Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Regresso dos Turistas Britânicos (amanhã)

Domingo, 16.05.21

“Este domingo em Portugal e no Algarve/ALG registando-se +334 Infetados (ALG/+22) e +1 Óbito (ALG/0), num total de 17.007 Óbitos (ALG/362) desde o início desta Pandemia.”

Imagem1.jpg

Segundo dados do INSA (de 14.05) com o índice de transmissibilidade R(t) em Portugal a subir na última semana (de 0,91 para 0,99) ─ na região do Algarve atingindo o seu valor mais elevado de R(t)=1,08 ─ com o nº de casos ativos na região a aumentarem (sendo Albufeira o concelho com maior taxa de incidência, superior a 120 casos/100.000 habitantes),

Assim como com alguns surtos de Covid-19 a surgirem um pouco pelo Barlavento e Sotavento Algarvio (Lagoa, Silves, Albufeira, Loulé e Tavira) ─ envolvendo explorações agrícolas (Albufeira/Tavira) e a ligação Família/Escola (Lagoa/Silves/Loulé) ─ arranca amanhã a campanha de férias dos Britânicos em Portugal, maioritariamente no Algarve e chegando via aérea ao aeroporto de Faro:

E se as condições sanitárias nomeada e relativamente ao Covid-19 parecem apesar de tudo estar bem controladas, com a primeira preocupação (talvez a única, sendo a outra a capacidade de resposta com qualidade das unidades hoteleiras, muitas delas com as atividades suspensas há vários meses/há um ano) a centrar-se na chegada desta “1ª fornada” de turistas sabendo-se do que se passa no SEF (em processo de transformação/extinção) e na Groundforce (solicitada a sua falência).

Adivinhando-se o que sucederia amanhã nos aeroportos portugueses ─ no caso que nos importa sendo o mais próximo e estando ele localizado na região, o de Faro (o único) ─ caso algo se passasse envolvendo um ou outro (SEF ou Groundforce):

O caos, com os britânicos a questionarem-se repetidamente (depois de tantos esforços), o que estariam eles na realidade a fazer por aqui.

IMG_20210515_164743.jpg

Mas dadas as últimas informações (no fundo não se conhecendo nada contra ou a favor, até para nos tranquilizar) amanhã indo tudo correr bem e se o tempo se mantiver assim (até melhorando, proporcionando bons dias de Sol, de praia, de mar, de gastronomia regional, de vida noturna local) podendo-se prever uma boa estadia.

Amanhã (na 1ª leva) com cerca de 17 aviões e 5.500 britânicos a chegarem ao aeroporto de Faro, saindo do frio da sua ilha e chegando logo ao calor (continental/mediterrânico) que se faz sentir na região mais a sul de Portugal ─ este ano e no Verão podendo atingir segundo as previsões temperaturas na ordem dos 40°C ─ em viagens desde já esgotadas segundo algumas unidades hoteleiras do Algarve (já completas) até ao fim de maio.

Sendo Portugal o primeiro país da Europa a abrir completamente (se comparados com os outros, especialmente os seus concorrentes) as suas portas ao turismo (via aérea), para já iniciando-se pela Grã-Bretanha, mas posteriormente podendo abrir as portas a outras nacionalidades (dependendo da sua situação Covid-19) e já por cá andando (via fronteira terrestre) os espanhóis.

Para muitos portugueses trabalhando no ramo da Hotelaria e do Turismo (e todos os outros Serviços associados, uma “multidão) e neles incluindo os residindo e trabalhando no Algarve, perspetivando-se finalmente o fim deste longo e extremamente doloroso (doença, desemprego, isolamento, solidão) período de “Inferno”.

Faltando menos de 24 horas para mostrarmos do que somos capazes.

(imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:31

E os Britânicos Disseram …

Sexta-feira, 07.05.21

A 17 de maio (ultrapassado o 13 de maio), BOJO coloca finalmente o seu indicador no botão do semáforo ─ na direção de PORTUGAL: então e milagrosamente (terá Fátima algo a ver com isto?), passando a VERDE. E já com reservas, bastando arranjar-lhes um AVIÃO.

IMG_3631[1].jpg

Túnel de Albufeira dando acesso à praia

(em 30.09.2017)

 

Esta sexta-feira dia 7 de maio de 2021 (por volta das 17:00 horas de Lisboa) com a região do Algarve a receber a notícia que há tanto tempo desejava (desde o início da Pandemia), ficando-se aí a saber através de afirmações feitas pelo Secretário dos Transportes da Grã-Bretanha, que os nossos principais clientes desta nossa monocultura turística algarvia (oriundos da Ilha de sua Majestade), tinham colocado relativamente a Portugal e às visitas turísticas dos seus nacionais (britânicos) ao nosso país, os “semáforos” no VERDE. A partir de 17 de maio abrindo-se as portas do mercado britânico para toda a (extensa, abrangendo múltiplos serviços) área do Turismo de Portugal, incluindo logicamente o seu maior centro (maior investimento) o ALGARVE, uma vantagem que Portugal terá forçosamente de aproveitar (tomando desde logo a dianteira), sabendo-se os nossos concorrentes turísticos manterem-se fora da lista (como a Espanha, a Itália, a França e a Grécia) e muitos dos britânicos (principalmente classe média e alta) virem (devido a poupanças por inatividade forçada) bem recheados: de dinheiro e de desejos.

Imagem1.jpg

Evolução relativa aos primeiros 126 dias de 2021

(de 01.01.2021 a 06.05.2021)

 

Pelo menos afastando-nos um pouco deste momento vergonhoso e asfixiante proporcionado pelo espetáculo de trabalhadores agrícolas estrangeiros trabalhando e vivendo um pouco por todo o Alentejo, sendo para além do seu sofrimento (explorados na colocação, no trabalho, na remuneração, na casa, na alimentação, em tudo o que der retorno) sujeitos a imundas campanhas políticas socorrendo-se da Pandemia para dentro em breve se poderem ganhar eleições (estamos em anos de Autárquicas, ainda com um Governo minoritário e um Presidente esperando a sua oportunidade): como se acontecimentos como este não se passassem no presente um pouco por todo o Alentejo, não desde ontem, não desde o início da Pandemia, não desde há poucos anos, mas replicando-se e evoluindo há mais de uma década, talvez a caminho de duas. E tendo à frente de um Ministério alguém que tendo que ter todo um currículo, aqui só revela e como porção visível, a sua parte (um “grande naco” e reforçado) de prepotência e incompetência. Retornando-se ao Algarve com as perspetivas turísticas a serem ótimas, podendo-se desde já preparar c/ tempo e c/ segurança (não existindo tanto o ano passado) a chegada do Verão.

Lamentando-se apenas no dia de hoje (sexta-feira, 6) a única vítima mortal registada em Portugal, ter-se registado na região do Algarve (1 em 1).

(dados: dgs.pt ─ imagens: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:14

O Vulcão Kilauea ‒ De Figurante a Protagonista

Quinta-feira, 19.07.18

E à falta de melhor e sob a direção do Homem

‒ E como Tempo é Dinheiro ‒

Transformando um figurante num protagonista maior.

 

hawaii_0.jpg

1

Rios de lava destruindo há mais de dois meses e sem exceção

Tudo à sua passagem seja em terra como no mar

 

Desde o dia 30 de Abril (deste ano de 2018) com o recrudescimento da atividade no cone vulcânico de Puʻu ʻŌʻō,

 

‒ E coincidindo com o início de um período de grande atividade do vulcão KILAUEA (localizado no HAVAÍ) integrando esse cone ‒

 

Toda a atividade no arquipélago vulcânico do HAVAÍ (situado no sul do oceano Pacífico e estado natal de Barack Obama),

 

‒ Sobretudo turística não só por HONOLULU (possuindo praias como a de Wakiki) e por PEARL HARBOR (com memoriais da II Grande Guerra Mundial), como também pelo Parque Nacional de Vulcões (considerado Património Mundial)

 

Tem sido extremamente afetada sobretudo no que diz respeito à sua região a sudeste:

 

(com o arquipélago a ser um conjunto de 132 ilhas, com as mais importantes situadas a sudeste, onde se encontram as 8 habitadas e os seus mais que 1,2 milões de habitantes)

 

Com a sua Ilha Maior localizada no extremo a sudeste (do arquipélago) e onde se localizam a maioria dos vulcões como o KILAUEA (o Mauna Loa, o Mauna Kea e o Hualalai),

 

A prosseguir com a sua intensa atividade vulcânica, sem prenúncios de fim à vista e com a sua lava a percorrer (inexoravelmente) o seu caminho até ao mar,

 

‒ Ameaçando toda a ilha em geral (com a esmagadora maioria dela direta/indiretamente ligada ao sector turístico) e em cadeia muitas zonas turísticas instaladas no litoral (como propriedades e hotéis).

 

nu3bon9qjd4wklipksby.png

2

Apanhados desprevenidos no meio de uma explosão

Quando observavam por perto a chegada de lava vulcânica ao mar

 

Hoje dia 19 de Julho (de 2018) e passados quase 80 dias sobre o início da atividade no vulcão KILAUEA (Ilha Grande do HAVAÍ) com o mesmo a continuar ativo nestes últimos tempos (em termos de centenas de anos) de uma forma sem precedentes:

 

Tal fenómeno não sucedendo (com a mesma intensidade e período de tempo) pelo menos desde há 200 anos, exceto no que toca seu processo evolutivo (conforme a causa seja associada à zona baixa, média ou alta do EAST RIFT).

 

“A RIFT zone is a feature of some volcanoes, especially shield volcanoes, in which a linear series of cracks (or rifts) develops in a volcanic edifice, typically forming into two or three well-defined regions along the flanks of the vent.”

(wikipedia.org)

 

E no que diz respeito ao cone vulcânico (do Kilauea) Puʻu ʻŌʻō em erupção (ininterrupta) durante 35 anos (em princípio a mais longa nos últimos 500 anos) com o mesmo a poder ser a melhor explicação para o que tem vindo a suceder nas últimas (sete) semanas:

 

“In the middle East Rift Zone, Puʻu ʻŌʻō erupted for 35 years. That was the longest eruption in the whole East Rift Zone in over 500 years and it probably set up the conditions that were ripe for lava or magma to be able to travel underground all the way from the summit to this area.”

(watchers.news)

 

E como um indicador precioso para os vulcanologistas com as emissões de dióxido de enxofre (SO₂) a serem as maiores desde sempre registadas no vulcão KILAUEA (como se sabe com as maiores emissões gasosas vulcânicas a serem de uma forma decrescente H₂O, CO₂ e SO₂):

 

E de todas com as mais perigosas (para o Homem, para os Animais, para a Agricultura) a serem as emissões de fluoreto de hidrogénio (HF), de dióxido de carbono (CO₂) e claro de dióxido de enxofre (SO₂).

 

k5f2mkrgvbmfgddk3y1h.jpg

3

A explosão como vista pelos turistas a bordo do cruzeiro turístico

Originando pela sua violência mais de duas dezenas de feridos

 

Pelas 12:00 de 19 de Julho (hora de Portugal Continental) com a situação no KILAUEA a manter-se inalterável,

 

‒ Sendo constantemente monitorizada como medida de prevenção/proteção/segurança ‒

 

Mantendo-se as necessárias evacuações,

(dado o avanço dos rios de lava à superfície/queimando tudo e a algumas projeções eruptivas de material na atmosfera/lançados como projeteis)

 

E simultaneamente a chegada de Invasores, descritos (maioritariamente) (leigo como interessados, curiosos e outro tipo ou erudito) de mirones: já com alguns incidentes (sem consequências) a registarem-se.

 

“Une bombe de lave tombe sur un bateau de croisière à Hawaii.

La catastrophe naturelle a fait 23 blessés.”

(dhnet.be)

 

Um espetáculo obviamente,

 

‒ Dadas as condições geológicas e ambientais ‒

 

Impossível de se usufruir em terra (com locais e turistas a ser evacuados) mas convidando a uma observação no mar:

 

Com todos os perigos associados (pela sua proximidade) visíveis ou invisíveis e provocando sem necessidade danos colaterais podendo ser fatais (pelo impacto e pelos gases).

 

(imagens: 1 U.S. Geological Survey ‒ 2/3 gizmodo.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:58

O Sol

Quinta-feira, 20.10.11

Ele veio assistir à actividade do Sol nestes últimos dias e à passagem do controverso cometa Elenin. Só que não contava que o núcleo do cometa se fosse desintegrar tão rapidamente e que o espectáculo se fosse perder assim; partindo de seguida, para a mais próxima cintura de asteróides, cheios de belezas, bares e discotecas.

 

Sol – Soho – Lasco 3

 

O extraterrestre posicionou a sua nave diante da pequena estrela. No exterior, a actividade era muito intensa e caótica: circulava-se a grande velocidade e os turistas observavam com alegria e entusiasmo, as emissões poderosas e constantes do Sol. No enorme poliedro espacial o ser analisou o sistema onde se encontrava, o seu centro, os pequenos planetas circundantes e aquele onde, sabia ele, uma espécie primitiva de vida se instalara.

 

O boneco ficou ali por um momento ao lado da estrela e de repente, desapareceu como tinha aparecido. Na Terra os seres vivos dominadores continuavam a extinguir-se precocemente e enquanto a maioria dos turistas espaciais regressavam aos seus sistemas de origem, outros iam-se apeando e visitando o satélite artificial da Terra e o seu interior oco cheio de centros comerciais ou então as paisagens coloridas de Marte e as suas estruturas habitacionais subterrâneas, ligados por extensos e múltiplos túneis, bem explícitos nas imagens dos postais.

 

Pode-se armadilhar a realidade, transformando-a em imagens.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 17:31