Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Trabalho Também Mata

Terça-feira, 18.05.21

Preferindo que se confirmem evidências (como a de que o trabalho em excesso pode matar), em vez de se perder tempo com falsas inovações (veja-se o caso em Portugal da aplicação “Task Force”) ─ sendo estas apenas réplicas (oriundas de um mesmo molde) utilizadas anteriormente (pelos vistos sem efeitos sentidos, pelo menos para nós) e sendo repetidas até à exaustão (para acabar de vez connosco).

work.jpg

Entrados nesta Pandemia já com números sociais e económicos denotando uma grave e contínua crise sistémica, bem refletida por demonstrada na taxa de desemprego ─ com cada vez menos gente a trabalhar e com os restantes, mantendo-se a necessidade do mercado, a terem de trabalhar por si e pelo seu colega entretanto despedido (1 fazendo o trabalho de 2) ─ e vendo-a ainda mais agravada com a chegada do coronavírus paralisando/fechando parcialmente a economia e lançando ainda mais gente para o desemprego ─ passando agora o trabalhador sobrevivente a fazê-lo, por 3 ou mesmo 4 colegas ─ tornando-se notório fazendo uns cálculos e até por claramente visível (e entendível), que os trabalhadores ativos antes do aparecimento deste surto pandémico e ainda mais os sobreviventes saídos deste período de mais de um ano de Covid-19, foram evidentemente forçados a cumprirem um horário para além do contratualmente estipulado, transformando legalmente esse excesso em horas extraordinárias (não se cumprindo, podendo ter consequências, que “ninguém” deseja): e não se recrutando mais pessoal, mantendo-se as necessidades, tendo o trabalhador (queira ou não queira) de trabalhar em excesso.

Screenshot_2021-05-18 New Study Says Working Long

Daí vindo o último estudo realizado por vários investigadores de quase 200 países e levado a cabo sob a responsabilidade da Organização Internacional do Trabalho e da Organização Mundial de Saúde ─ investigando a relação do aparecimento de doenças cardíacas, com o excesso no número de horas de trabalho ─ concluindo-se que executado sob determinadas condições “o trabalho também mata”: trabalhando-se em muitos casos 55 horas por semana, ou ainda mais. Só no ano de 2016 (3 anos antes do início desta crise pandémica) com quase 750.000 indivíduos a morrerem de ataque/doença cardíaca, numa morte provocada por “períodos seguidos e excessivos de trabalho” (mais de 55h/semana): afetando os tendo feito mais anos seguidos estes horários excessivos (mais de 55h/semana, entre os 45/74 anos de idade), especialmente se se estiver entre os 60/74 anos, idade com que deveríamos estar já reformados (e financeiramente estabilizados), vivendo-se em média nem 80 anos e que se saiba uma só vez.

60a28ce62600007983b43311.jpg

Verificando-se um maior risco de morte e de género entre os homens e geograficamente, ocorrendo mais para os lados do Oceano Pacífico (ocidente) e da Ásia (sudeste). Mas sendo o excesso de trabalho a razão para estas mortes e sendo apesar das diferenças o mesmo sistema económico e ideológico a dirigi-lo (a este como a oeste) ─ obtenção da mais-valia máxima possível (do objeto), a qualquer custo mesmo humano (do sujeito), já que tempo é dinheiro ─ ocorrendo um pouco por todo o lado. Um primeiro passo para depois de se falar do desgaste rápido do homem e das despesas de manutenção que o mesmo representa, sujeitando-o a trabalhar 2X, 3X, 4X mais, fazendo-o “explodir” provando já estar inadequado e para seu bem (e do sistema, do coletivo a preservar) sendo substituído pelas máquinas tornando-se então excedentário. E com aqueles que não o sendo pensando estar acima, mais tarde ou mais cedo chegando a sua hora e aí tendo de optar entre abandonar progressivamente a sua componente biológica ou existindo possibilidade fugir (podendo esse destino quanto mais tarde se fizer essa opção, ser a morte).

(consulta: boingboing.net/sciencedirect.com/who.int

─ imagens: boingboing.net/huffpost.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:52

Ossos

Segunda-feira, 10.05.21

“Nós Ossos Que Aqui Estamos, Pelos Vossos Esperamos.”

(à entrada da Capela dos Ossos/Évora)

site_cabecalho_capela_ossos_DSCF3448-scaled.jpg

Convento de São Francisco de Évora ─ Capela dos Ossos

(século XVII)

 

Um dos melhores exemplares preservados de cerca de meia dúzia de “Capela de Ossos” existentes pelo Alentejo e Algarve (como em Faro e Lagos), uma delas localizada aqui próxima na freguesia de Alcantarilha (concelho de Silves): esta última revestida por mais de 1500 ossadas/caveiras humanas segundo dizem de jesuítas tendo morrido na região.

Confrontando-nos com a morte tal como ela é ─ uma transição, um período de espera ─ tendo a sua cronologia no Tempo (influenciando a história), no entanto não se sabendo em que Espaço nem em que circunstâncias: sabendo-se o Universo Infinito, circulando em espiral e tendo de contactar coordenadas (nalgum ponto) ─ podendo ser concretizadas em planos paralelos ou concorrentes, e aí tocando-se, integrando a mesma projeção (um dos pontos do percurso original) ─ tendo o Elemento que nos une e diferencia de se basear numa sequência evolutiva nunca se perdendo (mas transformando-se por Saltos e episódios exteriores de indução), como tal e inserindo-se num Sistema de equações muito mais vasto (para já para nós incompreensível por inacessível), por óbvio, natural e sequencial jamais podendo ser interrompido.

life-beyond-death-quotes-by-alisa-hope-wagner-2065

Num Sistema como aquele onde vivemos tendo início e fim como num filme, onde tudo começa num ponto e acaba no outro e em que nem entendendo o nosso decretado início nem percebemos o fim e a sua continuação, prosseguimos por cá por sucessivas e sucessivas gerações caindo como moscas ou gafanhotos e tal como eles os insetos, sem nos questionarmos (porque será esse traço comum?) do como e do porquê,  tal como no dia em que tomamos conhecimento e nos deparamos com a nossa primeira morte (presencial, direta) ficando a olhar sem saber bem o que fazer: significando que chegando-se a uma encruzilhada e mesmo a um precipício, tendo-se conhecimento e equipamento tudo é possível ─ mesmo algo para já fora do nosso entendimento ou explicação, tal como tem sido quase tudo (no seu início) durante toda a nossa (por vezes acelerada) Evolução. A morte devendo ser apenas mais uma fronteira da nossa Imaginação, mas para já não o sendo, sendo pelo contrário bem real (física e psiquicamente) e a consequência natural do modelo pretensamente e desde sempre por nós adotado (como se para nós, réplicas sem vontade, fosse o adequado).

Judgement_day_IMG_1368.JPG

O Dia do Julgamento Final

 

Indo a carne, ficando tudo reduzido a ossos, transformando-se de seguida em pó e poeiras, distribuindo-se sucessivamente de novo (as cartas) e num dos naipes entre milhões e milhões de saídas saindo a nossa carta de novo, não por sorteio ocasional ou aleatório e mesmo que o sendo (e pela estrutura do nosso Universo, curiosamente sempre à procura de um centro), replicativo. Havendo um Deus e mesmo que não sendo de entre nós, tendo de uma forma ou de outra a obrigação (até no seu próprio interesse) de preservar a sua espécie e estando numa fase muito mais avançada do que a nossa já podendo ter alcançado esse desígnio andando já aí Deuses passeando pelo Cosmos não à nossa procura, mas de outros Deuses, os seguintes. Daí uma conclusão (do desinteresse dos exteriores) de estarmos ainda numa fase muito atrasada da nossa Evolução, ainda tendo muito com que lidar com esse nosso problema existencial (que é a morte, nem tendo sentido o nascimento e por pouco tempo a vida) sempre adiado até não o poder ser mais: o melhor para nos confrontarmos mais fresquinhos, ingénuos e abertos, caindo-se no buraco iniciando-se outra aventura.

(imagens: andarilho.pt ─ wisefamousquotes.com ─ wikipedia.org)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:34

O Dia da Independência ─ Definitivamente, a 15 de junho?

Segunda-feira, 13.04.20

Se tudo correr bem e estabilizado o cenário, podendo-se apontar o mês de junho como o dia do regresso à Vida, o dia da vitória sobre o vírus (Covid-19) o “Dia da Independência”: e se o meu médico sugeriu (há algumas semanas atrás) nunca antes dos meados de maio, talvez se podendo apontar com esperanças fundadas (até pelo que o Povo anónimo fez por todos nós) para os meados de junho. Tudo dependendo de nós. Devagar indo-se longe!”

 

E1.jpg

 

Estejam ou não os números “martelados”, mas acreditando que não e tomando como referência o caso da China (onde se iniciou o surto pandémico, referenciado a 22 de janeiro) e não o da Coreia do Sul (iniciado 28 dias depois do da China e referenciado a 20 de fevereiro) ─ com a Coreia do Sul durante 4 semanas e aprendendo com a China, tendo aproveitado esse interregno de tempo para se preparar ─ constatando-se o que se passou na Europa (sobretudo Ocidental e do sul) nada fazendo para se precaver atingindo números que nem a China atingiu no máximo desta Pandemia ─ e sendo preferível optar pelo desenvolvimento chinês, para não sermos mais uma vez surpreendidos (estando-se ainda para ver se a reabertura chinesa à Economia, não levará repentinamente a um ressurgimento do vírus) ─ tomando como efetivo o último pico atingido em Portugal registado a 3 de Abril (com 37 vítimas mortais, o maior valor atingido) e a partir daí não tendo sido ultrapassado ─ continuando a verificar-se o mesmo desenvolvimento não existindo nenhum salto mais brusco (ultrapassando o número mágico 37), confirmando-se aí o 3 de Abril como a data em que se atingiu em Portugal o “Pico Máximo” do surto pandémico Covid-19 (mais uma vez se os números da DGS estiverem “não martelados mas certos”) ─ caso contrário (e dez dias passados o ainda virtual “Pico Máximo”) repetindo-se o processo:

 

E2.jpg

 

E mantendo-se esta evolução tendo como referência 3 de Abril, iniciando-se uma nova fase de descida do impacto do vírus (descendo o número de óbitos) ─  durando cerca de um mês (até cerca de 3 Maio) ─ para a partir daí e durante outro mês (mais vale prevenir do que remediar) o funcionamento da sociedade estabilizar arrancando-se  progressivamente e de novo para uma Vida normal (significando isso o que significar). Logo e se tudo correr bem tudo apontando o 3 de Junho como o “Dia da Independência” (se entretanto já convencidos da derrota do vírus e não o fazendo aos poucos, pusermos todos e ao mesmo tempo a “cabeça de fora”), não cometendo de novo o “pecado inicial”: o que seria excelente mas tendo-se que ter paciência (de “chinês”), já que nem ainda se sabe se o vírus é mais do tipo SERS/MARS ─ adormecendo ─ ou então tipo INFLUENZA ─ podendo regressar de novo no Inverno (e estando talvez ainda à solta, no Hemisfério Sul ─ América do Sul, África e Oceânia) com o Mundo ainda em recuperação e ainda fragilizado para aguentar outra Vaga ─ podendo-se dar outra Tragédia ainda mais grave que esta (a tal 2ª Vaga). Mas se tudo for normal e tenhamos aprendido a lição lá para meados de junho podendo reencontrar-nos continuando a nossa caminhada (que até poderá ser um passeio).

 

E3.jpg

 

Como apontamento final e indicativo da “autoridade, responsabilidade e competência” dos nossos políticos assim designados por nos (segundo o que eles nos dizem)  “representarem e defenderem” por delegação de poderes (no fundo passando-lhes “uma procuração, um cheque em branco”), o resultado do único e óbvio cuidado que deveriam ter para com a nossa (pelos vistos não deles)  população (olhando apenas para o que se passava na Itália, em França e na Espanha), bem espelhado no tratamento dado ao grupo prioritário por etário de maior risco: os idosos deixados literalmente à sua sorte (entregues à morte) em casas isoladas e lares, como o demonstram inequivocamente os números “trágicos e impossíveis de martelar” ─ dos 535 óbitos, 384 tendo mais de 80 anos, ou seja mais de 70% (e dos 535 óbitos, 459 mais de 70, ou seja mais de 85%).  Num Governo na prática com (ministros fundamentais neste tipo de situação) Ministro Inexistentes da Saúde e da Educação.

 

Em conclusãoDesconfiando dos Números (da DGS), mas confiando no Povo (de Portugal) e esperando que os Políticos (até hoje e como sempre) de Curta-Memória, não se esqueçam do Povo (até pela proximidade e pelo que aí ainda vem) com Memória-de-Elefante!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:58

Em Busca do Tesouro Perdido

Quinta-feira, 09.04.20

Um apresentação gráfica obtida pelo cálculo da razão (uma divisão) entre, a soma das Vítimas Mortais e dos doentes em estado Crítico/Grave registados num certo dia (VM₂+GC₂) e a soma desses mesmos valores registados no dia anterior (VM₁+GC): estendendo-se aqui entre, o dia 14 de março (quando foram registados os primeiros infetados nas unidades de Cuidados Intensivos, ainda sem vítimas mortais) e o dia 9 de abril − dia em que as comunicações terrestres entre concelhos vizinhos e com algumas exceções, foi interrompida.

 

X1.jpg

Quando a linha azul permanecer irredutivelmente abaixo da linha vermelha,

então estaremos mesmo no caminho certo para descobrir o “Tesouro Perdido”

(esperando, no entanto, que no baú, ainda haja algo para nós)

 

Com o objetivo do gráfico a ser o de nos facilitar a descoberta do dia em que poderemos ver de novo um pouco da vida que tínhamos anteriormente (pelo menos dando-nos aí a esperança e até mesmo a certeza, de podermos começar a sonhar com isso), bastando para tal que a linha Azul permaneça definitivamente abaixo da linha Catanha: a fronteira entre a Morte e a Vida. Ou seja, ultrapassado e confirmado o Pico Máximo − e insistindo mais uma vez no atrás referido − mantendo-se a linha AZUL sempre abaixo da linha CASTANHA.

 

[Numa aplicação em jeito de demonstração, do gráfico "oferecido" anteriormente.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:56

SPITZER − RIP (morto, mas não enterrado)

Sexta-feira, 31.01.20

No dia seguinte a mais uma morte − 30 de janeiro de 2020 − declarada pelos engenheiros da agência governamental norte-americana NASA: para tal desligando definitivamente o telescópio espacial SPITZER (2003/2020). Provavelmente devido a obrigatórias reduções de custos e até pela chegada da nova geração de satélites.

 

15595182-7210129-The_Spitzer_Space_Telescope_forme

Telescópio Espacial Spitzer

(em serviço desde 2003 numa orbita heliocêntrica, desativado este ano)

 

Libertado de toda a poluição incorporando a nossa atmosfera e envolvendo todo o nosso planeta, na transparência aqui e ali iluminada da escuridão do vazio infinito do Espaço, possibilitando-nos durante mais de 16 anos o prazer do usufruto de imagens antes nunca vistas, desde pormenores dos anéis de Saturno, aos quatro exo planetas de Tappist-1 e passando ainda por um vasto mapeamento da nossa própria galáxia, a Via Láctea.

 

ssc2020-06_Rec.jpg

Nebulosa da Tarântula

(a cerca de 160.000 anos-luz de distância da Terra)

 

“The Spitzer Space Telescope is the final mission in NASA's Great Observatories Program - a family of four space-based observatories, each observing the Universe in a different kind of light. The other missions in the program include the visible-light Hubble Space Telescope (HST), Compton Gamma-Ray Observatory (CGRO), and the Chandra X-Ray Observatory (CXO). Spitzer is designed to detect infrared radiation, which is primarily heat radiation.” (spitzer.caltech.edu)

 

(ilustração e imagem: NASA/JPL-Caltech e Spitzer Space Telescope)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:09

Suicídio Celestial de Agosto

Domingo, 18.08.19

[Um caso recentemente verificado no Sistema Solar, com um dos seus membros (um cometa) cometendo suicídio, na presença e em contacto com o seu ASTRO-REI (o Sol). Nas imagens seguintes de 1 a 4 (pequeno traço brilhante no centro-direito-inferior das imagens).]

 

c1.jpg

1

Mais um fragmento de um antigo e maior cometa

(já falecido muitos séculos antes no passado)

 

Neste Mundo Infinito de Transformações Eletromagnéticas (para nós com início num BIG BANG local, dando origem “a tudo o que somos e que nos rodeia”) onde as METAMORFOSES estão constantemente presentes

 

– Dando-lhe (ao Mundo delas) um novo aspeto e conteúdo

 

Muitas delas (Metamorfoses = Processo Evolutivo) por nós ainda IMPOSSÍVEIS de compreender

 

− Como será o caso do limite a nós imposto (habitando aparentemente num Mundo Ilimitado) incorporando no nosso trajeto de Vida dois poderosos e (para já) inultrapassáveis marcos biológicos,

como o “NASCIMENTO” e sobretudo como a “MORTE”

 

c2.jpg

2

Em mais uma das suas aproximações ao seu periélio

(ponto de “viagem orbital” mais perto da estrela)

 

A visualização enquanto em “ponto-morto” (sentados, absorvidos, mas ainda a ver algo) de um Evento em tudo semelhante e pela sua dimensão e impacto deveras Celestial (ao nosso destino, ao desígnio do Homem),

 

Apresentando ao Protagonista após todo um usufruto de Tempo e de Espaço Universal

 

– De uma forma previsível, simples, até bela, no entanto absoluta –

 

A sua própria Morte:

 

Talvez apenas mineral (ou transportando consigo água e/ou vida orgânica)

 

– Tratando-se de um COMETA nos seus últimos momentos –

 

Mas como TUDO relevante.

 

c4.jpg

3

Colocando-se na sua trajetória a tão pouca distância do Sol

(e transformando-se num Cometa Rasante)

 

Definitivamente tendo-se ainda de compreender e conseguir integrar (no Homem, tanto física como psiquicamente, numa missão praticamente impossível) a convicção de Lavoisier para nós

 

− MUNDO ORGÂNICO –

 

Ainda não totalmente esclarecida e integrada, de que

 

Na Natureza Nada se Cria (Nasce?),

Nada se Perde (Morre?),

Tudo se Transforma (Perdura?)”.

 

Nada que apoquente (que se saiba) o Mundo Mineral.

 

c5.jpg

4

E acabando mesmo por impactar não reaparecendo

(saindo do outro lado do Sol)

 

E provavelmente entre este (o Mineral, mas já ELECTROMAGNÉTICO) e o Nosso (o Orgânico e envolvendo o Mineral) encontrando-se um dia a ALMA: Algo imensamente para lá − “talvez localizada numa Galáxia bem distante” − da nossa ainda estreita e extremamente controlada Imaginação.

 

Procurando-se ainda explicações.

 

[Na passada quinta-feira dia 15 de agosto sob observação do telescópio solar SOHO, com o mesmo a registar através das suas câmaras de vídeo um exemplo de um ponto máximo de atividade cometária (de um cometa da família Kreutz, “chegada a sua vez suicidando-se”): o encontro personalizado e direto com a sua referência orbital (o foco da sua trajetória), aqui tornado espetacular devido ao impacto (com o Sol) e a toda a sequência final de viagem (do cometa): dirigindo-se para o Sol e contornando-o, não resistindo à sua atração, impactando e como tal “à saída” não surgindo do outro lado.]

 

(imagens: soho.nascom.nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:17

Tradição?

Segunda-feira, 22.04.19

[Ou mais tipo Sugestão? Chegando-se a controlar Sujeitos (Homem) com imagens de Objetos (Santinhos de Madeira).]

 

Depois da Morte e Ressurreição de Jesus Cristo − e com a matança recente de Cristãos no Sri Lanka pelo meio − prognosticando-se agora (e de novo) a morte de Donald Trump, esperando-se (neste caso e não sendo cristão, já que este a todos perdoa e oferece a outra face) que não ressuscite.

 

shutterstock_245337616.jpg

Comemoração da Páscoa na Polónia

Gdansk − 10 de Abril de 2009

(alternet.org)

 

Terminada a Semana Santa e as Festividades da Páscoa como uma tradição antiga no Cristianismo Ocidental (caso de Portugal)

 

– Sendo simultaneamente considerada como uma das interrupções oficiais certificadas e permitidas pelo Calendário Político-Religioso aceite (e em curso)

 

E com a vida a retornar de novo à habitual monotonia do nosso quotidiano repetitivo, miserável e sem esperança (para a esmagadora maioria das mais de 7,5 biliões de almas habitando este planeta, limitando-se unicamente a tentar arranjar um emprego para poder comer, dormir, procriar e sobreviver)

 

– Enquanto por cá (Portugal Continental e Ilhas) tudo regressa aparente e ordeiramente à normalidade (apesar da tragédia com um autocarro turístico na Madeira e do fait-divers da falta de combustível no Continente)

 

No Resto do Planeta e como seria lógico (afinal de contas e na melhor das hipóteses apenas cerca de 1/3 serão Cristãos, seguidos de Muçulmanos/24% e Hindus/15% e com os Budistas/7% no fim) o Mundo não para, assim como a intervenção no mesmo (infelizmente existindo uma só Terra) da sua espécie dita dominante (com ações sem benefício visível para o grupo mas benéficas para um só indivíduo, como tal discriminadoras e mortais para a sua própria espécie) o Homem.

 

Como se constata “por consciente e deliberadamente se incentivar o que há de pior no Mundo”, com a prossecução da Guerra Civil na Líbia (depois da Guerra Civil na Síria), com o veto de Donald Trump sobre a Guerra Civil no Iémen (consentindo o prosseguimento do Genocídio às mãos dos Sauditas e seus terroristas associados como a Al-Qaseda e o Exército Islâmico), com o atentado recente no Sri Lanka antigo Ceilão. (tendo religiões como a Cristã como alvo)

 

45392755482_bd5c493322_k-1170x780.jpg

Com Trump a poder colapsar fisicamente

Após a publicação do Relatório Muller

(segundo Tana Ganeva/alternet.org)

 

E até e apesar das milhões de vítimas causados pelos conflitos referidos anteriormente − estando-se aqui a falar de “Sujeitos, Pessoas”, Animais como Nós

 

– Com o choro emotivo e descontrolado da generalidade das pessoas (para tal educados, predispostos e condicionados) face à destruição de simples Objetos, maioritariamente materiais de construção (é certo que apresentando-nos Monumentos majestosos, mas feitos à custa de muito sacrifício Humano) e tendo pelo meio alguma Arte (utilizando materiais semelhantes, mas com outros objetivos e mensagens):

 

Mesmo que tocante e penetrante identificando-se com minorias (poderosas nem se vendo só mesmo nas desgraças, veja-se o exemplo de Macron), apesar de visitada esmagadoramente pelas mais diversificadas maiorias (miseráveis, mas julgando-se superioras, umas sobre as outras, dependendo da retribuição).

 

-  Pelo meio com um português a morrer no Sri Lanka/ex-Ceilão (originário de Vouzela/Viseu e estando no Sri Lanka em turismo/lua-de-mel no instante do atentado/salvando-se por milagre a esposa),

 

-  Com um Comediante (Volodymyr Zelenskiy ligado a outro Oligarca e apoiante da livre prostituição e do jogo como se estivesse num Casino/armas só para os seguranças) a ser eleito Presidente na Ucrânia,

 

-  E com um outro Presidente (dito o Mais Poderoso do Mundo e podendo mesmo sem querer carregar no botão Nuclear) a continuar a ser perseguido ferozmente pelos Média (e logo um milionário, um símbolo do capitalismo norte-americano, um exemplo de sucesso na Terra Prometida, o empresário − REP como poderia ser DEM − Donald Trump):

 

Em mais uma paródia histórica (falando de Reis nunca da plebe) se não se passasse nos EUA (a Terra dos Excecionais pelo menos em Armamento) o Império sucedendo ao Império Romano – mas aos Olhos-do-Mundo  (e do seu novo Eixo Económico-Financeiro Asiático com a Rússia, a China e a Índia) já Decadente e para sua própria sobrevivência necessitando (de uma forma cada vez mais urgente) de mais uma Grande Guerra.

 

Faltando-se apenas saber (pelos Sinais confirmar) não porquê, mas onde e como – com fortes candidatos a perfilharem-se, ligados à produção de Energia e sobretudo ao Petróleo (Venezuela e Irão?).

 

[No caso do atentado brutal registado no Sri Lanka, com as vítimas mortais a estarem já próximas das 300, incluindo um cidadão português de Vouzela/Viseu.]

 

(texto: WEB − imagens: alternet.org)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:43

Nada de Notícias Falsas, Notícias de Verão

Quinta-feira, 27.07.17

Neste Mundo Alienado ‒ por dividido entre a Vida e o Outro Lado ‒ A Morte É Sempre Notícia

(mesmo para além dela, se for sempre bem espremida e se tivermos muita sede)

 

“Poucos dias depois de ver um OVNI no Arizona,

Chester Bennington vocalista dos Linkin Park suicidou-se na Califórnia.”

 

2017_0720_10272_6618.jpeg

 

Como é natural de suceder num Mundo Onde Já Nada Acontece (Terra) e Num Tempo Consagrado A Férias (Verão), tudo tem que ser mais espremido (como fruta já seca) se dele quisermos extrair algum sumo (senão existente pelo menos imaginado): com a fruta a ser agora um norte-americano natural da cidade de Phoenix, musicalmente famoso e recentemente falecido (faz amanhã uma semana) e com o sumo a vir do encontro imediato do mesmo com um Objeto Voador Não Identificado (OVNI).

 

E num período (de temperaturas elevadas) em que o nosso estado de consciência normal é constantemente posto à prova (com os nossos níveis de testosterona a atingirem valores elevados), muitas das vezes chegando a colapsar atirando-nos para um estado de semiconsciência (senão mesmo inconsciência), sendo também natural, normal e até lógico que a partir de um simples detalhe antes percecionado por sentido (noutro espaço e noutro tempo registado em memória) se associe o mesmo a um outro cenário e nele se processe a informação.

 

maxresdefault.jpg

 

Numa intervenção necessária e aparentemente Externa à nossa Realidade, mas ao contrário do que muitos pensam (por supostamente se opor à mesma) fundamental para a manutenção deste Sistema Monótono e Repetitivo (sem Imaginação) que hoje nos comanda a Vida (desde o nascimento até à morte e passando pelas diversas etapas da nossa certificação) seja dentro ou fora dos eixos (vindo dos a favor ou dos contra): ultrapassando as margens do rio (por onde segue a manada) e sujeitando-nos aos Teóricos da Conspiração (verdadeiros ou falsos). Num Novo Mundo onde o valor lógico da preposição tanto vale que seja V ou então que seja F.

 

Pelo que a morte recente (20 de Julho) do vocalista da banda norte-americana Linkin Park (Chester Bennington) suicidando-se numa das suas residências por enforcamento, não é bastante por si só para ser considerada notícia, necessitando de algo mais para poder persistir, ser reconsiderada e talvez elevada ao nível de reportagem ‒ e aí entrando o negócio (de novo) o marketing, a publicidade e as histórias alternativas de preferência conspirativas (e com sorte com mortes): nesse sentido com os Média informando-nos que Chester Bennington terá visto um OVNI pouco tempo antes de morrer. Vítima de Alienígenas (do OVNI) ou de Controlo Mental (Interno).

 

(imagens: linkinpark.com e KIISFM.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:17

Nascida para Morrer

Sábado, 27.05.17

Não com uma extraordinária explosão (como é mais usual nestes casos) mas aqui com uma implosão deixando no seu lugar um buraco negro (provavelmente o destino de qualquer estrela maciça) ‒ desintegrando-se (devido às intensas forças em presença) e afundando-se sob si própria num determinado ponto do Espaço (reocupando-o ou redefinindo esse espaço e os seus moldes de utilização), antes talvez de existência agora de comunicação (e de equilíbrio como se estivéssemos a falar de vasos comunicantes). E de Mundos Paralelos.

 

NGC_6946.jpg

A Galáxia em espiral NGC 6946

(ou galáxia Fogo-de-Artifício dado o nº elevado de Supernovas aí detetadas)

 

Na cronologia histórica da estrela-gigante N6946-BH1, sendo visível na primeira imagem dois momentos marcantes e finais de uma das etapas da sua evolução, inserindo forçosamente o parâmetro Tempo para descrever a transformação registada no respetivo Espaço: com a estrela a desaparecer (num determinado espaço de tempo) dando origem a um buraco negro (num determinado tempo do espaço). E conjugando estes aspetos (dois e como que se anulando por simetria) e adaptando-os à visão do Mundo (exclusivamente nossa e como tal homocêntrica), sendo postos perante um quadro de esquecimento (como unidade independente e diferenciada que fora) e de Morte (concluída essa diferenciação e reintegrando-se no coletivo).

 

PIA21467.jpg

O desaparecimento por implosão de uma estrela-gigante

(no seu lugar aparecendo um buraco-negro por ela criado e no final engolindo-a)

 

No espaço de tempo de apenas oito anos (a nível cósmico um valor desprezável e praticamente igual a zero) com uma estrela-gigante a implodir, desaparecendo visualmente das suas coordenadas (como o comprova o telescópio Hubble) e sendo provavelmente substituída por mais um buraco negro (num espaço anteriormente emitindo luz e agora absorvendo-a toda): apresentando uma massa cerca de 25 X Sol, em 2007 observada como a vemos na primeira imagem à esquerda, repentinamente tornando-se imensamente brilhante (2009) e assim se mantendo durante vários meses (1 milhão de X mais brilhante que o Sol) e finalmente começando a perder todo o seu brilho desvanecendo, acabando por desaparecer completamente (como estrela que fora) ‒ como se comprova na primeira imagem (à direita) referida a 2015.

 

PIA21466.jpg

A fase final de uma estrela-gigante e maciça

(implodindo e desaparecendo no interior do buraco por si criado)

 

Numa explosão que não resultando numa Supernova (como acontece com muitas destas estrelas ao atingirem o seu limite de idade) resultou no total desaparecimento desse monstro estelar (se comparado com o nosso Sol), praticamente nada restando no local como o confirmaram dados posteriormente aí recolhidos: com uma reduzida luz infravermelha a ser aí detetada, talvez resultando de alguns fragmentos da mesma antes de serem engolidos e desaparecerem (integralmente) no interior de um buraco negro (engolindo num redemoinho irresistível tudo o que possa significar luz e energia, como o buraco de escoamento de um simples lavatório). E com o buraco negro responsável (criado pela implosão da estrela-gigante) a estar localizado na galáxia NGC 6946 a 22 anos-luz de distância de nós.

 

(imagens: nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:28

Tudo se resolve a Tiro

Quinta-feira, 13.10.16

[De preferência na Cabeça tal como no caso dos Zombies]

 

Um militar da GNR morto, mais dois feridos e um casal de civis baleado, tendo o homem morrido. Terá sido tudo obra de um único suspeito que continua a ser procurado.

(jn.pt)

 

pararellworld.jpg

Death is just an illusion: we continue to live in a parallel universe

(texto e imagem: messagetoeagle.com)

 

“Matamos porque nos colocaram as armas nas mãos, porque nos ensinaram logo a disparar e também porque nunca nos disseram que aqueles a abater eramos nós.”

 

Quando nos deparamos com certas notícias (que nos tocam e sensibilizam) e somos imediatamente confrontadas por elas (tal a intoxicação informativa), as duas primeiras coisas que nos vêm à cabeça e para as quais procuramos resposta (compreensão do fenómeno ocorrido pelo estudo da relação causa/efeito), são como seria lógico a sua compreensão (por perceção do ocorrido na origem) e a verdadeira extensão das suas consequências (através do processamento de todas as sensações entretanto recolhidas): no caso do triplo homicídio ocorrido na madrugada da última terça-feira no distrito de Viseu (dia 11), o conhecimento dos antecedentes sociais, profissionais e criminais do respetivo homicida (entre muitos outros parâmetros psíquico-físicos a valorizar e de modo a perceber-se com rigor o motivo da concretização deste ato criminoso e extremo) e a razão da escolha deste preciso momento para finalmente se exprimir (impondo-se de uma forma unilateral e violenta), sem limites e sem valores (ou seja matando).

 

“Como todos nós sabemos as tendências da moda nada tem a ver com os seus clientes, mas com todos aqueles que querem obter do seu produto o lucro máximo possível num mais curto espaço de tempo: e como tempo é dinheiro a melhor forma de resolver um conflito será sempre a tiro, até para se ser claro e se obter um grande impacto – sendo preciso, sempre eficaz.”

 

Deparando-nos neste caso particular com um indivíduo socialmente descrito (e visto na sua terra) como um cidadão normal (com virtudes mas também com alguns defeitos), filho de boas famílias e aparentemente sem grandes problemas financeiros (seria até piloto de aviação), com alguns problemas legais (e criminais) como qualquer descendente rebelde (daí a sua apresentação como ovelha-negra da família) e que adicionalmente (numa construção elaborada pelos media) apresentava desde logo algumas anomalias (pelos vistos relevantes mas nunca antes detetadas), que pelos vistos poderiam ser sintomas da doença que aí vinha. Num acontecimento dramático (3 indivíduos mortos, 1 em morte cerebral e 1 outro ferido) ocorrido num curto espaço de tempo e tendo a cabeça das suas vítimas como alvo (apenas um agente da GNR foi atingido nas pernas), explicado de uma forma infantil, ingénua, senão mesmo deliberada, socorrendo-se de dois episódios que (apesar de poderem ter sido explosivos) foram apenas a manifestação do potencial problema e não a sua causa: matamos porque somos condicionados para tal (percecionando e sentindo tudo o que nos rodeia e estrutura de uma forma desfocada, limitando-nos a perceção, baralhando a transmissão e originando erros na sensação) e não porque estivemos na África do Sul (= violência), porque somos caçadores (= morte) ou porque temos a casa cheia de animais exóticos (= trauma).

 

“Desde a Queda do Muro de Berlim não foi só o muro que caiu mas com ele todo o Mundo – interrompendo-se (pensava-se estar a acabar) aí a guerra entre o Bem e o Mal com a vitória do Bem. No entanto desde a queda das Torres Gémeas tudo mudou – deixando-os especados e sentindo-nos vulgarizados (verdadeiramente nas mãos do Diabo) com a evolução científica dada ao termo terrorista (sendo tudo e o seu contrário e impondo Bem = Mal).”

 

A nível de uma região de província, de um país pequeno, pobre e periférico da Europa, uma imagem fiel e de dimensão micro do que na realidade se passa um pouco por todo o Mundo: com os maiores exemplos a serem proporcionados a nível interno pelos EUA, com a perseguição impiedosa a todos os seus cidadãos que mexam e sejam de cor negra (em episódios todos os dias relatadas em toda a imprensa mundial e esmagadoramente terminando na morte do Preto (antes tinham sido os índios); e a nível externo com a vergonha (por ser tanta a hipocrisia presente e vinda de todos os lados) de vermos a maios potencia militar mundial (os EUA) a ter de se socorrer de todo o tipo de terroristas que tenha mais à mão (Exército Islâmico, Al-Qaeda, mercenários e ainda outros contingentes de menos bons e de menos maus) de modo a conquistar (neste caso um quintal historicamente russo) ou manter a sua supremacia (face à previsão da futura tomada de poder do bloco Russo/Chinês).

 

(imagem: a indicada)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:38