Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

21
Jan 17

Realçando nesta imagem (para além do fascínio pela mistura de cores) o violento turbilhão atmosférico provocado pela circulação de nuvens a grande velocidade, localizado a sudoeste de uma das oito Pérolas até agora descobertas no longínquo planeta Júpiter. E por se assemelhar muito a muitas das criações ditas artificiais (e inteligentes).

 

A Pérola aqui apresentada faz parte de um conjunto de oito formando o conhecido “Coral de Pérolas” de Júpiter, sendo uma das oito tempestades maciças circulando à latitude aproximada de 40⁰ sul do planeta.

 

PIA21377-1.jpg

Uma das Pérolas de Júpiter

(à esquerda)

 

Enquanto a sonda automática JUNO enviada da Terra em direção a JÚPITER não nos envia mais imagens desse Gigante Gasoso considerado o maior de todos os planetas (conhecidos) integrando o Sistema Solar (lembremo-nos que são oito após a despromoção a planeta-anão de Plutão), lá nos vamos entretendo com uma imagem já com mais de um mês (reportada pela NASA a 11 de Dezembro) agora processada por um cientista amador de nome Eric Jorgensen.

 

Segundo dados da NASA uma imagem registada pelas câmaras da sonda Juno quando a mesma se encontrava a apenas 24.000Km de distância da atmosfera de Júpiter, apresentando-nos com razoável resolução uma das famosas PÉROLAS, assim como o desenvolvimento e deslocação das nuvens cobrindo toda a superfície localizada a sudoeste (desse círculo branco). Uma das Pérolas do Colar de um conjunto mais vasto de oito.

 

Num trabalho desenvolvido a partir da imagem original captada pela sonda Juno (e posteriormente editada pela agência espacial NASA) e que há falta de outras imagens que nos pudessem fazer refletir sobre outros pormenores igualmente interessantes (sobre Júpiter), levaram (meritoriamente) o cidadão-cientista Eric Jorgensen a realçar cores e formas (originais) para dessa forma realçar certos detalhes.

 

Ficando-se aqui à espera que a única presença do Homem nas proximidades de tão longínquo planeta a partir de 15 de Setembro (data em que a sonda CASSINI se suicidará, impactando com o seu vizinho Saturno o outro Gigante Gasoso), nos presenteie rapidamente com mais algumas imagens deste misterioso planeta, talvez primitivo e talvez jovem, mas que certamente um dia (e até como ponto obrigatório de passagem) nos poderá oferecer o Futuro ou então fazer o seu anúncio.

 

Alguém sabe o que se esconde para lá das densas nuvens?

 

(imagem: Uma das Pérolas de Júpiter – PIA 21377)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:33

18
Dez 16

Agora que a sonda automática JUNO já se encontra em órbita de JÚPITER (lançada da TERRA em Agosto de 2011 e chegando ao seu destino em Julho de 2016) começa a chegar ao público as primeiras imagens enviadas deste GIGANTE GASOSO (e maior planeta do SISTEMA SOLAR) localizado a quase 800 milhões de Km do SOL.

 

PIA21219.jpg

Júpiter – 11 Dezembro 2016

(JUNO – PIA 21219)

Com Juno a 24600Km de Júpiter

 

Uma realidade que até agora só era possível utilizando uma outra sonda norte-americana lançada no último trimestre de 1989 e tendo entrado em órbita deste planeta no final de 1995: a GALILEU inicialmente transportada para o espaço a bordo do vaivém ATLANTIS e posteriormente lançada em direção a Júpiter e às suas quase 70 luas.

 

Uma sonda já com mais de 20 anos de atividade em torno deste planeta gigante e que conjuntamente com uma outra dirigida a um vizinho (aqui numa iniciativa conjunta NASA/ESA/ISA) se focou nos planetas, exteriores mas mais próximos: caso da sonda CASSINI-HUYGENS lançada em 1997 e atingindo SATURNO em 2004 (12 anos de atividade).

 

Sondas automáticas (GALILEU e CASSINI-HUYGENS) que ao longo de todos estes anos nos têm presenteado através das lentes das suas câmaras com imagens espetaculares desta longínqua região do nosso Sistema (situada para além da Cintura de Asteroides e pertencendo ao grupo dos Planetas Exteriores) ainda tão misterioso para o Homem.

 

E que para além do cumprimento de todos os objetivos pretendidos para estas missões – como estudar os planetas, as suas luas, outros corpos celestes e até testar a teoria de EINSTEIN – ainda assistiu a fenómenos incríveis (como entidade mecânica) nunca vistos por estes lados (pela entidade biológica): como o foi o impacto do cometa SHOEMAKER-LEVY 9 com JÚPITER em 1994 (testemunhada pela GALILEU).

 

Podendo-se desfrutar agora de imagens (em princípio) com melhor resolução e através da sua análise melhor compreender o Gigante, a região que ocupa e todo o Sistema Solar: origem, evolução e estrutura. Como é o caso da imagem inicial fornecida pelas câmaras instaladas na jovem sonda JUNO mostrando-nos o HEMISFÉRIO SUL do planeta JÚPITER.

 

Cingindo-nos à imagem inicial enviada pela sonda JUNO e tendo como alvo o planeta JÚPITER, com as suas câmaras a proporcionar-nos a observação de tempestades formando-se à superfície deste planeta (círculos brancos) no seu hemisfério sul (rodando no sentido contrário ao dos ponteiros dos relógios) – no seu conjunto formando as conhecidas Pérolas de Marte (variando nos últimos 30 anos entre 6 e 10).

 

Um privilégio não só destinado aos técnicos da NASA como igual e generosamente posto à disposição do público em geral: não oferecido sem pedir nada em troca, neste caso solicitando-nos apenas (às claras e de uma forma honesta) o nosso próprio envolvimento (e compromisso) no seu projeto em Júpiter. Oferecendo guloseimas a crianças interessadas.

 

(dados e imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:33

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO