Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

16
Dez 12

 I

“Cavaco vai dar luz verde ao Orçamento do Estado”

(apesar de o enviar de seguida para o Tribunal Constitucional para fiscalização sucessiva)

Expresso

 

Os criadores de monstros têm consciência do que estão a fazer, não só porque os criaram, mas também porque viram os tentáculos do seu querido monstro a crescerem sem controlo, secando tudo à sua volta. E todos nós já sabemos, que “quem cala consente” e no fim até negoceia!

 

    

O incómodo de Cavaco Silva face à (sua) vergonha de haver fome em Portugal – sentimento verdadeiro ou álibi?

 

Luísa Trindade vive com 224 euros por mês e sobrevive à custa do filho; Cavaco Silva vive com mais de 10.000 euros por mês e receia não ter dinheiro suficiente para as suas despesas.

 

II

Golpe de Estado?

 

E porque não? Imitando Molina e após promulgação do orçamento de estado, milícias governamentais ocupam o Tribunal Constitucional

 

A reincidência consciente em procedimentos e atuações passadas, que se sabia por antecipação e logo da primeira vez serem inconstitucionais – mesmo assim promulgando as inconstitucionalidades por antecipação e proteção – não poderá ser equiparado a um acontecimento, tipo Golpe de Estado? O que se passa é que uma grande corporação de interesses está a esquecer deliberadamente todo o povo português, perdendo progressivamente a noção de decência e do limite da indecência.

 

III

O Exemplo do Sr. Silva

 

Depois da fase branca dos descobrimentos e da ocupação colonial, Portugal atravessa agora uma fase preta, abrindo-se todo ao Brasil e a Angola e jurando-lhes obediência e fidelidade como fonte de inspiração e dinheiro

 

O Sr. Silva – pequeno empresário falido da nossa terra e considerado pouco idôneo nas suas negociatas – decidiu abrir um negócio ilegal, contratando para o efeito um influente advogado da praça e comprando dezenas de pareceres favoráveis, de modo a poder interpretar a lei a seu favor e assim poder enriquecer legalmente.

Como qualquer outro tipo de patrão chico-esperto português e demonstrando capacidades empresariais nunca pensadas, montou um simples esquema de atuação:

  • Inicialmente pediu a cada um dos seus mil sócios/empregados que doassem individualmente 1000 euros para a constituição duma empresa em seu nome e onde iriam futuramente trabalhar, encaixando desse modo um total de 1.000.000 euros. Mas o que fazer para ficar com o dinheiro todo, aproveitando ainda e se possível para fugir aos impostos?
  • Seguidamente constituiu em seu nome uma empresa de comunicação social, alugando o espaço para divulgação do seu negócio e dos seus sócios-empregados, pela módica quantia de 1.000.000 de euros. Deste modo assegurou ser o único destinatário desse milhão, podendo ainda beneficiar futuramente – com uma possível passagem a Fundação – de esquemas legais de fuga aos impostos.

Por precaução e responsabilidade e como bom e atento pai de família, o Sr. Silva diversificou o seu património, distribuindo-o equilibradamente por vários familiares e outras pessoas de confiança e assim contribuindo para o lançamento das sementes para o nascimento de um novo banco e para o crescimento de investimentos semelhantes.

 

(imagens Google)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:35

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
18

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO