Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

18
Nov 18

E podendo existir uma outra SUPERNOVA bem perto de nós:

“The supernova catalogued as SN 2017ein

Appeared near the center of the nearby spiral galaxy

NGC 3938

Located roughly 65 million light-years away.”

(eurekalert.org/15.11.2018)

 

Segundo os cientistas com a distância mínima de segurança (tendo como centro a TERRA e o HOMEM) para com o aparecimento de uma SUPERNOVA, a estar entre os 50 e os 100 anos-luz de distância. No caso da SUPERNOVA G54.1+0.3 (com uma extensão de cerca de 17 anos-luz) com a mesma distando cerca de 20.000 anos-luz da Terra, logo não havendo problema.

 

PIA22569.jpg

SUPERNOVA G54

(Telescópio SPITZER – PIA 22569)

Editado em 16.11.2018

 

Uma imagem (aqui registada pelo telescópio SPITZER da NASA) do remanescente da SUPERNOVA G54.1+0.3 (um EVENTO ASTRONÓMICO resultando da EXPLOSÃO de uma ESTRELA aquando dos seus últimos momentos de vida) apresentando no seu centro (na mesma região do Espaço) e como resultado dessa explosão uma ESTRELA de NEUTRÕES: por vezes e durante a evolução da mesma (e não conseguindo manter o seu núcleo central estável) com a Estrela (de neutrões) a colapsar dando origem a um BURACO NEGRO.

 

Cor

Interpretação

Vermelho

 

Ondas de rádio

Verde

Raios infravermelhos

(comprimento de onda 70 µm)

Azul

Raios infravermelhos

(comprimento de onda 24 µm)

Amarelo

 

Raios-X

 

Incluindo nessa imagem – da SUPERNOVA G54 – e por ela emitida (e posteriormente interpretados), ondas de rádio, raios infravermelhos e raios-X: no centro da mesma com uma intensa fonte de RAIOS-X (a AMARELO) e com as outras emissões a serem reportadas à presença de POEIRAS (a AZUL e a VERDE) – incluindo SÍLICA (dióxido de silício ou SiO₂). E no caso desta SUPERNOVA (tal como o afirma a NASA): “G54.1+0.3 contains a special type of neutron star called a pulsar, which emits particularly bright radio and X-ray emissions”.

 

PIA12982.jpg

SUPERNOVA G54

(Telescópios SPITZER e CHANDRA – PIA 12982)

Editado em 29.03.2010

 

Uma SUPERNOVA já anteriormente estudada e fotografada pela NASA – através da utilização dos seus telescópios CHANDRA e SPITZER – desde há vários anos debruçando-se sobre o colapso da anterior Estrela (dando origem à SUPERNOVA) e da expansão dos materiais daí resultantes pelo Espaço envolvendo-a, engolindo tudo – mesmo outras estrelas vizinhas – no seu caminho. Como já o afirmava (a dita NASA) em 2010: “Scientists think the stars in the image are part of a stellar cluster in which a supernova exploded. The material ejected in the explosion is now blowing past these stars at high velocities”.

 

E com a maior candidato a explodir mais perto de nós no período mais curto de tempo a ser o Sistema Binário de Estrelas denominado IK PEGASI (um sistema com duas estrelas), distando de 150 anos-luz da Terra – em princípio Fora da Zona de Perigo – e explodindo (segundo as previsões) dentro de 5 milhões de anos: talvez já não contando (por bons ou maus motivos) com a Terra e com o Homem (pelo menos por estas Dimensões, assim como por estes Parâmetros).

 

(fonte e imagens: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:29

08
Mar 16

Versatile Instrument to Scout for Kuiper Belt Objects

 

PIA20347.jpg

Pulsar Caranguejo – PIA 20347
Observatório PALOMAR – Telescópio HALE – Instrumento CHIMERA
(Instituto de Tecnologia da Califórnia)

 

“This pulsar is the end result of a star whose mass collapsed at the end of its life.

 

It weighs as much as our sun, but spins 32 times per second.”

 

(texto/inglês e imagem: photojournal.jpl.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:04

30
Dez 11

Uma nova estrela visível nos céus

 

Imagem dum jovem pulsar resultante duma enorme explosão numa estrela já morta, rodeado por restos de uma Supernova.

 

Pulsar – ponto azul à direita

 

As luzes de Atlantis

 

Imagem do vaivém Atlantis num dos últimos testes realizados pelas suas equipas de manutenção, numa preparação para entrega a um museu, deste vaivém já retirado.

 

Atlantis – posto de pilotagem

 

A Força do Sol

 

Imagem da silhueta de um jacto de linha aérea, que parece cruzar em grandes dificuldades a extensa superfície do Sol. O Boeing 737 aparentemente está em queda livre, provavelmente prestes a explodir debaixo das tremendas temperaturas que o envolvem. Será?

 

Boeing 737 – um telescópio e o Sol como fundo

 

(adaptação do NG)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:59

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO