Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

23
Out 18

Num país – a ÍNDIA – com quase 1.300 milhões de seres humanos e cerca de 50 milhões de macacos

 

– Ou seja 26 seres humanos por cada macaco –

 

girl_living_with_monkies_india_fb.jpg

 

Onde numa área mais de 35X a de Portugal 1.000 pessoas são diariamente mordidas por estes nossos primos afastados (pertencendo ambos ao mesmo Reino/Animal, Classe/Mamíferos e Ordem/Primatas),

 

Chegam-nos este mês notícias da ocorrência de atos criminosos e mortais levados a cabo (na passada semana) por um grupo aparentemente organizado de MACACOS e conduzindo à morte (não acidental) de um ser humano:

 

Na sequência de outros ataques (semelhantes) levados a cabo por Macacos contra HUMANOS

 

Como o ataque mortal de um grupo de macacos (ação coletiva) a um vereador de Deli (depois de Bombaim a 2ª maior e mais importante cidade da Índia) e o rapto levado a cabo por um outro macaco (ação individual) levando consigo um bebé (entrando numa casa e roubando-o) posteriormente encontrado morto afogado num poço –

 

Com um outro grupo numeroso destes primatas (neste caso Macacos RHESUS) a atacarem no passado dia 18 de Outubro no estado indiano de UTTAR PRADESH (um estado densamente povoado pelos vistos não só por Homens como simultaneamente por macacos) um residente local de cerca de 72 anos,

 

Deixando-o após um brutal e definitivo ataque praticamente morto (levado ainda ao hospital mas nunca recuperando do seu estado).

 

Numa ação concertada com um Grupo de Macacos Rhesus a surpreender Dharampal Singh (o tal septuagenário indiano) enquanto recolhia madeira numa floresta próxima (para uma cerimónia/ritual Hindu necessitando da presença de fogo),

 

Atirando-lhe tijolos recolhidos nas ruínas de uma casa (próxima) a partir de uma árvore aí posicionada:

 

E fazendo-o até o deixar prostrado, inanimado e às Portas da Morte.

 

(dados e imagem: Paul Seaburn e thestatesman.com/snopes.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:36

08
Dez 17

“The ability to solve complex math problems is one thing that sets humans apart from the rest of the animal kingdom. Despite this fact, some animals do seem to have at least one basic mathematical ability — they can, in a sense, count.”

(Joseph Castro/science.com)

 

aHR0cDovL3d3dy5saXZlc2NpZW5jZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMD

Some monkeys have shown the ability to count objects

(foto: Michael Woodruff/Shutterstock)

 

Enquanto (mesmo que o não queiram reconhecer) a capacidade mental (de raciocinar) por parte do HOMEM tem vindo a definhar progressivamente nas últimas décadas ‒ em Portugal tendo como ponto de viragem o CAVAQUISMO (1985) e no Mundo a Queda da URSS (1991) ‒ parece que alguns de nós (ditos RACIONAIS) especializados no estudo dos outros animais que não os humanos (e conhecidos como IRRACIONAIS) se viram finalmente para eles talvez (os bichinhos) procurando aquilo que o Homem já não consegue oferecer: sem necessidade de procurar (antes tentava-se descobrir agora apenas repetir) ou até de contrapor (aceitando-se sem discussão tudo o que nos é afirmado) ‒ antes procurava-se um LIVRO agora um resumo EFICAZ (Portugal), antes os EUA criavam algo e logo a URSS respondia (Mundo) ‒ confundindo-se TUDO e TODOS (objeto e sujeito vistos como mercadoria), perdendo-se MEMÓRIA e CULTURA (a nossa base de sobrevivência), optando-se pela INDIFERNÇA (pura obediência hierárquica) e pelo Currículo Seguro (garantia de um mero Emprego não necessitando de conhecimento ‒ experimental ‒ como o seria para executar um Trabalho não apenas teórico).

 

E dessa forma recuando à infância e à sua ingenuidade (ainda antes de normalizados pela Igreja e pelo Estado e de sufocados pelo peso da cada vez mais deformada Pirâmide Social) procurando nos Bichos Irracionais (Nossos Amigos de Viagem nesta Terra Fascinante) a resposta para os nossos problemas ‒ ditos existenciais (pelos teóricos do Armário talvez inspirados numa teoria em extensão da Alegoria da Caverna) unicamente para nos afastar da Realidade (impedindo-nos de a encarar através de estratégias subliminares) inserindo-nos na sua Projeção (aceite por todos ‒ Clero/Religiosos e Nobreza/Políticos ‒ como única alternativa credível e viável).

 

“Whatever the case, our number sense is not unique in the animal kingdom. In fact, it may not be something that's reserved to just animals: Venus flytraps (a carnivorous plant) can also "count."

(Joseph Castro/science.com)

 

MTUxMjMxNTMwMQ==.jpg

"Clever Hans" in action, tapping with his hoof

8 – 4 = 4, 8 + 4 = 12, 8 / 4 = 2, and 8 x 4 = 32

(Laasya Samhita and Hans J Gross/Communicative & Integrative Biology/CC BY-NC-ND 3.0)

 

No entretanto e apesar de toda a nossa oposição a considerarmos que uma outra espécie nos possa igualar ou ultrapassar (teoria Geocêntrica aplicada ao Homem) ‒ ainda-por-cima compartilhando o nosso ecossistema e alegadamente tendo habilitações matemáticas (naturalmente básicas como comer e reproduzir ou não fosse o Homem o seu Modelo) reproduzindo o ambiente e condicionando os animais (cenário imposto aos seres humanos) conseguindo-se mesmo atingir patamares deveras relevantes (para os irracionais), evoluindo no mesmo sentido (por persistência e resiliência) que cada um de nós compartilha (sentido de sobrevivência): conseguindo-se pôr Macacos a contar (experiências iniciadas no final dos 1980s) e antes até um Cavalo (no início do século XX com Clever Hans) a calcular (na realidade a interpretar/dono e a associar/gestos e no fim a atuar/representar, nem tendo noção de número/quantidade).

 

E se no caso do cavalo CLEVER HANS (no mínimo demonstrando qualidades) tratava-se apenas de uma questão de associação entre os gestos do seu dono e a missão deste (o cavalo) a cumprir (nem tendo noção de número ou mesmo de quantidade) ‒ um caso para divertir e para nos pôr a pensar ‒ já no caso dos Macacos e dos seus amigos Chimpanzés (em experiências realizadas lá para os lados de 2000) estes revelaram interessantes (na altura surpreendentes) capacidades de cálculo: concluindo-se que certos macacos (rhesus) tinham uma boa noção do número total de objetos observados, obtendo (experimentalmente) resultados quase tão bons (80%) como um grupo de estudantes universitários. Com outras espécies terrestres a demonstrarem as suas capacidades: como por exemplo os lobos (e outros mamíferos), as abelhas (e outros insetos), os peixinhos (e todos os outros) e até as galinhas (mais rigorosamente os pintinhos).

 

(dados, legendas e imagens: livescience.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:34

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

24
25
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO