Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

17
Abr 18

Meteorologia:

Prevendo-se para os próximos cinco dias (quarta-feira/18 a domingo/22) a passagem progressiva de dias de céu limpo a nebulado para dias de aguaceiros a períodos de chuva, com vento moderado (sobretudo de SE) e subida ligeira das temperaturas.

 

A1.jpg

No passado e ainda húmido fim-de-semana

Bebendo um medronho junto ao Mercado Municipal da Guia

 

Se na semana de trabalho iniciada em 2 de Abril (uma segunda-feira), em função do tempo que se fazia sentir e daquilo que desejávamos poder desde já estar a usufruir (no terreno), poderíamos pensar estar antecipadamente na estação do Verão (ou pelo menos tomando conhecimento de como ele iria ser este ano) – afirmando convictamente “para a semana vou para a praia” (semana de 9/segunda-feira a 15/domingo de Abril) – logo no fim-de-semana (de 7/8 Abril) e no início da seguinte (semana), ficando claro para todos o regresso do Mau Tempo (como se pôde confirmar) com períodos de chuva/aguaceiros e descida nas temperaturas (sobretudo ao anoitecer). Deixando-nos para ali sentados, pensando um pouco em tudo, em cadeira e mesa molhada e com um copo de medronho na mão (para aquecer).

 

A2.jpg

Num período de transição entre céu encoberto e céu limpo

Olhando o Céu e o Mar à entrada do Porto de Abrigo

 

Desse modo se confirmando que mesmo a Sul (de Portugal) os Ditados Populares (mesmo que adaptados à sua realidade e intensidade) são verdadeiros: “Em Abril águas Mil”. E assim se de 2/8 de Abril se perspetivava a chegada do Verão (fazendo-nos ansiar pela semana seguinte) de 9/15 de Abril tudo se alterou (verdadeiramente “do seco para o molhado”), não numa viragem de 180⁰ com o regresso do Inverno (presenteando-nos com o pagamento meteorológico e inesperado de um tipo de retroativo) mas caindo-se na realidade e encarando-se de frente a Primavera. Deixando-se por momentos os passeios à beira-mar (e o cheiro do mar) e indo-se para o interior usufruir da comida e do ar (do campo e do seu odor a citrinos). Partindo da visão (Porto de Abrigo dando entrada à Marina) e então daí arrancando.

 

A3.jpg

Feira Quinzenal de Albufeira de 17 de Abril

Ainda com pouco movimento mas com tendência a acelerar

 

Já nesta semana iniciada a 16 (de Abril) com o bom tempo a parecer querer voltar de novo, com o céu-azul (mais-ou-menos limpo) e o Sol (com os seus raios a aquecer-nos o corpo) a acompanhar-nos por todo o lado, comprometendo-se (para já) com uns bons dias de praia e proporcionando-nos em concordância (com a previsão meteorológica) um bom ambiente para o convívio ao ar livre: a trabalhar, a preguiçar ou praticando simultaneamente ambas (tal como acontece numa feira, com vendedores, compradores e acompanhantes de luxo – como companheiros de trabalho ou amigos em passeio). Como sucedido esta terça-feira (dia 17) 3ª terça-feira de Abril (a 1ª tendo sido dia 3) e como tal, segunda e derradeira feira do mês (sendo a mesma quinzenal) agora a correr (sendo a próxima/em princípio a 1 de Maio).

 

A4.jpg

A6.jpg

A5.jpg

Entre tantos produtos uma grande variedade de fruta, legumes e sementes

Numa redução de preços só possível numa feira popular

 

Nesta terça-feira 17 de Abril decorrendo a Feira Quinzenal de Albufeira com o tempo convidando ao passeio (à feira e ao mercado), a uma etapa gastronómica (num dos bons e baratos restaurantes de Albufeira), a uma ida à praia e a um período de relaxamento (para os residentes temporários e turistas) e para os outros o dia-a-dia do costume (para os residentes habituais trabalhadores ou desempregados). Tendo-se sempre a vantagem de tal ocorrer no Algarve (com bom tempo e comida e um povo acolhedor) e a grande desvantagem de um grande isolamento (Científico, Cultural e de memória) do Mundo – privilegiando o Comércio (o Objeto Turístico e Imobiliário) e desprezando o Resto (o Sujeito da História os verdadeiros Indígenas).

 

(imagens: Publicações Anormais)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:02

14
Abr 18

Ontem de madrugada (cerca das 04:00) o mau-tempo abateu-se por momentos (uns minutos) sobre Albufeira (relâmpagos, trovoada, chuva e sobretudo vento) na zona das Minhocas.

 

20974493_UkCiU.jpeg

1

Imediações da Rotunda das Minhocas

13 Abril/Sexta-feira

(com o supermercado ao fundo)

 

E já com muitos esperando (em Albufeira) em função do tempo verificado no início da semana anterior (2/6 Abril) que chegada a Primavera e o bom tempo (como se verificava por exemplo no dia 3) se poderia desde já usufruir de uma imagem antecipada do que poderá ser o próximo Verão Algarvio (com os raios do Sol a começarem a aquecer o corpo e já com pessoas passeando na praia e até mergulhando no mar),

 

Eis que chegado o fim-de-semana (7/8 Abril) regressa de novo à região a incerteza meteorológica (entre o céu por vezes encoberto e com períodos de aguaceiros ou meio encoberto e com o Sol sempre à espreita), nesta semana (9/13 Abril) e perto do fim da mesma, a 11 (quarta-feira) com um dia de Sol, a 12 com um dia de Chuva, para logo na madrugada de 13 (esta sexta-feira) e confirmando a evolução meteorológica para piores condições climatéricas, chegar a Albufeira trovoada e relâmpagos, acompanhados por forte precipitação e vento forte (e um ou outro incidente, provocado pelos ventos fortes, momentâneos e localizados):

 

ALB2.jpg

2

A partir do Miradouro do Rossio

11 Abril/Quarta-feira

(olhando o oceano Atlântico)

 

Com uma rajada de vento forte e localizado (não um tornado) a atingir a zona da Rotunda das Minhocas (localizada na Avenida dos Descobrimentos) danificando (entre outros objetos como placards publicitários e sinalização) parte da cobertura do parque de estacionamento exterior de um supermercado (Pingo Doce) e com essa mesma estrutura (ao ser arrancada e ao cair) a danificar uma dúzia de automóveis estacionados nas proximidades.

 

Com esta manifestação de mais um fenómeno atmosférico extremo e localizado de vento (na Região do Algarve) – tornando-se pelos vistos um Evento cada vez mais habitual – sendo Albufeira mais uma vez vítima de um acontecimento meteorológico (semelhante) envolvendo igualmente chuva e vento intenso (no anterior com uma árvore localizado no perímetro envolvendo a CMA a cair e a atingir gravemente uma professora já reformada e residindo perto) provocando para já (nos dois incidentes) 1 ferido e danos materiais:

 

ALB1.jpg

3

Albufeira florida e águas do Atlântico

11 Abril/Quarta-feira

(virado para o mar e tendo à direita a marina)

 

Mas para já sem a passagem de qualquer tornado, nem de qualquer período intenso de precipitação (em volume e em tempo) nem que seja para testar as obras (alegadamente feitas) e o escoamento das águas (pluviais) para o mar: para que de novo Albufeira (a parte antiga e mais baixa da cidade) não fique de novo submersa (por um Tsunami não vindo do mar mas oriundo de terra) – recordando as inundações do final (de Novembro) de 2015.

 

Na previsão meteorológica para os próximos dias (em Albufeira) e segundo o IPMA, com o tempo previsto este fim-de-semana (14/15 Abril) a apresentar-se com céu parcialmente nublado ou com chuva (no domingo), vento moderado a fraco e temperaturas entre os 9⁰C/21⁰C (mínima/máxima); para a semana seguinte (16/20 Abril) mantendo-se as condições meteorológicas presentes com a percentagem de probabilidade de chuva a aumentar ao longo da semana.

 

intensity.jpg

4

Sismo a NW Portimão

12 Abril/Quinta-feira

(com uma intensidade M2,6)

 

Sismologicamente sem nada de relevante a mencionar (nesta última semana) e com o sismo mais intenso (sentidos na Região do Algarve) a ocorrer esta quinta-feira (12 Abril pelas 04:27 da madrugada) a NW Portimão (e a 20Km de profundidade) com M2.6 (e com o Golfo de Cádis, o mar de Alboran, Almeria e Marrocos a tremerem).

 

(imagens: (1) albufeirasempre.blogs.sapo.pt – (2/3) Publicações Anormais – (4) ipma.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:06

06
Abr 18

Sem tornados no horizonte (apesar do regresso da chuva) e com o Sol a começar a aparecer (aquecendo-nos o corpo ao meio-dia) – e sem notícias de sismos ou de arribas a cair – com o regresso da Primavera o Algarve poderá apresentar (desde já) a nova temporada de Verão.

 

Sismologia (Algarve)

 

alt-2606502_561x316.jpg sismologia-49-728 B.jpg

 

Com o território de Portugal (terrestre e marítimo) a ser atingido hoje (sexta-feira 6 de Abril) por 4 sismos pouco relevantes – 2 no Barlavento Algarvio (M0,3 e M1,1) e outros 2 nas proximidades do Cabo de São Vicente (M0,6 e M3,4) – pode-se afirmar claramente que no nosso país a situação sismológica é completamente normal: talvez com o Algarve a destacar-se (através de uns ligeiros sinais) mas confirmando esse cenário (num planeta sempre a tremer sendo o mais habitual) generalizado este dia por todo o nosso planeta (com a única exceção a registar-se perto das costas do Perú com um sismo de M5,0).

 

Meteorologia (Albufeira)

 

SnapShot-20180406_232950.jpg

 

Olhando para o lado da Praia dos Pescadores

Praia do Túnel

Olhando para o lado da Praia do Peneco

 

SnapShot-20180406_233437.jpg

 

No que diz respeito a Albufeira e às suas condições de bom ou de mau tempo, com as previsões meteorológicas a apontarem para este fim-de-semana (7/8 Abril) e semana seguinte de trabalho (9/13 Abril), períodos de aguaceiros ou de chuva (previstos como possíveis para todos estes sete dias), vento fraco e ondulação moderada e ligeira descida das temperaturas mínimas: com as mesmas a variarem entre os 6⁰C (mínima) e os 18⁰C (máxima) – e talvez com os dias piores a serem os de sábado e domingo (na sequência de sexta-feira, com o regresso inesperado da chuva depois do Sol quentinho do meio-dia).

 

(fonte: ipma.pt – imagens: observador.pt, albufeira.com e webcamtaxi.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:46

05
Abr 18

Uma confirmação meteorológica da coligação América/Sauditas?

(a Rússia/China/Irão/Coreia do Norte que se cuidem, pois não será a neve que os salvará)

 

DZyjkRiXkAE_bkG.jpgDZyqukwVMAEoc3E.jpg

Nova Iorque

 

Estreitando (ainda mais) as suas excelentes e amplamente reconhecidas relações Económico-Financeiras assim como Militares (estabelecidas entre ambas),

 

Eis que duas poderosas nações como os Estados Unidos da América (a maior potência mundial) com mais de 300 milhões e a Arábia Saudita (um dos seus mais fortes clientes e aliados) com mais de 28 milhões,

 

‒ Num total de 5% da População Mundial ‒

 

Decidem agora unir os seus esforços mas a nível Climático: proporcionando simultaneamente aos seus cidadãos (de modo a fortalecer o elo de ligação entre os dois povos) e certamente para o usufruto dos mesmos (mostrando os diversos cenários de prazer possíveis de colocar à sua disposição), um espetáculo maravilhoso de neve e de pura brancura.

 

saudi-arabia-snow1-april-2018.jpg

Arábia Saudita

featured-saudi-arabia-snow-april-2018.jpg

 

Já agora e não se incomodando minimamente (por um lado) com as questões relacionadas com as Alterações Climáticas e o Aquecimento Global (por sinal bem preocupantes),

 

‒ Que no fundo só trazem chatices e despesas ‒

 

Optando em sua substituição e aproveitando as condições meteorológicas ainda disponíveis e propícias (no início de Abril acabados de sair do Inverno) por simular uma projeção idêntica no interior de cada um dos seus territórios (naturalmente delimitados) sugerindo apesar das distâncias (entre EUA e Arábia Saudita) serem potenciais irmãos:

 

No passado dia 4 de Abril de 2018 (ontem) com a neve a cobrir Nova Iorque (a maior queda de neve desde 1982) e partes da Arábia Saudita (sentindo-se logo a descida de temperatura no dia anterior na região de Asir).

 

(imagens: @ Ascension Guide/DevonESawa/spagov/bigxboy Twitter.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:00

29
Mar 18

Sem Desespero

(se não for agora será para a próxima)

À Espera de Irene

 

hurricane-irene-jersey-shore-cartoon-598x500.jpg

Nos EUA com um familiar afastado, o Furacão Irene

(ocorrido em Agosto de 2011 e aí sim sendo uma verdadeira tempestade)

Apesar do humor introduzido pelo cartoonista

(e como se afirma de seguida)

Afetando uma população de cerca de 60 milhões de pessoas

(provocando 40 vítimas mortais e 11 mil milhões de dólares de prejuízo)

 

Com a chegada de uma nova tempestade (a partir de sexta-feira) até ao momento ainda não tendo sido confirmada – não se conhecendo muito bem a intensidade do seu impacto e como tal não tendo sido ainda oficialmente batizada (depois de Hugo e seguindo as letras do alfabeto) como Tempestade IRENE – como medida de segurança e de proteção o IPMA acaba de lançar um aviso (meteorológico) de Alerta Laranja para 7 distritos do país (continente): particularmente para a grande agitação marítima prevista (com ondas podendo alcançar os 11 metros de altura) atingindo mais intensamente todo o litoral de Viana do Castelo (a norte junto ao Minho) à região de Lisboa (no centro junto ao Tejo).

 

E como tem ocorrido sistematicamente na passagem destas Tempestades agora sendo catalogadas (desde Dezembro de 2017) por Agências Meteorológicas de 3 países europeus, ocidentais e próximos (Portugal, Espanha e França) – tempestades Ana, Bruno, Carmen, David, Emma, Félix, Gisele, Hugo – com as previsões acompanhando esta tempestade denominada ou não como Irene (veremos se é assim tão intensa para merecer esse título) a sugerirem a chegada (logo esta sexta-feira) de chuva forte e rajadas de vento (sobretudo a norte), durante o fim-de-semana espalhando-se a todo o território com precipitação e queda de neve (acima de 800 metros).

 

No que diz respeito às temperaturas talvez se registando uma ligeira descida, mas mantendo-se no limite do facilmente suportável: com as mínimas a variarem entre os - 3⁰C (terras altas) e os 10⁰C (generalidade do país) e com as máximas a andarem entre os 15⁰C e os 18⁰C. Para uma tempestade apresentando um tempo bem aceitável, nada tendo a ver com Mau Tempo (como se dizia antigamente) especialmente (estando-se) no Algarve (por exemplo em Albufeira): com as previsões para este próximo fim-de-semana (de Páscoa) em Albufeira a apontarem para céu nublado com posibilidade de aguaceiros, vento moderado e temperaturas a variarem entre os 9⁰C/20⁰C (mínima/máxima). Segunda-feira dia 2 de Abril (segundo essas previsões e já depois do Dia das Mentiras) regressando a chuva.

 

(imagem: Hurricane Irene Hits Jersey Shore, Cast Among Casualties Cartoon/cartoonday.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:21

23
Mar 18

“We meet Hugo who dreams of one day becoming a meteorologist and being able to predict the weather to help keep people warm, safe and dry.”

 

snapshot H.jpg

Hugo

(o rapaz que quer ser Meteorologista)

 

Tempestade HUGO

A 7ª Tempestade desde Ana (Dezembro de 2017)

Às quais os nossos pais chamariam (simplesmente) Mau Tempo

 

E eis que a 23 de Março (sexta-feira) ‒ e quando já todos se preparavam para o primeiro fim-de-semana da estação da Primavera com o céu limpo e sem chuva (podendo-se então arrumar o guarda-chuva, talvez imaginando-se que já aí vinha mais calor) ‒ uma nova depressão se formou no oceano Atlântico a NW do arquipélago dos Açores deslocando-se agora para leste: segundo as previsões dos meteorologistas indo afetar mais intensamente Espanha (sobretudo hoje e amanhã começando a desanuviar domingo) sobretudo o Norte da Península (Ibérica) por onde a mesma (tempestade) entrará ‒ destacando-se (por poder originar condições de tempo mais extremas) a Galiza e por proximidade o norte de Portugal. Com o nome da depressão transformada em Tempestade (depois de Félix e alfabeticamente) a ser denominada como HUGO.

 

No caso de Espanha e por poder vir a ser a região mais atingida (segundo as previsões) ‒ entre Portugal, Espanha e França ‒ com a Agência Meteorológica Espanhola AEMET a lançar um Alerta Vermelho, avisando para uma possível Bomba Ciclone (podendo atingir 80% do seu território) com fortes rajadas de vento, queda de neve (acima dos 800 metros e formação de gelo) e grande agitação marítima (com ondas podendo atingir 0s 12 metros). Com a chuva (talvez não tão intensa como persistente) também a aparecer, podendo afetar outras regiões como as ilhas Baleares (Espanha) e a Madeira (Portugal). Naturalmente sendo de esperar (até pelo vento frio e pela neve) uma descida das temperaturas. No que toca a Portugal (continental) e na sequência do anúncio da chegada desta 7ª tempestade ao nosso território (desde a Tempestade Ana ‒ a 1ª tempestade catalogada ‒ ocorrida em Dezembro de 2017) ‒ num trabalho conjunto de três agências meteorológicas (IPMA, AEMET e MÉTEOFRANCE) ‒ com as previsões a apontarem (com a passagem de Hugo) cenários idênticos aos de Espanha mas menos extremos e afetando sobretudo os distritos do norte: com neve (Gerês, Marão, Montemuro, Estrela, entre outros), vento (80/100Km/h) e grande agitação marítima (de 6/12 metros). Centrando-se o mau tempo a norte, quando muito chegando a Lisboa e deixando o Algarve (e Albufeira) mais tranquilo e desejado (agora que aí vêm para alguns, Abril e as férias da Páscoa).

 

Em resumo e no que diz respeito à nossa região (do Algarve) com as previsões para este fim-de-semana (até segunda-feira/dia 26, início para a maioria das pessoas de mais uma semana de trabalho) ‒ incidindo em Albufeira ‒ a apontarem para 3 dias de chuva/aguaceiros (sexta, sábado e Domingo), vento moderado de W (sexta) passando a NW e com as temperaturas (ligeira subida nas máximas sentindo-se especialmente terça/27 e quarta/28) a variarem entre os 7⁰C/19⁰C (mínima/máxima). Com a semana (de 26 a 30 de Março) a poder-nos proporcionar uns dias menos húmidos, regressando de novo a chuva para o fim-de-semana que se segue (31 Março e 1 de Abril).

 

(texto inicial/inglês e imagem: McGraw-Hill Education Prek-12/youtube.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:41

21
Mar 18

Como consequência do Aquecimento Global e das Alterações Climáticas (registadas um pouco por todo o Mundo) com Portugal a ser uma das suas muitas vítimas ‒ e com o fenómeno a revelar-se mais intensamente a sul (no nosso país), com a progressão imparável da desertificação, ultrapassado que foi (pelas areias do deserto do norte de África) o mar (a muralha virtual do) Mediterrânico.

 

No dia em que se inicia a estação da Primavera (21 de Março) a chuva parece ter abandonado temporariamente o território português, com o céu a apresentar-se geralmente limpo (à exceção dos Açores e da Madeira com céu nublado) mas por outro lado (como acontece nesta época sempre que o nível de precipitação diminui) com as temperaturas mínimas a descerem: com o fim da chuva regressando o frio particularmente no interior e no norte, no caso dos distritos da Guarda e de Bragança (segundo as previsões podendo ser os mais afetados) com as temperaturas atingindo valores negativos (- 3⁰C) e sendo colocados em Alerta (meteorológico) Laranja (com formação de geadas). E pelas 13:50 desta quarta-feira com a temperatura (em Albufeira) nos 15⁰C.

 

tag.gif

O tempo na Europa

 

Com a previsão a apontar para o dia de hoje períodos de chuva disseminados um pouco por toda a Europa ‒ do qual parece querer-se excluir (entre outras regiões) a Península Ibérica ‒ e com as temperaturas mais elevadas a sul (no Mediterrânico com Nicósia/Chipre com 24⁰C) registando-se a norte temperaturas de 0⁰C ou negativas (como os 0⁰C em Kiev/Ucrânia e os - 7⁰C em Arcangel/Rússia). Com os 15⁰C previstos para o Algarve (e logicamente para Albufeira) a serem uma indicação da razão porque muita gente (nacional e internacional) procura cada vez mais esta região (da Europa) na sua época dita Baixa, no tempo de frio no seu país (sobretudo da Europa do Norte e Central) procurando o Sol (o calor dos raios solares) e já agora a praia (e o mar) e a boa comida (na gastronomia algarvia com o peixinho à cabeça).

 

getpicture.jpg

Imagem de satélite/infravermelho

 

Quanto ao problema da água (e do seu aproveitamento) continuando o tema em discussão (como o da hipótese de construção de mais barragens) apesar deste (curto) período agora passado de precipitação, com muitas bacias hidrográficas a continuarem a apresentar valores abaixo dos níveis normais anteriormente registados (neste mês de Março): com a bacia do rio Ave a ser a mais beneficiada (passando de mais de 50% para 100%) e com a bacia do rio Sado a registar também aumentos significativos (aproximando-se dos 50%). Já quanto à situação no Algarve (e já agora Alentejo) ‒ recordando o período de seca extrema/severa que o território de Portugal continental atravessa ‒ e apesar da quantidade de chuva caída (nestes últimos tempos), com as barragens a Sul a continuarem bem abaixo dos seus níveis normais (este mês): no caso do Algarve sendo esse o caso das bacias do rio Arade e do Barlavento Algarvio, com a região envolvendo o rio Guadiana (mesmo aqui ao lado e fazendo fronteira com Espanha) a estender o problema ao vizinho Alentejo.

 

E já agora aproveitando para informar que iniciada a estação da Primavera, a Hora mudará no próximo fim-de-semana na passagem de sábado para domingo (de madrugada), com a hora a adiantar e a passar de 01:00 para 02:00 (menos uma hora para dormir).

 

(imagens: weatheronline.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:37

19
Mar 18

Uma região que muito deve à passagem dos Mouros pela Península Ibérica: em Portugal com os vestígios desses povos do norte de África a arrastarem-se por mais de meio milénio da nossa História, tendo o seu grande centro na poderosa e fortificada cidade de Silves servida pelo rio Arade e ligando-a ao oceano (Atlântico). Localizada no interior e (mesmo a cavalo) tão próxima de Albufeira no litoral.

 

3.jpg

Albufeira ‒ Orada

(zona da Marina de Albufeira)

 

Contava cerca de trinta mil habitantes, era opulenta em tesouros e formosa em construções. Davam-lhe a primazia entre as cidades da Espanha árabe. Vestida de palácios coroados pelos terraços de mármore, cortada de ruas com bazares recheados de preciosidades orientais, cercada de pomares viçosos e jardins, Chelb era a pérola de Chenchir (Algarve), onde os pródigos da Mauritânia vinham gozar com as mulheres formosas, de puro-sangue árabe, os seus ócios luxuosos. Era ao mesmo tempo uma praça terrivelmente fortificada.”

(sobre Silves por Oliveira Martins/ensina.rtp.pt)

 

1.jpg

Albufeira ‒ Guia

(zona do Algarve Shopping)

 

Após a passagem da tempestade Félix pelo nosso país,

 

‒ Originando vento forte a moderado, com períodos de chuva mais ou menos intensos e grande agitação marítima ‒

 

A precipitação começa a tornar-se cada vez menos intensa (assim como a agitação marítima com ondas de 2,5/3 metros a norte e de 1/1,5 metros a sul) regressando em sua substituição o tempo frio:

 

Hoje segunda-feira (19 Março) com a chuva a deslocar-se mais para norte (onde a precipitação será maior) e conjuntamente com o regresso da queda de neve (acima dos 800/1000 metros a norte) colocando 8 distritos (segundo o IPMA) em Alerta Amarelo,

 

‒ Iniciando-se por Aveiro/Braga/Porto/Viana do Castelo e seguindo-se Bragança/Braga/Vila Real/Viseu ou seja afetando todo o norte de Portugal.

 

4.jpg

Albufeira ‒ Caliços

(zona do Mercado Municipal)

 

Numa viragem de tempo com temperaturas mais moderadas mas com períodos (mais ou menos intensos) de precipitação, para um outro mais seco e frio e por vezes acompanhado por queda de neve (mais a norte e acima dos 800 metros),

 

‒ Condições meteorológicas talvez influenciadas pela passagem de pequenas franjas (ainda ativas) da Besta de Leste (originada no Ártico/Sibéria).

 

Quanto ao que diz respeito ao Algarve/Albufeira no que concerne às condições do tempo,

 

‒ Neste território da ponta sudoeste da Europa (e por onde já passaram os Mouros) proporcionando um meio ambiente adaptado (por tranquilo e reflexivo), moderado (talvez pela proximidade e influência do norte de África) e agradável (tal como num clima Mediterrânico)

 

2.jpg

Albufeira ‒ Praia do INATEL

(zona do edifício antigo)

 

Tudo se resumindo (um pouco como em todo o país) à diminuição da precipitação e ao regresso do frio (com uma ligeira descida nas temperaturas mínimas também a sul).

 

Com a previsão a apontar para este início de mais uma semana de trabalho (particularmente para quem o tem) como Rei das Temperaturas Mínimas a cidade da Guarda (0⁰C) e como Rei das Temperaturas Máximas a cidade de Faro (17⁰C),

 

‒ E em Albufeira com as temperaturas (previstas para hoje) a variarem entre 7⁰C/18⁰C (de momento/meio da manhã apontando os 15⁰C) para além de previsão de aguaceiros e vento moderado de NW.

 

(imagens: Março 2018/PA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:12

17
Mar 18

“A meteorologia é a ciência que estuda a atmosfera terrestre. Seus aspetos mais tradicionais e conhecidos são a previsão do tempo e a climatologia.”

(física.ufpr.br)

 

A Origem do Extremo

 

uk-snow-forecast-933161.jpg

Os UK sob os efeitos da Besta de Leste 2.0

Sendo submetidos a forte queda de neve e frio intenso

Transportado pelo vento gelado

(sensação de -20⁰C)

 

Como dizem os líderes Britânicos no poder (os Conservadores) nomeando consecutivamente como autor de “Tudo o que de Mal se passa no Mundo” o líder e Presidente Vladimir Putin (não fosse ele um ex-agente dos serviços secretos da ex-URSS o KGB) ‒ desde o que se passa na Síria (uma Guerra Civil tendo de um lado o regime Sírio, a Rússia e o Irão/e grupos terroristas pró-Irão e do outro lado os EUA, os seus Aliados Ocidentais e a Arábia Saudita/e grupos terroristas pró-sauditas bem cotados como a Al-Qaeda e o Exército Islâmico), passando pela ingerência nas eleições norte-americanas (por replicação provavelmente estratégica/oriunda dos EUA profusamente divulgada pelos Media e estendendo-se curiosamente a todo o Mundo Ocidental) e terminando há poucos dias no envenenamento de um ex-agente russo (da sua filha e de um polícia britânico envenenados por um produto químico tóxico de fabrico pretensamente soviético ‒ o Novichok ‒ que os britânicos afirmam ter origem russa/numa fórmula desenvolvida há 47 anos e estes últimos origem mas no ocidente) Meteorologicamente falando e considerando o forte (e duplo) impacto de tal fenómeno (climático) nas Ilhas Britânicas (levando a ocidente com o mau tempo vindo do oceano Atlântico e a leste com o mau tempo oriundo do ártico/Sibéria), a Primeira-Ministra Teresa May e o seu governo Conservador deparam-se agora com um novo e inopinado ataque à soberania e integridade do seu território (a Ilha), muito provavelmente ordenado por Putin (ou a tempestade não se tivesse formado a leste) e fazendo os britânicos sofrerem intensamente (na pele) perante tal Extremo Meteorológico: a Besta de Leste 2.0 (na sequência da Besta de Leste 1.0). Pondo toda a Grã-Bretanha a tremer não por receio de um ataque russo mas devido ao frio extremo.

 

Os Efeitos do Extremo

 

IMG_3857 b.jpg

Albufeira sob chuva intensa e vento forte

Com as previsões a apontarem para um fim-de-semana com chuva

Interrompida 3ª feira e regressando 6ª feira

(mas com menor intensidade)

 

E assim no campo da Meteorologia (como aliás poderemos comprovar facilmente, bastando para tal ver o mau tempo que nas últimas horas tem varrido o Algarve e Albufeira) com os britânicos depois de levarem com duas tempestades quase que simultâneas (e de serem emparedados pelas mesmas) ‒ Tempestade Félix (vinda do Atlântico) e Besta de Leste 1.0 (vinda do Ártico/Sibéria) ‒ e nem sequer dispondo de um tempo (minimamente) aceitável de modo a recuperarem, a verem-se novamente com uma Onda de Ar Frio, com descida nas temperaturas, vento gelado e queda de neve ‒ como se pode ver hoje (na TV) no jogo disputado em Everton (para a Primeira Liga Inglesa) realizado sob um forte nevão. Mais rigorosamente (e deixando para trás a histeria política britânica) com o Mau Tempo registado por esta altura um pouco por toda a Europa (particularmente a leste e a norte) a ser agora originário da Escandinávia (Dinamarca, Suécia e Noruega) e no seu caminho atingindo mais intensamente a Polónia e as Ilhas Britânicas: na Polónia com descida acentuada das temperaturas, vento gelado (com o vento dando uma sensação de uns 20⁰C negativos) e queda de neve (mais de 25cm em Varsóvia) e na Grã-Bretanha registando-se as mesmas condições, prevendo-se durarem mais uns (3/4) dias. No caso de Portugal com as piores condições do tempo (para além da queda de neve em altitude) a terem-se registado hoje (sábado) no Sul (abaixo do rio Tejo), com períodos de chuva intensa e vento forte (e ondulação de 4/6 metros): mau-tempo esse que se estenderá até ao resto do país até à próxima segunda-feira (dia 19). Já quanto a Albufeira com previsão de chuva até ao dia 19 (segunda-feira mas regressando a 23/sexta-feira) e com as temperaturas a variarem entre 5⁰C/17⁰C (mínima/máxima).

 

(imagens: express.co.uk e PA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:42

13
Mar 18

Mais fraquinha que Félix e com tempestade a ser mau tempo

 

image1.jpg  image2.jpg

A chegada da tempestade Gisele a Portugal Continental

(prevista para esta quarta-feira 14/previsão para as 12:00 e 15:00)

 

Passada a sexta tempestade (FÉLIX) catalogada desde o fim do ano passado (por iniciativa e por ordem alfabética) por três agências Meteorológicas ‒ IPMA (Portugal), AEMET (Espanha) e MÉTÉOFRANCE (França) ‒ uma nova depressão (associada à passagem de uma superfície frontal fria) aproxima-se rapidamente da ilha da Madeira (indo-se sentir mais intensamente esta quarta-feira dia 14) dirigindo-se de seguida em direção ao Golfo de Biscaia e ao sul da Grã-Bretanha: no seu trajeto originado no arquipélago dos Açores (afetando já esta terça-feira com mau tempo este território) atingindo Portugal Continental sobretudo a região norte.

 

Com esta nova tempestade oriunda do oceano Atlântico e deslocando-se para leste a transportar consigo (tal como a anterior Félix) chuva intensa, rajadas de vento e forte agitação marítima e com os meteorologistas a preverem aquando da sua passagem (amanhã, dia 14) precipitação elevada, queda de granizo e trovoada (principalmente a partir do período da tarde) e ainda vento intenso por vezes com rajadas (sobretudo a partir do início da noite). Naturalmente com estas condições atmosféricas a refletirem o que se irá passar a seguir no continente, com a passagem desta nova tempestade (a sétima) ‒ já denominada como GISELE ‒ dentro de dias e por cá.

 

rain-umbrella-750x347.jpg

Gisele

(chuva, vento e agitação marítima sobretudo a norte)

 

Para já e no que diz respeito exclusivamente a Portugal com o IPMA a manter o Alerta Laranja para o arquipélago dos Açores (em 7 das suas 9 ilhas) ‒ tendo sido o primeiro território a ser atingido (os Açores) devido sobretudo à ação do vento e ao estado bastante agitado do mar ‒ salientando desde logo (e alertando) para a chegada da tempestade Gisele à Madeira e ao Continente e com os primeiros efeitos a fazerem-se sentir (como já referenciado) amanhã. (No fundo) Uma tempestade (Gisele) com um menor impacto que a anterior (Félix), afetando essencialmente o norte e com ondas não tão altas (4/5 metros).

 

E segundo as previsões do IPMA para o Algarve e para Albufeira (até 18 de Março um domingo) com o tempo a apresentar-se com períodos de chuva ou aguaceiros, vento geralmente moderado e temperaturas variando entre os 7⁰C/18⁰C (mínima/máxima) ‒ com uma acentuada descida das temperaturas mínimas de 6⁰C de quarta-feira (14) para sexta-feira (dos 13⁰C previstos para hoje para os 7⁰C de sexta-feira).

 

(imagens: sat24.com/portugalresident.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:58

Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
15
16
18

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO