Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

13
Abr 19

E no entanto falhando cientifico-tecnologicamente (mas diga-se que a nível da iniciativa privada de Israel, neste caso a SpaceIL) no que se refere ao que está para além da Terra (e seus problemas políticos internos): a nível extraterrestre (e da Exploração por Israel do Espaço Exterior à Terra) com o módulo de alunagem BERESHEET a despenhar-se − hoje 11 de Abril − sobre a superfície da Lua.

 

AP19099860006899-640x400.jpg

Benjamin Nethanyahu

Festejando a sua vitória e a do seu partido Likud nas eleições israelitas

(timesofisrael.com)

 

Politicamente falando (em termos e tempos eleitorais) e apesar da forte presença e impacto na sociedade israelita do seu (de Netanyahu) grande adversário e rival de campanha Benny Gantz – um consagrado General 20º chefe do Estado-Maior Geral das Forças de Defesa de Israel (IDF), criador do seu próprio partido e opondo-se a BN com uma visão mais centrista e moderada – no final e perante a aparente indiferença da generalidade do eleitorado (votando ou não mostrando cansaço ou não vivesse permanentemente em guerra) com o LIKUD de Benjamin Netanyahu a vencer (de novo) reforçando mesmo a sua posição e perspetivando para o futuro (deste território e seus residentes) um Israel ainda mais duro (contra os seus inimigos internos e externos) e indefetível. E apesar do brilhantismo de Gantz (e dos seus 35 lugares) com o aumento de lugares do Likud (+de 30 para 36) a ser o necessário e o suficiente para manter a direita no poder (ultrapassando os 60 em número de lugares e mantendo a maioria num total de 120). Com esquerda a descer (quase dizimando a outra grande força política de Israel e adversário de sempre do Likud, os Trabalhistas/anteriormente o 2º partido nacional) assim como os nacionalistas árabes (quase reduzidos a metade).

 

Updated-Beresheet-Graphic-1-resize-1380x1035.png

Beresheet

A sonda espacial israelita

(SpaceIL)

 

Israel – Eleições de 2019

(resultados finais)

 

Partido

Líder

OP

%

L

V

Likud

Benjamin Netanyahu

D/CD

26,3

36

+6

Azul & Branco

Benny

Gantz

C

26,0

35

+24

Shas

Aryeh

Deri

ED/D

6,1

8

+1

J. U. do Torá

Yaakov

Litzman

ED/D

5,9

7

+1

Haddash

Ayman

Odeh

EE

4,6

6

-

Trabalhista

Avi

Gabbay

CE

4,5

6

-13

Beitenu

Avigdor Lieberman

D

4,1

5

-1

Direita Unida

Rafi

Peretz

ED/D

3,7

5

-3

Meretz

Tamar  Zandberg

CE

3,6

4

-1

Kulanu

Moshe

Kahlon

CD/C

3,6

4

-6

Balad

Mansour

Abbas

(Árabe)

3,5

4

-3

Partidos com Representação Parlamentar − Lugares: 120

(OP: Orientação Política L: Lugares V: Variação)

Dados: Wikipédia

(D: Direita CD: Centro-Direita C: Centro ED: Extrema-Direita D: Direita EE: Extrema-Esquerda CE: Centro-Esquerda)

 

spaceil-landingselfie.jpg

Última imagem da sonda Beresheet a 22Km de altitude

Antes de se despenhar na Lua a 11 de Abril

(SpaceIL)

 

Científico-tecnologicamente − e ao contrário da política onde é sem dúvida um dos protagonistas (desde há dezenas de anos) do cenário geoestratégico global (fiel apoiante dos EUA e da sua política de intervenção) envolvendo toda a região do Médio-Oriente (como um Farol avançado e como primeira máquina de guerra norte-americana) – com todo o Ambiente de Guerra envolvendo Israel (descendentes de uma tribo árabe) e países vizinhos (aglutinando outras tribos árabes) afetando direta ou diretamente cerca de 420 milhões de pessoas (Israel/8,5 milhões ou 2% do total), não sendo de admirar que cercados e asfixiados os Judeus por esta guerra ininterrupta muitos optem por tentar ignorá-la, outros por participarem ativamente nela e ainda outros aproveitando a ocasião e a obrigação (sem saída e em que a guerra os coloca) se dediquem ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia mesmo sabendo antecipadamente os objetivos primordiais em causa: fazendo-se ciência e produzindo-se tecnologia posteriormente prostituída pelos militares. E como seria obvio num país como Israel, com a iniciativa privada a tomar em mãos o Espaço e a Exploração Espacial: entrando aí a SPACEIL e o envio de uma sonda automática à Lua com um módulo a alunar – a sonda lunar BERESHEET.

 

image001.jpg

Sonda Beresheet

Lançada da Terra a 22 de Fevereiro

E com chegada prevista a 11 de Abril

(SpaceIL)

 

Com Israel pretendendo reforçar a sua posição no Mapa Espacial terrestre – liderado pelos EUA, Europa, Rússia e China, acompanhados agora pelo Japão e pela Índia e seguidos à distância por países como o Irão e a Coreia do Norte (neles se podendo integrar ainda Israel e o Brasil) – aproveitando tecnologia disponível e uma missão de baixo-custo (a 1ª a executar-se e podendo ser seguidas em caso de sucesso futuro por muitas outras) a juntar-se ao clube restrito de países (EUA, Rússia, Japão, China, Europa, Índia) enviando uma missão à Lua e de uma forma ou de outra (com ou sem sucesso) atingindo a sua superfície: mas no caso da sonda Beresheet (com a sua chegada à Lua estando prevista para o período de Comemoração da vitória de Netanyahu) com uma falha técnica detetada durante o processo de aproximação à Lua a levar ao descontrolo no comando da nave e na prossecução do seu trajeto levando-a a despenhar-se (desintegrando-se) no solo lunar.

 

E a partir da reeleição de Benjamin Natanyahu (e da vitória do Likud) com o mesmo voltando à ribalta − Política e Global – faltando-se saber apenas o que acontecerá à Space IL, agora nas suas mãos com a defunta Beresheet (com a sua página a zeros e esperando atualização).

 

(imagens: Ariel Schalit/AP Photo/timesofisrael.com e SpaceIL)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:00

Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO