Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

22
Mai 19

E os Grupos Terroristas são …

(descubra-os você)

 

people.jpg

World Memory Project

Millions of documents containing details about victims

of the Holocaust and Nazi persecution during World War II

still exist today

(ushmm.org)

 

AL-QAEDA

 

FATAH

 

BOKO HARAM

 

HAMAS

 

HEZBOLLAH

 

EXÉRC. ISLÂMICO

 

Coloque uma X à direita

Da(s) resposta(s) correta(s)

 

Ultimamente sendo constantemente bombardeados (nos Médias Globais, depois replicados nos órgãos de Comunicação Locais) com notícias deliberadamente inflacionadas mencionando e destacando em todas elas a palavra IRÃO – com os EUA desempenhando o seu papel de nosso Protetor e Aliado (do Hemisfério Norte Ocidental) a alertar-nos do perigo que um Estado (do outro lado do Hemisfério Norte, do Oriente) visto como o principal promotor e financiador do Terrorismo (Global) representa não só para nós (a EUROPA o atual apêndice dos EUA, podendo a qualquer momento ser removido) como para todo o Mundo (conquistado e ainda por conquistar) – reproduzindo e repetindo informações baseadas em informações oriundas esmagadoramente dos EUA (das suas sedes nacionais/agências centrais, posteriormente sendo distribuídas pelas suas delegações internacionais/filiais) e apontando este grande produtor e detentor de reservas de petróleo (para além da Venezuela, o único “Não sendo um Estado Normal” ainda não nas mãos de interesses norte-americanos) como apoiando grupos terroristas como o HEZBOLLAH, o HAMAS e a FATAH (apesar de SOFT’S pelos vistos os “Terroristas-Maus”), não consegui resistir ao bloqueio mental que me era imposto, substituindo pessoas como se fossem personagens e tentando impor o cenário daí resultante −como a verdadeira Realidade (quando nem sequer reconhecíamos o corpo daí resultante), atirando para o ar os TERRORISTAS MAIS FALADOS mas nestas notícias completamente esquecidos e ultrapassados (como que depois da ação e dada a sua total falta de conteúdo, fossem temporariamente apagados, como que adormecidos e posteriormente tal como que nas “células”, podendo ser despertados) a AL-QAEDA, o EXÉRCITO ISLÂMICO e os islamistas-africanos do BOKO HARAM (apesar de HARD’S pelos vistos os “Terroristas-Bons”) − por acaso e por curiosidade assim como que por pura estratégia, criados e financiados por uma dupla de sucesso saudita-norte-americana – e “lá atrás” com os israelitas a “controlar”.

 

islamic-state-execution-640x480.png

Exército Islâmico

Para a maioria do Mundo Hard

(mas visto pelos EUA como Soft)

Aqui com uma sua filial executando três civis sírios

acusados de colaborarem com outros grupos rivais

 

E usando dados recolhidos ao longo desta tão típica História (com o novo Homem Humanista-Economicista e fazendo o seu negócio “não olhando para tal a meios, se necessário sacrificando o Sujeito, apontando apenas à finalidade e à Comercialização de Objetos”) utilizando e cingindo-nos apenas a este século em curso (XXI, no seu 19º ano de existência) e ao continente EUROPEU −  apoiando uma das partes (dos Mercenários em Guerra) tornando-se corresponsável (da proliferação da Violência) e não evitando a resposta (sob a forma de atentados e de milhares de migrantes em fuga) sofrendo as consequências – concluindo-se desde logo a Origem da Violência (Terrorismo sob a forma de Atentados) tendo logo à cabeça (esmagadoramente e neste séc. XXI) o Extremismo Islamista (Árabe e Checheno) – Al-Qaeda, Exército Islâmico e Boko Haram − e o Separatismo Checheno: responsáveis por 99,99% dos atentados (registados na Europa, assim como no Resto do Mundo) repartidos (tomando em consideração os 12 mais graves atentados cometidos na Europa) pelos Terroristas Islâmicos (50%) e pelos seus “amigos” os Terroristas Islamistas Chechenos (28%) ou apenas (não sendo amigos, não sendo Islamistas) os Separatistas Chechenos (17%) e “nem sequer se vislumbrando (num único atentado e nos 0,01%) os SUPERTERRORISTAS do Irão e INIMIGOS Nº 1 da AMÉRICA (antes de OBAMA, prevista para HILLARY, mas agora de TRUMP) – a não ser a contribuição de neofascistas como será o caso do atentado de 2011 na Noruega perpetrado por um extremista-de-direita (5%). Num total de 12 atentados (apenas os causando mais vítimas) levados a cabo na Europa (só neste século) e provocando entre os seus residentes cerca de 1.400 vítimas mortais. Deixando-nos no mínimo intrigados pelo critério utilizado (pelos EUA) para definir TERRORISMO, definindo os terroristas (dividindo-os com intenção) não como o que são meros Mercenários, mas como se fossem, uns BONS (os pró-americanos) e outros MAUS (aqueles opondo-se). Havendo uma diferença CLARÍSSIMA (nunca opção nunca recomendável, pela violência, mas podendo em certos casos, ser minimamente compreendida) – e além do mais HISTÓRICA (recorrendo à Memória e à Cultura dos Povos, ainda não completamente apagada) − entre um bloco (aceite pelos EUA/Al-Qaeda/Exército Islâmico) e o outro (não aceite pelos EUA/Hezbollah/Hamas): com os atuais “Ideólogos, Falcões, Apologistas da Guerra e nela Já com Passado comprovado” − agora com assento na Casa Branca (como Conselheiros e Elementos de ligação entre a Administração Norte-Americana, “Republicana e Trumpista”, com o poderoso Complexo Industrial-Militar) como John Bolton, Mike Pompeo e já agora (num nível de influência e participativo menos elevado, mas sendo um “Advgogado da Guerra no Irão”) Lindsey Graham – apesar de representarem (financiarem) um dos blocos (e logo o “HARDCORE”) chamando a todos (“à frente, não atrás”) TERRORISTAS (identificando o menos possível um deles/o pior e utilizando sempre e por qualquer pretexto o outro/o menos mau, como Bode-Expiatório), não sendo acompanhados por muitos (como a União Europeia, a Rússia e até a Índia) contradizendo os norte-americanos e correndo o risco de (por tabela) sofrer “SANÇÕES. Nenhum deles reconhecendo organizações (não só políticas e envolvidas em guerras e conflitos, como de apoio económico-social/comprovado às suas populações) como o Hezbollah, o Hamas e a Fatah como organizações terroristas (até pelo seu passado e presente histórico na luta pela Libertação e independência do povo PALESTINIANO), nunca sendo de esquecer ser o Povo Palestiniano o único povo do Mundo a Viver em conjunto e sem Acusação (sendo eles as Vítimas) numa Prisão (estilo Campo de Concentração) vendo-se tudo (ao contrário dos Nazis, escondendo o genocídio dos judeus) e montada (para todos verem o que um dia nos poderá acontecer) a Céu Aberto.

 

1124hezbollah.jpg

Hezbollah

Para a maioria do Mundo Soft

(mas visto pelos EUA como Hard)

Aqui com membros do Hezbollah libanês

prestando homenagem a colegas seus mortos em combate na Síria

 

E nesta luta entre Grandes Potências (dois Blocos), tendo de um lado o Império Antigo (continuando ainda no poder em 2019 DC) liderando sem contraditório (recorrendo às armas e dispensando o diálogo) e espetacularmente (recorrendo ao Sexo, à Violência e ao Dinheiro) todo o planeta TERRA (conjuntamente com os seus “Aliados de Circunstância”, hoje podendo ser uns e amanhã serem os outros) – simbolizado (de uma forma Sagrada) e personificado (de uma forma Profanano Império Bipolar Norte-Americano (EUA + países satélites, distribuídos um pouco por todos os cinco continentes), aparente e atualmente atravessando um período de crise (temporária) talvez mesmo de decadência (definitiva) e connosco (Portugal) infelizmente incluídos (tendo até a Base das Lajes – no ano de 2003 − como palco justificativo para a Invasão do Iraque … podendo ter provocado para além da destruição da cultura e da memória de um país, cerca de 1 milhão de vítimas mortais) nesse não desejado pacote −  e do outro lado o Novo Império (aspirando alcançar o poder já no decorrer deste século) juntando em conluio duas outras Grandes Potências (em fase de Expansão e de Desenvolvimento) e com outras extremamente interessadas (como a Índia e nas mesmas condições) em seguir-lhes (o mais rapidamente) o caminho – simbolizado no emergente Império do Sol (abrangendo a Ásia, de centro na China e epicentro em Pequim), estrategicamente assente numa distribuição bicéfala do poder (entre a China e a Rússia) e na certeza de chegada (tendo imenso ouro e estando carregadinha de dólares) de outros novos aderentes (depois da Rússia e da China só mesmo a Índia para aumentar o Impacto de números com Área de Território e Total de População), na sua forma e conteúdo (de facto e atual) o IMPÉRIO BICÉFALO CHINÊS ou se preferirem UM ESTADO DOIS SISTEMAS, não se entendendo muito bem (sendo estranho, não se entranhando) como face a tantos problemas que o nosso único planeta já enfrenta, como resultado de muitos e variados fatores mas com a contribuição extremamente relevante (por coercivamente orientadora) do desvario da Ditadura-Democrata Norte-Americana (inspirada na Ditadura-Estatal-Soviética) − pelos vistos só agora dirigida por um Ditador e ainda-por-cima Milionário (o típico modelo de Homem-Americano-de-Sucesso só comparável ao TIO SAM) – como o será certamente o fenómeno do TERRORISMO GLOBAL, se opte pela hipocrisia, no continuar da indiferença, na persistência da Mentira (e da sua representação e difusão), na Guerra (nunca nada se resolverá recorrendo à violência, sem justificação racional), enfim no Genocídio Generalizado (não só físico como sobretudo e para as novas gerações mental, traumatizante e como tal condicionante), sendo incapaz de apontar (mesmo estando ao nosso lado) os únicos e Verdadeiros Criminosos (como Mercenários Profissionais que o são) dos tais mortais atentados. Só num único atentado levado a cabo no interior do território dos EUA no dia 11 de Setembro de 2001 e direcionado (pelo menos a nível de vítimas mortais) quase que exclusivamente a alvos civis (incluindo o WTC, conhecendo-se a sua estreita ligação ao Mercado Financeiro norte-americano e global), com os “Amigos e Aliados Sauditas” pertencentes à organização terrorista AL-QAEDA então dirigida pelo “familiar” BIN LADEN a provocarem uma chacina e a originarem quase 3.000 mortos: num instante com os ainda subsidiados/dependentes da coligação EUA/Sauditas (Al-Qaeda) posteriormente criando todas as condições (ideais) para o aparecimento de outro grupo terrorista ainda mais violento, brutal e mortal – o EXÉRCITO ISLÂMICO (com os mesmos criadores/financiadores) − como Islamistas-Extremistas e (já aí) Sem Dó Nem Piedade” provocando (só aí) mais de 2X os doze atentados referidos anteriormente só na Europa (sinal de eficiência e de manutenção de contrato/para os ditos e ainda ativos HARD-terroristas).

 

Trump Downplays Iranian Threat to US Interests

'No indication that anything's happened or will happen'

After weeks of escalatory rhetoric coming out of his administration, President Trump spoke to reporters about Iran at the White House today, and greatly downplayed the possibility of a war with Iran.

(Jason Ditz/May 20, 2019/antiwar.com)

 

arton66.jpg

Yasser Arafat

Ex-Líder da OLP e da Fatah e em 1994 prémio Nobel da Paz

(10 anos antes de ser envenenado/assassinado)

Fundando em 1959 a Fatah e cinco anos depois criando a OLP

dando início à luta armada tendo como alvo Israel (registo de 1970)

 

Quanto ao Hezbollah, ao Hamas e à Fatah (não reconhecidos na Europa como movimentos terroristas) – e aproveitando a ocasião para introduzir (no [final] deste artigo) outro país árabe e inserido na Região do Golfo (Pérsico) o QATAR e o ponto da situação do conflito EUA/IRÃO – convindo recordar o cenário (o tempo e o espaço) de aparecimento, desenvolvimento e consolidação destes movimentos, surgindo (logo de início assente e suportado por um processo histórico e com prévio suporte popular) não pela pressão exercida por um Estado Poderoso tentando no seu interesse (exclusivo) vergar o outro mais fraco, se não Económico-Financeiramente  (impondo sanções de vários níveis/intensidades) então Militarmente − ou seja invadindo-o e dominando-o utilizando Militares-Profissionais-Privados ou Mercenários, recorrendo à mais extrema (por sem controlo, sem castigo) Violência – mas sendo exigido por um Povo (maltratado, desprezado, esquecido) como um Movimento de Libertação: não sendo idêntico o molde de onde terá saído a OLP (uma consequência de uma Evolução Natural e com o seu líder entretanto envenenado/assassinado) e a AL-QAEDA (um efeito de uma Evolução Externa, Estranha e Imposta, na senda de Bin Laden/e da sua família amiga e próxima dos Bush e dos seus amigos sauditas e norte-americanos).

 

[O Hezbollah (historicamente apoiado pela Síria e pelo Irão na sua luta contra Israel) sendo uma formação importante do espectro político libanês – um partido institucional e representando a Sociedade Civil de um país legalmente reconhecido pela UN − não só pelo seu ramo Armado, mas pelos diversos serviços Sociais (escolas, hospitais, etc.) e fundamentais prestados à população do Líbano − um das “Bandeiras” desta organização (por essa razão humanitária “irritando” tanto os EUA), utilizando o dinheiro recebido não só para os seus esforços de Guerra, mas sobretudo e maioritariamente em ajuda à sua População; o Hamas (criado em 1987 aquando da 1ª Intifada)  e a Fatah (criada em 1959 pelo que seria o líder histórico da OLP Yasser Arafat) − sendo duas organizações políticas governamentais Palestinianas em tudo semelhantes à Libanesa − uma (atualmente) controlando a Faixa de Gaza a outra a Cisjordânia, em Novembro de 2012 como constituintes da Autoridade Nacional Palestiniana a verem a PALESTINA reconhecida pela ONU como “Estado Observador”. Movimentos representativos de um Povo completamente abandonado e no presente Sem Pátria (onde possa exercer a sua Liberdade e a sua Soberania), substituindo neste século XXI a Saga da Perseguição e Fuga dos Judeus durante o período NAZI (séc. XX) – os PALESTINIANOS – um dia inesperadamente e sem recurso (de uma forma irrevogável), expulsos das suas terras, posteriormente perseguidos e sendo mesmo  mortos, acabando como forma de sobrevivência e em último recurso (evitando a sua exterminação, tal como o tentado antes com os Judeus) recorrer às armas (sempre presentes seja qual for o lugar do Mundo) e à violência (sempre criticável, sempre a evitar). Já quanto ao QATAR e à sua posição face a este conflito e à respetiva presença e equilíbrio (ou desequilíbrio) de forças – tendo de um lado na defesa dos seus interesses a Arábia Saudita/EUA/Europa (esta última participando, mas a “reboque”) e do outro o Irão/Rússia/China – com este a tentar manter uma posição de neutralidade (nem apoiando sauditas, nem iranianos) e sendo de imediato ameaçado pelos Sauditas com ameaças, boicotes e até promessas de Guerra, como que imitando o Poder Total Norte-Americano assente na dupla até ao momento invencível Armas/Dólares, pensando poder fazer o mesmo (e regionalmente) com o seu equivalente árabe Armas/Petrodólares. Tentando impor sansões ao país (tal como o faz os EUA à Rússia) e até exigindo o encerramento da sua estação de TV (em vez da RT e sendo no Qatar) a AL JAZEERA. E segundo as últimas notícias oriundas de Washington e envolvendo (aparentemente) os desejos de Guerra (certamente que no IRÃO) do Complexo Industrial-Militar − bem expostos nas ações e movimentos (entre os Militares e a Administração civil da Casa Branca) do Super-Falcão-John Bolton (ainda o mesmo aquando dos “Desejos do Iraque”) – com Donald Trump a parecer querer recuar (afinal fora ele que dissera não se quere envolver em mais conflitos, não só inúteis como extremamente dispendiosos) afirmando agora e informando-nos “no indication that anything’s happened or will happen”. Faltando-se saber a reação dos outros (apologistas de mais uma Guerra e da Venda de Material de Guerra) ao impasse do Presidente, sabendo-se que para o final do próximo ano (2020) a cadeira de Presidente estará então e de novo em Jogo.]

 

(imagens: World Memory Project/ushmm.org – Ali Waked/breitbart.com – Getty/newsweek.com – AFP/lesclesdumoyenorient.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:40

28
Mar 19

 

Sempre Negada e Agora Desmascarada

(pelos próprios média britânicos)

 

IE1.jpg

Segundo a UN

Com mais de 60% dos mortos civis,

A serem causados pelos ataques aéreos sauditas

 

Comprovando porque os Políticos (um pouco por todo o Mundo) representam o Retrato da Hipocrisia generalizado deste Sistema há muito ultrapassado, por completamente desligado da Realidade Humana e de todo o planeta Terra (e seu Maravilhoso Ecossistema) que nos acolheu um dia (e serviu de berço para toda esta Criação) e se ofereceu para nosso prazer e usufruto (vivendo-o e partilhando-o). Neste caso focando-nos na Grã-Bretanha (com o seu Governo por um fio, mas ainda nas mãos da conservadora Theresa May), não na questão do Brexit (uma vergonha, uma hipocrisia, uma paródia e uma desgraça política, ainda-por-cima transmitida ao vivo e como que nos mostrando os Walking Dead britânicos) mas na colaboração dos britânicos no genocídio em curso no Iémen:

 

Our (UK) secret dirty war

Five British Special Forces troops are wounded in Yemen

while 'advising' Saudi Arabia on their deadly campaign

that has brought death and famine to millions

 

Elite Special Boat Service (SBS) troops' presence in country shrouded in secrecy

Troops treated for leg and arm wounds after battles in Sa'dah, northern Yemen

Up to 30 British troops based in Sa'dah, and casualties now recovering in UK

(Marc Nicol/The Mail On Sunday/dailymail.co.uk)

 

IE3.jpg

A coligação multinacional liderada pelos sauditas,

Intervindo no conflito do Iémen

Logo em 2015

 

Uma Guerra Civil inserida na política de supremacia geoestratégica dos EUA (e dos seus aliados/súbditos/dependentes) nesta região (extremidade sudoeste) da Península da Arábia (mantendo a sua superioridade militar e como tal económica) – com o Iémen podendo controlar e intervir (ou seja tomar posição e interferir) numa estrada marítima fundamental para todo o território envolvente/adjacente (marítimo como terrestre) ligando o mar Arábico ao mar Mediterrânico através do mar Vermelho e do canal do Suez − ou seja unindo a Ásia à Europa – inicialmente envolvendo apenas protestos da população contra a pobreza, o desemprego e a corrupção e a tentativa de eternização do seu então Presidente (meados de Janeiro de 2015), mas mais tarde (perto do final de Março do mesmo ano) e extremando-se posições (políticas nacionais extremadas por diversas forças de pressão internacionais) simbolizados pelas duas forças em confronto o Movimento do Sul e os Houthis – acabando por envolver (a pedido das partes em conflito e agora, num cenário sem regras e sangrento integrando uma guerra brutal) forças de intervenção estrangeiras das mais sanguinárias de todas, sendo (sem qualquer tipo de dúvida e de hesitação)  uma delas (sem dúvida aquela que mantem vivo o conflito) a Arábia Saudita: com todo o seu poder militar aplicado descontroladamente e apenas como demonstração de toda a sua força e poder (na tentativa impossível de esmagar a revolta e uma das partes os Houthis) − dirigido a todos os inimigos da Arábia Saudita e informando-os da hierarquia tutelar do petróleo e da região – arrastando um conflito sem solução à vista desde 19 de Março de 2015 (fez há poucos dias 4 anos) e originando até ao momento (segundo alguns dados conhecidos mas podendo ser ainda maiores) mais de 50.000 feridos, uns 50.000/100.000 mortos e mais de 3.000.000 de deslocados (com números sempre em crescendo).

 

IE6.png

Áreas de controlo das duas forças em presença,

Uma pró-saudita/Movimento do Sul (a verde)

E a outra anti saudita/Houthis (a laranja)

 

Mais uma vez envolvendo Crimes de Guerra, contando novamente com a presença sombria mas dedicada (ao Negócio) dos EUA/UK (e de outros países europeus cobrindo eticamente os olhos) e inevitavelmente chamando outros parceiros ao conflito (complicando ainda mais o cenário e a sua possível solução) desde os terroristas trabalhando para os sauditas (como entre os mais ferozes e sanguinários e sendo criação própria – execução HARD − a Al-Qaeda e o ISIS/ISIL) até aos terroristas trabalhando para o Irão (como o Hezbollah − execução mais SOFT) sediados no Líbano (pelo seu passado histórico ao lado dos povos árabes considerado um movimento de resistência legitimo por grande parte do Mundo Islâmico e Árabe) e recebendo apoio financeiro da Síria e do grande inimigo dos sauditas o Irão dos Aiatolas (Ayatollah). E no meio (especialmente para estes os Iemenitas, pelas consequências das ações não da responsabilidade direta deles mas dos seus políticos) estando o Iémen e os seus 30 milhões de habitantes − no estado crítico em que estão (mais de 10% de deslocados/fugitivos da guerra) – sempre com aqueles à espreita (e à espera) de novos e melhores negócios seja no Comércio do Petróleo como no Comércio de Armas (e a tudo a estes associados).

 

IE4.jpg

Depois de mais uma rejeição de diálogo

Imagem de separatistas do Sul em luta

Contra os seus inimigos os Houthis

 

Deixando de lado as grandes potências globais e as suas ambições de expansão, de dominação e de supremacia (algo natural de suceder, pretendendo-se manter uma estrutura artificial) – como o são os EUA, a Rússia e a China − retratando-se aqui (como se ainda fosse necessário) aquilo de que o Homem é capaz tendo acesso ao Poder e às suas respetivas Ferramentas: não sendo no entanto admissível não se poder exigir responsabilidades (tantos e tão visíveis os inúmeros crimes de guerra registados), acusando unicamente os utilizadores (das Armas) – sempre perdedores − e nunca chamando ao palco da razão (e da ética) ou seja ao banco dos réus (apropriado para julgar e condenar criminosos) o fornecedor e financiador dessas mesmas Armas, da Guerra, da Violência, da Doença e da Morte. No caso do Iémem e como principais fornecedores/operadores bem visíveis no terreno (para além da Arábia Saudita e dos desejos do seu príncipe herdeiro Mohammad bin Salman) tendo como camisola amarela os EUA de Trump e como carro-vassoura o Reino Unido de May.

 

Entretanto e apesar de tudo o que se tem visto e divulgado ultimamente através dos tabloides britânicos (com todos a aproveitarem a fraqueza de Theresa May, para tentarem obter algo de positivo da situação, como por exemplo substitui-la e ao seu Governo rapidamente, mantendo se possível e ainda por mais tempo o status quo sobre o Brexit), com o Governo Britânico e a sua liderança a quererem manter por mais algum tempo a cabeça enfiada no buraco:

 

“The Government’s official position is that it is seeking a ‘sustainable political solution to the Yemen conflict’.”

(Marc Nicol/dailymail.co.uk)

 

IE5.jpg

Para além da presença da Arábia Saudita

Com os seus bombardeamentos aéreos indiscriminados,

O acompanhamento complementar dado pelos terroristas do Exército Islâmico

Financiados pelos sauditas com os seus atentados

Recorrendo a bombistas-suicidas 

 

Não havendo nada a fazer?

 

About 80% of the population - 24 million people - need humanitarian assistance and protection.

 

Almost 240,000 of those people are facing "catastrophic levels of hunger".

 

More than 3 million people - including 2 million children - are acutely malnourished, which makes them more vulnerable to disease.

 

Almost 18 million do not have enough clean water or access to adequate sanitation.

 

The war has also displaced more than 3.3 million from their homes, including 685,000 who have fled fighting along the west coast since June 2018.

(bbc.com)

 

(imagens/ajuda nas legendas: bbc.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:13

17
Mai 18

Uma questão (elucidativa na resposta) dirigida pelo diário Times of Israel a um alto-dirigente político israelita (Avi Dichter), ao ser colocado perante a situação de conflito (desde já com mais de 60 mortos e mais de 2000 feridos registados num só dia) provocada pelas manifestações de protesto de cidadãos palestinianos próximo da fronteira entre Israel e Palestina.

 

DdLCfDHVAAE_1qJ.jpg large B.jpgDdLCfDHVAAE_1qJ.jpg large A.jpg

Israel Vs. Palestina

Com a filha de Donald Trump cerca de 1hora de um lado

E com 60 mortos e 2000 feridos durante 24 horas do outro

Maio 2018

 

5749521.jpg

Faixa de Gaza

Segundo a definição e a lei internacional sob um tipo de apartheid

Bombardeamente nos arredores de Tuffah

Julho 2014

 

Times of Israel:

(Referindo-se à tentativa dos palestinianos

De passar a fronteira entre Palestina e Israel)

 

Aren´t you worried about

A possible border breach on Monday?

(Não está preocupado com o possível aparecimento

De mais uma brecha na fronteira?)

 

Avi Dichter:

(Explicando como Israel resolveria o problema

Dessa passagem não autorizada de palestinianos)

 

No.

We have enough ammunition for everyone.

(Não.

Temos munições suficientes para todos.)

 

[Ou: “De como os Políticos postos a nu se revelam como visceralmente criminosos ‒ habitando um Mundo de Cegos e pelos mesmos Projetado ‒ sendo nas suas ações inapelável e irreversivelmente um Nojo.”]

 

Desde que no ano de 1947 após o fim da II Guerra Mundial e sob direção dos Vencedores ‒ desse período Catastrófico da História da Europa bem demonstrador de tudo o que de mais tenebroso o Homem é capaz de fazer a si e à sua própria espécie ‒ os líderes políticos de então sujeitos aos mais diversos tipos de pressão (social, económica e financeira dada a destruição da Europa e o caos instalado no Mundo, ainda visto e partilhado sob uma perspetiva colonial) decidiram resolver o problema de um dos principais contingentes de vítimas (os Judeus) desse Grande Conflito da Humanidade tendo durado 6 anos (1939/1945),

 

‒ Com antecedentes (sinais/avisos) bem claros e sucessivos avisando do que aí vinha (como terá sido o caso da Guerra Civil de Espanha travada de 1936 a 1939) e posteriormente ‒ ultrapassado este período de tragédia Humana ‒ concluindo-se não ter o mesmo (período experimental) servido minimamente de lição (e aprendizagem) continuando a replicar-se indiferentemente (como nada se tivesse passado) no tempo (com a ocorrência de conflitos como a Guerra da Indochina, a Guerra do Vietname, as Guerras do Golfo)

 

Um povo inteiro desde o tempo do Império Romano habitando uma região do Médio-Oriente denominada (pelos mesmos romanos) como Palestina e então localizada entre o mar Mediterrânico e o que é hoje a fronteira terrestre com a Arábia Saudita e o Iraque, viu-se forçado por entidades exteriores à sua (própria e tradicional) evolução territorial e geracional ‒ na defesa do seu território e da sua integridade e soberania ‒ a partilhar as suas terras, memórias e culturas (ancestrais) com outro povo completamente estranho (numa terra para os mesmos antes bem distante ou desconhecida e como tal igualmente estranha),

 

‒ Aproveitando-se a ocasião (a ocasião faz o ladrão) para definir politico-geograficamente uma região (por parte dos países ocidentais, coloniais e vencedores da II Grande Guerra para com as suas colónias) partindo-a em 3 e distribuindo-as pelo que é hoje a Jordânia, Israel e pelo que deveria ser a Palestina (Faixa de Gaza e Cisjordânia)

 

Acabando de imediato (no ano seguinte de 1948) perseguido, pondo-se em fuga e quase que sendo pulverizado (para não utilizar o termo bem conhecido pelos judeus exterminados).

 

Unilateralmente com o Estado de Israel a declarar a sua Independência (com a cumplicidade passiva dos EUA e das potências aliados ocidentais) e a originar de imediato e como resposta (já prevista) o eclodir de um violento conflito militar com todos os restantes países árabes da região (Guerra entre Israel e árabes de 1948/49),

 

Egito, Síria, Iraque, Jordânia, Líbano e Arábia Saudita (com Israel o vencedor)

 

Palestinian_refugees.jpg

Refugiados palestinianos

Em fuga das suas terras devido à declaração unilateral de Independência de Israel

Originando a 1ª Guerra Israelo-Árabe

Palestina ‒ 1948

 

src.adapt.960.high.yasser_arafat_110613.1383764513

Yasser Arafat

Fundador da Fatah (em 1959)

Posteriormente líder da OLP (desde 1969)

Damasco ‒ Síria ‒ 1970

 

E já depois de desrespeitar a resolução da ONU de 1947 que lhe atribuía direitos (um país Israel) mas também deveres (respeitando o país do outro a Palestina) ‒ a chamar a si a outra parte (do território antes partilhado entre judeus e palestinos) fazendo a partir daí sempre o que quis, expropriando, expulsando e não tendo outra hipótese final e definitiva (pelo menos para já) encostando, concentrando, degradando e destruindo (matando):

 

Em pleno século XXI com a maior prisão a céu aberto e sem qualquer tipo de obrigação (individual ou coletiva) na manutenção das condições mínimas de sobrevivência das pessoas aí detidas (criminosos ou inocentes, homens, mulheres e crianças),

 

‒ Por excedentárias sendo retiradas da sua anterior categoria de sujeitos e recolocadas na prateleira dos subobjectos ‒

 

A estar localizada na Palestina na Faixa de Gaza. Segundo notícias recentes com uma revolta a ocorrer na Prisão (Faixa de Gaza) obrigando as autoridades policiais (os israelitas) a intervirem e com o balanço (entre os detidos os palestinos) a cifrar-se em cerca de 60 mortos e uns 2000 feridos (segundo as autoridades apenas usando fumo e balas/explosivas? de borracha) ‒ e em uníssono com os EUA e Israel a culparem os mortos e os feridos (dado o escândalo e Crime de Guerra até com franceses e ingleses a afastarem-se) chegando a acusar o Governo (da Palestina) de oferecer uns 500 (dólares) a todos os seus cidadãos que na manifestação tenham com uma bala israelita no corpo (mesmo podendo morrer ou ficar amputado).

 

Mas afinal quem dispara, logo com balas explosivas e para criar amputados?

 

Enquanto no mesmo momento e em Jerusalém,

 

‒ Segundo a resolução da ONU de 1947 declarado território Internacional e com Telavive até aos dias de hoje sendo considerada a capital de Israel

 

O eterno mediador do conflito israelo-palestiniano (os norte-americanos) agora sob a presidência e tutela de Donald Trump (e dos seus Militares apontando em alternativa para o Irão), tomava para si uma das partes (a maior) desligando-se (da condução do processo) por não querer saber da outra (a parte menor):

 

Mandando para a Cerimónia a filha (de cera) sendo acompanhada pelo genro (de barro), ambos sendo básicos e compatíveis com o amigo israelita (segurando na mão o rastilho) e com o homem do botão (fornecedor da pólvora decisiva) para a construção do artefacto tornando o ambiente incendiário-explosivo. E a ser mais que óbvio o material indicado para incinerar (os pelos líderes israelitas considerados como sub-humanos).

 

Por último com os principais grupos ou movimentos de resistência palestinianos (certamente todos armados),

 

‒ Tendo origem no movimento de protesto e de revolta do povo árabe (expulso das suas terras) e congregando os grupos de resistência clandestinos de então (antes dispersos) em torno de uma grande organização a OLP (fundada em 1964) liderada pelo já lendário Yasser Arafat (nascido em 1929 no Cairo ‒ segundo o próprio em Jerusalém ‒ e tendo falecido em 2004 em Paris, suspeito de vítima de envenenamento pelos Serviços secretos Israelitas a conhecida Mossad ‒ uma espécie de GESTAPO, PIDE, CIA ou KGB)

 

Como a Al-Fatah (início dos Anos 50), a Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP/desde 1967), a Frente Democrática para a Libertação da Palestina (FDLP/desde 1969), a Jihad Islâmica (Palestiniana/79 a 81) e o Hamas (desde 1987),

 

Na sua altura e como o é agora o Hamas e a Al-Fatah a serem considerados Efetivamente & Combatendo-os como grupos Terroristas (governando atualmente a Palestina);

 

10 Dos Maiores Ataques Terroristas Registados No Século XXI

(iniciando-se pelo 11 de Setembro)

 

Ano

 

Atentado

Autor

Alvo

Mortos

2001

Ataque 11 Setembro

Al-Qaeda (sauditas)

EUA

2996

2004

Tomada reféns escola Beslan

Separatistas chechenos (apoiados p’ Al-Qaeda)

Rússia

385

2004

Atentado estação ferroviária Madrid

Al-Qaeda

Espanha

192

2007

Bombardeamento comunidade Yazidi

Al-Qaeda (e sauditas)

Iraque

Mais de 796

2014

Massacre Campo Speicher (Tikrit)

Estado Islâmico (e sauditas)

Iraque

Mais de 1576

2015

Atentado

Paris

Estado Islâmico

França

137

2016

Atentado

Nice

Estado Islâmico

França

87

2017

Bombardeamento Mogadishu

Grupo ligado Al-Qaeda

Somália

587

2017

Ataque

Sinai

Estado Islâmico

Egito

311

2017

Ataque

Kabul

Taliban

Afeganistão

Mais de 150

Com a esmagadora maioria destes brutais atentados a terem origem nos terroristas bons

‒ Como a Al-Qaeda e o Estado Islâmico, terroristas mas apoiados pelos EUA/Sauditas ‒

E não pelos terroristas maus como os palestinianos do Hamas (da Al-Fatah ou da OLP) ou os iranianos do Hezbollah apoiados pelos Russos (e talvez pelos Chineses)

 

E no entanto não englobando nesse grupo dadas as mesmas senão piores consequências (mortais), grupos como os dos terroristas da Al-Qaeda e até do Exército Islâmico apesar das palavras (e assim mantendo as aparências) Efetivamente Financiando-os (e até do Hezbollah umas vezes aliado outras vezes inimigo, agora do lado de lá pela sua ligação ao Irão).

 

[Avi Dichter - responsável do comité de Negócios Estrangeiros e Defesa de Israel)]

 

(dados da tabela: wikipedia.org ‒ imagens: nytimes.com/independent.co.uk/wikipedia.org/wordpress.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:03

10
Nov 17

Transformado num Pesadelo Climatizado não apenas pelos Opressores (os que pagam)

Mas sobretudo pelos Traidores (os que recebem).

 

seguridad_trabajo_prevencion_riesgos_Blog_Reparali

Em vez de como prometido vermos os ROBOTS trabalhar, substituindo nas funções mais duras e complexas o HOMEM e dando-lhe mais tempo para usufruir, aceitamos a mentira como natural transformando-nos nós em verdadeiros ROBOTS.

 

Enquanto nos Estados Unidos da América prosseguem as “conversações” sobre a participação militar norte-americana em cerca de 140 países dos 5 Continentes (na ONU tendo assente 193 países, logo com os EUA intervencionando em mais de 70% deles) ‒ referenciando o início e intensificação dessa estratégia à data do ataque às Torres Gémeas (do WTC) em 11 de Setembro de 2001 ‒ começam agora a conhecer-se (melhor) os níveis astronómicos de dólares investidos nessas diversas intervenções militares (com a intervenção direta ou não de tropas norte-americanas, governamentais ou privadas ou então locais e associadas) levadas a cabo nestes últimos 16 anos.

 

E assim desde o 11 de Setembro de 2001 dia do Ataque de Terroristas da Arábia Saudita a território dos EUA ‒ com quase 20 desses terroristas sequestrando 4 aviões comerciais de passageiros e fazendo-os embater contra as duas Torres Gémeas (2 e com consequências trágicas), contra o Pentágono (1 apesar de ainda permanecerem muitas dúvidas, não se visionando no cenário nem o avião nem as vítimas) e pretensamente contra o Capitólio ou a Casa Branca (1 não chegando a atingir o seu alvo e despenhando-se na Pensilvânia) e provocando um total de 3.000 vítimas mortais ‒ com a América de imediato a responder e a atacar o Afeganistão e o Iraque e como consequência (desses ataques) fazendo alastrar o conflito (no Médio Oriente e em torno do Petróleo) e nele incluindo outras nações, levando a Guerra ao seu interior e destruindo outros estados (antes soberanos hoje quase inexistentes) como a Líbia, a Síria e o Iémen.

 

Face a todos estes conflitos (relacionados direta ou indiretamente com o Petróleo e o controlo dessa Fonte de Energia) e ainda contando com o reforço da presença dos EUA na Região da Ásia/Pacífico (onde reside atualmente o Centro Económico e Financeiro Mundial tendo a China como a Grande Protagonista), chegando o momento de dizer basta e de sugerir menos intervenção (ou seja dinheiro gasto muitas vezes descontroladamente) por parte dos norte-americanos: nos dias de hoje com milhares de norte-americanos presentes em mais de uma centena de países (nem se sabendo bem quantos nem por que motivo ‒ já perdidos no tempo) e com as despesas a estarem já a caminho dos 6 TRILIÕES de DÓLARES (na parte contabilizada e esquecendo os caminhos de intervenção/investimento paralelos, sendo legais ou consentidos).

 

Pelos vistos numa ação ainda sem grande impacto (apesar da intervenção do Secretário do Exército Ryan McCarthy) dado o recente anúncio dos EUA de que brevemente terá 16.000 tropas no Afeganistão (este ano de 2017 contando já com um reforço de 28.000 tropas e estando previsto para 2018 mais um reforço de 17.000). Um facto político-militar de fácil explicação, num momento em que Donald Trump é o 45º Presidente dos EUA (eleito a 8 de Novembro de 2016 e tomando posse a 20 de Janeiro de 2017) e sabendo-se como nestes quase 10 meses o mesmo foi diariamente atacado e insultado por quase todo o espectro político norte-americano (Democratas e também Republicanos incluídos) ‒ achando estar em causa a sua Existência e a manutenção dos seus Direitos Adquiridos (dos Políticos face à chegada inopinada dos Milionários) ‒ empurrando inevitavelmente o Presidente para as Mãos dos Militares e fazendo então a vontade destes, encontrando finalmente um Refúgio se não Interno pelo menos Externo:

 

military-cemetery.jpg

Um Tribunal onde infelizmente as vítimas estão todas presentes e onde os responsáveis por tais crimes em vez de passarem impunes aí deveriam ser julgados e enterrados vivos ‒ no fundo fazendo-lhes o que fizeram aos soldados.

 

Com o problema no entanto a agravar-se (já perto dos 6 Triliões) face à construção de novos cenários e à previsibilidade de novas Guerras e de novos Conflitos ‒ agora com a Coreia do Norte e com o Irão, num confronto indireto com a China (fazendo fronteira com a Coreia do Norte) e com Federação Russa (dada a sua presença na Síria contando com o apoio do Irão). E mesmo com a sua poderosa Máquina Militar e com todas as suas Impressoras a funcionarem, sendo na prática impossível controlar toda a Gente e todo o Mundo: como se pode ver no interior dos EUA com os Assassinatos em Massa a sucederem-se (muitas vezes com dezenas de mortos) verdadeiramente Sem Crime Nem Castigo (por isso se sucedendo sem parar), olhando-se sempre para os lados de modo a nunca se Ver (e aí confirmar a Evidência) a Causa Fundamental ‒ a Proliferação (Civil) de Armas. E com os EUA levando sempre atrás de si os terroristas (do Estado Islâmico e da Al-Qaeda E FINANCIADOS PELA Arábia Saudita) relevando como único grupo terrorista o HEZBOLLAH, apoiando-os no Iraque (e ao Governo Iraquiano no combate ao ISIS/ISIL) e no entanto sendo inimigos por apoiados pelo Irão.

 

Uma Federação de 50 Estados & Territórios tendo como ponto de implantação e de desenvolvimento o Norte do Continente Americano (antes na posse do seu povo indígena, hoje na mão de quem chegou, os venceu e colonizou, respondendo com balas às suas setas primitivas) ‒ em tudo parecido com a ocupação da Palestina pelos (seus amigos e aliados) Judeus expulsando as populações daí naturais e dando origem a Israel ‒ transformada e idealizada como a Maior Potência Global (Militar e até há pouco tempo também Económica e Financeira agora sendo posta em causa pela China dado o seu poderio Económico e a criação do seu próprio Banco Mundial) e categorizada como um exemplo a seguir por todas as Democracias de todos os Continentes (ou não fossem estes a afirmar-se como Excecionais/Obama/Democratas e estando em contacto direto com Deus/Bush/republicanos). Mas não como a THE UNZ REVIEW (unz.com) o indica, referindo-se a WASHINGTON como o MARAVILHOSO MUNDO DA CORRUPÇÃO (onde os ditos responsáveis políticos “se vendem a qualquer um e por qualquer coisinha”).

 

“If this corruption from the top down does not constitute a crisis that directly challenges the credibility of the entire U.S. political system, it is not clear what more would be needed to make the case. And it was not carried out by the Russians or anyone else seeking to bring down our so-called democracy. We Americans appear to have done it all to ourselves through inexplicable tolerance for a combination of greed and fundamental dishonesty on the part of our elected and appointed government officials.”

(Philip Giraldi/07.11.2017/unz.com)

 

599e89d589625.jpg

Morto o Rei e enquanto o Príncipe herdeiro se preparava para o trono, o irmão do Rei e seu sucessor interino resolveu antecipar-se (à passagem do testemunho para o seu sobrinho) declarando-se o sucessor e o seu filho como Príncipe, herdeiro e futuro Rei.

 

Nos últimos dias com uma Luta de Gangues a decorrer na Arábia Saudita como consequência da luta de sucessão pela conquista do trono (num dos países mais Conservadores do Mundo, com certos indivíduos promovidos a Príncipes e de seguida a tomarem conta das rédeas deste território, por coincidência rico em Petróleo) com o irmão do Rei falecido (Abdullah bin Abdul Aziz Al-Saud Rei da Arábia Saudita de 2005 a 2015) ‒ aí colocado interinamente como Rei ‒ desrespeitando certamente os propósitos do mesmo (rei anterior e seu irmão) a retirar (há já algum tempo) o filho do Rei da linha de sucessão (Mohamed bin Nayef) e aí colocando (em sua substituição e por sua deliberação) um filho seu nesse lugar: Mohammed bin Salman. Com um dos Gangues do Petróleo a derrubar o Outro, ocupando o Lugar deste e enviando o Outro para a prisão ‒ à falta de melhor e dadas as Altas individualidades em presença (príncipes e restante realeza) agora detidos no Hotel RITZ-CARLTON de RIADE apenas de 5 estrelas e um dos mais luxuosos da capital. E para mais facilmente se impor fazendo esquecer o Golpe e cativando para o seu lado o seu Povo, ainda com o seu pai vivo e sendo (agora) o Príncipe Herdeiro, praticamente assumindo poderes (como Rei) e passando desde logo à ação: oferecendo às mulheres a possibilidade de conduzirem (mas apenas automóveis), prendendo alguma da realeza acusando-a de corrupção (para satisfação dos pobres e marginalizados), pelo meio intercetando um Míssil (vindo do Iémen em Guerra com a Arábia Saudita, mas segundo os sauditas com o retrato agrafado do Irão) e finalmente mostrando o seu Espírito Guerreiro e Renovador, ameaçando o Líbano (e o seu 1º Ministro) e claro está o Irão (apoiando a oposição Iemenita) ‒ acusando-os de terem declarado Guerra à Arábia Saudita tendo esta (obviamente) que responder. Estando lançadas as Cartas (com os norte-americanos armando os Sauditas em contratos milionários) restando Interpretá-las (ou melhor Evitá-las) ‒ mas provavelmente já Sem Tempo e dada a forte Corrente (de Armas vindas de todos os lados).

 

(imagens: prevenblog.com ‒ wp.com ‒ aawsat.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:39

19
Jun 17

Iran Fires Mid-Range Missiles at ISIS in Eastern Syria

(Hana Levi Julian - 19.06.2017)

 

Irans-Emad-ballistic-missile.jpg

Míssil balístico de médio-alcance utilizado pelo Irão

(supondo-se terem lançado 6)

 

Numa mensagem simultaneamente dirigida aos EUA e a todos os países da região colocados sob a sua proteção (Arábia Saudita, restantes Países do Golfo ‒ eventualmente excluindo o Qatar ‒ e Israel), informando-os do seu poder e do respeito que todos deviam ter para com a defesa da soberania do seu território (e dos seus interesses económicos) como potência regional que já é.

 

Como resposta ao ataque dos terroristas do ISIS/Estado Islâmico levado a cabo no passado dia 7 de Junho na capital do Irão ‒ com dois atentados no mesmo dia um no Parlamento Iraniano e outro no Santuário sagrado de Imam Khomeini (ambos em Teerão) a provocarem 18 mortos e 52 feridos (sendo um deles um Parlamentar) ‒ os responsáveis militares iranianos informaram terem lançado ontem de uma base situada na parte ocidental do Irão vários mísseis na direção de instalações dos terroristas do ISIS situadas no leste Síria (e transitando entre os conflitos no Iraque e na Síria), segundo os mesmos aí instalada (na cidade de Deir ez-Zour) como um posto de Comando Central dos terroristas e desempenhando entre outras funções a preparação de veículos para ataques suicidas.

 

Pela distância a percorrer entre o Irão e a Síria (passando sobre o Iraque) tratando-se de um míssil balístico com alcance em torno dos 500Km e nesse caso podendo-se estar perante um dos seus mísseis considerados operacionais como será o caso do modelo Shahab 2 (com o Irão a possuir mísseis balísticos com um alcance máximo de cerca de 2.500Km ‒ o míssil cruzeiro Soumar considerado também operacional); no entanto e segundo o site iransview.com podendo-se tratar na realidade de mísseis do tipo Zulfiqar com um alcance de 750Km. Uma operação militar que terá tido sucesso com todos os mísseis a atingirem o alvo e a destruírem a base dos terroristas do Estado Islâmico (segundo as autoridades iranianas): um ponto estratégico nas vias de comunicação entre os dois países em Guerra Civil (Iraque e Síria) e envolvidos numa luta sem quartel contra os militantes do ISIS/ISIL (responsáveis pela perpetuação do caos na região e continuando a ser financiados pelo seu maior apoiante a Arábia Saudita), agora destruído pela coligação pró-regime Síria/Rússia/Irão/Turquia contra os desejos óbvios de toda a oposição ao regime sírio (ainda no poder) apoiada pela Arábia Saudita/EUA/Israel/ISIS.

 

snapshot iran.jpg

Um dos mísseis iranianos atingindo em cheio instalações do ISIS

(localizadas na cidade síria de Deir-ez Zour)

 

Deixando-nos aqui a pensar quais serão os planos mesmo a curto-prazo de um qualquer tipo de intervenção a ser lavada a cabo por parte dos EUA na região do Golfo Pérsico (não diretamente), sabendo-se de antemão que o seu grande aliado é a Arábia Saudita (agora a rebentar de armas graças a contratos de biliões) e o seu principal inimigo o Irão (apoiado pela Rússia). Uma nova Guerra do Golfo pondo todo o leste da Europa em polvorosa (próxima como está da Turquia), talvez alastrando para zonas Mediterrânicas do norte de África (como já acontece no Iémen podendo alastrar a vizinhos), colocando em sentido a Rússia (um dos vizinhos mais próximos e sujeita a atentados) e deixando a China surpresa (já que só pensa em dinheiro) e a UN mais uma vez inativa (com Guterres a cumprir com a tradição).

 

Com os EUA na poltrona a vender e também a receber (como única super potência global baseada na moeda e na bala) ‒ mas obviamente com os outros a não serem melhores e sendo preferível estarmos bem preparados.

 

[Ainda há poucas horas a ser a comunidade muçulmana em Londres a ser envolvida num incidente talvez sem significado político (andam por aí muitos malucos alguns deles diagnosticados) fazendo rejubilar os extremistas (da direita inglesa) e também os terroristas (do Estado Islâmico) ‒ e provocando 1 morto e 10 feridos, mesmo não sendo um ato terrorista.]

 

(imagem e dados: ali javid YouTube/iransview.com e jewishpress.com/csis.org)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:31

26
Mai 17

[Objetos encontrados em Manchester na cena do crime]

 

remnants-1.jpgremnants-2.jpg

Restos de roupa do bombista-suicida

 

item-1.jpgbattery-1.jpg

Interruptor e bateria de 12 volts da bomba

(imagens: nytimes.com)

 

Enquanto os ingleses choram as vítimas inocentes do atentado da cidade de Manchester (levado a cabo por terroristas), enquanto os EUA reabastecem com mais 100 mil milhões de dólares de material militar a Arábia Saudita (apoiante desses mesmos terroristas) e enquanto o que aconteceu em Manchester se replica até ao limite mais extremo em vários países do Médio-Oriente (como mais recentemente aconteceu no Iémen em que a sua população além de ser apanhada na ação rebelde contra o regime ainda levou com a poderosa Arábia Saudita em cima apoiada pela Al-Qaeda e pelo ISIS), certos da continuação do apoio (financiamento e cobertura) por parte dos sauditas ‒ no tal contrato assinado (pela Casa Branca) aquando da visita aos Monarcas ‒ eis que os mesmos (terroristas) celebram e nem sequer o escondem:

 

ISIS Supporters Celebrate Ariana Grande Concert Explosion in Manchester”.

(newsweek.com)

 

DAeKgznWsAA7ES9.jpg

No claim regarding blast in #Manchester, but #ISIS accounts celebrating the attack, disseminating media & threats

(Rita Katz - twitter.com)

 

Entre outros aspetos o atentado terrorista ocorrido em Manchester serviu para nos mostrar que nos EUA existem certas Entidades que ao contrário do que se pensava têm acesso ilegal (e como tal constituindo um crime) a conteúdos confidenciais (e como tal estratégicos e fundamentais para a defesa dos EUA podendo ser considerado traição), servindo-se desses conteúdos no se próprio interesse e se possível manipulando-o nem que seja pela oportunidade: da mesma forma e recorrendo aleatoriamente a fontes verdadeiras ou falsas (conforme o interesse), num caso publicando quase sem querer notícias sem crédito mas certamente picantes apenas porque lhes chegaram às mãos (como por exemplo tentando ligar Trump a Putin), outras antecipando-se à razoabilidade e à decência e parecendo não perceber qual o mal como se inocentemente nada tivessem a ver com o assunto (mas afinal como é que lhe chegaram estas informações ainda sigilosas) dizendo logo tudo sem se preocupar com as consequências desde que não sejam para quem os financia. Só mesmo o NYT.

 

No Mundo da Política tal como em todas as outras partes do Mundo (todos eles Paralelos e tendo como modelo o Homem) mais cedo ou mais tarde e por mais que as aparências iludam (com a Ilusão hoje já fora de moda face à dureza atual da Manipulação e do Condicionamento e com estes parâmetros nem sequer necessitando de estratégias subliminares de intrusão e de consolidação) a Realidade que nos rodeia e encaminha (para a satisfação das necessidades de manutenção do Sistema) acaba sempre por triunfar no final: acabando por nos expor toda a hipocrisia e violência integrando cada decisão coletiva assumida sempre em nosso nome (e na defesa do nosso Grupo), sob a orientação de alguma Entidade da nossa Espécie mas de um nível Superior (por seleção e certificação), mesmo com a base não a vendo mas religiosamente acreditando Nela: num Passado ainda muito recente (numa História do Homem curtíssima num cenário geológico de biliões de anos) com o topo da Pirâmide a entregar armas a quem lhes obedecesse, respeitasse e replicasse (numa Estrutura Militarizada baseada no poder das Armas) e na parte da cronologia Presente de alguma Humanização e Paixão (Caridade) por parte de alguns descendentes do topo dessa Hierarquia (na verdade ao verificarem que as armas se poderiam virar contra eles), mantendo a ideologia (no fundo a falta dela unicamente baseada nas trocas), a própria arquitetura (dos edifícios militares/escolares), reencaminhando os exércitos (formando-os por formatação), tornando-os mais civis e humanos (especializando-os na sua Ignorância) e como comprovativo, entregando-lhes um Manual de Instruções (Diploma) antes de lhes colocar esta (papel) e outras armas na mão (pistola) ‒ sabendo todos nós como o papel também corta, fere e faz sangrar.

 

“U.S. Army Lost Track of $1 Billion Worth of Weapons and Equipment … In arms manufactured in the U.S. and other countries winding up in the hands of armed groups known to be committing war crimes and other atrocities, such as the Islamic State militant group (ISIS).”

(newsweek.com)

 

isis-1.si_.jpg

Approximately 100% of ISIS’ arms originally belonged to the US government. The official explanation is “lol we have no idea what the fuck we are even doing lol sorry.”

(Andrew Anglin - Daily Stormer)

 

Com o nosso planeta pelo menos na sua parte Ocidental a continuar a acreditar num único Monstro Todo-Poderoso e apesar de novo já tornado Admirável e Mítico ‒ por critérios de Excecionalidade e controlo de Qualidade (não sendo certamente Deus mas Algo à semelhança do Homem) ‒ deixando-o fazer o que quer (por obediência e covardia conjunta, deste e nossa), deixando-nos cair na apatia (arrastando outros connosco) e aceitando o nosso destino com a morte como prémio (com o Céu à nossa espera e de todos os pobres de espírito).

 

Pelo que os episódios diários que se passam um pouco por todo o planeta envolvendo cenas mais ou menos chocantes ou até mesmo brutais (com muitas delas a poderem ser evitadas se houvesse um simples instrumento de comunicação e de diálogo), uns noticiados (uma minoria e por estratégia) outros não (a esmagadora maioria e para poderem manter silenciosa a evolução do processo), se por um lado pela repetição continua dos mesmos nos levam à indiferença e à aceitação de novos padrões de normalidade (continuando escondidos debaixo do tapete mas devido ao relevo formado sendo o ponto onde a maioria dos interpretes oficiais tropeçam), por outro lado dão origem a Eventos de tal forma evidentes e dramáticos que mesmo não os querendo ver ou tentando-os integrar (culpando outros) nas forças incontroláveis da Natureza (de que o Homem faz parte), ao aflorarem à superfície no meio de tantos cadáveres nos proporcionam espetáculos inacreditáveis e para alguns incompreensíveis (para que servem os nossos ditos representantes?); como o da obliteração da sociedade iraquiana (Rica em Petróleo) da base até ao topo e da sua matéria-prima aos seus recursos humanos (roubando, destruindo e matando); do desaparecimento de um país soberano como a Líbia (Rico em Petróleo) hoje entregue a mercenários e terroristas, sem verdadeiro Governo e pouco se sabendo da sua população; do ataque e invasão da Síria (fazendo fronteira com o Iraque e não apoiando o conflito) por verdadeiros exércitos de terroristas rodeando os cadáveres como abutres e terraplanando pessoas e infraestruturas; e ainda por extremamente doloroso e decorrer no silêncio mais absoluto e intolerante (onde está o jornalismo?) o genocídio no presente em curso no Iémen levada a cabo pela Arábia Saudita graças aos biliões de armas vendidas pelos norte-americanos e ingleses (estes como poderiam ser outros). Na Europa com a Guerra já tendo chegado sob a forma de Migrações (de algumas das vítimas) acompanhadas de Atentados (de terroristas infiltrados legal ou ilegalmente): sempre com as mesmas vítimas (os cidadãos) e com aqueles que nos deveriam defender (os políticos) a dizerem-nos para nos habituarmos aos tempos que já aí estão. Senão será pior.

 

(imagens/legendas: newsweek.com e dailystormer.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:18

20
Dez 16

Com a América a Mudar e a Europa sempre no Caminho

(agora Berlim)

 

“Russia’s ambassador, Andrey Karlov, 62, was shot and killed in the Turkish capital while delivering a speech at an exhibition hall on Monday. The man who assassinated the Russian diplomat was identified as a 22-year-old Turkish riot police officer.” (rt.com)

 

585820ca1c00000a070ec5a3.jpeg

Segurança que terá assassinado a tiro e pelas costas o embaixador da Rússia na Turquia

 

Numa resposta imediata à entrada das forças do exército sírio apoiadas pela força aérea russa na cidade martirizada de ALEPPO (falando da inocente população civil apanhada entre forças pró-russas apoiando o ditador Bashar al-Assad e pró-norte-americanas apoiando os terroristas do Exército Islâmico), um dos lados como sempre escondendo-se atrás dos seus associados no terreno e desse modo aparecendo de uma forma aparentemente inocente como uma terceira parte neutra e negociadora, acaba de cumprir a ameaça velada e recentemente veiculada pelo seu ainda representante máximo (Barack Obama) como resposta à pretensa intromissão russa e do seu presidente (Vladimir Putin) nas Eleições Presidenciais dos EUA (apoiando Donald Trump e minando a campanha de Hillary Clinton): sugerindo através de uma expressão bem explícita (para quem o quis ouvir e face à evolução registada em Aleppo) que a Rússia não teria que esperar muito tempo até ter uma resposta apropriada executada por parte dos norte-americanos.

 

E como a voz do dono chega sempre e em primeiro lugar aos seus súbditos mais leais (fundamentalmente aos mercenários que aceitam matar por dinheiro para a concretização de uma ideia que nem é sua) eis que os executores o ouviram e passaram de imediato às ação (entendendo que a autorização superior tinha-lhes efetivamente sido dada). De imediato surgindo nos noticiários de todo o mundo e ainda antes de terminar o ano (ainda-por-cima na quadra natalícia e nas vésperas de mudanças radicais na administração norte-americana) o atentado em Aleppo, o assassinato do embaixador russo e finalmente (para já) o atentado em Berlim.

 

585820cb1800002c00e43705.jpeg

Gritando palavras de ordem com o embaixador russo já morto e prostrado a seu lado

 

Nestes três episódios de mais esta série violenta e mortal envolvendo dois grupos poderosos e fortemente armados (aplicando-se intensamente sobre um território e população indefesa de modo a mantê-los subjugados) e tendo como protagonista evidente e dedicado o Estado Islâmico (do outro lado estando Bashar), com estes últimos a ameaçarem de morte a população síria (em fuga de Aleppo e entalados entre forças do Governo e terroristas), a Rússia (apoiando o inimigo centrado na figura de Bashar) e todos os outros que de uma forma ou de outra não os apoiando, naturalmente estarão contra eles sendo como consequência óbvia infiéis a abater (à sua causa se é que existe alguma senão a manutenção da supremacia dos grandes interesses e das grandes potências): o Ocidente e sobretudo a Europa.

 

Com o Mundo a ter que se sujeitar à apresentação de episódios como este, como se já não soubéssemos que se tornou banal, matar qualquer homem que seja: esteja ele na base ou no topo mas desde que contrarie alguém. Um verdadeiro retrato da nossa condição atual: sem valores a não ser o dinheiro. Deixando-nos perplexos por ninguém nada fazer (com poder para tal) mesmo com a carruagem a continuar a rolar impávida e serena em direção ao abismo.

 

[Com a Alemanha a utilizar a Europa sem usar preservativo: lixando-nos e lixando-se a ela.]

 

(imagens: huffingtonpost.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 10:25

09
Ago 16

“Em mais um Incidente Ocasional

Que por evolução natural se metamorfoseia invariavelmente em Coincidência Acidental

(a melhor justificação para um crime perfeito)

Os terroristas do Estado Islâmico

Foram de novo reabastecidos pelo Amigo Americano.”

 

_90703514_13a9469b-0871-4276-878a-a37a1f4d9d7b.jpg

 

ISIS Captures US Weapons, Equipment in Afghanistan

Pentagon Denies Report Soldier Was Captured Along With Gear

(Jason Ditz/antiwar.com)

 

Enquanto a Guerra na Terra continua inacreditavelmente a proliferar e a expandir-se (dramaticamente) num caminho por nós previamente escolhido e inequivocamente caraterizado como sendo uma opção única e sem qualquer hipótese de retorno (pondo em causa a sobrevivência da própria espécie por sinal a Dominante), no Hemisfério Norte agora que usufruímos das delícias que nos propõe este há tanto esperado período da estação de Verão (em que após um ano em que fomos convidados apenas a trabalhar sem pensar, nos decidimos por rebeldia obediente nem trabalhar nem pensar), toda e qualquer informação que nos perturbe ou condicione neste tempo necessário e fundamental de relaxamento, além de Banal (o que já é o ano inteiro) tornar-se-á insuportável e porventura Ilegal.

 

1037345855.jpg

Militantes Talibã

 

Pelo que notícias chegadas em pleno mês de Agosto (precisamente quando a maioria das pessoas estão de férias, de fora das suas casas e temporariamente ausentes das suas funções quotidianas), passa estratégica e imediatamente de simples informação a pura provocação (nestes cérebros antes estáticos e paralisados e agora por efeito das temperaturas elevadas em notório sobreaquecimento): ninguém querendo saber (por favor…) do que na realidade se passa no Mundo (mesmo na nossa terra). Concluindo-se que notícias chegadas do Afeganistão indicando que os terroristas do ISIS capturaram mais armamento de origem norte-americana alegadamente enviado para outros fins e destinos, além de ser banal nesta altura cai mesmo mal.

 

1036088368.jpg

Os DRONES anti Talibã e anti ISIS

 

Temos que compreender que segundo o Novo Testamento Readaptado à Nova Realidade do Mundo (numa nova e melhorada versão dos Tempos de Ouro da Idade Média – com o Rei, a Nobreza e o Clero de um lado e a plebe e os restantes animais do outro), o mesmo (o Reino) se divide em duas partes bem distintas e perfeitamente simétricas (anulando-se e autodestruindo-se): ideológica como religiosamente o Bem (hoje em dia tal como G. W. Bush afirmava representado pelos EUA os representantes de Deus na Terra) e sem nenhuma referência ou objetividade o Mal (hoje em dia e após a última atualização dos Serviços Secretos norte-americanos personificado no diabólico Vladimir Putin). Apesar da última candidatura proposta por Hillary Clinton (pelos vistos com sucesso nas sondagens), contando para o efeito com a participação do seu convidado especial Donald Trump.

 

isis_2.jpg

Militantes do ISIS

 

Um conflito que se estende cada vez mais a outras Zonas do Globo Terrestre (adjacentes mas não só) – talvez porque os seus patrocinadores e financiadores se estendam e o apoiem desde territórios exteriores, estando pelos vistos muito interessadas no desenvolvimento deste conflito com milhares de mortes, feridos e deslocados (e sendo ainda complementarmente acompanhados pela total destruição das infraestruturas básicas do Estado (para impedir qualquer tipo de recuperação dessas infraestruturas): tão claro como isto e como toda a gente facilmente compreende (se quiser pensar apenas um poucochinho). Neste caso particular do Afeganistão com os terroristas TALIBÃ/ISIS a afirmarem terem recuperado na província de NANGARHAR um carregamento de armas norte-americanas destinados ao Governo, num acontecimento explicado pelo PENTAGONO como tendo sido motivado pelo abandonado de algum armamento no local, durante um violento combate registado no passado mês de Julho e durante o qual se registaram 5 feridos entre os militares dos EUA.

 

(imagens: blazingcatfur.ca/tjcnewspaper.com/thehill.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:40

22
Jul 16

Depois do Iraque e da Síria talvez a vez da Turquia!

 

“Se antes do pretenso golpe militar Erdogan ainda era obrigado a manter a torneira relativamente controlada (no fluxo e refluxo fronteiriço entre a Turquia e a Síria – com refugiados, terroristas, armas e petróleo a cruzarem-se na canalização), após este último episódio (de suicídio golpista) vê-se agora justificado e completamente de mãos-livres. A Alemanha que se proteja contra uma vaga de atentados.”

 

CnwXHaiXEAACSFI.jpg

Consequências de mais um ataque aéreo no interior do território da Síria

Levado a cabo pela coligação liderada pelos EUA

 

Para aqueles que ainda têm dúvidas sobre a virtude da utilização de armas para a resolução de conflitos, basta olhar para a imagem seguinte com um mínimo de atenção e de sensibilidade animal (afinal de contas os animais só matam por necessidade/para comer), para imediatamente se compreender que de armas só se socorrem os assassinos.

 

Como é o caso deste momento brutal e criminoso aqui exposto como testemunho e em papel, demonstrando como ataques aéreos lançados contra os terroristas do ISIS por potências exteriores ao conflito (neste caso os norte-americanas como poderiam ser os russos) acabam por se transformar em verdadeiros genocídios de civis.

 

Levado a cabo nas proximidades da localidade síria de Manbij (pretensamente num bombardeamento a locais controlados por grupos de terroristas), mas que no final acabou por provocar a morte de dezenas de inocentes civis, por azar aí presentes como sua terra de nascimento. Como milhares de outros casos (com velhos, mulheres e crianças) nunca relatados.

 

Num momento de grande gravidade e tensão para todo o Mundo e para todos os seus 7 biliões de habitantes, em que uma Guerra Civil generalizada que se estende por todo o território do Iraque e da Síria desde há já vários (e muitos) anos, se prepara por contágio e com a colaboração preciosa de mais um ditador (já numa fase de purgas pós-golpe) para alastrar à Turquia.

 

BREAKING NEWS:

Police suspect terror in Munich mall shooting amid reports of at least 6 dead

Hunt for one or more shooters underway

(foxnews.com)

 

(imagem: Twitter/Haidar Sumeri/@iraqsecurity)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:15

18
Nov 15

Quando todas as evidências pareciam apontar de uma forma avassaladora em sentido contrário, a partir do 11 de SETEMBRO de 2001 ainda mais se fortaleceram as relações entre os EUA e a Arábia Saudita. E depois veio a AL-QAEDA e o ESTADO ISLÂMICO.

 

54DEF953-26F8-4C8B-BFF9-41F65464835E_mw1024_s_n.jp

 

"A bomb was smuggled onto the airplane, leading to the deaths of 219 Russians and 5 other crusaders only a month after Russia's thoughtless decision."
(DABIQ – Jornal oficial do grupo terrorista Estado Islâmico)

 

Ao mesmo tempo que os terroristas do Estado Islâmico se vangloriam pela carnificina provocada neste último fim-de-semana na cidade de PARIS, a mesma organização criminosa e mercenária confirma a sua autoria na matança de todos aqueles que se encontravam a bordo do jato RUSSO.

 

“Jihadists had initially planned to down a plane belonging to the U.S.-led coalition conducting an air campaign against Islamic State fighters in Iraq and Syria.
The Russian passenger jet was targeted after Moscow began its own air attack in September against Syrian rebel groups fighting forces loyal to Syrian President Bashar al-Assad.”

 

EFADFC33-639B-4530-8FAF-4CC7D964BE53_cx0_cy26_cw0_

 

Para além do pormenor amplamente divulgado de que um engenho explosivo teria explodido no interior do avião russo, fazendo-o despenhar-se no deserto do Sinai e provocando 224 vítimas mortais (segundo as autoridades russas o engenho explosivo não estaria no setor de carga); para além de se saber agora que o explosivo (que haveria por fazer cair abruptamente o avião e levar ao colapso da sua estrutura) se encontrava no interior de uma lata de refrigerantes; o que mais chama à atenção (acho eu) neste comunicado agora divulgado pelo Estado Islâmico (a ser verídico) é o detalhe produzido ao referirem-se às suas vítimas:

 

Versão Russos Ucranianos Bielorussos Cruzados Total
Da Rússia 219 4 1 0 224
Dos Estados Islâmicos 219 0 0 5 224

 (nacionalidade das vítimas a bordo do jato russo)

 

O que não se compreende é que nenhum comentador faça uma referência a este (não assim tão pequeno) pormenor, além da divulgação da própria citação atribuída aos terroristas (até pela associação das nacionalidades presentes no avião com o conflito Rússia/Ucrânia – e possíveis ligações a outras redes terroristas). Num momento em que todos os responsáveis políticos mundiais parecem querer acabar com estes e outros grupos terroristas de vez, esquecendo hipocritamente a posição dúbia (e por isso mesmo pró-terrorista) de alguns deles e de outros. Mas será que ainda alguém tem dúvidas sobre quem patrocina, financia e promove estes grupos? No caso do voo 9268 da METROJET os Cruzados do Estado Islâmico eram 5!

 

(imagens e textos/itálico: VOICE OF AMERICA)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:34

Julho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

15

24
25
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO