Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Vagas Relevantes Covid-19 Foram Duas

Sábado, 03.07.21

[Esta vaga agora em curso podendo ser, uma vaga secundária/intermédia.]

Imagem1.jpg

Nos últimos 14 dias

c/ o nº de Infetados/dia a subir 106%,

c/ o nº de Internados a subir 37%

c/ o nº de doentes em UCI a subir 19%

 

Estando connosco há 16 meses ─ a Pandemia Covid-19 ─ e tendo-se atravessado duas vagas marcantes a “vaga de março de 2020” (no seu pico máximo com 37 óbitos/dia) e a “vaga de janeiro de 2021” (no seu pico máximo com 303 óbitos/dia), da mesma forma que no ano passado atravessamos uma fase intermédia posicionada entre vagas principais ─ coincidindo com o Verão (e tempos adjacentes, antes e depois deste) ─ pouco se notando por de intensidade reduzida (mesmo assim podendo  atingir por volta de 500 infetados/dia e mais de 10/óbitos/dia), poderemos neste momento estar a viver uma nova fase intermédia (a 2ª) separando-nos desta  última vaga relevante (de janeiro de 2021), da seguinte (3ª vaga relevante) tudo apontando para ter o seu início depois do Verão no último trimestre de 2021 (senão mesmo antes, ainda em Setembro): apesar dos números Covid-19 atuais apontarem para valores superiores aos da 1ª vaga relevante, sendo tal natural dada a maior “violência” (em infetados e óbitos) desta 2ª vaga relevante, implicando naturalmente neste período intermédio valores superiores. Não sendo esta propriamente uma vaga (relevante) e desse modo, não se compreendendo (apesar da evolução dos números e pelo menos para já) o aumento das restrições impostas pelo Governo, não tendo sido o mesmo feito no ano anterior (aí abrindo), nem nada justificando (olhando para os resultados desse ano e que se conheça) esta decisão completamente oposta (aqui fechando). Podendo para muitos de nós ter chegado o momento de optar entre dois caminhos distintos e cada vez mais distantes (não mais dialogando), “morrer de fome” ou então “morrer de doença” ou numa ação vertiginosa, “morrer de ambos os males” usufruindo-os extraordinária e simultaneamente (como se dessemos dois tiros certeiros na cabeça). Vivendo-se neste momento de alucinação coletiva, onde um agente indiferenciado (de um conjunto infinito, de muitos outros como ele) se torna relevante passando a “protagonista”, mesmo que microscópico, novo e limitado (no seu pouco tempo e espaço percorrido) paralisando um planeta, a sua raça dominante, a Civilização deste: existindo outros iguais ou ainda piores (e bem ativos atualmente), nunca tendo saltado de imediato para a liderança (em função da sua virulência e/ou mortalidade) do Ranking Mundial ─ como por exemplo a morte por gripe, por contaminação de água, por acidentes automóveis e até por tabaco, ninguém por isso fechando o Mundo.

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:08