Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

13
Jan 14

A Natureza que é tantas vezes violentamente maltratada pelo Homem, parecendo ser algo cuja existência pouco importa e como tal podendo ser facilmente e sem hesitação esquecida ou mesmo dispensada – tal como hoje fazemos com tudo o resto que nos rodeia e protege, incluindo o nosso semelhante logo ali ao lado – é na realidade a Mãe da nossa vida neste pequeníssimo astro do imenso Universo que nos contem e ao qual pertencemos, local onde desde há milhões de anos nos vamos transformando e evoluindo. No entanto devemos sempre respeitá-la senão mesmo temê-la, pois ela é também a fonte dos fenómenos mais violentos que o Homem até hoje já observou e que tantas vítimas desnecessárias e evitáveis provocaram: devemos compreender o ambiente que este espaço privilegiado nos proporcionou para viver e o direito de usufruto praticamente divino que a Natureza nos cedeu, sem prazos e sem pagamentos.

 

 

Por outro lado a Natureza também exige que a partilha do planeta seja feita no respeito de todas as partes em presença, sujeito e objecto, racional e irracional e até interior e exterior do planeta: nunca nos poderemos esquecer que a Terra como um organismo vivo que é também se manifesta por vezes duma forma que achamos incompreensível, com terramotos, erupções, inundações, doenças e mesmo ameaças vindo do exterior como cometas e asteróides e que a única forma de todos sobreviverem – ser vivos e espaço disponibilizado – reside exclusivamente na interiorização de que tudo o que vemos é necessário e fundamental para a nossa sobrevivência e de todas as espécies vivendo neste belo e talvez único planeta.

 

 

Para lá dos grandes e violentos terramotos muitas vezes seguidos de brutais e devastadores tsunamis, os vulcões talvez sejam um dos mais fantásticos fenómenos naturais observados pelo Homem, tanto pela sua beleza original como pelas consequências que poderá provocar no meio ambiente que o envolve a nível local, regional ou mesmo planetário: o espectáculo proporcionado pela visão da saída de todos os materiais vulcânicos do interior da chaminé do vulcão vindos do interior profundo da Terra e a serem expulsos para o exterior da barriga onde foram transformados, faz-nos lembrar o trajecto imprevisível e enigmático da nossa vida desde o nascimento até à morte e de todos os sistemas que tendo que coexistir no fim se equilibram – o que originará outras transformações futuras de desequilíbrio momentâneo, mas naturais e nunca forçadas e jamais violando (por ser uma impossibilidade) o princípio do caos e da ordem do Universo.

 

Aqui podemos ver uma erupção registada no vulcão islandês Grímsvtön, com os materiais vindos do interior da sua chaminé a serem projectadas em cerca de duas horas a mais de 18.000 metros de altitude e a criarem uma enorme nuvem semelhante a um guarda-chuva, mais tarde arrastada pela acção dos ventos e indo afectar posteriormente territórios situados mais a sul.

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:12

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15

23
24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Plumas

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO