Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

29
Abr 19

[Não se tendo conhecimento de qualquer tipo/forma de resposta − passiva ou ativa − por parte de possíveis “rigulianos”.]

 

Hayabusa2 Fires an Anti-Tank Warhead at Asteroid Ryugu

(universetoday.com)

 

Passados 23 dias sobre o bombardeamento de um “Mundo Alienígena” orbitando tal e qual como a TERRA a mesma estrela de referência o SOL – ou seja com ambos os Corpos Celestes a integrarem o mesmo Sistema Planetário, o SISTEMA SOLAR (o nosso planeta a cerca de 150.000.000Km do Sol e o “Mundo Alienígena” variando entre 144.500.000Km/Periélio e 178.500.000Km/Afélio de distância do mesmo) − chegam-nos agora as primeiras imagens dessa primeira investida dos Terrestres num ataque pré-planeado contra “Um Outro Mundo” (que não e como é hábito entre nós a Terra).

 

Touchdown1_after.jpg

Aterragem em RIGU

(ilustração)

 

Com a “Bomba” a ser enviada pelos JAPONESES e a ser entregue pela sonda HAYABUSA 2, fazendo-a impactar contra o asteroide 162173 RIGU (um asteroide APOLLO com a sua órbita próxima da órbita da Terra) − um objeto de quase 1Km de dimensão − explodindo ao atingir o solo e aí criando uma (nova) cratera: uma carga explosiva denominada SCI (Small Carry-on Impactor) aí aplicada tendo como principal objetivo descobrir (o fim de quem Explora/Investiga e pretende alcançar “Algo”) alguns dos principais segredos deste Mundo Alienígena.

 

No passado dia 21 de Abril (e já com alguns registos fotográficos do Acontecimento) com os japoneses através da sua Agência Espacial JAXA a libertarem finalmente a primeira sequência de imagens (em registo vídeo), mostrando-nos não só a descida do “pacote explosivo” (o SCI) como a cratera como consequência (do impacto/explosão) aí criada: pondo a “NÚ” o interior do asteroide RIGU (revelando a existência interior de material/solo mais escuro) e dessa forma fornecendo aos investigadores mais pistas (e indicações) sobre o passado de mais este Objeto Solar.

 

D3YevMhUcAAkXaA.jpg

Enviando uma ogiva antitanque

(contra o asteroide RIGU)

 

Uma operação levada a cabo utilizando um explosivo disponibilizado pelos Militares (por eles usado na Terra como Arma/Munição de Guerra), aqui tendo como intenção fundamental uma análise científica e evolutiva (que não militar) de RIGU e sendo assumida com o único propósito de determinar a composição do asteroide de modo a por associação/comparação/replicação tentar descobrir o que se terá passado no início da formação do nosso SISTEMA SOLAR. Mas apenas se revelando os segredos (geológicos) escondidos logo para lá (interior) da sua superfície, nada mais havendo a assinalar nem a possível presença de Habitantes de Rigu: bombardeados não se manifestando, por medo ou simples ausência (certamente sendo o último o caso).

 

Mas não se ficando por aqui a Missão de HAYABUSA 2 no asteroide RIGU, estando desde já planeada uma descida até à superfície do referido asteroide, aí recolhendo amostras e posteriormente abandonando a superfície e dirigindo-se para a TERRA: depois das missões Apollo tendo como destino a LUA e recolhendo amostras posteriormente enviadas para a Terra, agora sucedendo o mesmo mas com um visitante periódico (visitando-nos de 474 em 474 dias) o asteroide RIGU. Tentando-se assim descobrir (em Rigu) a presença de ÁGUA e até de VIDA (material ORGÂNICO) talvez aí existente (resistente) desde há alguns biliões de anos: talvez uns 4 biliões tomando como referência o “Último Grande Bombardeamento” −” Period between about 4.0 and 3.8 billion years ago when the Moon and other objects in the Solar System were pounded most heavily by wayward asteroids.” (daviddarling.info)

 

(imagens: JAXA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:20

Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
18

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO