mais sobre mim

subscrever feeds

Terça-feira, 06 DE Março DE 2018

O Estado do Tempo

Exterior (Sistema Solar) e Interior (Hemisfério Norte) ao nosso Ecossistema

 

climatechange2018-3550.jpg

 

Na Terra

 

Enquanto na Terra e no que diz respeito particularmente à Europa o tempo (generalizando-se a todo o Hemisfério Norte atualmente atravessando a estação de Inverno) se mantem por um lado com precipitação intensa, rajadas de vento e forte agitação marítima (por ação da denominada tempestade EMMA) e por outro lado com condições meteorológicas proporcionando tempo extremamente frio, com queda de neve e formação de gelo (por ação da denominada tempestade Besta de Leste) ‒ colocando uma parte da Europa enregelada (a de leste) outra com precipitação intensa (a de oeste) e ainda outra no meio levando com as duas tempestades (a central) ‒ as consequências da junção destas duas tempestades atmosféricas e simultâneas uma vinda de oeste e a outra vinda de este, são desde já bem evidentes agora que as mesmas parecem estar lentamente a perder força: com as condições meteorológicas mais extremas e provocando mais vítimas mortais (ultrapassando já as 66) a serem da responsabilidade da Besta de Leste e logicamente sentindo-se mais os seus efeitos em países como a Polónia, a Republica Checa, a Lituânia, a Roménia, a Sérvia e a Eslovénia (com umas 40 vítimas mortais ou seja 60% do total) ‒ mas com o Reino Unido (ou não fosse uma ilha) a ser sem dúvida o território onde se registaram mais vítimas mortais (10 ou seja uns 15%) e com a Espanha um pouco atrás (6 ou seja uns 9%) os dois apanhando logo e em simultâneo com as 2 tempestades. No caso de Portugal (e do Algarve) com o nosso território a levar direta e maioritariamente com o impacto da tempestade Emma (oriunda do oceano Atlântico) ‒ provocando chuva/vento/agitação marítima ‒ e ainda mas em menor grau com as franjas intrusivas da Besta de Leste (ou não fosse a mesma oriunda do Ártico/Sibéria) provocando frio intenso e (a partir de certas altitudes) queda de neve. Hoje (dia 4 de Março de 2018) em Albufeira e pelas 14:00 com o céu a apresentar-se encoberto, com períodos de chuva fraca (ou chuviscos) e a temperatura a registar 17⁰C (com a previsão a apontar 10⁰C/17⁰C como a mínima/máxima).

 

static1.squarespace.com.jpg

Com a radiação na estratosfera a subir 13% neste período de 26 meses

(período 2015/17)

 

static1.squarespace.com.gif

Coincidindo este 24º Ciclo Solar com a aproximação de mais um mínimo de atividade do Sol

(e com os ciclos solares a diminuírem de intensidade desde 1980)

 

No Espaço

 

Já se por outro lado abandonarmos a Terra e o seu Ecossistema (a nossa celebrada Zona de Conforto) e nos virarmos agora para a análise do tempo mas neste caso o que se verifica (não na Terra) no Espaço, podendo-se tirar desse estudo outros ensinamentos importantíssimos por certamente estarem interligados e correlacionados, com tudo o que aqui se passa pelo menos a nível Meteorológico (como poderia ser a nível Geológico com evidências sismológicas e vulcânicas): nesse sentido sendo fundamental analisar e estudar todas as influências externas condicionando a Evolução (ao longo do tempo) do nosso espaço ocupado pelo (também ainda nosso como sua espécie dominante e inteligente) planeta Terra, ou seja prever tal como na meteorologia o “Tempo que faz no Espaço” (Space Weather). Desde logo e abandonado o interior da nossa preciosa e inimitável redoma de proteção (pelo menos segundo o que sempre nos disseram) a Terra ‒ em que o Homem (posto de lado o Geocentrismo) é visto como o substituto da Terra e como o novo Centro deste Mundo ‒ com essa realidade definitivamente a diluir-se e a ser substituída por uma outra em que o Sol é verdadeiramente o centro (e o foco originário de todo este conjunto, igualmente virtual por inserir/estar inserido noutros, sucessivamente sobrepostos no Espaço/Tempo), aliás como o deveria ter sido sempre ou não fosse ele o Deus protetor da Terra ‒ para o bem e para o mal. Razão pela qual o seu estudo (sua Transformação e Evolução) é tão importante para a Terra como para a nossa (do Homem) sobrevivência: um dia em que a sua influência se deixasse de sentir (do Sol) ‒ sobrepondo-se a ação dos Raios Cósmicos à ação dos Raios Solares ‒ ficando toda a Terra perigosamente exposta ao mais variados e inesperados fenómenos oriundos do exterior e para além da destruição desse sistema de proteção (do ecossistema terrestre com o Sol pela sua ação afastando os muito mais penetrantes e perigosíssimos raios cósmicos) com outras consequências tão ou ainda mais nefastas (coincidindo entre outros com um enfraquecimento do campo magnético terrestre, com a verificação evidente de alterações climáticas e até com manifestações geológicas, como deslocação de placas, sismológicas e vulcânicas) a completarem a formação de um cenário certamente bem negro.

 

protecting-apricot-field-from-frost-italy-february

Protecting apricot field almost in bloom from strong frost ‒ Italy, February 2018

Extreme cold results in severe agricultural damage across Europe, food prices rising

(watchers.news)

 

Na Terra e no Espaço

 

Numa altura em que um Cenário deste tipo poderá estar a formar-se (mais ou menos negro) para se manifestar num futuro já próximo (com alguns cientistas a afirmarem estarmos perto de um ponto de viragem ou seja de um pico, segundo eles com um marco a apontar provavelmente para uma espera máxima de uns 300 anos) ‒ ou não estivesse a nossa estrela num período de baixa atividade, cada vez mais sendo evidente o número reduzido de manchas solares aparecendo à sua superfície, num claro sinal de que o Sol (neste seu Ciclo Solar) se aproxima de um pico de atividade mínima (com pouquíssimas manchas visíveis) deixando a Terra entregue a si própria mas com as suas defesas em baixo (não pressionadas pelo Sol adormecendo, deixando entrar elementos indesejados). E em que diminuindo a contribuição indireta do Sol para a nossa proteção e da Terra (o vento solar também afasta elementos/corpos celestes indesejados), não só abrimos as portas aos Raios Cósmicos (extremamente poderosos, radioativos e penetrantes) mas igualmente a muitos mais elementos vagueando pelo Sistema e podendo atingir-nos em qualquer momento e com consequências (previsíveis) bem negativas: como será por exemplo o caso (mais significativo) dos viajantes do Sistema como serão (entre outros) os nossos conhecidos asteroides. E assim sem grande esforço e consultando apenas (nem que seja só hoje) o site Space Weather (spaceweather.com), podendo-se registar vários sinais desta notória evidência (entrando pelos nossos olhos e mesmo assim parecendo não o querermos ver e aceitar) ‒ resultando desse perigoso mas inevitável e periódico desequilíbrio raios solares/cósmicoscomo (1) a Explosão de Auroras, (2) o aparecimento de Nuvens Polares Estratosféricas e (3) o aumento assinalável da Radiação (cósmica) nessa mesma Estratosfera. Para além do já antes afirmado (essencialmente a nível do tempo na Terra e no Espaço circundante) provocando com a passagem dos sucessivos anos terrestres e Ciclos Solares (de cerca de 11 anos) alterações significativas a nível geológico comprovados com o agravamento das condições (na Terra) a nível sismológico e vulcânico: com todas as regiões vizinhas de falhas tectónicas (ou associadas a outras falhas menores) a serem as mais suscetíveis, como o será a região do sul de Portugal (sobretudo o litoral de Lisboa ao Algarve) e no topo dos topos, toda a região do Círculo de Fogo do Pacífico (a região mais ativa em todo o Globo terrestre) ‒ apanhando uma vintena de países (da Ásia, da América, da Oceânia, do Alasca até à Antártida) como (entre outros) o Japão, a Indonésia, a PNG (uma das zonas ultimamente mais ativas a nível sismológico) e toda a costa do Continente Americano (de norte a sul desde o Canadá até ao Chile).

 

(imagens: conferenceseries.com ‒ climatedepot.com ‒ Andrea Goggioli/watchers.news)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:34
Domingo, 18 DE Junho DE 2017

Ultravioletas

Por vezes o Cenário dá-nos pistas, mas se formos especialistas, nada veremos senão um Pixel.

(sendo esta a maior tragédia da nossa decadência cultural)

 

uv.gif

rgb_uv_cross.gif

 

Com toda a faixa compreendida entre o centro de África /norte da América do Sul e o extremo sul da Europa/centro dos EUA sob índices extremos de raios ultravioleta (11/Extremo), a Península Ibérica como integrante desse extremo sul europeu (e na qual se insere Portugal) tem estado sujeita nestes últimos tempos a níveis altíssimos de radiações ultravioletas: aconselhando-se aos amantes do campo, do rio, da areia, do mar, do ar livre e obviamente do Sol, a saírem de casa vestidos ou a deixarem-se ficar por aí a beber (hidratar) e também a descansar (equilibrar).

 

Albufeira:

UV11⁺

18 Junho 2017 - Domingo

(para a nossa pele/tipo 2)

Pele vermelha em 9’

Queimadura em 15

 

Tendo em atenção os efeitos nocivos para a nossa saúde e de todas as outras espécies animais ou vegetais associados às radiações ultravioletas (e de como elas são capazes de afetar todo o nosso ecossistema afetando e alterando mesmo as estruturas de ADN) sendo oportuno (e interessante do ponto de vista científico) recorrer a este tema até para tomar em consideração a sua parte e contribuição para o desenrolar da tragédiaem torno de Pedrógão Grande. Sabendo-se como as radiações ultravioletas intensas podem danificar a vegetação, tornando-as mais suscetíveis, danificando as suas defesas e alterando mesmo o seu ADN.

 

(imagem: weatheronline.co.uk)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:39
Segunda-feira, 22 DE Maio DE 2017

Quadruplo Impacto

Foi o Sol que nos ajudou a aparecer.

E se não nos mexermos, desapareceremos com ele.

(já indo este, a meio do seu caminho)

 

Nestes últimos dias com o nosso planeta sob a ação de fortes ventos solares oriundos de um buraco aberto na superfície do Sol (20 e 21 Maio) ‒ fig. 1 ‒ tem-se assistido com maior intensidade e a latitudes mais elevadas aos efeitos da ação desses raios solares (provocando tempestades geomagnéticas de classe G1/menores) ao impactarem com a atmosfera terrestre:

 

coronalhole_sdo_200.gif

Fig. 1

Buraco na Coroa Solar

(origem do jato de vento solar)

 

Originando fenómenos mais comuns nestes momentos como as auroras (por exemplo na América do Norte), podendo as mesmas persistir ainda esta segunda-feira (dia 22 Maio) mas com a velocidade dos ventos solares a decrescerem para valores já mais perto dos 500Km/s (quando já andou pelos 700Km/s). Com o nosso planeta a abandonar a região onde os mesmos (ventos solares) se faziam sentir mais intensamente (ao passarem oriundos do Sol) e prevendo-se assim um abrandamento das condições do Tempo no Espaço (rodeando e envolvendo o planeta).

 

Mila-Zinkova-ss1_1495342106.jpg

Fig. 2

4 Clarões ao Pôr-do-Sol

(Califórnia/Oceano Pacífico)

 

Nesta imagem da autoria de Mila Zinkova registada no passado sábado (dia 20 Maio) ao Pôr-do-Sol, na costa da Califórnia e observando o oceano Pacífico ‒ fig. 2 ‒ assistindo-se a outro fenómeno atmosférico pouco habitual, observado geralmente ao pôr e ao nascer do Sol e sendo talvez impulsionado por estas condições particulares do “tempo que faz no espaço”: provocado por estas tempestades solares (criadas no Sol) e transformadas em tempestades magnéticas (aplicadas na Terra) ‒ neste caso com o Sol a pôr-se no horizonte e momentos antes de desaparecer a emitir uns últimos clarões (aqui 4) de cor esverdeada. Num efeito de miragem provocada pelas diferentes temperaturas das camadas de ar colocadas e sobrepostas acima da linha de água.

 

Harlan-Thomas-HooDoos-Aurora-052017-a_1495292018_l

Fig. 3

Júpiter, Steve e Aurora

(o planeta, o arco de cor purpura dançando/dividindo o Céu e uma sua companheira habitual)

 

Com muitos outros fenómenos podendo ocorrer especialmente sob tempestades solares/tempestades geomagnéticas mais intensas, dependendo os seus efeitos de muitos parâmetros variáveis desde a intensidade dos ventos solares/CME até à capacidade de proteção e defesa do campo magnético terrestre. Desde fenómenos mais comuns como os retratados na fig. 2 e na fig. 3 ‒ neste último caso o denominado Steve ‒ até fenómenos mais extremos como os já sentidos no passado: “A tempestade solar de 1859, também conhecida como Evento Carrington, foi uma poderosa tempestade solar geomagnética ocorrida em 1859 durante o auge do ciclo solar. A ejeção de massa coronal solar, atingiu a magnetosfera da Terra e induziu uma das maiores tempestades geomagnéticas já registradas. Um "feixe de luz branca na fotosfera solar foi observado e registrado pelos astrônomos ingleses Richard C. Carrington e Richard Hodgson.” (wikipedia.org)

 

(imagens: spaceweather.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:24
Segunda-feira, 15 DE Maio DE 2017

Raios Cósmicos

“Spaceweather.com and the students of Earth to Sky Calculus have been monitoring radiation levels in the stratosphere with frequent high-altitude balloon flights over California. Here are the latest results, current as of May 6, 2017”. (spaceweather.com)

 

radplot.jpg

De 2015 a 2017 um crescimento de 13% na intensidade dos raios cósmicos

(podendo ser problemático andar muito de avião)

 

Agora que nos aproximamos do Verão (que se inicia a 21 de Junho) e como consequência nos inclinamos cada vez mais para a frequência da praia e do mar (em Albufeira), convém recordar a todos aqueles que por diversos caminhos se aproximam destes lugares à procura de um lugar de lazer e de prazer (no litoral como poderia ser no interior), que todos os cuidados são poucos mesmo quando (aparentemente) não vamos para a Guerra ‒ quando como todos nós sabemos (na praia) se procura a frescura e a Paz.

 

Num momento em que com a aproximação da estação do Verão a ação dos raios solares (no Hemisfério Norte) se acentuará sobre nós ‒ não só pela sua maior intensidade, como pela nossa maior exposição ao utilizar vestuário reduzido ‒ obrigando-nos a maiores cuidados na proteção do nosso corpo (como é o caso da parte mais exposta a pele) e a comportamentos de proteção de modo a evitar possíveis efeitos (nocivos): por exemplo se fosse hoje (15 de Maio) e dado os índices ultravioletas extremamente elevados registados do Tejo para baixo (Alentejo e Algarve) 9/Muito Elevado, aconselhando-se a ir para a praia mas se possível vestido (de chapéu e óculos-de-sol).

 

iuv_prev12.jpg

Previsão IUV para esta segunda-feira, 15 de Maio

(com o Sul de Portugal em destaque)

 

E se por um lado alguns poderão alegar na ânsia de irem para a praia e como justificação para tal procedimento que a estrela que nos aquece se encontra num Ciclo de Baixa Atividade Solar ‒ o Sol encaminha-se para um mínimo (talvez lá para 2019) pelo que a sua atividade tende a diminuir ‒ por outro lado não nos poderemos esquecer que segundo medições sendo entretanto realizadas os raios cósmicos estarão a aumentar: pelo que se os efeitos nocivos de uns se atenuam (raios solares) logo outros os substituem (raios cósmicos), com estes últimos em nada melhores que os efeitos dos primeiros (talvez mesmo pelo contrário).

 

Pelo que enquanto as manchas solares diminuem e a atividade do Sol se mantem relativamente calma (sem grandes explosões e CME) e deixado o espaço livre pela diminuição de raios solares, logo os oriundos de mais longe e potencialmente mais perigosos (raios cósmicos) ocupam o seu lugar e bombardeiam de imediato a Terra: com a atmosfera que nos rodeia e protege a ser o nosso primeiro escudo de defesa (e do nosso planeta) e no entanto com esta enfraquecida por alguma instabilidade geomagnética (no campo magnético terrestres). Tendo assim sempre em atenção como vai o Ciclo Solar (mínimo correspondendo a menos proteção contra os raios cósmicos) e não custando mesmo nada o controlo dos raios solares sobretudo os ultravioletas (bastando consultar o IPMA na seção Ambiente).

 

(imagens: spaceweather.com e ipma.pt)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:25
Terça-feira, 29 DE Maio DE 2012

A Lua

A Lua hoje há noite estava muito linda no céu, redonda e projetando-se sob o tremendo poder do Sol, na Terra que um dia idilicamente ela amou. A luz projetava-se diretamente no espaço, iluminando todos os cantos espalhados em seu redor. Tudo estava precisamente no seu lugar e mesmo os raios usurpadores vindos da Lua, usavam a sua força como medida preventiva.

 

A nossa Lua numa das fases da nossa vida

 

Se um dia olhares o céu e vires a Lua por cima de ti, podes ter a certeza que te encontras onde te deviam encontrar e que nada do que se passa fugiu à normalidade do teu espaço-tempo. O que pode acontecer é que essa imagem, não seja o da nossa Lua. Uma criança ao olhar de noite o firmamento tremeluzindo na noite e espalhando-se em todas as direções que o seu imenso olhar avista, ainda pode vir anedoticamente a pensar que os seus pais são os responsáveis amantes pelo seu nascimento previsto. E são, Graças a Deus!

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:44

pesquisar

 

Abril 2018

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
16
18
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

comentários recentes

  • Excelente artigo, gostei da abordagem. Visite o me...
  • Tanta erudição para explicar o que o senso comum ...
  • «Tudo como dantes. Quartel em Abrantes» não é bem ...
  • Segundo a fonte oficial, NASA Contractor Report 18...
  • No seu trabalho como Comissário das Nações Unidas ...
  • Infelizmente pouco mudou deste o jogo com a Islând...
  • E até ao momento é o Rei. Mas ainda falta muita ép...
  • 17,52 m não é para qualquer um :)Parabéns Nelson É...
  • Eles só estão a adiar o inevitável. O Varoufakis s...
  • http://www.levif.be/actualite/international/la-gre...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro