Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

08
Mai 20

Com as Tempestades de Areia sendo fenómenos atmosféricos  suscetíveis de ocorrerem em vários objetos rochosos circulando no interior do nosso sistema planetário (Sistema Solar), acontecimentos como os ocorridos em Marte com o planeta a ser quase que completamente envolvido por uma espessa e impenetrável camada de poeiras (em maior, igual ou menor extensão), poderão igualmente suceder noutros objetos semelhantes e até próximos, como o será o caso do planeta Terra.

 

Olhando para o planeta Marte (um corpo à nossa medida, tão perto ele está de nós) muitas vezes com o único objetivo de ao olharmos para o mesmo (e como se fosse um espelho) podermos estar a recolher provas (sinais, vestígios) de que alguma vez na sua história poder lá ter existido Vida (podendo o aspeto do Planeta Vermelho ser uma consequência do passado e um retrato do nosso futuro),

 

DjdkKJSWsAYVDld.jpg

Fig. 1

Deserto do Sahara

Tempestade de Areia

Julho 2018

 

Em 31 de julho de 2018 e observada a partir da Estação Espacial Internacional (ISS), com uma grande Tempestade de Areia (fig. 1) a atravessar todo o deserto do Sahara (o maior deserto da Terra) ─ fazendo-nos lembrar a última grande Tempestade Marciana (como aquela que pôs definitivamente KO o Rover Opportunity), aí cobrindo quase todo o planeta.

 

Por vezes no meio da nossa neblina mental (provocada por um quotidiano monótono e extremamente tóxico) orientada numa única direção e como se nada as interligasse (fazendo tudo parte de algo mais), desprezando todas as restantes opções (direções), não reparamos não ser necessário olhar para os outros nem neles tentar encontrar uma nossa possível projeção, para de uma forma ou de outra mas de acordo com a maioria encontrarmos a nossa alternativa (opção de Vida):

 

EXPWvfsWkAA89Li.jpg

Fig. 2

Niamey, Níger

Tempestade de Areia

Maio de 2020

 

Em 6 de maio de 2020 com uma Tempestade de Areia oriunda do deserto do Sahara e com centenas de metros de altura ─ “Cool, Weird & Scary” (rt.com)  ─ a envolver com um tom vermelho/alaranjado a capital do Níger (Niamey): com uma impressionante muralha maciça de areias (e de poeiras) avançando sobre a capital e ameaçando todos os seus residentes.

 

Bastando olharmo-nos de cima-a-baixo (tanto o Homem como a Terra) para sem recorrermos ao espelho (seja-o literalmente ou noutra projeção Marte) ─ e já que temos a patente exclusiva do Centro ─ compreendermos definitivamente que o que ali e acolá se passa é apenas mais um dos muitos produtos da mesma linha de montagem, sendo neste caso a Terra e Marte réplicas derivadas (diferenciadas e complementares) de um mesmo molde.

 

Pouco importando o Espaço/Tempo e integrando um mesmo conjunto (o Sistema Solar) tudo o que se passasse em Terra se passasse igualmente em Marte (e vice-versa):

 

em4pOvmSlH474DJi.jpg

Fig. 3

Niamey, Níger

Tempestade de Areia

Maio de 2020

 

Tempestade de Areia (em Niamey/Níger) engolindo todos os edifícios aparecendo no seu caminho ─ e como que transformando o dia em noite ─ aparentemente não causando danos materiais nem vítimas humanas, mas podendo transportar consigo partículas/agentes infeciosos (como a bactéria da meningite) dando origem a outros surtos (perigosos) epidémicos.

 

Tal como acontece com as Tempestades de Areia ocorrendo num planeta aparentemente do passado e (para já) declarado oficialmente morto, ocorrendo igualmente num planeta ainda considerado do futuro pois comprovativamente (mesmo visto à distância, com todas as suas texturas e os seus coloridos) possuindo Vida.

 

E existindo Tempestades de Areia em Marte ─ por vezes envolvendo quase todo o planeta ─ existindo as mesmas na Terra ─ para já muito menos intensas.

 

(texto: apoiado em artigos rt.com ─ imagens: 1/Ricky Arnold/Twitter

e 2/3/Francesco Strazzari/Twitter em RT)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 13:25

07
Mai 20

“Newfound black hole is the closest one to Earth we've ever found.”

(Hanneke Weitering/space.com)

 

n7ThVafSKnfLP9PiLveCV6-650-80.jpg

Constelação Telescópio

onde se situa o buraco negro HR 6819

 

Com o Universo que nos rodeia e onde pelo menos nós vivemos a poder ser facilmente e para sua melhor compreensão equiparado a um Organismo Vivo, pensando seja em seres de base biológica, de base mecânica ou até biomecânica, podendo-se associar esses elementos formando entre si os mais variados conjuntos, posteriormente sendo agrupados e constituindo um Sistema, daí obtendo alguns dos seus momentos, sua compreensão (mecanismos e objetivos) e concretização, e por simples projeção de imagem (adaptando-a à nossa realidade), visualização: assim, tal como integrando o nosso corpo (biológico) falamos de diversos sistemas como o sistema circulatório, tal como integrando um sistema mecânico falamos de um sistema de circulação e de canalizações integrando um sistema de fornecimento/escoamento de águas, também poderemos usar tal raciocínio a um nível mais vasto e mais abrangente (do infinitamente pequeno ao infinitamente grande),

 

WkHjozhWV4GU55NnSKzsu5-650-80.jpg

Orbita dos três objetos do sistema triplo HR 6819

constituído por duas estrelas orbitando um buraco negro

 

Aplicando-o a tudo o que vemos à nossa volta (e que define e estrutura o nosso Mundo) incluindo o Sistema Solar e a nossa galáxia a Via Láctea ─ e já que falando em canalizações reclamando-as (para o Espaço) e introduzindo-as no nosso sistema (talvez aí podendo alterar o Tempo, por interseção momentânea abrindo-o e mesmo que coincidindo, interligando-o a outros Espaços). Criando um ponto de comunicação entre geometrias complementares, existindo alimentando-se (ou seja, comunicando) uma da outra: num processo certamente semelhante àquele que connosco acontece, vendo a morte (não como algo necessário, de ter um início e um fim) não como um limite, mas como a passagem de uma para outra fase (tendo de forçosamente  de existir algo “nada se cria, nada se perde, tudo se transforma ─ que ligue Eletromagnetismo com Alma).

 

H5zQ6krHznABpkdfkoUzZX-650-80.jpg

Vista simulada de um buraco negro

localizado na Grande Nuvem de Magalhães

 

E enquanto centrado no único Mundo que conhecemos (a Terra)  ─ tal é o tempo que lhe dedicamos e o espaço disponível do qual usufruímos, limitado por todos os lados e por reduzidíssimo (tendendo para zero) sendo nenhum (tempo é dinheiro, espaço matéria-prima) ─ mesmo assim, com muitos de nós “não passando de um estranho numa terra estranha”, obcecados pelo nossa visão centralizada (geocentrismo, heliocentrismo, antropocentrismo) ao longo da nossa evolução sendo deslocada (dado o movimento de tudo o que nos rodeia), em vez de como os antigos Navegadores empreendermos a nossa Aventura e Exploração iniciando aos poucos, por etapas, em reconhecimento e por conquista, a nossa inevitável Viagem ─ alcançando o nosso primeiro entreposto, desenvolvendo-o, instalando-nos e daí partindo de novo

 

7u5yfddeXVJP73NzbtNgnE-650-80.jpg

Sistema binário constituído por duas estrelas anãs-brancas

orbitando-se e provavelmente acabando por se fundir

 

Depois de há meio século pisarmos o primeiro Mundo Alienígena (a Lua) abandonando inexplicavelmente o nosso percurso evolutivo e de sobrevivência, virando-nos sendo pequenos mas achando-nos grandes para grandes empreendimentos (como a ida a Marte), esquecendo-nos que ligados ainda umbilicalmente a este planeta jamais o abandonaremos enquanto dele conseguirmos obter (mesmo que aparentemente) qualquer coisa: tal como com a Terra não nos interessando em compreende-la (conhece-la profundamente), nem mesmo os seus semelhantes mais próximos (sabendo-se a nossa disponibilidade ser curta), julgando-nos grandes nem olhando à nossa volta (dentro dos limites do nosso Sistema Solar) e passando a olhar para o infinito para destinos inatingíveis e a milhares de anos-luz: e em vez da Lua escolhendo como nosso objetivo prioritário, sistemas bem distantes e até tendo por próximo planetas e um buraco negro.

 

(imagens: ESO/Digitized Sky Survey 2/Davide De Martin - L. Calçada/ESO - Alain R./Wikimedia Commons - NASA/Tod Strohmayer/GSFC e Dana Berry/Chandra X-Ray Observatory)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:16

01
Mai 20

[NEAR EARTH ASTEROIDS (NEA)]

 

Não sendo daí e pelo menos para já, que virá o Fim-do-Mundo.

 

Gerald-Rhemann-2020F8-27-04_1588020599_lg.jpg

Cometa C/2020 F8 SWAN

(a 27 abril 2020 tal como visto da Namíbia)

Na sua maior aproximação à Terra prevista para 12 de maio

passando a cerca de 84.000.000Km de distância

 

Nesta primeira quinzena de maio com nada menos nada mais que 26 asteroides em aproximação ao Sol no cumprimento das suas órbitas, assim como (pelo menos) dois cometas, ATLAS e SWAN ─ isto para não falar ainda de outros objetos em aproximação ao Sol (e como tal à Terra), só sendo detetados pouco antes, na altura ou mesmo depois da sua passagem (muitos deles passando perto do nosso planeta, até podendo impactá-lo) ─ verificando-se que muitos desses asteroides no cumprimento do seu periélio irão passar longe de nós, variando a sua aproximação entre uma distância de 800.000Km e de 7.000.000Km:

 

Passando por perto os asteroides 2020 HL6 (6 de maio, com d=9 metros) e 2020 HC6 (9 de maio com d=36 metros) e já mais afastados os asteroides 2020 DM4 (hoje, 1 de maio com d=158 metros) e 2020 GE3 (4 de maio com d=22 metros).

 

E com os asteroides de maiores dimensões a passarem nesta quinzena por perto (da Terra) a serem 438908 (3.400.000Km a 7 de maio com 282 metros) e 388945 (2.800.000Km a 10 de maio com 295 metros): em princípio nada que nos vá tirar o sono, passando estes bem longe da Terra sem perigo de grande aproximação ou de impacto ─ esses eventos (entre eles tangentes/secantes) podendo surgir ou inesperadamente (um pequeno objeto não anteriormente detetado), ou oriundos do outro lado do Sol (inicialmente encobertos/escondidos trás da nossa estrela) e sem o esperarmos, surpreendendo-nos.

 

E só hoje 1º de Maio sendo contemplados com 5 desses objetos.

 

(imagem: Gerald Rhemann/spaceweather.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:30

18
Abr 20

Por sinalização da NASA (talvez, porque não, o Homem sujeita-se a tudo) uma ilustração do planeta extrassolar KEPLER-1649c ─ orbitando uma estrela ANÃ-VERMELHA (Kepler-1649) ─ num futuro ainda por determinar podendo ser o planeta sucessor da TERRA.

 

PIA23690.jpg

Kepler Planet 1649c Surface

(PIA23690)

 

Estando localizado a 300 anos-luz da Terra e sendo um dos planetas conhecidos mais parecidos com ela: rochoso, de dimensões muito semelhantes e (como se diz agora) movimentando-se em volta da sua estrela de referência na “Zona Habitável” do Sistema.

 

Eventualmente com o planeta KEPLER-1649c e o planeta TERRA a apresentarem temperaturas muito semelhantes, mas com o planeta extrassolar a receber apenas (comparando Kepler-1649 com o Sol) 1/4 da luz recebida pelo nosso planeta: não se conhecendo as consequências disso, nem a constituição da sua atmosfera.

 

PIA23774.jpg

Comparing the Size of Exoplanet Kepler-1649c and Earth

(PIA23774)

 

Como se conclui e apesar da sua “residência” se encontrar na atrás referida “zona habitável”, conhecendo-se o tipo de “funcionamento” destas estrelas anãs-vermelhas muito propícias e frequentes em atividades como o do “lançamento” de Chamas Solares intensas e direcionadas ─ podendo destruir tudo à sua passagem desde Atmosfera, Água e até Vida ─ sendo a sinalização mais do que apontar um destino, um meio de evitar outros semelhantes (analisando-se todos os prós e contras).

 

PIA23689.jpg

Kepler Planet 1649c

(PIA23689)

 

E regressando-se de novo à Terra: no caso de dúvida optando-se antes por uma estrela anã-amarela, similar à nossa estrela de referência, já muito bem conhecida  (e centro de um Sistema Planetário) e com Vida.

 

Não chegando, pois, para nos convencer nem a “zona habitável” nem o “tamanho parecido” (Kepler-1649 = 1,06X Terra)  para além dos 300 anos-luz de distância ─ apesar de que a visão de um mundo como aquele aqui apresentado (pena ser apenas uma ilustração, mas ainda teremos um dia a capacidade de transformar a imaginação em realidade) por vezes tem atirado o Homem (noutras oportunidades, por acaso por necessidade) para muitas loucuras: como a de descobrir (tal como os Navegadores) “Outros Mundos”.

 

PIA23650_fig2.jpg

Nebulosa California localizada a 1000 anos-luz de distância

(PIA23650)

 

[Já agora e na senda da Aventura dos Descobrimentos ─ com os navegadores a bordo de frágeis caravelas arriscando a sua vida (e muitas das vezes a dos seus) na conquista e na exploração de outras terras e aquisição dos mais variados e enriquecedores conhecimentos ─ a necessidade, tal como se de uma dúvida se tratasse, de esclarecer algo: se quisermos alguma vez na nossa história (da Humanidade)  expandir-nos para além dos nossos limites físicos ─ para já e numa 1ª fase as fronteiras do Sistema solar, tal como o já fizeram duas criações nossas as duas sondas “VOYAGER” (do Sol e falando de distâncias, com Marte a 1.5UA, Júpiter a 5.2UA, Cinturão de Kuiper podendo estender-se ás 100UA e a Nuvem de Oort esse “deserto” parecendo intransponível, atingir as 100.000UA)

 

Sonda

Juno

V = 74 Km/s

Sonda

(à velocidade da luz)

V = 300.000 Km/s

1

UA

D = 150.000.000 km

1

Ano-Luz

D = 63,24 UA

(UA: Unidade Astronómica V: Velocidade D: Distância)

 

E colocados desde já perante uma missão se não impossível pelo menos hercúlea (heroica até pela distância, pela tecnologia atual, pelo tempo necessário e pelo nosso limite temporal de vida), tendo de a passo e passo mesmo sendo estes inicialmente pequenos, não de olhar para sistemas como os de KEPLER-1649 (300 anos-luz de distância para nós uma enormidade ─ já agora a nebulosa Califórnia a 1000 anos-luz), mas para a construção de postos intermédios (na Lua, em Marte) para a partir de voos Interplanetários desvendarmos todos os mistérios do nosso Sistema (das luas de Júpiter e de Saturno até ao Cinturão de Kuiper) e então utilizando estações avançadas, nos lançarmos (numa 2ª fase) para a travessia da Nuvem de Oort a caminho da fronteira solar e atravessando-a, assumindo as Viagens Intergalácticas e mergulhando profundamente no Universo (uns 500 anos até lá?). Estendendo a nossa área de influência e protegendo a nossa área de conforto.]

 

(imagens e legendas: photojournal.jpl.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:45

16
Abr 20

Um enorme asteroide de cerca de 2,5Km de diâmetro e já depois de ter ultrapassado o seu periélio (ponto da sua trajetória mais próxima do Sol), aproximando-se da Terra e atingindo o seu ponto de maior aproximação ao planeta, a 29 de abril (daqui a pouco menos de 15 dias).

 

water_earth.jpg

 

Quando no Sistema Solar (integrando um grupo ainda mais vasto, a galáxia Via Láctea) tendo como estrela de referência o Sol e por protagonista um dos oito planetas que o integram (no nosso caso como parte interessada a Terra, habitada e dominada pelo Homem) pouca coisa perto de nós e considerado de relevante acontece (a maior parte de nós só tendo acesso e conhecendo utilizando o nosso órgão da visão, a Lua e as estrelas brilhando no céu noturno), torna-se particularmente interessante isolados como estamos nesta redoma protetora mas notoriamente limitada (impondo-nos grandes dificuldades, para nos deslocarmos para além dela), que certos objetos viajantes circulando no interior deste Sistema Planetário por vezes se aproximem de nós, de modo a assim podermos observa-los mesmo utilizando instrumentos de visualização básicos (ou especializados) a partir da superfície terrestre, permitindo-nos minimamente usufruir e aprender (apesar do obstáculo que representa por vezes a atmosfera), algo mais a partir deles: falando-se naturalmente dos Cometas e dos Asteroides.

 

Aqui debruçando-nos sobre um desse objetos-viajantes (algo diferentes entre eles), aqui sendo um corpo rochoso (geralmente metálico), orbitando maioritariamente entre Marte (228,0 milhões) e Júpiter (778,5 milhões) e com uma excentricidade orbital elevada (numa escala de 0 a 1 de 0,57) ─ devido ao seu elevado/distante afélio: sendo um NEO (um objeto passando nas proximidades da Terra) e simultaneamente um PHA (objeto potencialmente perigoso com mais de 100 metros e a menos de 7.500.000Km da Terra) designado como 52768 ou 1998 OR2 e sendo conhecido como “one of the brightest and therefore largest potentially hazardous asteroids known to exist.(wikipedia.org)

 

comet-gas-tail-dust-tail-580x311.png

 

Observado pela 1ª vez há quase 33 anos (30 de junho de 1987) ─ cumprindo cada uma das suas trajetórias em 3,68 anos (sendo a sua estrela de referência o Sol) ─ e pela última vez sendo observado a 14 de abril de 2020 (com as características da sua órbita a ser definida no dia seguinte, a 15 de abril) sendo-lhe atribuído o código 0 (com órbita bem definida e sem perigo de impacto com a Terra). Dentro de dias − a 29 de abril de 2020 ─ com este asteroide com cerca de 2,5Km de diâmetro (2.457 metros) a passar a pouco mais de 6.000.000Km da Terra (6.304.176Km) e a uma velocidade de 8,7Km/s, tendo tingindo o seu periélio a 13 de abril de 2020 a uma distância de pouco mais de 150.000.000Km (151.991.437Km), muito mais perto da Terra de que do Sol (24X).

 

Tendo já ultrapassado o seu periélio (abril, 13) mesmo antes de ser observado (abril, 14) e posteriormente definido (abril, 15), para a partir de 13 de abril (o tal periélio) se começar a afastar do Sol ao mesmo tempo que se irá aproximando da Terra, até que a 29 de abril tendo alcançado o ponto mais próximo do nosso planeta – os tais 6.000.000Km tornando-o um NEO/PHA – se começar finamente a afastar de ambos (Sol e Terra) para mais uma volta de mais de 3 anos (1.344 dias).

 

Apesar do asteroide ir passar sem qualquer tipo de problemas para a Terra (segundo os especialistas no seu ponto de maior aproximação ao planeta, apresentando mesmo como garantia de segurança, um erro inferior a ±75 km), orbitando no entanto o Sol a distâncias (muito maiores) entre 150.000.000Km e 510.000.000Km, tornando-se um pouco estranho como este asteroide mesmo tendo já ultrapassado o seu periélio e agora indo na direção da Terra, não suscita nenhum tipo de preocupação entre outros para a NASA.

 

1998or2_15apr2020_pw17.jpg

 

Talvez por já ter passado a 2.310.000Km da Terra (o mínimo) sem qualquer tipo de problemas (pelo menos relevantes) e estando mesmo previsto que dentro de 59 anos baterá esse recorde, passando a apenas 1.770.000Km − e a Lua a ainda menos, uns 1.380.000Km. À primeira vista e para um leigo e salvaguardando as distâncias, com esta asteroide a dever receber (para nossa felicidade e atribuído por nós, os terrestres) um prémio de “Má Pontaria”.

 

Mas apesar de tudo estando-se perante um caso exemplar – passando o seu periélio a uma grande distância e pouco sendo afetado pelo Sol − daqueles (casos) logo à primeira e não se conhecendo todos os detalhes, um pouco difíceis de acreditar. Mas aqui e neste caso, sendo todos nós crentes ferrenhos (nem que seja nos cálculos da NASA ou então num erro nosso ─ vou rever, pela hora tardia, arriscando a adormecer) acreditando logo sem sequer pensar.

 

E se um dia bater em algo e por acaso se desviar? Então com o “desvio”, 6.000.000Km, 2.310.000Km, 1.770.000Km ou 1.380.000Km poderão nada representar, “penteando-nos mais ou menos o cabelo” passando-nos uma tangente ou até uma secante.

 

(imagens: WEB − universetoday.com ─ virtualtelescope.eu)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:46

05
Abr 20

“Nyberg flew to the space station again as a flight engineer for Expedition 36/37 on May 28, 2013. Nyberg and her crewmates spent 166 days in orbit, participating in hundreds of research experiments in the areas of physical science, technology, education, medicine and more. She also generated interest around the world by posting on social media including how to wash your hair in space, quilting in space, and being a mom while in space. She completed that mission and landed on Nov. 10, 2013.” (Megan Sumner/Johnson Space Center, Houston)

 

karen_nyberg_in_cupola_0.jpg

Karen Nyberg

Expedição 36/37 a bordo da ISS

(maio a novembro de 2013)

 

Recuando à Crise Económica de 2008 atingindo Portugal no final do mandato do 1º Ministro José Sócrates (2005/2011) e posteriormente mergulhando o país numa das maiores crises económicas desde o 25 de abril de 1974 já com o 1º Ministro Passos Coelho (2011/15) no poder, fazendo a muitos recordar a crise económica de 1929 (no tempo da ditadura nacional 1928/33 e antecedendo a implantação do Estado Novo 1933/74) mais conhecida como a “Grande Depressão”, aproveitando a recente aposentação da astronauta da NASA a norte-americana Karen Nyberg (50 anos de idade) para neste novo momento em que se vive uma das maiores Crises Planetárias não Económica mas Sanitária provocada por um “Agente Biológico Infiltrado e Invisível” o vírus mortal Covid-19, observar como era a Terra vista do Espaço por essa altura (2013) a partir da Estação Espacial Internacional (ISS) quando cá por baixo Portugal estava mergulhado num dos maiores períodos de miséria desde há quase quatro décadas.

 

(imagem: nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:02

23
Mar 20

Com o Espaço bem no Escuro e todo Limpo

 

Imagem da Terra obtida a partir da ISS (Estação Espacial Internacional) este domingo (22 de março), quando a mesma orbitava o planeta (uma órbita em pouco mais de 90 minutos) a cerca de 420Km de distância e a uma velocidade de 27.600Km/h (quase 8Km/s).

 

Screenshot_2020-03-22 Live_ISS_Stream.png

 

E sem Objetos Voadores desconhecidos visíveis

 

Sobrevoando o sudeste do litoral dos EUA (oriunda do Oceano Pacífico) em direção ao oceano Atlântico e atravessando a parte da Terra não iluminada pelo Sol (sendo noite), a Europa e o Golfo de Áden em direção à parte iluminada pelo Sol (sendo dia), aos mares do sul da Austrália.

 

Screenshot_2020-03-23 Live_ISS_Stream.jpg

 

Após uma Órbita diurna/noturna completa da ISS

 

Aproximadamente 1,5 horas depois e já inserida de novo na parte iluminada pelo Sol (já 23 de março), atravessando o oceano Índico ao largo da Grande Baía Australiana (a sul da Austrália) e dirigindo-se para o cumprimento de mais uma órbita (à Terra) para a América Central.

 

(imagens: ustream.tv)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:17

04
Mar 20

[DSCOVR: Deep Space Climate Observatory.]

 

Mais um satélite à nossa disposição para observarmos a Terra.

 

A TERRA como vista (a 3 de março de 2020) pelo observatório espacial DSCOVR colocado a cerca de 1.422Km de distância (do nosso planeta), Terra essa (aí e nesse tempo) situada a cerca de 146.673.649Km de distância do SOL (a nossa estrela de referência) − e com a distância média da Terra ao Sol a ser de 1 UA (aproximadamente 150.000.000Km), não sendo a sua órbita (da Terra em volta do Sol, no seu movimento de translação) circular mas elíptica: logo com o nosso planeta umas vezes estando mais próxima do Sol, outras vezes mais afastado.

 

epic_1b_20200303130332.jpg

Com a Terra propondo-nos uma sua visão centrada no Atlântico,

com o continente Americano (à esquerda) e Africano (à direita) a rodeá-lo;

acima da ponta noroeste de África situando-se Portugal,

aqui encoberto por uma densa camada de nuvens.

 

Graças ao regresso do satélite (de observação da Terra e do seu clima) DSCOVR (da responsabilidade da NOAA) − lançado em 11 de fevereiro de 2015 de Cabo Canaveral por um foguetão FALCON 9 da agência espacial privada SPACEX (do multimilionário norte-americano ELON MUSK) – depois de oito meses inoperacional (devido a um problema de controlo de altitude − posição/orientação − deste satélite artificial) voltando de novo ao ativo (já fornecendo imagens este mês) e proporcionando-nos desde logo o usufruto (em diversos registos) de diversos discos da Terra (ao longo dos seus  180° de latitude e 360° de longitude): The deep space satellite (DSCOVR), which produces incredible full-disk images of our Blue Marble (TERRA). (Nancy Atkinson/universetoday.com)

 

(imagem: epic.gsfc.nasa.gov)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:02

01
Mar 20

Não havendo mais notícias a dar e tendo o Espaço como tema − seja do lado público ou do lado privado − limitando-nos a observar (e a citar) subtemas de relativa (pouca) importância. Conclusão: não havendo financiamento, nada surgindo de novo, parando a evolução.

 

minimoon-TARcropcln-CC.jpg

Um ponto central brilhando

Não sendo uma imagem distante de um qualquer planeta

(como poderia ser o "Pálido Ponto Azul" de Carl Sagan)

mas um registo próximo de mais uma lua temporária da Terra

 

[Num registo de vídeo acompanhando no centro da imagem o movimento de 2020 CD3 (a pequena lua da Terra) e dando aos objetos  em redor (estrelas) o aspeto de traços brilhantes e bem coloridos.]

 

Impossibilitados de a observar em direto (não se realizando desde o início dos anos 70 do século passado, voos espaciais tripulados) e para tal e à falta de dinheiro (para “outras coisas”) recorrendo ao que se tem mais à mão (telescópios instalados na Terra, tendo a atmosfera terrestre à sua frente), com um grupo de astrónomos a detetar nas proximidades do nosso planeta e orbitando-o a uma determinada distância, um objeto desconhecido em princípio rochoso (como poderia ser algo de artificial produzido pelo Homem), de facto um outro satélite − natural − de tamanho reduzidíssimo e orbitando-nos tal como a LUA. E tal como acontecerá com a LUA com o decorrer do tempo um dia libertando-se dela e começando a afastar-se da Terra, com este pequeno objeto agora denominado como 2020 CD3 e tornando-se de momento numa “segunda Lua da Terra” e tal como sucedido com outros objetos semelhantes começando igualmente a afastar-se muito mais rapidamente e (podendo até retornar) a perder-se no Espaço.

 

(imagem: Observatório Gemini/Maunakea no Havaii/gemini.edu)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:13

26
Fev 20

E a partir de 25 com a Terra a ter (oficial e temporariamente) 2 luas

Uma Lua Gigante (a LUA de d = 3.475Km)

E uma outra Lua Extra Anã (2020 CD3 de d = 1m/6m).

 

bg-w1.jpg

 

MPEC 2020-D104

2020 CD3: Temporarily Captured Object

(Minor Planet Center)

 

Observado pela primeira vez (oficialmente e posteriormente registado) no passado dia 15 de fevereiro – pelos astrónomos norte-americanos Theodore Pruyne e Kacper Wierzchos, utilizando o Telescópio do Observatório de Mount Lemmon (Tucson/Arizona) – e com a sua órbita acabando por ser definida a 25 (num código de 0 a 9, indicando a incerteza da sua órbita e possibilidade de impacto com a Terra, sendo designado como 4), a descoberta de mais um NEO (Near Earth Object/Objeto Próximo da Terra) − um asteroide muito particular − denominado 2020 CD3: um pequeno objeto movimentando-se nas proximidades da Terra, por vezes aproximando-se − podendo colidir − ou afastando-se da mesma, na sua aproximação ao nosso planeta (seja esse o caso) podendo ser capturado pelo mesmo, acompanhando-o temporariamente para de seguida (e tal como acontecerá com a Lua) partir e nos deixar para trás. Ou seja, a partir de agora e oficialmente com a “TERRA” a ter a “LUA” e (não tendo impactado e não se prevendo tal) mais uma “Lua Pequenininha” (com 1 a 6 metros de diâmetro).

 

file-20200226-24694-oergqg.jpg

 

Earth’s (been orbited for the past three years or so)

Got a new ‘moon’

(theconversation.com)

 

Não sendo uma visita inesperada por parte destas pequeníssimas luas ao nosso planeta Terra, com algumas a irem e virem como sucederá dentro de poucos anos a à lua 2020 CD3: como já sucedeu (por exemplo) com 2006 RH, passando por cá (em 2006/2007), afastando-se (em 2008 para o outro lado do Sol) e talvez regressando (segundo os astrónomos e nada acontecendo entretanto na sua viagem) em 2028. E já agora do objeto 1991 VG (pertencendo ao grupo dos chamados “quase satélites”) dando umas voltas à Terra (talvez mesmo só 1), desaparecendo e no futuro talvez voltando. Sem notícias de impacto e devendo-nos preocupar mais com outros tipos de asteroides – como os NEA/Near Earth Asteroids e os PHA/Potencially Hazardous Asteroids: com os PHA a serem os mais perigosos, com 100 metros ou mais de diâmetro e passando a 0,5DL ou menos de distância da Terra. Sabendo-se que muitos asteroides passam por cá e (não entrando na atmosfera/não explodindo/não impactando) nem sequer sabemos disso (sobrevivendo-se ao evento, só depois).

 

[d: diâmetro]

 

(imagens: minorplanetcenter.net – theconversation.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:22

Junho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO