Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

02
Dez 19

“São Malaquias foi considerado um santo,

visionário e responsável por muitos milagres.

Entre suas profecias, foi-lhe atribuída uma lista dos papas

desde a sua época até o fim do mundo.”

(pt.aleteia.org)

 

end-of-world.jpg

Fim do Mundo

 

Com a Terra que habitamos (pelo menos neste Ciclo Evolutivo, entre Saltos Civilizacionais) e segundo os especialistas (de alguma forma ou de outra, religiosos, afirmando-se crentes ou ateus) continuando na rota do seu FIM-DO-MUNDO − já por muitos (leigos como eruditos) e por várias vezes previsto, mas nunca concretizado – e no entanto com o mesmo (dia do Juízo Final) passados mais de 2000 anos (DC) e de centenas de anunciações da Segunda Chegada de Cristo à Terra ainda  não ter chegado (finais de 2019) – entre as mais conhecidas e divulgadas estando a de Nostradamus (França, 1503/1566, alquimista, vidente e profeta), entre as mais recentes e com impacto a de Charles Manson (EUA-1934/2017 − assassino mundialmente conhecido pelos crimes praticados pelo seu grupo, a partir do rancho de Spahn na Califórnia e prevendo um Apocalipse resultante da luta final Brancos Vs. Pretos) – ouvindo hoje falar de um Santo − SÃO MALAQUIAS − e tendo a terra onde atualmente vivo outro Santo − o BEATO VICENTE – pus-me a pensar no caminho percorrido por ambos nas suas respetivas vidas e pensamentos e da sua relação comum com o Fim-do-Mundo, o Dia do Juízo Final (o Dia do Arrebatamento, a Segunda Chegada de Cristo).

 

E vivendo num quotidiano de (mera) sobrevivência (monótono, repetitivo, miserável) integrado num cenário proporcionando-nos regularmente um trio infernal e omnipresente de “doença, guerra e morte” − matando-nos um pouco todos os dias – perguntando-nos como seria se a nossa morte fosse mesmo instantânea, confirmando-se para tal pelo menos uma das previsões – de preferência mais catastróficas e Apocalípticas, definitivas − proporcionando-nos ao mesmo tempo a nossa Morte e o usufruto (e logo no mesmo dia e perante o enviado à nossa imagem/Jesus do nosso Salvador/Deus) da nossa Ressurreição: e claro está para melhor nos prepararmos e ajudarmos os outros (todos ansiando senão pela prática/experimental/no corpo, pela certificação/oficial/virtual, o estatuto de Santo), a data de tal Evento de Extinção ou de Passagem e certamente referenciado (algo de normal como os Ciclos Solares, separando dois períodos de tempo, definidos mas pertencendo a um todo) a um Salto entre Ciclos. Vivendo numa grande urbe como o nosso Sistema Solar, com os nossos ascendentes (no Futuro) e com os nossos descendentes (no Passado) podendo ter nascido nesta casa e entretanto, partido (por movimento e necessidade evolutiva) para outra: podendo ser a nossa origem terrestre, interplanetária (por ex. ex-marcianos, ex-venusianos, etc.), extrassolar ou mesmo intergaláctica, como filhos (para já e como carbonizados, construídos em torno de C) que somos (únicos para uns, certamente que não para outros e ainda com outros afirmando não passarmos de uma entre muitas projeções) do Universo.

 

St-Malachy.jpg

São Malaquias

 

Colocando de lado a hipótese de uma entidade alienígena − Natural ou Artificial, seja isso o que for − fisionomicamente ou não como nós (podendo ser um monstro ou mesmo estando presente sendo indefinível, mas detetável − por posse de Alma ou Eletromagnetismo) mas de um nível superior, um dia poder interceder por nós (tendo fé nestes nos considerarem, não como exemplares, mas como seus iguais), bastando para se tirar alguma conclusão da eficácia de tal procedimento e da sua necessidade de aplicação, olhar para este cenário irreal por doentio e brutal erguido em torno “de armas e de morte” e construído  como um “ícone” (atualmente representado pelo Dólar) pela espécie aí (na Terra) dominante o Homem − dita inteligente e civilizada mas vistos os factos da história, não convidando a nada, senão a umas visitas (turísticas e  externas) ao Zoo. Aí e como solução e através de uma simples mistura (ex. alienas, política, religião), talvez se descobrindo a resposta e daí a solução (final): para descanso da nossa consciência, para mal dos nossos pecados, para uma possível reencarnação, dado só acreditarmos no que vemos − a Morte material − e não nos que nos faz funcionar (a Alma, o Eletromagnetismo), sendo humildemente e apenas mais uma entre tantas máquinas (composta por diferentes elementos, não limitados fisicamente e não só à Tabela Periódica) − diferentes, autónomas, dizendo-se (as únicas) BIO.

 

Retornando ao Fim do Mundo e às suas profecias (todas que se saibam e conheçam tendo origem no Homem, salvo este poder ter sido “impregnado” ou como dizem “iluminado”) e deixando para trás e de vez a questão fútil e desinteressante de estes (os nossos Salvadores) poderem ser Deuses ou Alienígenas, considerando todos à nossa imagem, como entidades eternas e superiores e optando inequivocamente pelos “seus  Deuses” − para tal limitando-se na análise, a olhar para o seu Espelho – aproveitando para falar de Santos, uns como simples missionários divulgando e tentando semear a sua religião − à custa de muitos sacrifícios e da sua própria vida (muitas vezes sendo martirizados) − e passando muitos vezes imerecidamente (para  eles e para as suas comunidades) como incógnitos desta nossa história − caso do Beato Vicente (numa missão maia mundana, modesta, humilde, terrestre) nascido em 1590 no Castelo de Albufeira, ordenado padre (aos 27 anos), partindo para o Mundo (Espanha, México e Filipinas) na concretização do seu objetivo (de Fé) e morrendo no Japão (1632) – outros (numa missão ultrapassando os limites do nosso planeta, física e mentalmente) e deixando a Terra (já sem soluções aparentes) virtualmente para trás (não se sabendo bem o que é a realidade) assumindo um papel eventualmente superior, para lá das suas visões terrestres (dirigidas ao sofredor) por vezes saltando os seus limites (pré-estabelecidos) talvez só por habituais (dirigindo-se ao Criador): contando-nos toda a história antes da mesma concluída e publicada − em forma de previsão e já existindo o Homem apontando para o momento da chegada do Dia do Arrebatamento, neste caso e à falta de melhor apontando-se para o caso de São Malaquias.

 

hqdefault.jpg

A morte de Donald Trump

 

Na Profecia de São Malaquias (abade e arcebispo irlandês, 1094/1148) igualmente conhecida como a Profecia dos Papas – nas suas previsões apontando para uma futura opressão da Inglaterra sobre os norte-irlandeses – e à falta de novas notícias para um próximo Evento relevante podendo alterar alguns dos procedimentos e comportamentos tornados com os tempos habituais à sobrevivência humana − há uns tempos e para motivar a população (tal como nas simulações com bombeiros, envolvendo hipotéticos incêndios e sismos) colocando-se mesmo à escolha em território norte-americano e em pré-campanha eleitoral, qual a preferência (dos cidadãos) postos perante um acontecimento podendo atingir o nível da extinção, tendo em alternativa serem atingidos por “um asteroide” ou pelo “candidato Donald Trump” referindo-se o mesmo a um Evento catastrófico, ao nível da Extinção e anunciando o Fim do Mundo, marcando a segunda chegada de Cristo, assinalando a ressurreição e o Dia do Juízo Final − o Dia do Arrebatamento – podendo (correndo bem, correndo mal) terminar no Fim de Tudo e de Todos, seja no Céu, no Purgatório, como no Inferno. E segundo São Malaquias e a sua Profecia − Profecia dos Papas – não estando o dia propriamente marcado para a ocorrência (e confirmação) do seu Fim do Mundo, mas com o mesmo (São Malaquias, na suas Profecia) a apresentar-nos um período temporal onde o mesmo ocorreria: com o ultimo dos 112 papas depois do Papa Celestino II − o primeiro da lista reinando como Papa entre 1143/1144 – a ser o último Papa da Igreja Católico-Romana, assistindo à morte da mesma e à destruição de Roma. Ora sendo esse Papa (o 266º) Jorge Mario Bergoglio (argentino, 83 anos de idade) mais conhecido como Papa Francisco e sendo-o desde 2013 − depois da inédita demissão do seu antecessor o alemão Joseph Aloisius Ratzinger (Bento XVI) um facto nunca tendo ocorrido antes, surgindo apenas outro papa, por morte do anteriorpelo que, sabendo-se a sua idade − 83 anos – estando muito próximo o APOCALIPSE (dependendo de quantos anos o Papa Francisco durar). Matemática e religiosamente durante a próxima década (entre 2020 e 2030).

 

(imagens: the-formula.org – soulask.com – gsomp3.in)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:29

28
Abr 19

Passado quase um mês sobre a publicação (a 2 de Abril) desta “Notícia” no site de entretenimento THERE IS NEWS (thereisnews.com), a replicação de uma notícia já ultrapassada – conforme o caso (envolvendo o Papa e a Bíblia) tanto no Espaço (Religioso e Católico) como no Tempo (já lá vai quase um mês sobre o 1º de Abril) − e por inútil nas suas consequências, tão agradável de se esmiuçar e tão do agrado de muita (mesmo muita) gente (pelos vistos também eu).

 

Pope Francis cancels The Bible and proposes to create a new book

(thereisnews.com)

 

pope-francis-1.jpg

Papa Francisco

 

“Pope Francis has surprised the world today by announcing that The Bible is totally outdated and needs a radical change, so The Bible is officially canceled and it’s announced a meeting between the highest personalities of the church where it will be decided the book that will replace it, its name and its content. Some names are already being considered and the one that has more strength is “Biblia 2000”.”

 

Bible-1024x576.jpg

Bíblia Sagrada

 

Em Portugal (e segundo noticiado em o Polígrafo em sapo.pt) com o que parece humorístico, satírico, informativo e Fake News – Virtual – a poder tornar-se em algo de concreto – Real – ou não fosse a divulgação (baseado em rumores e surgindo mais intensamente na Páscoa) da possível alteração da celebração das MISSAS (pondo em causa umas das suas principais orações o PAI-NOSSO) e da substituição de VÓS por TU quando se falando de DEUS (conforme nova tradução adotada para os novos escritos Sagrados, Bíblia incluída).

 

De qualquer forma uma notícia interessante de Polígrafo (publicado no Sapo), confirmando-nos como tanto no Mundo Virtual como no Mundo Real, tudo é relativo e possível (como seu complemento) de Interação.

 

(texto: a partir de notícia/informação poligrafo.sapo.pt/thereisnews.com − imagens: thereisnews.com e triviaboss.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:38

Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9

21
22

23
24
25
26
27
28
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO