Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


1º de Agosto em Albufeira

Domingo, 01.08.21

“No dia em que nos chegam notícias de 1.200 jovens com mais de 12 anos vacinados na Madeira (enquanto no continente ainda se pensa, se sim ou não), em que mais um desportista português ganhou uma medalha olímpica (depois de Jorge Fonseca com a medalha de bronze no judo, seguindo-se Patrícia Mamona com a medalha de prata no triplo salto) e em que a Câmara de Monchique vai comprar um castelo (sorte a dele, o Castelo de Alferce, um povoado fortificado podendo voltar à vida graças ao Presidente, ao dono do terreno e a um grupo de arqueólogos).

SnapShot-20210801_140747.jpg

Albufeira 01.08.2021 14:00

Com um pouquinho de chuva a norte, com o céu meio encoberto ao centro e com o Sol um pouco mais azul a sul, em Albufeira conhecida como a capital turística do Algarve (administrativa sendo Faro), registando-se por volta das 14:00 deste domingo (1 de agosto de 2021) uma temperatura de cerca de 30°C (sensibilidade térmica de 28°C), vento moderado (de norte) e nível 8 de índice de raios ultravioleta (muito alto).

Com a temperatura da água do mar a andar por volta dos 18°C (convidando ao banho, sem grande choque térmico à entrada) e como se vê por estas imagens, com a superfície da água a apresentar-se tranquila e serena, quase sem ondas, mostrando-se não propriamente como esperaríamos numa baía de mar, mas mais como se estivéssemos num lago: num cenário de paz e sossego duma praia com Sol e junto ao mar, podendo-se ainda juntar a vantagem de se estar integrado num espaço, no presente com uma lotação agradável por sempre e garantidamente  limitada (havendo largo espaço para todos) ─ pelo Covid-19 e pela ausência de turistas sobretudo estrangeiros (por cá andando portugueses e uns poucos espanhóis).

SnapShot-20210801_140829.jpg

Albufeira 01.08.2021 14:00

Nestas duas imagens (deste 1º de agosto) da responsabilidade das câmaras exteriores do Hotel “Sol e Mar” ─ apresentando-nos a praia que nos aparece depois do túnel de acesso à mesma (vindo do centro da cidade velha), antes praia do Túnel e agora dando acesso (assim diz a placa de apresentação no areal) à “Praia do Peneco” ─ sendo visível a tranquilidade deste cenário, até pela falta notória de gente na praia: de momento com a esmagadora maioria deles sendo turistas nacionais sobretudo de metade do país para baixo e esperando-se ainda a chegada em força da gente do norte e ainda como não poderia deixar de ser dos emigrantes (podendo estes todos ser o “desfibrilador” para um regresso da esperança e da Vida ao Algarve).

Num dia em que a região algarvia registou +241 Infetados e +1 Óbito ─ de Covid-19 ─ inserida num contexto Global onde até hoje se registaram (desde o início da Pandemia) quase 199 milhões de Infetados (média de 383,5 mil Infetados/dia) e mais de 4,2 milhões de Óbitos (média de 8,2 mil Óbitos/dia). Numa média anual muito próxima dos 3.000.000 de vítimas mortais/ano, com a introdução das vacinas neste ano de 2021, necessariamente e pela sua eficácia (constatada), em tendência decrescente (de 2020 para 2021).

(imagens: albufeira.com/webcam/solemar)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:46

Albufeira SCI-FI ─ Blade Runner/Nova Geração

Sábado, 10.07.21

Na sequência de um mundo ainda hesitante e negacionista quanto à inevitabilidade da introdução na sociedade humana de réplicas (inicialmente vistas apenas como máquinas de substituição, ou como robots) e um outro mundo subsequente em que os “replicantes” já foram integrados e em que o que se tratará depois ─ sendo o centro atual do nosso pensamento e da nossa resiliência (como espécie) ─ será doravante o problema existencial da presença do Homem neste Mundo: de uma forma ou de outra, mais cedo ou mais tarde e como nómada que sempre foi (adepto do movimento e da vida) saindo da sua zona de conforto e transformando-se “num estranho numa terra estranha”, num aventureiro, numa criança (ainda com sonhos e ideias), num migrante cósmico.

filmes-netflix-outubro-2020-696x391.jpg

Blade Runner 2049

 

Num futuro próximo na cidade de Albufeira talvez menos distante do que se pensa, um possível cenário enquadrado no seu horizonte visual, apresentando-nos como protagonista um espetáculo-de-luz-extremo, nunca observado antes no decurso do seu ciclo anterior ─ o ciclo de “monocultura turística”: a este ciclo e aproveitando as infraestruturas existentes, podendo-se seguir (a crise e o vírus podendo contribuir para tal) o ciclo de “monocultura de hidrocarbonetos”.

E5eUoaMXEAMZm_O.jpg

Hoje explorando o turismo

Num mundo alternativo correndo em paralelo e podendo coincidir, com todas as infraestruturas turísticas e os negócios associados, a serem aproveitados (em dormitórios), reconvertidos (em estaleiros) e redirecionados (para a exploração/distribuição de gás/petróleo), sendo as câmaras filiais público-privadas da concessão. De uma monocultura passando-se de imediato para outra (o que não se estranha entranha-se, contribuindo decisivamente para a produção de novos escravos), não se tratando de um cenário imaginário ou de ficção científica, mas algo de real apenas sendo descrito em antecipação: um cenário sugerindo o outro dada a presença pirotécnica.

 

Na execução de um guião (mesmo não tendo um início parecido) podendo ter um final semelhante ao aqui retratado (o que interessa a toda a gente, as reais consequências), com uma forte explosão a ocorrer no mar Cáspio a poucos quilómetros da costa do Azerbaijão (a 30Km) e a ser observada mesmo na sua capital Baku, a 75Km de distância: iluminando e colorindo de vermelho, toda a camada atmosférica envolvente. Como se do interior da cidade de Albufeira, de uma das marginais das suas praias ou mesmo navegando ao largo da sua baía, em vez do habitual fogo-de-artifício, víssemos em sua substituição e em direto (ao vivo) uma “grande explosão e erupção submarina”.

Screenshot 2021-07-09 at 12-21-17 Large explosive   P0p-FGm6er7FMKcF.jpg

Amanhã explorando os hidrocarbonetos

De qualquer marginal da costa algarvia incluindo a antiga capital (do ciclo anterior) Albufeira, podendo-se então assistir ocasionalmente (ou não) a espetáculos brutais e explosivos de fogo e material ejetado como nunca visto, com condutas submarinas transportando o produto resultante da extração até às diversos portos/marinas (da região) ─ agora transformados em terminais (entrepostos) ─ desviando-o até ao grande centro petroquímico da Península Ibérica localizada na então “dedicada” barragem do Alqueva e finalmente exportando o produto resultante para todo o Mundo via porto de Sines ─ região do sul do Tejo (Alentejo/Algarve) transformada no futuro numa zona estratégica do Atlântico/Mediterrâneo.

 

No caso da explosão submarina ocorrida no mar Cáspio (ao largo do Azerbaijão) ─ com a mesma a ter ocorrido no passado dia 4 de julho pelas 21:45 (hora local) ─ sendo tal evento justificado pela erupção submarina de um vulcão de lama (onde eles realmente predominam), apesar desta ter ocorrido na mesma região do litoral azeri onde existem campos de exploração (offshores) de gás e de petróleo: não existindo notícias de qualquer tipo de ocorrências envolvendo plataformas ou navios da concessionária destes campos de exploração ─ a SOCAR ─ todos apontando para a versão “vulcão-de-lama”, mesmo que um dia (dados os mesmos compartilharem o mesmo espaço) seja mesmo uma explosão, mas de origem artificial (com intervenção do Homem). Explosão num campo de exploração de gás ou de petróleo (de hidrocarbonetos) poluindo todo um ambiente marinho e inevitavelmente, contaminando todas as áreas adjacentes (marítimas, terrestres, aéreas) destruindo por contágio ecossistemas inteiros.

(imagens: guiadanetflix.com.br/watchers.news/Caucasus War Report/BNO News)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 11:51

E o Verão (Turístico) lá se foi

Sexta-feira, 18.06.21

 

Portugal, Rússia e Reino Unido na liderança europeia dos crescimentos de infetados/semana, para além de (hoje 18 de junho e na Europa) 5º em novos casos de infeções/dia e 16º em nº Óbitos/dia. No Ranking Mundial (total) ─ mais de 178,5 milhões de Infetados e mais de 3,8 milhões de óbitos ─ 30º a nível de Infetados e 31º a nível de Óbitos (entre 222 estados/territórios).

Com a 1ª Vaga (iniciada por volta de março 2020) a atingir o seu pico máximo de infeção (1.726 Infetados/dia) a 10 de abril de 2020 (pico máximo de óbitos a 3 de abril, com 37 Óbitos/dia),

Imagem1.jpg

Tentando encobrir a sua ineficácia atual, dado todos os parâmetros Covid-19 estarem em subida (agora podendo-se afirmar, sustentada), com o Ministério da Saúde a informar-nos da incidência insignificante da doença (mais de 17.000 mortos) com a sua taxa de mortalidade nos 2% (sobre a totalidade da população 0,2%)

 

Com a 2ª Vaga (iniciada por volta de outubro de 2020) a atingir o seu pico máximo de infeção (7.535 Infetados/dia) a 4 de novembro de 2020 (pico máximo de óbitos a 13 de dezembro, com 98 Óbitos/dia),

E com esta 3ª Vaga (iniciada por volta de janeiro 2021) a atingir o seu pico máximo de infeção (16.432 Infetados/dia) a 28 de janeiro de 2021 (pico máximo de óbitos a 28 e 31 de janeiro, com 303Óbitos/dia),

Pelo crescimento registados nos últimos tempos na generalidade dos parâmetros Covid-19 e dado algo de parecido ter já sucedido no ano anterior (ano da chegada da Pandemia),

Podendo-se estar perante (e apenas) uma fase intermédia correspondente a toda esta estação do Verão (se o crescimento acabar por estabilizar, dentro de determinados limites de segurança),

No entanto e em sentido contrário sendo desde já um aviso, da chegada próxima de uma nova vaga relevante:

Não arrancando de imediato (o Brasil atravessou o Inverno e o Verão com a Covid-19 sempre bem presente) mas podendo ser ainda mais infeciosa.

Imagem2.jpg

Observando a evolução destes cinco parâmetros Covid-19 indicados nestes gráficos, sendo preocupante o esboço do desenho que se vai desde já observando, sabendo-se da inexistência de campanhas maciças de testagens (tornando as análises e os controlos menos rigorosos) e que apenas 1 em cada 4 portugueses estão vacinados

 

E estando-se este ano de 2021 com cerca de 1/2 meses de avanço sobre o ano de 2020 (olhando para esta Pandemia), sendo bem provável que os primeiros indícios de que algo não estará a correr pelo melhor (findo as férias grandes),

A poderem ocorrer não pelo mês de outubro (depois do fim do Verão) mas pelo mês de setembro (ainda durante a estação do Verão).

Significando que seja o que for que aconteça daqui em diante a nível da evolução da Pandemia Covid-19, depois do “adeus britânico”, depois do esperado “adeus europeu” e agora até e pelo que se perspetiva no presente,

Depois do “adeus português” (1/3 dos portugueses estando cercados em Lisboa), este ano de 2020/21 indo ser certamente um dos piores de sempre batendo negativamente a nível TURÍSTICO, o Verão do ano passado.

Uma tragédia para o Turismo, uma tragédia para Portugal, uma tragédia para o Algarve, com culpados bem identificados e respetivos nomes,

De indivíduos sendo capazes de trocar um ano de vida turístico do seu país, por uma página final de glória (até que pessoal, tendo o seu nome de alguma forma aí inscrito) na Liga dos Campeões.

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:46

Algarve ─ 2º Verão Covid-19

Terça-feira, 15.06.21

No “Fio da Navalha” e pela falta flagrante de apoio,

(daqueles que lá, sempre deveriam estar)

prestes a perder a esperança.

Nesta segunda-feira 14 de junho ─ a uma semana do início da estação do Verão (o 2º consecutivo com Covid-19) a 21 de junho (assinalando o início da época Alta do Turismo em Portugal e no Algarve) ─ com os parâmetros Covid-19 a continuarem a revelar alguma instabilidade, apesar de apresentarem valores ainda baixos, mas por outro lado mantendo simultaneamente uma preocupante tendência de crescimento.

Imagem1.jpg

1.       Situações vergonhosas, a falta maciça de testagens (até para se detetarem focos/vias de transmissão) e de já neste momento do processo, só 20% do total da população estar completamente vacinada;

E se nestes últimos 14 dias o índice de transmissibilidade R(t) cresceu apenas 3%, já no caso dos Infetados/dia com os mesmos a subirem no mesmo período 41% e ainda com a taxa de incidência (novos casos de Infetados/100.000 habitantes num período de 14 dias) a subir igualmente 34%.

Perdido o “Verão Britânico” e em riscos de se poder perder igualmente o “Verão proveniente de outras paragens”, tal como em 2019/2020 com o Turismo Nacional a poder não ser a “salvação do setor”,

Sendo infelizmente (agora em 2020/21) apenas mais um remendo para o mesmo e não se sabendo se seguro (se efetivamente “colando/tapando” o furo) ─ dado ainda ser aplicado sobre os restos do remendo anterior (o 1º Verão Covid-19).

Imagem2.png

2.       Sendo já uma vacina do ano anterior, necessitando de reforço (tal como com a vacina da gripe, para manter o seu efeito, sendo anualmente atualizada) e parecendo inalcançável a imunidade de grupo.

Num momento de relaxamento em que vez de se atacar a doença (tratando-a, é certo que sendo mais caro) em sua substituição aplicando-se “medidas analgésicas” (estendendo no tempo, saindo-lhes mais barato, até em recursos) e como lógica consequência não existindo evolução (na doença) apenas um crescimento lógico da dependência.

Podendo-se afirmar este ano (decurso da vaga 2021) estar-se com 1 a 2 meses de avanço (sobre a vaga de 2020), com tal significando estar-se perante um próximo (por possível) e “novo avanço do coronavírus”, não depois do fim do Verão, mas mesmo antes deste terminar:

Ou não tivesse o Brasil já com várias variantes disponíveis, atravessado o Inverno e o Verão, sempre assolado (em Infetados e Óbitos) por esta Pandemia (c/ o vírus e os seus descendentes, em colaboração com o motard-presidente Bolsonaro, não dando um “palmo-de-vida” ao povo brasileiro).

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais/WEB)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:43

Surpreendidos Só Se Formos Nós

Sexta-feira, 04.06.21

Portugueses e britânicos, patrões e empregados ─ os chamados peões ─ mas nunca o sendo os políticos (cavalos, torres e bispos), jogando sempre os seus planos/objetivos, utilizando os peões como isco: os britânicos mais clarividentes (em cima/decretando e em baixo/obedecendo) assumindo a sua Monarquia (Rei/Rainha), mesmo o seu líder apesar de espetacular ser na realidade virtual. Pensando, no entanto, e tal como num tabuleiro de xadrez, que apesar da limitação deste sendo infindáveis o nº de alternativas, dada a participação de 32 peças podendo ser distribuídas por 64 lugares.

NINTCHDBPICT000656221425.jpg

Chegada ao Porto

Britânicos com indicação de chegada (sem problemas) a partir de 17 de maio e realizada a final da Liga dos Campeões a 29 de maio (ainda sem problemas), com indicação de partida (dado problema entretanto surgido) ─ e depois de muita reflexão entre o fim de maio/início de junho ─ a partir de 8 de junho

Partida de Lisboa

NINTCHDBPICT000657198676.jpg

Pretensamente surpreendidos com a tomada de posição da Grã-Bretanha, relegando de novo Portugal para o grupo de países necessitando de um período de Quarentena, pretendendo efetuar viagem (de turismo/de negócios) entre os dois países ─ e conhecidas as declarações recentes (final de maio) do Ministro responsável pelo processo de vacinação (Nadhim Zahawi), indicando que o levantamento total das restrições previsto para o próximo dia 21 de junho, estaria dependente da análise da evolução da Pandemia até essa data ─ perante o quadro epidemiológico da Grã-Bretanha, no presente e aparentemente dando protagonismo à estirpe/variante indiana, tida como possível responsável por um novo recrudescimento do nº de casos de infeções (na “Ilha”) e ainda pela indefinição da eficácia das vacinas disponíveis no combate a esta nova estirpe/variante e ainda e por outro lado (“para se dançar tendo que existir no mínimo um par”) face ao crescimento dos diversos parâmetros Covid-19 em Portugal, apesar de ainda com valores baixos mas dada a sua persistência, podendo indicar igualmente o ressurgimento do coronavírus (inicial/a britânica ou igualmente uma estirpe/variante), com a decisão do Governo de Boris Johnson tomada no dia de ontem (quinta-feira, 3 de junho) em nada sendo uma surpresa mas algo já esperado (certamente que de um lado e do outro): o Governo português podendo ter ficado surpreendido com “o fecho da torneira britânica” certamente como o terá ficado aquando da abertura inesperada da mesma (com todos os seus colegas europeus da EU e unilateralmente, estando proibidos de o fazer, logo com Portugal não sendo solidário com os seus) ─ nada fazendo para promover o importantíssimo setor do Turismo (fulcral para o crescimento do nosso PIB) tanto a nível interno como externo ─ o Governo britânico apenas continuando com o seu plano (de combate à Covid-19) anteriormente divulgado, passadas 3 semanas (iniciadas a 17 de maio) sobre a publicação da lista anterior (colocando-nos o “semáforo no verde”) refazendo-a e excluindo-nos (colocando-nos no “âmbar”, para não dizer “amarelo”), pelo menos de 8 de junho a 28 do mesmo mês ─ e deixando-nos a “impressão” de que o Algarve (desde que tudo se passe bem no Reino Unido e a estirpe/variante seja controlada) não tendo iniciado o Verão antes do tempo (a 17 de maio), podendo-a ainda fazer poucos dias depois do seu início, talvez a 29 de junho (apenas 9 dias/em cerca de 3 meses, atrasado).

Screenshot 2021-06-04 at 16-03-47 United Kingdom C

REINO UNIDO

Evolução do nº de Infetados/dia

PORTUGAL

Screenshot 2021-06-04 at 16-04-06 Portugal COVID 8

Face à evolução da Pandemia Covid-19 nos seus respetivos territórios,

com o Reino Unido a tentar evitar a circulação com Portugal.

Vendo os quadros (e para os ingleses) sendo óbvio o motivo.

 

Só aí e à falta de outros (turistas) podendo chegar “nova invasão britânica” aqui talvez já dividida (entre todos os nossos concorrentes do Mediterrânico e arredores) mas sendo melhor que nada ─ sendo Portugal um conhecido dependente ao nível tóxico do “mercado da Ilha fora da Europa”: nem sequer se compreendendo que dado o estreitamento das relações anglo-americanas (com o Reino Unido optando por uma união Atlântica com os EUA, passando a ser o Entreposto deste para a Europa, como se fosse o seu 51º Estado), Portugal e o Algarve não se promovam turisticamente nos EUA. Num Mundo como se vê dirigido por ambiciosos e incompetentes políticos amplamente suportados (daí a abertura do Ensino Superior a todos, sendo todos doutores e ninguém percebendo/fazendo nada e deixando andar) por todos os seus ajudantes aí colocados (na Pirâmide Hierárquica pré-definida), advogados, juristas, contabilistas, etc.) e desse modo, mantendo não como nossos representantes prometeram a nossa proteção/a nossa sobrevivência (mesmo sendo o resultado claramente negativo) e em sua vez obedecendo a quem no fim lhes retribui o favor (lhes paga ou seja lhes autoriza o pagamento): políticos britânicos não hesitando em prejudicar os seus cidadãos, abrindo-lhes as portas para o calor e para as praias ─ cheias de Sol (coincidindo com uma interrupção escolar no Reino unido) ─ e já lá estando estes, alertando-nos à última da hora para terem que antecipar-se (nos seus planos, muitos já o tendo pago) e regressar de imediato, assim como acompanhando-os nos prejuízos prejudicando obviamente muitas das suas empresas ligadas ao Turismo (desde as agências às suas companhias aéreas), sem argumentos novos e convincentes. De Portugal nem valendo a pena falar de novo, face ao seu desprezo ou total ignorância sobre o papel do sector turístico em Portugal, como em toda a parte do Mundo (por vezes inventando lugares/condições mesmo que artificiais), querendo o país promover-se noutras áreas.

GL-tp-graphic-traffic-light-counties-v4.jpg

Sem razão aparente para nós, mas crucial para o Reino Unido,

com Portugal despromovido para a lista âmbar (ou amarela)

 

Falando, gesticulando e apercebendo-nos preferencialmente da língua inglesa, colocando-a à frente do espanhol e do francês e até do próprio português, restando-nos pois esperar pelo dia 29 de junho para ver então o que acontece: para já com os portugueses a começarem a chegar em crescendo, com os espanhóis começando a aparecer mais por cá, com outras nacionalidades ainda em números pouco significativos (mas com fortes perspetivas  de crescimento, como o turismo vindo da Holanda/Alemanha) mas investindo (alguns fortemente no setor superior) e com o “turismo conduto britânico” sendo o “conduto o elemento único” a pelo que se vê a continuar mais este ano como o “prato-do-dia”.

(imagens: AP/Twitter@CatarinaDemony/thesun.co.uk

─ worldometers.info ─ justicenewsflash.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:19

E Terça-Feira Lá Vão Eles de Regresso

Sexta-feira, 04.06.21

A 17 de maio dando-se a invasão, a 8 de junho o primeiro recuo, esperando-se agora pelo 29 de junho para se voltar à carga dando-se nova invasão ─ se possível coincidindo com todo o Verão. Isto se os invasores, entretanto, não se tiverem direcionado para outros territórios, mais atraentes e prometedores.”

A razão bem escondida (por baixinha) localizada lá para o fundo lateral-direito do gráfico (abaixo indicado) e indicando o nº total de Infetados por cada duas semanas (ou 14 dias) desde o início deste ano de 2021 em Portugal (num total de 154 dias), num retrato que os portugueses não quiseram ver (nem tendo dinheiro para comprar uns óculos), mas que pelos vistos os britânicos conseguiram (certamente e tendo maior disponibilidade financeira usando lentes),

“Apontando o seu FOCO-DE-LUZ/LENTE para o canto inferior direito do gráfico,

com BOJO a encontrar o argumento,

para fazer regressar de novo à Ilha os seus cidadãos.”

Imagem1.jpg

Nos últimos 14 dias

(10º Período →11º Período)

c/ o nº de Infetados a subir quase 40%

 

Se nada tendo significado para os nossos leigos/eruditos (portugueses) dominando atualmente a nossa máquina do Estado e naturalmente sendo seguidos pelo seu rebanho, bem ordenado e orientado (obedientemente) pelos seus fiéis cães-pastores (de raça por certificados, não fossem todos “iguais e diferentes”, indiferenciados) ─ não o sendo verdadeiramente (tendo outros objetivos e sendo a “prostituição mental” um fenómeno em crescimento não só real como terrível) e dos seus nada sabendo (só “querendo comer”) por deles procurando-os “nem sombra deles” ─ mesmo podendo não ter utilizado “manhas” como lentes e telescópios (para de uma formiga passar a um elefante, ameaçando aí esmagar-nos) servindo-se (o poder britânico, os nossos aliados) de nós como moeda de troca interna (face ao que se passa na sociedade britânica) e como sempre com o nosso Governo (fazendo-se incompreendido apanhado desprevenido) assobiando para o ar (como se não fossemos nós as vítimas). Assim vamos longe.

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 12:29

Numa Questão de Segundos

Quinta-feira, 03.06.21

De como num segundo e dispondo-se dos últimos dados, se perspetiva uma excelente época turística com o regresso do fluxo turístico sobretudo britânico a Portugal (e à sua capital, Albufeira) ─ sendo o sector turístico a nível da origem e no que diz respeito à Região de Turismo do Algarve, uma “monocultura”

780973.jpg

Com turistas (britânicos)

 

Algarve

"Temos muitas estrelas a dirigirem-se para a região."

O Algarve (e o país) começam a recuperar ao nível turístico e recuperam em grande. A Sul são muitos os turistas que chegam de jato privado. Nunca se faturou tanto na restauração de luxo como agora.

(DSF/ionline.sapo.pt/03.06.2021)

 

Mal se sabendo que no segundo seguinte (uns dizendo que simultaneamente, os mais pessimistas e realistas, afirmando ter sido mesmo antes) todas as previsões sofreriam uma inversão (esperando-se que apesar de tudo podendo ser, parcial por momentânea), apresentando-se agora um cenário no mínimo perturbador.

Screenshot 2021-06-03 at 18-10-12 thumbs web sapo

Sem turistas (britânicos)

 

Confirmado

Portugal sai da lista “verde” do Reino Unido.

Ingleses obrigados a quarentena no regresso a partir de terça-feira. O Reino Unido decidiu retirar Portugal da lista "verde" de destinos considerados seguros, passando o país a constar da lista "âmbar". A decisão foi conhecida esta quinta-feira e confirmada por Grant Schapps, ministro dos Transportes do Governo de Boris Johnson.

(MADREMEDIA/24.sapo.pt/03.06.2021)

 

Voltando-se de novo a 17 de maio (três semanas no passado, quando aí os UK decidiram dar luz verde por 3 semanas aos seus cidadãos, para poderem ir uns dias até Portugal) e colocando-se tudo em causa ─ entenda-se a vida de cidadãos portugueses e britânicos (seja em férias e/ou em trabalho, sendo ambas um direito) ─ apenas devido às erradas políticas internas dos representantes desses dois países (necessariamente refletindo-se externamente), corresponsáveis (quem poderia ser mais?) por passividade e incompetência.

(imagens: DSF/ionline.sapo.pt ─ MADREMEDIA/24.sapo.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:15

Covid-19 PT/02.06

Quarta-feira, 02.06.21

Com a generalidade dos parâmetros associados à Covid-19 apesar de baixos, a demonstrarem uma tendência de subida. Traduzidos especialmente nos números de Infetados/Incidência/R(t), significando um atraso nos processos de testagem/vacinação ou em alternativa na presença de focos ainda ativos (ou renovados) do vírus SARS CoV-2 (ou das suas estirpes/variantes). De qualquer modo preocupando, devendo-se manter o alerta, mas estranhando-se ─ sendo um mau exemplo (nas suas atitudes/nos seus atos ou na falta delas/deles) ─ a pose aparentemente despreocupada do Governo.

Imagem1.jpg

No mês em que inicia o Verão, época alta do Turismo em Portugal e sendo-o sobretudo no Algarve (pela importância vital do Turismo, para esta região), com os indicadores Covid-19 mostrando-se ainda algo instáveis, dando alguma preocupação e necessidade permanente de atenção (mais valendo sempre prevenir/fazer do que remediar/adiar)

 

Dada a eminente chegada do Verão coincidindo com a época alta do importante setor turístico português ─ o Turismo, um setor cada vez mais importante numa economia maioritariamente dominada pelos serviços, associando-as/agregando-os e incluindo-nos na distribuição de receitas ─ a partir de meados de junho abrindo-se ainda mais o país tanto interna como externamente (permitindo-se/flexibilizando-se mais), com as nossas autoridades baseando-se no ditado popular “quem não arrisca, não petisca” a parecerem querer conceder algum “espaço de liberdade ao vírus” ─ certamente que confiando nele próprio (nas suas ações preventivas, mas quais?), nas testagens (devendo ser maciças, mas não se verificando tal), na eficácia da vacinação e das vacinas (mas como, se atrasada e em falta) e na boa-vontade do mesmo (o coronavírus, aceitando, protegendo-se temporariamente do calor e do Sol) ─ dando agora e declaradamente o protagonismo à Economia.

IMG_20210602_185845.jpg

Albufeira

Rotunda dos Relógios

24 maio 2021

 

Não podendo haver recuos, se necessário alargando-se os limites dos parâmetros Covid-19 (subalternizando-se obviamente a Saúde), fazendo-se o balanço deste percurso (não exista nenhum despiste, levando à sua suspensão ou anulação/da prova), lá para o fim do Verão. Por sinal tendo-se de seguida dois momentos que poderão ser cruciais, o regresso às aulas e as eleições Autárquicas. Mais uma vez e “não caindo nada a ninguém” tendo-se ainda a opção (sendo português e tratando-se da instituição dirigida pelo Francisco) ─ e nem sequer tendo os extraterrestres a interessarem-se por nós (sendo eles Deuses e/ou Astronautas) ─ de rezar a Nossa Senhora de Fátima.

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:20

Será Conveniente Ser Português Em Portugal?

Segunda-feira, 31.05.21

“Muitos dos nossos filhos dizem que não

e até fogem para o Reino Unido.”

Air-travel.jpg

IDA

Trabalhadores portugueses

tendo o Reino Unido como seu destino

(tornando-se independentes)

 

A poucas horas de se entrar no 6º mês do ano, assinalando o início da estação do Verão ─ a 21 de junho (às 03:32 de uma segunda-feira) ─ e assim começando dentro em breve a “época alta” na região de turismo do Algarve (com a pré-época tendo começado a 17 de maio, com a abertura do espaço aéreo), face à entrada súbita apesar de esperada (e desejada) de milhares de britânicos (oriundos de exterior),

Simultaneamente juntando (no mesmo tempo e no mesmo espaço) diversos eventos de carater nacional e internacional, integrando nacionais e estrangeiros,

Eis que “estrategicamente” e não impedindo mais esta invasão de “pretensos imunizados” ─ assim sendo caraterizados por eventualmente, terem já estado contaminados ou em alternativa tendo já sido vacinados (muitos só com a 1ª dose de duas, pelos visto até vindo a serem necessárias a curto-prazo no mínimo três), logo, “adquirindo imunidade/proteção” de grupo contra a ação do coronavírus ─ posteriormente à mesma (à realização da final da Liga dos Campeões),

Nos chega a informação de que o nº de Infetados/dia voltou a subir no Reino Unido, acompanhando o aumento da percentagem de casos envolvendo a estirpe/variante inglesa/indiana, uma mistura de duas variantes resultando numa terceira ainda mais perigosa por mais contagiosa/infeciosa.

Certamente tendo sido uma “situação sanitária” do conhecimento prévio por parte das autoridades inglesas/portuguesas, mas dado o impacto negativo que tal proibição poderia ter particularmente no setor turístico (Económico), atirando as consequências (na Saúde) para bem longe (nem sequer disfarçando, indo à trave) e só pensando nelas (enchidos os cofres) depois:

Desde logo indicando os ingleses como culpados (e sendo simples as explicações do Governo, para além de insultuosas, encobrindo a sua total incompetência e irresponsabilidade ─ se não crime), por terem vindo antes do tempo, partido depois do tempo, mesmo só tendo bilhete para uma coisa o avião (como a esmagadora dos turistas ingleses, para além da viagem/estadia trazendo apenas mais uns trocos para os extras) e não incluindo o bilhete (justificando a viagem) para o jogo.

Hoje com o nosso Primeiro-Ministro ao responder às perplexidades nossas transmitidas pela jornalista (que o entrevistava), a parecer querer dar a entender ter acabado de chegar de uma galáxia distante que não a nossa, não estando a par dos últimos acontecimentos.

Calando a jornalista não respondendo e atirando-lhe para a despachar (sendo bem-educado, mal-educado, os imbecis sendo nós e como tal escolhendo, “o menos mau, o melhor”), com um obrigado.

portugal-and-UK-flags.jpg

E VOLTA

Portugal no sector do Turismo

sob bandeira britânica

(persistindo-se na dependência)

 

Num momento em que se põe em causa no Reino Unido os números apresentados oficialmente sobre esta Pandemia (sob tutela Conservadora e liderança de Boris Johnson) muitos casos não tendo sido reportados e podendo ser muitos mais (oficialmente nos quase 4,5 milhões de Infetados/7º Mundial e 3º Europeu e a caminho dos 130 mil mortos/5º Mundial e 1º Europeu), talvez mesmo o dobro e agora com uma nova vaga em perspetiva chegando e prosseguindo (o percurso do vírus, dos seus descendentes, suas estirpes/variantes).

E se a “bolha não funciona”, testando-se e aproveitando a “falta da bolha”, fazendo-os grátis nas “novas cobaias” até se oferecendo como voluntárias (á falta de tempo, sendo nós).

Mas desde logo e para nos colocarem no nosso respetivo lugar (de paus mandados, imbecis, sem opinião), declarando (os Iluminados, responsáveis por nos “fundirem a tola”) não se realizarem este ano as festas de Santo António e de São João, não sendo os portugueses tal como o serão os ingleses (como se comprovou nas imagens, divulgadas um pouco por todo o Mundo), cidadãos responsáveis:

E para ajuntamentos tendo-se que falar preferencialmente inglês (para já esta, mais tarde outras línguas) ou então sendo português às escondidas, mas sabendo de antemão poder ter um polícia “à perna” pronto a aplicar-nos a coima.

Infelizmente não residindo somente aqui as consequências deste “caos governamental”, por um lado desrespeitando o esforço e sacrifício feito no cumprimento das regras básicas pela generalidade dos cidadãos portugueses (muitas vezes implicando mais gastos) ─ máscaras, distanciamento, higiene, etc. ─ e por outro lado declarando “para quem quiser ver” a sua total incompetência/irresponsabilidade (do governo) desresponsabilizando-se (reconhecendo apesar do seu extraordinário CV, não serem capaz) e delegando tudo (tal como o fazem todos criando empresas paralelas, responsáveis pelos atos de outras mais um truque fantástico do “capitalismo selvagem”) nas “Task Force”:

Tendo uma missão a cumprir (patriótica, daí pelos vistos os militares) mesmo sem recursos humanos e/ou matéria-prima.

Em conclusão tendo-se que estar preocupado e extremamente atento (não sendo os outros a informar-nos), face à evolução permanente do vírus (com as suas novas gerações), à ânsia pelo regresso dos turistas e como efeito do lucro (descurando tudo o resto, mesmo a proveniência dos viajantes) e ainda, talvez o pior sinal para o que aí vem, a realização das Eleições Autárquicas, com todas as suas falsas promessas como sempre transformadas no mais “puro esquecimento” (do V da vitória, oferecendo-nos agora em destaque, o dedo do meio).

(imagens: portugalresident.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:51

Covid-19 PT/22.05

Domingo, 23.05.21

Um incidente por mais insignificante que o consideremos (sendo o oposto para os nossos adversários, aproveitando a ocasião para transformar, “uma formiga num elefante”) mas levando os parâmetros Covid-19 a voltarem a subir (mesmo que por um curto prazo), poderá num “estalar de dedos” destruir todo o Verão (uma tragédia, sendo o 2º verão consecutivo).

IMG_4292[1].jpg

Desde o início deste período de 14 dias (contados até hoje sábado, dia 22 de maio) com o nº de Infetados/dia a subir de 324 para 523 (+ 199), com o nº de Internados a descer de 268 para 210 (-58), com o nº de doentes em UCI a descer de 74 para 59 (-15) e com o índice de transmissibilidade R(t) a subir de 0,92 para 1,03, mantendo-se alguma preocupação pela instabilidade do 1º parâmetro e sobretudo pela subida do último (crescendo 12%): mantendo-se esta evolução do índice R(t) e a instabilidade do nº de Infetados/dia (levando a um crescimento de casos de Infetados/100.000 habitantes) dentro de um mês (ou um pouco mais) podendo-se estar à porta de um novo período de Confinamento, ou seja, coincidindo com a estação (a nível turístico, época alta) do Verão (liquidando-o e talvez ao Algarve, como região turística).

Imagem1.jpg

Conhecendo-se a origem dos focos (de Covid-19) ─ em vez de os ignorar, temendo prejudicar outros setores (como o agrícola), mas sendo impraticável a sua coexistência tão próxima (e descurada/desresponsabilizada) com outros setores (como o da população, como o do turismo) ─ sendo apenas necessário isolá-los, tratá-los e só depois (testados e vacinados) com regras, direitos e deveres reinseri-los (aos trabalhadores).

Pelo que a partir da próxima segunda-feira (24 de maio) e com os países europeus a começarem a abrir o seu espaço aéreo a “viagens de turismo” (mesmo não integrando a lista “verde” do Reino Unido), com a concorrência pelos clientes deste mercado a começarem progressivamente a alargar-se (a outros países sobretudo do sul Mediterrânico) e não tendo Portugal nenhuma estratégia já pensada (tendo tido muito tempo para isso) de manutenção deste tráfego aéreo inicial e privilegiado (em direção ao nosso país) espalhando-se pelas nossas diversas regiões turísticas ─ sendo a do Algarve a maior e Albufeira a sua capital ─ os efeitos poderão começar a sentir-se com um desacelerar das reservas e das viagens (optando pelos destinos do costume, que não Portugal). E com todo o futuro de um país podendo estar apenas nas mãos de uma minoria temporária ─ tal como aquilo que se passa com os estaleiros (de obras), com as estufas (agrícolas) e até com os fanáticos do futebol (todos eles, dos de baixo, aos de cima): sabendo-se hoje que uma das causas da subida de casos de Infetados na região de Lisboa assim como noutras zonas do país (até no Norte), se fica a dever aos festejos do título de campeão nacional de futebol, por parte do SCP.

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:21