Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

19
Mai 19

[Num Abrir e Fechar de Olhos]

 

Há ricos que são pobres e pobres que são ricos,

mas só quem já foi rico pode dizer isso.

(As principais diferenças entre ricos e pobres/franquiaempresa.com)

 

[Iº]

 

Trump-Convincing-Poor-People.jpg

 

Com os Altos Gestores e Contabilistas da atual Administração da Casa Branca (agora sob a liderança de um puro “Milionário de Sangue”), em conformidade e de acordo com todas as suas Instituições Governamentais e Concessões Privadas (num esforço conjunto do tipo Parceria-Público-Privada) e tendo como desígnio e objetivo o equilíbrio nem que aparente (necessário e suficiente para esta Sociedade do Espetáculo) da publica e oficialmente desvalorizada (por brutal) Dívida Norte-Americana − estimada em muitos TRILIÕES (atualmente ultrapassando os 22) mas agindo com determinação e responsavelmente (por parte dos intermediários políticos no fundo representando lobbies) podendo ser se não diminuída pelo menos algo desacelerada (nem que seja por manipulação de números para convencer), dando todos (traduzindo, nós)  o exemplo – a proporem como um dos projetos prioritários para a concretização do seu Orçamento, atacando de frente e de vez o problema da sua Dívida (e sendo visto com um Sinal Significativo para toda a Sociedade norte-americana, especialmente para a sua base ainda produtora/ou excedentária, em nome do seu topo ou liderança) – “e vejam bem a sua alta capacidade de Intervenção mas sobretudo a sua propalada Inovação” – a redução dos gastos nos diversos programas de “Luta e Irradicação da Pobreza” (quase que já limitados a pequenos gastos na Saúde e na atribuição de Senhas de Refeição) prevista atingir uma poupança imediata de perto de 25 milhões, numa década de 250 milhões e com reformas adicionais nas diversas instituições de apoio (ligadas à Saúde) e Seguradoras (e Bancos), podendo nesse mesmo período (a tal Década) chegar a 1 TRILIÃO: quase 5% da Dívida uma Monstruosidade (sendo só) para os Pobres. Daí a mensagem de Donald Trump (Presidente de Pobres, Presidente de Ricos) para os “pobres” dos norte-americanos (como o poderia ser para os Alienígenas do México, para os Alienígenas do Espaço ou para os da Quinta-Dimensão):

 

“Trump to poor Americans:

Get to work or lose your benefits”

(washingtonpost.com)

 

[IIº]

 

Numa estratégia imaginativa só possível num MILIONÁRIO (ainda-por-cima norte-americano e ligado ao ramo Imobiliário) sabendo entre “o Ter e o Não Ter (até pela sua anterior Vida Profissional) as bases práticas (reais, correntes e diárias) da mais simples e eficiente Contabilidade (só assim sendo eficaz diversificando os seus campos de ação/intervenção, sejam legais ou semilegais)

 

Trump May Redefine Poverty,

Cutting Americans From Welfare Rolls

(bloomberg.com)

 

− Neste momento encarnado na figura de DONALD TRUMP,

o Republicano 45º Presidente dos EUA

 

E simultaneamente realçando (para quem não quer ver) e mais uma vez (para além do já reconhecido poderio da sociedade não-civil e do seu Complexo Industrial-Militar) o papel desempenhado por aquela camada intermédia (de momento no “Elevador e em Ascensão”) inserida num determinado nível do Edifício Social

 

– Como se vê podendo ser facilmente encontrados

(pré-definidos enquanto no nosso nível)

entre profissões implacáveis

(e optando conscientemente por esse módulo de sobrevivência)

retalhando tudo à sua frente

(até ao mais irrelevante e sórdido pormenor)

e nunca se preocupando com as consequências

(por obediência e pelo contrário, esperando retribuição)

como “Políticos, Economistas e Advogados

 

-1x-1.jpg

 

Uma decisão a nível Económico-Financeiro no mínimo brilhante (por impactante até pelo relevo da crítica oferecida pela oposição, esmagadoramente Democrata, numa Ditadura Bipolar), tomada como que com um “toque-de-magia” e só podendo vir de um “MÁGICO

 

− Reconhecido no planeta TERRA não pelo característico Chapéu-Mágico,

mas pela sua (ir)relevante e Loura-Cabeleira

 

“Because of this, changes to the poverty thresholds,

including how they are updated for inflation over time,

may affect eligibility for programs that use the poverty guidelines.”

(OMB/bloomberg.com)

 

Num só Toque-da-Varinha (do referido Mágico Donald Trump) e mesmo sem o dito chapéu (dispensado para a prateleira), obtendo o pretendido eliminando (de uma só) vez “Dois Pobres Coelhos:

 

Fazendo lembrar um pouco Portugal e as constantes alterações (por vezes todos os anos) verificadas nos Escalões do IRS (na definição dos seus limites inferiores/superiores)

 

– Aqui levadas unicamente a cabo para

(no fim)

ficarmos sempre a perder

(recebermos menos ou pagarmos mais)

/daí caracterizarmos a ação de DT apenas de brilhante e não de espetacular

(não de molde original),

ponto fundamental para a manutenção/sobrevivência desta

SOCIEDADE do ESPETÁCULO

 

Ao mesmo tempo e aos “Olhos de Todos Nós” (contando connosco e com os média “inocentes”) conjugando na mesma equação conceitos contraditórios,

 

“It’s like you see someone drowning and instead of helping them

you redefine them as not drowning,

but instead heading off to a watery vacation that will last forever.

Then you can happily go on with your day

without worrying about your loafers getting wet.”

(Lee Camp/ Redacted Tonight/RT)

 

“Eliminando Gastos com Pobres”

(diminuindo as ajudas aos mesmos)

e

“Fazendo-os Desaparecer da Pobreza”

(tornando-os ainda mais ricos)

 

[IIIº]

 

Em mais um Sucesso Económico-Financeiro da TRÍADE (obliterada Memória e Cultura) Economia/Justiça/Política.

 

É certo que desprezando (aqui o representante, como forma de pagamento do usufruto concedido) a Vida do seu Povo (aqui o Representante, atraiçoado e para sempre encornado).

 

(imagens: mustang.org.au/forum − flipboard.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:38

08
Jun 16

 “Se por acaso 1% de nós não ganhasse 1.000 vezes mais do que os outros 99%, seria o CAOS na nossa Sociedade – com a perda de valores, não morais mas monetários. Ou seja a era da LIBERDADE e do fim da ESCRAVIDÃO.”

 

image.jpg

 

Na sua forma mais simples o que DIFERENCIA à escala MUNDIAL o 1% de RICOS dos 99% de POBRES é que, enquanto os primeiros têm sempre na sua carteira no mínimo 1.000 DÓLARES para GASTAR, os segundos por vezes nem uma moeda de 1 DÓLAR têm para COMER.

 

Sendo esta a única razão pela qual a nova elite aristocrata e decadente (herdeira da anterior Elite Oriunda da Industria e do Comércio) que ainda hoje e em agonia se agarra desesperadamente ao ESTADO – desprezando a dinâmica ECONÓMICA e privilegiando o estático sector FINANCEIRO – se agarra aos seus direitos como se fossem adquiridos.

 

Com a nossa Mãe-Alemã a desempenhar o papel por todos esperado, vivendo tranquilamente a reforma à conta dos seus rendimentos. Todos os dias à mesma hora recolhendo as suas rendas e mais tarde retirando-se para o conforto e segurança do lar. Equipado e protegido e até com mais do que um empregado.

 

Tirando em conclusão sobre o meu futuro há tanto aguardado, que de tanto se querer mais vale fazê-lo sentado. E já agora escondendo os valores debaixo do colchão, não vá aparecer um ladrão num ato de formação. Ou ainda não sentiram o poder dos vossos eleitos?

 

(imagem: irishtimes.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:05
tags: ,

19
Jan 16

O Problema é lá Chegar!

 

Como durante uma crise económica e financeira tremenda 1% da população mundial aumenta a sua fortuna de 50% ou ainda mais (os mais ricos), enquanto os outros 99% perdem outro tanto ou ainda mais (os mais pobres).

 

2015-347--The-gap-between-the-rich-and-the-poor-to

 

Nasci na Ilha Pequena onde moravam 1.000 pessoas. Ilha que tinha uma irmã (a Ilha Grande) onde moravam apenas 10. Na Pequena moravam os pobres e na Grande moravam os ricos. Com rendimentos mensais iguais logo com o mesmo para gastar: R₁₀₀₀ = R₁₀ = 1.000 moedas. Logicamente que nas ilhas uns viviam (Ilha Grande = 1%) e outros não (Ilha Pequena = 99%). Mas a vida era assim e teriam de aguentar.

 

Um dia algo se deu e alguém veio cobrar. As ilhas parentes em si teriam as duas que pagar: e como gémeas que eram à chegada do cobrador só tiveram que pagar e na igualdade concordar. E assim de uma assentada de cada levou 500 (moedas) e apenas com uma braçada esganou outros 500 (pessoas). Mas como toda a gente sabe esse é o custo da manutenção da sociedade democrática onde hoje vivemos.

 

Assim as 1.000 pessoas da Ilha Pequena e as 10 pessoas da Ilha Grande viram os seus rendimentos drasticamente reduzidos em 50%: agora com cada pessoa da Ilha Pequena a ter 0.5 moedas/mês e da Ilha Grande a 5 moedas/mês. Num cenário notoriamente mais drástico e pesado para a Ilha Pequena (onde com 1 moeda/mês se sobrevive), mas sem grande impacto na Ilha Grande (ainda com 5 moedas/mês para gastar).

 

Mas será mesmo assim? É melhor recapitular. Temos duas ilhas e 1010 pessoas. Com rendimentos que foram reduzidos de 50% restando um total de 1.000 moedas. Num corte levado a cabo por um distinto cobrador vindo do lado de lá não se sabe bem donde. Mas conhecido por alguns como o intermediário, com papel de mandatário e até de empresário. Num estado de emergência sendo ele o Banco Central.

 

Recolhidos as 1.000 (moedas) o que irão agora fazer? Ajudar desde logo a gente, salvando sempre as ilhas. Como? Investindo nas forças vivas (residentes na Ilha Grande) e dando força aos restantes (residentes na Ilha Pequena): isto porque todos nós que professamos a doutrina cristã e ocidental, que acreditamos na superioridade de outras entidades mesmo que desconhecidas ou abstratas e que delegamos sem hesitar a nossa vida nuns poucos outros (e nas suas coisas) ainda achamos que sem chefes nunca haverá homens e a Terra parará.

 

E foi assim ao falar com um simples merceeiro (um ás nas contas e nos negócios) que cheguei à tradução que me deu a conclusão:

 

Parâmetro/Ilha

Ilha
Grande

(moedas)

Ilha
Pequena

(moedas)

Rendimento mensal anterior à crise 1000 1000
Nº de habitantes 10 1000
Rendimento mensal anterior à crise por habitante 100 1
Corte no rendimento mensal devido à crise 500 500
Rendimento mensal após corte 500 500
Rendimento mensal após corte por habitante 50 0.5
Redistribuição após corte 1000 0
Rendimento mensal após redistribuição 1500 500
Rendimento mensal após redistribuição por habitante 150 0.5

 

Ou seja durante este período de crise:

 

A evolução do rendimento mensal dos ricos foi 10050150 enquanto do lado dos pobres foi 1 0.50.5 (claramente uma distribuição equitativa de sacrifícios);

 

Nesse período a variação dos rendimentos registou um crescimento de 50% para os ricos e um decréscimo de 50% para os pobres (o dinheiro tinha que vir de algum lado);

 

E no parâmetro que mais nos interessa e que revela bem a equidade crescente do mundo onde hoje vivemos (seja ela verdade, seja ela mentira), enquanto anteriormente a relação de rendimentos entre ricos e entre pobres era de Ricos = 100 X Pobres agora ela fixa-se nuns aterradores Ricos = 300 X Pobres (no que à Europa diz respeito mais um prenúncio do fim do euro).

 

Pelo que não é de espantar que surjam títulos como este (achando eu que ainda por defeito):

 

“The wealth of the most affluent rose 44 percent since 2010 to $1.76 trillion, while the wealth of the bottom half fell 41 percent or just over $1 trillion.”
(swissinfo.ch)

 

Ainda-por-cima quando é necessário demostrar algum tipo de preocupação com os outros 7 biliões de habitantes do planeta Terra, agora que vem aí o fórum económico mundial com o seu encontro anual dos mais influentes do mundo (contando aqui e agora com mais de 60 multimilionários): entre 20 e 23 de Janeiro na famosa cidade suíça de Davos.

 

“The global inequality crisis is going from bad to worse. The global charity says inequality is worse than it has been in 100 years.”

(aljazeera.com)

 

(imagem: inkcinct.com.au)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:25

08
Abr 14

Segundo um estudo levado a cabo por Daniel Notterman investigador pertencente ao Colégio de Medicina da Universidade do Estado Norte-Americano da Pensilvânia e realizado a 40 crianças todas elas com nove anos de idade – metade oriundas de meios pobres e a outra metade de meios ricos – as primeiras além de terem desde logo a desvantagem inicial de virem de meios pobres, apresentariam suplementarmente e como consequência desse mesmo factor negativo, um ADN aparentemente de meia-idade (estudo publicado em pnas.org).

 

ADN

 

Como se já não bastasse o nosso aspecto exterior – quanto mais velho pior – futuramente o ser humano poderá passar a ser sujeito a testes complementares de qualificação profissional, através da análise do seu ADN e despistagem dos casos especiais de “velhos escondidos”.

 

Assim e de acordo com as teorias maioritárias neste momento muito em voga no meu país, estabeleço desde já uma lista provisória mas segura – até como contributo patriótico para a reforma da administração pública – para uma requalificação e selecção mais rigorosa de todos os nossos trabalhadores (públicos e privados):

 

INDIVÍDUO

RICO

POBRE

ADN (n)

ADN (mi)

SUCESSO (%)

Classe 1

X

 

X

 

100

Classe 2

X

 

 

X

50

Classe 3

 

X

X

 

25

Classe 4

 

X

 

X

0

Pirâmide de Classes Sociais

(excluindo a casta extraordinária)

 

Às classes 1 e 2 deverão ser atribuídos cargos exclusivamente de topo – no vértice superior da pirâmide – enquanto as classes 3 e 4 deverão ser colocadas em camadas descendentes e sobrepostas até à base da pirâmide social. Exterior a essa pirâmide e no seu controlo total estarão as Entidades Superiores, uma casta extraordinária constituída por aquelas que falam directamente com Deus.

 

INDIVÍDUO

DESCRIÇÃO

Classe 1

Numerário

Classe 2

Supranumerário

Classe 3

Excedente

Classe 4

Desqualificado

Caracterização das Classes Sociais

(excluindo a casta extraordinária)

 

Por outro lado e ao contrário do que muitos pensam o mais que previsível esmagamento da pirâmide social terá duas consequências extremamente virtuosas: a aproximação dos cargos técnicos de topo da realidade socioeconómica – o que os tornará mais conscientes da sua condição provisória – e a diminuição da área de apoio necessária à sustentação da base da nova e concentrada pirâmide social – o que tornará (por libertação de espaços anteriormente ocupados) o planeta mais ecológico. Talvez seja este o caminho certo para o Paraíso ou então para a nossa definitiva Implosão.

 

Vejamos o exemplo de um dos grandes dirigentes deste século XXI e das suas afirmações (políticas) e convicções (religiosas) como presidente da maior potência à superfície da Terra, os Estados Unidos da América:

 

George W. Bush – Junho de 2003 – segundo palavras a ele atribuídas pela BBC

(em noticias.terra.com.br de 06.10.2005)

 

“Estou movido por uma missão divina".

"Deus me disse, George, vai e luta contra os terroristas no Afeganistão. E eu o fiz. E Deus me disse: George acabe com a tirania no Iraque. E eu o fiz. E agora, sinto ainda a palavra de Deus que me diz: dá um Estado aos palestinos e aos israelitas a sua segurança e consiga a paz no Oriente Médio. E, por Deus, eu o farei".

"Tenho uma obrigação moral e religiosa. Portanto, vou conseguir um Estado palestino".

 

(imagem – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:03

28
Nov 11

É pena não termos visto o espectáculo que deve ter sido este concurso humanitário de características imateriais, com diversas culturas a terem de se expor como prostitutas e a revelarem os seus atributos sexuais mais apreciados, de modo a poderem preservar a memória dos seus antepassados e sobreviverem entre os negócios que se poderão perspectivar, neste futuro cada vez mais incerto. Sempre e debaixo dos olhos, dos intermediários ultra-intelectuais.

 

Património da Humanidade

 

O Fado é o destino que nos ofereceram e que aceitamos sem discussão

 

Mas que feira de vaidades dos ricos, utilizando a arte dos pobres!

 

Um manto preto de luto e vergonha, sobre o comércio do fado – escravo

 

E chamam a isto, Património (Imaterial) da Humanidade – os pobres Marceneiros, os pobres mais antigos, face aos maiores protagonistas do fado, os fados que venceram, os fados oxigenados.

 

Marceneiro de profissão e detentor de uma voz inconfundível

 

E sem cortes de subsídios!

 

Ministro inexistente com direito a secretária

 

Um homem conhecido por ser um profissional muito experiente - culto e actualizado - na constituição de comissões humanitárias e liquidatárias, com um único objectivo psicótico, de reestruturar o que ele sabe que já foi.

 

No fundo está tudo bem, enquanto ninguém se queixa demais: a crise dá para tudo e até há que entreter o povo!

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:57

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


18
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO