Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sol, Chamas, CME, Terra & Planetas

Quinta-feira, 22.04.21

Uma erupção solar ocorrida ao fim do dia da passada segunda-feira (dia 19 de abril) na mancha solar AR2816 ─ emitindo um “flash” intenso de raios-ultravioleta ─ deu origem ao aparecimento de uma chama solar da classe M1 (de média intensidade).

 

Segundo o site [spaceweather.com] uma das mais fortes/intensas deste início do 25º Ciclo Solar, “carregada” de raios X e de raios-ultravioleta e atingindo a atmosfera terrestre, ionizando-a e provocando “apagões” ─ nas emissões de onda-curta efetuadas sobre o Oceano Pacífico (afetando por exemplo a Austrália e a costa oeste da América do Norte).

 

20210416_0006_c3_512.jpg20210418_2030_c3_512.jpg

17.04 e 18.04

 

E com o Sol conjuntamente com a emissão de raios X e de raios-ultravioletas também sendo uma fonte importante (e intensa) de ondas de rádio, com as mesmas podendo igualmente ter penetrado a nossa atmosfera e interferido com as emissões radiofónicas terrestres ─ provocando aqueles sons terríveis (nas colunas/auscultadores) a que nós chamamos de “estática” e podendo mesmo suprimir as transmissões.

 

Erupção solar (originada na explosão registada na coroa solar) dando origem (havendo a chama) a uma CME (ejeção de material da superfície do Sol) ─ viajando mais lentamente, chegando mais tarde ─ lançada para o Espaço e segundo a NOAA não atingindo a Terra: pelo que quanto a Auroras (a latitudes mais baixas) sendo mais difícil de as ver.

 

Olhando agora para as imagens aqui colocadas e fornecidas pelo observatório Solar e Heliosférico SOHO (um satélite espacial da NASA/ESA, com a missão de observar o Sol), poderemos descortinar como é obvio e ao centro o Sol (tapado por um disco opaco) e circulando em seu redor (cumprindo o seu movimento de translação em torno do Sol),

 

20210420_0330_c3_512.jpg20210420_1142_c3_512.jpg

20.04

 

Os dois planetas mais próximos da nossa estrela, o mais brilhante surgindo à esquerda sendo Vénus e o mais pequeno (menos de metade do diâmetro de Vénus e estando mais próximo do Sol, relativamente a Vénus cerca de metade da distância) sendo Mercúrio:

 

E se Vénus se encontra afastado mais uns 50 milhões de Km relativamente ao Sol, já Mercúrio sendo o planeta do sistema mais perto da estrela de referência, sendo o primeiro a “levar com as suas fúrias” pior se lhe forem dirigidas.

 

Das primeiras horas do dia 16 (de abril) até ao meio do dia 20, com Mercúrio na sua passagem a deparar-se (dirigidas ou não) com mais do que uma CME, uma delas à saída e (“azar”) podendo-lhe ser dirigida ─ caso estivéssemos por perto, desprotegidos e para iniciar, ficando logo esterilizados.

 

(consulta: spaceweather.com ─ imagens: sohowww.nascom.nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 18:23

Ultravioletas

Domingo, 18.06.17

Por vezes o Cenário dá-nos pistas, mas se formos especialistas, nada veremos senão um Pixel.

(sendo esta a maior tragédia da nossa decadência cultural)

 

uv.gif

rgb_uv_cross.gif

 

Com toda a faixa compreendida entre o centro de África /norte da América do Sul e o extremo sul da Europa/centro dos EUA sob índices extremos de raios ultravioleta (11/Extremo), a Península Ibérica como integrante desse extremo sul europeu (e na qual se insere Portugal) tem estado sujeita nestes últimos tempos a níveis altíssimos de radiações ultravioletas: aconselhando-se aos amantes do campo, do rio, da areia, do mar, do ar livre e obviamente do Sol, a saírem de casa vestidos ou a deixarem-se ficar por aí a beber (hidratar) e também a descansar (equilibrar).

 

Albufeira:

UV11⁺

18 Junho 2017 - Domingo

(para a nossa pele/tipo 2)

Pele vermelha em 9’

Queimadura em 15

 

Tendo em atenção os efeitos nocivos para a nossa saúde e de todas as outras espécies animais ou vegetais associados às radiações ultravioletas (e de como elas são capazes de afetar todo o nosso ecossistema afetando e alterando mesmo as estruturas de ADN) sendo oportuno (e interessante do ponto de vista científico) recorrer a este tema até para tomar em consideração a sua parte e contribuição para o desenrolar da tragédiaem torno de Pedrógão Grande. Sabendo-se como as radiações ultravioletas intensas podem danificar a vegetação, tornando-as mais suscetíveis, danificando as suas defesas e alterando mesmo o seu ADN.

 

(imagem: weatheronline.co.uk)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:39

Tempo Albufeira 19/28

Sexta-feira, 19.05.17

Com um jacto de material gasoso (vento solar) oriundo do interior de um buraco na coroa solar (a 150 milhões de Km de distância) a chegar hoje ao planeta Terra (sexta-feira, 19) ‒ podendo atingir uma V=700Km/s e de momento nos 470Km/s) ‒ prevêem-se novas tempestades geomagnéticas especialmente a latitudes elevadas (originando tempestades da classe G2/Moderada e o aparecimento de auroras).

 

201705191200_msg3_msg_ir_piber.jpeg

Imagem de satélite ‒ Infravermelho

(EUMETSAT/IPMA)

 

Com a esperada subida das temperaturas mínimas, iniciasse amanhã uma nova semana de tempo quente e sem registos de precipitação: com as mínimas a andarem entre os 16⁰C/19⁰C e as máximas entre os 26⁰C/31⁰C (hoje pelas 14:00 com a temperatura nos 23⁰C). E com a temperatura da água do mar a andar em torno dos 17⁰C/18.5⁰C.

 

iuv_prev12.jpg

Índice Ultravioleta - 19/12/2017

(Mapa estático)

 

Hoje e amanhã com os índices de raios ultravioleta na região do Algarve andando pelos UV9 (muito elevado numa escala de 1/Baixo a 11/Extremo) mas segundo as previsões a baixar para UV4 já no próximo domingo (o dia deste fim-de-semana para levar crianças para a praia ‒ com óculos de sol e protetor solar).

 

Sismologicamente nada se tendo verificado de relevante nestes últimos dias na Região do Algarve e com o sismo de maior intensidade a ser registado no passado dia 16 de Maio (terça-feira) a NW Loulé (profundidade: 14Km) e com intensidade M1.0 ‒ como tal sendo impercetível. Com uma forte probabilidade de este Verão e na continuação a nível global do aumento generalizado das temperaturas (mês após mês, ano após ano) um Verão bem quente.

 

(imagens e alguns dados: ipma.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:17

Uma Volta e lá está Ela

Quarta-feira, 08.02.17

A Mancha

 

Duas imagens do Sol obtidas a partir do telescópio solar instalado na nave norte-americana (obviamente da NASA) responsável pela missão SDO (observação e estudo do Sol e sua influência na Vida na Terra), registadas já este ano e com um intervalo de quase um mês. Com a 1ªimagem a ser adquirida pelo observatório SDO a ser referenciada a 4 de Janeiro e a 2ªimagem a 1 de Fevereiro.

 

Long_Cor_Hole193.jpgPIA11177.jpg

O Sol

04.01 c/mancha

01.02 de novo c/mesma mancha

Manchas escuras na superfície do Sol que nos avisam do lançamento a partir do seu interior

De intensas ondas de luz provenientes da emissão de raios ultravioleta

 

Decorrido um mês sobre as duas imagens com a curiosidade a ser o reaparecimento de uma grande mancha solar, relativamente na mesma posição e com a mesma forma e aspeto: com a enorme mancha (escura) na superfície do Sol, a acompanhar toda a rotação mensal executada pela nossa estrela. Com essas manchas a representarem buracos que surgiram na coroa solar (em locais onde o seu campo magnético se abriu) e pelos quais as partículas oriundas do interior da nossa estrela e agora libertadas, se ejetam para o Espaço através de poderosos ventos solares.

 

Que no caso de estarem orientados para a Terra certamente a atingirão. Dependendo a gravidade causada pelo impacto da intensidade da CME produzida, da velocidade das partículas, da posição do planeta e claro da nossa atmosfera e da sua cintura protetora: o Cinturão de Van Allen. Mas prevendo-se apenas auroras (extraordinários espetáculos visuais e naturais numa mistura psicadélica de contornos eletromagnéticos, uma das características do Universo) logicamente a baixas latitudes.

 

No entretanto (como mais vale prevenir do que remediar e até porque se vai simulando) nunca esquecendo que apesar do Sol se encontrar a atravessar um período de baixa atividade (poucas ou nenhumas manchas solares), dado a Terra apresentar de momento uma menor proteção por parte do seu campo magnético (devido a uma aparente deslocação do mesmo e com alguns cientistas a afirmarem estarmos num período – temporário ou não – de inversão magnética), uma tempestade solar poderá ter consequências inesperadas.

 

(imagens: nasa.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:25

Fóssil

Sexta-feira, 06.07.12

A última Descoberta Jurássica

 

Imagem de um fóssil de dinossauro sob a ação de luz ultravioleta

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 14:01