Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

21
Out 19

Razão pela que muitos de nós

(p/ alguns sendo necessário)

ainda usam o(a) Boneco(a) Insuflável.”

(em vez das modernas e amanhã digitais SEX-DOLLS)

 

5daa94f92030277971650e5d.jpg

 

Talvez como o artigo (da RT) sugere devido a HAL – no filme de STANLEY KUBRICK “2001 A SPACE ODYSSEY”, o computador (HAL 9000) controlando a maioria das operações a bordo da nave espacial DISCOVERY (na sua missão a JÚPITER) – assim como à falta de confiança que se tem no HOMEM (assim como na sua criação a MÁQUINA) – com a Máquina a poder servir-se ilegalmente do Homem (não cumprindo a regra número um, protege-lo), assim como o Homem (não o sabendo, mas eventualmente podendo ser “uma verdade”) a poder ultrapassar indevidamente (“viciosamente”) o pedido à mesma solicitado – não e como se esperava para proteção do Homem, mas como salvaguarda suplementar de preservação e de segurança (selo de garantia de integridade) para a Máquina − DAÍ O NOSSO GRANDE ESPANTO − eis que um grupo de Académicos (Anco Peters e Pim Haselager/International Journal of Social Robotics/researchgate.net) solicita às autoridades oficiais de direito (com competências e responsabilidades na área) uma autorização de consentimento (de “utilização”), por parte não do Homem mas vindo do lado da Máquina:

 

“Academics want sex robots

capable of withdrawing consent.

Even our fantasies aren't safe

from the virtue police.”

(rt.com)

 

Partindo da ideia da existência de um conflito futuro (verdadeiramente possível) entre o Homem e a Máquina (vindo de um lado ou vindo do outro, pelos vistos devendo ser equiparados), com estes investigadores (a partir do seu artigo “Designing Virtuous Sex Robots”) nas suas experiências teórico-existenciais (e certamente tendo muito tempo e espaço, para gastar) não reais por refletidas (num Espelho) preferindo em vez de confiar no Homem, prevenir-se defendendo a Máquina (pensando-a como uma “minoria” como tal, a ser protegida). E assim oferecendo às Máquinas, a possibilidade de dizerem não ao Homem:

 

Sem título.jpg

 

“Researchers are calling for sex robots

to be programmed with the ability to give and rescind consent,

lest their human 'partners'

become rape-crazed maniacs.”

(rt.com)

 

Levando esta “Cultura do Consenso” a um extremo nunca pensado, colocando agora a Máquina (no mínimo) ao nível de nós, do Homem (como se já não chegasse como sujeitos que somos a nossa desvalorização crescente face aos objetos, agora tornados inteligentes e transformados em ROBÔS) e abrindo ainda mais as portas para a nossa (completa) subjugação (consentida): nem sequer se podendo brincar com objetos (o que naturalmente fazemos, desde a nossa infância, com os chamados brinquedos) apesar de se o poder (fazer) mais tarde ou mais cedo mas com sujeitos e armas (conjugados = Morte). E desse modo mesmo que nunca se recorra a um humano para uma simples prática de sexo − devido a possíveis desentendimentos e diferentes versões futuras −  substituindo-o por um Robô-Sexual (com o(a) Boneco(a) Insuflável tal não acontecendo provavelmente por ser “analógico”) podendo-se mesmo assim ter azar, com o Robô chamando a polícia (por falta de cumprimento do processo de consentimento) e acabando-se na prisão.

 

“Robots face ‘sabotage’

from human co-workers

fearing they will be replaced.

But is that a surprise?”

(rt.com)

 

E continuando as violações entre Humanos (sem fim à vista e em crescendo), optando-se prioritariamente (pelo menos nas suas “particulares” preocupações, de alguns) por proteger não os originais, mas as suas (ou seja, as nossas) próprias cópias (mecânicas), apenas por digitais e com certificado IA (Inteligência Artificial): e mais cedo do que pensávamos com a Raça Dominante a ser (depois do BIOHOMEM ) – inicialmente e num período definido – BIOMECÂNICA, para posteriormente e ao Evoluir se metamorfosear, tornando-se num Entidade qualquer, individual – “negando a Morte” − ou coletiva – “deixando-se levar por ela”.

 

(imagens: Global Look/Lapone/Fotogramma/RT −GIPHY/RT)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:44

12
Out 17

(E de novo obrigatórias)

É que o Homem fica em casa

(certamente para morrer e deixar de existir)

 

“O problema da Humanidade não reside na sua falta de interesse, de ambição e de sentido de sobrevivência (dos mais de 7,5 biliões de seres vivos e racionais), mas na Ameaça crescente e cada vez mais Presente (vendo-se os Média chegando a ser Asfixiante) daqueles que nos manipulam, pensando salvaguardar-se (e eternizar-se) e com isso controlar-se ‒ e controlando a manada seguindo obedientemente o seu Chefe (mantendo virtualmente o equilíbrio entre a base e o topo). Só que os pais que cerceiam os filhos (na sua visão e desejos), mais cedo ou mais tarde sofrerão as consequências: com o fim a ser certo para ambos.”

 

PIA21968.jpg

PIA 21968 ‒ Alvo Júpiter

O planeta JÚPITER e as suas luas IO/mais perto e EUROPA/mais afastada

(observadas pela sonda automática Juno)

[Com o aspeto negativo ‒ a continuar a ser ‒ a má resolução do registo

(para mim incompreensível)]

 

Agora que o nosso alcance visual utilizando sistemas adicionais (presenciais ou não) associados ao nosso órgão de visão foi encurtado (recentemente) de uns 650 milhões de Km (antes de 15 de Setembro com uma presença local/sonda automática e outra à distância/telescópio Hubble), vemo-nos agora constrangidos a na melhor das hipóteses e tomando como referência (ponto central) o Sol, a limitarmo-nos à região do Espaço envolvendo o planeta Júpiter e os seus satélites ‒ deixando de novo e para mais tarde (tal como se fez há quase 50 anos com o programa Apollo e a exploração da Lua, abandonando-se sem qualquer tipo de explicação credível o nosso tão próximo satélite) a exploração mais profunda da região mais afastada do nosso Sistema Planetário (o Sistema Solar composto por oito planetas, respetivas luas, asteroides, cometas e outros objetos): destruída a sonda CASSINI sob o pretexto da preservação dos Novos Mundos rodeando SATURNO (mundos a ele associado como o serão algumas das suas luas ‒ locais prometedores para a existência de água e de algum tipo ou forma de vida orgânica mesmo que simples ou primitiva) deixando o Homem de estar presente para lá do GIGANTE GASOSO (presença direta ou por interposto agente), limitando-se no presente a sua ação aos Planetas Interiores (com Marte em grande destaque) e mais além (a exceção ainda ativa mas para já sem alternativas futuras) ao planeta-anão PLUTÃO e a outros objetos localizados no Cinturão de KUIPER (com as sondas automáticas NEW HORIZONS/Plutão e Cinturão de Kuiper e DAWN/Vesta e Ceres). Não esquecendo a sonda ROSETTA (e a sua visita ao asteroide 67P/C-G) e agora (claro) a sonda automática JUNO: deixando para o fim as sondas já perto dos limites do Sistema (Solar) ou tendo-o mesmo ultrapassado - a VOYAGER 1 e a VOYAGER 2.

 

Io_Full_br.jpg

A lua (de Júpiter) IO

 

europa2.jpg

A lua (de Júpiter) EUROPA

 

IO: Entre as mais de 60 luas do Gigante Gasoso e maior planeta do Sistema Solar (JÚPITER o Planeta Exterior mais próximo do Sol) uma das maiores luas do planeta, neste registo de 1 de Setembro de 2017 obtido pela sonda JUNO, quando a mesma (sonda) se encontrava a cerca de 27.500Km da camada superior de nuvens envolvendo o planeta gigante Júpiter (diâmetro Júpiter = 11,2 X diâmetro Terra).Uma lua jovem, vulcanicamente ativa e rica em enxofre (que lhe dá o colorido) e apesar da sua atmosfera agressiva podendo comportar Água e até mesmo Vida. Na altura a 480.000Km de Júpiter.

 

E assim tendo por perto a ISS, em órbita a uns 400Km da Terra e sendo o único voo tripulado (desde o abandono do projeto APOLLO), no presente já sem a presença dos Vaivém tripulados (agora descontinuados mas no entanto ainda presentes com naves semelhantes mas na esfera militar), nem missões a curto-prazo incluindo na mesma tripulação (para já com destino/objetivos traçados ‒ mas sem meios eficazes para o concretizar sejam públicos/SPACE X ou privados/NASA), restando unicamente ao Homem esperar por uma nova oportunidade (proporcionada pelo mesmo Homem) de um dia retornar à Lua (apenas a 481.400Km, a poucos dias de viagem e possibilitando transporte de carga) aí instalar uma base (à superfície e/ou em órbita da Lua) e daí catapultar-se para viagens mais longas (e frutuosas) e até interplanetárias: com a primeira viagem já projetada por públicos e privados a apontar para os finais da década de 20 (talvez lá para 2030) tendo MARTE como alvo mas mais longe o seu objetivo (final) ‒ sem dúvida encontrando-o nas luas de Júpiter (com a sonda Juno por perto) e de Saturno (sem ninguém nas redondezas após o suicídio da sonda Cassini) os mais prováveis locais aí se podendo descobrir água e até vida orgânica. Mas fechados como estamos no nosso Suicídio Interno, pouco tempo restando para a sobrevivência da Espécie (Homem): convencendo-nos definitivamente e sem recuo possível que a sobrevivência da mesma (da nossa espécie ou seja dos 7,5 biliões de humanos) terá sempre que passar (por muito que ela nos custe) pelo abandono do Lar (a nossa área de conforto) partindo à Descoberta (e Conquista) rumo ao desconhecido (mas onde se encontra o nosso Futuro). Perguntando-me MAIS UMA VEZ (e todas as que forem possíveis) ‒ sobretudo para aqueles que a partir de uma TV a preto-e-branco, com o seu enorme e caraterístico cinescópio (tornando-as enormes e rabudas) e emitindo para uma minoria durante horas seguidas e de noite ‒ como foi possível tal Barbaridade de após lá chegar, abandonar e esquecer (a LUA ali tão perto e face às despesas de Guerra comparativamente tão barata): deixando todos aqueles que no início dos anos 70 perspetivavam o surgimento a muito curto-prazo de um Novo Mundo na Terra e para os terrestres (com uma Esperança enorme derivada do desenvolvimento científico e tecnológico que já aí se constatava) ‒ na altura (suponham) com 18 anos hoje já com 65 ‒ cair numa tristeza absoluta (e para muitos inadmissível por inacreditável, pondo em causa a sobrevivência da Espécie) ao ver uma geração a passar como se nunca tivesse existido.

 

hst2.gif

Os diferentes fragmentos do cometa Shoemaker-Levy 9

Originalmente oriundos de um cometa com cerca de 2Km de diâmetro, talvez capturado por Júpiter uns 20/30 anos antes (da colisão) e acabando por fragmentar-se devido à poderosa força gravitacional (de atração) exercida pelo planeta

 

EUROPA: Outra das maiores entre as mais de 60 luas orbitando o planeta Júpiter (em dimensão com Ganimedes à cabeça), um pouco menor do que IO e registada nesta imagem a cerca de 730.000Km do planeta. Tendo uma massa ligeiramente inferior a IO e um maior raio orbital (mais afastada) ‒ e com um período duplo do de IO. Tal como IO, CAÇISTO e GANIMEDES, podendo albergar água e porque não Vida: “Suspeita-se que a vida extraterrestre possa existir no oceano por baixo do gelo, talvez subsistindo como os seres vivos que vivem em condições semelhantes na Terra, já que Europa tem elementos essenciais para a vida como a conhecemos: água, calor e compostos orgânicos. Ou seja, em respiradouros hidrotermais como no fundo dos oceanos ou como no Lago Vostok da Antártida.” (wikipedia.org)

 

Nesse sentido sendo crescente e desesperante o nosso (de Todos) constante grito de revolta e de raiva para com esta situação/contradição (agora tão perto do fim do ciclo de passagem duma geração completamente perdida uma monstruosidade no Mundo do Crime), ao ver tudo a Transformar-se (sem interrupção e à nossa volta), o Mundo a evoluir (com a Terra a abrir-se ao Espaço) e o Tempo a correr (com o Sistema Solar na sua meia-idade) e apesar disso e de tudo o aprendido/apreendido (percecionado e sentido), mantendo-nos indiferentes e completamente estáticos, ficando simplesmente à espera que alguém nos imponha o Segredo (do Movimento) para a nossa Ressureição e Partida (à procura de novos territórios) fazendo como o feito e iniciado há cerca de 600 anos: entre o Século XV e o início de XVII com o Homem a fazer as suas grandes viagens marítimas (verdadeiras epopeias) tendo nos Portugueses e no Atlântico duas das suas grandes referências ‒ partindo à Aventura e à Descoberta de Novos Mundos (e sua Conquista) sabendo de antemão todos os riscos a correr (podendo-se mesmo morrer) e no entanto a insistir sabendo ser inevitável se não quiser desaparecer. Como todos nós sabemos com a única diferença entre um ser vivo e outro morto (fisicamente) a ser bem visível e palpável (nem lhe sentindo a Alma e no entanto não significando a sua não existência mas uma mais que provável Passagem ‒ para outro nível) através de um único detalhe: um mexendo-se outro não.

 

mssso4.gif

 

JÚPITER/SATURNO: Sendo a Terra um caso particular no conjunto que integra (um conjunto virtualmente fechado por nós denominado como Sistema Solar e estendendo-se por umas 10 000 AU tendo o Sol como referência e a Nuvem de Oort como limite) ‒ ou não fosse ela o único objeto solar comportando Vida (Inteligente) no seu interior ‒ tornando-se natural que para a proteção e segurança desse conjunto e das suas mais preciosas particularidades (Atmosfera, Água e Vida, estando tudo interligado) o mesmo se defenda das Ameaças (oriundas do Exterior) criando medidas de autoproteção eficazes e permanentes: e tal como o centro do ovo é protegido por diferentes camadas sobrepostas (umas sobre as outras) terminando finalmente na casca (o invólucro final contendo o nosso conjunto), numa muita maior escala e usando o mesmo raciocínio (as coisas são mais simples do que se pensa) o mesmo se aplicará ao Sistema (Solar), aos componentes e mecanismos. Pelo que a presença dos Planetas Exteriores para lá da Cintura de Asteroides (principal e objetivamente Júpiter e Saturno pela sua enorme Massa e Dimensão) poderá para além do mais ter uma Função Vital de Proteção (para o Sistema/Terra/Vida): “Without Jupiter and Saturn orbiting out past Earth, life may not have been able to gain a foothold on our planet. The two gas giants likely helped stabilize the solar system, protecting Earth and the other interior, rocky planets from frequent run-ins with big, fast-moving objects. In other words, giant planets appear to have a giant impact on giant impacts.” (space.com)

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:40

18
Out 12

Vampiros (e Crianças) na Escola com Família no Fim

 

VAMPIROS

No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas Pela noite calada
Veem em bandos Com pés veludo
Chupar o sangue Fresco da manada

(José Afonso)

 

Em Portugal aqueles que a nós Tudo Devem – as Novas Chefias Produzidas pelo Golpe de Estado de Abril, que sanearam o patrão e vampirizaram os antigos colegas de trabalho – perderam definitivamente todo o respeito que tinham por nós, agora que vêm que não temos de comer, nem nada para lhes oferecer: renegam a sua própria memória, a cultura das suas gentes, as esperanças dos seus filhos, tudo para garantirem o salário no fim do mês e tentarem impor aos outros e por transmissão, a força do vírus do seu corpo doente.

 

CRIANÇAS

Quando um adulto utiliza uma criança para reforçar os seus atos e impor as suas ideias, está a desprezar sem razão alguma, todas as outras crianças do mundo e todos os seus familiares e amigos, transformando-se num ser inútil e desprezível e sem recurso possível para a comunidade. Tem sempre a alternativa de ir lutar com outros, que sejam mais da sua idade!

 

Um dia uma criança chega à escola cheia de fome – tal com outros colegas seus – e à hora do almoço lá vai à cantina esperançada em comer algo, sendo de imediato impedida de fazer a sua principal (ou única) refeição do dia juntamente com os seus colegas, por falta de pagamento anterior. Ordens superiores dizem! Os colegas revoltam-se com a situação criada – enquanto estes almoçavam a colega ficou a vê-los comer – denunciando esta situação de violência aos seus pais. E depois veio o resto e até se soube que uma funcionária mais atenta se tinha prontificado a pagar do seu próprio bolso a refeição da criança, tendo sido impedida de efetuar este ato irrefletido por ordem da direção da escola. E o que teria acontecido se o tivesse feito?

 

E a Diretora fala (com insultos e ameaças como era de prever e apenas para se defender):

  • Todos os pais foram informados das medidas, que seriam aplicadas caso não regularizassem as dívidas até 9 de Outubro.
  • Podiam ter pedido a renegociação desses valores e até dos escalões, mas alguns foram negligentes e não o fizeram.
  • Foram participados à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (os casos de incumprimento).

ESCOLA

É nisto que dá os Mega Agrupamentos: desrespeito pelos pais, professores, funcionários, alunos e toda a restante comunidade educativa. E apenas apoiados por aqueles que detestando ser educadores, se querem servir exclusivamente da escola – como quem passa pelo governo – para se auto promover. Ou até pode ser, que já não batem bem da bolinha! 

 

De que é que a DREALG está à espera (será que ela ainda existe ou estará entregue aos bichos – e nas mãos de alguns bichinhos informáticos):

  1. Para libertar o dinheiro do estado pago com o nosso suor e lágrimas através de impostos na maioria ilegais e imorais e aqui necessário para pagar a alimentação dos nossos filhos que frequentam a escola – estando esfomeados por sermos pobres – ainda-por-cima tratando-se de uma jovem sentada à mesa com os colegas e vendo-os ao lado a comerem – sem poder fazer o mesmo – a sua refeição na cantina?
  2. Para abrir imediatamente um inquérito urgente para analisar o comportamento vergonhoso e inadmissível para uma “profissional da educação” aparentemente mulher, diretora e responsável, de nome Conceição Bernardes, suspendendo-a temporariamente de funções devido à gravidade da sua atuação e por desrespeito para com as regras básicas de funcionamento de qualquer instituição destinada à formação de jovens?
  3. Para verificar a responsabilidade indireta mas fundamental dos responsáveis da própria DREALG, na aceitação de chefias locais incompetentes – e achando-se hierarquicamente inimputáveis por nomeação superiormente confirmada – mesmo quando surgem casos inconcebíveis e escandalosos como este e ainda na emergência atual de dezenas de casos indetetaveis mas de foro criminal, como o da colocação de professores por oferta de escola, em que se privilegia quem se conhece e quem nos pode oferecer qualquer coisinha palpável, mas nunca ligando às prioridades de planeamento e investimento da própria terra onde os mesmos “chefes” residem ou nasceram ou caíram de paraquedas; por esse motivo a avalanche milagrosa da aparição como cogumelos e em todo o lado de cursos ligados à hotelaria e restauração, hoje em desgraça económica e criadores de mais desemprego por saturação de mercado e por outro lado o fim vertiginoso dos cursos intermédios técnico-profissionais ligados a áreas – pelos vistos sem futuro – como a da eletricidade/eletrónica, mecânica, madeiras, serralharia, etc., que pelos vistos ninguém na delegação controla e todos de olhos fechados aceitam?
  4. Para defender a funcionária – que deveria substituir imediatamente a diretora nas funções desta, por crime moral e ético de incompetência – impedida pela diretora de pagar a refeição da jovem com dinheiro do seu próprio bolso (como é que isto é possível? Só mesmo neste país!) e correndo futuramente o sério risco de poder vir a ser dispensada pela dita cuja, talvez para servir de exemplo para as restantes funcionárias e encarregados de educação?
  5. Para propor à diretora do Agrupamento de Escolas Dra. Laura Ayres – cuja memória não merecia a presença de indivíduos sem estatuto mínimo para esta função, mas com autorização concursal indevida, de utilização de armas deste calibre – uma consulta de acompanhamento psicológico ou psiquiátrico ou então a sua mobilidade para outra secção autárquica ou governamental, mas bem longe das suas vítimas, as famílias e das crianças?
  6. Para oferecer à mãe da criança um pedido de desculpa por parte da DREALG pela ação criticável e suscetível de averiguações tomada de uma maneira indigna e cruel por parte da Diretora, oferecendo à mãe da criança – e a todas as outras nas mesmas circunstâncias e merecendo todo o respeito devido – proteção contra ações futuras desta chefia incompetente?

FAMÍLIA

Parece que estamos todos a viver à volta de um vulcão que entrou de novo em atividade, em que todas as pessoas se queixam de estarem a ser constantemente atingidas por projeteis imprevisíveis e violentamente destruidores, continuando no entanto a defender a todo o custo e como se de um Deus se tratasse, a origem Divina desse fenómeno. E não é oferecendo sacrifícios humanos para apaziguar esse Deus-Vulcão – lançando-nos na boca do mesmo – que conseguiremos aplacar as suas terríveis exigências. Só se estivermos de fato, de Regresso ao Passado!

 

E os Pais respondem (pedagogicamente e como qualquer bom profissional da educação):

  • Nada justifica uma criança passar fome.
  • Não é justo castigá-la a ela.

A crítica é de Teresa Francisco, mãe de uma criança de cinco anos que foi proibida de almoçar na última quinta-feira na EB1 nº 2 de Quarteira (Loulé). Tudo porque a família não pagou a mensalidade da alimentação, cerca de 30 euros.

 

FIM

 

A reportagem da SIC sobre o tema aqui em questão, nada de importante esclareceu sobre os procedimentos corretos que se deveriam ter tomado até à exaustão para proteger o superior interesse da jovem esfomeada, redundando a entrevista à responsável da escola num expor de pequenas divergências colaterais e pessoais, que nada tem a ver com o papel coletivo e compreensivo da escola.

 

A Associação de Pais devia ter vergonha pelo “agarrar descontrolado desta oportunidade”, apenas para dizer presente. E ainda-por-cima “espiritualmente recomendada” por “entidades superiores” – esta instituição de solidariedade social não se pode esquecer que, atacar a irresponsabilidade dos pais de uma criança-vítima, pode também significar para os outros responsaveis insensíveis que a tudo isto assistem, que “a banalização da oportunidade pode fazer o ladrão”! Atacando-nos sem piedade, em nome do lucro e por todos os lados!

 

E para finalizar esta história de “Vergonha Contida” – construída de modo a salvaguardar a mediocridade das Chefias Essenciais – não me venham agora com a desculpa final de que as crianças também mentem e sabem ser mazinhas – como já ouvi dizer ultimamente e desculpabilizando a salvadora diretora inexistente, que a criança não ficou a ver os outros a comer, tendo sido pelo “contrário” cuidadosamente colocada sozinha numa sala “sem conteúdo e neutral”, a pão-e-água (desculpem “a pão e leite”) e vigiada solidariamente pela “Técnica Operacional”; holograma obrigado por obediência hierárquica a ser subserviente para com os seus líderes e orientadores, os Nomeados Tutores Fundamentais, responsáveis pela reconstrução da humanidade e controladores-salvadores da nossa mente e dos abismos ideológicos que nos rodeiam. O certo é que a parte mais fraca é sempre demolida e obliterada pela ética e pela moral de quem não a tem mas a consegue impor aos outros, olhando estes sempre o elo mais fraco da corrente – que eles próprios construíram com um brutal desprezo e humilhação, socorrendo-se da divulgação e manipulação dos fatos ocorridos – como um fator de progressão na carreira e não como uma obrigação assumida para com toda a sociedade, visível ou não! Digam-me:

  • Quantos professores se mostraram publicamente minimamente interessados com o que se estava a passar no seu agrupamento?
  • Quantos professores foram capazes de solidariamente apoiar a parte mais fraca e indefesa neste caso?
  • Onde estão as dezenas de pessoas indignadas com a situação criada à volta da criança e simultaneamente contra todos os criminosos que se serviram dela – não são só os pedófilos – na altura prontas a marchar contra a falta de decoro de alguns na defesa do interesse superior da criança e que hoje poderiam estar à nossa espera e ao lado dos seus/nossos carrascos, prontos a insultar-nos e agredir-nos (e até aos pais da criança)?

O pensamento, as ideias, as concretizações das nossas “elites” são mesmo Miseráveis!

 

(dados e imagens – a partir de 16.10.2012: CM + GOOGLE)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:22

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO