Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

27
Ago 19

“Numa aplicação da teoria da TERRA QUEIMADA – destruindo, arrasando e aproveitando para Algo e/ou Alguém ser beneficiado – podendo ter origem na China e consistindo na queima das colheitas (casas, transportes, comunicações, indústria, incluídas) para não deixar o inimigo alimentar-se, sobreviver: e com o inimigo a poder sermos nós.”

 

tumblr_ntcrlnnqN11tcav4fo1_1280.jpg

Albufeira nos anos 50/60

Pelas ruas da vila de pescadores

(arturpastor.tumblr.com)

 

Antes do mais e pela atualidade (nesta altura de férias e talvez devido à SILLY SEASON, promovendo os “fazedores-de-opinião e críticos” do Estado), sendo conveniente de salientar que o se passa nesta Região do ALGARVE − “ao longo de muitos anos, de uma forma irreversível, mas intervindo utilizando técnicas SOFT” e  afetando o HOMEM – é em tudo semelhante (apesar de Local) ao que se passa (enchendo de momento todos os órgãos de Comunicação Mundial) no Brasil mais especificamente na SELVA da AMAZÓNIA e afetando de uma forma HARD  (pelo curto espaço de tempo e extrema intensidade) a NATUREZA (a nível Global). No caso da proliferação dos incêndios na Amazónia (quase o dobro do ano passado) tratando-se de um problema sem solução, já que sendo o Brasil o perpetrador, sendo o financiador e o crítico (desse crime) o mesmo: os EUA e os seus parceiros da Europa. E no caso do Algarve terá o mesmo solução?

 

Substituindo-o radicalmente

(o DESÍGNIO PATRIÓTICO,

na fase anterior e dado o abandono desse território,

de facto, nunca tendo existido)

E “aplicando-o como um novo Filão-de-Ouro

 

− Em nome “do Progresso e do Desenvolvimento Turístico Algarvio” –

 

tumblr_pvxuhwrs391tcav4fo1_1280.jpg

Albufeira nos anos 50/70

Praia dos Pescadores

(arturpastor.tumblr.com)

 

Permitindo progressivamente o abate “da Cultura e da Memória das Gentes do Sul de Portugal” e logo na sua mudança de objetivos (feita a transição e introduzindo-se numa nova Fase) a sua substituição por uma “Nova Cultura Espetacularmente Intrusiva”, parasitária, irreversível e só podendo mesmo ser substituída (numa outra Fase) por “Algo Ainda Pior”: como por exemplo reconvertendo a Indústria Hoteleira da Região e aplicando-a agora como base (fundadora) dos futuros estaleiros e outras estruturas de apoio (servindo de alicerce) às plataformas marítimas e à “Indústria do Gás e Petrolífera”. Como se vê (para não criar ondas e rivalidades entre diferentes sectores de investimento) mantendo-se até sobre a jurisdição dos mesmos organismos, como o Ministério da Terra e do Mar.

 

E em cerca de duas Gerações (tomando como referência a descoberta do Algarve pelo Governo português, concretizado ainda durante o Antigo Regime) destruindo-se completamente o sector Agrícola e o sector das Pescas Algarvio (ficando um pequeno recanto, para o financiamento dessa exploração − agora especializada e com entrada no Mercado Turístico − por parte dos novos residentes-investidores estrangeiros), de lá retirando “o Agricultor e o Pescador” como imagem e HISTÓRIA de um Povo e de uma Região e lá colocando em sua vez (e marginalizando de diversas formas o Algarvio, se não já desterrado e desprovido das suas raízes, sendo ainda um sobrevivente, mas dito por especialistas como desadaptado, condenado), de um lado o TURISTA e do outro o seu CRIADO (mas agora especializado):

 

E desse modo em nome do “Progresso, da Economia e das Finanças (no fundo e só do “Dinheiro de Alguns”, esquecendo as suas Gentes, a sua Cultura e a sua Memória, os seus valores), substituindo (para nossos pecados como católico-romanos que dizem sermos) por exemplo (para desgraça da memória dos seus antepassados, aqui tendo trabalhado e vivido, ao mesmo tempo que  iam sofrendo sozinhos e sem apoio − dado o abandono desta faixa estreita e então longínqua do sul do país, pelo Estado)

 

− E não dando muitos exemplos (apenas 4) para “não ficarmos com água na boca, para logo de imediato e com receios de origem organoléticos, a mesma secar” –

 

BLUELIFE22 015.jpg

Albufeira nos anos 70

Vendo-se na baixa o jardim central

(algarve-old-images.blogspot.com)

 

Evolução Gastronómica no Algarve

(Entre o Antes e o Depois)

 

De Substituição

(mesmo na apresentação e no preço, substituindo não só a comida por uma sua redução e o prato de carne/peixe pelo prato de sobremesa, como tornando-o “gourmet” subindo-lhe o preço dessa “espuma dos dias”, injustificada e exponencialmente)

Antes

(da chegada dos camones)

Depois

(da chegada dos camones)

Uma amarguinha (como poderia ser em alternativa um medronho) e um doce fino (ou um arrepiado),

Por umas panquecas, um pudim, uma fatia de bolo ou uns scones, acompanhados por uma cerveja (ou um whisky);

Uma refeição de Polvo Assado com Batata Doce de Aljezur (como poderia ser uma Cataplana de Peixe e Marisco),

Por um prato de Fish & Chips;

 

Um prato de Caracóis com Orégãos,

Por umas salsichas, uma torta, uma tarte ou uma sandwich de carne (e acompanhamentos);

Ou ainda uns figos ou umas laranjas, umas azeitonas, umas alfarrobas ou a Flor de Sal Marinho, ou então até um Dom Rodrigo ou ainda as sardinhas algarvias,

Por (alargando o espectro a outras nacionalidades) e sendo holandês, um prato de arenque cru c/ cebolas e pickles, com um waffle como sobremesa; sendo alemão podendo-se optar pelo Wurst (salsicha), terminando com um folhado de maçã.

 

Na prática e implementação de um crime-perfeito (logo tornado e sendo legal) mas que mesmo que sendo feito (segundo as Autoridades) e concretizado em nome do desenvolvimento e do progresso (Económico-Financeiro) da Região (do Algarve), apenas tendo beneficiado (desde há mais de meio-século) uma minoria (ligado à Hotelaria & Restauração e à Construção Civil/Sector Imobiliário) nem sequer ligada à região (ingleses, nacionais/em fase de transição e agora asiáticos) e sem nenhum objetivo comum ligando o Passado-Presente-Futuro (desta comunidade regional), assim cumprindo (“Distorcendo-a”) uma linha sempre contínua ditada pela nossa presença neste tão curto Espaço-Tempo a todos nós (e sem exceção) disponibilizado (ou devendo ter sido obrigatoriamente distribuído), mas (e como se vê apenas olhando em nosso redor) não o tendo sido por estrangulamento cultural e adoção de uma monocultura exclusivamente direcionada (pegando aqui e ali nalguns dinossauros-ainda-vivos ou já fósseis) para o Turismo.

 

albufeira1-800x360.jpg

Cidade de Albufeira hoje

Completamente adaptada ao Turismo

(www.clickandgo.com)

 

Direcionando toda uma região (não será toda uma ou mais gerações e simultaneamente um País?) e os anseios dos nossos filhos, para serem “criados ou pedreiros”, no máximo prestadores de outros serviços correlacionados maioritariamente com a área e o seu sector de controlo e de manutenção (do Esquema/Sistema) − como economistas, advogados, médicos, professores, etc. todos eles importados alguns do estrangeiro (não sendo culpa destes, por ocuparem um lugar vago) dada a extinção da espécie, os ALGARVIOS. E depois da 1ª Espada sobre a Cabeça do Algarve e dos Algarvios − a “Muralha Imobiliária” colocada entre o Mar e a Serra, alienando um (o Litoral) do outro (do interior) – podendo-se seguir uma outra muito mais assertiva e definitiva:

 

Com a 2ª Espada sobre a Cabeça do Algarve/Algarvios (neste último caso e dada a extinção dos originais, os sucedâneos) aproveitando a experiência e as edificações anteriores a ser dirigido então para a Exploração do Mar (sugada a terra até ao tutano), servindo o já construído como Estaleiro e outras estruturas de apoio às Plataformas e Exploração de Gás e Petróleo (sendo pois uma profissão de futuro, até para os especialistas e fabricantes de doutores desempregados − oportunistas existindo em todos os lados, “sejam manuais/de mãos ou mentais/de cabeça” − um curso multidisciplinar e inserido nas áreas do Turismo e do Petróleo).

 

Portugal-Invasion-festival-in-Albufeira-sees-riot-

Albufeira em 2017

Violência e som de tiros na Av. Sá Carneiro Rua dos Bares na Oura

(J Ramos/Facebook.com/mirror.co.uk)

 

[Para no decurso destes ciclos infernais, olhando apenas para o lucro (OBJETOS) e desprezando as pessoas (SUJEITO) – e aí sendo nós corresponsáveis, por não nos prevenirmos e aos nossos filhos – surgirem tristezas tremendas e definitivas (trágicas pela idade e pela injustiça) como a da recente morte de um jovem de Paderne (Albufeira), ocupando os seus tempos-livres (entre outras atividades sociais como  na Banda Musical e Recreio Popular de Paderne) trabalhando num espaço em princípio aberto, público ou privado mas obrigatoriamente (por Lei, cumprindo-a, sendo fiscalizado) seguro: mas não o sendo e provocando − mais uma vez e certamente sem culpados (não se podendo acusar apenas o outro jovem envolvido, como se tudo o resto em torno dele nada valesse e tal como pretende a Extrema-Direita, sabendo-o de cor negra) − uma nova vítima mortal.]

 

(imagens: as indicadas)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 15:04

11
Ago 19

[Descobertos, Mortos e Passivos & Escondidos, Vivos e Ativos.]

 

Jeffrey Epstein commits suicide in New York jail,

political leaders demand answers

(marketwatch.com/10.08.2019)

 

Servindo apenas para confirmar que a Violência nos EUA não se verifica só nas ruas dos seus 50 Estados (e restantes territórios) − com sucessivos massacres levados a cabo por um só indivíduo, seja onde for que haja muita gente (centros comerciais, igrejas, escolas, etc.) e matando o máximo possível – a notícia de que “alguém que efetivamente o merecia” foi aparentemente SUICIDADO (traduzido: ASSASSINADO) na prisão.

 

1467dc0e-6166-40b8-8fc3-8cfbde6c5722-VPC_JEFF_EPST

Jeffrey Epstein

(Bilionário e Predador Sexual)

 

Como acontece na esmagadora maioria dos casos (semelhantes) com o individuo dizendo-se ter cometido suicídio a ter certamente sido vítima de uma encomenda (de entrega rápida e oriunda do exterior da prisão) tendo em vista a eliminação de um determinado elemento podendo trazer problemas para muitos outros e dos mais diferenciados quadrantes (entre eles políticos de relevo, incluindo lugares de topo entre DEM’S, REP’S e até líderes Mundiais), sendo necessário de silenciar e de afastar de vez dos holofotes dos Média (antes de castigados, por vezes ultrapassando os limites autorizados).

 

(imagem: AP/Palm Beach Post/usatoday.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 02:34

17
Jun 19

“Westerners spend four plus hours a day, the equivalent of two months a year, or nine years in a lifetime, being hypnotized by a television screen without being conscious of the effects this activity has on them. They have nearly stopped interacting with friends, neighbors, community, and even family. Their free time is spent in imaginary relationships with fictitious characters on the screen.” (barbershopbobby.com)

 

MediaforDummies.jpg

1

 

Para todos aqueles que ainda não se convenceram não passarmos de “Seres Vivos previamente Condicionados − desde que este Molde que a todos nos deu origem foi num Cenário disponibilizado (num certo Tempo e num determinado Espaço) aplicado e implementado – sem grande capacidade de iniciativa e de inovação (mentalmente estáticos) e por acomodação (física) adaptando-nos facilmente às piores condições (desde que mínimas) de sobrevivência (mesmo contrariando as indicações básicas, trocando o nomadismo pelo sedentarismo) – segundo o Guião anexo ao nosso Molde (e segundo o Manual de Instruções) na concretização de uma Projeção tendo-nos aparentemente como Protagonistas mas sendo (no entanto) suportada por uma Estrutura Fixa (contrária ao Movimento) e Tendencialmente Fechada (evitando contaminações), não Evolutiva (pela sua Qualidade) apenas Replicativa (pela sua Quantidade) – a certeza cada vez mais intensa e cada dia que passa mais intrusiva de que “já nada controlamos”, a não ser sermos nós próprios controlados (muitas vezes até por “auto delegação e compreensiva negação”) pelos sucessivos acontecimentos mesmo que por nós percecionados e sentidos, podendo atualmente e segundo a disponibilidade dos Média, ser verdadeiros ou simplesmente  FAKE NEWS. Ou não fosse a Imaginação (Invertida e convertida depois de editada, em Manipulação) uma componente fundamental desta Realidade. E pelas tendências (pelos vistos Excecionais) com a patente − da “Máquina de Controlo Mental” − a estar registada nos USA em versão TRUMP ou então HILLARY.

 

us-mind-control-patent-6506148-b2-humans-can-be-ma

2

 

“Physiological effects have been observed in a human subject in response to stimulation of the skin with weak electromagnetic fields that are pulsed with certain frequencies near ½ Hz or 2.4 Hz, such as to excite a sensory resonance. Many computer monitors and TV tubes, when displaying pulsed images, emit pulsed electromagnetic fields of sufficient amplitudes to cause such excitation. It is therefore possible to manipulate the nervous system of a subject by pulsing images displayed on a nearby computer monitor or TV set. For the latter, the image pulsing may be imbedded in the program material, or it may be overlaid by modulating a video stream, either as an RF signal or as a video signal. The image displayed on a computer monitor may be pulsed effectively by a simple computer program. For certain monitors, pulsed electromagnetic fields capable of exciting sensory resonances in nearby subjects may be generated even as the displayed images are pulsed with subliminal intensity.” (Nervous system manipulation by electromagnetic fields from monitors/2001/google.com)

 

mk-ultra_af9d84f3.jpg

3

 

No que diz respeito à célebre patente norte-americana identificada como “US patent 6506148 B2” da autoria de [Loos; Hendricus G. (Laguna Beach, CA)] datada (em ficheiro) de 01.06.2001 já lá vão 18 anos, provavelmente já em plena aplicação, mas sem acompanhamento ou divulgação considerada relevante e como tal passível de ser noticiada– com a mesma (patente) na respetiva altura e no seu próprio contexto (início do séc. XXI) a “nem sequer poder ser considerada” como algo tendo como tronco comum (de investigação e de experimentação) factos de alguma forma ligados não tanto à Realidade, mas à “Antecipação Científica(ou seja à “Inovação na Experimentação”, vista não como a procura a partir do Molde original da Perfeição − como se este [molde] não fosse a sequência de um Outro − mas como a concretização de uma Utopia, antes de o ser, considerada de “praticabilidade” Impossível unicamente por não totalmente controlável), ou não fosse o tema do “Controlo da Mente” algo de tão Antigo e Recorrente (oriunda de um passado remoto e certamente que aplicado por associação) como o das nossas próprias Origens e a dos nossos Criadores. Como se vê sendo o Homem sempre colocado entre os 2 ponteiros (horas/minutos) de um Relógio (analógico), mais tarde ou mais cedo com os mesmos (ponteiros ou lâminas) no seu movimento de rotação em torno do seu Eixo Virtual aplicando-se ao Espaço (para nós Real) e no cumprimento do processo (faseadamente) decepando-nos: se anteriormente cortando cabeças, agora e sem sobressaltos mantendo-as no lugar.

 

thinkstockphotos-478952698-100609777-large.jpg

4

 

E já no século passado com as diferentes fases da Revolução Industrial a serem introduzidas rápida e sequencialmente (talvez como nunca visto nos últimos milénios) produzindo efeitos práticos e de usufruto imediato (até pela introdução das linhas automáticas de montagem), com o sucesso instantâneo e como que exponencial das Sociedades (desenhando-se nas nossas prodigiosas Projeções Futuras) acompanhando o crescimento de Investimentos então disponibilizados, a reacender o conflito (que será sempre eterno, tal como o conflito Ricos/Pobres) entre Investidores (os Milionários) e Intermediários (os Políticos) − dois Poderes no presente travando um conflito  de grandes proporções (mesmo ideológicas e extremistas e em ambos os lados REP ou DEM) no interior dos próprios EUA − e aí introduzindo um Novo Poder num braço paralelo (e financiados pelos mesmos interessados, com o mesmo objetivo) ao poderoso Ramo Militar (e seu Complexo Industrial associado) o ramo da Comunicação Social (o erradamente chamado 3º Poder, não o sendo por dependente dos outros dois) utilizando amplamente todos os seus recursos (só ao alcance deles) desde os mais tradicionais (como a imprensa escrita e a rádio), passando pela TV (a Caixa que Mudou o Mundo), até todas as estradas e autoestradas da Informação hoje das mais diversas formas utilizadas: como será o caso da Rede da WEB, hoje entrando (a nosso convite) não só (sob a forma de eletromagnetismo) em nossa casa, mas de lá levando e lá deixando algo (física e espiritualmente) − obrigatoriamente e como não poderia deixar de ser em qualquer troca comercial, agora que o Homem foi despromovido de Sujeito a Subobjecto. Manipulando-nos sem recorrer a violência física visível, mas segundo uma estratégia extremamente eficaz de adição irreversível (uma dependência introduzida subliminarmente e com um método penetrante, intrusivo e tornando-nos hospedeiro parasitário): como se fosse uma Droga.

 

media_filters_button.jpg

5

 

Com os Media tentando extrair o que de pior há no Homem (de modo a assim se apossarem de “todas as armas”) a utilizarem todos os tipos de estratagemas para nos manipularem, nos condicionarem nas nossas atitudes e comportamentos (muitas vezes nem sequer nos dando uma alternativa mesmo que aparente), banalizando a violência (a doença e a morte), corresponsabilizando-nos pela nossa indiferença (sentindo-nos culpados), fazendo-nos passar ou convencer da nossa infeliz estupidez (aceitando tudo sem qualquer tipo de reação ou resposta), no fundo distraindo-nos ainda um pouco mais (“ainda enevoados propondo-nos mais um chuto”) e até nos convencendo de uma nova e declarada “novidade (apesar de tão velha como nós) denominada FAKE NEWS: como se estivéssemos já a caminho de uma inevitável Overdose. Falando-se do Alvo direto os mais de 7,5 biliões de pessoas − um número já declarado oficialmente excessivo para as capacidades logísticas do nosso planeta – sendo constantemente esmagado pelo crime e pela violência em série (e numa catadupa infindável de séries), pela publicidade a produtos enganadora, pelos falsos “Espetáculos de Realidade (Reality Shows), pelos programas de manipulação política e até desportiva (infestados de fazedores-de-opinião só sabendo gritar e ameaçar) e mesmo assim colocado (os quase 8 biliões) perante tal desprezo dos representantes do Poder para com a Humanidade (que dizem terem sido superiormente nomeados para nos defender) continuando estes a aceitar o mesmo caminho como se fosse esse o seu Destino: hoje sendo biliões amanhã uns poucos milhões.

 

“Schooling plays a big role in programming the population, but the most potent and prevalent educational tools are the mass media. These are devised to reach a large audience via the broadcasting of information through natural means (spoken or written language, posters) or technological ones (radio, television, cinema, the Internet). With time, the elite has come to control all the important mass media outlets and are now able to dictate their contents. The trick is easy. All the elite need to do is repeat the same simplistic lies in all the media and the population will believe them without a doubt. This is how lies acquire an irresistible aura of credibility.” (barbershopbobby.com)

 

(imagens: (1) theantimedia.com – (2/3/4) disclose.tv – (5) hellogregory.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 16:31

01
Mai 19

[Em Chicago, em Caracas, em Paris.]

 

“O primeiro 1º de Maio celebrado em Portugal depois do 25 de Abril

foi a maior manifestação alguma vez organizada no país.

Só na cidade de Lisboa

juntaram-se mais de meio milhão de pessoas.

Para muitos,

foi a forma dos portugueses demonstrarem a sua adesão ao 25 de Abril,

que uma semana antes restituía ao país a democracia.”

(Filipa Silva/jpn.up.pt/30-04-2004)

 

screen-shot-2017-10-13-at-9-03-23-am.png

Chicago

O pedido dos 500.000 manifestantes presentes no 1º de Maio de 1886

Pelas oito horas de trabalho diárias

Violentamente reprimida pela polícia

Originando dezenas de feridos e de vítimas mortais

 

No dia em que se comemora um pouco por todo o Mundo o DIA do TRABALHADOR (mesmo a nível litúrgico com a celebração de São José Operário)  – numa data comemorativa e de homenagem  (dia 1º de MAIO) à greve realizada há exatamente 133 anos pelos trabalhadores da cidade norte-americana de CHICAGO (pela conquista das oito horas de trabalho diário) com meio milhão de trabalhadores descendo à rua em manifestação pacífica e com a polícia como resposta a reprimir violentamente a mesma originando dezenas de feridos e de mortos – e em que por outro lado persiste e se intensifica (cada vez mais) a diferença (um dos diversos tipos de RACISMO) entre RICOS e POBRES, facilmente nos apercebemos que se no decorrer deste último século as nossas condições de Vida (de adaptação e de sobrevivência para a esmagadora maioria dos mais de 7,5 biliões circulando à superfície da Terra) se alteraram, as mesmas continuam a ser cerceadas e cada vez mais limitadas (no fundo negando a aplicação da Declaração Universal dos Direitos do Homem, proclamada pela ONU em 10 de Dezembro de 1948) conduzindo a um maior Desequilíbrio (agora denominado INIQUIDADE e introduzindo aquilo que Eles acham contrário à sua Moral, Religião e Justiça oficialmente adotada) económico e social (nesta fase do processo parecendo ter atingido um ponto de evolução irreversível): como se pode constatar (e sem exceção) em todos os Cinco Continentes (cingindo-nos apenas às notícias diárias) com a contínua proliferação de conflitos, de cenários de violência, de guerras intermináveis, de extensos territórios de fome, de contingentes de migrantes em fuga −(da Morte), etc. e como consequência (da total destruição física e mental) das inevitáveis doenças − dizimando sob os nossos olhos (mesmo que cabisbaixos, mas denotando o nosso sentido de Culpa e de Vergonha) e com o nosso conhecimento/consentimento tácito (situacionista/oportunista) famílias completamente inocentes.

 

Seja no Médio-Oriente (Iraque, Síria, Iémen, etc.), seja em África (Líbia, Nigéria, Somália, etc.) e seja na Ásia (Afeganistão, Myanmar, Índia/Caxemira, etc.); seja mesmo na Oceânia (outra estratégia de Guerra) com os atentados terroristas (sendo o último com grande impacto na Nova Zelândia), na Europa de leste (Ucrânia) ou mesmo na América (para já não falar de outra Guerra Mortal a Guerra dos Carteis de Droga Mexicanos, ou então do caos vivido em muitos países da América Central, agora com mais uma chama acesa pelos vistos de Petróleo e na Venezuela).

 

190501-nicolas-maduro-supporters-al-1358_788024d1a

Caracas

Manifestação de apoiantes de Nicolas Maduro

Durante a celebração deste 1º de Maio em Caracas

Exibindo ao centro a imagem do revolucionário e Libertador sul-americano

Simon Bolivar

 

Neste dia 1 de Maio de 2019 e depois de mais uma tentativa de Golpe de Estado aparentemente fracassada (curiosamente e antecipando-se à Comemoração, sendo levada a cabo no dia anterior ao Dia do Trabalhador) – apesar de fortemente apoiada pelos EUA através do seu representante GUAIDO (do outro lado da barreira estando Russos e Chineses apoiando MADURO), numa ação (concertada) contra um país Soberano e independente (tal como o afirma a ONU mas como sempre nunca saindo daí), utilizando o mesmo método (e até os mesmos indivíduos de há 46 anos) aplicado anteriormente (a 1 de Setembro de 1973) ao CHILE do socialista SALVADOR ALLENDE e tendo como consequência imediata a subida de mais um Ditador ao Poder (AUGUSTO PINOCHET) com apoio total (e manual de instruções) conforme etiqueta original “MADE in USA” − e a partir daí originando (para além da morte do Presidente eleito) no mínimo (para sermos mais comedidos e conservadores, baseando-nos nos “dados oficiais”) 3.000 pessoas mortas e outras 30.000 torturadas (e deixando de lado os “Desaparecidos”) – com as atenções globais a dirigirem-se obviamente para a Venezuela e para a possibilidade da agudização da sua já tão crítica situação interna (económica/social/política) podendo mesmo levar à Guerra Civil. Se há 46 anos com um Salvador-Militar a tomar as rédeas do país (para o ditador PINOCHET no CAOS TOTAL), agora com um Salvador-Civil a querer REPLICÁ-LO (GUAIDO apoiado por norte-americanos no presente no Poder, nem tanto por outros fora/dentro dele e apelidando-o de Socialista) mas sempre e curiosamente (executando-o) com o mesmo patrocinador.

 

E a caminho do fim do dia deste 1º Maio e a esta hora (19h 30mn em Lisboa, 14h 30mn em Caracas e ainda muito/pouco podendo neste dia suceder) estando tudo ainda em suspenso, com MADURO ainda na Venezuela (não tendo fugido num avião russo, como afirmado pelos EUA) assim como GUAIDO o seu adversário: lutando nas ruas com (ou será contra?) o seu Povo (com estes últimos à frente, para os proteger das balas) e tendo como objetivo (único, apenas de substituição) a derrota do adversário (e não a Vitória das suas ideias, como representantes desse povo). Pouco importando ser Maduro ou eventualmente mais para o Verde. Mas sendo Europeu e estando atento, ao olhar para a TV ficando surpreso (momentaneamente), um pouco confuso antes da “tradução” (das imagens): não sendo CARACAS (com Maduro e Guaido) mas sendo PARIS (com Macron e os Coletes-Amarelos). Restando-nos a nós escolher qual o Leão qual a Gazela (sendo que o 1ª come sempre o 2º) e daí sabendo tirar as respetivas as consequências (para todos nós no Mundo).

 

1e6fba979d634c3c80e95180a00d7438_18.jpg

Paris

Com as manifestações do 1º de Maio na capital de França

O país do Banqueiro Emmanuel Macron

A levar a mais uma manifestação de rua dos Coletes-Amarelos

O único palco aos mesmos fornecido e inevitavelmente levando a cenas violência

 

Quanto à Europa onde estamos (Portugal e os portugueses) integrados, mantendo-se fiel à América (internamente referida como violenta e extremamente agressiva, numa cópia exata de Donald Trump), apoiando o pretendente Guaido (o Amigo Américo-Venezuelano) mesmo nada lucrando com isso (mantendo-se obediente face a possíveis sanções dos EUA) e até podendo perder futuros e potenciais negócios (ou não tivesse a Venezuela a par do Irão, das maiores reservas de petróleo da Terra) − caso contrário podendo acontecer o mesmo como o sucedido (há horas) com CUBA, apoiando NICOLAS MADURO (e não JUAN GUAIDO) sendo desde já ameaçada pelos EUA com mais um “suplemento” (que não vitamínico) de sanções económicas: num retrato de uma Velha Europa há muito tempo ultrapassada e em franca e visível Decadência (onde estão os Humanistas, os artistas Defensores da Liberdade) – só usando o seu espelho, só olhando para uma dúzia e sistematicamente ignorando os restantes (não se apercebendo da virtualidade dos espelhos, apenas nos dando a imagem de algo visto como um mero objeto, razão pela qual muitos/não sendo necessário os evitam, queixando-se não deles, mas da sua imagem um pouco distorcida aí refletida) − vivendo num condomínio fechado (julgando-se em Segurança/Protegidos) e usufruindo do retorno dos seus Rendimentos (fazendo-nos pensar em Mortos-Vivos). Como Covardes e sem Vergonhas que somos, por opção e especialização (por Eles certificada/ordenada).

 

Por cá (o nosso Portugal, o “Portugal dos Pequeninos”) e como sempre devido “a problemas técnicos” − a que “somos completamente alheios e mesmo assim pedimos desculpa” – como esperado e por nós desejado (telespetador/consumidor) com “O Programa a seguir dentro de Momentos”. Recordam-se?

 

(ajuda nas legendas e imagens: haymarketaffairfilm.com – nbcnews.com − Christopher Furlong/Getty Images/aljazeera.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:49

15
Mar 19

[E não querendo dizer que a culpa é só dele.

(falando de Jair Bolsonaro como poderia ser de Donald Trump)

Mas que lá ajuda, ajuda!]

 

Já no reinado de Jair Bolsonaro (o recentemente eleito Presidente do Brasil) e na sequência do slogan eleitoral (e publicitário) atribuindo ao mesmo o título de Trump Brasileiro, a replicação de uma imagem marcante (por brutal pois envolvendo jovens) e já por nós tão bem conhecida (mas antes ocorrendo mais a norte) envolvendo escolas e armas, muitos feridos e mortos: antes na América do Norte (EUA) agora na América do Sul (Brasil).

 

csm_atiradores_de_suzano__Luiz_Henrique_de_Castro_

Os dois jovens atiradores e assassinos

(de 25 e de 17 anos e suicidando-se no final)

 

E tendo como curiosidade (mortal) um fator sendo a ambos comum: ocorrendo em territórios extensos (de venda legal/ilegal) e com livre acesso a armas (utilizadas para resolver muitos conflitos e dispensando de vez o diálogo) e com o seu Presidente a ser um apologista das mesmas – sendo grandes apoiantes de uma ainda maior liberalização (das vendas e da sua posse) e assim contribuindo para o aumento da violência (é só ver as estatísticas em situações semelhantes).

 

Com um dos jovens a matar o seu tio e a roubar um dos seus automóveis, com o qual os dois jovens (já armados) se deslocaram até à escola;  chegados à mesma entrando (um deles justificando-se querer voltar a estudar) e já no hall de entrada abatendo logo a Diretora (depois do tio a 1ª vítima mortal já na escola); matando de imediato uma funcionária (o jovem mais novo seria quem utilizou sempre o revolver) e dirigindo-se de seguida para o pátio da escola (o recreio) onde mataram mais 6 estudantes (de 15/16 anos e causando mais outros feridos); e ao sentirem a chegada da polícia suicidando-se.

 

x81576429_PAIS-13032018-Video-da-camera-de-seguran

Início da ação dos atiradores na escola de Suzano

(logo no hall de entrada abatendo a tiro a diretora)

 

Dois ex-alunos da escola de Suzano e com o mais novo − empunhando o fatal revolver − a ser o último a abandonar (e interromper) a escola (e os estudos).

 

Deixando-nos aqui a pensar − confrontados com uma situação tão dramática como esta envolvendo jovens, armas, violência, dez mortos, oito feridos e muitas vítimas indiretas (uma situação podendo replicar-se noutros territórios internos/externos, chegando mesmo até ao nosso) – o que estará este Mundo a produzir e se será mesmo isto o que todos nós queremos.

 

E para tal bastando

Parar, Escutar e Olhar.

(para o comboio não nos passar por cima)

E de imediato

Reagir.

(pois se paras é porque já estás morto).

 

 (imagens: veja.abril.com.br e oglobo.globo.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 01:38

14
Jun 17

[A pergunta eventualmente colocada pelo atirador desta quarta-feira antes de entrar em ação]

 

Depois de glorificarem a violência como estratégia política (exclusivamente de sobrevivência e desvalorizando a situação e imagem do seu próprio país), os Democratas vêm-se agora com as primeiras consequências da sua campanha absolutamente implacável, não olhando a limites e verdadeiramente Assassina (no mínimo um assassinato político): com células agora ativadas (como as do ISIS) a tomarem a iniciativa (tendo Donald Trump como alvo) e a passarem à ação (a matar).

 

Congressman critical after surgery for wounds in DC-area shooting

(reviewjournal.com)

 

“A rifle-wielding attacker opened fire on Republican lawmakers at a congressional baseball practice Wednesday, wounding House GOP Whip Steve Scalise of Louisiana and several others as congressmen and aides dove for cover.”

 

58028868.jpg

Tentativa de assassinato tendo Republicanos como alvo (à falta de melhor ou seja de DT)

(na imagem com Steve Scalise nº 3 na Câmara dos Representantes dos EUA pelos REP)

 

Quando a 7 de Novembro de 2000 após dois mandatos Democratas na Presidência dos EUA (com Bill Clinton como Presidente e Al Gore na Vice-Presidência) George W. Bush foi eleito para o seu 1º mandato, apesar do menor número de votos populares alcançados (mais de meio milhão) mas tendo atingido a maioria no Colégio Eleitoral (271/266), a vitória de G. W. Bush não foi então contestada baseada na vitória de AL Gore no Voto Popular (pois toda a gente conhecia as regras do jogo com a vitória a ser conseguida através da maioria no Colégio Eleitoral) mas sim pela atribuição da vitória no Estado da Florida atribuindo 25 votos para o Colégio Eleitoral e desempatando a contenda a favor dos Republicanos (inicialmente tendo sido os Democratas a ganhar a Florida mas numa recontagem passando para o lado Democrata). Com a situação de impasse a manter-se durante uns tempos (pelo menos até meados de Dezembro) mas com os Democratas a aceitarem finalmente os resultados. Já em 2000 sendo a 4ª eleição em que tal sucedia (Voto Popular face Colégio Eleitoral) sendo Donald Trump apenas o quinto. Com os restantes a serem em 1824 John Q. Adams (Democratic-Republican Party), em 1876 Rutherford B. Hayes (REP) e em 1888 Benjamin Harrison (REP).

 

Presidenciais de 2000

7 Novembro

Voto Popular

%

Colégio Eleitoral

Estados

George W. Bush

REP

50.456.002

47,9

271

30

Al

Gore

DEM

50,999,897

48,4

266

20+DC

Presidenciais de 2016

8 Novembro

Voto Popular

%

Colégio Eleitoral

Estados

Donald

Trump

REP

62.984.825

46,1

304

30

Hillary

Clinton

DEM

65.853.516

48,2

227

20+DC

(Resultados das Presidenciais de 2000 e 2016)

 

Em 2016 e num contexto completamente diferente com o 45º Presidente dos EUA (Donald Trump/REP) a repetir o feito destes seus 4 antecessores (pela 5ª vez), ficando a quase 3 milhões de votos de distância do seu opositor (Hillary Clinton/DEM) ‒ mas obtendo uma grande maioria (ao contrário de G. W. Bush) no Colégio Eleitoral (304/227). E apesar da clara vitória no Colégio Eleitoral (+77) com o candidato vitorioso e já nomeado Presidente a continuar a ser atacado de uma forma violenta (fazendo lembrar os tempos, os processos e a metodologia do macartismo) e mesmo extremamente perigosa (por afetar todo o Governo, toda a Administração e toda a estrutura em que se baseia a sociedade norte-americana) apenas por ser quem é (uma ameaça à atual classe política parasitária seja Democrata seja Republicana) e pela sua vitória nunca esperada: mesmo sendo apelidado de Palhaço e de Boneco de Putin derrotando o Sistema (incarnado em Hillary Clinton) até aí apoiando os instalados (os Democratas com uma poderosa máquina nos média). Numa luta fratricida entre dois Partidos de referência e num tempo da História em que não haverá (num futuro já presente) lugares para todos: com as Corporações a assumirem de vez os instrumentos do poder, diluindo o Estado (com a ajuda dos milionários) e com ele dispensando os seus funcionários (e não apenas os de base como até os de topo ‒ eliminando os políticos). E disso todos tendo medo (os políticos) com o mesmo (sentimento) alastrando à (velhinha e decrépita) Europa (pela paupérrima imagem dos seus líderes).

 

Assistindo-se agora e como se estivéssemos irremediavelmente inseridos numa corrente violenta, destrutiva e unidirecional, a uma sucessão de acontecimentos sempre vindos do mesmo lado e com o único objetivo de fazer desaparecer um Presidente: associando-o aos russos e chamando-o de “traidor”, utilizando métodos do ISIS e “cortando-lhe a cabeça”, ainda o vendo mexer e chamando-lhe “monte de merda”, adaptando-o a uma peça e “esfaqueando-o até à morte” e nada mais acontecendo “nem mesmo no Congresso” (nas suas estupidificantes audiências) passando ao nível seguinte e “começando a matar” (mas ainda com o Presidente bastante lá para o fundo). Democratas que hoje nada têm a ver com figuras históricas como John F. Kennedy (1961/1963) e Jimmy Carter (1977/1981), num partido destruído por uma família (os Clinton) e colocado em banho-maria por um Evento algo estranho (a eleição de uma minoria fosse de raça negra ‒ neste caso Obama ‒ ou do género feminino, que não HC).

 

(texto/inglês e imagem: reviewjournal.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 23:37

13
Out 16

[De preferência na Cabeça tal como no caso dos Zombies]

 

Um militar da GNR morto, mais dois feridos e um casal de civis baleado, tendo o homem morrido. Terá sido tudo obra de um único suspeito que continua a ser procurado.

(jn.pt)

 

pararellworld.jpg

Death is just an illusion: we continue to live in a parallel universe

(texto e imagem: messagetoeagle.com)

 

“Matamos porque nos colocaram as armas nas mãos, porque nos ensinaram logo a disparar e também porque nunca nos disseram que aqueles a abater eramos nós.”

 

Quando nos deparamos com certas notícias (que nos tocam e sensibilizam) e somos imediatamente confrontadas por elas (tal a intoxicação informativa), as duas primeiras coisas que nos vêm à cabeça e para as quais procuramos resposta (compreensão do fenómeno ocorrido pelo estudo da relação causa/efeito), são como seria lógico a sua compreensão (por perceção do ocorrido na origem) e a verdadeira extensão das suas consequências (através do processamento de todas as sensações entretanto recolhidas): no caso do triplo homicídio ocorrido na madrugada da última terça-feira no distrito de Viseu (dia 11), o conhecimento dos antecedentes sociais, profissionais e criminais do respetivo homicida (entre muitos outros parâmetros psíquico-físicos a valorizar e de modo a perceber-se com rigor o motivo da concretização deste ato criminoso e extremo) e a razão da escolha deste preciso momento para finalmente se exprimir (impondo-se de uma forma unilateral e violenta), sem limites e sem valores (ou seja matando).

 

“Como todos nós sabemos as tendências da moda nada tem a ver com os seus clientes, mas com todos aqueles que querem obter do seu produto o lucro máximo possível num mais curto espaço de tempo: e como tempo é dinheiro a melhor forma de resolver um conflito será sempre a tiro, até para se ser claro e se obter um grande impacto – sendo preciso, sempre eficaz.”

 

Deparando-nos neste caso particular com um indivíduo socialmente descrito (e visto na sua terra) como um cidadão normal (com virtudes mas também com alguns defeitos), filho de boas famílias e aparentemente sem grandes problemas financeiros (seria até piloto de aviação), com alguns problemas legais (e criminais) como qualquer descendente rebelde (daí a sua apresentação como ovelha-negra da família) e que adicionalmente (numa construção elaborada pelos media) apresentava desde logo algumas anomalias (pelos vistos relevantes mas nunca antes detetadas), que pelos vistos poderiam ser sintomas da doença que aí vinha. Num acontecimento dramático (3 indivíduos mortos, 1 em morte cerebral e 1 outro ferido) ocorrido num curto espaço de tempo e tendo a cabeça das suas vítimas como alvo (apenas um agente da GNR foi atingido nas pernas), explicado de uma forma infantil, ingénua, senão mesmo deliberada, socorrendo-se de dois episódios que (apesar de poderem ter sido explosivos) foram apenas a manifestação do potencial problema e não a sua causa: matamos porque somos condicionados para tal (percecionando e sentindo tudo o que nos rodeia e estrutura de uma forma desfocada, limitando-nos a perceção, baralhando a transmissão e originando erros na sensação) e não porque estivemos na África do Sul (= violência), porque somos caçadores (= morte) ou porque temos a casa cheia de animais exóticos (= trauma).

 

“Desde a Queda do Muro de Berlim não foi só o muro que caiu mas com ele todo o Mundo – interrompendo-se (pensava-se estar a acabar) aí a guerra entre o Bem e o Mal com a vitória do Bem. No entanto desde a queda das Torres Gémeas tudo mudou – deixando-os especados e sentindo-nos vulgarizados (verdadeiramente nas mãos do Diabo) com a evolução científica dada ao termo terrorista (sendo tudo e o seu contrário e impondo Bem = Mal).”

 

A nível de uma região de província, de um país pequeno, pobre e periférico da Europa, uma imagem fiel e de dimensão micro do que na realidade se passa um pouco por todo o Mundo: com os maiores exemplos a serem proporcionados a nível interno pelos EUA, com a perseguição impiedosa a todos os seus cidadãos que mexam e sejam de cor negra (em episódios todos os dias relatadas em toda a imprensa mundial e esmagadoramente terminando na morte do Preto (antes tinham sido os índios); e a nível externo com a vergonha (por ser tanta a hipocrisia presente e vinda de todos os lados) de vermos a maios potencia militar mundial (os EUA) a ter de se socorrer de todo o tipo de terroristas que tenha mais à mão (Exército Islâmico, Al-Qaeda, mercenários e ainda outros contingentes de menos bons e de menos maus) de modo a conquistar (neste caso um quintal historicamente russo) ou manter a sua supremacia (face à previsão da futura tomada de poder do bloco Russo/Chinês).

 

(imagem: a indicada)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:38

23
Mai 15

Depois da conquista da cidade iraquiana de RAMADI (situada a pouco mais de 100km da capital do país BAGDADE – a oeste) e da cidade síria de PALMYRA (situada a pouco mais de 200km da capital do país DAMASCO – a nordeste) o Estado Islâmico está a um passo de dar o início à constituição do Novo Califado. Mas o Ocidente só se sobressaltou (apesar do seu valor inestimável para o futuro da Humanidade – sem cultura nem memória não existe identidade) com a previsível destruição de ruínas arqueológicas (precisamente as dessas duas cidades). Mas as muitas centenas de milhares de vítimas também contam. Factos.

 

1432151063_781779_1432223161_sumario_normal.jpg

Estado Islâmico

 

Praticamente com metade do Iraque sob a sua forte influência e com a Síria a caminhar inevitavelmente na mesma direcção, a confirmação do erro crasso cometido pelos EUA aquando das Guerras do Golfo é agora indesmentível: a pretexto das Armas de Destruição Maciça destruiu-se irremediavelmente o Iraque e entregou-se o domínio de toda a região ao seu vizinho (e antigo inimigo) Irão. Morto o Ditador e decapitado um país de todas as suas infra-estruturas básicas de defesa (para já não falar das outras) era óbvio que no final tal intervenção só fortaleceria o Eixo do Mal. Coincidências.

 

isis-khilafah-1.jpg

Grande Califado

 

Nunca nos poderemos esquecer da situação caótica e de extrema violência em que vivem as populações destes territórios há muito martirizados por sucessivos conflitos e guerras violentas. Assim quando uma organização se pretende responsabilizar (mesmo que de forma limitada) pela melhoria das condições de vida destas populações completamente cercadas e isoladas (mesmo sendo ela uma das principais responsáveis pelos trágicos acontecimentos), será sempre bem acolhida (em desespero de causa toda a ajuda que vier é boa) e terá acolhimento popular.

 

140827-ISIS2.jpg

Exército do Estado Islâmico

 

Uma organização que necessariamente apoiada financeiramente e em equipamento por países como os EUA, a Arábia Saudita, o Irão e até a Europa, é capaz de mostrar serviço perante os seus principais investidores, colocando mais de 25.000 homens no terreno e lutando como um verdadeiro Estado. E com a necessária capacidade logística de controlar administrativamente um vasto território, cobrando imposto e praticando (a sua criminosa) justiça. Sendo de uma forma exemplar uma organização extremamente hierarquizada e claramente suportada por múltiplos recursos (como o são os campos petrolíferos – já pensaram no que é feito do petróleo?). Uma verdadeira máquina demolidora e de propaganda bem à imagem das melhores produções norte-americanas (e a culpa nem sequer é deles).

 

(imagens: elpais.com/thinkfn.com/Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:14

29
Abr 15

A violência racial na cidade norte-americana de Baltimore

 

Tudo começou pelas 8:39 da manhã. Como sempre acontece um negro vê-se de caras com um polícia e a sua primeira reacção é fugir. Um minuto depois desiste da fuga, não oferece qualquer tipo de resistência e é imediatamente preso. É então levado (ou arrastado) pela polícia, segundo testemunhas já em gritos de sofrimento (arrastava as pernas). Três minutos depois surge o primeiro pedido de auxílio (médico) aparentemente sem gravidade. E sete minutos depois uma informação vinda do transporte policial refere que o negro agiria agora como se estivesse bastante “irado” (ou já estaria descontrolado e como se tivesse a coluna afectada?). Às 8:59 o seu estado era desconhecido e apenas 25 minutos depois uma comunicação afirmava que o preso já estava em situação crítica e sem resposta aos estímulos exteriores. Entretanto morreu, foi ressuscitado ficou cerca de uma semana em coma e voltou a morrer (agora definitivamente). Causas? Pelos gritos da vítima mortal “You're hurting my neck” pescoço partido.

 

slide_421326_5392366_compressed.jpg

Baltimore

 

Aparentemente parece começar a concretizar-se o cenário há já algumas décadas desejado por alguns sectores da extrema-direita norte-americana: transportar para o interior do seu país as tácticas e estratégias de guerra desde há muito implantadas no exterior das suas fronteiras. Com a crise económica e financeira mundial a começar a queimar definitivamente a credibilidade do dólar (e do poder das suas impressoras), com a falta de dinheiro a aumentar exponencialmente a frustração de muitos dos empresários (mesmo aqueles ligados ao sector militar) e com a estagnação incompreensível verificada no mundo científico e tecnológico (nos seus sectores básicos para a generalidade da população), o inimigo a combater torna-se agora mais próximo podendo estar mesmo já entre nós. Motivo pelo qual terá ocorrido o 11 de Setembro e a matança de mais de 5.000 pessoas.

 

Agora que se aproximam as eleições presidenciais nos EUA e se começa a desenhar o cenário do novo combate entre Democratas e Republicanos, todos os aspectos da actual política norte-americana terão impacto. Especialmente a nível interno. E até para dar um exemplo ao mundo. E neste estado de crise e de indefinição até que os Republicanos ainda poderão pensar em vencer: com o sector militar todo a trás de si, com o caos instalado um pouco por todo o mundo e com a desordem e a violência a tomarem conta do seu próprio país, de um momento para o outro poderá aparecer o iconoclasta Diabo com os Republicanos já armados e prevenidos para combater o Mal. Mas qual será esse inimigo interno? Vindo de um dos seus maiores aliados e paranóicos não será (Arábia Saudita), vindo de um dos seus maiores inimigos e paranóicos não será (Coreia do Norte), vindo de um país voluntariamente colonizado e paranóico (Ucrânia) muito menos.

 

slide_421326_5392080_compressed.jpg

Baltimore

 

O problema terá portanto que ser interno e oriundo de acções terroristas praticadas por franjas marginais de cidadãos (norte-americanos). Se olharmos para os mais recentes incidentes ocorridos nos EUA talvez seja fácil (mesmo para um verdadeiro analfabeto, mas por outro lado julgando-se muito bem informado), constatar quase que de imediato qual o mais importante factor de instabilidade: os cerca de 12% de Negros Americanos. Numa população de mais de 300 milhões nem sendo sequer 40 milhões. E assim a população negra passa para a ribalta da comunicação social norte-americana e global, esquecendo-se por momentos o Iraque, a Líbia, a Síria, o Iémen e até a tragédia do Nepal. A guerra está agora instalada em Baltimore com a autoridade a tentar recuperar o controlo da situação. Não estamos no Iraque mas já é um início. O estado de sítio é declarado. Poucos segundos antes do reaparecimento de Dick Cheney.

 

E lá voltamos sempre às recordações do anunciado mas nunca concretizado (muito menos exportado) Sonho Americano. Com Democratas e Republicanos deste calibre bem que os EUA podem começar a encomendar a sua alma (dólar) ao criador: nunca será com uma metralhadora carregada de balas e a tentar-nos vender notas falsas ou impressoras por eles certificadas, que alguém conquistará alguém arriscando-se a ficar sem ninguém. Nos EUA o problema racial tem-se vindo a agravar nos últimos anos mesmo tendo em consideração que o seu Presidente é de raça negra. Democrata. Mas para o verdadeiro poder instalado nos EUA isso pouco importa. Quem lá manda são as grandes Corporações, protegidas pelas mais variadas agências de segurança e defendidas até ao limite pelos militares (que até podem ser oriundos do sector privado).

 

150428083936-baltimore-mom-slaps-rioting-son-large

Baltimore

 

E até que a representação proporcional dos negros e a sua importância para o desenvolvimento da sociedade norte-americana pode ser posta em causa, face à invasão crescente de outras comunidades e à sua mais fácil e dócil integração na sociedade (os hispânicos já ultrapassam os negros prevendo-se que futuramente possam ser quase o triplo destes). Sendo mais recentes e tendo ainda muito pouco tempo de estadia no país para se aperceberem do seu real funcionamento (e das suas verdadeiras perspectivas futuras), estas comunidades facilmente se renovam na sua cronologia de simples emigrante, aceitando constantes adiamentos e com isso a concretização dos seus sonhos. Ainda por cima não sendo nacionais e como tal não terem os mesmos direitos – nem os defeitos dos nascidos do país, especialmente índios e agora negros.
Mas no entanto tudo é ainda possível.

 

A woman seen berating and hitting a black-clad teenager, later confirmed to be her son, has been hailed as "mum of the year" after her intervention on the Baltimore streets was caught on video. As violence flared up across the US city on Monday, the woman, who was identified as Toya Graham on Tuesday afternoon, was filmed telling her child to "take that fucking mask off." (smh.com.au)

 

(imagens – huffingtonpost.com/cnn.com)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 20:05

03
Mai 14

"The state's monopoly on the LEGITIMATE USE OF VIOLENCE needs to be respected"

(Catherine Ashton – EU)

 

E a parir desta “justificação do injustificável” – criminosa por ignorar o direito supremo das populações ao seu território – estavam abertas as portas para o início do próximo massacre: pelo menos 39 mortos e duma vez só!

 

Odessa – Ucrânia – Confrontos

 

Mais quatro dezenas de mortos registados na Ucrânia devido a confrontos entre manifestantes a favor e contra o poder instalado em Kiev, após o golpe de estado patrocinado pelos governos da Europa Ocidental em apoio à geoestratégia política e económica norte-americana, de provocação contínua às duas potências mais ameaçadoras para a manutenção da supremacia global dos Estados Unidos da América: Rússia e China.

 

Mas se no caso da China geograficamente para os Europeus ela fica lá longe no distante continente asiático, já no caso da Ucrânia estamos já em plena Europa, logo ali ao lado e tendo a Rússia como fronteira. Já tivemos o exemplo da desagregação completa da Jugoslávia com todas as consequências criminosas (e provocadoras de genocídios de populações) que daí resultaram – também aí contando com o patrocínio da Alemanha e a passividade total do resto da Europa – para não nos inquietarmos não com o que já se passa mas com os verdadeiros motivos que levaram ao surgimento deste acontecimento, sem razão nem objectivo racional e/ou regional. E sempre com os norte-americanos – que não são europeus – logo atrás.

 

Odessa – Casa do Comércio – 39 pessoas assassinadas

 

E com o fracasso recente da política norte-americana em Israel e na Ásia (além do desastre ucraniano) o que aí vem pode ser bem pior para esta Europa, já em decadência económica e agora até moral e de valores. É que neste caso e apesar dos USA serem de longe a maior potência militar mundial – tendo por isso a prorrogativa de caso surja algum conflito ter o direito de ser o primeiro a carregar no botão (da destruição) – a China antecipando-se quase cinco anos ao previsto prepara-se ainda este ano para se tornar na maior potência económica mundial: com o seu poderoso aliado russo como vizinho controlando a seu belo prazer as portas da Europa.

 

CLOSER TO WAR

03.05.2014

(huffingtonpost.com)

 

42 Killed In Ukraine Street Battles As Violence Spreads To South...

Government Continues Offensive Against Russian Separatists...

Dozens Incinerated In Building Fire...

Ukraine Says Russia Financed, Planned Unrest...

Russia Points Finger Back...

 

(imagens – Web)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:35

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO