Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

16
Fev 14

“Pois em seis dias o Senhor fez os céus e a terra, o mar e tudo o que neles existe, mas no sétimo dia descansou. Portanto, o Senhor abençoou o sétimo dia e o santificou”

(Bíblia – Êxodo 20)

 

Os pais nunca tinham dito nada de especial a Embrião sobre o Templo da Implantação, porque sabiam por experiência própria de vida e por observação directa de toda a Natureza que os rodeava e da qual faziam parte, que o mistério era uma das principais e mais belas transições temporais em todos os acontecimentos e fenómenos da História do Mundo – nunca os deixando insatisfeitos com as revelações obtidas, mas mesmo assim sugerindo-lhes imediatamente outras conquistas do conhecimento e outras aventuras fantásticas e de encantamento.

 

Entre a primeira e a segunda etapa a Fronteira – o Templo da Implantação – seria um marco do desenvolvimento do Embrião e da sua transformação posterior num fabuloso Ser Vivo: aí ele desenvolveria a sua estrutura básica de crescimento e de desenvolvimento, organizando-se e adquirindo no decorrer do processo – como um farol – a Alma que o dirigiria para sempre e de onde emanaria a Consciência.

 

Embrião: Roseta e As Fundações do Corpo

 

Tinha chegado a hora do Embrião sair de casa e partir para a sua grande viagem. Teria duas etapas a cumprir: uma antes de chegar ao Templo da Implantação e outra após a sua passagem. Na primeira etapa e nunca perdendo a sua identidade profunda, viajaria com o aspecto de Blastócito, o que lhe daria a aparência de pequenas projecções livres e dispersas, analiticamente procurando direcções; na segunda etapa e após a chegada a Útero, embrenhar-se-ia nele como Mãe e Destino. Mas o período mais sedutor da viagem seria sempre o passado durante o Templo de Implantação, até pelo Mistério que o envolvia: como era possível que num tão curto espaço de tempo – comparativamente com o tempo dispendido em toda a viagem – o Embrião sofresse das mais significativas alterações de crescimento e de desenvolvimento, organizando-se para se transformas e evoluir?

 

Chegado ao Templo da Implantação o Embrião adquiriu a sua essência e a concretização do seu destino: o Espírito da Vida. E com a complexidade da Alma a ele aí anexada, criou fantásticas estruturas básicas de construção e de reprodução infinitas – perdendo agora o Embrião o aspecto de Blastócito e transformando-se numa bela e organizada Roseta, festiva, perfeita e bem desenvolvida. Numa imagem nunca antes vista ou imaginada, pelo jovem e aprendiz Embrião. Um dia o Templo da Implantação receberia o Prémio da Regeneração.

 

(imagem – The Watchers/cam.ac.uk/cell.com/creativecommons.org)

 

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:14

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

24
25
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Implantação

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO