Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Trauma Recarregado − Esperando (ainda) por Lucifer

Terça-feira, 24.08.21

Com a nossa civilização de pernas-para-o-ar (ou para ser mais duro, com a esmagadora maioria de nós, os que permitimos, de “pernas-abertas”) assumida definitivamente a primazia do Objeto sobre o Sujeito (vítima de rápido desgaste e com custos de manutenção elevado)

ec22.jpg

Sujeito Vs. Objeto

– E tendo ainda os nossos órgãos dos sentidos em atividade, mesmo que em módulo mínimo de funcionamento e apesar de algum tipo de “seccionamento cerebral” a que temos sido gradualmente sujeitos (nem sequer necessitando do “bisturi nobel” do nosso “médico-de-família” Egas Moniz, com tantas formas de manipulação subliminar) –

Não sendo de admirar que depois de mais um descontrolo do Homem na preservação da sua espécie como todos nós sabemos caminhando imperturbavelmente no caminho inevitável da sua extinção (como o comprova o descontrolo global e social perante o coronavírus − Saúde Vs. Economia − e o caso do Afeganistão − Vida Vs. Morte), demonstrando (de novo e como sempre, exceto para o “ceguinho”) a insignificância do seu poder (do Homem) face ao estrondoso poder da Natureza – com o Homem apenas sendo capaz de se autodestruir, pensando certamente que em delírio, que com o seu desaparecimento, desaparece a Terra e o Mundo (com as suas “Bombas” apenas se extinguindo, dando origem ao aparecimento de uma nova raça dominante – esta (a Natureza) revele mais uma vez a sua força, não pelo poder do Homem exercida sobre ela (minúsculo, pensando só pela sua intervenção particular, egocêntrica e centralizada nele mesmo, “Alterar o Clima” de um planeta como a Terra), mas apenas como tudo na Vida devido à inevitável transformação e evolução de tudo o que se move, estando Vivo.

Não sendo dando um tiro na cabeça e esperando ressuscitar (com a graça de Deus ou de outras Máquinas) que nós chegaremos um dia a algum lado a não ser o já conhecido pelos Dinossauros:

Até porque candidatos à nossa sucessão já existirão muitos (formigas, baratas, ratos, etc.) alguns mesmo organizados em sociedade, mesmo que por despeito (até desrespeitando Deus, achando-nos superior, o Centro) o não queiramos reconhecer.

E aí entra mais uma vez o “poder absoluto da Natureza” (querendo a Terra destruir-se, levando-nos com ela e não o contrário), comprovando mais uma vez (como se tal fosse necessário, mas com os “Negacionistas da Natureza” a serem cada vez em maior número, dado o seu falso poder garantir-lhe o nível hierárquico de proteção necessário) e face a mais duas derrotas do Homem (face ao Coronavírus e face a nós próprios na Guerra) quem na realidade manda:

2437-200522 Nature (Hajjaj).jpg

Homem Vs. Natureza

Desde que existem registos e que se saiba sendo a primeira vez que chove sore a camada gelada da Gronelândia, num território bem próximo do Polo Norte onde precipitação que se conheça e devido às baixas temperaturas só sendo de neve.

Ora não sendo esse o caso verificado recentemente (no Hemisfério Norte onde decorre neste momento a estação do Verão), já que em vez de nevar durante horas seguidas ter chovido, inundando a superfície gelado e até contribuindo com esta ação para um mais rápido degelo de diversas camadas (superficiais e inferiores) contribuindo certa e futuramente para o subir do nível médio da água-do-mar:

Numa logica de evolução natural e geológica da Terra, com uns territórios afundando e outros emergindo originando migrações e até o aparecimento de novas Civilizações novas espécies dominantes, mais ou menos ligadas diretamente (ou “à distância”) à nossa – amanhã com muitas zonas costeiras (até leitos de antigos rios) afundando-se desaparecendo (extravasando “as suas competências”), sendo necessariamente substituídas, sendo esta a Lei da Vida e não do Homem (apenas um dos bichos presentes, frágil e facilmente descartável).

Um dia num futuro mais próximo do que pensa (e não nos tendo já auto exterminado, dado a nossa capacidade de nos destruirmos várias vezes, a nós não à Terra, essa adaptando-se num milésimo de segundo) vivendo-se nos polos norte e sul, deixando o resto do planeta como hoje tratamos a grande maioria, de lado e esquecido, até ao próximo sobressalto, ou Ciclo Terrestre:

Tendo a Terra vários biliões de anos, sendo logico e natural que a mesma tenha passado por vários Saltos Civilizacionais, com outras espécies ou até mesmo o Homem tendo dominado à sua superfície (aqui como noutros objetos integrando uma História maior a do nosso Sistema, da nossa galáxia do Cosmos).

12022464_821476234637884_3548378118043652347_o.jpg

Lucifer Vs. Deus

Com este fenómeno registado na Gronelândia a ser para já único (nesta zona com a temperatura por uma ou outra vez tendo ultrapassado momentaneamente o “Zero” sobre a camada superficial de gelo, mas nunca tendo chovido só nevado) resultado do aparecimento de anticiclones antes mais afastados, fazendo descer em altitude camadas atmosféricas à medida que se movimentam (em altitude, descendo) aquecendo camadas inferiores:

Como o nosso conhecido anticiclone doa Açores subindo igualmente ao longo do Oceano Atlântico (agora mais a norte) influenciando não só o nosso clima mas o de territórios adjacentes.

Isto para já não falar do Polo Norte e das suas coordenadas geográficas, com o seu eixo virtual a continuar a deslocar-se em direção à Sibéria − não será esta mais uma manobra de Vladimir Putin em estreita colaboração com Xi Jinping (o Eixo do Mal em ascensão) e agora que Joe Biden (o Cruzado e símbolo do Eixo do Bem) anda nas nuvens (pelo menos a sua cabeça) para agora e em conjunto formatarem a geologia da Terra (mostrando-se mais poderosos que a mesma, mais poderosos que um planeta, talvez mesmo que os Extraterrestres ou até um asteroide) segundo o que estes Homens Poderosos o desejam?

Ainda-por-cima com a Europa roubado o último cêntimo (dos rendimentos) da velhinha − vindo dos tempos coloniais – sem sequer disfarçar e até usando as mesmas estruturas/mecanismos (arquitetónicos e legais, os quarteis, os filhos dos militares, evoluindo da pistola para o papel igualmente podendo matar) teve que assumir definitivamente o seu papel de “SUPER prostituta mental”:

Desmentido o poder das armas (antes querendo-se tropas) e desmascarados os terroristas-especialistas, sendo eruditos apenas no papel (depois querendo-se doutores) higiénico e aí deixando a sua verdadeira marca.

(imagens: envolverde.com.br – cartoonmovement.com – facebook.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:31

Tendências ─ Aceleração, Achatamento, Desintegração

Sexta-feira, 09.04.21

Utilizando o conhecimento científico sobre o que acontece a objetos quando lhes imprimimos um movimento de rotação ─ lembrando-me logo do pião (e da letra de uma música infantil portuguesa)

 

PIA24376.jpg

Anã-Castanha 2MASS J0348-6022 e planetas Júpiter e Saturno

(PIA24376)

 

Eu tenho um pião, um pião que dança,

Eu tenho um pião, vem na minha mão.

Gira que gira o meu pião,

Mas não tu dou, nem por um tostão.

(mamalisa.com)

 

No seu movimento em torno do seu eixo (virtual) sendo sujeito a forças centrípetas ─ e alargando-o (o conhecimento) a outros mecanismos mais ou menos complexos e semelhantes (como carrosséis e planetas),

 

Com os especialistas da NASA utilizando como referência a velocidade de rotação (imprimida ao objeto), apresentando-nos o que aconteceria (ao objeto) à medida que se fosse aumentando esse parâmetro (a sua velocidade):

 

Colocando em cena os planetas Saturno e Júpiter e a Anã-Castanha 2MASS J0348-6022 (um corpo celeste “falhado”, estando entre uma planeta-gigante e uma estrela-pequena) e por comparação

 

(com o sucedido com outros objetos sujeitos a forças centrípetas como o pião, mas podendo ser igualmente objetos líquidos ou gasosos) observando os efeitos dessa aceleração (confirmando o esperado).

 

À medida que se ia aumentando a velocidade e em função da massa do corpo celeste, notando-se um achatamento na forma dos planetas/anã-castanha ou então um alargamento da sua faixa central (equatorial),

 

Aumentando-se a velocidade,

aumentando-se a força centrípeta.

AcelerandoAchatando/AbaulandoDesintegrando

 

Tornando-se essa velocidade de rotação cada vez maior (levando-a a um extremo) levando a um aumento das forças centrípetas, podendo conduzir o planeta à sua total desintegração. Aqui mostrando-se três exemplos dessa evolução (mas com os corpos celestes intactos).

 

(imagem: photojournal.jpl.nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 05:12

2I/Borisov

Segunda-feira, 05.04.21

“Tal como OUMUAMUA, 2I/BORISOV, um objeto vindo de outra estrela (dum “Outro Mundo”), do espaço INTERESTELAR (distante, misterioso, desconhecido, o “sonho de qualquer criança”).”

 

eso2106a.jpeg

Objeto Interestelar

2I/BORISOV

(ao centro)

 

A revelação feita pelo astrónomo Stefano Bagnulo (do Observatório e Planetário de Armagh na Irlanda do Norte), afirmando que o cometa e objeto INTERESTELAR tendo passado recentemente no interior do (nosso) SISTEMA SOLAR ─ 2I/BORISOV atingindo o seu ponto mais próximo do SOL (ou periélio) a 7 de dezembro de 2019 ─ será se comparado (por ex.) com o nosso conhecido cometa HALE-BOPP (um dos maiores cometas observados no século passado) um objeto ainda “IMACULADO” (uma das consequências de) nunca tendo passado perto de uma estrela: nem da sua estrela de referência (nunca tendo passado perto dela, antes de ser ejetado, em direção ao Espaço Interestelar) nem do Sol (a cerca de 300 milhões de km) ─ sendo “Virgem”. Com quase 1Km de dimensão e deslocando-se a uma velocidade próxima de V= 180.000Km/h (não podendo, portanto, e devido a V ser capturado pelo Sol, seguindo viagem) continuando no presente a afastar-se de nós (Sol/Terra) localizando-se hoje (5 de abril de 2021) a cerca de 1.500.000.000 Km de distância (10UA): ainda no interior do Sistema lá para os lados de Saturno e a caminho de Úrano. Tendo já passado por cá um outro objeto extrassolar, o asteroide/cometa Interestelar designado como OUMUAMUA (descoberto dois anos antes em 2017).

 

(imagem: universetoday.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:21

Espaço ─ Cenário de Fuga

Segunda-feira, 15.03.21

“Torturados por um organismo-grande (Homem) e perseguidos por um outro organismo-pequeno (Vírus), olhando cada vez mais para o único-gigante, cenário de sobrevivência e de fuga (Espaço).”

 

snapshot 1.jpgsnapshot 2.jpg

Passagem do objeto desconhecido entre a Terra e o Sol

(fevereiro 2007)

 

Chegados ao século XXI ainda olhando para o céu ─ e nele tentando encontrar respostas ─ graças à ciência e à tecnologia e apesar de estarmos muitas vezes enclausurados (num quotidiano miserável e repetitivo, alternando entre uma definição de prazer e uma definição de dor), ainda arranjamos tempo e espaço (cada vez mais caros hoje em dia) para através de outras vias (de comunicação como a WEB) mantermos uma remota esperança de (um certo dia) encontrarmos o que desde sempre (desde que temos consciência) procuramos.

 

E em vez de nos interessarmos por histórias com um final há muito decretado (replicado sucessivamente e sem fim, mesmo sabendo-se o molde já desgastado) ─ de um paraíso natural passando-se  para um pesadelo climatizado ─ desviando-nos para inglórios e maus caminhos, deixando-nos agora manipular pelos outros (perdidos como nós) e pela sua forma de apresentação (exposição do conteúdo): desde logo e por oposição (à lógica predominante do sistema) virando as costas (ao afirmado como racional) e olhando em frente (ao referido como irracional).

 

snapshot 4.jpg

 

Colocados perante a realidade, optando (como seu complemento) pela imaginação.

 

Nesta nova informação recolhida por “Behind The Scenes” (youtube.com), com a mesma disponibilizando-nos imagens de dois eventos passados na proximidade da nossa estrela (o Sol), nesse registo sendo possível de observar o trânsito de dois objetos (um por identificar, outro identificado) atravessando-se entre a Terra (nós) e o Sol (impedindo por segundos a visão total deste último), posteriormente prosseguindo e desaparecendo: um deles sendo o objeto por identificar (desde há 14 anos sem resposta) ─ registado pelas câmaras das sondas da NASA STEREO B (inoperacional na atualidade) ─ o outro (apenas usado como termo de comparação) sendo a Lua.

 

Trânsito de dois objetos diante do Sol, apresentando (a partir de observação não privilegiada, a NET) formas (diferentes dimensões), enquadramentos (no tempo) e comportamentos diferenciados (um acelerado outro nem tanto). E se um deles sendo a Lua, o outro só podendo ser (não se percebendo, como uma mera anomalia) algo de natural ou artificial: tendo em mãos o segundo caso (o que nos interessa) sendo de estranhar o não esclarecimento deste evento pela NASA ─ não sendo um corpo celeste desconhecido (colocando-nos a questão, “passando por perto e não sendo identificado?”) ─ deixando-nos sempre na dúvida se na realidade tínhamos visto alguma coisa (por exemplo um planeta em trânsito) ou se não seria mesmo algo de criação artificial, podendo ser comandado à distância (sonda automática) ou em regime presencial (nave espacial tripulada).

 

snapshot 5.jpgsnapshot 6.jpg

Passagem da Lua entre a Terra e o Sol

(termo de comparação c/ a passagem anterior)

 

Pegando-se em imagens da Lua e comparando-as com imagens da missão STEREO ─ apresentando-nos um objeto por identificar, registado em vídeo em 2007 ─ levantando-se imediatamente questões (como se não procurássemos a solução, mas a aventura e o mistério) sobre o ocorrido e não surgindo (entretanto) explicações, optando-se por outras vias denominadas como alternativas (SOFT) ou adeptas das teorias da Conspiração (HARD): não se pronunciando os terrestres e ninguém ou nada intervindo, surgindo muito “naturalmente” os ET’S. Assim em fevereiro de 2007 uma mega nave espacial passou entre a Terra e o Sol ─ e quem a viu (e registou) não fomos nós (o Homem) foi uma máquina.

 

(imagens: Behind the Scenes/youtube.com/13.03.2021)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:49

ISS Live Feed – Mostrar & Cortar

Sábado, 25.01.20

Perante estas imagens oriundos do Espaço tão próximo rodeando a Terra − entregues inadvertidamente para nosso usufruto pelas câmaras da ISS (a menos de 400Km de altitude) − com todos e cada um de nós e face à estranha (parecendo deliberada) falta de informação (qual a justificação?), a termos o direito e o dever de podermos assumir como uma entre muitas probabilidades, estarmos perante a presença de Extraterrestres (para os norte-americanos, não sendo alienígenas mexicanos, podendo até ser russos ou chineses).]

 

NASA abruptly cuts live feed ISS after THIS appears over the U.S.

(Ufo Sightings Hotspot e Very Top Secret Information)

 

nasa-iss-live-feed-ufo.jpg

Anomalia

(aparecendo antes do corte, à frente das câmaras da ISS)

 

Numa apresentação [ufosightingshotspot.blogspot.com] e [verytopsecret.info], mais um registo de um observador (Jujubee’s Adams) das transmissões em direto e ao vivo da Estação Espacial Internacional (ISS), referido à passada quarta-feira (janeiro, 22): com as câmaras da ISS viradas para a escuridão do Espaço − rodeando-a e ao nosso planeta − repentinamente sendo surpreendidas pelo aparecimento diante delas de um objeto estranho e brilhante (um UFO), para logo de seguida a transmissão (segundo a NASA ou por perda de sinal ou por necessidade momentânea) ser interrompida.

 

I just turned on my ISS app

just to take a look like I usually do.

This appeared. Some kind of object or what?

So I took photos and a video.

It only lasted under a minute before the cut the feed.

Wow dumbfounded!

(Jujubee's ADAMS/youtube.com)

 

Um exemplo entre muitas outras observações desde há muito divulgadas e oriundas de transmissões ao vivo da ISS, curiosa e invariavelmente sendo interrompidas sem nenhum tipo de explicação devida aos seus (muitos deles fiéis) espetadores − senão uma versão norte-americana dos slogans justificativos portugueses (numa tradição RTP), “devido a problemas técnicos” e “regressamos dentro de momentos e naturalmente (pela repetição) deixando-os (e a nós) muito desconfiados: podendo ser projeções (presenciais ou não) de um Outro Mundo, como simples projeções (como por exemplo artefactos) terrestres.

 

(imagem: Jujubee's ADAMS/youtube.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:02

Objeto Enorme e Cilíndrico Avistado em M42 Orion

Quinta-feira, 07.12.17

Na passada sexta-feira (dia 29 de Novembro de 2017) um astrónomo amador norte-americano do estado da Carolina do Norte (utilizando um telescópio Newtoniano) observando a região do Espaço onde se localiza a nebulosa M42 ORION, registou nas imagens recolhidas (e gravadas) pela sua câmara fotográfica a passagem de um objeto estranho (movimentando-se) e com forma cilíndrica.

 

UFO Sighting in North Carolina on 2017-11-29 22:00:00

 

interstellar cylinder UFO  (2).jpg

Nebulosa M42 ORION e misterioso objeto de forma cilíndrica

(telescópio Newtonian)

 

“I was out collecting data on m42 orion nebula , as i was fine focusing my 8 in astrograph / newtonian telescope this appeared on my laptop screen after the 1st i ran 5 frames @ 30.2 second sequence and it shows the movement of the objects at the bottom of the frames. the single cigar shaped object was captured in a single 30.2 second frame and the 5 frame sequence followed because i'd thought the thrill was over not the case. it had backup right behind it in the sequence. it's not the 1st and surely not the last as i search the night sky for galaxies , nebulae and the truth that's out there.” (ufomg.com)

 

interstellar cylinder UFO  (1).jpg

O objecto de forma cilindica

(avistado em M42 ORION)

 

“It's not the first and surely not the last as I search the night sky for galaxies, nebula and the truth that's out there.” (astrónomo amador)

 

Pela sua forma (não muito comum de se observar) e pela sua inesperada aparição no registo (a 1ª vez que o astrónomo amador o observava numa região já por diversas vezes pelo mesmo explorada) deixando o astrónomo bastante intrigado, acabando o mesmo por propor este CASO a uma conhecida (e credível) organização dos EUA (criada em 1969) especialista no estudo de casos (semelhantes) envolvendo objetos não identificados (ou OVNI/UFO):

 

OrionDust_Battistella_1824.jpg

Nebulosa M42 ORION localizada a 1500 anos-luz de distância

E estendendo-se no Espaço por 40 anos-luz

(no mesmo braço em espiral da nossa galáxia a Via Láctea)

 

A MUFON (mufon.com/caso nº 88566). Numa aparição (e como sugere o Site Ufo Sightings Hotsopots) na sua forma cilíndrica apresentada (semelhante à de um Cigarro), recordando-nos a passagem recente do objeto Interestelar OUMUAMUA perto de nós (agora a caminho de Júpiter e de Saturno) oriundo do Lado de Lá (dos limites do Sistema Solar) e também com essa forma estranha (por não ser comum a um corpo celeste deste tipo cometa ou asteroide).

 

(imagens: ufosightingshotsot.blogsopt.pt e nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:38

Sendo Um a Imagem do Outro

Sábado, 29.07.17

“Stephen Colbert Is Creating A Cartoon TV Show About Donald Trump”

(HUFFPOST)

 

Numa luta infernal e incompreensível pela conquista do mesmo papel

(sujeito = objeto)

 

Numa única projeção apresentando duas Marionetas (1 e 2) basicamente com o mesmo conteúdo (bastando para o constatar espreme-las): uma (1) considerando-se real por maltratar o boneco (segundo os adultos como o fazem todas as crianças), a outra (2) retratada como Imaginária por levar e não responder (o que carateriza um boneco).

 

597a44bb1500007d208b3ec2.jpg

Duas das derradeiras faces do Dólar

(Geração US Dólar/FMI/Washington)

 

Com um boneco (1) tipo Chucky (um objeto desejando ser sujeito), julgando-se superior e adotando um pensamento estilo Zombie (categorizado e certificado para as massas e pelos Media como ser Humano), superiorizando-se a (2) um ser inconstante e sem controlo (efetivo) por não necessitar de ser condicionado e manipulado.

 

Num curto prazo e como já o afirma a Presidente do FMI com a sede do mesmo organismo Mundial a poder transferir-se de Washington/USA para Pequim/China.

 

Numa luta entre 2 projeções coincidentes alimentando-se do mesmo mercado, mas por um ou outro parâmetro considerado simétrico julgando não terem nada em comum nem poderem ser imagens de coordenadas iguais (quando o são), apenas pela sua posição (momentânea) e não de acordo com a sua equação (matemática): bastando imaginar o eixo e pelo mesmo dobrar o plano.

 

(imagem: huffingtonpost.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:57

Sinais Disruptivos nos Anéis de Saturno

Domingo, 05.03.17

“Uns dizem uma lua (natural) outros diriam uma nave (artificial) – e nenhum deles deixando de ter (a sua) razão.”

 

PIA21433.jpg

Saturno – Anel A

Presença de uma lua não identificada

Sonda Cassini – PIA 21433 – 21 Fevereiro 2017

 

Oriundas do segundo maior dos oito planetas integrando atualmente o Sistema Solar (há alguns anos atrás eram nove, nessa altura integrando o agora despromovido a planeta-anão Plutão) e sendo conhecido como um dos dois planetas Gigantes Gasosos localizados para além da Cintura de Asteroides, o planeta Saturno apresentando um diâmetro quase 10 X o da Terra, além de outras características comparativas como

 

Características

Terra

Saturno (X Terra)

Área

1

84

Volume

1

764

Massa

1

95

Densidade

1

1/8

Gravidade

1

 

E estando localizado a uma distância do Sol muito aproximada dos 1500 milhões de Km (10 X mais distante do Sol que a Terra – enquanto a luz do Sol demora um pouco mais de 8 minutos a cá chegar a Saturno demorará mais de 80), com um período de rotação de pouco mais de 10 horas (na Terra 24) e demorando cerca de 29 anos a dar uma volta completa ao Sol, aparece-nos aqui com os seus famosos anéis a serem perturbados na sua órbita habitual por um pequeno objeto, deslocando-se nas suas proximidades ou entre os mesmos. E na sua própria deslocação em torno de Saturno provocando alterações visíveis nos anéis circundando o planeta, como se o objeto os tivesse momentaneamente a atravessar e a romper – originando as referidas ruturas nos tão famosos, fantásticos, únicos e visíveis anéis (com um simples telescópio a partir da Terra) deste Gigante maioritariamente gasoso e eventualmente com um núcleo rochoso. Um Mundo pela sua distância ao Sol com temperaturas médias muito baixas (na ordem dos 140⁰C negativos) e com a sua atmosfera a ser composta essencialmente por hidrogénio (96%) e uns pozinhos de hélio (3%) e metano (0.4%). Nem se sabendo bem onde acaba o céu (a atmosfera) e começa a terra (a superfície rochosa) com a sonda automática Cassini a terminar a sua já longa missão em torno deste planeta no próximo dia 15 de Setembro, altura em que mergulhará na atmosfera do Gigante Gasoso e se perderá no interior da maciça, opaca e misteriosa camada de nuvens envolvendo todo o planeta. E esperando-se que pelo menos envie alguns dados antes de deixar de comunicar – e deixando por aqueles lados apenas a sonda Juno (orbitando há poucos meses o outro Gigante Gasoso Júpiter – mas para já sem grandes imagens e apresentando desde logo problemas técnicos).

 

XXX.jpg

XXX1.jpg

Anéis de Saturno

Objeto Santos Dumont

(Ampliação da imagem anterior)

 

Nesta imagem que aqui nos traz a sonda Cassini passados apenas onze dias sobre o seu registo no próprio local, com um objeto de pequenas dimensões a interferir com a região dos anéis A de Saturno alterando a sua forma e disposição e “funcionando como uma hélice propulsora” dispersando material à sua volta e à sua passagem (muito provavelmente constituintes dos anéis e do próprio objeto). Denominado como Santos Dumont (o famoso aviador brasileiro) e nesta imagem sendo visível (na altura) a sua face iluminada/em cima e a sua face não iluminada/em baixo – e como dizem os técnicos da NASA “com um nível de detalhe sem precedentes”.

 

E com os mesmos especialistas a informarem-nos sobre a diferente coloração dos anéis, dependendo os mesmos da densidade do material aí existente (e que os constitui e lhes dá forma) ser maior ou ser menor – fazendo variar a imagem entre a cor (maior quantidade de material e refletindo a luz) e a ausência de cor (menor quantidade de material ou sendo visto de um dos lados parecendo escuro/por opaco mas podendo conter grandes quantidades); assim como o do seu acompanhamento já lá vai uma década dessa pequena lua Santos Dumont (com a sonda a andar por lá há mais de doze anos). Graças a todo o conhecimento adquirido pelo Homem ao longo destes anos de Aventura, de Descoberta e de início da Conquista do Espaço e com o mesmo Homem aliado a todo o desenvolvimento Tecnológico extraído dessas suas experiências repetidamente adquiridas e consolidadas (e acima-de-tudo aceitando a evolução), conseguindo alcançar feitos extraordinários e nunca antes julgados possíveis – mesmo a 1500 milhões de Km de distância de tão pequeníssimo objeto, perdido e mal visível entre os anéis de Saturno: como o de medir essa lua e estimá-la aproximadamente em 1Km de tamanho.

 

(imagem: NASA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:53

Objetos por Definir

Quarta-feira, 08.02.17

No Espaço e no Tempo conjugando a Velocidade

(da Matéria em Movimento num Universo Eletromagnético)

 

Pegando numa das fórmulas mais conhecida da física relacionando tempo (T), espaço (E) e velocidade (V) – T = E/V – facilmente concluiremos que só existem duas hipóteses para um dia no Futuro podermos fazer grandes viagens (interplanetárias, intergalácticas e ainda mais além): ou conseguimos anular o espaço (fazendo coincidir diferentes planos e pontos de interseção do Universo) ou tentamos aumentar a velocidade sendo o ideal V = Infinito (neste caso anulando a fração e tornando a deslocação instantânea – T = 0).

 

outer_orb.jpg

Sistema Solar

(órbita de Marte, dos planetas exteriores e do planeta-anão Plutão)

 

Uma boa forma de se definir um determinado objeto será sem dúvida utilizando (se tal for possível) todos os nossos órgãos dos sentidos – e fazê-lo presencialmente sendo nós (pessoalmente) a manipulá-lo: olhando-o (olhos), sentindo-o (pele), escutando-o (ouvido) e se tal for mesmo necessário (por exemplo sendo uma iguaria astronómica) cheirando-o (nariz) e provando-o (língua). No caso da Terra sendo para nós um objetivo relativamente acessível de se concretizar (com os nossos órgãos sensoriais adaptados ao meio ambiente onde sempre viveram e evoluíram) e simultaneamente fácil de se alcançar (pelo menos à sua superfície e em áreas adjacentes – em altitude e profundidade) – com o planeta apresentando distâncias alcançáveis para o comum dos Humanos (Diâmetro da Terra/equatorial = 12.756Km e Perímetro da Terra/equatorial = 40.074Km). Uma viagem de curta duração (tendo em conta a nossa média de anos de vida) se algum de nós quisesse dar uma Volta ao Equador Terrestre:

 

Meio de Transporte

Modelo

Velocidade

(Km/h)

Duração

(Volta ao Equador)

A pé

USAIN BOLT

38

44 (dias)

De carro

TKR

430

4 (dias)

De avião

X-15

7.273

5,5 (horas)

De nave espacial

NEW HORIZONS

58.000

42 (minutos)

(valores aproximados)

 

Já no caso de tentarmos definir um objeto declaradamente fora do nosso alcance (e a distância é algo de limitativo, dada a nossa média de tempo de vida e o limite que a velocidade ainda nos impõe) e podendo nós em hipótese viver 80 anos e viajar no Espaço a 265.000Km/h (velocidade máxima atingida pela sonda Juno relativamente à Terra na sua aproximação a Júpiter), sendo tudo muito mais difícil dadas as distâncias imensas e as circunstâncias do tempo: tendo como exemplo o Sol – o nosso centro e referência – localizado a 150.000.000Km (da Terra). Se utilizássemos a sonda automática Juno à sua máxima velocidade para atingirmos o Sol, demorando quase 24 dias para o alcançar – quando a luz do Sol para fazer o mesmo trajeto demoraria pouco mais de 8 minutos. Uma das razões pela qual a presença do Homem tem sido dispensada nas grandes viagens através do Sistema Solar (substituído por máquinas).

 

PIA17178.tif

De Saturno vendo-se um quase impercetível ponto-azul Úrano

(canto superior esquerdo)

 

Pensando bem e dada a dimensão do Sistema Solar (nem sequer nos atrevendo a ultrapassar os limites do mesmo e para já refugiando-nos na nossa Imaginação), tendo que nos convencer que dadas as limitações com que hoje nos confrontamos – sejam científicas, técnicas e até de conhecimento (a mais grave) – e se entretanto não se der uma revolução tecnológica e científica qualquer (mas que não seja secreta e se propague por toda a Humanidade), o tempo limitará sempre o nosso destino tornando o Espaço (nalgum dos seus muitos pontos) intransponível. Bastando para tal analisar a dimensão do nosso Macro Ecossistema – e saber onde o mesmo na realidade termina (mesmo que virtualmente e para nosso conforto). Vejamos pois algumas distâncias que teríamos que percorrer e o respetivo tempo que teríamos de despender, se algum destes dias do nosso Futuro se quisesse atingir um outro planeta, o último planeta, a derradeira fronteira (referindo o Sol como origem da viagem, face à relativa e pouca distância da Terra ao Sol – começando a ser desprezível se comparada com a do Sistema e mais além) e já agora a próxima estrela:

 

Local

Distância Média ao Sol

(milhões Km)

Duração Viagem

Sonda

(V=50.000Km/h)

- Em Anos

Duração

Viagem

Luz

(V=300.000Km/s)

-Em Horas

Marte

228

0,5

0,2

Júpiter

779

1,8

0,7

Plutão

5.900

13,5

5,5

Cinturão de Kuiper

4500-8000

10,3-18,3

4,2-7,4

Limite da Heliosfera

18.000

41,1

16,7

Nuvem de Oort

7.500.000

17.123

6944 (ou 0.8 anos)

Proxima Centauri

40.000.000

91.324

37.037 (ou 4.2 anos)

(valores aproximados)

 

Recordando-nos da imagem da Terra (um pequenino ponto, de difícil observação e perdido na escuridão do Espaço) obtida a partir das 2 câmaras instaladas na sonda automática Cassini (orbitando Saturno a mais de 1350 milhões de quilómetros do nosso planeta) para logo a associarmos a Úrano, um planeta de diâmetro maior que o da Terra (4x), aqui muito mais afastado das objetivas da sonda (4290 milhões de quilómetros) e desse modo também se apresentando como um ponto pequenino, perdido para além dos anéis de Saturno – mal se vendo apesar da sua cor azul motivada pela presença de metano na sua atmosfera (pois sendo maior que a Terra estando a uma distância muito superior – das câmaras). Na altura do registo (já com quase 3 anos) com a sonda Cassini circulando a pouco menos de 1 milhão de Km de Saturno.

 

(alguns dados e imagens: nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 09:28

Olhando para Algo do Outro Lado do Céu

Sexta-feira, 02.12.16

Podendo até ser o reflexo no Espaço

De algo de nosso na Terra

 

“Com as notícias da atualidade terrestre mais impactantes a serem de momento a eleição de Donald Trump como presidente dos EUA (contrariando todas as previsões incluindo as dos seus apoiantes que apontavam para a vitória do seu principal adversário) – como se estes fossem o Centro do Mundo – e a trágica morte de mais de setenta passageiros a bordo de um voo duma companhia aérea boliviana (incluindo a quase totalidade duma equipa de futebol brasileira, que iria disputar a 1ª mão da final da Copa Sul-Americana de 2016) – como se todos os dias não se matassem em guerras declaradas ou não centenas de inocentes. Restando-nos olhar para o Céu para quebrar a monotonia deste ciclo infernal (inspirado no lucro e na Guerra e na pureza catártica da Morte).”

 

20161130_051801_s7h1A.jpg

Figura 1

STEREO Ahead HI1

(30.11.16 – 05:18:01 UTC)

 

Na ânsia de finalmente fugirmos às grilhetas (económicas e morais) que deliberadamente nos impuseram (tecnicamente como uma pala de proteção e orientação ideológica) nos terminais dos nossos membros diretamente comandados pelo nosso cérebro (ideologia essa tendo o seu apogeu com a prática da lobotomia como processo curativo) e como único método ainda possível mesmo num mundo apenas imaginado (o imaginário faz indubitavelmente parte do real completando-o) de nos livrarmos definitivamente do nosso pensamento contraditório (vivendo uma vida limitada num Universo Infinito) imposto pelos limites cronológicos do nosso nascimento e morte (num conluio político-religioso exclusivamente interessado na manutenção do poder e do status quo), nunca nos poderá espantar que nos tempos atuais onde muita coisa se passa sem que a compreendamos minimamente (provocada pela disseminação dos novos analfabetos, certificados agora e por puro oportunismo como sendo especialistas) e onde por outro lado as estradas de comunicação são cada vez maiores, mais profundas e como consequência incontroláveis (as quais mais tarde ou mais cedo terão que ser interrompidas para a sobrevivência do Sistema), tudo o que de estranho, nunca visto ou devidamente explicado que nos surja diante de nós (de preferência à nossa vista direta ou mesmo indireta) seja explorado e espremido até ao limite: nenhum de nós querendo morrer (tal como definimos a morte como um estado irreversível) ainda-por-cima sabendo-se o que Lavoisier afirmara alguns anos atrás – “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Numa prova (ou desejo) de que existiria algo mais.

 

where_is_stereo.gif

Figura 2

Posição da STEREO Ahead (A) e da STEREO Behind (B)

(relativamente ao Sol e à Terra)

 

Nesse sentido socorrendo-nos agora de imagens divulgadas pelo site da NASA responsável pelas sondas STEREO (figura 2 – dois observatórios espaciais colocados um à frente da Terra e o outro seguindo-o mais atrás na mesma órbita), nas quais e a partir da sonda STEREO Ahead é possível observar-se a presença de um objeto desconhecido, de grandes dimensões e de forma esférica, reaparecendo como já o fizera anteriormente (com registo) diante de uma das suas câmaras (figura 1 – de um conjunto de seis imagens consecutivas): podendo-se supor ou imaginar que este objeto seria uma nave espacial, um corpo celeste desconhecido ou seguindo outro ponto de vista mais consistente e credível, não passando de mais um problema técnico registado nas câmaras das sondas (provocado não se sabe bem porquê, certamente devido a efeitos tendo como origem o Sol). Num momento em que uma das sondas (STEREO Behind) se encontra incontactável desde 23 de Setembro deste ano, como consequência de graves problemas ocorridos no hardware responsável pelo controlo e orientação da missão – mas nunca se explicando as causas e as fontes exteriores (que não a influencia do Sol). Numa sequência de imagens para todos os leigos estranha, registada entre as 05:00 e as 15:00 UTC do passado dia 30 (de Novembro), curiosamente e em condições semelhantes tendo já ocorrida anteriormente (e nunca explicada de uma forma convincente, talvez por ignorância dos técnicos), expondo-nos um objeto tendo algo de familiar parecendo um planeta (o que dada as suas dimensões e grande proximidade já teria provocado grandes cataclismos na Terra, sugerida a hipotética tese de ser Nibiru) e que no entanto podendo até ser alternativamente uma nave extraterrestre, nos lança numa outra proposta e numa outra visão do Mundo: com o Homem habitando uma esfera (interior e exterior a outras esferas), refletindo na sua tela todo o conjunto (sem fim por replicado) que a forma e sustem e nele criando a ilusão (a sua realidade) de fazer parte de algo para si (sobretudo) criado, mesmo que instalado num confortável sofá, comendo pipocas e bebendo cola, enquanto vemos no ecrã a nossa própria imagem – e não a reconhecendo nos rimos dela.

 

(texto: sobre notícia ufosightingshotspot.blogspot.pt – imagens: nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:39