Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Vacinação Covid-19 Global (e em Portugal)

Segunda-feira, 07.06.21

“Sensivelmente 15 meses depois de iniciada a Pandemia (mortal) do vírus SARS CoV-2,

(originando o aparecimento da doença infecto/contagiosa/respiratória, Covid-19) por volta de março de 2020 (dando os seus primeiros sinais na Ásia, no último trimestre de 2019).”

A lista dos 20 países ─ o TOP 20 (acrescido de Portugal) ─ tendo administrado mais doses de vacina contra a Covid-19 (até este domingo 6 de junho), indicando ainda a sua posição no RM do “nº de doses administradas/100 pessoas” e o nº de dias passados desde o início do processo (de vacinação):

Vacina Covid-19

Doses administrados em todo o Mundo

(6 junho 2021)

Screenshot 2021-06-06 at 23-55-58 Covid-19 vaccine

País

TD

D/100

R

I

China

763,0

53

11º

173

EUA

300,2

90

174

Índia

225,5

16

19º

141

Brasil

71,4

34

15º

140

R. Unido

67,2

99

180

Alemanha

54,2

65

162

França

39,5

59

161

Itália

37,6

62

161

México

34,4

27

17º

164

Rússia

30,6

21

18º

183

Turquia

30,5

36

14º

144

Espanha

28,7

62

161

Indonésia

28,7

10

21º

144

Canadá

25,7

68

174

Polónia

22,0

58

10º

161

Chile

19,4

102

164

Japão

15,6

12

20º

109

Marrocos

15,0

41

13º

129

A. Saudita

14,8

43

12º

171

Argentina

13,7

30

16º

159

Portugal

6,1

60

161

(TD: Total de doses em milhões D/100: Doses/100 pessoas R: Ranking I: Início em dias)

Num Mundo rondando os 200 estados/territórios e confiando nos números, com Portugal no seu processo de vacinação a ser aparentemente um dos mais competentes ─ o 8º.

Entre os 5 países mais vacinados estando para além de 4 dos mais populosos/extensos do Mundo ─ China, EUA, Índia e Brasil ─ uma ilha (um país Europeu, agora desligado da EU) o Reino Unido (produtor da vacina mais vendida/espalhada globalmente, além de mais barata, a AstraZeneca), destacando-se para além destes na % de vacinados mas sendo ainda manifestamente insuficiente (para não dizer como exemplo/modelo europeu a seguir, sendo claramente negativo), a Alemanha (pertencendo ao Hemisfério mais rico/ao ocidente e sendo ela motor/produtor da Europa, mesmo nas vacinas como com a da BionTech).

Screenshot 2021-06-07 at 00-21-19 Portugal já adm

Em Portugal tendo-se administrado

mais de 6 milhões de doses de vacina conta a Covid-19,

c/ 3,8 milhões com 1 dose e c/ 2,2 milhões com 2 doses

(ou seja, cerca de 20% da população já vacinada)

 

Não significando a administração de tal número de doses (sendo elas maior ou menor), estes países estarem verdadeiramente melhor protegidos ─ do que outros, menos vacinados ─ dependendo essa % (efetivamente) da demografia de cada país (do nº de doses atribuídas, a cada grupo de pessoas) ─ assim como da rapidez desse processo de vacinação, pelo menos até se atingir com as doses necessárias (1 ou 2 e até podendo ser 3) não a perfeição (os 100%) mas a “imunidade de grupo” (mais de 70% da população com a vacinação completa).

No capítulo do melhor desempenho no “nº de doses administradas, por cada grupo de 100 pessoas” e ainda na “rapidez com que esse processo tem sido levado a cabo” (contabilizado em dias), destacando-se como já todo o mundo sabia os EUA ─ o “Grande-Impiedoso-Açambarcador” e o Reino Unido (depois da Imunidade falhada, atirando-se em força às vacinas e antecipando-se a toda a Europa) e ainda com alguma surpresa (à procura de explicação) o Chile: todos com mais de 70% (de pessoas tendo tomado no mínimo uma dose) e rondando por perto estando o Canadá (68%), a Alemanha (65%) e a Itália (62%) e ainda correndo por fora (não integrando o TOP 20 de administração de doses, sendo o 31º) Portugal (60%).

(dados: cnn.com ─ imagens: cnn.com ─ 24.sapo.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:30

Surpreendidos Só Se Formos Nós

Sexta-feira, 04.06.21

Portugueses e britânicos, patrões e empregados ─ os chamados peões ─ mas nunca o sendo os políticos (cavalos, torres e bispos), jogando sempre os seus planos/objetivos, utilizando os peões como isco: os britânicos mais clarividentes (em cima/decretando e em baixo/obedecendo) assumindo a sua Monarquia (Rei/Rainha), mesmo o seu líder apesar de espetacular ser na realidade virtual. Pensando, no entanto, e tal como num tabuleiro de xadrez, que apesar da limitação deste sendo infindáveis o nº de alternativas, dada a participação de 32 peças podendo ser distribuídas por 64 lugares.

NINTCHDBPICT000656221425.jpg

Chegada ao Porto

Britânicos com indicação de chegada (sem problemas) a partir de 17 de maio e realizada a final da Liga dos Campeões a 29 de maio (ainda sem problemas), com indicação de partida (dado problema entretanto surgido) ─ e depois de muita reflexão entre o fim de maio/início de junho ─ a partir de 8 de junho

Partida de Lisboa

NINTCHDBPICT000657198676.jpg

Pretensamente surpreendidos com a tomada de posição da Grã-Bretanha, relegando de novo Portugal para o grupo de países necessitando de um período de Quarentena, pretendendo efetuar viagem (de turismo/de negócios) entre os dois países ─ e conhecidas as declarações recentes (final de maio) do Ministro responsável pelo processo de vacinação (Nadhim Zahawi), indicando que o levantamento total das restrições previsto para o próximo dia 21 de junho, estaria dependente da análise da evolução da Pandemia até essa data ─ perante o quadro epidemiológico da Grã-Bretanha, no presente e aparentemente dando protagonismo à estirpe/variante indiana, tida como possível responsável por um novo recrudescimento do nº de casos de infeções (na “Ilha”) e ainda pela indefinição da eficácia das vacinas disponíveis no combate a esta nova estirpe/variante e ainda e por outro lado (“para se dançar tendo que existir no mínimo um par”) face ao crescimento dos diversos parâmetros Covid-19 em Portugal, apesar de ainda com valores baixos mas dada a sua persistência, podendo indicar igualmente o ressurgimento do coronavírus (inicial/a britânica ou igualmente uma estirpe/variante), com a decisão do Governo de Boris Johnson tomada no dia de ontem (quinta-feira, 3 de junho) em nada sendo uma surpresa mas algo já esperado (certamente que de um lado e do outro): o Governo português podendo ter ficado surpreendido com “o fecho da torneira britânica” certamente como o terá ficado aquando da abertura inesperada da mesma (com todos os seus colegas europeus da EU e unilateralmente, estando proibidos de o fazer, logo com Portugal não sendo solidário com os seus) ─ nada fazendo para promover o importantíssimo setor do Turismo (fulcral para o crescimento do nosso PIB) tanto a nível interno como externo ─ o Governo britânico apenas continuando com o seu plano (de combate à Covid-19) anteriormente divulgado, passadas 3 semanas (iniciadas a 17 de maio) sobre a publicação da lista anterior (colocando-nos o “semáforo no verde”) refazendo-a e excluindo-nos (colocando-nos no “âmbar”, para não dizer “amarelo”), pelo menos de 8 de junho a 28 do mesmo mês ─ e deixando-nos a “impressão” de que o Algarve (desde que tudo se passe bem no Reino Unido e a estirpe/variante seja controlada) não tendo iniciado o Verão antes do tempo (a 17 de maio), podendo-a ainda fazer poucos dias depois do seu início, talvez a 29 de junho (apenas 9 dias/em cerca de 3 meses, atrasado).

Screenshot 2021-06-04 at 16-03-47 United Kingdom C

REINO UNIDO

Evolução do nº de Infetados/dia

PORTUGAL

Screenshot 2021-06-04 at 16-04-06 Portugal COVID 8

Face à evolução da Pandemia Covid-19 nos seus respetivos territórios,

com o Reino Unido a tentar evitar a circulação com Portugal.

Vendo os quadros (e para os ingleses) sendo óbvio o motivo.

 

Só aí e à falta de outros (turistas) podendo chegar “nova invasão britânica” aqui talvez já dividida (entre todos os nossos concorrentes do Mediterrânico e arredores) mas sendo melhor que nada ─ sendo Portugal um conhecido dependente ao nível tóxico do “mercado da Ilha fora da Europa”: nem sequer se compreendendo que dado o estreitamento das relações anglo-americanas (com o Reino Unido optando por uma união Atlântica com os EUA, passando a ser o Entreposto deste para a Europa, como se fosse o seu 51º Estado), Portugal e o Algarve não se promovam turisticamente nos EUA. Num Mundo como se vê dirigido por ambiciosos e incompetentes políticos amplamente suportados (daí a abertura do Ensino Superior a todos, sendo todos doutores e ninguém percebendo/fazendo nada e deixando andar) por todos os seus ajudantes aí colocados (na Pirâmide Hierárquica pré-definida), advogados, juristas, contabilistas, etc.) e desse modo, mantendo não como nossos representantes prometeram a nossa proteção/a nossa sobrevivência (mesmo sendo o resultado claramente negativo) e em sua vez obedecendo a quem no fim lhes retribui o favor (lhes paga ou seja lhes autoriza o pagamento): políticos britânicos não hesitando em prejudicar os seus cidadãos, abrindo-lhes as portas para o calor e para as praias ─ cheias de Sol (coincidindo com uma interrupção escolar no Reino unido) ─ e já lá estando estes, alertando-nos à última da hora para terem que antecipar-se (nos seus planos, muitos já o tendo pago) e regressar de imediato, assim como acompanhando-os nos prejuízos prejudicando obviamente muitas das suas empresas ligadas ao Turismo (desde as agências às suas companhias aéreas), sem argumentos novos e convincentes. De Portugal nem valendo a pena falar de novo, face ao seu desprezo ou total ignorância sobre o papel do sector turístico em Portugal, como em toda a parte do Mundo (por vezes inventando lugares/condições mesmo que artificiais), querendo o país promover-se noutras áreas.

GL-tp-graphic-traffic-light-counties-v4.jpg

Sem razão aparente para nós, mas crucial para o Reino Unido,

com Portugal despromovido para a lista âmbar (ou amarela)

 

Falando, gesticulando e apercebendo-nos preferencialmente da língua inglesa, colocando-a à frente do espanhol e do francês e até do próprio português, restando-nos pois esperar pelo dia 29 de junho para ver então o que acontece: para já com os portugueses a começarem a chegar em crescendo, com os espanhóis começando a aparecer mais por cá, com outras nacionalidades ainda em números pouco significativos (mas com fortes perspetivas  de crescimento, como o turismo vindo da Holanda/Alemanha) mas investindo (alguns fortemente no setor superior) e com o “turismo conduto britânico” sendo o “conduto o elemento único” a pelo que se vê a continuar mais este ano como o “prato-do-dia”.

(imagens: AP/Twitter@CatarinaDemony/thesun.co.uk

─ worldometers.info ─ justicenewsflash.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:19

Será Conveniente Ser Português Em Portugal?

Segunda-feira, 31.05.21

“Muitos dos nossos filhos dizem que não

e até fogem para o Reino Unido.”

Air-travel.jpg

IDA

Trabalhadores portugueses

tendo o Reino Unido como seu destino

(tornando-se independentes)

 

A poucas horas de se entrar no 6º mês do ano, assinalando o início da estação do Verão ─ a 21 de junho (às 03:32 de uma segunda-feira) ─ e assim começando dentro em breve a “época alta” na região de turismo do Algarve (com a pré-época tendo começado a 17 de maio, com a abertura do espaço aéreo), face à entrada súbita apesar de esperada (e desejada) de milhares de britânicos (oriundos de exterior),

Simultaneamente juntando (no mesmo tempo e no mesmo espaço) diversos eventos de carater nacional e internacional, integrando nacionais e estrangeiros,

Eis que “estrategicamente” e não impedindo mais esta invasão de “pretensos imunizados” ─ assim sendo caraterizados por eventualmente, terem já estado contaminados ou em alternativa tendo já sido vacinados (muitos só com a 1ª dose de duas, pelos visto até vindo a serem necessárias a curto-prazo no mínimo três), logo, “adquirindo imunidade/proteção” de grupo contra a ação do coronavírus ─ posteriormente à mesma (à realização da final da Liga dos Campeões),

Nos chega a informação de que o nº de Infetados/dia voltou a subir no Reino Unido, acompanhando o aumento da percentagem de casos envolvendo a estirpe/variante inglesa/indiana, uma mistura de duas variantes resultando numa terceira ainda mais perigosa por mais contagiosa/infeciosa.

Certamente tendo sido uma “situação sanitária” do conhecimento prévio por parte das autoridades inglesas/portuguesas, mas dado o impacto negativo que tal proibição poderia ter particularmente no setor turístico (Económico), atirando as consequências (na Saúde) para bem longe (nem sequer disfarçando, indo à trave) e só pensando nelas (enchidos os cofres) depois:

Desde logo indicando os ingleses como culpados (e sendo simples as explicações do Governo, para além de insultuosas, encobrindo a sua total incompetência e irresponsabilidade ─ se não crime), por terem vindo antes do tempo, partido depois do tempo, mesmo só tendo bilhete para uma coisa o avião (como a esmagadora dos turistas ingleses, para além da viagem/estadia trazendo apenas mais uns trocos para os extras) e não incluindo o bilhete (justificando a viagem) para o jogo.

Hoje com o nosso Primeiro-Ministro ao responder às perplexidades nossas transmitidas pela jornalista (que o entrevistava), a parecer querer dar a entender ter acabado de chegar de uma galáxia distante que não a nossa, não estando a par dos últimos acontecimentos.

Calando a jornalista não respondendo e atirando-lhe para a despachar (sendo bem-educado, mal-educado, os imbecis sendo nós e como tal escolhendo, “o menos mau, o melhor”), com um obrigado.

portugal-and-UK-flags.jpg

E VOLTA

Portugal no sector do Turismo

sob bandeira britânica

(persistindo-se na dependência)

 

Num momento em que se põe em causa no Reino Unido os números apresentados oficialmente sobre esta Pandemia (sob tutela Conservadora e liderança de Boris Johnson) muitos casos não tendo sido reportados e podendo ser muitos mais (oficialmente nos quase 4,5 milhões de Infetados/7º Mundial e 3º Europeu e a caminho dos 130 mil mortos/5º Mundial e 1º Europeu), talvez mesmo o dobro e agora com uma nova vaga em perspetiva chegando e prosseguindo (o percurso do vírus, dos seus descendentes, suas estirpes/variantes).

E se a “bolha não funciona”, testando-se e aproveitando a “falta da bolha”, fazendo-os grátis nas “novas cobaias” até se oferecendo como voluntárias (á falta de tempo, sendo nós).

Mas desde logo e para nos colocarem no nosso respetivo lugar (de paus mandados, imbecis, sem opinião), declarando (os Iluminados, responsáveis por nos “fundirem a tola”) não se realizarem este ano as festas de Santo António e de São João, não sendo os portugueses tal como o serão os ingleses (como se comprovou nas imagens, divulgadas um pouco por todo o Mundo), cidadãos responsáveis:

E para ajuntamentos tendo-se que falar preferencialmente inglês (para já esta, mais tarde outras línguas) ou então sendo português às escondidas, mas sabendo de antemão poder ter um polícia “à perna” pronto a aplicar-nos a coima.

Infelizmente não residindo somente aqui as consequências deste “caos governamental”, por um lado desrespeitando o esforço e sacrifício feito no cumprimento das regras básicas pela generalidade dos cidadãos portugueses (muitas vezes implicando mais gastos) ─ máscaras, distanciamento, higiene, etc. ─ e por outro lado declarando “para quem quiser ver” a sua total incompetência/irresponsabilidade (do governo) desresponsabilizando-se (reconhecendo apesar do seu extraordinário CV, não serem capaz) e delegando tudo (tal como o fazem todos criando empresas paralelas, responsáveis pelos atos de outras mais um truque fantástico do “capitalismo selvagem”) nas “Task Force”:

Tendo uma missão a cumprir (patriótica, daí pelos vistos os militares) mesmo sem recursos humanos e/ou matéria-prima.

Em conclusão tendo-se que estar preocupado e extremamente atento (não sendo os outros a informar-nos), face à evolução permanente do vírus (com as suas novas gerações), à ânsia pelo regresso dos turistas e como efeito do lucro (descurando tudo o resto, mesmo a proveniência dos viajantes) e ainda, talvez o pior sinal para o que aí vem, a realização das Eleições Autárquicas, com todas as suas falsas promessas como sempre transformadas no mais “puro esquecimento” (do V da vitória, oferecendo-nos agora em destaque, o dedo do meio).

(imagens: portugalresident.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:51

William Shakespeare (séc. XX/XXI)

Quarta-feira, 26.05.21

Para se defender um conjunto (um órgão/uma família) tendo que se defender cada um dos seus elementos (células/próximos e afastados), só assim se evitando a invasão (doença/parasitação).

36582514-9617383-The_second_patient_in_the_world_t

William Shakespeare

(2º Homem/1º homem no Mundo,

a ser vacinado contra a Covid-19)

 

Aproveitando a oportunidade dada por William Shakespeare,

─ Não o escritor inglês tendo vivido no séc. XVI, mas um outro cidadão seu compatriota e com o mesmo nome, tendo atravessado os séc. XX/XXI (tendo-nos deixado na passada quinta-feira 20 de maio aos 81 anos de idade não por Covid-19, mas por doença prolongada)

Conhecido como 1º homem a ser vacinado no Mundo (a 8 de dezembro de 2020, não com a AstraZeneca/inglesa & sueca, mas com a Pfizer Biontech/americana & alemã) contra a doença Covid-19 (sendo o 1º Homem uma mulher, Margareth Keenan, ainda viva e com 91 anos de idade),

"Bill was so grateful for being offered the opportunity to become one of the first people in the world to be given the vaccine. He often talked to people about it and would always encourage everyone to get their vaccine whenever he could.” (Joy Shakerpeare)

Para além de todos os elogios proferidos pelos que o conheciam e pelas suas boas referências (como homem bom que era) apresentadas pela comunidade onde sempre viveu (mais alargada, política, Trabalhista) e ainda,

Pelo exemplo que deu ao deixar-se levar por uma campanha meritória como o de incentivar as pessoas a tratarem-se e prevenirem-se no sentido de preservarem a sua saúde neste caso com as vacinas contra o coronavírus,

maxresdefault.jpg

Margareth Keenan

(1º Homem/1ª mulher no Mundo,

a ser vacinado contra a Covid-19)

 

Não deixando de destacar para além do protagonismo útil e necessário deste cidadão inglês de Coventry, “deixando-se utilizar para promover o Bem-estar e a Saúde no Reino Unido assim como (por “contágio”) em todo o Mundo”, a frase da sua esposa referindo-se à família e ao papel do seu marido William Shakespeare, desenvolvido “entre os seus” (a sua “célula”, demonstrativo):

"Most of all he was a wonderful husband, father and grandfather, nicknamed Pop Pops by the grandchildren. He left a huge imprint on everyone who knew him and will be greatly missed." (Joy Shakerpeare)

Igualmente e para todos nós, querendo manter a nossa identidade, cultura e memória (o símbolo de soberania/independência, de qualquer território/população), uma homenagem sempre devida (caso contrário não estaríamos por cá a usufruir deste espetáculo, lamentando-se apenas ser tão curto/mantendo a fé, pelo menos por aqui) aos nossos antepassados (pais, avós e por aí fora).

[Na Grã-Bretanha com a esperança média de vida a andar pelos 79 (e mais uns mezinhos) nos homens e em pouco mais de 83 nas mulheres ─ como se vê, vivendo estas em média +4 anos ─ como o comprovam William Skakespeare (WS) e Margareth Keenan (MK), ambos vacinados (pelo seu percurso de vida), ele nos 80/já tendo partido, ela nos 90/ainda bem vivinha. Servindo igualmente para afirmar que o vírus não escolho (como alvo preferencial) “nem sexo nem idades”, apenas os mais suscetíveis, os mais doentes, os mais pobres, os mais expostos. E até para falar nisto e expormos e confrontarmos as nossas ideias (Evoluindo), servindo os exemplos de WS e MK.]

(imagens:  PA/dailymail.co.uk ─ i.ytimg.com/dailydot.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:43

Turismo ─ Tosta-Mista Covid

Segunda-feira, 17.05.21

Reino Unido desconfina com “cautela” devido a nova variante.

O Reino Unido registou a morte de cinco pessoas e 1.979 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, de acordo com os últimos dados do Governo britânico, que hoje aliviou "cautelosamente" várias restrições em Inglaterra.

(MadreMedia/Lusa/24.sapo.pt)

0a038690-5eba-4830-a339-6cd3811dac32-AFP_AFP_99W8T

Depois de abrirem as portas dos PUB

(no Reino Unido/bares e restaurantes)

 

Estando em Estado de Calamidade até ao fim do mês de maio (depois de promovido o seu estatuto de um nível abaixo/inferior, o anterior Estado de Emergência) e contra a maioria dos estados europeus (achando ainda não ser o momento apropriado, fazendo-o, mas com restrições) abrindo desde já o seu espaço aéreo às “viagens de turismo”,

─ Servindo-se do “empurrão inglês”, colocando-nos na sua reduzidíssima “lista verde” (integrando por exemplo Israel, impossibilitado de o fazer, estando agora em guerra)

Numa ação necessária (e quase que obrigatória para a recuperação da Economia) levada a cabo e aplicada (tendo já arrancado, antes do início do Verão),

─ “O Ressuscitar do Turismo, em estado de coma há mais de um ano” ─

E simultaneamente reforçando o nosso sentido de segurança (interno), passado o pior (desta última vaga Covid-19) e regressando no que diz respeito à região algarvia (e pelos visto em força, dado quase o exclusivo) o turismo,

Entre ingleses e outras nacionalidades e face à abertura do nosso espaço aéreo a países (e viagens como as turísticas) com baixa taxa de incidência deste coronavírus, chegando hoje aos aeroportos portugueses cerca de 7.500 viajantes maioritariamente ingleses (uns 5.500) e dirigindo-se para Faro: numa sequência tendendo a manter-se ou mesmo a crescer até ao fim deste mês e pelas reservas entretanto tendo a vir a ser efetuadas, estendendo-se por toda o Verão e semanas seguintes (vindo a seguir o Golfe). Com a maioria desses visitantes a serem britânicos (estando ingleses e escoceses autorizados já a viajarem) e sabendo-se serem os próprios a afirmar estarem algo preocupados com possíveis/futuras contaminações mas agora com a variante indiana crescendo em percentagem no nº total de novos infetados e não se sabendo ainda ao certo se as vacinas fazem efeito (achando-se que sim, mas recordando-se poderem estar perto do fim do seu período de validade e no mínimo necessitando-se até para ver a sua eficácia de uma 3ª dose, ou da vacina não do ano passado/que estamos a tomar, mas a deste ano). Enviando-os para cá (os seus cidadãos) mas avisando-os diretamente a eles (responsabilizando-os) e indiretamente a nós (ao nosso Governo, tendo o dever de nos informar/comunicar) do que ainda poderá suceder (não estando como todos sabemos o vírus erradicado, continuando a matar até em Portugal).

article-2312820-196D193C000005DC-739_634x424.jpg

Abrindo as portas das PRAIAS

(em Portugal/aqui o Algarve em 2013)

 

Daí o meu espanto pelo alerta vindo das Ilhas Britânicas (para os seus cidadãos, podendo vir a ser um problema de saúde interna, mas já existindo antes e não sendo provocada pela sua viagem), se comparado com o silêncio interno e do costume do Governo continental de Portugal, para além das manifestações (sem sequência, nem antes, nem depois, para a construção de uma Imagem/símbolo desta região) de Boas-vindas do costume nos aeroportos, nada dizendo, com nada se preocupando e por vezes até se “esquecendo”: de nos informar convenientemente de quais as suas estratégias de recurso (proteção e segurança) se algo se começar a passar mal por aqui (onde vivo, no Algarve) seja em relação aos turistas como aos aqui residentes e aqui trabalhando: conhecendo-se antecipadamente a Europa estar ainda num processo de descida e de estabilização desta derradeira vaga da Pandemia (uns países mais adiantados, outros mais atrasados), com alguns parâmetros importantes ainda instáveis e não se sabendo ainda muito bem o que as próximas semanas/meses nos reservarão (em princípio e resultando as regras, as testagens e sobretudo as vacinas, esperando-se muitos meses).

Quanto ao nosso Governo vindo aí o Verão e de seguida as Autárquicas (e até pela sua despreocupação), sendo o seu pensamento “logo se verá”. Recordando ainda que dentro em pouco os outros farão o mesmo (arrancando o seu setor turístico), desejando não sermos castigados ─ pelo “pecado da gula” ─ face à oferta (a nós feita, antecipada) do habitual bolo-inglês.

(imagens: Oli Scarff/AFP/Getty Images/usatoday.com ─ Alamy/dailymail.co.uk)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:42

O Príncipe Filipe e os Discos Voadores

Quarta-feira, 14.04.21

Passada uma semana sobre o desaparecimento físico do quase centenário Filipe Mountbatten (99 anos de idade) Duque de Edimburgo (consorte da rainha do Reino Unido, Isabel II, 94 anos de idade), nada melhor para quem o queira recordar agora que ele iniciou a sua viagem só de ida para um “Outro Mundo” uma Terra Estranha e ainda misteriosa, da qual estranhamente nada sabemos, mas que acreditamos que exista (tal como o Universo/sendo Infinito apesar da nossa projeção/sendo limitada) ─ do que regressar à sua juventude (assim como aos seus primeiros anos de afirmação social) e ao tempo em que acreditava em discos voadores e seres extraterrestres.

 

philip-04.jpg

Introduzido no fenómeno OVNI por influência do seu tio Lord Mountbatten

mantendo desde aí o seu interesse/curiosidade no tema discos-voadores

(oriundos de um outro planeta)

 

Tendo partido como um “Estranho à descoberta de uma Terra Estranha” ─ uma viagem extraordinária mas arriscada que todo o Homem fará ─ não se deslocando muito das suas anteriores convicções  (terrestres) e da possibilidade cada vez mais real da existência de outras possibilidades (ou a imaginação não formasse um conjunto com a realidade) como a da existência de vida noutros planetas ─ como o crê e afirma por essa altura Dorothy Kilgallen (falando das ideias do influenciador e tio de Filipe, Lord Mountbatten):

 

I can report today on a story which is positively spooky, not to mention chilling. British scientists and airmen, after examining the wreckage of one mysterious flying ship, are convinced these strange aerial objects are not optical illusions or Soviet inventions, but are flying saucers which originate on another planet. The source of my information is a British official of cabinet rank who prefers to remain unidentified.(DK)

 

Ideias confirmadas através de afirmações proferidas pelo próprio Lord Mountbatten (o tal tio de Filipe) falando igualmente de discos-voadores:

 

philip-01.jpg

Como entusiasta das Viagens Espaciais

c/ o Príncipe Filipe a visitar em 1966 o Centro Espacial Lyndon Johnson

(localizado nos EUA)

 

We believe, on the basis of our inquiry thus far, that the saucers were staffed by small men – probably under four feet tall. It’s frightening, but there’s no denying the flying saucers come from another planet. (LM)

 

E com Dorothy Kilgallen guarnecendo (e compondo) um pouco mais o cenário, a partir do quadro anteriormente apresentado (proposto) por Lord Mounbatten (o tal oficial britânico de ranking superior, preferindo manter-se incógnito):

 

This official quoted scientists as saying a flying ship of this type could not have possibly been constructed on Earth. The British Government, I learned, is withholding an official report on the ‘flying saucer’ examination at this time, possibly because it does not wish to frighten the public. When my husband and I arrived here from a brief vacation, I had no premonition that I would be catapulting myself into the controversy over whether flying saucers are real or imaginary.” (DK)

 

philip-05.jpg

Para além de piloto da RAF desde maio de 1953 c/ o Príncipe Filipe

a ser um dos leitores da revista da especialidade dos anos 50 Flying Source

(sobre discos-voadores)

 

Uma informação voltando mais tarde à baila (incluindo extraterrestres e discos-voadores) aquando da morte de Gordon Creighton (juntamente com Timothy Good um então muito respeitado e escutado pelas hierarquias, investigador de OVNI’S) entre outras atividades de relevo (podendo ser consideradas mais ou menos convencionais) tendo sido por vários anos editor da revista “Disco-Voador” (Flying Saucer). Aqui sendo recordado (no obituário) pelo “Times UK”:

 

Government service occupied most of the working life of Gordon Creighton, but he perhaps made his greatest mark as an authority on unidentified flying objects. His conviction that extraterrestrials were visiting Earth seemed oddly at variance with the more orthodox worlds of diplomacy and Whitehall. His expertise took him into government research on maps in oriental and other languages with the Permanent Committee on Geographical Names, and he spent eight years as an intelligence officer on Russian and Chinese affairs at the Ministry of Defense. It is said that in the intelligence post he worked directly below the secret Whitehall department where the Air Ministry and the RAF were studying information on UFOs. (GC)

 

prince-philip-wants-to-cull-human-population.jpg

Uma assunção que até poderia ser atribuída não a um terrestre

mas a um extraterrestre querendo invadir e conquistar a Terra

(tal como outros terrestres, já o tentaram)

 

Um homem pertencendo à realeza britânica, ao longo de todos estes anos estando envolvida em diversos escândalos (como o da sua ligação e apoio, de alguns dos seus membros, à Alemanha de Hitler) e que durante a sua vida entre vários pontos de interesse (como o da ufologia/temas associados) ─ confirmando que existem homens bons/maus/mais-ou-menos (umas vezes mais, outras vezes menos, outras enganando-nos) ─ se revelou (fazendo parte da sua “agenda” política) como um forte adepto da diminuição (forçada ou não) da população Mundial (no presente, perto dos 8 biliões), devendo-se obrigatória e rapidamente reduzi-la (drasticamente, até para a espécie sobreviver), como aqui (neste escrito) o confirma: “If I were reincarnated I would wish to be returned to earth as a killer virus to lower human population levels. (Príncipe Filipe/1998)

 

(imagens: (1ª/2ª/3ª) filmdaily.co e (4ª) allnewspipeline.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:07

A(s) Lista(s) Vermelha(s)

Terça-feira, 16.03.21

Professores iam começar a ser vacinados no fim de semana

com a vacina da AstraZeneca, que foi (entretanto) suspensa.

Pausa na vacinação não trava abertura gradual das escolas,

assegura ministro.

(eco.sapo.pt/15.03.2021)

 

29600192.JPG

 

Se no caso da Educação o Ministro responsável (falhando mais uma vez nas suas promessas/compromissos) afirma não existir problema arrancando-se de qualquer forma e como exigido pelo próprio (ego maior que a cabeça), as aulas presenciais sem as tão prometidas vacinas ─ hoje desvalorizando as vacinas, amanhã as regras básicas de proteção, os testes, os infetados e porque não os mortos ─ já no caso do Turismo estando tudo em questão e tão próximo do colapso, não se podendo improvisar (fazer de conta, falar e nada fazer) mas agir.

 

Como quando vindo dos políticos, muitas das suas justificações por inaceitáveis (escondendo por ausência direta, a sua comprovada incompetência), nos “entram por um ouvido logo saindo pelo outro” ─ sendo um desses casos o ocorrido na Educação, com o respetivo Ministro face a mais uma das suas tantas promessas não concretizadas (falhadas), não tendo vacina para dar (com os testes, um dos fatores fundamentais e imprescindíveis para a abertura das escolas) saltando por cima (como um saltador à vara, com a vara sendo nós) e afirmando não haver problema (compreenda-se, com o inofensivo vírus SARS CoV-2), uma vergonha “sem recompensa” (um castigo) ─ o mesmo se podendo afirmar continuando-se a falar de política e perante situações semelhantes (se não mesmo idênticas por replicadas) quando entram em cena (como diria o antigo 1º Ministro e Presidente Cavaco Silva) os ajudantes (espécie humana de rastejantes), interpretando-se e traduzindo-se, os Média (denominado como o “2º Poder”, apesar de ser pago por intermediários ─ os atrás referidos políticos, sendo retribuídos pela sua “graciosa colaboração” ─ pelo “1º Poder”): daí que a partir de notícias (tantas e tantas vezes) estrategicamente podendo ter sido lançadas para o ar ─ e sabendo-se desde sempre que quem paga ao trabalhador (aos média sustentados por conglomerados) é o patrão (os anunciantes, os investidores, os acionistas, temporários e substituindo-se e assim mantendo “a Pirâmide”) ─ perante outra “interessante e muito desejada fuga-de-informação” logo aí e perante “tão grande esmola, o povo não desconfie”. Perante um título como este (fundamental para entre outras, a Indústria Turística Nacional) tão importante para a sobrevivência da região do Algarve:

 

1c0766fc52bb6fd7f31d0a635b6fddf1.jpg

 

Portugal fora da “lista vermelha”

do Reino Unido

a partir de sexta-feira.

(eco.sapo.pt/15.03.2021)

 

Na Alemanha (líder da EC, representando-nos a todos e no entanto se necessário e em seu próprio benefício, derivando) suspendendo-se a utilização da vacina AstraZeneca (inglesa), aparentemente devido ao aparecimento (após vacinação) de coágulos sanguíneos ─ levando já os alemães a prepararem-se (sem informar previamente os outros e contra as diretivas das autoridades norte-americanas) para a introdução da vacina Sputnik (russa). Cá e como sempre com os nossos políticos/autoridades/especialistas na retranca, ainda à espera (múltipla, 1x2).

 

Desde o início da Pandemia COVID-19 com o trânsito envolvendo a GB a EUROPA ─ assim como com o Resto do Mundo ─ estando bastante condicionado, com certos países como Portugal pelo (temporário ou mais extenso)  agravamento da sua situação (nº de infetados/óbitos) e ligações mais habituais e constantes (preferenciais face a outros) com outros países potencialmente perigosos (como a África do Sul e o Brasil), vendo as suas comunicações físicas (terrestres/aéreas/marítimas) e bilaterais suspensas (aqui Portugal/GB): conforme a evolução da Pandemia, apresentando alternativamente semáforo Verde, Amarelo ou Vermelho. No presente e segundo informações oriundas do Governo Britânico (do conservador Boris Johnson, “tratado e salvo” da doença ─ Covid-19 ─ por um português) na próxima sexta-feira 19 de março mudando-se a cor do semáforo, querendo-se (ansiando-se como de “pão e água para a boca”) que logo para Verde (como no trânsito automóvel e quando para se seguir/abrir e sem necessidade do amarelo, de vermelho passando logo para verde). Infelizmente não sendo assim ─ VERMELHO → VERDE ─ na verdade sendo apenas uma mudança, logicamente cautelosa e progressiva, para já de VERMELHO → AMARELO (regras do desconfinamento). No dia 19 de março não se passando assim e automaticamente do Vermelho ao Verde, mas (sim) do Vermelho ao Amarelo: até porque Portugal não autoriza ligações aéreas com a GB até ao dia 31 de março (incluído), posteriormente só podendo usufruir dessa situação (e sendo estes para já os destinatários) nacionais e residentes em Portugal e na GB (com interesses particulares e circulando entre ambos).

 

jet2-flights-spain-holidays-cancelled-portugal-cov

 

Direcionando-nos para o Algarve, para a respetiva região de Turismo e para as necessárias e fundamentais ligações aéreas (terrestres e marítimas) ─ assim como falando dos seus residentes, sobrevivendo socorrendo-se desta definida-literalmente, como uma “monocultura turística”  ─ relevando-se a importância da decisão (não alcançada pelos nossos representantes, mas) vinda do exterior de reabrir de novo as tão importantes (nestes tempos modernos, “sem tempo”) ligações aéreas, retornando a partir daí e progressivamente (quantidade c/ cautela) o turismo.

 

Indo-se até à ILHA continuando a ser exigido testes (3), quarentena (10 dias) e por vezes (estando-se na “Lista Vermelha”) cerca de 1.750 libras (mais de 2.000 euros/para despesas, como o custo hotel), numa medida que já vem (pelo menos) de há dois meses atrás (meados de janeiro) quando a nova vaga do coronavírus “estourou” por cá. No entanto para a esmagadora maioria dos cidadãos e dado o Governo (Britânico) manter a proibição dos voos para o estrangeiro, desde que não essenciais (caso será o caso do TURISMO), mantendo-se este Potencial Mercado Fechado (e BJ não mudando de ideias, antecipando) por mais dois meses (até meados de maio, 17). Pelo que como conclusão e nada se alterando (entretanto, por cá, por lá e pelo mundo),

 

A 19 de março com o sinal do semáforo Covid-19 passando

Vermelho

Amarelo

(fase de preparação)

 

E a 17 de maio com o sinal do semáforo Covid-19 passando

Amarelo

Verde

(fase de libertação)

 

Até lá restando-nos proteger (do vírus e de outros) e sendo católicos (e feministas, adorando uma mulher, Nossa Senhora de Fátima) mesmo que “não praticantes” (termo estranho ainda-por-cima para quem se autodenomina como tal), rezar: esperando-se que tendo como antecedente o 13 de maio se concretize o “Milagre a 17”, daí se começando a ver o fim-do-túnel ─ a nossa salvação (do desemprego/da fome/da doença/da destruição) ─ com a chegada (tal a saudade) do Verão (no Algarve).

 

(imagens: LUSA/noticiasaominuto.com ─ AP/yahoo.com ─ GETTY IMAGES/express.co.uk)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:59

UK, BORIS & COVID-19

Sábado, 14.03.20

Coronavirus: can herd immunity really protect us?

Pode a Imunidade de grupo, na realidade proteger-nos?

(Jeremy Rossman/13.03.2020/theconversation.com)

 

file-20200313-108880-9q17pv.jpg

The UK government recently enacted its second phase of response

to the COVID-19 pandemic: “DELAY”

 

Expor, Expor, Expor …Atrasar, Atrasar, Atrasar …

Curar, Curar, Curar

 

Ao contrário do aconselhamento proposto pela esmagadora maioria dos cientistas e dos políticos de TODO O MUNDO, apontando inequívoca e decisivamente como solução o ISOLAMENTO voluntário ou forçado por parte da população em perigo do contágio do novo coronavírus COVID-19 – aconselhando-nos a afastar-nos o mais possível que pudermos do potencial transmissor do vírus, a pessoa colocada ao nosso lado – eis que o REINO UNIDO invertendo todo o pensamento e pratica até agora utilizada − algo a que nem Donald Trump se atreveu (ter-lhe-á passado pela cabeça?) − opta por uma outra estratégia alternativa, não só NÃO ISOLACIONISTA mas – sendo surpreendente – EXPONDO TODOS à ação deste vírus (mortal).

 

Desse modo e seguindo essa linha de pensamento com as autoridades britânicas sugerindo que EM VEZ DE FUGIRMOS do vírus (isolando-nos), DEVERÍAMOS isso sim EXPOR-NOS desde logo ao mesmo e a esta sua 1ª VAGA, resistindo à mesma (1ª vaga) e reforçando-nos, e tornando mais eficaz o nosso sistema imunológico na luta contra o Covid-19 − protegendo-nos desde logo, contra o aparecimento de uma 2ª VAGA (lógica aliás utilizada, para a produção de vacinas). Mas com esta opção de luta contra o COVID-19 − agora na Fase da Luta denominada pelo governo de BORIS JOHNSON “DELAY(“ATRASAR”) − tendo apenas um “pequeno” problema (ao colocar a população completamente exposta, à ação/ao dispor deste novo coronavírus):

 

25888524-8104003-image-a-2_1584024871481.jpg

'Flatten the Curve' − spreading the peak of cases over a longer period of time

to prevent sudden large spike

 

"Colocando-nos à sua disposição tentando terraplanar o vírus ...

e integrando-o à medida, nas regras do sistema"

 

Conseguir CONTROLAR a ação do Covid-19 de modo a estender por um período maior de tempo a ação deste, abrindo-lhe as portas (aos humanos), mas fazendo-o controladamente (de modo a que alargando o tempo, o pico máximo seja menor, menos extremo, menos mortal) e previamente estando bem equipado para tal (por exemplo com os célebres e em falta, ventiladores) – no entanto num procedimento podendo não ser bem sucedido (não se conseguindo manter o surto à velocidade desejada, por exemplo havendo uma subida repentina, com os equipamentos a faltarem e os doentes a morrerem) e podendo provocar uma TRAGÉDIA ainda maior, no mínimo (num período mais longo) mais de 200.000 MORTOS.

 

Até pelo que se tem visto pelo Mundo desde que o COVID-19 emergiu mortalmente na China (janeiro deste ano), sendo verdadeiramente uma loucura a opção por “DELAY AS A PUBLIC HEALTH STRATEGY (Jeremy Rossman/theconversation.com). Nem se percebendo muito bem,  quais os dados experimentais recolhidos, estes dois meses e ao vivo − e tendo-nos como cobaias − para tal decisão na “Terra de Sua Majestade”: se pensarmos que foi mais ou menos essa (por vontade própria, incompetência ou acaso) a estratégia inicial tomada pelas autoridades chinesas, depois de uma 1ª vaga (e pensando-se em decrescimento) levando logo com uma 2ª vaga − a Itália com apenas uma e logo extrema e intensa – temendo-se o pior. Lá como (por outros e pelos mesmos motivos) nos EUA.

 

(legenda/inglês: Jeremy Rossman e dailymail.co.uk

− imagem: theconversation.com e dailymail.co.uk)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:49

BO & UK − Retrato de uma Vitória

Quinta-feira, 12.12.19

[Se não Absoluta, pelo menos Relativa.]

 

“Hoje dia 12 de dezembro realizam-se

as Eleições Parlamentares no Reino Unido,

Numa 2ª versão do BREXIT agora introduzindo o duo

− aumentando ainda mais a confusão,

não se sabendo bem o que querem –

BORIS & CORBYN.”

 

Sem título 1.jpg

Retrato de uma Vitória

(por diversificada, numa mistura c/psique e s/psique)

Deixando-nos enternecidos até pela bem visível e colorida parecença

 

Garantindo desde já a VITÓRIA com uma última intervenção de campanha no próprio dia das ELEIÇÕES numa ação em princípio legal (apesar da “proximidade” da assembleia de voto) apenas introduzindo um outro mamífero mas definido como irracional, ou seja, para muitos especialistas sem PSIQUE – com o conservador (TORY)  BORIS JOHNSON como qualquer cidadão BRITÂNICO cumprindo à risca a TRADIÇÃO e desse modo respeitando os seus ANTEPASSADOS (e a sua CULTURA), na sua deslocação à Assembleia de Voto situada nas proximidades de Downing Street (residência do Primeiro-Ministro localizada no nº 10) em Londres no Methodist Central Hall – levando consigo um seu fiel, amigo e companheiro o seu cão DILYN: acompanhando o seu dono na sua ida á assembleia de voto, esperando pacientemente (e certamente que bem-comportado) à porta da mesma o cumprimento do dever do seu dono, para finalmente e cumprida a obrigação − de ambos, c/ PSIQUE ou s/ PSIQUE – saírem claramente felizes tal como tinham entrado.

 

Sem título 2.jpg

Retrato de uma Derrota

(por monolítica, unicamente c/psique)

Com o ELMO em protesto afastado cruelmente pela segurança

 

Com esta ação conjunta de BORIS JOHNSON e de DILYN (um deles o animal c/ psique e o outro o animal s/ psique) no próprio dia das eleições, com BO a assegurar no mínimo a MAIORIA RELATIVA: e apesar dos SINAIS enviados pelo Mayor de Londres SADIQ KHAN (Britânico, Trabalhista e Muçulmano) igualmente levando a sua cadela e afirmando a mesma – de nome LUNA – ter sugerido (apesar de desprovida de psique) votar TRABALHISTA (aos providos de psique), com o Trabalhista (LABOUR) JEREMY CORBYN seguindo o mesmo caminho errado da líder do partido Escocês (Scottish National Party) NICOLA STURGEON, em vez de cumprindo a tradição se fazer acompanhar por um animal IRRACIONAL (aqui um CÃO) fazendo-se acompanhar por um outro mas sendo RACIONAL (o seu CONSORTE, homem ou mulher, com sorte ou sem ela, mas não sendo, aparentemente, um canídeo) − a líder escocesa pelo seu marido Peter Murrell e o líder Trabalhista pela sua esposa Laura Alvarez.

 

Vai uma aposta?

 

[BO: Boris Johnson]

[UK: Reino Unido]

 

(imagens: 24.sapo.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:55

Eleições Europeias 2019

Sexta-feira, 24.05.19

“Confirmando-se todas as previsões com o Centro (os anteriormente referidos como, Moderados) não contando (um Campo Político completamente obliterado), com a Esquerda a perder (apesar de algum reforço registado na Extrema-Esquerda) e com a Grande Vitoriosa a ser à DIREITA, reforçada pela EXTREMA-DIREITA. Mas com a Alemanha (tal como Portugal) mantendo o rumo e apontando em sentido contrário, deixando-nos aqui (alertas/preocupados) a pensar. E com os EUA já prontos com o seu “Pronto-a-Despir”!

 

AP_19138625314083.0.jpg

From left:

Geert Wilders of the Dutch Party for Freedom;

Matteo Salvini of the Lega Nord party;

Jörg Meuthen of Germany’s Alternative For Deutschland party;

and Marine Le Pen of France’s National Rally party

attend a rally of far-right, nationalist leaders in Milan, Italy, on May 18, 2019,

ahead of the May 23-26 European Parliamentary elections

(legenda: Jen Kirby/vox.com)

 

Marcadas para os próximos 4 dias (23/26 Maio) decorre um pouco por toda a EUROPA (dos 5 continentes o 4º maior, só ultrapassando a Oceânia) – constituída por 58 países/territórios e mais de 850 milhões de pessoas, distribuídas por uma área de mais de 10,5 milhões de Km² − as Eleições para o Parlamento Europeu (últimas realizadas em 2014): realizando-se nos 28 países (cerca de 50%) integrando a União Europeia − destes não fazendo parte a RÚSSIA (142 milhões de habitantes/17 milhões de Km² de área) o maior e mais populoso estendendo-se pela Ásia e correndo ainda o risco de perder muito brevemente um deles o REINO UNIDO (85 milhões de habitantes/0,25 milhões de Km² de área) − envolvendo mais de 500 milhões de pessoas (eleitores) e elegendo entre as várias “Famílias Políticas” um total de 751 Representantes (os tais deputados europeus) e podendo ainda ser um número menor (705) caso se confirme (o BREXIT) o abandono do Reino Unido (c/ 46 representantes na EU).

 

Para além da distribuição das diversas forças políticas concorrentes (concorrendo nesses 28 países), pelas suas “Famílias ou Ramos Familiares mais Próximos e se possível sendo-o Ideologicamente”, sendo colateralmente interessante (até pelas consequências que daí poderão advir) conhecer os resultados que poderão surgir destas Eleições Europeias, (1) relativamente ao Reino Unido (um país da Liderança Europeia querendo sair dela), (2) à França (um dos países da Liderança Europeia querendo assumir maior protagonismo, mas com a maioria do seu Povo manifestando-se contra essa mesma liderança) e como seria óbvio (3) à Alemanha até por ser (até ao Presente) a Líder dos Líderes da Europa e como tal o máximo representante da EU (o Vassalo-Maior) face aos Todo-Poderosos e Líderes Globais os EUA sob comando (o tal que num último impulso, ditará o destino do Botão Atómico) de DONALD TRUMP.

 

Desde logo comparando os resultados obtidos em 2014 pelas diferentes famílias políticas Parlamentares Europeias, com as últimas projeções de resultados (sondagens) realizadas sobre estas Eleições Europeias de 2019 (já em curso) − como se vê no quadro seguinte:

 

Família

Política

Sigla

Ideologia

Lugares em 2014

(R)

Lugares em 2019

(S)

Variação 2014/2019

Partido

Popular

Europeu

PPE

Conservadores

215

177

-38

Aliança Progressista Socialistas Democratas

S&D

Social-Democrata

/Socialista

185

152

-33

Europa

Nações

Liberdade

ENF

Extrema-Direita

-

76

+76

Aliança

Liberais Democratas

ALDE

Conservadores

59

71

+12

Reformistas

Conservadores

ECR

Conservadores

45

56

+11

Verdes

Aliança

Livre

GREENS/EFA

Verdes

49

55

+6

Esquerda

Europeia

GUENGL

Socialistas

/Comunistas

45

47

+2

Europa

Liberdade Democracia Direta

EFDD

Direita

38

19

-19

(Não

Inscritos

num Grupo)

(NI)

(variada)

42

-42

Outros

Extrema

Direita

(OFR)

(Extrema

Direita)

-

49

+49

Outros Moderados

(OM)

(Moderados)

-

2

+2

Outros

Extrema Esquerda

(OFL)

(Extrema

Esquerda)

-

47

+47

Novos

Partidos

(NP)

(variada)

73

-

-73

Família

Política

Sigla

Ideologia

751

751

0

Legendas

R: Resultado S: Sondagens

 

E dividindo as diversas “Famílias Políticas” em 5 Blocos – Extrema-Direita (ED), Direita (D), Centro (C), Esquerda (E) e Extrema-Esquerda (EE) − para melhor se verificarem as transferências (de eleitores/votações entre eles) registando-se (conforme o quadro seguinte):

 

Espectro Político

Lugares em 2014

(R)

Lugares em 2019

(S)

Variação 2014/2019

ED

-

76+49=125

+125

D

215+59+45+38=357

177+71+56+19=323

-34

C

-

2=2

+2

E

185=185

152=152

-33

EE

49+45=94

55+47+47=149

+55

Outros

42+73=115

-

-115

Espectro Político

751

751

0

 

Concluindo-se por uma evidente transferência de votos do Centro-Político (seja de centro-direita ou de centro-esquerda) para os Extremos-Políticos (extrema-direita e extrema-esquerda) – “no mínimo uns 70 deputados perdidos” − com os mais favorecidos (por essa mesma deslocação de eleitores) a serem de um dos lados o ENF conjuntamente com outros grupos de extrema-direita (radicais) e do outro lado outros grupos de extrema-esquerda (radicais) – “no mínimo uns 180 deputados ganhos”.

 

mw-860.jpg

A Eleições Europeias em Portugal

c/ os Cabeça-de-Lista do

PS, BE, PSD, CDS, PCP/PEV e ALIANÇA

 

pe-jovem.pngmw-860.png

Numa variação desinteressada entre uma campanha baseada na contabilidade europeia (economicista) do toma-lá-dá-cá e uma outra campanha paralela e coincidente e “por replicação”, procurando a paridade (segundo o “molde original”)

 

iBh0LjsDvumOZiLfxoGxPHMYJLV3U64JtLTnsR-igAk.jpg

Em Portugal com este clima moderado e tão perto do Mediterrânico, existindo sempre a possibilidade de não estando (eventualmente) nada em perigo e nada nos sugira outro rumo, surja sempre a alternativa de em vez de uma ida às urnas se faça uma, mas à praia

 

E assim e como se vê com as políticas ditas “moderadas” aplicadas nos últimos tempos na EU a sofrerem uma “Grande Derrota Plebiscitária (confirmando-se estes resultados de momento não passando de sondagens), levando os eleitores em desespero e sem saberem o que fazer (político-partidariamente, já que ideologicamente “tudo se foi e esfumou”) a refugiarem-se nas propostas mais extremas e radicais, proporcionando a subida abruta (no meio de todo este Caos e confusão generalizada, a toda a Europa) e oportunista (no exato Momento) dos chamados Populistas (histórica e esmagadoramente e mesmo que muitos o neguem, Conservadora, Situacionista, Estática e contrariando o Movimento e a Evolução – “nada se cria nada se perde” − de Direita). Com o Centro definitivamente a confirmar “a sua Morte já anteriormente anunciada − e levada em ritmo de Cruzeiro, lançado sobre águas-alteradas e fazendo-o estando senis a grande velocidade (vindo já de eleições anteriores e como um retrato realista e fiel da Europa vista como uma “Velhinha-Querida vivendo dos seus Rendimentos”), levando aos Céus os seus extremos (em proporcionalidade inversa/mais violentos/menos conversa, ou em proporcionalidade direta/menos pacifistas/menos diálogo) e ao poder o Prometido, o seu “Caudilho: “lideranças políticas carismáticas ligadas a sectores tradicionais da sociedade (civil e militar) e que baseiam seu poder no seu carisma. Muitas vezes permanecendo no governo por mais tempo do que o previsto. (wikipedia.org)

 

Em termos de Esquerda e Direita (e obliterado o Centro) com o Parlamento Europeu a manter-se “sensivelmente(para nos manter-nos ainda otimistas, apesar da diferença visível e crescente) dividido ao meio – em 2014 (resultados) com um mínimo de 357 p/Direita e 279 p/Esquerda (115 incertos/podendo ser de Direita ou Esquerda) e em 2019 (sondagens) com um mínimo de 448 p/Direita e 303 p/Esquerda, num crescimento do Bloco de Direita (de um mínimo de 78 de vantagem quase que duplicando e subindo para um mínimo de 145 de vantagem) – mas pelos parciais apresentados e levantada definitivamente a “Cortina” (de fumo, “depois dos sintomas, manifestando-se a doença”) tendo-se mesmo que engolir a pura e dura realidade (aliás o que nos transmitiam os nossos Órgãos dos Sentidos)  olhando apenas para os Números: 448 (60%) contra 301 (40%) em 751 (não desistindo o Reino Unido e pelos seus 46 representantes, passando a 705) e vencendo a DIREITA (contribuindo com 72% nos votos de Direita) contando com o grande reforço da EXTREMA-DIREITA (contribuindo já com 28% nos votos de Direita).

 

Nunca esquecendo (não, não esquecido, apesar de momentaneamente ultrapassado) o atrás referido “Carrossel 1/2/3(Reino Unido/França/Alemanha) e analisando-lhes para ser rápido e por ser desnecessário (todos prevendo o que irá acontecer, a partir dos votos expressos pelos eleitores) apenas as últimas sondagens e a partir daí, os seus mais que previsíveis futuros (políticos) sendo apenas confirmados (um pró-forma e o mais tardar) no fim do próximo dia 26 de Maio (domingo): em (1) com o partido do BREXIT de NIGEL FARAGE a liderar com grande avanço as sondagens (35%), deixando a grande distância Trabalhistas (18%) e Liberais (17%) e pelo caminho esmagando os ainda representantes do Governo (da por horas/dias ainda 1º Ministro Theresa May) os Conservadores – apontando mais uma vez a saída da Grã-Bretanha da EU; em (2) com o partido de Marine Le Pen (Frente Nacional, de Extrema-Direita) a liderar as sondagens (24/25%), seguido a curta-distância da coligação de partidos da Direita-Liberal (Republica em Marcha/Movimento Democrático) de Emmanuel Macron/François Beyru (22/23%) e ainda a maior distância pela coligação Republicanos/Centristas (um fundado por Nicolas Sarkosy o outro de Hervé Morin) ainda de Direita com 12/13%, com “bem lá longe e meios perdidos (finalmente aparecendo a esquerda) aparecerem finalmente a “França Insubmissa” mais à esquerda (9/10%) e os Socialistas (em coligação) com 5/6% mais ao centro – só aqui numa derrota clara (média) e brutal da esquerda de 60%-15% e assim apontando para a vitória da Direita; chegando-se finalmente a (3) o local do “Centro de Comando” e onde reside (por delegação consciente de todos os outros estados) toda a origem do Problema − a ALEMANHA – nas suas sondagens nacionais com incidência direta e imediata em todo o Continente Europeu (não só nos 28 países, como nas restantes duas dezenas) − do Atlântico até à Rússia (incluindo-a parcialmente como Europa), vista como “uma porta-de-entrada para a Ásia (na sua parte oriental) – e ao contrário dos Estados anteriormente mencionados (Reino Unido e França), mantendo-se a coligação (entre elas governamental) centro-direita de ANGELA MERKEL na liderança (CDU/CSU com 28/30%), seguida já de longe pelos Verdes (17/19%) e pelo SPD (não se conseguindo impor como oposição com 15/17%) e ainda mais afastada e no mínimo surpreendentemente (“pelo ambiente geral europeu e pelo seu crescimento anterior”, mas agora parecendo “ter fossilizado”) surgindo a AfD (extrema-direita) com cerca de 12% (e de seguida surgindo a Esquerda com 7% e os Liberais com 6/7%). No caso da Alemanha com esta e de uma forma bem clara (fiando-nos nas sondagens) a virar as costas à Extrema-Direita e traduzindo (como esta o afirma) recusando (como Alerta e Aviso) o Populismo: deixando para a Extrema-Direita talvez uns 15% (contra os restantes opondo-se-lhes uns 85%) e mantendo bem ou mal o rumo previamente traçado (a partir de 26 oficializado − e não pretendendo sansões − tornado obrigatório). Mais para o centro, talvez “um pouco esquerdo”.

 

Partido

Lugares em 2014

(resultados)

Lugares em 2019

(sondagens)

Variação

PS

8

7/9

-1/+1

PSD

-

5/7

-1/+2

CDS

-

1/2

AP

7

-

BE

1

2/3

+1/+2

CDU

3

1/2

-2/-1

MPT (MP)

2

-

-2/-1

PDR (MP)

-

0/1

PAN

-

0/1

0/+1

Aliança

-

0/1

0/+1

LIVRE

0

0

0

(Outros)

0

0

0

Partido

21

21

0

AP: Coligação PSD/CDS

(MP): Movimento/Partido tendo como candidato Marinho Pinto

 

Em Portugal (dada a sua irrelevância como país e dada a irrelevância destas eleições para a generalidade dos portugueses), com as últimas sondagens (a única coisa que será aqui referida) a apontarem (como seria de prever) para uma vitória do PS e com o resto do cenário a manter-se muito semelhante ao anterior (saído de 2014) − entre os grandes e os pequenos (partidos) ganhando-se/perdendo-se 1 ou 2.

 

E com Portugal a votar de Acordo com a Alemanha.

 

(dados: maioritariamente retirados da Wikipédia/wikipedia.org + imagens: Luca Bruno/AP Photo/vox.com e visão.sapo.pt – juventude.pt – expresso.pt − reddit.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:46