Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

11
Dez 18

Com as velhinhas sondas automáticas (Voyager 1 e Voyager 2) e quando muitos de nós ainda Sonhavam (com a Aventura como Fonte de Experiência e com a Descoberta de Outros Mundos como modo de nos Conhecermos).

 

Relembrando que há mais de 41 anos atrás (1977) dois artefactos espaciais de criação artificial

 

PIA22835_fig1.jpg

Com a Voyager 1 e a Voyager 2

Tendo já ultrapassado a Héliosfera

 

– Numa missão levada a cabo pela única espécie inteligente (e conhecida) existente no planeta do Sistema Solar denominado como Terra –

 

Partiram desse mesmo planeta tendo como seu objetivo final atingir e ultrapassar os limites do Sistema Solar

 

– A VOYAGER 1 (lançada a 5 de Setembro) e a VOYAGER 2 (lançada um pouco antes a 20 de Agosto) –

 

Voyager.jpg

Voyager 1

 

A NASA vem-nos (nesta quadra natalícia) presentear com algumas ilustrações (aqui duas) associadas a este programa (Voyager) agora que a 2ª sonda automática (não natural e de origem terrestre) ultrapassou a Fronteira:

 

Depois da Voyager 1 já o ter feito (em Agosto de 2012) com a VOYAGER 2 a fazê-lo este ano (em Novembro de 2018).

 

PIA22921.jpg

Com a sonda Voyager 2

Entrando no Espaço Interestelar

 

E atravessada a HÉLIOESFERA e ultrapassado o seu limite a HÉLIOPAUSA (com a Terra a 1 UA/150 milhões de Km de distância do Sol e Neptuno a 30 UA da mesma estrela) com as duas velhas sondas dirigindo-se mais para além (desse mesmo limite) em direção à NUVEM de OORT:

 

Para muitos sendo definida como a Verdadeira Fronteira do Sistema Solar.

 

Uma extensa região do Espaço fonte dos conhecidos COMETAS, estendendo-se entre 1.000 UA até 100.000 UA de distância do Sol e de momento com as sondas a caminho, mas ainda muito distantes:

 

1024px-Voyager_spacecraft_model.jpg

Voyager 2

 

Caso da VOYAGER 2 agora localizada a umas 119 UA do Sol, cronologicamente e não havendo incidentes atingindo a Nuvem de Oort daqui a 300 anos e demorando uns 30.000 anos a atravessá-la – e a partir daí (talvez daqui a uns 40.000 anos) já fora da influência do SOL deixando-se levar por outra estrela.

 

Segundo os cientistas a estrela ROSS 248: uma pequena estrela da galáxia ANDROMEDA (localizada a 1,7 anos-luz do Sol/Terra) por coincidência em rota de colisão com a nossa VIA LÁCTEA.

 

Mas talvez já em 2318 e com todos os avanços (científicos e tecnológicos) que o Mundo da SCI-FI nos proporciona (com comprovativos anteriores e reais como o das antecipações de Júlio Verne), podendo um dos nossos descendentes assistir à passagem (na sua rota rumo à Nuvem) de uma das sondas VOYAGER.

 

(imagens: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:49

25
Nov 17

Num adeus ao planeta SATURNO (o Gigante Gasoso e 2º maior planeta do Sistema Solar) a NASA vem oferecer-nos (à falta de melhor, dado já não estar por lá) mais uma imagem recolhida pela defunta sonda Cassini.

 

PIA17218_fig1.jpg

Imagem de Saturno tendo como origem as câmaras da sonda Cassini quando a mesma se encontrava a pouco mais de 1 milhão de Km do planeta

(PIA 17218)

 

Agora (mês de Novembro) que o planeta SATURNO se encontra a cerca de 1,61 biliões de Km (10,7 UA) do (nosso) planeta TERRA, ainda mais se sente a ausência da sonda que durante mais de 13 anos (2004/2017) circulou naquela região do SISTEMA SOLAR orbitando o seu 2º maior planeta: desde o dia 15 de Setembro (deste ano de 2017) e com o fim da missão CASSINI-HUYGENS (com a sonda CASSINI na execução do seu ultimo trajeto ‒ THE GRAND FINALE ‒ a entrar na atmosfera rodeando Saturno acabando por se desintegrar) a ficarmos isolados daquela região (presencialmente e através de um periférico comandado da Terra) limitando-nos agora a observá-la de longe (através de telescópios terrestres ou situados nas suas proximidades) ou então a recordar dias (e registos) de tempos passados.

 

Ainda-por-cima no Momento que entre interesses PÚBLICOS (Governamentais) e PRIVADOS (e Internacionais) se discute o Futuro da Exploração do Espaço, com os objetivos (da MISSÃO) ainda bastante indefinidos assim como o seu destino e Evolução: com uns a privilegiarem a continuação do envio de Sondas Automáticas (sobretudo as Agências Governamentais) opondo-se ao regresso dos voos tripulados, às suas consequências (por vezes mortais) e ao enorme gasto Financeiro (associado) ‒ motivos invocados há quase meio-século para justificar o fim do Projeto Apollo (último voo em 1972); e com outros (os PRIVADOS) a dirigirem todos os seus recursos (deles e do Estado) para a Exploração de regiões de Espaço mais distantes (para já no interior do nosso SISTEMA) apontando (quase todos) os seus HOLOFOTES para MARTE ‒ com o envio de seres Humanos em voos tripulados (já programados no Tempo/próxima década e não faltando candidatos) para aí instalarem uma base e seguidamente Colonizarem o Planeta.

 

Mas sabendo-se antecipadamente de como todos estes processos e projetos são de difícil preparação, planeamento e execução (para além dos múltiplos interesses associados ‒ ideológicos, políticos, económicos, tecnológicos, etc. ‒ impondo um grande investimento Financeiro de grande risco inicial) e de como teremos (como sempre) de esperar e de Acreditar (provavelmente ainda por muitos anos) ‒ com muitos de nós a não irem assistir certamente (em vida) à proeza da Exploração e da Conquista pelo Homem do primeiro território Exterior ao nosso Território, Lar e Planeta ‒ sendo ainda maior o nosso sentimento de isolamento, a nossa tristeza pela perceção de perda e sobretudo o Convencimento de que tal como as Coisas Hoje se Apresentam (no nosso Planeta e observando como as nossas Sociedades/Civilizações têm evoluído e transformado), ao contrário dos Primeiros Aventureiros, Exploradores e Conquistadores da Terra (os Navegadores desafiando os Oceanos), os do Presente e do Futuro demorarão a partir e a convencer-se de que se o não fizerem (rapidamente) arriscam-se a desaparecer e a Extinguir-se como Espécie (já que a Terra tal como o Homem não durará para sempre).

 

E nos espaços (restringindo-nos para já aos EUA e à Europa) de intervenção envolvendo a Futura Conquista do Espaço (inevitável), de um dos lados a termos os Privados a oparem pelos voos espaciais comerciais locais (em torno da Terra como será a opção da Virgin Galatic) ou interplanetários (tendo como destino final Marte a opção da Space X ‒ e ainda contando com a Blue Origin) e do outro lado com muitas maiores restrições financeiras dado um grande controlo orçamental por parte do Governo (de modo a limitar ao máximo as despesas), com o setor Público (veja-se o caso da NASA e da ESA) a evitar invariavelmente o retorno aos voos tripulados, ficando-se pelas sondas automáticas e por uma hipotética concorrência às ambições de Elon Musk (e da sua Space X): com planos por parte da NASA (mais longos e comedidos) de se lançar também para Marte.

 

Para já e apesar de todas as limitações financeiras (já que o próprio Privado irá sempre aproveitar fontes de investimento inicial e exclusivamente atribuídas ao Público) destacando-se o setor Público em detrimento do Privado: com os cientistas das diversas organizações/missões tendo ainda como base as Agências Governamentais (dos EUA, Europa, Rússia, China, Japão e Índia, entre outras) a optarem pela exploração e pela descoberta de bens preciosos para o Homem (até para facilitar a exploração do Espaço ao descobrir depósitos de bens fundamentais), como será o caso da Água constituindo 00% do nosso corpo ‒ um produto fundamental para a continuação da Vida na Terra e imprescindível para acompanhar o Homem na sua (já marcada nas Estrelas) Aventura pelo Cosmos. Falando-se de novo em Titã e também em Encélado (duas das luas de Saturno). Depósitos de Água (relevantes) talvez existentes noutras luas (mais próximas como as de Júpiter) e que existindo em Marte (como poderiam ser na Lua) só mesmo sendo limitadas (em localização e volume) assim como subterrâneas: e faltando unicamente (para lá dos vestígios e dos indícios) a sua confirmação.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:27

05
Jul 16

“Em todos os lados se encontram vestígios daquilo que sobrou e ficou (partes),

De tudo o que entretanto se passou ou desapareceu (de um todo).”

 

1387MR0068150080701911E01_DXXX.jpg

Marte

Curiosity Rover

Sol 1387

1 Julho 2016

 

Em mais uma das milhares de imagens recolhidas durante a sua já longa estadia no nosso vizinho planeta MARTE (a sonda CURIOSITY aterrou no planeta em 6 de Agosto de 2012), eis que ao 1387ºdia marciano (um dia marciano tem quase mais 40 minutos do que um dia terrestre) a NASA nos oferece mais uma imagem curiosa do ainda para nós misterioso Planeta Vermelho (assim denominado pela sua cor avermelhada devido à presença de óxido de ferro à sua superfície): num cenário que até poderíamos associar em toda a sua área a uma paisagem desértica, seca e sem vida visível existente em regiões do nosso próprio planeta, mas que no entanto nos apresenta Marte (que por coincidência se encontra hoje dia 5 de Julho à distância mínima da Terra de cerce de 75 milhões de Km da Terra) e artefactos aí presentes (para nós provocando curiosidade e espanto por desconhecidos ou incompreendidos), como prova de que algo mais por lá se terá passado: num passado já muito distante (de biliões de anos) e até num presente acumulador de indícios (e porque não de vestígios).

 

E poucos dias antes de mais uma sonda terrestre atingir mais um planeta distante do nosso Sistema Solar (precisamente hoje dia 5) neste caso o gigante gasoso JÚPITER localizado a cerca de 800 milhões de Km da Terra.

 

1387MR0068150080701911E01_DXXX B.jpg1387MR0068150080701911E01_DXXX X.jpg

Se o 1ºartefacto até poderá ser um objeto voador de origem desconhecida (ou como diz a NASA apenas a presença de poeiras coladas às lentes das câmaras do Rover Curiosity)

Já no 2ºartefacto a imagem sugere a presença do que poderia ser uma estátua ou monumento (possivelmente de origem alienígena e artificial)

 

Nesta imagem enviada a partir da superfície do planeta Marte (referente ao dia 1 de Julho) com o seu registo a despertar-nos a atenção para dois pontos particulares presentes à sua direita, um acima e outro abaixo (a que mais me interessa e a que mais me incomoda).

 

Com o ponto superior aparecendo na 1ªimagem a poder ser na realidade uma simples poeira agarrada às lentes, mas na 2ªimagem sendo o nosso cérebro confrontado com uma realidade paralela (semelhante por sobreposição) muito comum no nosso planeta e nas nossas sociedades organizadas, fazendo ressaltar aí a presença de vida e de seres vivos inteligentes (cultivando a cultura e a memória) através da reprodução monumental das suas mais profundas ideias e desejos. Apenas mais uma coincidência ou talvez mesmo uma ocorrência. E com a própria estrutura à esquerda (geológica) sugerindo um rosto de perfil.

 

Agora com a sonda JUNO bem para lá da Cintura (de Asteroides) e com o gigante Júpiter bem diante das suas câmaras: um monstro que engoliria todos os outros planetas mas no entanto sendo um anão se comparado com o SOL. Esperando com aderência as primeiras imagens de lá. E que devem estar para sair muito em breve no tempo, pois a mulher (JUNO) já se aproximou do marido (JÚPITER) ciumento – estando nós prontos como mirones para as suas revelações.

 

“Especialmente na altura Verão em que nada (mas mesmo nada) se passa

– Pelo menos à nossa frente já que por trás é outra história.”

 

(imagem: NASA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:32

18
Abr 12

As Sondas Vikings em Marte – década de setenta

 

      

 

E agora alguns cientistas sugerem que estas sondas podem ter descoberto vida no planeta vermelho há trinta e seis anos atrás

 

 

Planícies Douradas – Marte, 1 de Julho de 1976 – Aqui se iniciou a pesquisa

 

(earthsky.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:42

Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
14

23

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO