Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

05
Abr 19

[E a nossa Crise Existencial]

 

“Aliens from Earth & Aliens from Space”

(reconhecendo a diferença)

 

Olhando para dois registos de uma sequência de vídeo (contínua e 24h/dia) obtida pelas WEBCAMS DE MEXICO no passado dia 27 de Março − tendo o vulcão POPOCATEPETL (atualmente em atividade ininterrupta) como protagonista – observando-se deslocando-se da esquerda para a direita um Objeto Voador Não Identificado (na gravação passando por trás da cratera do vulcão) faltando-se saber se um objeto, mais Matéria ou mais Energia e circulando a que velocidade (E=MC²) − podendo sugerir pela estranheza do evento (o aparecimento de tal bizarro objeto) e pela coincidência verificada ( o Popocatepetl estar em erupção), a presença dos tão falados (e maltratados) ALIENS, neste caso não os mexicanos mas os (será mesmo verdade?) SPACE ALIENS (pelos vistos pouco interessados no que se passa na fronteira México/EUA com os seus colegas do Muro os WALL ALIENS).

 

snapshot2.jpg

 

Com o objeto voador não identificado (no fundo um OVNI) a ser observado a passar a baixa altitude (topo do vulcão 5426 metros acima do nível médio da água do mar) nas proximidades do vulcão mexicano Popocateptl (localizado nem a 100Km da Cidade do México capital do país), brilhando sobre o tom escuro do céu noturno e apresentando a forma nada comum (para um veículo deslocando-se na nossa atmosfera) de um charuto-voador: e face ao que se diz sobre estes objetos (OVNI/UFO) tendo-se necessariamente que concordar tratar-se de um caso semelhante (este de 27 de Março no Popocatepetl) a muitos outros avistamentos, esmagadoramente associados a alta-tecnologia (por nós não produzida) e à presença (se não formos nós ou outra forma de nós) de extraterrestres (entre nós e/ou de visita). Pela velocidade (e sendo um ET) só mesmo em visita (de estudo) ou então em turismo – e estando de passagem pelo Golfo da Califórnia e dando um salto a Yellowstone.

 

E do seu brilho e da sua forma ficando-nos na memória (e cultura) este episódio fugaz desta série misteriosa e fantástica (aparentemente de ficção, mas já com muitas temporadas), real e para nossa fruição destinado à nossa reflexão e ao estender (ilimitado/sem fronteiras) da nossa Imaginação: podendo-se estar perante um simples avião (pilotado por terrestres) atravessando o espaço aéreo rodeando o vulcão (de origem terrestre), como estar-se em presença de algo de detetável/visível (pelos nossos órgãos dos sentidos) mas estranho ao nosso Mundo, capaz de se corporizar em forma de Matéria ou então de Energia (de origem extraterrestre).

 

snapshot3.jpg

 

Na questão (agora e aqui implantada) subadjacente a mais esta especulação/conspiração (típica de sectores marginais, muitas vezes inovadores, muitas vezes revolucionários) e envolvendo o nosso Universo (no qual se insere como detalhe menor o nosso Sistema e a nossa Galáxia), se o nosso (universo) não for apenas um entre muitos integrando um infinito e em contínua expansão Multiverso, isso dever-se-á a uma nossa conceção errada de Espaço e de Tempo baseado na nossa própria experiência única e limitada (respeitando as proporções, podendo ser equiparado na sua forma e no conteúdo ao de uma mosca) e subordinada à necessidade da existência de limites palpáveis (como o nosso nascimento e a nossa morte) como alicerces fundamentais do nosso curto percurso em Vida, não interiorizando que o que nós somos e o que o nosso Corpo Vivo representa, não é senão uma parte de um Universo Vivo que se estende do infinitamente grande ao infinitamente pequeno: e olhando-nos ao espelho vendo-nos replicados sem princípio nem fim.

 

E como diria Stephen Hawking (físico britânico/1942-2018) referindo-se aos seus maiores receios (para o futuro da Humanidade), não falando dos ET como ameaça para o Homem (contactando-o ou contactando-nos), mas do que a manipulação genética poderá brevemente provocar (com o aparecimento do Super-Homem terrestre): "Once such superhumans appear, there will be significant political problems with unimproved humans, who won't be able to compete. Presumably, they will die out, or become unimportant." (Stephen Hawking)

 

(imagens: webcamsdemexico.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:27

28
Nov 17

Hoje por volta da hora do lanche vi no Céu de Albufeira Matéria e Antimatéria a aniquilarem-se (com chuva, relâmpagos e trovões).

 

Every Time Lightning Strikes, Matter-Antimatter Annihilation Happens too

 

lightning-700x432.jpg

A Kyoto University-based team has unraveled the mystery of gamma-ray emission cascades caused by lightning strikes

Credit: Kyoto University/Teruaki Enoto

 

“We have this idea that antimatter is something that only exists in science fiction. Who knew that it could be passing right above our heads on a stormy day? ”

(Teruaki Enoto/ Kyoto University)

 

(texto/inglês e imagem: Matt Williams/uiversetody.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:17

14
Dez 14

Foi batido neste ano de 2014 mais um recorde mundial (considerado como um evento extraordinário, mas que no entanto passou completamente desapercebido), o qual pela primeira vez (desde que nos conhecemos) e na sua disciplina, atingiu uma distância nunca antes alcançada (pelo menos que se saiba). Os recordistas pertencem a uma universidade suíça, a um instituto norte-americano e à nossa conhecida NASA.

 

quantum_crystals.jpg

Cristais responsáveis pela captura e armazenamento de informação quântica
(no final do teletransporte)

 

Tentando explicar o extraordinário evento de uma forma extremamente simplificada, o que na realidade sucedeu foi que instantaneamente uma partícula constituinte da matéria (sob a forma de energia) se deslocou entre a sua origem e o seu destino, percorrendo uma distância (recorde) de 25 quilómetros (ainda há cinco anos atrás com a distância a ficar-se por metros). O que certamente nos poderá trazer computadores superiores e internet de melhor qualidade. O meio utilizado para a concretização desta fantástica experiência de transporte de dados foi a fibra óptica.

 

E pela utilização de sistemas lógicos intervindo conjuntamente com a associação de ideias comuns a sistemas interligados, será de admitir que se o teletransporte de matéria se verificar de difícil concretização ou mesmo aparentemente inexequível, isso apenas significará que a opção até hoje utilizada está errada e que nos deveremos virar (em alternativa à Matéria) para a exploração da Energia. Para isso teremos apenas que estudar os mecanismos de transformação e de comunicação da energia e através dela reposicionarmos a matéria: não poderá a energia absorver a matéria (no fundo ambas são o mesmo mas sob formas diferentes) e instantaneamente projecta-la noutro lugar?

 

(imagem e legenda – Universidade de Genebra)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:34

Novos Ficheiros Secretos – Albufeira XXI
(Histórias do Outro Lado)

 

602353_465261976857756_332685255_n(1).jpg

O Homem como uma espécie auto-replicada mas ainda auto-condicionada

(e necessitando de supervisão)

 

No que diz respeito ao planeta Terra o aprofundamento dos contactos das diferentes civilizações alienígenas com a vida indígena terrestre, tinha-se intensificado a partir dos meados de século XIX. Apesar das primeiras visitas se terem verificado há mais de 2.000.000 de anos (ainda a espécie humana não fora introduzida no ambiente do planeta), civilizações muitíssimo mais antigas vindas de galáxias desconhecidas situadas a distâncias brutais no limite deste Universo (testemunhos preferenciais dos tempos iniciais da sua formação) já por cá tinham passado, observando minuciosamente a evolução que se registava neste mundo em formação e tentando compreender a possibilidade deste ecossistema poder suportar vida e adquirir suportes físicos e químicos que pudessem propiciar o seu desenvolvimento e o aparecimento duma espécie superior. E foi uma dessas raças originais símbolo identificador deste Universo e protótipo de todas as outras raças que preencheriam este módulo do Multiverso, que lançaria o programa que daria origem ao aparecimento do Homem à sua imagem e à criação de mais uma réplica adaptada às condições ambientais e de transformação que a esperavam. E se anteriores simulações tinham por vezes dado origem à criação de erros de implementação e de adaptação (nos tempos de adolescência e com o Universo ainda em grande convulsão), neste caso a projecção levada a cabo tinha superado em todas as previsões o sucesso das anteriormente executadas, em situações de utilização de hologramas semelhantes. A única diferença introduzida relativamente a anteriores aplicações de criação sustentada de vida num conjunto inicialmente fechado (neste caso funcionando como um condomínio) tinha sido a divisão do processo em duas fases deliberadamente distintas e a extracção destas dum episódio científico de criação definitiva. Uma primeira fase de sustentação e de protecção de todos os seres vivos já aí presentes (relativamente aos perigos que pudessem vir do espaço exterior) de modo a defendê-los eficazmente de todos os factores que pudessem levar a grandes perturbações na sua evolução, protegendo-o mesmo da possibilidade de extinção. E uma segunda fase em que tendo cumprido na integra todos os aspectos fundamentais e obrigatórios da primeira, se procederia a uma primeira experimentação e análise do impacto da implementação desta simulação num cenário real, dando às espécies colocadas no terreno toda a liberdade de movimentos e de exercício do seu poder evolutivo (mesmo na procura de outra espécie superior e alternativa surgida por eficiência aleatória), enquanto verificavam todas as falhas possíveis de surgir no programa e introduziam outros aplicativos periféricos responsáveis por outros subprogramas redundantes de procura, aperfeiçoamento e resolução. Uma simulação correria de início livremente e o seu estudo daria origem (num momento pré-determinado) a um momento de conclusão (e de criação definitiva): e foi isso o que aconteceu neste conjunto fechado de criação (barriga de aluguer) com a evolução dos organismos representativos da vida na Terra dando origem ao desenvolvimento de uma raça precursora dominante, a qual mais tarde seria substituída por uma outra mais ágil, adaptável e dispondo de mais recursos mentais, como a capacidade de ver, experimentar, apreender, organizar e construir estruturas mentais e físicas mais elaboradas – ficando os Dinossauros (e como cobaias num segundo patamar de protagonismo fundador) como aqueles que seriam para sempre recordados por abrirem pela primeira vez as portas da Terra, à chegada do novo ser vivo alienígena o Homem. E a esperança (certeza) dessa raça talvez divina talvez humana, era que dessa barriga de aluguer um dia o Homem se libertasse e tal como os seus criadores se espalhasse pelo Espaço Infinito.

 

Mas fora sobretudo há cinco mil anos (com o início da Idade dos Metais) que os seres extraterrestres tinham resolvido tornar-se um pouco mais intrusivos, sucedendo-se a partir dessa altura e em grande quantidade relatos de observações feitos pelo homem, além da ocorrência de múltiplos contactos. Das pinturas reveladoras, dos relatos pormenorizados, dos contactos e avistamentos reportados e até dos milagres ocorridos, tudo nos transportava agora até ao começo do século XX e à última fase da intervenção estrangeira vinda do exterior. E com o decorrer das duas Guerras Mundiais ainda mais se acentuaram estes avistamentos e supostos contactos. O Milagre do Sol ocorrido em Fátima tinha sido um desses expoentes máximos de aparente ilusão (o regime também necessitava de algo que absorvesse a atenção do seu povo, fazendo-o esquecer a sua situação de abandono e miséria) contando com a presença de milhares de pessoas rodeadas por um clima de guerra e de miséria, que asfixiadas por manipulação mental subliminar e religiosa, ainda mais acreditavam em tudo o que o poder lhes sugeria: poder esse exercido ditatorialmente pelo Estado, aproveitado pelas reduzidas e incultas elites locais e finalmente utilizado pela Igreja como moeda de troca (e sobrevivência) face ao cada vez mais poderoso poder autoritário da Nova Nobreza. Assim se salvava o clero e se entronizava o Estado e sua hierarquia funcional: uns nobres como comuns funcionários e um rei eleito pelos seus pares, com a Igreja e todo o seu séquito a retirarem-se estrategicamente do palco principal e a abençoá-los repetidamente como moeda de troca. A que todos chamavam neutralidade. Três jovens – Lúcia, Jacinta e Francisco – tinham sido escolhidos como personagens principais deste encontro Mágico e Religioso, sendo contactados e interpelados por Entidades de Outro Mundo que lhes tinham comunicado e confirmado com a sua presença no local da existência de Outros Mundos (que o povo interpretou como o Céu, o Inferno e o mundo intermédio – o Purgatório) e de Outros Seres (que o mesmo povo traduziu em Anjos, Diabos e elementos intermédios – os mensageiros ou neutros). E a Fé profunda deles no Poder Sagrado vindo do Exterior tinha levado ainda milhares de indivíduos a acompanhá-los e a serem os protagonistas do maior e mais extraordinário acontecimento europeu, com uma multidão a assistir à chegada dos Deuses ou seus representantes, com os seus veículos celestiais evoluindo no ar e emitindo luzes coloridas e cintilantes (como se fossem estrelas do Céu) e com dois dos seus mais proeminentes elementos a falarem privadamente com os jovens e contando-lhes sobre Eles e sobre o futuro destes. Mas estes tinham sido contactos que se tinham mostrado pouco produtivos e eficazes, pois as guerras e conflitos continuavam indiscriminada e irracionalmente a espalhar-se exponencialmente por todo o mundo e nunca seria o povo esmagadoramente maioritário mas sem armas a impor-se à elite (poderosamente armada). E era essa a razão da mudança da estratégia de intervenção dos extraterrestres no nosso planeta, optando agora pelo estabelecimento privilegiado de contactos com as elites com acesso ao poder e desse modo tentando inverter o caminho suicida seguido pelos humanos: cedendo-lhes tecnologia e conhecimentos que até aí lhe tinham sido vedados talvez um dia os terrestres pudessem abandonar o planeta e partir à descoberta de outros mundos. Se não o fizessem estariam condenados: nenhum ser vivo assim se manteria se optasse por não se movimentar, não usufruindo do Espaço disponibilizado de transformação. Em Julho de 1947 ocorreu o primeiro sinal dessa opção vinda do exterior com a Força Aérea dos Estados Unidos da América a anunciar a captura dos destroços de um objecto voador não identificado (OVNI), negando logo de seguida o acontecimento pelos próprios relatados: iniciava-se aí verdadeiramente a relação estreita entre terrestres e extraterrestres, contando com a presença não só dos EUA como também de outras potências da altura.

 

nikola-tesla-seated-2.jpg

Tempo, Matéria ou Energia?

 

A matéria é o objecto, o movimento um instrumento e a energia o sujeito (e nós não passamos de uma simples ferramenta tornada autónoma e consciente).

 

E Sara Montieli era uma grande conhecedora destes últimos episódios da História do planeta Terra, não só por ter sido o seu mundo de origem como por ter estado sempre ligada (desde o início e como elemento de ligação) ao projecto Pegasus. O que ela nos contara acabava por ser natural e de certo modo compreensível. E ainda pude recordar algumas das coisas mais interessantes que ela dissera: sobre a cooperação contínua estabelecida ao longo dos últimos anos entre os mais diversos interesses exteriores em causa e os seus respectivos representantes terrestres em jogo (se uma espécie extraterrestre se introduzia num determinada espaço de livre circulação sabia de antemão que o seu envolvimento não passava da entrega provisória de uma mera concessão, a qualquer momento podendo ser alterada nas suas premissas iniciais ou até mesmo dissolvida (daí a necessidade de ter diferentes aliados no terreno); assim como sobre a necessidade do aprofundamento desta relação sem intrusão significativa mas cooperante ao nível de ajuda científica e tecnológica, de modo a que este mundo com centro neste pequeno corpo celeste chamado Terra pudesse ter ainda esperança em futuras replicações expansionistas e disseminadoras das suas ideias e concepções. A Terra seria sempre um ponto para nós (terrestres) significativo da confluência matéria/energia, baseando o seu funcionamento e transformação nas relações entre a electricidade e o magnetismo e respectivos fenómenos associados (ainda mal compreendidos, desenvolvidos e aplicados pelos humanos), fenómenos esses já por nós registados e observados na nossa vida quotidiana sob a forma de frequência e vibração, mas ainda sem termos a capacidade de inverter a nossa sequência de concretização mental (construindo uma estrutura capaz de se deslocar no Mundo da Energia e apenas utilizando a Matéria como referência e não como estado imutável e neutro de processamento temporal) mantendo a Matéria sempre em primeiro plano e nunca compreendendo que a capacidade de movimento estará sempre ligada à Energia e à nossa capacidade de nela nos identificarmos matricialmente e assim nos deslocarmos. Tudo porque a Terra tal como ela é nunca o será para sempre, mas tudo o que ela transformar poderá movimentar-se e espalhar-se como uma semente pelo Universo. E face à História da Terra, à sua demografia e conflitos territoriais, o destino teria que ser sempre o Espaço.

 

E se em relação à cooperação vinda do exterior a mesma era executada a níveis diferenciados (e com a colaboração das diferentes potências da área) por diferentes espécies exteriores (esmagadoramente humanóides) de modo a manter-se um certo equilíbrio e normalidade de execução, o estado de compreensão e concretização experimental científico-tecnológico ainda muito pouco desenvolvido nos humanos, levara os agentes exteriores a uma actualização mais rápida de todo o processo de edificação de todo este conjunto, tentando dar-lhe espontaneidade e expansão de horizontes, fornecendo-lhe pistas progressivas e de possível crescimento exponencial. Com estes estímulos exteriores (pistas, sinais, artefactos) poderiam salvaguardar a sobrevivência desta espécie e ao mesmo tempo Iluminá-los com o poder da Energia. Roswell fora apenas um acontecimento pontual, mas talvez marcante pela época em que se dera e por tudo o que a partir daí estrategicamente se escondera: ao mesmo tempo que aparentemente revelava mais uma vez ao mundo (depois das duas bombas atómicas lançadas sobre o Japão) o poder absoluto e extraordinário dos EUA (nem os Extraterrestres se safavam à mão dos norte-americanos) – com esse facto oferecendo segurança absoluta aos seus cidadãos – o poder instalado ia distraindo-os com outros assuntos mais importantes (como a sobrevivência económica destes) aproveitando todo o tempo e recursos para desenvolver contactos e trocas. Os casos concretos e crescentes de aparecimento de bufos do sistema informando-nos da existência de segredos envolvendo duas partes e interesses distintos, assim como os constantes e sucessivos conflitos que vem atravessando o mundo corrompendo-o e tornando esta evolução provavelmente irreversível, são confirmados com exemplos muito recentes mas ainda considerados pouco credíveis e susceptíveis como cenários válidos e de possível concretização: fossem as afirmações sobre a presença do Homem na Lua, em Marte e noutras coordenadas do espaço profundo partilhando esse espaço com outras espécies de origem extraterrestre, fosse a recente e quase passando despercebida pré-declaração de guerra entre duas das maiores instituições e edificações terrestres. E se este pré-anúncio de guerra era um sinal de que teríamos mesmo que avançar, apesar de todos os seus defeitos e limitações o programa Pegasus poderia ser mais um dos grandes passos para a expansão da humanidade: como poderíamos nós recusar as viagens espaço/tempo (como a teleportação), a possibilidade de nos lançarmos para outros mundos e perspectivas (através de viagens intergalácticas) e a oportunidade de contacto com outras realidades, que não aquelas que sempre nos apresentaram? Talvez aí desbloqueássemos definitivamente (sem necessidade de solicitarmos a palavra passe) os módulos cerebrais a que ainda não temos acesso, dispensando todos os códigos até agora impostos e tornando todos os acessos livres.

 

Cortical-Columns[4].jpg

Se desejamos alcançar um nível energético superior (a Alma) é fundamental compreendermo-nos

 

Encontrei o meu antigo amigo de infância Nicolau Testa (um autodidacta meio alentejano meio algarvio, natural de uma aldeia da zona de fronteira e que um dia por acaso conhecera numa barraca de comidas na feira de Algoz) a observar a equipa de salto que mais tarde nos colocaria nas nossas próximas coordenadas individuais: verificava todos os procedimentos de reenquadramento adoptados (provavelmente a serem aplicados também no nosso caso) nunca ignorando a readaptação à cronologia normalizadora imposta pela hierarquia das espécies (neste caso dos humanos). Verificando simultaneamente as variações de frequência e de vibrações provocadas (na pré-simulação) e as suas imediatas repercussões nas transformações electromagnéticas executadas: segundo ele os Segredos do Universo não residiam na Matéria (susceptível de transformação e objecto construtor do nosso cenário abstracto centrado no Tempo) mas efectivamente na Energia que a sugeria e no movimento que a sustentava (como sujeito capaz de alterar o seu estado energético saltando entre diferentes lacunas atómicas provocadas por fenómenos de magnetismo) – sugerindo que a nossa mente poderia ser limitada mas estando sempre receptível a novas (e radicais) concepções. Não tinha sido por mero acaso (talvez uma opção a tomar) que esta espécie evoluíra. Então Nicolau Testa chamou-me de lado, sacou de um pequeno saco que transportava pendurado ao pescoço e sorrindo, ofereceu-me um bom naco de presunto com pão cozido a carvão, acompanhado espectacularmente por um medronho de Monchique como antes nunca tinha provado. A viagem ao exterior da superfície de Marte seria agora e de uma forma mais expressiva e espiritual, profunda, livre e irresponsável – ou seja nunca aceitando limites impostos por outros.

 

Como tinha projectado na transição do dia 31 de Outubro para o dia 1 de Novembro, às zero exactas horas Esteves Macuin pôs a correr o programa. Imediatamente surgiu no monitor uma mensagem informando o operador de que o programa já tinha corrido integralmente (conforme anteriormente solicitado) e sido entretanto concluído. Perguntando adicionalmente se desejava que o mesmo fosse de novo executado e a confirmação das coordenadas a introduzir. Não entendendo o que se passava Esteves Macuin decidiu então verificar todos os passos executados anteriormente pela aplicação e o que descobriu deixou-o momentaneamente baralhado: uma descrição pormenorizada das últimas vinte e quatro horas vividas por um indivíduo em tudo idêntico à sua matriz física exterior – e demonstrando uma personalidade e conhecimentos que para ele só poderiam ter sido implantadas a partir de um perfil rigorosamente replicado e muito próximo da perfeição – aparecia de uma forma directa e indesmentivelmente presente naquele monitor, com o interlocutor original e aí observador a dirigir a sua atenção para uma imagem de si próprio, mas agora como um observado alternativo fazendo o percurso pensado pelo observador original. Incapaz de corrigir o erro de lançamento da aplicação ainda tentou procurar um ponto de recuperação e arrancar de novo com o computador num ponto anterior de funcionamento. Mas o computador recusou aceitar a ordem, declarou que o jogo já tinha terminado, encaminhando-o finalmente para uma ligação externa de segurança onde poderia esclarecer as suas dúvidas. Nunca tal coisa lhe tinha acontecido em todos aqueles anos que por ali permanecera, o que o levou a questionar-se se algo de anormal se estaria a passar consigo ou até com a rede informática. O que o levou a desconfiar que algo fora de comum acontecera (ou poderia estar a acontecer), clicando de imediato a tecla de ligação de segurança e cumprindo todos os protocolos de prevenção e de protecção obrigatórios nestes casos (por mínimos indícios que se verificassem de início e mesmo tratando-se de software aparentemente inofensivo e não apresentando portas escondidas de acesso). Ainda não tinha estabelecido completamente a ligação e já o sinal de alarme da câmara de transição intermédia avisava de um novo salto: segundos depois a porta abria-se e uma multidão entrava na sala (mais de uma dúzia de pessoas e até um cão). E em conjunto – Esteves Macuin, João Uaine, Laurinda Bacalhau, Gregoriana, Jaime Dine, Catarina EP Burne, Antero, Sara Montieli, Nicolau Testa, eu, o cão Peque, outros acompanhantes e até Josefa Macarti – analisaram padrões, fizeram confluir diversas concepções, analisaram a posição de todos eles no mundo e finalmente, reconhecendo a importância da transformação da matéria para a Criação, valorizaram o invisível (a alma) e compreenderam que o Movimento associado ao conhecimento da constituição da Matéria, poderia ser o primeiro passo para a preparação da nossa entrada no mundo da Energia e no nosso Espírito Eléctrico. Que conjugado com o poder agregador do magnetismo (por atracção ou por repulsão) colocando em jogo milhões de células de um Organismo Vivo, nos permitirá contribuir para a edificação de um Espírito Crítico do Universo, dando profundidade e liberdade ao não visível e desse modo criando uma nova auréola de esperança, sentida apesar de não percepcionada e como tal volátil mas sem se perder: a Alma. E em conjunto revivemos espaços e energias e demo-nos como crianças a praticar actos inconfessáveis.

 

RRR.jpg

A Cidade de Deus flutuando no Espaço

 

“A 26 Dezembro de 1994 o maior telescópio espacial da NASA (o Hubble) registou uma enorme cidade branca flutuando no espaço”. (Web)

 

Na Universidade Generalista de ENTER localizada num ponto indistinto da galáxia BX 442 (num sistema planetário em espiral, inserido numa zona fronteira do nosso Universo – numa das suas mais antigas regiões), um vasto grupo de jovens técnicos informáticos de nível energético e inter-dimensional do tipo K-80 (sector interior de nível 80/100), candidatava-se a uma bolsa expansiva de programação activa não intrusiva, utilizando unicamente as ferramentas até ao momento postas à sua disposição. Esmagadoramente constituído por elementos de formação central associada a conhecimentos teóricos e profundos nas áreas da ciência e da tecnologia, o grupo integrava um grande número de técnicos com pouca experiência real e directa, mas dispondo por outro lado de excelente retaguarda de apoio proporcionada pela qualidade dos seus progenitores – pertencentes à hierarquia técnico militar responsável pelo estudo de estratégias de programação em cenários simulados, neste caso específico com o objectivo de adicionar cenários por reciclagem de outros (dispensáveis por raramente utilizados) de modo a tentar salvaguardar um artefacto fundamental no jogo (a Terra) da sua eliminação inevitável (por extinção da vida que como missão do jogo transformava). Mas cerca de 10% tinham outras origens (metade vindos das zonas vazias entre Universos e a outra metade de outras dimensões sobrepostas) e 5% apesar de apresentarem curriculum equivalente eram auto-propostos.

 

A candidatura tinha como objectivo a construção dum cenário adicional de salvaguarda (para o planeta Terra e para os seus habitantes) a ser integrado numa simulação já a decorrer (e com um programa evolutivo previamente estabelecido), garantindo a quando da sua introdução o não aparecimento de efeitos colaterais (invocando qualquer tipo de causa ou resposta) nem alterações visíveis podendo ser relacionadas com intervenções exteriores (intrusivas): com os mesmos meios até agora utilizados pelos actuais operadores de controlo, o candidato teria que comprovar através da projecção de um holograma disponibilizado pelo centro de simulação instalado na universidade, que a introdução do seu periférico e das suas novas directivas, criaria novas portas de saída mental e ambiental para o elenco, novas alternativas mais flexíveis de argumento e a abertura da espécie a novas áreas e tipos diferenciados de conhecimentos. Talvez motivando-os subliminarmente para a aceitação daquilo que se lhes é posto à frente dos seus olhos e que por condicionamento não consegue ver. No entanto o problema era persistente na sua resolução ignorando as sucessivas tentativas de intervenção e negando constantemente o acesso. A sua configuração virava-se invariavelmente para uma interpretação física, dura e rígida da sequência de realidade simulada, o que provocava (uma impossibilidade para os limites de crédito deste jogo) para que se atingisse uma execução eficaz do pretendido, um aumento de efectivos mobilizados e o disparar de material requisitado. Apesar de ser uma das mais utilizadas simulações com matrizes de aplicação nas mais variadas áreas de jogos e simulações, este jogo ARCADE tinha limites na sua expansão.

 

Enquanto esperava tranquilamente o resultado da sua apresentação e a chegada da lista ordenada dos candidatos seleccionados para a 2.ª fase, Luís Pastor olhou deliciado e mais uma vez surpreendido para o belo relógio de metal precioso que lhe tinham entregue, poucas horas atrás (antes de sair de casa e se dirigir para a universidade): um sistema sofisticado (apesar de artesanal) de engrenagens interligadas construindo (constituindo) um instrumento de medição extremamente rigoroso, fazia deslocar no mesmo sentido de rotação dois ponteiros centrados no centro de um círculo e movimentando-se a velocidades diferentes. Encontravam-se por vinte e quatros vezes nos seus movimentos circulares em volta do mesmo foco e as consequências desse fenómeno traduziam-se na vida dos humanos: num aspecto de extrema importância para as suas vidas e que estes simplesmente aceitavam e delimitavam (neste Universo Infinito) por duas muralhas indefinidas mas brutais (por não se conhecer o que existirá para além dessas fronteiras) – o nascimento e a morte. Como era possível um simples instrumento mecânico (uma ferramenta) sobrepor-se a um ser vivo inteligente (mesmo sendo apenas uma máquina biológica), simplesmente deformando o seu pensamento por compressão abstracta (entalados como estamos entre os ponteiros decapitadores dos minutos e dos segundos) e apoiando-se numa lobotomia das nossas capacidades cerebrais (por encerramento da maioria dos nossos módulos cerebrais). Quando ainda por cima o tempo nunca tinha sido considerado por definição um parâmetro, não passando de uma simples constante utilizada em determinados cálculos matemáticos ou seja o resultado de uma simples operação. Ainda o relógio não indicava as 12:00 e ao fundo do hall lá ia finalmente surgindo a silhueta de Esteves Macuin: ainda bastante confuso e não sabendo o que ali fazia nem como ali chegara, alguém veio então ter com ele, acompanhou-o até à presença de Luís Pastor e de imediato lhe transmitiu a informação. O que o seu assistente transmitia indicava que a sua proposta tinha sido seleccionada e considerada sem oposição a candidatura escolhida, dispensando a apresentação e a presença do seu testemunho e autorizando-o a dar início desde já à sua intervenção. Apenas porque tinha desviado alguns recursos aplicados sem grande êxito na matriz da simulação até aí introduzida e que mantinha a projecção activa nos seus objectivos iniciais (mais dirigida ao desenvolvimento mesmo que forçado do homem, fornecendo-lhe pistas evidentes e obrigatórias de acção para a sua sobrevivência), alterando a noção de recurso de investimento para aproveitamento: em vez de modificar as regras e as estratégias do jogo endurecendo a participação exterior e solicitando mesmo a presença do seu operador principal (como no caso de Catarina EP Burne), a única coisa de extraordinária e de inovadora que Luís Pastor tinha sugerido, fora adicionar à situação já em execução e evolução uma solução natural e sem efeitos secundários, isenta de despesas e sem necessidade de outros recursos e pelo contrário redutora de fenómenos intrusivos – a questão ambiental. A ideia genial tinha-lhe ocorrido ao ver um documentário sobre o distante e misterioso planeta Terra e sobre a nova fase climática e problemática que este actualmente atravessava, com os fenómenos crescentes de aquecimento global a darem os primeiros sinais de falta de integridade ambiental no nosso planeta, com o efeito de estufa a disparar para números nunca esperados, agora que o dióxido de carbono tinha um novo aliado e cinquenta vezes mais potente do que ele, o metano: ajudando o processo químico de libertação do metano e acelerando o aproximar do momento limite de não retorno, talvez finalmente e por sua iniciativa o Homem chegasse finalmente à brilhante conclusão que se tinha que libertar-se da Terra ou que então seria a Terra a livrar-se dele.

 

Era meia-noite quando o João desligou o computador e se foi deitar. Amanhã tinha que devolver a licença de jogo e talvez fosse escolher um outro diferente, para este fim-de-semana: decidiu-se pelo PACMAN.

 

Fim da 5.ª parte de 5

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:55

24
Out 14

O planeta Terra pertence a um sistema planetário rodeando uma estrela central (o Sol) – por sua vez integrando um grupo mais vasto doutros corpos celestes e a partir daí constituindo uma galáxia: a Via Láctea. Esta galáxia (onde habitamos um minúsculo planeta) encontra-se neste momento numa rota de colisão com outra galáxia, com a aproximação entre ambas a fazer-se a uma velocidade superior a 200.000km/h: a galáxia é a de Andromeda (localizada a 2,5 milhões de anos-luz) e o encontro dar-se-á dentro de 4 biliões de anos.

 

Heliosphere_drawing.gif

 Representação do Ovo Solar
(envolvido pelas suas diversas membranas protectoras)

 

Todos nós sabemos que viajar no Espaço é uma actividade de elevadíssimo risco para a vida do Homem. Não só porque este se vai inserir num ambiente desconhecido, alienígena e mortal, como simultaneamente vai ser introduzido numa bolha pretensamente protectora e segura (a nave espacial), mas que como tudo neste mundo pode sempre apresentar falhas (neste caso com consequências muitas vezes irreversíveis). Se no segundo caso a tecnologia tem evoluído muito rapidamente ao longo dos tempos proporcionando voos cada vez mais seguros, por outro lado teremos sempre que considerar a influência exercida sobre o Homem pela qualidade ambiental do espaço exterior à Terra: espaço esse atravessado ininterruptamente por raios provenientes tanto da nossa estrela o Sol, como pelos raios cósmicos provenientes do Universo (que nos rodeia e ao qual pertencemos).

 

Se já eram conhecidos os efeitos provocados pelos raios emitidos pelo Sol durante as erupções registadas à sua superfície (originadas nas manchas solares e nas radiações que são projectadas pela estrela para o seu exterior e afectando por essa razão todos os aparelhos electrónicos como radares, GPS e satélites – e podendo afectar em casos extremos toda a grelha eléctrica de um país), no caso do Homem a situação torna-se um pouco mais problemática. Antes já se sabia que o Homem poderia em princípio aguentar em média um ano no Espaço sem consequências notórias para a sua saúde – o que até possibilitaria uma viagem de ida e volta a Marte (desde que a sua viagem se realiza-se num ciclo solar com baixos níveis de radiação). Agora surge um outro problema que poderá contribuir ainda mais para o encurtamento forçado desse prazo: os raios cósmicos oriundos das regiões exteriores ao Sistema Solar.

 

Sun may delay plans for sending humans to Mars

 

“Less solar activity indicates a weaker magnetic field on the sun. A weak field lets cosmic rays into the solar system, posing a radiation hazard for astronauts.”
(earthsky.org)

 

O Sistema Solar tem que ser visto como uma macro célula pertencendo a um determinado organismo e integrando um Universo Vivo. Toda esta célula cósmica (decomposta em planos paralelos/concorrentes e espalhada aleatoriamente pelo espaço) evolui constantemente entre o caos e a organização, constituindo invariavelmente a base estrutural de toda a matéria: isto considerando não só a sua forma (física) mas também o seu conteúdo (electromagnético) – com este último factor a ser indicado como um dos responsáveis pelo seu fascinante movimento. É o movimento que (mesmo que imperceptível) dá vida à matéria. E às trocas de Energia.

 

E = M x C²

 

Pensando assim e sabendo de antemão que nenhum grupo (mesmo que aparentemente fechado) é independente da acção exercida por outros grupos mais ou menos afastados (efeito acção/reacção), é fácil de aceitar as conclusões tiradas pelos cientistas:

 

- Se por um lado a diminuição da actividade solar é em princípio benéfico para nós (aqueles que vivem na Terra) – já que os efeitos nocivos das radiações que nos atingirão serão menores – por outro lado o enfraquecimento das forças associadas ao campo magnético no Sol, permitirá a chegada de muitos outros raios cósmicos exteriores ao nosso Sistema. O que acarretará perigos adicionais, em especial ao falar-se de astronautas.

 

- Reflectindo nas viagens interplanetárias que futuramente se poderão projectar no nosso Sistema na senda gloriosa da Conquista do Espaço pela Humanidade, este factor (agora previsto) poderá tornar-se mesmo impeditivo da sua completa concretização: ninguém se candidatará para uma missão em que a morte por antecipação (e por radiação) marca a data.

 

No entanto se nos mantivermos invariavelmente estáticos face às contínuas transformações ocorridas num Universo Efectivamente Dinâmico, um dia a membrana (celular) que nos protege e a todo o Sistema Solar colapsará e com a sua queda, seremos definitivamente invadidos (colonizados e extintos).

 

(imagem – NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:52

Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
14

23

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO