Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Um Antepassado nosso, com 2.400 anos de Idade

Sexta-feira, 23.07.21

Face de um homem tendo vivido há cerca de 2.400 anos atrás ─ o homem de TOLLUND ─ num território onde hoje se localiza a Dinamarca (capital a 55°43’N), tendo sido sujeito a um sacrifício, enforcado e posteriormente atirado a um pântano. Local onde devido às características de conservação (de seres humanos) desses terrenos, o seu corpo ao ser descoberto (há 71 anos, em 1950) se encontrava em bom estado (bem preservado) já mumificado.

dYsQapfutetTJBfJ42HyAH-970-80.jpg

Homem de TOLLUND

(2.400 anos)

 

Hoje chegando-se ao pormenor de se ficar a conhecer o conteúdo da sua última refeição (antes de ser sacrificado), segundo estudos da arqueóloga e investigadora do museu dinamarquês de Silkborg ─ Nina Nielsen ─ sendo uma mistura de papas de aveia e de peixe. E verificando ainda ser portador de doenças parasitárias. Levando-a a afirmar: "That's quite fascinating, because you can get so close to what actually happened 2,400 years ago."

(Photo by A. Mikkelsen; Nielsen, NH et al (2021);

Antiquity Publications Ltd.)/livescience.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:23

A Importância do Pequeno-Almoço

Sábado, 04.02.17

“We know from population studies that eating breakfast is related to lower weight and healthier diet, along with lower risk of cardiovascular disease.”

Marie-Pierre St-Onge – Centro Médico Universitário da Universidade de Columbia em NI

(The Huffington Post)

 

589218f31800002400b3c0bb.jpeg

 

Em mais uma extraordinária comunicação levada a cabo pelos médicos norte-americanos (o único país do mundo onde os seus estudiosos ainda parecem acreditar que a verdade está logo ali à frente), estes relevam a importância de todos nós (se o pudermos e nos derem tempo) tomarmos todos os dias o nosso pequeno-almoço.

 

Invocando que a dispensa dessa mesma refeição (a primeira de cada dia) pode a prazo vir a provocar (a curto, médio ou longo prazo, dependendo da privação dessa refeição, considerada fundamental) o aparecimento de doenças cardíacas. No fundo reconhecendo o que todos os leigos já sabiam (há muito tempo, desde que comem e aproveitando a experiência e o conhecimento dos seus antepassados), agora e mais uma vez confirmada pela cada vez maior comunidade de eruditos.

 

E se “deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer” é no contexto sanitário, de segurança e de prevenção uma afirmação no mínimo duvidosa (não sendo por acaso que as máximas, na pratica experimental e ignorando tudo á sua volta, sejam mínimas e ineficazes), já a sabedoria do povo e de quem sempre os acompanha no seu desenvolvimento e existência (os verdadeiros cientistas, aproveitando experiências, recolhendo dados, organizando-os com um principio e distribuindo-o igualitariamente por todos), é sempre a mais correta por ser sempre baseada num número (interminável) de anos de muita luta e de diversidades (incríveis) de experiências vividas.

 

Talvez sendo capaz de nos convencer (de vez) de que aquilo que todos diariamente comem (ou sonhamos um dia poder vir a comer), será muito certamente aquilo que um dia inevitavelmente serão – e que a distribuição de alimentos pelas 24 horas diárias será o melhor remédio para a prevenção de doenças. Como se todas as máquinas que conhecemos também não fizessem o mesmo: sabendo que para funcionar só mesmo tendo combustível para alimentar a combustão. E sendo o ideal melhor e sempre que se precisar.

 

Aconselhando-nos a comer (até para evitar desde logo o aparecimento de doenças cardiovasculares) mais calorias ao pequeno-almoço e menos ao jantar – e desse modo evitando “ataques cardíacos, tromboses ou outro tipo de doenças cardíacas ou associadas aos vasos sanguíneos” (de acordo com a Associação Americana do Coração). E entre vários aspetos negativos (para a nossa saúde e pelos vistos para 30% dos adultos norte-americanos) provocados pela ausência de uma primeira refeição diária antes de mais um dia de atividade (intelectual, manual, de desporto ou de outro tipo qualquer) destacando:

 

A ausência sistemática das três refeições diárias obrigatórias (pequeno-almoço, almoço e jantar – em vez de passar o dia a comer snacks e outras porcarias);

 

O risco que representa a ausência desta primeira refeição (diária) – aumentando as possibilidades de virmos a ter colesterol elevado, de sofrermos de hipertensão e até de nos tornarmos obesos (e mesmo diabéticos – que segundo muitos estudos poderão ser já muitos milhões).

 

E para finalizar aconselhando-nos a como fazer uma refeição saudável e de como proceder para não nos deixarmos levar (a comer em excesso e com muita porcaria misturada – por exemplo à noite, bem sentado no sofá e como que hipnotizado, estático em frente à TV):

 

Uma dieta saudável cheia de frutas, de vegetais, de cereais, de alimentos com pouca gordura, de carne de aves e de peixe – e naturalmente cortando (e se possível à faca) carnes vermelhas, sal e açúcar em excesso;

 

E para evitar rasteiras e outros percalços gastronómicos (pondo em causa todo o processo de recuperação alimentar) dando-nos o exemplo do que um dia já foi a Quinta Refeição (já num passado distante e numa Quinta Dimensão): a Ceia. Sugerindo como estratégia para derrotar o inimigo: em vez de nos colocarmos a comer durante toda a noite em frente a um televisor – nem vendo bem o que ingerimos e as calorias que introduzimos – “uma vez o jantar concluído fechando logo a cozinha”. Como se estivéssemos num hotel com horário para as refeições.

 

(dados e imagem: huffingtonpost.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:05

O Quarto Calhau

Domingo, 11.01.15

Enquanto o Burro ia subindo lentamente as escadas, pensava filosoficamente na sua refeição.

 

Entrei no edifício e fechei a porta atrás de mim.
No interior da sala sentia-se um odor estranho.
Olhei à direita para a cozinha e vi no chão um rasto de sujidade.
Segui em frente e dirigi-me à casa de banho.
Na banheira um fardo de feno enchia-a de uma ponta à outra.
Então tocaram à campainha e fui ver quem era.

 

Se verificasse resistência por parte do co-inquilino, o prazer das suas ruminações seria prejudicado.

 

07-OSS-02-Dunes-B202R1.jpg

Marte – Cratera Endurance – Dunas

 

E se o pó cobrisse o mundo e não se vissem fronteiras?
Não existiriam portas e estaríamos sempre no mesmo lugar.

 

Abri a porta e do outro lado estava um Burro.
Deu-me os bons dias e pediu-me gentilmente para entrar.
Atrás dele o funcionário da câmara deu-me o recibo e apresentou-me o bombeiro.
Pegou-me no braço, mediu-me a tensão e o batimento cardíaco.
O Burro comeu, rezou e desejou sorte a todas as bestas.
À saída deu-me um coice, amparei-me no funcionário, que me deixou cair chamando o bombeiro.

 

O Burro sentia que uma sequência demoradamente trabalhada só prolongava a vida.

 

Se encarares a tua vida como um período de transição entre o zero e o infinito, muito dificilmente regressarás à origem e certamente te perderás em algo de diferente. Assim dito e assim feito, o Burro entrou no lote seguinte – enquanto cá fora os outros quadrúpedes leiloavam entre os presentes a próxima visita ao Zoo.

 

(imagem – NASA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:24