Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

27
Mar 20

“Certamente e afastada a Ameaça Sanitária (oriunda de um Vírus),

surgindo como sempre

− E já anunciada pelo conjunto de organismos dizendo-se com “psique

a Ameaça Económica (oriunda do Homem).”

 

Screenshot_2020-03-27 COVID-19 em Itália 919 mort

Itália c/ 919 mortos em 24 horas, um recorde mundial

 

Europa (Mundo)

 

Às 17:47 TMG desta sexta-feira (segundo a worldometers.info) com os números globais a indicarem 577.547 infetados  e 26.447 vítimas mortais − taxa de mortalidade de 4,6% acrescidos de um total de 21.674 em estado grave ou crítico (5,2%),

 

Muitos países Europeus apesar de saberem que atingido o Pico da Curva poderem igualmente ser colocados perante uma situação trágica e extrema – com a Itália (mais de 9.000 mortos), a Espanha (perto dos 5.000 mortos) e a França (ultrapassado os 1.500 mortos) a serem de momento os mais atingidos

 

Anseiam cada dia que passa e cada mais desesperadamente que esse dia chegue, sem que, no entanto, se veja ainda “a luz no fim do túnel”: com todos ainda em ascensão uns no início da subida, outros mais ou menos a meio e ainda outros muito perto mas nunca mais lá chegando.

 

preparedness-vs-covid19-cases-3.jpg

Casos de Covid-19, por 1 milhão de indivíduos

 

E se na Europa a Itália vai na vanguarda do número de vítimas mortais, na América do Norte os EUA é já o líder mundial destacado no número de infetados: estando a caminho dos 100.000 (16% do total Global). Entre os mais castigados (Top 10) e tomando como referência o nº de vítimas mortais destacando-se assim a 1º Itália (9.134), a 2º Espanha (4.934), a 3º China (3.292), o 4º Irão (2.378), a 5º França (1.696), os 6º EUA (1.429), o 7º Reino Unido (759), a 8º Holanda (546), a 9º Alemanha (304) e a 10º Bélgica (289) − logo a seguir vindo a Suíça (231).

 

Ainda não se falando muito em África e do que daí poderá advir e com todas as atenções a concentrarem-se no que se irá passar nos EUA:  nível global 1º no nº de infetados e 6º no número de vítimas mortais (e já com quase 2.500 em estado grave ou crítico). E no Brasil do louco e criminoso Bolsonaro com os números a indicarem perto de 80 mortos e quase 300 em estado grave/crítico.

 

Portugal

 

No nosso país (Continente, Ilhas e Estrangeiro) sendo o panorama o seguinte (fonte DGS):

 

Casos

%

Em Hospitais

Suspeitos

25.431

Confirmados

4.268

100,0

Internados

354

UCI

71

Vítimas mortais

76

1,8

Vítimas Mortais:

Norte/33, Centro/18, Lisboa e Vale do Tejo/24, Alentejo/0, Algarve/1, Madeira/0, Açores/0, Estrangeiro/0

Recuperados

43

1,0

 

relatorio_situacao.jpg

Em Portugal e de novo, com Redes Sociais e Notícias Falsas unidas

 

E referindo-nos à Região do Algarve (fonte ARS Algarve):

 

Casos

%

Doentes

Local

Confirmados

99

100

Faro/26, Albufeira/22, Portimão/17, Loulé/14, V. R. S. António/5, Lagoa/4, Silves/3, Tavira/2, Monchique/1, Olhão/1

Ativos

97

98,0

Casa

78

Hospital:

Internados 19

(7 em UCI)

Hospital

19

Vítimas Mortais

1

1,0

Albufeira 1

Recuperados

1

1,0

Portimão 1

 

E já pelas 19:35 TMG com os novos números (desde as 17:47) a apontarem para 588.861 (+11.314) infetados e 26.928 (+5.254) vítimas mortais − 22.087 (+413) em estado crítico/grave.

 

(imagens: lifestyle.sapo.pt – WHO/visualcapitalist.com − min-saude.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:06

26
Mar 20

Com a Pandemia de Covid-19 a atingir globalmente  (26.03.2020 pelas 18:05 TMG) os 510.446 infetados (0,007% da população mundial) e dos infetados tendo-se já atingido as 23.079 vítimas mortais (4,5% dos infetados) – e com a China (taxa de mortalidade = 4,0%) ultrapassado o seu Pico Máximo a caminho da estabilização e do regresso progressivo à sua atividade económica (já nos 75%) – com os olhos de todo o Mundo a virarem-se agora para a Europa (sobretudo Ocidental), continente onde a tragédia parece não ter fim enquanto o número de mortes não para de crescer violentamente:

 

maxresdefault.jpg

Os Idosos o grupo etário de maior em risco

(Vítimas maioritárias do Covid-19)

 

Itália com mais de 8.000 mortes (taxa de mortalidade = 10,2% e mais de 3.500 em estado grave/crítico), Espanha com mais de 4.000 mortos (taxa de mortalidade = 7,4% e mais de 3.000 em estado G/C), França a caminho das 1.500 mortes (taxa de mortalidade = 5,3% e a caminho dos 3.000 em estado C/G), Reino Unido perto das 500 mortes (taxa de mortalidade = 4,8% e mais de 150 em estado G/C) e Holanda perto das 450 mortes (taxa de mortalidade = 5,8% e perto dos 600 em estado G/C), estes 5 países ocupando o TOP 5 Europeu de Vítimas Mortais.

 

Para já não falar do continente Americano, a norte (América do Norte) e ainda pelo “início da sua viagem” com os EUA a ultrapassarem as 1.000 mortes, mas para já com uma taxa de mortalidade de apenas 1,5% (no entanto com mais de 2.000 em estado G/C).

 

Já no caso de Portugal (26.03.2020 pelas 11:00 Lisboa) com os números da DGS a apontarem para os 3.544 casos confirmados e para 60 vítimas mortais (taxa de mortalidade = 1,7% e 61 em estado G/C). Com as regiões (7+Estrangeiro) mais atingidas (em casos confirmados) a serem o Norte (1.858 casos), Lisboa e Vale do Tejo (1.082 casos) e o Centro (435 casos), com o Algarve a seguir (89 casos) e com a Madeira com o menor nº de registos (apenas com 15 casos).

 

A nível de vítimas mortais (num total de 60) com 28 no Norte (46,7%), 13 no Centro (21,7%), 18 em Lisboa e Vale do Tejo (30,0%) e 1 no Algarve (1,6%).

 

E dos 5 concelhos do continente com mais casos confirmados de Covid-19 (e liderando a sua região) com Lisboa (284), Porto (259), Coimbra (87), Faro (25) e Évora (8) − e nas ilhas a Ilha da Madeira (20) e a Ilha de S. Jorge nos Açores (8).

 

No caso particular da Região do Algarve (e segundo a ARS Algarve) mantendo-se (felizmente para nós os aqui residentes) 1 vítima mortal (em Albufeira), com o nº de casos confirmados (do maior para o menor) a indicarem (em 83 casos) Faro/25, Albufeira/19, Portimão/16, Loulé/10, Silves/5, Lagoa/4, V. R. S. António/3 e Tavira/1.

 

Screenshot_2020-03-26 Ponto de Situação Atual em

Evolução de casos novos de Covid-19

(2 a 26 de março)

 

E se antes existiam dúvidas sobre os grupos etários mais fortemente atingidos olhando-se apenas para os casos confirmados, agora (com todos a correrem em socorro para os lares de idosos, sejam públicos ou privados) que o número de vítimas mortais em Portugal já atingiu as seis dezenas de mortes, cada vez sendo maior a certeza de que tal como em toda a Europa e no Resto do Mundo, os mais idosos começam a ser de longe as maiores vítimas deste novo e mortal coronavírus Covid-19. Dos 70 de idade para cima, uns 80%?

 

E ainda com toda a Europa a caminho do Topo da Curva e com os números a serem cada vez mais duros, desejando-se que em Portugal o Topo da mesma (Curva) seja mesmo bem achatada:

 

Para dar hipótese aos equipamentos e aos recursos humanos (da Saúde – mas da mesma forma em muitas outras profissões como as associadas ao transporte e alimentação, profissões de risco) de modo a atuarem e não nos deixando morrer, nos salvarem.

 

De momento em Portugal com os seus 3.544 casos e 60 mortos (1,7%), não estando muito longe das taxas de mortalidade de outros coronavírus numa determinada amostra, sendo de uns 2%:

 

Logo em 3.544 a média “normal” apontando para uns 70/71 mortos, estando nós ainda abaixo (-10/-11).

 

(imagens: covid19.min-saude.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:22

25
Mar 20

Com todos a ansiarem que o Pico Máximo, esteja quase aí a chegar.

E esperando que a Itália e a Espanha (até como um sinal),

sejam exemplos imediatos disso.

 

Screenshot_2020-03-25 Covid-19 43 mortos, 2 995 in

 

Esta quarta-feira (25:03.2020) com a wordometers.info a indicar para Portugal 2.995 infetados (+633), 43 vítimas mortais (+10) e 22 doentes recuperados; para além de entre os 2.930 casos ainda ativos, 48 estarem em estado grave ou crítico. Segundo os dados do min-saude.pt sendo este o ponto da situação em Portugal (estando os dados conhecidos corretos):

 

Portugal

População/Casos Suspeitos

 

%

Observações

População

10.134.663

100,0

População: dados countrymeters.info

Casos Suspeitos

21.155

0,2

Covid-19/25.03.2020

 

%

Região/Nº

Algarve

Casos Confirmados

2.995

100,0

Norte

1.517

Portimão 11

Silves 3

Albufeira 16

Faro 17

Lagoa 4

Loulé 7

Tavira 1

V.R.S. António 3

 

Centro

365

Lisboa e Vale do Tejo

992

Alentejo

12

Algarve

62

Madeira

16

Açores

17

Estrangeiro

14

Vítimas Mortais

43

1,45

Vítimas Mortais:

 

Albufeira 1

Recuperados

22

0,75

Doentes Ativos

2.930

97,8

 

E entrados numa fase de mitigação − não passando mais do que uma tentativa de suavizar (o processo) e acalmar (o povo), à medida que se caminha cada vez com maior velocidade e com um maior nº de vítimas mortais em direção ao Topo da Curva, ou seja, o Pico Máximo de Atividade do Vírus na qual a única e principal expetativa (e esperança) de todos nós reside na forma que apresentará o Topo da Curva (no pior cenário com um pico mais acentuado e para o vertical ou no melhor cenário, um outro menos acentuado por mais espalhado no tempo, logo permitindo ter o equipamento e os recursos humanos necessários), restando-nos esperar bem sossegadinhos e sentadinhos em casa (muitos já trabalhando por nós na saúde, nos transportes e na produção, sacrificando-se para que aos outros nada aconteça de mal) pelo fim deste processo:

 

Screenshot_2020-03-25 ReporDiario_COVID_19_25mar20

 

Podendo durar meses ou semanas e ainda (descuidando-nos, pensando já estarmos safos) retornar, seja logo a seguir ou sendo como o vírus Influenza (Gripe), na próxima temporada (ano) – tendo-se pois de resistir e (saber) esperar (e desejar, talvez rezar) que no mais curto espaço de tempo se encontre algum tipo de cura, para este Agente Mortal (Infiltrado) e ainda-por-cima invisível. Invocando se necessário “Deus e até mesmo o Diabo” para que em 2021 este vírus mortal não tenha, entretanto, sofrido mutações (reiniciando-se de novo o processo). Talvez em abril chegue o PICO e lá para maio (se não mesmo junho, num cenário mais adverso) e finalmente (sempre com extremos cuidados) a estabilização, e a restituição da nossa Liberdade (após atingido o pico da curva − ainda não lá se tendo chegado − nunca menos de um mês).

 

(imagens: lifestyle.sapo.pt  − arsalgarve.min-saude.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:36

24
Mar 20

Depois da correção do número de vítimas mortais (em Portugal Continental e Ilhas),

 

Screenshot_2020-03-24 COVID-19 - Página Inicial.p

 

– depois de se corrigir o nº respeitantes aos Açores (de 1 vítima mortal passando a zero), de se verificar que o nº de vítimas mortais no Centro aumentara apenas 1 (de 5 passando para 11 e posteriormente ficando-se pelos 6), das restantes vítimas mortais se dividirem pelo Norte e por Lisboa/Vale do Tejo (+5 passando a 14 e +4 passando a 12) e por outro lado mantendo-se 1 vítima mortal no Algarve (num total de 33 vítimas mortais)  resultantes da epidemia de Covid-19, eis o mapa corrigido a 23 de março pelas 17:30 (e já agora salientando o registo bem visível e encorajador no nº de novos casos, dos 460 de ontem passando para os 302 hoje):

 

Covid-19

(valores corrigidos)

 

Região

Vítimas Mortais

%

Norte

14

42,4

Centro

6

18,2

Lisboa e Vale do Tejo

12

36,4

Alentejo

0

0,0

Algarve

1

3,0

Madeira

0

0,0

Açores

0

0,0

Estrangeiro

0

0,0

Total

33

100,0

 

E tranquilizados os habitantes da região Centro inicialmente colocados perante um aumento de mortes na ordem dos 120%, de um dia para o outro passando de 5 mortes para 11 − quando na realidade se registou apenas um aumento de 5 para 6 (20%) − assim como os da região autónoma dos Açores – desaparecendo a sua vítima mortal e voltando a zero – com o aumento de mortes registada a serem devido ao seu aumento na região Norte (+5, subida de mais de 30%) − na frente no nº de mortes − e de Vale do Tejo (+4, subida de 50%). Erros que por vezes acontecem na recolha de dados, na sua organização e nos resultados (levando ao “chumbo dos alunos”).

 

(imagem: covid19.min-saude.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:09

23
Mar 20

MUNDO:

“366.956 Infetados, 16.100 Vítimas Mortais, 101.065 Recuperados.”

(23.03.2020 pelas 17:38 TMG)

 

Segundo dados de hoje (23.03.21020) registados pela DGS e reportados às 11:00 locais (de Portugal):

 

siga-a-confer-ncia-de-imprensa-da-dgs-em-direto-12

Conferência de Imprensa da DGS de 23.03.2020

 

Pandemia Covid-19

Casos

Condições

%

Suspeitos

13.674

Vigilância

11.482

Infetados

2.060

Não Internados

1.789

86,8

Internados

201

9,8

Grave/Crítico

47

2,3

Vítimas Mortais

23

1,1

Recuperados

14

 

Com 2.060 infetados e 23 vítimas mortais − taxa de mortalidade = 1,1% − e dos casos ativos com 47 em estado grave/crítico – 2,3% (dos 2.060) – estando Portugal ainda afastado dos cenários Europeus mais explosivos como (a nível do nº de vítimas mortais, superior a 100) a Itália (5,476), a Espanha (2.206),  a França (674), o Reino Unido (289), a Holanda (213), a Suíça (118) e a Alemanha (115) – e abaixo da centena de mortos surgindo a Bélgica (88): ou seja e sendo uma evidência, com a Europa claramente dividida entre a tragédia em curso na Europa Ocidental e o ambiente bem mais desanuviado da Europa de Leste. Justificação?

 

Com a seguinte curva epidémica (relativa a 21 dias) e distribuição por região (8):

 

curva-epidmica-de-covid.jpeg

↑Casos Confirmados por dia de 2 a 22 de março

 

Dia

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

2

2

2

3

4

8

9

9

2

18

19

Dia

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

34

57

76

86

117

194

143

235

260

320

?

 

Relativamente á evolução dos casos confirmados (neste momento com 2.060 casos e 23 mortos) diariamente (num registo de 21 dias consecutivos), com o seu número continuando ainda a aumentar (nos últimos três dias registando-se +235, +260 e +320 novos casos respetivamente) moderadamente, deixando-nos ainda pensar (e a desejar) que  a exponencial e o topo da curva (de atividade do Covid-19) poderão ter ainda um comportamento aceitável (achatando a Curva e espalhando-a no tempo para dar possibilidade aos equipamentos e descanso aos recursos humanos), no que diz respeito à evolução da nossa saúde e das restantes pessoas: afastando-nos da previsão de Curvas de impacto muito mais violento, tal como acontece (para já e sobretudo) na Itália e na nossa vizinha Espanha (no caso do Algarve e felizmente, com a nossa vizinha Andaluzia sendo das regiões menos atingidas de Espanha) e por outro lado aproximando-nos mais do exemplo da China, Coreia do Sul e Macau (tendo já controlado os efeitos desta Pandemia, estabilizado e preparando-se para o retorno à atividade económica). Um mau sinal seria repentinamente o número de casos confirmados disparar, sendo acompanhado simultaneamente pela subida em flecha (a tal exponencial) do nº de vítimas mortais (na Itália num só dia e batendo todos os recordes globais registando-se quase 800 mortos, o dobro dos dias mais críticos registados no início da epidemia, então com epicentro na China).

 

Pandemia Covid-19

Região

Infetados

Vítimas Mortais

%

%

Norte

1.007

48,9

9

39,1

Centro

238

11,6

5

21,7

Lisboa e V.T.

737

35,8

8

34,8

Alentejo

5

0,3

0

0

Algarve

42

2,0

1

4,4

Madeira

9

0,4

0

0

Açores

11

0,5

0

0

Estrangeiro

11

0,5

0

0

Total

2.060

100,0

23

100,0

 

No que diz respeito à passagem do Covid-19 pelo nosso país e seus efeitos e consequências nas diversas regiões (continente e ilhas), com a grande concentração de casos (confirmados) a localizarem-se − não só no nº de infetados como o nº de mortes − na região Norte (1.007/9)  e na região de Lisboa e Vale do Tejo (737/8), mas igualmente com a região Centro (238/5) a preocupar. Com a outra vítima mortal a ser registada no Algarve (Albufeira) e com o Alentejo e as ilhas ainda sem vítimas mortais. Esperando-se, desejando-se e rezando-se, para que tudo continue assim (ou melhor) − pelo menos com os chineses, a ajudarem-nos.

 

Screenshot_2020-03-23 Covid-19 Mais de 460 mortos

Espanha − de 22 p/ 23 de março c/ +4.500 infetados e +460 mortos

 

Já a nível Global – com mais de 350.000 infetados e mais de 15.000 mortos (taxa de mortalidade = 4,4%) − envolvendo todos os Continentes e pondo de lado a Europa − agora a receber ajuda chinesa, cubana e russa, numa tentativa de evitar o colapso e o caos social, nada interessante devido à suas trocas comerciais, especialmente para os asiáticos – com o panorama geral a não ser nada um bom sinal, com o coronavírus depois de atacar a Ásia e a Europa, a dirigir-se em força para o continente Americano (mais intenso para já a norte) − veja-se o caso dos EUA (já perto dos 500 mortos) podendo imitar a Espanha ou a Itália − estando já a infiltrar-se em África (para já com a África do Sul a ter o maior nº de infetados/402, sem vítimas mortais e o Egito o maior nº de mortos/14 e 327 infetados). Estando “com o credo na boca” a ITÁLIA (5.476 I/3.000 Graves-Críticos), a ESPANHA (2.206 I/2.355 G-C), o IRÃO (1.812 I/sem dados de G-C), a FRANÇA (674 I/1.746 G-C), os EUA (483I /1.040 G-C) e o REINO UNIDO (3.35 I/20 G-C) − e preparados como suplentes na Europa a HOLANDA (213 I/435 G-C) e na América do Sul o BRASIL (25 I/18 G-C), este último (é certo que eleito pelos brasileiros, mas graças ao louco/criminoso Presidente Bolsonaro) com números superiores ao de Portugal.

 

(imagens: Dgs-Covid-19-Coronavírus/headtopics.com

− anmsp.pt − EPA/MARISCAL/24.sapo.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:47

22
Mar 20

Será o Topo da Curva em meados de abril, tal como o diz (sugere) a Ministra?

(e assim ocupando o tempo, com um bom passatempo)

 

corona_virus_recomendacoes_TV.jpg

Tape a boca ao tossir, lave frequentemente as mãos

e evite o mais possível os contactos

 

  1. Esperando pelos novos dados sobre a Evolução do Covid-19

(de 21 para 22 de março)

 

Olhando para o nosso planeta Terra e estendendo o nosso órgão da visão em direção à linha do horizonte e com mais um pouco de esforço indo para além do seu limite – dando a volta ao nosso planeta e percorrendo toda as suas coordenadas geográficas – face ao cenário agora criado colocando aparentemente em perigo “a nossa própria espécie”, toda a sua organização social e económica e num extremo possível a própria Civilização Humana – a nível Global e pelas 10:45 TMG  com o nº de Infetados a ultrapassar os 300.000 indivíduos (308.720), o nº de Vítimas Mortais (VM) a ultrapassar os 13.000/taxa de mortalidade = 4% (13.071) e o nº de doentes entretanto Recuperados (R) de mais de 95.000/taxa de recuperação = 31% (95.838) – de momento afetando direta e aproximadamente 0,004% da População Mundial (7.500.000.000 de indivíduos), mudado o epicentro deste surto epidémico (inicialmente localizado na China, agora centrado na Itália) agora sendo denominado como uma Pandemia dado ter alastrado a todo o Globo Terrestre, pela sua aproximação e face à falta evidente de equipamentos e recursos humanos para o combater com algum tipo de eficácia de preferência rápida e incisiva (mesmo tendo visto o vírus a arrancar na China em janeiro, com a Europa tal como o Resto do Mundo a não se terem prevenido e agora face à brutalidade do mesmo não conseguindo sequer remediar), proporcionando-nos cenas trágicas e impensáveis de milhares morrendo por lares, casas e hospitais e ruas, com caixões sendo agrupados como que em filas de espera, aguardando o seu funeral anónimo a sua vez, ainda sendo mais doloroso e mortal (por letal) olhar para o centro da UE e ver o que se passa (quase em linha reta e avisando-nos, apontando em direção de Portugal) bastando para tal referir-nos a 8 países exemplares e exemplos, desta nossa Comunidade − e da presença efetiva do novo coronavírus Covid-19 entre nós: Itália (4.825 VM), Suíça (80 VM), Alemanha (84 VM), Bélgica (67 VM), Holanda (136 VM), França (562 VM), Reino Unido (233 VM) e Espanha (1.381 VM), totalizando 7.468 Vítimas Mortais (57% do Total Global das VM). Deixando-nos aqui a pensar o que sucederá connosco estando no processo (de contágio/infeção) um pouco atrasados em relação aos outros e ainda a caminho do maldito Topo da Curva onde se atingirá o Pico Máximo de Atividade do Covid-19 (com a DGS talvez para nos animar e sendo otimista, a apontar para os meados do mês de abril) e a partir daí começando a descer até se regressar a um período aparente normal semelhante àquele que a China agora parece começar a atravessar, tal como (entre outros países Asiáticos então próximos do Epicentro original do vírus) Singapura, Macau e a Coreia do Sul. E sabendo-se já o que se passa perto de nós e o que devemos fazer para nos proteger e aos outros, faltando-se apenas conhecer e sendo esta a nossa preocupação prioritária − Obviamente depois de matarmos “o bicho”, Depois de nos Curarmos e até para tendo um prazo nos libertarmos do nosso stress acumulado (individual por falta do coletivo) – estabelecer desde já o Dia Exato da Inversão (Dia da Nossa Ressurreição e se o Mundo aí o permitir e se quisermos sobreviver de uma nova Incorporação): esperando-se que tal como investigadores já afirmam e desaparecendo do cenário (Mundial) a presença do vírus Covid-19, este não reapareça (no Hemisfério Norte) no próximo Inverno (tal como acontece com a Gripe) numa 2ª Vaga ainda mais poderosa e mortífera. Então aproveitemos a ocasião de estarmos em casa tentendo por comparação e entretendo-nos encontrar o ponto inicial de restauro da nossa felicidade (consultando por exemplo a evolução da China/Coreia do Sul/Macau, comparando-as com as da Itália/Espanha/Alemanha e tentando extrapolar para Portugal), aí saindo de casa e encarando de novo e talvez de uma maneira certamente que diferente (algo que nos acontece colocados numa situação extrema sendo a morte uma delas) tudo o que nos rodeia.

 

Screenshot_2020-03-22 Covid-19 80% dos casos são

Conferência de Imprensa de 22 de março

com Graça Freitas (DGS) e Marta Temido (MS)

 

  1. Saídos os Dados sobre a Evolução do Covid-19

(de 22 de março)

 

No Mundo e segundo dados da WORLDOMETER (20:03.2020 pelas 14:05):

 

Condição

Condição

%

Infetados

318.229

Ativos

Médio

198.406

62,3

Crítico/Grave

10.142

3,2

Fechados

Recuperados

96.010

30,2

Mortos

13.671

4,3

 

Reportando-nos para dados pouco animadores − exceção feita à Ásia na generalidade e aparentemente. ultrapassado o topo da curva, em decrescimento da atividade do Covid-19 − com o Resto do Mundo ainda em crescimento no nº de infetados/nº de mortos (mesmo no Hemisfério Sul vindo do Verão/do calor e entrando já no Outono/no frio) e a caminho do Pico Máximo de Atividade do Vírus a apresentar números preocupantes se não mesmo (podendo haver pior, talvez pela sua visibilidade por exposição direta e ao vivo) aterradores − com países antes exemplos de liderança da Europa Ocidental, no Top deste Evento no que diz respeito à tragédia (Covid-19), para já (felizmente e que seja para sempre) sem sinais a curto-prazo (dia-a-dia se vendo) da presença de Portugal. Destacando-se neste cenário (worldometer):

 

Nº por VM

País

Infetados

Mortos

Grave/Crítico

Casos/1M

Itália

53.578

4.825

2.857

886

China

81.054

3.261

1.845

56

Espanha

28.572

1.753

1.785

611

Irão

21.638

1.685

SD

258

França

14.459

562

1.525

222

EUA

26.609

349

708

81

Reino Unido

5.018

240

20

74

Holanda

4.204

179

354

245

Coreia do Sul

8.897

104

59

174

10º

Alemanha

23.937

93

2

286

11º

Suíça

7.225

80

141

835

12º

Bélgica

3.401

75

288

293

Brasil

1.201

18

18

6

Portugal

1.600

14

26

157

Total

318.229

13.671

10.142

(40,8)

(VM: Vítimas Mortais)

 

Screenshot_2020-03-22 Apresentação do PowerPoint

Na procura do Topo da Curva

A Evolução do nº de casos de infetados de 20.02 a 22.03

 

Já no caso de Portugal (continente e ilhas) consultando os dados da DGS publicados em 22.03.2020 pelas 11:00 (deste domingo), com os valores a apontarem:

 

Casos

Localização

Observações

Infetados

1.600

Norte/825, Centro/180, Lisboa e V.T. (534), Alentejo/5, Algarve/35, Madeira/7, Açores/4, Estrangeiro/10

No Algarve com 35 casos confirmados e com a única vítima mortal até ao momento registada (na região), a ser um idoso de 77 anos já com problemas anteriores de saúde e sendo residente no concelho de Albufeira.

Mortos

14

Norte/5, Centro/4, Lisboa e V.T./4, Algarve/1

Grave/Crítico

169 internados e 41 internados em UCI

Recuperados

5

 

Olhando assim para o Mundo − já com 169 países/regiões infetadas por este novo coronavírus (uns 85%) − para um dos 193 países integrando a ONU (UN), no nosso caso Portugal e no entanto nem sequer nos debruçando muito sobre o que se passa no “abandonado à sua sorte” Irão (asfixiado pelas sansões agora tendo sido ainda mais apertadas pelos norte-americanas), sendo devastadora a situação vivida na Itália (perto das 5.000 VM), parecendo estar no mesmo trilho a nossa vizinha Espanha (perto das 2.000 VM) e com a França (mais de 500 VM), o Reino Unido (perto das 250 VM) e a Holanda (a caminho das 200 VM e com a Suíça e a Bélgica a caminho das 100 VM candidatando-se) a correrem o risco de nada fazendo (de efetivo contra o Covid-19) serem levadas pela mesma corrente (mortal). Mas não deixando de notar o que se passa nos países dirigidos pelo Trump Original (Donald Trump o TRUMP NORTE-AMERICANO) e pelo Trump Réplica ou Clone (Jair Bolsonaro o TRUMP SUL-AMERICANO):

 

Screenshot_2020-03-22 ReporDiario_COVID_19_22mar20

Presença do vírus Covid-19 na região do Algarve

Atingindo 7 concelhos mais acentuadamente o Algarve Central

 

E se o primeiro ainda que atrasado já reparou no que está metido (tal como a outra sua réplica ou clone Boris Johnson, o TRUMP EUROPEU) no caso do Brasil com a situação a poder ser muito mais grave (já com mais mortes que em Portugal), não só por entrar agora no período que o levará até à estação mais fria (Outono seguido do Inverno, segundo dizem o tempo que a Gripe e o Covid-19 parecem e gostam de partilhar) e húmida, como (e isto sendo muito mais grave por criminoso, podendo conduzir as pessoas inconscientemente e acreditando nos seus representantes, à morte) por o seu Presidente comparar a ação deste vírus a uma mera gripe ou simples constipação logo, não precisando de proteção e de nenhum tipo especial de ação. Já no caso do outro país da ONU integrando a Península Ibérica (tendo a sua única fronteira terrestre com a Espanha) e localizado no ponto mais periférico e ocidental da Europa, com o “Inferno Covid-19” no presente a parecer ter sido “contido na fronteira” (em Espanha perto dos 30.000 infetados, 4º lugar no Ranking Mundial Covid-19) com a nossa Curva Covid-19 (a caminho do nosso Pico Máximo) a evoluir moderadamente podendo-nos conduzir a uma curva e a um pico satisfatoriamente (esperemos que bem) aceitável – mas (por azar ou por descuido ou mesmo por habituação negativa) podendo tudo mudar radicalmente de um dia para o outro. Neste domingo (22 de março) com 14 vítimas mortais registadas (1 no Algarve/Albufeira, ou seja 7%) num universo de 1.600 infetados, numa taxa de mortalidade perto dos 1% − mas entre os doentes ainda ativos com 26 em estado grave ou crítico.

 

(dados: worldometer.com − imagens: arsalgarve.min-saude.pt e 24.sapo.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:43

19
Mar 20

À entrada da Estação da PRIMAVERA a iniciar-se este ano (de 2020) pelas 03:50 UTC do dia 20 de março (amanhã, sexta-feira),

 

XN_Fruehjahrswiese_00.jpg

− Equinócio de março

 

E quando Portugal e o Mundo se encontram literalmente subjugados por um agente letal infiltrado − o novo coronavírus denominado como Covid-19, tendo até ao momento infetado quase 240.000 pessoas, vitimado mortalmente quase 10.000, ou seja 4% (felizmente já com mais de 86.500 doentes recuperados, 36%) e com 60% casos ainda ativos – e relembrando ser neste período (indo de março a junho) que se dá a Reflorestação Terrestre (surgindo as novas plantas e flores), neste país pequenino e considerado periférico do continente Europeu agora posto perante a ultrapassagem da sua fronteira e a eminente chegada do exército invasor – entrando pela Itália e provocando milhares de mortos (mais de 3.400), atingindo intensamente os países vizinhos (Alemanha, França e Espanha num total de 1.209 mortos) e caminhando inequivocamente (numa das suas principais frentes, bastando ver o rasto de morte) em direção a Portugal (3 mortes) – sentindo-se ainda esperança até pelos números registados ainda a não serem violentos (com a curva a subir esperando-se que lentamente e ao longo de um período de tempo compatível, com o equipamento/recursos humanos disponíveis) que certa e brevemente e se tudo correr bem (e já agora se Deus quiser) que se dará como complemento e num fenómeno natural o Nosso Reflorescimento − como seres evolutivos, capazes de se transformarem e de se adaptarem: iniciado na China o contágio do vírus Covid-19 por volta do início de janeiro e após ultrapassado o pico (máximo de atividade) com os casos a estabilizarem e a descerem atingindo mesmo o nº zero (os casos ainda ativos − hoje 19.03.2020, mais de 30 − sendo agora importados) − com o nº de casos a descerem/desaparecerem e com a atividade económica a despertar de novo/a arrancar – podendo-se afirmar para os chineses estarem já em fase de recuperação esperando “estar limpos” muito em breve, talvez já no decorrer do mês de abril – pelo que se não nos importarmos de por apenas umas semanas (menos ou então mais) sermos literalmente como “um macaquinho chinês”, poderemos nós portugueses certamente ainda antes do Verão, de darmos de novo a mão, lá para maio talvez junho.

 

[Na noite de 28 de março para o dia 29 de março (sábado para domingo) e após o Equinócio (de março) − estando Portugal localizado no Hemisfério Norte e já na estação da Primavera – à meia-noite (00:00) com a hora a ser adiantada e a passar a ser uma da manhã (01:00).]

 

(imagem: Guido Gerding/wikipedia.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:29

18
Mar 20

[Por um leigo e já agora − ou não estivéssemos em Portugal − um matemático, nem que sendo autodidata e estando por estes dias, fechado em casa. E pelo menos exercitando a psique (estando certo ou errado, sendo apenas um pormenor), estando limitado fisicamente (saindo e estando errado, já não sendo um pormenor, podendo ser algo muito maior).]

 

Screenshot_2020-03-18 Marcelo Acabei de decretar e

Acabei de decretar Estado de Emergência

Uma decisão excecional num tempo excecional

(Marcelo Rebelo de Sousa/18.03.2020)

 

Numa tentativa de prever o atingir do pico máximo infecioso/contagioso deste novo surto epidémico do novo coronavírus Covid-19 − já declarado pela WHO como uma Pandemia − uma rápida análise da evolução do mesmo no seu epicentro inicial (a China): agora que na China os dados recolhidos (infetados/vítimas mortais) parecem querer apontar para um decrescimento do número de casos, diminuindo a taxa de mortalidade e aumentando o número de doentes recuperados, ou seja, podendo-se já ter ultrapassado o seu pico máximo de atividade. Num território de quase 10 milhões de Km² e  nele residindo perto de 1.500 milhões de habitantes (média de 145 indivíduos/Km²), tendo até esta quarta-feira (março, 18 pelas 18:36 GMT) registado 80.894 infetados, 3.237 vítimas mortais (taxa de mortalidade = 4%) e 69.614 recuperados (86%) − ainda ativos 8.043 (10%). Olhando-se para a sua área e população (da China) – com Portugal a apresentar uma área de pouco mais de 90.000Km² (111X menor) e uma população de cerca de 10 milhões de habitantes (150X menor), numa média de 115 indivíduos/Km² e  tentando extrapolar para o nosso país o que poderá aqui acontecer abstraindo-nos de outras condicionantes (talvez tão ou mais importantes, daí a conclusão podendo ser relativa, logo incompleta) se na China a relação VM/I =0,04 (4%) em Portugal a mesma podendo variar (VM/I) entre uns 50/100 mortos (talvez sendo mais, um desejo), ao nível da Coreia do Sul, mas não com tantos infetados (e num pior cenário em princípio, não ultrapassando um milhar): na Itália hoje (nas 3.000 vítimas mortais) com essa razão a ser VM/I > 0,08 (8%).

 

Screenshot_2020-03-18 China Coronavirus 80,894 Cas

Casos novos detetados na China

do coronavírus Covid-19

(no período de janeiro/22 a março/16 de 2020)

 

Na China (para depois olhar para Portugal e verificar a evolução da curva, sendo já ou não e claramente, uma exponencial) e tendo-se aqui como primeiro objetivo a coincidência da Curva de Infetados e da Curva de Recuperados − com a segunda ultrapassando a primeira e I/R < 1para de seguida se dar a entrada (decisiva) na curva descendente (com a taxa de mortalidade entre o nº total do Universo de infetados − não a totalidade d população − na ordem dos 4%), com a primeira identificação da doença (vírus) a ser referida a 1 de dezembro de 2019 (e notificada apenas a 31!) e com a primeira morte registada  a 9 de janeiro, para apenas a 23 de janeiro e postos perante um aumento acentuado da ação do mesmo (vírus Covid-19) as autoridades chinesas finalmente colocarem o seu epicentro (Wuhan) de Quarentena, tomando aí as primeiras medidas e encarando-as efetivamente (até pela sua rapidez e mortalidade elevada). E semanas depois tendo o vírus − Covid-19 – contido e tal como na Coreia do Sul em regressão: na China (como modelo com mais amostras) com os números a dispararem a partir do início da 3ª semana de janeiro (pelo dia 23), descendo durante cerca de uma semana para por volta de 12 de fevereiro disparar de novo e violentamente (de nem 2.000 casos novos/dia passando para uns 14.000/dia, 7X mais) e a partir daí começar continuando (para já sem sobressaltos) a decrescer, indicando “o Inferno poder estar mesmo perto do Fim.

 

Evolução

CHI

POR

Data

Tempo

decorrido

Data

1ª identificação

1 de dezembro de 2019

Cronómetro a zero

-

1ª Notificação

31 de dezembro de 2019

31 dias decorridos

1 de março de 2020

1ª Vítima Mortal

9 de janeiro de

2020

40 dias decorridos

16 de março de 2020

Wuhan em Quarentena

23 de janeiro de 2020

54 dias decorridos

18 de março de 2020

1º Pico

(fictício)

4 de fevereiro de

2020

66 dias decorridos

-

Pico Máximo (eventual)

12 de fevereiro de 2020

74 dias decorridos

Por volta de 7 de abril 2020

Em

decrescimento

18 de março de 2020

109 dias decorridos

Até 12 de maio de 2020

Desaparecimento

(por volta de)

27 de abril de

2020

149 dias decorridos

Até 21 de Junho de 2020

1º Mês de Liberdade

Maio de

2020

152 dias decorridos

Julho de

2020

Comparando o que se passou na China

c/ o que se poderá passar em Portugal

(comportando-se os portugueses como os chineses)

 

E segundo estes cálculos talvez um pouco manhosos (mas com a minha perceção, afirmando poder estar corretos) já depois dos chineses lá chegarem  (Maio 2020), devendo chegarmos nós portugueses (Julho de 2020, com sorte talvez ainda em junho), mantendo-se a interrogação sobre o que se passará entre outros (territórios) no Terceiro Mundo: e nele incluindo África (ainda pouco tocada, mas podendo disparar) e ainda os EUA (neste momento já em 6º, no número de vítimas mortais) − tal como na Saúde e em muitas áreas fundamentais, um país subdesenvolvido, bem pior que Portugal e ainda-por-cima não se enxergando (sem razão e objetivos, só provocando e ameaçando).

 

No mínimo e em Portugal (iniciado o impacto do Covid-19, a 1 de março e com 18 dias decorridos) com um total de 4 a 5 meses de espera.

 

E uma forma de passar o tempo, voluntariamente, pela nossa saúde e pela dos outros, agora (amanhã ainda mais) já fechados em casa.

 

(imagens:  MÁRIO CRUZ/LUSA/MADREMEDIA/24.sapo.pt − worldometers.info)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:52

14
Mar 20

Próximo de se ter cumprida a primeira quinzena de março (num percurso com origem no início de janeiro) com o número global de vítimas mortais a caminho das 6.000 (pelo meio-dia, pelas 5.543), uma taxa de mortalidade de 7%: ainda com a taxa de recuperados (apenas) nos 53%. E com o Epicentro do Covid-19 inicialmente localizado na China (ÁSIA) − com os casos de contágio/infeção a diminuírem − a transferir-se agora para a Itália (EUROPA): com a taxa de mortalidade a ser maior do que a então registada na China e com os números a dispararem.

 

Screenshot_2020-03-14 Drone captures eerie views o

 

Casos de Covid-19

147.960

(100%)

Casos Ativos

69.845

(47%)

Casos Fechados

78.115

(53%)

Condição Média

63.763

(91%)

Condição Crítica

6.082

(9%)

Recuperados

72.572

(93%)

Vítimas Mortais

5.543

(7%)

worldometers.info

14.03.2020 11:12 GMT

 

A nível Global e incluindo todos os Cinco Continentes com a ÁSIA (5 países no Top 10 de VM) e a EUROPA (4 PAÍSES NO Top 10 de VM) sendo para já os continentes mais expostos (e a sofrerem mais intensamente), com a América (1 país no Top 10 de VM) e a Oceânia logo a seguir e estando-se ainda expectante sobre a evolução que o vírus terá em África (já tendo aí chegado): China, Itália e Irão só eles com 5.066 vítimas mortais (VM) ou seja, mais de 90%. Nem sequer valendo a pena falar nos EUA, onde o caso poderá ser mais grave do que parece.

 

Screenshot_2020-03-14 Drone captures eerie views o

 

Covid-19 a Nível Global

Top 10 de Vítimas Mortais

P

País

Continente

VM

TC

TM

China

Ásia

(1º)

3.189

80.824

3,9%

Itália

Europa

(1º)

1.266

17.660

7,2%

Irão

Ásia

(2º)

611

12.729

4,8%

Espanha

Europa

(2º)

133

5.232

2,5%

França

Europa

(3º)

79

3.661

2,2%

Coreia do Sul

Ásia

(3º)

72

8.086

0,9%

EUA

América

(1º)

50

2.329

2,1%

Japão

Ásia

(4º)

21

738

2,8%

Suíça

Europa

(4º)

13

1.375

0,9%

10º

Iraque

Ásia

(5º)

9

101

8,9%

worldometers.info

14.03.2020 11:12 GMT

(P: Posição VM: Vítimas Mortais TC: Total Casos TM: Taxa Mortalidade)

 

Em Portugal (entre 139 países já tendo sido  infetados ou seja mais de 70%) com 112 casos já confirmados e com 2 recuperados (+1), ainda se mantendo o cenário por todos desejado de não se ter registado nenhuma vítima mortal por cá: 0% de vítimas mortais (quando já mais de 40 países afetados pelo covid-19 não podem dizer o mesmo). Com o Porto e Lisboa com o maior nº de casos ainda ativos 89% (99 no total) seguindo-se Coimbra e Faro com 11% (12 no total). Com os números para Portugal (uma vez por dia) ainda por atualizar.

 

Screenshot_2020-03-14 Drone captures eerie views o

 

Covid-19 em Portugal

Situação da Epidemia

Casos

Em Vigilância

5.674

Suspeitos

1.308

Confirmados

112

(8,6%)

Internados

107

Recuperados

1

Óbitos

0

(0%)

anmsp.pt

14.03.2020 12:03

 

Este fim-de-semana (14/15 de março) com Portugal a ser finalmente colocado em Estado de Alerta depois de Angela Merkel – “colocando-os entre a espada (China) e a parede (Itália)(certamente tal como o fez com outros líderes europeus ainda reticentes, “contabilisticamente” falando, tentando atrasar um pouco mais a “fase-de-impasse”) − ter posto em sentido o nosso 1ª Ministro obrigando-o a agir (em vez de reagir), graças-a-Deus” ultrapassando a opinião maioritária (por vezes esmagadora, dada a confrangedora incompetência para o cargo) sugerida (inacreditavelmente) no dia anterior pelas nossas diversas “Comissões de Iluminados” propondo precisamente o oposto (daí a sua total falta de crédito), sem dúvida a Morte (em vez da Vida).

 

E já hoje (provavelmente observando os custos da medida e para quem ela era dirigida), ainda sem nada terem concretizado (zero), a fazerem desde já marcha atrás: “Medida de apoio às famílias durante o fecho das escolas não é válida durante as férias da Páscoa, nem para quem está em teletrabalho(Madremedia/24.sapo.pt).

 

Conclusão? FdP!

Falta de Vergonha, apenas sendo confirmada.

 

(imagens: ctvnews.ca)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:18

12
Mar 20

Com a região do Porto e de Lisboa a serem no presente as mais atingidas pelo surto de Covid-19: 86% dos infetados. E ainda hoje se ficando a saber se a nossa estratégia futura de combate a esta nova versão (mortal) de Covid-19, se inclina para a China (prevenindo) ou então para a Itália (remediando): fazendo soar o alarme somente depois de se ter a certeza (absoluta) da casa já estar (mesmo) a arder ou seja, já lá estando bem instalado o Diabo! Não fechem as escolas (jovens), não estejam atentes aos lares (idosos), mantenham  o intercâmbio … e logo se verá!

 

Screenshot_2020-03-12 Coronavirus COVID-19 (2019-n

Distribuição Global da pandemia de Covid-19

(12.03.2020)

 

Segundo a ANMSP (Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública) − associação portuguesa de médicos de Saúde Pública sem fins lucrativos – numa informação publicada no seu site (anmsp.pt) e dedicada ao surto epidémico do novo coronavírus Covid-19 em território português (Continente e ilhas), o ponto de situação registado esta quinta-feira 12 de março por volta das 13:00 (de Lisboa) – no momento em que os números globais apontam para 127.863 infetados, 4.718 vítimas mortais (3,7%) e 68.310 recuperados (53%):

 

Covid-19

12.03.2020 13:00

Em Vigilância

Casos

Suspeitos

Casos

Confirmados

Doentes

Internados

Doentes em c/ Intensivos

Óbitos

4.923

637

12,9%

78

1,6%

69

1,4%

0

0%

0

0%

 

Relativamente ao dia anterior com o nº de infetados (por dia) a crescer mais de 30%, com o número de novos casos a passar de 18/19 indivíduos (quando ainda desde há uma semana, andava pelos 2/4 indivíduos) e com o número de suspeitos a saltar de 471 para 637, num aumento de mais de 37%. Números ainda elevados indicando estarmos ainda numa fase de crescimento deste surto epidémico (a caminho de um pico máximo de atividade) agora já tendo passado (segundo a WHO) a Pandemia, com a maioria dos infetados localizados a Norte – região do grande Porto c/ 44 casos (56%) – seguido da região litoral acima do Tejo − região de Lisboa c/ 23 casos (29%) – e finalmente pela região do Algarve Faro c/ 5 casos (6%) e de Coimbra distrito c/ 5 casos (6%).

 

A nível Global com a ITÁLIA continuando a ser (infelizmente) o “mau exemplo a seguir” infelizmente e pelos primeiros sinais observados parecendo ser o modelo a ser seguido (pelo menos para já) em Portugal − atrasando encerramentos e o possível e indesejado alarmismo social, esperando que o próximo infetado seja confirmado (apareça ou seja descoberto) e só depois, tendo já sido assaltados, ou pondo trancas à porta ou instalando-se o caos: não admirando pois que no meio desta grande confusão (conforme certos interesses, onde uns desvalorizam o surto e outros o extremam) as pessoas ontem e em Portugal (por exemplo, em Lisboa como poderia ser o Algarve) fugissem do “stress provocado pela possível presença do pelo Covid-19” para a praia, tal como de certa forma mal foi declarado o período de Quarentena no Norte de Itália os italianos do norte fizeram enquanto puderam fugindo para Sul e aí contaminando todo o país.

 

Screenshot_2020-03-12 Coronavirus COVID-19 (2019-n

Casos diários e globais de Covid-19

(20 de janeiro a 12 de março)

 

Depois da China (quase 2/3 dos infetados globais e com o maior número de vítimas mortais) com a Itália a apresentar o pior cenário, hoje já a caminho dos 13.000 infetados (10% do total Global) e das 900 vítimas mortais (em redor dos 20% do total Global). E enquanto no nosso país os debates entre a nossa elite intelectual e certificada (com a participação elevada de especialistas e de influenciadores) se divide entre uma opção por uma Via Mais Soft ou uma outra Via Mais Hard – questionando-se sobre se devemos ser duros e antidemocráticos como os Chineses e os Macauenses (obrigando-nos ditatorialmente a cumprir os nossos deveres, entre eles a Quarentena) com o sucesso evidente ou permissivos por amplamente democratas como os italianos e pelos vistos os portugueses (colocar tudo em alvoroço descoberto o foco infectocontagioso e tendo o transmissor andado a passear à nossa volta) com os resultados que se vêm – em vez de agirmos continuamos à espera: com a componente económica e contabilista a ingerir-se e a tornar-se na sua ação predominante no esquema montado de resolução deste problema de saúde, não querendo perder “nem tempo, nem dinheiro”, categorizando-nos como um dos seus mais fundamentais produtos e subobjectos (despromovidos de sujeitos) e instrumentalizando os imediatamente abaixo (na hierarquia fechada do poder) colocando-os sob seu controlo – tal como é o escândalo de “se fechar ou não as escolas” com aqueles que deveriam ser os responsáveis por tal decisão coletiva (que já deveria ser tomada) a esconderem-se nos seus gabinetes, passando a pasta e a responsabilidade a cada uma das escolas e ainda-por-cima algo correndo mal e nada tendo feito, acusando todos os outros (pais, filhos, alunos, professores, velhos, novos, etc.).

 

E a partir do que aqui se passa e no Resto do Mundo qual a admiração da confusão aqui e acolá instalada: com as ditaduras a recuperarem (China podendo estar a estabilizar e a descer) e com as democracias a perderem (Itália ainda a crescer) esperando não capitularem e assumirem (como os EUA antes ignorando mas face aos factos deixando de o poder fazer) como humanos (que são) os seus erros. Para já não falar da obsessão positiva com os mais novos esquecendo-se quase completamente nos debates de uma outra obsessão positiva muito mais importante (central), dos que poderão ser as maiores vítimas deste vírus (o Covid-19) e de que pouco se fala: os idosos. Naturalmente que os grandes espaços sobretudo sendo fechados sendo os mais preocupantes (para a transmissão do vírus), assim como o contacto diário depois de diferentes percursos diários percorridos (não se respeitando uma correta Quarentena, com uns entrando/saindo outros não) uns feitos pelos jovens outros pelos seus familiares mais idosos, sabendo-se da “velha relação de apoio” avós-netos, devendo ser idênticos e não diferenciados e colocando-os tal como agora em Itália “todos não sozinhos mas acompanhados e em casa”.

 

Casos Globais

133.080

(12.03.2020 − 18:009

Casos Ativos

59.235

(44,5%)

Casos Encerrados

73.845

(55,5%)

Condição de Saúde

Situação

Média

Crítica

Vítimas Mortais

Recuperados

53.312

(40,1%)

5.923

(4,4%)

4.947

(3,7%)

68.898

(51,8%)

 

Esperando-se que não se imitando Itália e às suas autoridades e hierarquias (sobrepondo o valor do objeto − matéria-prima/lucro − ao valor do sujeito – dispendioso/de desgaste rápido), a Vida do ser Humano se sobreponha ao valor do Dinheiro: não necessitando de representantes por nós eleitos (e na altura ajoelhando-se e até rastejando para terem o nosso voto) nada fazendo e não tendo um único pingo de vergonha (aliás, impedindo os outros de fazer algo, não fossem eles por inutilidade ultrapassados), sem ideias, nem opções, nem mesmo desejo – tendo apenas um “emprego” não um “trabalho” e incomodados como diria alguém por deploráveis − desafiando-nos e chamando-nos  de estúpidos. Como o fez exibindo a sua autoridade e prepotência e sabendo os inferiores hierárquicos por “obediência ao chefe (obviamente por receio e represália) nada dizerem − por medo, mas igualmente por pura covardia, querendo proteger igualmente e no respetivo assento (o indicado) o seu querido “rabinho – mesmo sendo mulher e nesse aspeto nada ficando a dever aos homens – a atual presidente (a 12 de março de 2020) da autarquia (câmara municipal) de Portimão.

 

(imagens: gisanddata.maps.arcgis.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:34

Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15

28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO