Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

13
Nov 11

 

O Mundo era grande e era de todos nós.

A partilha era uma escolha natural e todos ocupavam o seu lugar.

A especificidade da vida de cada um era preservada mantendo secreta a sua intimidade.

O lugar era um espaço individual onde decorria a vida, diluído num universo colectivo e solitário, mas dinâmico na ocupação de superfícies em transformação.

O Mundo era um conjunto solidário de coisinhas pequeninas, tornadas grandes, pela propagação a outros mundos dos nossos medos e inquietudes.

E a certeza de que valia a pena preservar a memória da nossa cultura, tornava este mundo, mais transparente e avesso á brutalidade da acção do tempo.

Era um mundo colorido com pessoas circulando livremente em todas as direcções e não esperando nada de novo, a não ser o seu movimento à procura de vida.

O ar, a profundidade, a simetria, a decomposição de cores e as diferentes ocupações de espaços em diferentes planos que se intersectam passando por diferentes referências, todas aglutinadas numa origem comum, compõe a parte sensual da imagem que nos absorve.

Talvez a necessidade de erecção de um novo símbolo fálico, que perfure a parte central desta nova realidade, á procura de mundos paralelos que compensem realidades perdidas.

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:59

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Mundos

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO