Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

31
Dez 13

Enquanto todos os outros países europeus intervencionados fogem a toda a velocidade do buraco negro económico e financeiro em que se meteram – Irlanda, Grécia e Espanha – Portugal continua a desafiar a lei da gravitação económica, pensando que diminuindo a despesa também aumenta a receita: só que o Estado Novo o fazia com o Ouro e o Regime Democrático não o pode fazer com as pessoas. Mas de quem faz do oportunismo político e duma pretensa incompetência os seus principais pilares não ideológicos de governação, tudo há a esperar – até adiar para amanhã (mais uma vez) o que se pode fazer hoje.

 

O Fim

 

O Desejo do Predador:

“Desejamos a todos os Portugueses um Bom Natal”

 

A Concretização do Desejo do Predador:

“O Presidente da República promulgou o Orçamento do Estado para 2014”

 

Mas se continuarmos este trajecto apoiados apenas na indiferença total face a um destino afirmado até à exaustão como inevitável, a única coisa que se poderá dizer desta Nova Organização Ideológica e Económica Mundial é que os seus mentores conseguiram o que Hitler e a Alemanha sempre desejaram mas nunca alcançaram. Ainda por cima com velhas senhoras como a Nova Alemanha a viverem agora tranquilamente dos seus rendimentos, enquanto os outros à sua volta vão morrendo de fome – não entendendo a velha e debilitada senhora que um dia os outros deixarão de pagar a renda.

 

O Monstro de Três Cabeças

 

De Portugal? Zero – com esta política do Semáforo!

De cima só vem Luz Verde (durante uns míseros segundos de expectativa e de posterior desânimo), isto apesar da Luz Amarela que tudo vai destruindo (durante dias repetitivos e infindáveis) e da Luz Vermelha que nos asfixiará definitivamente (no nosso próprio sangue e até à extinção).

 

E como de costume só subserviência por parte das nossas elites já há muito em decomposição – e que vão asfixiando um país com os seus actos prepotentes, criminosos e nauseabundos.

 

“E que tenhamos todos um bom fim, no ano que aí vem”

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:21

25
Mar 13

Olha bem para mim o teu fiel amigo e verifica sem receio como eu consigo projectar o teu cérebro num espaço limitado apenas a duas dimensões: tudo isto porque o teu cérebro foi dividido em três zonas, todas elas parcialmente lobotomizadas (e coloridas) e reduzidas a um único plano (ou fatia), caracterizado pela brutal e deliberada ausência da dimensão profundidade. O colorido associado a cada uma dessas zonas tem apenas como objectivo (fundamental) a transmissão de uma mensagem subliminar de autoridade a toda a comunidade envolvente – sobretudo a mais resistente à mudança – relembrando-lhes os três princípios básicos do bom funcionamento mental baseados na Teoria Pavloviana do Semáforo: vermelho (parar), verde (andar) – como cores primárias obrigatórias (sinónimo de dever) – e amarelo (aguardar) – como cor secundária opcional (sinónimo de direito).

 

Alta-Fidelidade

Com o primário azul disponível mas estranhamente não utilizado

 

E ainda por cima podendo eu aproveitar para nosso benefício o equipamento emissor e receptor de ondas electromagnéticas de que vens munido, profundamente implantado no teu cérebro através da utilização de técnicas intrusivas e parasitárias e aí colocado com um único desígnio virtual – já que a realidade hoje em dia confunde-se com o ilusório, complementando-se mutuamente como dois velhos amigos abraçados, abandonados e sem reacção aparente à chegada da morte: tornarmo-nos todos felizes num mundo em extinção, de modo a usufruirmos até ao mínimo detalhe de todas as nossas cerimónias fúnebres, mas agora em rituais de sangue, realizados ainda com os nossos corpos vivos.

 

(imagem – google.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:09

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO