Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

21
Mar 19

Six People Have Begun

A 122-Day Simulated Mission

On the Moon

(universetoday.com/19.03.2019)

 

s88_33646.jpg

Simulação de uma missão de longo-termo à Lua

Envolvendo o DLR (Alemanha), o CNES (França), a ROSCOSMOS (Rússia) e a NASA (EUA)

Sendo levado a cabo na Rússia e com uma tripulação de seis elementos

(3 homens e 3 mulheres)

 

Face a todos os perigos que rodeiam a Terra (tal como a nossa casa de família) − tanto interna (Ex: Guerra Nuclear) como externamente (Ex: Impacto de Asteroide), como durante todo o seu período de Vida (neste momento uns 4,6 biliões de anos talvez a meio da sua existência) – e simultaneamente postos perante a necessidade absoluta (e inevitável) de na sua fase de desenvolvimento qualquer tipo de Ser Vivo (neles incluindo o Homem) ser obrigado a abandonar (por motivos se não evolutivos, pelo menos de mera sobrevivência) a sua Zona de Conforto (deixando o berço e os pais e mergulhando − decisivamente − no Outro Mundo).

 

O Homem na sua essência é um Nómada

Mesmo obrigando-o à monotonia tóxico-mortal do sedentarismo

E para sobreviver terá obrigatoriamente de se movimentar

Sair de Casa

Caso contrário sendo declarado morto

E infelizmente para nós extinto

 

Um dia, mais cedo do que tarde e de preferência este século (XXI), com o Homem lutando (mesmo que inicialmente sentindo-se derrotado) com todas as suas forças contra a claustrofobia (do meio ambiente artificial envolvente) cada vez mais asfixiante, galopante e perigosamente paralisante (deste quotidiano previsível, de miséria, monótono, não nos levando a lado nenhum), a virar-se decisivamente para o exterior perscrutando agora com toda a sua atenção e dedicação a profunda escuridão do Espaço: e replicando no Universo o que nós os portugueses fizemos (os nossos antepassados Navegadores) no passado nos oceanos.

 

Talvez tendo alguém (tal como o sucedido com os Navegadores/Descobridores) à nossa espera.

 

(imagem: universetoday.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:08

01
Abr 18

Numa ilustração de dois minissatélites MarCO previstos para orbitarem MARTE a muito curto-prazo (lançamento marcado para o início de Maio de 2018) e tendo como função principal acompanhar a missão InSight (aterrando em Marte nos finais de Novembro de 2018)

 

PIA22316.jpg

Marte – Ilustração

(PIA 22316 – Missão InSight – Instrumento MarCO)

 

– Duas missões da responsabilidade da NASA concretizadas através de um lançamento conjunto utilizando um foguetão Atlas V 401, a segunda (InSight) destinada a aterrar na superfície do planeta (estudando-o sismograficamente e a nível de transferências de calor) e a primeira (MarCO) acompanhando a missão anterior, recolhendo os dados obtidos pela mesma e posteriormente retransmitindo-os para a Terra (sobretudo em momentos críticos da entrada, descida e aterragem em Marte)

 

A visão do que poderá ser um exemplo raro de uma Visita de Estudo a um Planeta distante (a 31 de Julho de 2018 estando a menos de 58 milhões de Km) sendo acompanhada na sua viagem por duas escoltas de segurança. Algo podendo ser estendido e adaptado (utilizando estes minissatélites ou outros como os nano satélites) a projetos similares, alcançando outras distâncias mesmo que no espaço profundo.

 

No caso do ainda misterioso Planeta Vermelho com a mesma idade da Terra (e de todo o Sistema Solar uns 4,5 biliões de anos) mas sem Ar, Água e Vida (orgânica)

 

– Apenas exibindo o esqueleto (da estrutura central) o Mundo Mineral –

 

Insistindo-se na procura de algum sinal ou vestígio de algum desses elementos (ou de algum possível presságio) sugerindo um possível contrário noutro Tempo (na juventude de Marte e do próprio Sistema) e noutro Espaço (mais denso no início da expansão):

 

PIA22238_modest.jpg

Marte – Valles Marineris

(PIA 22238 – Missão MRO – Instrumento HiRISE)

 

Como o parece indicar a imagem recolhida na região do Vale MARINERIS,

 

- Na parte superior apresentando-nos camadas de material (rochoso) com texturas e coloridos diferenciados provavelmente de origem vulcânica (demonstrando-nos que o planeta já poderá ter sido outrora geologicamente ativo)

 

- E na parte inferiora (arenosa) outro tipo de material tendo sido sujeito a largo e intenso bombardeamento e a possíveis interações com água (ao longo da História Geológica de Marte).

 

Um planeta que segundo muitos cientistas poderá há biliões de anos atrás ter possuído um oceano (menor que o terrestre), possivelmente uma atmosfera (parecida com a nossa), atividade vulcânica e juntando tudo isto (porque não) até apresentando sinais de Vida orgânica (mesmo que primitiva).

 

Depois da Lua (a uns míseros 400.000Km de distância) sendo Marte o corpo celeste (o Planeta Interior) mais apetecível por colonizável

 

- Melhor só os corpos celestes (na região dos Planetas Exteriores) com água mas já muito (mais) distantes:

 

Como será o caso (tomando em consideração a distância à Terra) do planeta-anão CERES/4UA estimado em 25% de água gelada e sobretudo de Europa/5.2UA uma das luas de Júpiter com um grande oceano subterrâneo.

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:50

30
Jan 18

[E no Entanto com a Lua Logo Acolá!]

 

Com o aproximar da próxima década (2020/29) e cumprindo-se o planeado (por Elon Musk) ‒ último prazo inserido Março de 2024 para a colocação de terrestres em Marte ‒ assistimos mais uma vez a uma missão não tripulada (de mera auscultação do terrenos) já só faltando 6 anos (para construir a nave, lá inserir humanos e levá-los até ao planeta): numa viagem de vários meses até um planeta mortal (se expondo os humanos à atmosfera marciana).

 

PIA22200.jpg

O módulo de aterragem da missão InSight

(PIA 22200)

 

Confirmando-se as previsões dos técnicos da NASA responsáveis pela missão InSight, a agência espacial norte-americana (governamental) lançará no próximo dia 5 de Maio de 2018 mais uma sonda automática em direção ao planeta Marte: com a sonda (propulsionada por um foguetão Atlas V 401) a transportar consigo um módulo de aterragem alimentado por painéis solares (fotovoltaicos) e com o seu contacto com a superfície marciana a dar-se a 26 de Novembro (mais de seis meses depois) numa região conhecida como a Planície de Elysium.

 

PIA22230.jpg

Com a InSight tendo como objetivo verificar a atividade tectónica/e sua origem em Marte

(PIA 22230)

 

Depois de missões como a Viking (1 e 2), Spirit, Phoenix e Pathfinder ‒ e como não poderia deixar de ser das ainda ativas Opportunity e Curiosity (e seus respetivos veículos motorizados ou rovers) ‒ com o objetivo da exploração e do estudo do planeta a ser agora dirigido para a análise da geologia do mesmo (sismográfica e transferências de calor) utilizando para tal um módulo de aterragem equipado de um sismógrafo e de um medidor de fluxos: e explorando o interior de Marte tirando ensinamentos e esclarecendo (imensas) dúvidas, como o da formação do mesmo e de todos os outros planetas rochosos (Planetas Interiores como Mercúrio, Vénus e Terra) fazendo parte do Sistema Solar.

 

PIA22233.jpg

Formação de um planeta rochoso tal como Marte ou outro Planeta Interior

(PIA 22233)

 

Com a missão InSight tendo como destino um dos (4) planetas interiores à Cintura de Asteroides ‒ neste caso o mais afastado do Sol o planeta Marte (nosso vizinho) ‒ após o contacto com o solo a iniciar o seu trabalho (projetado para uma duração de 2 anos) no campo da sismografia, da ciência estudando a dimensão, a forma e ainda o campo de gravidade do planeta (geodesia) e ainda das trocas de calor verificadas à superfície: e tal como os responsáveis da missão Insight (do JPL/NASA) parecem querer sugerir, depois de múltiplas análises superficiais levadas a cabo no planeta Marte (à distância ou tocando-o) chegando-se agora à fase da realização do seu primeiro Check-Up (para uma análise mais aprofundada).

 

PIA22227.jpg

Ilustração do módulo InSight operando em Marte

(PIA 22227)

 

E penetrando na estrutura interna do Planeta Vermelho ‒ investigando o modo como as suas ondas sísmicas aí se propagam ‒ talvez se conseguindo descobrir (finalmente) a origem dessas ondas, desvendando alguns aspetos do tempo da formação de Marte (como a da Terra há uns 4,5 biliões de anos): ondas causadas por sismos (indicando alguma alguma forma de movimento associado à tectónica de placas), por meteoritos (provocando impactos à superfície) ou então devido à presença de magma (em circulação sob a superfície marciana, a temperaturas elevadas e a grande profundidade).

 

[Sabendo-se que uma das sondas mais rápidas a deixar o nosso planeta (New Horizons) atingiu uma velocidade máxima de aproximadamente 58.000Km/h, concluindo-se que para fazer a viagem Terra/Lua a mesma demoraria menos de 7 horas a chegar à Lua e entre 39/288 dias (pouco mais de um mês/pouco menos de dez meses) a chegar a Marte (conforme este estivesse no seu ponto mais próximo/afastado da Terra).]

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:46

16
Ago 12

Os Ficheiros Secretos – Notícia (correlacionada) 2V12

 

Intromissões constantes dos norte-americanos nos assuntos externos ao seu planeta, estão a irritar profundamente os Extraterrestres e os seus Aliados, fazendo perigar com os seus atos impróprios e irrefletidos, a estabilidade – já muito enfraquecida – dos membros da Coligação. Em Albufeira, os Aliados pertencentes às Sociedades Secretas locais e à Comunidade Chinesa aí instalada, dão já sinais de nervosismo e de extrema preocupação, apesar da época alta de turismo, ainda nem sequer ter terminado.

 

Nave espacial norte-americana, adaptada a partir do seu modelo de testes X-51 A WAVERIDER e capaz de atingir velocidades elevadíssimas até agora nunca alcançadas na Terra, parte numa missão de cariz desconhecido em direção ao planeta Saturno.

 

X-51 A WAVERIDER agora adaptado às viagens espaciais

 

Tripulada por elementos da elite da força aérea norte-americana e acompanhados por experientes astronautas e cientistas da agência espacial NASA, pensa-se que este voo se dirija a uma das luas deste planeta pertencente ao Sistema Solar, com o objetivo de estabelecer negociações ao mais alto nível entre entidades representantes do planeta Terra (identidades não reveladas) e entidades Extraterrestres.

 

 Em cima da mesa de negociações estarão três temas atuais:

(os dois primeiros temas propostos pelos extraterrestres e o terceiro tema pelos terrestres)

 

- A crise económica e social que atravessa a Terra e as suas consequências planetárias;

- A aterragem em Marte – sem autorização – de mais uma nave proveniente da Terra;

- A sucessão de acontecimentos que continuam a decorrer na lua de Saturno, Encélados.

 

      

Encélados pode ser uma nova Terra – tem água – em processo adiantado de formação

 

Entretanto foram desde já pedidas explicações e relatórios detalhados a todas as partes em presença nestas negociações, de modo a uma melhor compreensão de todas as consequências provocados por estes fatos já ocorridos e deste modo prevenir o surgimento de outros problemas futuros ainda mais graves do que estes.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:18

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15

23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO