Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Esperando ansiosamente, a resposta do Oráculo do Governo

Quinta-feira, 15.04.21

Pelas 17:00 esperando ainda pela revelação, e simultaneamente desejando terem (os ajudantes da divindade) tomado conhecimento da declaração de Hans Kluge (OMS/WHO).

 

"Temos que ser claros:

sinais iniciais de queda [do número de novas infeções]

não é o mesmo que taxas de transmissão baixas.

A transmissão tem que descer e manter-se em níveis baixos."

(Hans Kluge/Diretor Europeu da OMS/WHO/lifestyle.sapo.pt/15.04)

 

Imagem1.jpg

Nos últimos 32 dias com o índice R(t) a subir quase 28% (0,9%/dia)

 

“Suspeitas de efeitos secundários representam apenas

0,3% dos casos em 100 milhões de vacinas administradas na EU.”

(Lusa/lifestyle.sapo.pt/15.04)

 

Entretanto ficando ainda mais confuso com uma notícia recente (da Lusa), informando que (para além do problema dos coágulos sanguíneos, que poderão ser comuns, a muitas das outras vacinas) previsivelmente 0,3% das pessoas vacinadas sofrerão de efeitos secundários.

 

(imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:56

Turismo/Algarve/Albufeira ─ A Caminho do 2º Verão Covid-19

Quarta-feira, 14.04.21

[Aqui com o “turista acidental”, a ser o vírus SARS CoV-2.]

 

file-20210412-13-yn1tx3.jpg

EUA

 

Tendo entrado no mês de março na estação da Primavera e estando cada dia mais próximo do início da próxima estação ─ o Verão pelo setor turístico associado fundamental para a Região de Turismo do Algarve ─ preocupado com a possibilidade do sucedido no ano passado se voltar a repetir (devido a restrições resultantes da Pandemia, reduzindo em grande quantidade o nº de turistas e as respetivas receitas) e ainda observando o que se passa pelo sul de Portugal especialmente no Algarve quanto à evolução da doença Covid-19 (e espreitando um pouco o Alentejo/a norte e a vizinha Andaluzia/a este) ─ com o vírus SARS CoV-2 a manter a sua presença na Europa (ressurgindo), com Portugal ainda não se tendo libertado definitivamente da vaga anterior (registando-se apesar de baixa, alguma instabilidade no nº de infetados e uma subida ligeira do R(t)) e com o Algarve a apresentar o índice de transmissibilidade mais alto do país ─

 

Sempre que a situação de alguma forma se apresenta (num intervalo/pensando e refletindo, numa observação/constatando uma facto/informação) e pensando-se constantemente nesta Pandemia parecendo interminável (por aqui iniciada em fevereiro/março de 2020, já lá vai mais de um ano), nos questionamos conhecendo os outros 4 familiares deste coronavírus ─ HCoV “229E, HKU1, NL63 e OC43” ─ se o mesmo sendo crónico terá ou não alguma periodicidade, de modo a podermos-lhe aplicar um procedimento igual ao dos seus familiares com a introdução das vacinas e a garantia da sua efetividade/eficácia (o que estas ainda não têm, dado ainda não se conhecer completamente a evolução do vírus, a sua periodicidade infeciosa): com as vacinas atuais mesmo cumprindo o seu objetivo (e esquecendo-se as consequências por na prática sermos nós as cobaias) ─ imunizar-nos contra a ação do vírus ─ não tendo ainda um prazo certo de validade podendo ser de muitos ou poucos meses, não permitindo para já a produção em série de vacinas (atualizadas) todos os anos como é o caso das da Gripe.

 

IMG_4196[1].jpg

Portugal

 

E ainda não havendo vacinas para todos e sem se saber ao certo e na realidade qual a vantagem da sua utilização (colocados perante problemas como as da vacina da Astrazeneca, devendo/podendo ser transversais a outras) e qual a duração das mesmas (meses? um ano? mais?) ─ necessitando-se de sobreviver à fome (Desemprego) e à doença (Covid-19) ─ tendo-se de pensar noutras informações capazes de uma forma alternativa nos ajudar no presente, contribuindo complementarmente para superarmos mais este momento marcante (pela negativa) ou não estivéssemos no Mundo (em 7,9 biliões de pessoas) a caminho do “Óbito Covid-19 Três Milhões” (3.000.000) em Portugal (em 10,2 milhões) do “Óbito Covid-19 Dezassete Mil” (17.000).  Sendo necessário para uma melhor compreensão deste vírus (SARS CoV-2) um estudo mais detalhado sobre a sua evolução e adaptação do mesmo ao meio ambiente (onde é inserido),

 

Podendo-se introduzir como temas de discussão levando a algum tipo de esclarecimento ou de solução (viral) ─ em duas mãos cheias ─ (1) as diferenças entre o Inverno e o Verão (calor/frio/humidade), (2/3) os possíveis efeitos positivos dos raios ultravioleta e do exercício físico, (4) a variação de intensidade conforme o clima, (5/6) as concentrações populacionais e a poluição,  (7/8) a periodicidade do vírus e (sendo a Covid-19 uma doença crónica) a sua sazonalidade (até pela produção e atualização das vacinas) e ainda (9) as idades mais suscetíveis de transmissão e (havendo mutações) (10) as diferentes estirpes/variantes (como a brasileira e a sul-africana). Podendo a intensidade de atividade do vírus variar, conforme a alteração (propositada ou não, sendo eficaz ou não) de diversos fatores.

 

(imagens: MaxyM/Shutterstock/theconversation.com ─ Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:15

Ansiosamente à espera de EMA

Quarta-feira, 07.04.21

Ou o “Regresso à Realidade” em poucos segundos.

 

[Conhecendo-se já a sua resposta (EMA a partir das 15h): sendo o saldo positivo, mantendo-se tudo na mesma (confirmação da EU a partir das 17h), obedecido e seguido pelo nosso Governo (nem sequer tendo opinião).]

 

Ao tomar o pequeno-almoço e como habitualmente entrando no site pela sua página de abertura, deparando-me de imediato com uma mão cheia de notícias deixando-me ainda mais preocupado com o que me poderá acontecer no próximo sábado dia 10 de abril a parir das 11.40 ─ momento em que me será administrada a vacina contra o Covid-19, em princípio a inglesa AstraZeneca ou a norte-americana Pfiser:

 

AP21081323869722.0.jpg

Com a vacina Astrazeneca até por ser uma das pioneiras

e pela falta de dados sobre a sua eficácia,

a colocar algumas dúvidas às autoridades de Saúde norte-americanas

 

Marcelo espera uma «avaliação rápida» da vacina da AstraZeneca

e aponta o dedo à falta de união da EU.

(executivedigest.sapo.pt)

 

Ministra da Saúde convoca reunião de urgência

para debater vacina da AstraZeneca. (lifestyle.sapo.pt)

 

EMA pronuncia-se hoje sobre relação da vacina AstraZeneca

com formação de coágulos. (lifestyle.sapo.pt)

 

Clientes não usam máscara nas esplanadas.

Restaurantes pedem medidas urgentes. (lifestyle.sapo.pt)

 

Porque é que algumas escolas fecham quando há casos de Covid-1

 e outras não? (visao.sapo.pt)

 

Vacinação lenta e reabertura total das escolas

pode levar a quarta vaga. (24.sapo.pt)

 

“A quarta vaga vai ser maior”.

A nova variante da Covid-19 que está a causar preocupação no Japão.

(visao.sapo.pt)

 

EpiVacCorona, segunda vacina russa, tem 94% de eficácia

─ segundo o diretor de laboratório que a criou.

(24.sapo.pt)

 

Aumento de 10% na importação de produtos Covid revela

urgência em reduzir dependência estratégica da economia europeia.

(eco.sapo.pt)

 

Brasil continua a ser país com mais mortes registadas em 24 horas.

Ultrapassada barreira das 4000 vítimas num só dia.

(24.sapo.pt)

 

EMA_alexkich_Fotolia_195997512_S.jpg

Com a EMA seguindo as diretivas de quem a controla

(nível de encomendas/entidade facilitadora/contribuindo p/ a monopolização)

reautorizando a Astrazeneca

 

Uma mão cheia de imensas contradições, incompetências e aproveitamentos, deixando-me mais uma vez perplexo, fazendo-me cair mal a minha 1ª refeição do dia e provocando-me ainda um “maior aperto do coração”, sabendo estar a apenas 3 dias da minha vacinação e do que daí poderá advir ─ quando ainda se espera e mais uma vez entre avanços e recuos sucessivos ─ e já percorrendo quase todas as faixas etárias (dizendo-se que sim/dizendo-se que não) ─ a viabilidade para os efeitos pretendidos e sem sequelas graves (a curto-prazo) de uma das vacinas que irei tomar (Astrazeneca ou Pfiser): podendo ser uma ou a outra vacina estando de momento a britânica Astrazeneca em questão, mas não sendo essa a única razão pela minha preocupação (tratando-se não só um grave problema de Saúde, mas envolvendo políticos e as suas empresas de representação ─ uma delas sendo a EMA ─ alargando-se perigosamente o problema, colocando-o sob alçada do mercado, do lucro e da comercialização).

 

Esperando-se agora pela decisão da reunião urgente de Ministros de Saúde marcada para o fim da tarde desta quarta-feira (pelas 17:00 Lisboa, online), onde mais uma vez será determinado se relativamente à vacina da Astrazeneca a resposta será desta vez SIM ou NÃO: apesar de mais uma vez se saber (pelo aparecimento de mais casos alguns deles sendo mortais e abrangendo várias faixas etárias) da ligação vacina/coágulos sanguíneos ─ devendo-se obviamente optar pela sua suspensão (temporária ou não) ─ conhecendo-se como se conhece o poder das Farmacêuticas e a sua estreita ligação com o poder (traduza-se, políticos e facilitadores) tudo se podendo esperar apostando eu na tripla 1X2. Esperando assim e em 1º lugar pelo resultado oriundo da conferência de imprensa a realizar-se ao início da tarde de hoje (pelas 15:00 Lisboa), apesar de dali não esperar grande coisa ou não estivéssemos a falar da EMA (Agência Europeia do Medicamento): podendo as outras vacinas serem melhores/iguais/piores e esquecendo as possíveis mortes pelas mesmas provocadas (só se conhecendo as da Astrazeneca e pouco se sabendo das outras) não se interrompendo para já a sua administração (podendo ter consequências negativas) esperando-se um pouco mais ─ desde que não se introduzam elementos estranhos às diretivas da EMA (imposta pelos EUA ao lado das suas farmacêuticas) como a vacina russa Sputnik (que muitos pela Europa e pela calada já reservaram/administraram e mesmo com alguns com planos de montagem de uma fábrica no seu país). A EU e a EMA o esclarecerá lá para o fim do dia se no próximo fim-de-semana terei de ir para a fila tomar a AstraZeneca (conhecida em todo o Mundo, certamente que sem razão e apenas por concorrência ─ tendo na sua “bolsa-de-mercado” o recorde de países ─ como a “vacina do pobre” não por ser de má qualidade, mas por ser de todas a mais barata).

 

E assim (mesmo em cima das 15:00 próximo da EMA falar) ficando suspenso e à espera da declaração da EMA e da posterior decisão da nossa muito respeitada e temida “correia de transmissão” (e sua Task Force).

 

vaccine-politics.jpg

Com a própria GB origem da AstraZeneca face à “falta confiança/tendo sensibilidade”

(veja-se o caso contrário dos EUA em tempo de eleições)

oferecendo em alternativa a Moderna

 

Que como se esperava e em poucos segundos disse (a EMA não a correia, sendo incapaz) ─ invocando os benefícios (apesar das mortes) e sendo a mesma tão barata (criando-nos a dúvida sobre a existência da dupla vacina rica/vacina pobre) ─ SIM. Ou será que as pessoas não sabem, ser normal morrer-se não da doença, mas igualmente da cura?

 

“EMA confirma "possível ligação"

entre a vacina da AstraZeneca e tromboembolismos.

Mas benefícios superam riscos.”

(lifestyle.sapo.pt)

 

[Portanto (p/ EMA e como estrutura especializada seguindo os seus critérios “estritamente científicos”, não económicos): “como o que não mata engorda” e a vacina até que é barata, episódio justificado, vacina confirmada e venha lá o caso seguinte. Envolvendo uma vacina autorizada, mas (até pela urgência) nunca tendo sido conveniente testada e controlada, com uma eficácia inicial de 70%, oscilando depois entre os 60%/90% e fixando-se nos 50% exigidos ─ não impedindo com a sua manutenção a próxima entrada da vacina Johnson & Johnson/EUA (já envolvida numa bronca, antes de se lançar na Europa) no mercado europeu, mas tendo o efeito contrário com a vacina Sputnik /Rússia. Vacina Sputnik que apesar da sua eficácia (90%/95%) e cumprindo todos os requisitos ocidentais (como o reconhecem todos os especialistas deste lado), mesmo necessitando dela com urgência com a Europa (melhor, parte dela, através da pressão EMA/EUA) ainda mantendo a recusa (por países atrasados como Portugal) oficialmente não a aceitando (talvez devido à sua preferência, “só por trás”).

 

Cebocap.jpg

Já agora porque não dar-nos um placebo

(com rótulo à nossa escolha)

para nos tranquilizar e evitar mais confusão?

Placebo: fármaco, terapia ou procedimento inerte, que apresenta, no entanto, efeitos terapêuticos devido aos efeitos psicológicos da crença do paciente de que ele está a ser tratado. (wikipedia.org)

 

(imagens: Alberto Pezzali/Associated Press/deseret.com ─

fotolia.com/alexkicheuropean-biotechnology.com ─

Michael S. Helfenbein/yale.edu ─ wikipedia.org)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 19:23

Covid-19 by BOJO: Vitória de Quem?

Quinta-feira, 01.04.21

[Sempre do mesmo, utilizando a tecla do costume: patrões ou trabalhadores?]

 

COVID-19 vaccines are a victory for public research,

not ‘greed’ and ‘capitalism’.

(Stephen Khan)

 

_117682776_mediaitem117682772.jpg

Boris Johnson

(1º Ministro do Reino Unido)

 

Conhecendo-se o papel do Reino Unido na produção de vacinas e na sua campanha de vacinação, sendo o melhor da Europa:

 

Boris Johnson, the UK prime minister,

reportedly attributed the success of the COVID-19 vaccines

to “capitalism” and “greed”.

(Stephen Khan)

 

Mesmo podendo ser um sucesso, a ideia (a conclusão) errada:

 

But he is wrong – the idea that private ingenuity and naked competition produced the vaccines is a complete fantasy. (Stephen Khan)

 

E para não restarem dúvidas a explicação:

 

Before COVID-19, the vaccine market was notoriously sluggish, taking between five and 15 years to develop a viable candidate. It is for this reason the current effort looks so remarkable. (Stephen Khan)

 

(texto/inglês: Stephen Khan/31.03.2021/theconversation.com ─

imagem: PA MEDIA/bbc.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:34

Covid-19 ─ E ninguém “diz” nada?

Quarta-feira, 31.03.21

[Diz: Algum responsável ─ nem que seja só um ─ tendo poder (e sabendo-o) para ser ouvido e talvez podendo-nos salvar de todo este caos.]

 

tumblr_n2lq67UwS21rmagk1o1_500.jpg

Aristóteles

 

“Portugal está prestes a dar um novo passo no processo de desconfinamento, quando a ameaça da terceira vaga da pandemia de COVID-19 assola a Europa Central e o grau de imunização da população é uma incógnita, avisam especialistas consultados pela Lusa.” (31.03.2021/Lusa/sapo.pt)

 

Não existindo na maioria dos países europeus imunidade populacional (60%/70% do grupo), estando países em contraciclo (como por ex. Portugal, Espanha e Reino Unido de um lado e Itália, Alemanha e França do outro), deparando-nos com o problema de falta de vacinas (problemas com a vacina AstraZeneca) e sabendo-se ainda da imprevisibilidade do vírus (original e suas mutações) e de alguns erros podendo ser praticados (como o do Natal).

 

Para já não falar da grave crise socioeconómica global que tem aproximado o Mundo cada vez mais do abismo (quase como o “relógio nuclear aproximando-se mais ou menos da meia-noite”, hora fatal) e de que de um momento para o outro a vacina pela qual tanto esperamos (e que pelos vistos tudo resolverá) poderá brevemente perder o efeito desejado (face à sua evolução, estirpes/variantes): perdida a validade (da vacina inicial) tal como noutra doença crónica (periódica) ─ como a gripe (sazonal) ─ tendo esta que ser atualizada para voltar a fazer efeito.

 

16104391095ffd59c5605eb2.30612897.jpgAntonio-Costa-2.jpg

Marcelo e Costa

 

Pelos vistos e segundo os nossos Governantes e Especialistas (que querem a toda a força abrir, mesmo podendo estar em contraciclo, com a atividade do coronavírus) ─ os oficiais (os autorizados, dando-se-lhes um microfone) ─ podendo-se esperar o regresso do “Verão do Nosso Contentamento”. Veremos, mas que seria um Milagre para o Algarve e para o regresso do Turismo (a sua monocultura) à região ─ seria.

 

Isto tudo, no final e entrando de novo em cena as vacinas (a nossa salvação) se, entretanto, as cobaias não se ressentirem: afinal de contas e encurtado todo o processo de produção das mesmas (vacinas, saltando fases) sendo o Homem em grandes aglomerados e em diferentes condições de vida, a “cobaia perfeita”. Faltando-se conhecer (num processo de anos, apesar de dito impraticável, reduzido a meses) os efeitos secundários.

 

[E se não há ninguém que diga (um, alguém, parte dele), porque não haverá ─ entre uns 40 mil (em Albufeira), entre uns 750 milhões (na Europa), entre uns 8 biliões (no Mundo) ─ um coletivo que o faça? Aí e a essa TASK FORCE (Útil/Necessária) não faltarão voluntários.]

 

(imagem: sermonquotes.com ─ vestnikkavkaza.net ─ ominho.pt)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:53

Gravidez

Domingo, 28.03.21

[E Vacinas]

 

cases_rising_banner_1200x250_v5.jpg

 

A partir de um estudo publicado na passada quinta-feira

[https://doi.org/10.1016/j.ajog.2021.03.023]

No Jornal Americano de Obstetrícia e Ginecologia

[AJOG]

A conclusão:

Nestes tempos de Covid-19 e importante para as mulheres grávidas.

 

AJOG

COVID-19 vaccine response in pregnant and lactating women

(25.03.2021/ajog.org)

 primary-care-clinic-icon-pregnancy.jpg

Background

Pregnant and lactating women were excluded from initial COVID-19 vaccine trials; thus, data to guide vaccine decision-making are lacking.

Objectives

To evaluate the immunogenicity and reactogenicity of COVID-19 mRNA vaccination in pregnant and lactating women compared to: (1) non-pregnant controls and (2) natural COVID-19 infection in pregnancy.

Conclusions

COVID-19 mRNA vaccines generated robust humoral immunity in pregnant and lactating women, with immunogenicity and reactogenicity similar to that observed in non-pregnant women. Vaccine-induced immune responses were significantly greater than the response to natural infection. Immune transfer to neonates occurred via placenta and breastmilk.

 

E assim tomando-se em conta esta informação, chegando-se à conclusão de que:

 

“As vacinas para a Covid-19 são extremamente eficazes,

tanto para as grávidas como para os seus bebés”.

 

(imagens: cdc.gov)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:32

64 Biden

Sábado, 27.03.21

Na passada quinta-feira sinalizando o 64º dia como Presidente dos EUA, JOE BIDEN (natural da Pensilvânia) o novo inquilino da CASA BRANCA (aí acompanhado pela Vice-Presidente KAMALA HARRIS), fez a sua 1ª conferência de imprensa a solo (aqui sem a Vice): aparentemente mostrando estar bem ativo.

 

207eaa26-a590-4f9b-b833-309b77367412-AP_Biden.jpg

 

“Yes, my plan is to run for reelection.”

(Joe Biden)

 

Ainda mal tendo aquecido o lugar (janeiro 2021/janeiro 2025) afirmando desde já a sua candidatura a um 2ª mandato (de 4 anos, sendo aí octogenário, com 82 anos de idade) como Presidente (sendo já o 46º), de novo sendo acompanhado pela californiana Kamala Harris (aí com 60 anos de idade).

 

“China President Xi

'doesn't have a democratic bone in his body'.”

(Joe Biden)

 

Na sua agenda entre vários temas de âmbito nacional e internacional falando na crise que atravessa toda a sociedade norte-americana e quais as medidas urgentes a tomar (económicas e sociais) ─ no desemprego, na imigração, etc. ─ mas internacionalmente não se esquecendo dos seus grandes adversários.

 

“He’s (Xi Jinping) one of the people, like Putin,

who thinks autocracy is the wave of the future.”

(Joe Biden)

 

Para além dos anteriormente já comentados (dias antes) adversários russos tendo como presidente o “assassino” Vladimir Putin, virando-se agora para os aliados mais orientais deste último, em ascensão e cada vez mais poderosos: podendo a muito curto-prazo (c/ apoio russo) substituir os EUA na liderança global.

 

0ea1bb76-fc80-40dc-bc95-901869e7627a-AP_Biden_7.jp

 

"I believe we can do it (vaccination)."

(Joe Biden)

 

Finalizando-se esta curta análise do sucessor de Donald Trump (num curto e muito passageiro momento, parecendo ter saudade das contendas tidas com o seu adversário) com a Notícia-Bomba desta atuação pioneira a solo: em 100 dias prometendo aplicar 200 milhões de doses de vacinas Covid-19 (mais de 23 doses/segundo).

 

“We are … consulting with allies on how to respond

to North Korea’s recent testing of ballistic missiles …

There will be responses if they choose to escalate.”

(Joe Biden)

 

Deixando na “panela-ao-lume” o Afeganistão (e a retirada como anteriormente decidida das tropas norte-americanas até 1 de maio) e a Coreia do Norte (mais uma vez fazendo testes com mísseis balísticos). Sobre a Europa pretensamente sua Aliada (mais nas tristezas, do que nas alegrias) ─ e tendo já a GB nada saindo (chegando-lhes as “sugestões” feitas nos negócios).

 

(imagens: Evan Vucci, AP/usatoday.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:44

Dead Vs. Red

Sexta-feira, 26.03.21

Better Dead Than Red

 

Pouco se importante morrendo-se sem gás (exigindo a substituição do gás comunista, pelo gás da liberdade ─ morrendo-se de frio), pouco se importando morrendo-se sem vacinas (exigindo a recusa de vacinas como a Sputnik, morrendo-se do vírus): ou não fosse o segredo, a alma do negócio (petrolíferas/farmacêuticas). Esta a política da Europa face aos EUA.

 

022414masque_of_red_death_poster_031.jpg

A copy of the original poster for the 1964 movie "Masque of the Red Death,"

starring Vincent Price and based on a short story by Edgar Allan Poe

 

Seguindo ordens do outro lado e do seu entreposto mesmo ao lado, as indicações a seguir do lado de cá, para nos protegermos dos lá do fundo ─ fielmente obedecendo às diretivas, do Dono Disto Tudo. Dando nisto (uma opinião):

“BETTER DEAD THAN RED”

(Bradley Blankenship/rt.com)

Tudo por causa da Guerra entre os dois blocos mundiais, de um lado tendo os EUA & Aliados, do outro China & Rússia: envolvendo sansões e vacinas dos EUA aos lá do fundo e no intermédio ameaçando quem se tentar distrair.

 

Better Dead Than Red

Better Red Than Dead

 

Better Dead

Than Red

Comédia/curta

25 de setembro de 2017

EUA

(imdb.com)

In a short musical comedy film noir, New York's worst detective is hired to solve America's hottest case and stumbles upon a Russian plot to sway the 1952 presidential election.

      26c0e0a4181b749caa7ab65186c0506d.jpg       better-red-than-dead-3.jpg

Better Dead

Than Red

e

Better Red

Than Dead

Por oposição

(wikipedia.org)

Better Red Than Dead, Better Dead Than Red ─ "Melhor Vermelho do que Morto", "Melhor Morto do que Vermelho" ─ foram slogans políticos usados durante a Segunda Guerra Mundial pela Alemanha e durante a Guerra Fria pelos Estados Unidos e outros países, sendo o vermelho a cor emblemática do comunismo.

 

Compreendendo a História, recorrendo não só à Cultura como igualmente à Memória ─ “algo” de um conjunto (pertencendo-lhe, não lhe pertencendo) sem Dimensões e sem Limites, superando todos os impedimentos aparecendo (inesperadamente ou não) num dos tantos trilhos (com consciência, real ou imaginada) por nós percorridos: tal como o sucedido com os imanes, sendo atraídos por uma (individual por coletiva) “Alma Eletromagnética”.

 

(legenda: uiowa.edu ─ imagens: imdb.com/pinterest.com/mwomercs.com)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:01

EU/PT ─ A Culpa é do Outro (AstraZeneca)

Quarta-feira, 24.03.21

“Se achas que ÉS grande (logo devidamente em maiúsculas), nunca te esqueças que a Culpa (seja o que isso for, no entanto um fator de seleção pelos vistos decisivo), é sempre do outro mais pequenino (devidamente e por hierarquia em minúsculas).”

 

astra.jpeg

 

Atraso na vacinação na UE deve-se apenas à AstraZeneca:

"Não está a entregar nem um quarto

das doses contratualizadas".

(Jornal i/23.03.2021/sapo.pt)

 

Ainda e como sempre na senda (como animais de pequeno porte, que dizem sermos) do “Portugal dos Pequeninos” ─ “itinerário que se percorre para ir de um lugar para outro” (dicio.com.br): chegando-se lá (no passado) através de uma porta antes estreita (só aberta para uma minoria pelo Velho Regime) ─ “utilizando como arma uma pistola” (com balas fabricadas para esse fim) ─ e agora (no presente) de pior acesso, sendo por atribuição de concessão (e pagamento das respetivas alvissaras) disponibilizada a todos (a Coletivos/Empresas com o seu comando à distância controlando de longe os seus súbditos e o Novo Regime) ─ “utilizando como arma um simples papel” (com canudos fabricados para esse fim). Daí e cronologicamente com as nossa Vidas (mais recentes) a passarem pelos Mosteiros, deslocando-se de seguida para os Quartéis e finalmente (o que sucede no presente) fixando-se (para já) nas Escolas: prognosticando-se para o Futuro (a muito curto-prazo e se não for já o caso, no presente) a entrada desta ultima (da Escola) e pelo menos provisoriamente a passar para a porta da fábrica, respeitando e obedecendo às exigências (se quisermos sobreviver) das “forças vivas da terra” (sendo nós logicamente e por oposição, “as forças mortas da terra”). Para além de tudo o mais não será a justificação ─ os vivos salvarem os mortos ─ e não nos querendo transformar em Zombies ─ mais um Insulto?

 

"É apenas com um dos contratos

que temos problemas graves.

O problema é a AstraZeneca."

(Jornal i/Sandra Gallina/CE)

 

E eu que pensava que se um negócio entre duas partes não resultava, “a culpa seria obviamente de ambas” ─ em partes iguais ou diferentes (sendo “o segredo a alma do negócio”), mas essa sendo outra questão colateral, dependendo do que dizia o contrato estabelecido (confidencial, havendo sempre o perigo de se desvendar “o segredo”, sempre em anexo ao original): não acontecendo desse modo estando-se noutra fase do processo, com um deles ou mesmo os dois “segurando as calça com as mãos” e acusando por essa razão o outro, de lhe ter roubado o cinto ou os suspensórios pondo a claro e à vista de todos o material ─ em falta para um (“o burro, o que paga” e que pouco ou nada recebe em troca), em excesso para o outro (“o esperto, o que recebe” e que pouco ou nada dá em troca).

 

c682654263e2caf832dff1c469a230d0.jpg

 

A CE revelou que a AstraZeneca se comprometeu inicialmente

a fornecer 90 milhões de doses até final do primeiro trimestre,

"mas fez uma primeira redução para 40 milhões

e agora a sua projeção é de reduzir para 30 milhões".

(jornal i/CE)

 

Cada uma das partes denunciando a outra parte, com a iniciativa de denúncia a vir (naturalmente e como seria lógico) daquele que sabendo no que se metia, mesmo assim (analisando os nãos e os sins pessoais e de “alguns outros acima dele”, os “testas-de-ferro”) prosseguiu com o mesmo negócio ─ sabendo antecipadamente que nada lhe aconteceria (escudado como seu representante no “interesse público), nem sequer ao outro envolvido (por vezes/muitas vezes, direta/indiretamente, “parceiro-de-negócio), perdendo apenas “os suspeitos do costume” (os não tendo o mínimo acesso ao negócio) os contribuindo para a sua caixa (não sendo como na Igreja de esmolas): no fundo estando-se perante 2 oportunistas-vigaristas antecipando os biliões do negócio e no cumprimento do trajeto comercial (da troca) esquecendo-se do compromisso estabelecido/contratado ─ aliás (e ambos sabiam disso) impossível de se cumprir. Um tendo recebido não entregando (tudo, só parte), o outro tendo feito o pagamento integral não recebendo (tudo, só parte) ─ no fundo parecendo dois irmãos envolvidos no mesmo negócio (e sendo o mesmo entre ambos), adivinhando-se em espanto o seu objetivo e final do processo: ficando um com biliões (aqui a Empresa não cumpridora) e o outro com as mãos (e os pés, tendo de fugir) a arder, sem dinheiro (nosso, do contribuinte) nem produto (de nossa necessidade, comprado em nosso nome). Com a Farmacêutica vendo a oportunidade (até sugerida graciosamente pela outra parte) em vez de conforme a sua capacidade oferecer 1 Milhão, oferecendo 10 Milhões e recebendo logo ali em conformidade (mesmo sabendo não ter essa capacidade, quando muito 1,5 Milhões) ─ sabendo nunca ir cumprir o prometido ─ e com o Estado “deixando-se estranhamente levar pelo esquema montado, sabendo poder estar a ser ludibriado” unicamente e sem questionar a pagar, mesmo que tendo encomendado 10 Milhões e ultrapassado o prazo recebido apenas 15% do contratado.

 

0005895194.jpg

 

Para a responsável a campanha de vacinação na UE

irá ganhar "um forte impulso" graças à 4ª vacina autorizada pela EMA,

a vacina da Johnson&Johnson,

que começará a ser fornecida à Europa já no próximo mês de abril.

(Jornal i)

 

E para não se chatearem muito podendo assim continuar a trabalhar ─ tranquilos ─ lançando-se (lançando-nos) numa Nova Fase em direção aos Tribunais, onde poderão (com toda a Máquina montada para isso, tendo os Escritórios de Advogados instalados tanto na Assembleia da República como no Parlamento Europeu) “receber ainda algo mais”: de um lado estando a AstraZeneca (1 Empresa) do outro a Europa (mais de 25 Estados) e ganhando a ASTRAZNECA. Hoje 23 de março de 2021 com a Europa sem Vacinas e a AstraZeneca cheia de Dinheiro. E não sendo um homem ─ nunca se tendo tratado de um problema básico de género, mas de poder efetivo, aceitando homens e mulheres (estas desde que “barbudas” passando por homem) ─ agora com uma mulher no comando deste desastre, para o usufruto das vítimas (não sendo sexista) de ambos os sexos. Enquanto os verdadeiros Iluminados da Europa (não as nossas “Mentes que Brilham” não o sabendo, estando fundidas, “fodendo-nos”) se viram de imediato (importando, fabricando por concessão, no seu território) ─ isto se não existirem acordos secretos anteriores, até no processo de produção/fabricação da vacina ─ para os russos da vacina SPUTNIK (tendo sido o 1ª país a produzir uma vacina para o Covid-19, no Ocidente considerada igual ou melhor que as restantes). Uma tristeza sendo nós peões de americanos, de russos, de chineses e agora como tradicionalmente até de alemães ─ depois da Alemanha Nacional e Socialista (NAZI) de Hitler tornando-se de novo a nossa poderosa (não com Armas, mas com Dinheiro) “Guarda-Avançada” com a ex-oriental convertida Merkel (ainda) no Leme.

 

No fundo e como “Moral da História” (sendo a deles) com nenhuma das diferentes autoridades sabendo de pouco ou de nada: exceto nós os defraudados sempre e sempre questionando ─ depois de tanta e tanta publicidade do Estado e da AstraZeneca ─ e simultaneamente pedindo “respeitem-nos, deixem-se de vez de tretas”, “ONDE RAIO ESTÁ ESSA VACINA”?

 

E não tendo medo de ficar “VERMELHO” tomando a vacina russa SPUTNIK.

 

(imagens: AP/floridapolitics.com ─ AP/uk.news.yahoo.com ─ elobservador.com.uy)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:37

Algarve e Covid-19

Terça-feira, 23.03.21

Dando uma vista de olhos sobre títulos de notícias (em yahoo.com):

 

Momento (idade)

Média

Título

6 dias

The Independent

Iceland to welcome

vaccinated tourists

5 dias

US News & World

Europe's Summer Holiday Is in Peril

- Morgan Stanley Says

5 dias

The Wall Street Journal

AstraZeneca’s Covid-19 Vaccine Cleared by EU

After Blood-Clot Concerns

4 dias

Fox News

Germany, France resume AstraZeneca

COVID-19 vaccinations after blood clot reports

7 horas

CNN.com

New UK law means

$7,000 fines for vacations abroad

 

Imagem1.jpg

 

E depois de 371 dias desta que poderá ser considerada a 3ª vaga de uma “Tempestade Biológica Global” ─ iniciada em meados de março de 2020 e nos finais de março de 2021 ainda estando em curso ─ como que esquecida após a 1ª vaga (atirada para um canto da nossa memória), desvalorizada na 2ª vaga (nem sequer se retirando alguns ensinamentos, no mínimo prevenindo) e repentinamente sendo colocados perante a 3ª vaga muito mais violenta, vemo-nos hoje a 23 de março de 2021 ainda com os parâmetros Covid-19 em descida e com os dois pratos da balança (de um lado o HOMEM, do outro lado o VÍRUS) ainda por equilibrar, perante a preocupação de que fazendo o mesmo (ou seja, nada fazendo) poderemos ir definitivamente a caminho do CAOS irreversível e total: na SAÚDE e como consequência na ECONOMIA. Sabendo-se há já algum tempo que apesar da queda (mais ou menos) generalizada dos parâmetros de análise à evolução deste vírus podendo ser mortal (SARS CoV-2), inicialmente pelo aparecimento de diversas estirpes/variantes e depois pelo ligeiro crescimento do número de novos infetados (sendo registados na fase decrescente desta 3ª vaga) ─ estando a ser registado um pouco pelas Américas e pela Europa ─ algo poderá estar aí a rebentar se se mantiver esta mesma atitude (do costume e como se vê, sejam infraestruturas, testes ou vacinas):

 

País

I/D

TI

O/D

TO

R

Portugal

+434

818.212

+10

16.794

796.086

País

CA

UCI

I/1M

O/1M

P

Portugal

32.332

159

80.413

1.650

10.175.153

[23.03.2021 19:30 TMG]

(I/D: Infetados/Dia TI: Total Infetados O/D: Óbitos/Dia TO: Total Óbitos

R: Recuperados CA: Casos Ativos UCI: Unidade Cuidados Intensivos

I/1M: Infetados/1 Milhão O/1M: Óbitos/1 Milhão P: População)

 

Uma 4ª vaga (depois da iniciada em março/1º, da iniciada em outubro/2ª e da iniciada em janeiro/3ª) talvez com uma maior “aceleração” na entrada (intermédia, talvez mais suave em nº de mortos, esperando pelo outono) podendo apontar para junho. Se no caso do Algarve se esperava a abertura do tráfego aéreo o mais tardar em meados de maio (depois do Governo anunciar a abertura do espaço/aeroportos, mas ainda sem aviões), face às incerteza e às muitas preocupações (com Portugal a abrir e os outros a fechar) com a Grã-Bretanha a adiar de novo o reinício dos voos incluindo (naturalmente) neles Portugal: deduzindo-se que britânicos só mesmo (abandonados pelo Homem, só se Deus quiser) no mês de junho, ainda com o Governo a elaborar o Plano e o Mestre (da Culinária portuguesa) apenas a ver (deixando isto descambar, o Governo cair/substituir e nós como sempre no fim da fila, limitando-nos a ouvir) ─ e aqui para nós e traduzindo, juntando-se ao grupo murmurando (“para não se ouvir só conspirar, sendo apanhados, estando a brincar” ─ tal como aprendido vendo o “BB Duplo Impacto”) “vai-te foder”. Esperando-se que o bicho não volte, nem se torne (como a Gripe) algo de crónico.

 

(dados: dgs.pt ─ imagem: Produções Anormais)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:08