Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

29
Jan 17

Utilizando para esse fim o vizinho planeta Marte

(e imagens suas recolhidas a 24 de Janeiro de 2017 por um artefacto alienígena)

 

1591MH0002640000601678E01_DXXX.jpg

Marte – CURIOSITY Rover – SOL 1591

(26.01.2017)

 

Se no passado de MARTE (há mais de 4 biliões de anos atrás) e tal como todos os indícios apontam o planeta esteve parcialmente coberto por um vasto OCEANO (menor que o cobrindo a Terra), é natural que este planeta nosso vizinho localizado a 228 milhões de Km do Sol (a Terra está a 150 milhões de Km do Sol) e com cerca de metade do diâmetro do nosso planeta, um dia na sua História possa ter sido também sujeito a movimentos geológicos relevantes (placas tectónicas, sismos, erupções), usufruído de uma atmosfera (contendo até oxigénio), disposto de água líquida (constituindo os oceanos) e até como todas as circunstâncias rodeando a estrutura construída em torno de Marte sugerem (e na qual todos nós queremos acreditar até por fazer parte da evolução lógica de todos os conjuntos) de algum tipo mesmo que primitivo ou rudimentar de VIDA.

 

1589ML0081010050605055E01_DXXX.jpg

 

Suportado pela teoria de alguns cientistas interessados no conhecimento da evolução do planeta MARTE – podendo ter tido no seu passado bastante remoto atividade geológica interior – originando como consequência e tal como na Terra o aparecimento de um campo magnético próprio (e como para o nosso ecossistema terrestre, fator relevante e protetor da possível existência de vida em Marte) e desse modo levando-nos a IMAGINAR com alguma fundamentação (e realismo) um Mundo que terá existido noutros tempos, com um continente banhado por um oceano, dispondo de uma onda própria para SURFISTAS e que até poderia compartilhar o seu espaço (como todos temporário) com algum tipo de organismo referido como VIVO, de preferência biológico, inteligente e organizado.

 

O que significaria que o HOMEM poderia estar relacionado com o desaparecimento de uma outra espécie provavelmente originária de um mesmo MOLDE (associado ao desenvolvimento do nosso sistema planetário e sendo sucessivamente replicada), que pelos mais diversos motivos teria sido obrigada a abandonar o seu planeta e talvez a emigrar para um outro mais próximo e o mais parecido possível.

 

Podendo-se teorizar que dada a distribuição CONCÊNTRICA (impressa por algum motivo na nossa cabeça) de todo o nosso Sistema relativamente a um único corpo celeste o SOL (e isto apesar de ainda nem sequer conhecermos os limites do nosso Sistema Solar e no entanto já lhe fazendo o seu RETRATO), se tal for um indicativo e uma forma da progressão justificativa da transformação e Evolução nesta parte do Universo (no fundo e por etapas conjugando caos e ordem), então o Homem poderá ser mesmo uma REFERÊNCIA e a sua História (intemporal) ser feita por SALTOS (civilizacionais em que o elemento preponderante poderá estar presente ou então adormecido): nunca se extinguindo (a morte), tornando-se infinito (a vida) e colocando o parâmetro TEMPO no seu devido lugar (inicialmente como uma variável mas nunca como uma constante).

 

1589ML0081010040605054E01_DXXX.jpg

 

Vendo todo o ESPAÇO à nossa volta estendendo-se até ao Infinito e em todas as direções (como em toda a sua profundidade), compreendendo inúmeros conjuntos interagindo e justapostos (concorrentes ou paralelos), escondendo nas profundezas desconhecidas da sua escuridão (entrecortada por incontáveis FARÓIS estelares) todos os Segredos deste Universo (edificado à nossa imagem) e aceitando de mente aberta (espalhando a função do CÉREBRO a compartimentos seus nunca aceites nem explorados) tudo aquilo que por formação e formatação não compreendemos nem interiorizamos (pura deformação com que intenção?),

 

Podendo-se facilmente comportar entre os limites estreitos e unidirecionais a todos nós autoimpostos, a hipótese mesmo que infantil (ingénua e irresponsável) de que poderemos já lá ter estado apenas não nos lembrando disso: um facto talvez real até pela estranheza e dificuldade com que muitos de nós se enquadraram na época de grande desenvolvimento científico e tecnológico registado na última centenas de anos da História da Humanidade (usando-a, não a conhecendo e logo a dispensando por outro extraordinário artefacto) – no fundo não entendendo como uma espécie não revelando em média grandes capacidades intelectuais é capaz de feitos verdadeiramente EXTRAORDINÁRIOS

 

E que só poderá ser explicado imaginando-nos como uma mera RÉPLICA não necessitada de formação, mas de simples prospeção, EXTRAÇÃO e exposição. Uma teoria já comprovada há muitos anos atrás pelos trabalhos práticos levados a cabo por um prémio Nobel da Medicina (ainda por cima português), ao verificar que ao cortar uma parte do cérebro eventualmente danificada e incapaz de desenvolver na sua plenitude e eficácia a execução da sua função, não só o efeito poderia dar resultados (positivos – o sintoma desapareceria) como poderia simultaneamente colocar todo o Sistema em colapso (levando-o ao descontrolo e morte).

 

A nós ainda não nos tendo feito – acho eu – a lobotomia total (física) mas já nos tendo identificado e demarcado as áreas a obliterar (atualmente em intervenção com uma LOBOTOMIA parcial – subliminar e MENTAL).

 

1589MR0080970040800433E01_DXXX.jpg

 

Há mais de 4 biliões de anos com os habitantes de Marte (nosso vizinho e planeta irmão) vivendo disseminados por um grande continente, banhando as suas margens com um vasto e calmo oceano possuindo as suas ondas (talvez uma única onda, suave e periódica e originada pelo movimento e geomagnetismo marciano) e no seu interior preenchido por suaves vales e montanhas entrecortadas por depressões e cursos de água supostamente líquida – senão mesmo geladas (como o caso dos glaciares das suas calotes polares).

 

Um Mundo que dadas as circunstâncias de ter sido criado e ocupado provavelmente logo no início da formação do nosso sistema planetário (o Sistema Solar) – as suas primeiras etapas no primeiro bilião de anos – poderia ter usufruído de outras condições (de vida, de habitabilidade, de sobrevivência) talvez muito semelhantes às nossas, mas que hoje 4,5 biliões de anos após a sua formação e sujeito à passagem do tempo (e muito certamente sujeito a um Evento apocalíptico súbito ou progressivo, mas de qualquer forma definitivo e ao nível da extinção) se apresenta como um Outro Mundo (ou o seu oposto no mesmo espaço) completamente desprovido de atmosfera, de água ou de qualquer forma de vida. Desértico, seco, por vezes parecendo-nos mesmo calcinado.

 

Talvez no seu interior guardando ainda alguns vestígios desse seu passado Glorioso (água, algum oxigénio, vida) mas de momento não o querendo demonstrar pelo menos à primeira vista: por um lado podendo existir algo mais (ainda não visto ou considerado) e pelo outro podendo-se supor, que se antes já aconteceu, amanhã tal se poderá vir a repetir. Ou seja se Marte já foi em tempos (no passado) a nossa base, no futuro poderá voltar a sê-lo novamente (nem que seja um entreposto como propõe Elon Musk com a colonização de Marte).

 

1591ML0081130020605091E01_DXXX.jpg

Marte – CURIOSITY Rover – SOL 1591

(26.01.2017)

 

Em Janeiro do ano de 2017 do calendário terrestre com o planeta Marte a comportar-se como uma esponja bem seca, calcinada e em completa desagregação (não usufruindo do elemento agregador líquido como o é a água), apresentando como seu continente um amontoado disperso de material rochoso de maior ou menor dimensão mas sempre juncado de inúmeros e incontáveis fragmentos (como se estivéssemos perante uma paisagem completamente caótica e em ruínas), por sua vez banhado por um extenso, infindável e tranquilo lençol de areia, tal e qual como um oceano ondulando muito lentamente sobre os efeitos do vento, avançando e chocando contra as arribas.

 

Numa Terra Estranha onde quem reina é o Mundo Mineral e na qual até os dias de hoje e apesar de todos os esforços desenvolvidos pelo Homem (aqui aparentemente um ser estranho numa terra estranha), ainda não foi identificado nenhum tipo de organismo idêntico ou pelo menos semelhante ao nosso tronco evolutivo: mesmo que primitivo ou numa fase rudimentar. Até hoje com o único Mundo a ser o Biológico (vivo, organizado, inteligente, com objetivo) e desprezando a sua base de constituição e de formação de tudo o que existe, o Mundo Mineral. Não o compreendendo, diminuindo-o e indiretamente comprometendo a nossa espécie (maioritariamente composta por água mas também rica em minerais).

 

(imagens: MARTE – NASA/CURIOSITY ROVER – SOL 1589/MASTCAM/MSSS-MALIN)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:15

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

24
25
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO