo ou mais tarde e decaindo progressivamente de órbita acabando por entrar na nossa atmosfera (terrestre) ─ surgindo como sempre a possibilidade de quando da sua reentrada na atmosfera explodindo ou desintegrando-se (por atrito/fricção), algumas partes da sua estrutura possam atingir entre outras regiões habitadas, podendo provocar vítimas.

Uma preocupação de realçar apesar de se saber não serem os chineses os únicos (nestes atos e consequências negativas, poluentes, podendo provocar vítimas) sendo superados de longe por russos e norte-americanos (criando uma verdadeira lixeira-de-sucata em movimento, em redor do nosso planeta), podendo denotar alguma influência/intervenção política rival, podendo  mesmo (como todo o lixo vindo do céu e da nossa criação que cai diariamente sobre nós) atingir-nos, mas sendo sem dúvida um grande passo da China na Exploração e na Conquista do Espaço (e tal como todos os outros investidores públicos ou privados o desejam), nos seus recursos e nas oportunidades daí surgidas (um filão).

tianhe1_philsmith.jpg

Módulo central da estação espacial Tianhe

observado já em órbita da Terra

 

A queda do Longa Marcha sendo apenas (um acessório) um truque (positivo ou negativo, conforme a encomenda) publicitário, apenas para se falar, no entanto, dentro de uns quatro anos podendo ser a China (talvez com a Rússia, já com o seu módulo central em construção) a única das grandes potências com bases exteriores (como a Estação Espacial Internacional ou ISS).

Com as últimas novidades sobre o foguetão chinês Longa Marcha-5B Y2 hoje 8 de maio/15:00 horas (tendo-se separado do módulo central da futura estação espacial Tianhe, pouco mais de 8 minutos após o seu lançamento da Terra, a 29 de abril), a confirmarem a sua queda na nossa direção (da Terra) e com o seu impacto a ocorrer ainda hoje (sábado e com as autoridades chinesas a afirmarem que a maior parte do foguetão se desintegrará, consumindo-se a grande maioria dos seus fragmentos/por atrito ao atravessar a nossa atmosfera): com cerca de 30 metros de comprimento e cerca de 20 toneladas de peso, com a única certeza a ser que o mesmo impactará a superfície do nosso planeta entre as latitudes 41,5°S e 41,5°N (ainda uma faixa bem larga de 83° num máximo de 180°), com esmagadora probabilidade de o fazer sobre o oceano (com 70% do nosso planeta estando coberta por água) ─ estando entre outros países Portugal com os seus 39,5°N de latitude (perto do “limite fronteiriço”) incluído nessa “zona de risco”.

Dentro de poucas horas se verá.

(imagens: Reuters/China Daily e Philip Smith

em spaceweatherarchive.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:21

99942 Apophis o Monstro

Domingo, 28.03.21

Em mais uma observação da CNEOS (centro de estudos da NASA) dedicado à observação de asteroides circulando na proximidade da Terra (investigando-se o seu tamanho, forma e rotação)

 

PIA24168.jpg

99942 Apophis

PIA 24168

Photo Journal NASA

8/9/10 março 2021

Rádiotelescópios terrestres Goldstone e Green Bank

 

No cumprimento da sua órbita em torno do Sol movimentando-se no seu ponto de maior aproximação a 7.500.000Km ou menos da Terra, tendo uma dimensão de 100 metros ou mais e podendo passar (podendo tornar-se perigoso) de NEO (objeto passando próximo da Terra, sem risco de impacto) a PHA (objeto potencialmente perigoso dado, aproximando-se muito perto da Terra e mesmo não impactando, podendo provocar danos colaterais) ─ o registo feito nos passados dias 8/9/10 de março pelo Observatório Goldstone (radiotelescópios) localizado na Califórnia (instalado no deserto de Mojave) assim como do radiotelescópio de Green Bank (estado da Virgínia, a ocidente), de mais uma passagem do asteroide 99942 Apophis:

 

Descoberto em junho de 2004, circulando entre 0,75/1,1 UA de distância da Terra a uma velocidade de 30,73Km/s, com um período orbital de 323,6 dias (rotação em 30,4h) e uma dimensão de 325Km ─ um verdadeiro monstro.

 

Aquando da sua descoberta em 2004 (já lá vão 17 anos e outros cálculos) e pelos primeiros cálculos aí efetuados, chegando-se à conclusão de que poderia num futuro próximo existir uma hipótese de impacto ─ na altura na ordem dos 2,7% ─ hipótese essa que com posteriores cálculos foi afastada e posteriormente (aparentemente) retirada:

 

Da iminência de um impacto do asteroide Apophis com a Terra (em 2029 ou em 2036) permanecendo hoje no nível zero de impacto (segundo a escala de Turim), com as suas duas maiores aproximações apontando (nos anos mais próximos) para 2029 (38.000Km)

 

PIA16675.jpg

99942 Apophis

PIA 16675

Photo Journal NASA

5/6 janeiro 2013

Observatório espacial Herschell

 

A maior aproximação à Terra numa distância igual ou até menor à de alguns satélites terrestres (os mais afastados) ─ e 2051 (mais de 6.000.000Km).

 

Neste registo recente com o monstruoso asteroide a passar a 17.000.000Km da Terra, restando-nos agora esperar por 2029: segundo alguns especialistas (mais pessimistas) podendo como consequência da sua passagem tão próxima de nós em 2029, provocar desequilíbrios  (tendo pontaria e acertando no alvo, uma minúscula região, a fenda de ressonância gravitacional) posteriormente levando o asteroide a impactar 7 anos depois em 2036 ─ e confirmando-se tal evento dentro de 15 anos e estando-se presente, podendo-se assistir em vivo e em direto ao Fim-do-Mundo.

 

Pelo menos e depois dos Dinossauros (já tendo tido o seu) o nosso Fim-do-Mundo (do Homem). Já quanto à Terra e ficando (sobrevivendo pelo menos geologicamente ao impacto, mantendo a sua integridade), preparando-se para um novo Salto Evolutivo (tudo se movimenta, se transforma) Civilizacional e acompanhado de mudança da espécie dominante:

 

Neste ciclo geológico da Terra podendo-se já ter deparado (no passado) com vários Saltos (mesmo tendo existido sempre um “homem-residual” em “arquivo”, de modo a garantir e manter em paralelo a espécie) dos repteis, passando aos mamíferos e seguindo-se os insetos.

 

(imagens: photojournal.jpl.nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:16

O Demónio Passou Há Minutos, Muito Perto de Nós

Sábado, 06.03.21

“Apophis is 1,120 feet (340-meter-wide) wide

and made of rock, iron and nickel.

It is probably shaped roughly like a peanut,

though astronomers will have a better idea of its form

when it passes by Earth this week.”

(Stephanie Pappas/livescience.com)

 

HwWJNAkE5bHTToQ2vJysin-970-80.jpg

Apophis

Em 2029 passando perto da Terra

a uma distância semelhante à de muitos satélites

com órbitas mais elevadas

(superiores ou iguais a 35.780Km)

 

Neste sábado dia 6 de março pelas 01:15 TMG (de 2021) com o asteroide 99942 APOPHIS (de 340/370 metros de dimensão) a passar (hoje há pouco mais de duas horas) ─ como o faz periodicamente cumprindo a sua órbita à volta do Sol (em  323/324 dias) ─ no seu ponto de maior aproximação à Terra (este ano quase 17 milhões de Km), um objeto circulando nas proximidades da Terra (mais perto ou mais afastado dela), todos os anos (no cumprimento da sua trajetória) orbitando o Sol e tendo uma percentagem mesmo que muito remota de um certo dia num futuro próximo (a curto-prazo) poder passar num “voo rasante” muito perto de nós (o que já seria mau), podendo até ser uma tangente ou num evento extremo uma secante (aqui originando um Evento Apocalítico).

 

"We know Apophis is in a very complicated spin state,

it's sort of spinning

and tumbling at the same time."

(Richard Binzel/MIT/livescience.com)

 

Um evento previsto para 2029 (com Apophis a passar a cerca de 40.000Km da Terra), falado para 2036 (de novo nada devendo acontecer) e posteriormente marcado  para  2068 (com o estudo da possibilidade de impacto a poder ser melhor definida, com esta recente passagem em 2021), ainda com algumas perspetivas projetadas, através de cálculos matemáticos atualizados (agora e noutras passagens), de cenários dentro de menos de um século podendo ser considerados como potencialmente perigosos (ultrapassando o de 2029) ─ para a Terra, seu Ecossistema e para o Homem.

 

Lembremo-nos dos Dinossauros agora extintos, talvez por um asteroide.

 

(imagem: Stephane Masclaux/Shutterstock/livescience.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:17

Mesa de Bilhar Cósmica

Sábado, 13.02.21

[Em que a Terra é uma das bolas.]

 

Mergulhada a Terra e a sua civilização sob um manto pandémico cada vez mais asfixiante (de Covid-19) ─ infetando cerca de 1,4% de indivíduos (dos quase 8 biliões) e vitimando mortalmente 0,03% da população mundial (a nossa amostra) ─ e como consequência (alterando as nossas condições básicas de sobrevivência) colocando o futuro da nossa civilização (dirigida pela raça dominante, o Homem) em questão,

 

The emergency preparedness activities

now underway to combat the coronavirus pandemic,

offer insight about our readiness

to deal with a dangerous incoming asteroid.

(Leonard David/space.com/msn.com)

 

BB15v0pT.img.jpg

COVID-19/IMPACTO

 

Estranhando-se um pouco que apesar do cenário de catástrofe em construção (crise social e económica) acompanhado por (guião) regras claustrofóbicas impraticáveis (a nível da sua duração, estando-se cada vez mais perto da explosão), continuemos religiosamente (por fé, esperança, dever) na senda de eventos impactantes (do nível deste ou superior), senão originários do interior (partilhando connosco o ecossistema terrestre e podendo ter a nossa contribuição) então enviados do espaço exterior: sem pensar nos efeitos e na sequência ambiental (brutal), deixando de olhar para a Terra e virando a nossa observação para o céu (só daí podendo vir os Deuses), imaginando logo a possibilidade de um encontro ocasional, com um objeto remetido passando simplesmente ao lado ou então e acertando (para nossa infelicidade entregando o recibo) chegando ao seu destino ─ envolvendo (1) um asteroide ou então (2) um cometa, talvez (3) uma explosão solar ou então (4) uma explosão cósmica (as quatro más opções) mas nunca se podendo excluir e muito menos negar (tudo é possível) se não (5) um extraterrestre natural pelo menos (6) um artificial (podendo ser bom, se não mesmo mau). Tal como com o objeto interestelar OUMUAMUA (cometa/asteroide), vindo de outra estrela, entrando no Sistema Solar e saindo sem incidentes: mas tal como impulsionando uma bola numa mesa de bilhar (representando o Universo), podendo de um momento para o outro impactar, mandando-nos de imediato (limpeza total) para o buraco.

 

800px--Взрыв_метеорита_над_Чел

CHELYABINSK

 

Então falemos de asteroides.

 

No próximo dia 21 de março de 2021 (um domingo) com um grande asteroide ─ 2001 FO32 ou 231937 ─ (descoberto há vinte anos) com mais de 1Km de diâmetro (1.024m), no cumprimento da sua trajetória em torno do Sol (a sua estrela de referência) e a uma velocidade apreciável (mais de 34Km/s), a passar (sem perigo de impacto/condição de código 0) a pouco mais de 2.000.000Km da Terra (pouco mais de 5X a distância Terra/Lua). Pela sua dimensão, velocidade e proximidade (mas aqui sem o perigo de colisão) levando-nos a pensar, no entanto (e fazendo uma previsão já com testemunhos no passado) no que seria se num futuro próximo (que se prevê inevitável e que cada dia que passa mais se avizinha) ocorresse um impacto: em termos de comparação (analisando as consequências) colocando na mesa (de Bilhar Cósmico) o ocorrido num passado recente em TUNGUSKA em 1908 (com um meteoro de 100m de dimensão, explodindo na atmosfera com uma potência de 185X a bomba de Hiroshima, terraplanando cerca de  2.000Km² da floresta siberiana) e em CHELYABINSK em 2013 (com outro meteoro de 20m de dimensão a explodir, provocando uma onda de choque danos materiais e mais de 1.000 feridos), complementando ainda a exposição e tendo em vista o futuro com outro destes protagonistas, o famoso asteroide APOPHIS (este com 300m).

 

Screenshot_2021-02-13 Live Science The Most Intere

APOPHIS

 

Um meteoro cumprindo a sua trajetória em menos de 324 dias, passando (em termos relativos de milhões de Km) todos os anos mais ou menos perto da Terra e que segundo as previsões dos cientistas/especialistas, o fará pelos vistos perto de nós (da Terra) em 2029 (com datas extras como 2036 e 2068, existindo alterações visíveis na sua trajetória em 2029): não impactando (para já) mas passando mais por perto (tudo sendo possível), podendo vir a fazê-lo adivinhando-se facilmente quais seriam as consequências de tal evento (até pelos Dinossauros). Dentro de oito anos (abril de 2029) atravessando a órbita de alguns satélites localizados a cerca de 35.000Km da Terra ─ data onde se fará nada de mal acontecendo (passando a 32.000Km de distância), uma grande observação do asteroide preparando-nos para a grande aproximação seguinte ─ para em 2036 fazer uma nova grande aproximação, repetindo-a em 2068. Um meteoro com uma potência explosiva energética 300X a de Tunguska e 5.000X a de Chelyabinsk, que nas próximas aproximações à Terra passando ainda mais perto (desta), poderá ser capturado (pela mesma, pelas forças gravitacionais) alterar a sua trajetória e a natureza do seu encontro ─ podendo ser direto (dolorosamente impactante). Este ano passando no seu ponto de maior aproximação à Terra a 6 de março (bem longe) a 17 milhões de Km.

 

(imagens: space.com/msn.com ─ wikipedia.org

─ NASA/JPL-Caltech/livescience.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 03:02