Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

31
Jan 17

O Sol abre-se à Terra

(com uns “calhaus” por aí)

 

Sendo o Sol a estrutura que suporta a existência de Vida na Terra (que a fez surgir), também poderá ser aquele que através de uma grande transformação interferiu na nossa Evolução (e nos fez desaparecer). Sendo conveniente estar atento e até preparado para um dia partir. Mas temendo sempre os “calhaus”.

 

coronalhole_sdo_blank.jpg

O Sol a 30 de Janeiro de 2017

Buraco na superfície do Sol por onde se escapa o vento solar

(NASA/SDO)

 

Enquanto pequenos fragmentos rochosos continuam (para já) a passar tranquilamente ao lado do nosso planeta – ainda hoje com um desses calhaus (2017BH 30) de cerca de 8 metros de comprimento a passar a pouco mais de 38.000Km da Terra –

 

O Sol aponta mais uma vez na nossa direção um grande buraco formado na sua superfície (quase metade da face do Sol), emitindo na direção da Terra um fluxo intenso de vento solar viajando a uma velocidade de 750Km/s. Um buraco onde o campo magnético da nossa estrela se abre e permite que o vento solar se escape – neste momento tendo a Terra bem à sua frente.

 

Numa altura em que para muitos cientistas nos encontramos a caminho de uma mudança na polaridade magnética terrestre (com o norte a trocar com o sul), convém recordar que nessa etapa de transição e inversão de polaridades, a proteção que o campo magnético nos proporcionará (à Terra e à Vida) poderá decrescer drasticamente até perto dos 10%.

 

Dave-BellWyoming-Mountain-Photography-IMG_2689_148

Pilares de Luz

Falsas auroras criadas à base de gelo/cristais e luz/poluição luminosa

(Dave Bell – Pinedale/Wyoming)

 

No caso dos pequenos fragmentos rochosos (que poderão ser menores ou maiores – como meteoritos, meteoros, asteroides, cometas) com vários (de pequenas dimensões) a passarem perto da Terra e com muitos deles só sendo detetados pouco antes ou mesmo depois da sua passagem: já amanhã com um outro (2017 BJ30) com 21 metros a passar a 1LD (384.000K) da Terra.

 

Já quanto ao buraco que o Sol agora apresenta e estando a nós dirigido (à Terra), com as previsões a apontarem a sua chegada para a próxima quarta-feira espalhando grandes auroras pelo Ártico.

 

(dados e imagens: spaceweather.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:06

23
Jun 14

The Watchers

(thewatchers.adorraeli.com)

 

Campo magnético terrestre

(uma das zonas mais enfraquecidas situa-se na região do Atlântico Sul tendo já começado a estender-se pelo Oceano Índico) 

 

The first set of high-resolution results from ESA’s three-satellite Swarm constellation reveals the most recent changes in the magnetic field that protects us from cosmic radiation and charged particles that bombard Earth.

 

Magnetic field is in a permanent state of flux. Magnetic north wanders, and every few hundred thousand years the polarity flips so that a compass would point south instead of north. Moreover, the strength of the magnetic field constantly changes – and it is currently showing signs of significant weakening. (ESA)

 

Imagem do campo magnético terrestre neste mês de Junho

(a cor vermelha corresponde a um campo magnético forte em oposição à cor azul que corresponde a um campo magnético enfraquecido)

 

Measurements made by Swarm over the past six months confirm the general trend of the field’s weakening, with the most dramatic declines over the Western Hemisphere. But in other areas, such as the southern Indian Ocean, the magnetic field has strengthened since January.

 

The field is particularly weak over the South Atlantic Ocean – known as the South Atlantic Anomaly and the latest measurements confirm the movement of magnetic North towards Siberia.

 

The weak field has indirectly caused many temporary satellite ‘hiccups’ (called Single Event Upsets) as the satellites are exposed to strong radiation over this area. (ESA)

 

(texto excepto legendas/imagens – The Watchers/ESA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:50

04
Jan 14

 

Cão limpando excremento com alinhamento N/S

 

Já sabíamos que os cães estavam entre os animais mais sensíveis a determinadas alterações súbitas na crosta terrestre, conseguindo mesmo antecipar pela sua alteração de comportamento um tremor de terra. Agora ficamos a saber que além disso – e certamente haverá uma correlação entre estes dois factos – também são sensíveis a pequenas variações do campo magnético terrestre.

 

E daí...

 

Após uma exaustiva pesquisa que envolveu a observação de 70 cães das mais variadas raças – implicando o registo durante cerca de dois anos dos seus excrementos sólidos e líquidos (1893 defecações e 5582 micções) – um grupo de investigadores checos e alemães chegou à conclusão de que esses animais preferiam defecar e urinar, com o seu corpo alinhado (N/S) segundo o eixo magnético terrestre.

 

(a partir de notícia – Fronties in Zoology)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:59

14
Nov 11

Imagem SDO

 

Um filamento magnético de cor escura, serpenteia por mais de metade do caminho – e da sua distância – à volta do Sol.

À distância de um olhar, parece que a superfície do Sol está a quebrar, abrindo uma fenda contínua e em propagação, que irá no final, partir o Sol em dois.

 

         

Sol (spaceweather.com)

 

Mas o que acontece na realidade é que o filamento se torna instável, acabando por colapsar e atingir a superfície inferior do Sol, provocando o surgimento das “Hyder Flare”.

O filamento até aí suportado pelo campo magnético cai, podendo algum material ser projectado para o espaço exterior.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:33

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO