Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Espaço ─ Observação e Poluição

Sexta-feira, 30.04.21

Um destes dias aproveitando o céu limpo e sem luar para testar o meu novo telescópio, ao apontá-lo aleatoriamente para o céu em busca de coordenadas (por inexperiente) sendo de imediato surpreendido por um conjunto de luzes brilhantes, coloridas e cintilantes, mesmo muito estranhas. E focando melhor a imagem com este instrumento ótico (podendo-o fazer ao pormenor), caindo rápido de espanto ao ver o que diante de mim se me apresentava: num placard publicitário e ao lado de Starman, a imagem de Elon Musk convidando-nos para Marte.

ZLuPsx9AXaMdtBH44By3zB-970-80.jpg

Rasto natural das estrelas

 

Demonstrando a partir de pequenos sinais (menores, pela distância) não estarem minimamente interessados com o futuro de 8 biliões de pessoas (o nº para o qual caminhamos, hoje), depois de maltratarem a terra, depois de saquearem o mar, depois de envenenarem o ar e depois de poluírem com uma segunda camada tudo isto (c/ pesticidas, plásticos, aerossóis, etc.), não havendo de momento mais nada por cá com elevado potencial para explorar e produzir (daí se obtendo a mais-valia) e estando o mercado interno meio-fechado (todo o nosso Ecossistema terrestre) devido ao, entre outros fatores, aparecimento da Pandemia Covid-19, mantendo-se o ritmo intensivo de algumas corporações aeroespaciais privadas no lançamento de novos satélites, colocando-os a todos (com diferentes missões e a maior ou menor distância) em órbita da Terra: e assim depois de contaminar todo o ecossistema terrestre, virando-se para a sua fronteira exterior ─ o Espaço que rodeia a Terra (dos 400Km da ISS, aos 35.000Km ou mais dos satélites de órbita alta) ─ e conseguindo vislumbrar aí a seguinte e grande oportunidade de negócio, enviando para lá um nº desmedido e crescente de satélites, preenchendo os céus, cumprindo a sua missão, sendo descontinuados e por lá continuando por tempo indeterminado, “poluindo sem controlo, sem limite e sem castigo”, como já o tinham feito por cá (com sucesso para eles, não tanto para nós).

oFvhYswHM387wdCZ5nT2MR-970-80.jpeg

Rasto de satélites artificiais

 

Uma noite olhando-se pelo telescópio ou mesmo a olho nu, podendo-se por momentos pensar estar-se a ver o Pai Natal no seu famoso trenó comandado pela rena Rodolfo, mas nem sequer se estando na quadra festiva respetiva, tendo tal episódio que ter outra explicação (lógica, credível) e tendo-a, sendo tão simples a previsão das consequências com tão intenso impacto, já que da “poluição visual” (ao olhar para o céu noturno vendo o “comboio-iluminado” passar) muito rapidamente se podendo passar ao impacto e à “poluição total”: com uma lixeira de sucata (esta sendo dinâmica) em movimento e circulando em torno da Terra, interpondo-se indevidamente entre Nós e as Estrelas. Segundo a SSN (uma rede de vigilância norte-americana controlando os satélites e outros objetos/fragmentos no presente em órbita do nosso planeta) com o nº de objetos orbitando a Terra (feitos pelo homem e com mais de 10cm) e até agora detetados (1957/2021) tendo ultrapassado os 24.500 (num período de mais de 60 anos), desses alguns deles tendo-se desintegrado/entrado na atmosfera, mas com ainda uns 8.000 andando por lá meio-perdidos (mas ainda em órbita) e apenas uns 3.500 totalmente operacionais. Agora imaginem as diversas corporações (como por ex. a Amazon e a OneWeb) a imitarem a “SpaceX's Starlink” e a colocarem à volta da Terra, mais milhares e milhares de satélites: só a SpaceX com os seus satélites Starlink já tendo 1200 no ativo e 42.000 previstos! Poluição e desastre total (o que já esteve quase a acontecer) ─ ainda há uns dias atrás e assistindo-se ao vivo à transmissão da SpaceX, com um bocado de sucata-espacial por pouco não atingindo a cápsula espacial Dragon, com 4 astronautas a bordo e com destino à ISS.

(imagens: Shutterstock e Andreas Möller em livescience.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:55

Lixo Espacial

Quinta-feira, 14.05.20

Com imensas lixeiras espalhadas um pouco por todo o planeta

e ainda com uma outra (como que a coroá-lo) a rodeá-lo.

 

Atingidos à superfície do planeta Terra  por uma doença tendo certamente algo a ver com a poluição do seu Ecossistema ─ a doença COVID-19 caudada pelo vírus SARS-CoV-2 e agindo internamente ─ sendo atualmente e cada vez mais atingidos por um outro mal vindo dos céus e igualmente contribuindo para essa mesma poluição, tendo como remetente as proximidades do espaço exterior e como destinatário o meio ambiente que nos rodeia (aéreo, marítimo e terrestres): o lixo espacial.

 

file-20200513-156641-95sq2q.jpg

Lixo Espacial em volta da Terra

(hoje com uns 2.000 satélites, amanhã com uns 14.000)

 

Depois dos mais de 2 milhares de satélites colocados durante mais de 60 anos (por agências governamentais) em órbita mais ou menos afastadas da Terra, eis que uma agência espacial privada (a Space X) depois de já ter lançado umas dezenas prepara-se para lançar mais uns milhares: enchendo e poluindo visualmente o céu noturno, com longos comboios de STARLINK’S (os satélites de Elon Musk).

 

E se cá por baixo nos concentramos na atual pandemia tendo já atingido 4,4 milhões e vitimado umas 400 mil pessoas ─ com o confinamento forçado por outro lado tendo diminuído drasticamente a poluição ambiental ─ teremos forçosamente de nos começar igualmente a preocupar, agora que estamos rodeados de mais de 2.200 satélites artificiais a orbitarem na nossa proximidade a Terra ─ o pioneiro pequeno sendo o SPUTNIK, o grande icónico sendo a ISS ─ com muitos mais que já aí vêm a caminho: como os da SPACE X.

 

LongMarch5BDebris.jpg

Destroços de um foguetão caídos na Terra

(caso do Longa Marcha chinês podendo ter caído na Costa do Marfim)

 

Com os satélites apesar de todos os benefícios (para a humanidade) que consigo possam transportar (os de Elon Musk numa luta de supremacia no controlo da Internet entre os norte-americanos e os chineses, estes últimos com a tecnologia G5), mais cedo ou mais tarde avariando-se, danificando-se ou sendo por qualquer motivo descontinuados, e abandonados acabando por cair podendo atingir algo ou alguém.

 

E até pela aplicação da por todos conhecida e experienciada Lei da Gravidade ─ “sabendo-se que tudo o que sobe desce” ─ ficando-se com a certeza até pelo sucedido antes com outros objetos, que um dia todos eles entretanto colocados em órbita inevitavelmente decairão, entrando na atmosfera, incinerando-se e acabando por impactar com a superfície terrestre: desde os mais pequenos satélites até à Estação Espacial Internacional (ISS). E caindo podendo atingir algo na sua viagem aérea ─ no ar, no mar ou até no solo ─ muito desse espaço podendo ser território habitado, podendo provocar danos materiais e/ou vítimas humanas.

 

(imagens: Johan Swanepoel/Shuttertock/theconversation.com

e Aminata24/Jonathan McDowell/Twitter/room.eu)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:19

Um CÉU não Cheio de ESTRELA’S, mas de comboios de STARLINK’S

Sexta-feira, 24.04.20

“Depois de destruirmos a TERRA, que tal darmos cabo do CÉU

e transformarmos isto tudo num INFERNO?”

(uma frase do profeta Elon Musk?)

 

Zdenek-Bardon-Starlink_Atlas_190420_bardon20_15874

Tal como na Terra, com o Céu a ser vítima de contaminação

(hoje como amanhã)

 

Pelos vistos o desejo de um multimilionário de base norte-americana, utilizando a sua empresa aeroespacial SPACE X para colocar em órbita (do nosso planeta) uma plataforma de SATÉLITES, de modo a instalar um novo sistema de comunicações e assim revolucionar a INTERNET.

 

mysterious-flaming objects-skies.jpg

Objeto desconhecido e em chamas, caindo do Céu

(amanhã como hoje)

 

Aos 48 anos de idade já tendo o seu 1º esquadrão de 360 STARLINK (novinhos em folha, mas já com mais de 200Kg cada), mais tarde indo-os reforçar progressiva e fortemente e tendo como objetivo a curto-prazo, lançar a sua Cavalaria de 12.000 STARLINK e assim derrotar a tecnologia rival (dos EUA) a INTERNET CHINESA (G5). E sendo bem financiado por isso (que o diga a NASA).

 

In June 2019, the International Astronomical Union expressed concern about the negative impact that the planned mega-constellations of communication satellites may have on astronomical observations and on the pristine appearance of the night sky when observed from a dark region.” (iau.org)

 

No passado dia 19 de abril deste ano com um cidadão anónimo apesar de ter nome, a ser surpreendido ao observar o céu noturno justamente colocado entre si e o ESPAÇO, não por um COMBOIO de SATÉLITES STARLINK, mas por dois cruzando-se quase que perpendicularmente. Dando-lhe cabo da cabeça assim como das imagens: quando apenas queria ver o cometa ATLAS (1ª imagem/canto inferior esquerdo).

 

(imagens: Zdenek Bardon/spaceweather.com ─ ufosightingshotspot.blogspot.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:49

UFO BY SPACEX

Sábado, 21.03.20

STARLINK MISSION

 

At 8:16 a.m. EDT, or 12:16 UTC, on Wednesday, March 18, SpaceX launched its sixth Starlink mission. Falcon 9 lifted off from Launch Complex 39A (LC-39A) at NASA’s Kennedy Space Center in Florida. (spacex.com)

 

snapshot c.jpg

Enquanto prosseguia a queima de combustível no andar do FALCON 9

inesperadamente (imagem da esquerda, canto superior direito) surgindo a surpresa

 

Esta quarta-feira com a SPACEX (de ELON MUSK) utilizando o seu foguetão FALCON 9 a parir do Centro Espacial Kennedy (na Flórida),  ao lançar para colocação em órbita (da Terra) de mais seis dezenas de satélites STARLINK (sexto lançamento/comunicações de baixo custo, privilegiando a INTERNET) – com comboios anteriormente lançados e deste tipo de satélites (como se fossem diversas carruagens, movimentando-se em fila indiana, umas atrás das outras) a serem já observados atravessando os céus noturnos (e a poluírem-no, que o digam entre outros os astrónomos) – eis que no decurso da mesma missão e durante a filmagem da mesma (da responsabilidade da SPACEX) surgindo inesperadamente diante das câmaras, em movimento e durante um brevíssimo espaço de tempo (em subida e com o andar do foguetão já em descida), um objeto voador desconhecido ou UFO (OVNI).

 

Screenshot_2020-03-19 STARLINK MISSION SpaceX.png

Movimentando-se a alta velocidade da esquerda para a direita e vindo de um nível inferir,

com um objeto voador sugerindo a forma de um DISCO-VOADOR a surgir e a desaparecer

 

Nesse momento e com a telemetria do 2º andar do FALCON-9 (1º andar já em descida) a indicar uma altitude de 204Km e uma velocidade de 15.028Km/h, surgindo disparado e a grande velocidade um objeto voador vindo “de baixo”, passando rapidamente diante do FALCON 9 e (num tiro) desaparecendo de imediato. Na realidade e como observa o site [ufosightingshotspot.blogspot.com] não se podendo afirmar neste caso o objeto observado poder ser derivado  (pertencendo-lhe) de possíveis partes oriundas do foguetão (e seus andares) da SPACEX − com o aparelho de ELON MUSK “em descida” e o objeto MISTERIOSO “em subida – pelas características do evento e pelo objeto voador e  tecnologia evidenciada (pelas suas performances técnicas, que se saiba ainda inacessíveis aos Terrestres − como a sua velocidade) só podendo ser de origem Extraterrestre.

 

(imagem: spacex.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:08

Poluição nos Céus (depois da terra, do mar e do ar)

Quinta-feira, 06.02.20

[Esta com origem não na projeção, mas no Utilizador.]

 

Por cima da nossa cabeça (no Céu)

com a projeção do holograma (do Universo)

cada vez apresentando mais riscos (imperfeições).

 

StarlinkTrails.jpg

Satélites STARLINK atravessando o céu noturno

 

E enquanto em terra, no mar e no ar (englobando todo o ecossistema terrestre) a aparente luta contra o Aquecimento Global e as Alterações Climáticas persiste − não só pelos fenómenos visíveis e sentidos (na pele, pelo menos por alguns) como por ser uma nova moda adotada e no presente em voga (tal como os alimentos biológicos ou verdes) – tentando de uma forma ou da outra salvar o planeta TERRA e toda a Vida nele existente (entre outros fatores negativos da contribuição nociva da POLUIÇÃO), apesar de todas as naves, satélites e sucata-voadora (artefactos terrestres entretanto descontinuados) colocada em órbita (do nosso planeta) ao longo de todos estes anos (desde o início da Conquista do Espaço na segunda metade do século passado) – como que envolvendo o nosso planeta por uma nuvem-lixeira-voadora (cada vez mais densa)

 

StarlinkInSpace.jpg

Satélites de comunicação/internet Starlink

 

No presente, simplesmente tendo em conta os aspetos estritamente comerciais (ou seja, o lucro) e colocando completamente de lado aquilo que diziam defender (o seu compromisso, incluindo para com o Homem) a preservação do planeta Terra (e até sendo por esse motivo privilegiados, financiados e beneficiados pelo Estado), eis que o Deus dos CEO capaz de fazer tudo (vantagem de estar ligado ao Governo) mesmo sem o dinheiro necessário e sem uma credível projeção lucros – o milionário da TESLA e da SPACE X, ELON MUSK − apesar  das criticas compreensíveis por evidentes aos nossos sentidos (sobretudo na visão, mesmo com os mais avançados aparelhos óticos), insiste no seu projeto:

 

four-of-the-OneWeb-satellites-before-their-transfe

Quatro exemplares de satélites OneWeb

 

Depois de mais 60 satélites lançados no início do mês de janeiro (deste ano) para o Espaço, preparando-se nos próximos dias (ainda esta semana) para colocar em órbita da Terra mais 34 satélites − num total de cerca de 650 satélites (muitos mais a caminho) encomendados para uma 1ª fase do Starling de Musk (para já não falar do seu concorrente na área da Exploração do Espaço Jeff Bezos/Amazon e Blue Origin e os seus mais de 3000 satélites) prosseguindo (caso o pedido da Space X seja aceite) com outras dezenas de milhares. Poluindo o céu noturno − antes (maioritariamente) só com estrelas, planetas e outros corpos celestes naturais visíveis (artificiais sendo já alguns, no entanto poucos visíveis) − com filas de comboios muitas delas com trilhos paralelos e bem extensos, de luzinhas em linha, direitinhas e voadoras: não sento Extraterrestres, nem sequer o trenó do Pai Natal comandado pela rena Rodolfo.

 

Legal action could be used to stop Starlink ruining the night say astronomers

“All satellites will leave several dangerous trails in astronomic images and will be particularly negative for scientific large area images used to search for Near Earth Objects (NEOs).”

(Kerry Hebden/room.eu.com)

 

(imagens: NSF/AURA/CTIO/DELVE/room.eu.com e SPACEX/spacex.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 21:33