Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Traumatizado, Esgotado e sem Solução, com medo da subsequente Esterilização

Quinta-feira, 19.08.21

Traumatizado (na Vida) e Esgotado (o Algarve), não encontrando solução (ou seja, leitão em Aveiro), seguindo na Senda de Judas e do Diabo. Mas nunca esquecendo a figura lateral, misteriosa de Lázaro. Isso para não falar do milagre do Carpinteiro e da Virgem, 1º caso mundial conhecido de “inseminação artificial”.

aveiro-portugal-capa-e1591271483723-1536x806.jpg

Casas típicas da Costa Nova

(p/ além de alguns edifícios de Arte Nova sobrevivendo na cidade)

 

Nesta Silly Season Covid-19 de Agosto de 2021 e enquanto em Aveiro − e não dizendo coisa com coisa − ouvindo tal como em Albufeira falar português, um pouco de “emigrez para o francês” e ainda, espanhol (não “espanholês”).E tendo mais uma vez o “Emigrante” e o seu regresso às ourivesarias (motivo de inveja sempre presente nos outros, orgulho de qualquer Emigrante).

Como tudo se repete mesmo quando tal não acontece e sabendo-se que em sociedades empedernidas como a nossa nada se mexe (mexendo-se como acontece com um velho, ouvindo-se logo um grito de dor) − contrariando a lei da Vida dado ser fundamental o movimento, dado só o morto aparentemente não se mexer – tal como nenhum mamífero normal não bebe leite em adulto só quando mama (exceto o Homem), teremos sempre que aceitar que se na Natureza um pássaro poderá mudar constantemente de companheiro sem prolemas (afinal é irracional, não reconhecendo o sentimento de controlo e condicionamento social, de culpa ou de pecado), outros não “aceitam tal prorrogativa” morrendo um morrendo o outro.

o-que-fazer-aveiro-portugal8.jpg

Barcos Moliceiros nos canais de Aveiro

(p/ além dos deliciosos ovos moles e suas características barricas)

 

Depois de me informarem que a distância Albufeira-Aveiro anadaria por volta dos 500Km de distância − entre estes dois baluartes turísticos nacionais, um a “ Capital Turística da Margem Sul”, a outra a “Veneza de Portugal” − não deveria ter ficado tão espantado ao verificar que transposta esta barreia espacial, as conversas manteriam o mesmo tempo e direção, como se integrássemos todos, um grande e mesmo aviário: confirmando no fundo a teoria nortenha um dia enunciada pelo guru ou papa do norte, afirmando que (e sendo pelos vistos realidade) “para baixo do rio Douro, sendo todos mouros”. E querendo-se saber a razão invocada para essa limitação fronteiriça ser estabelecida pelo rio Douro − quando muitos mouros (como brancos, pretos, ciganos, chineses, etc.) se vêm espalhados um pouco por todo o país – para mim sendo óbvia dado perto do Douro e para cima dele (e sendo justo tendo que incluir as Beiras) estar ainda a boa comida, a boa bebida e as belas paisagens − assim como a boa gente − pelo menos enquanto os outros (os de topo, os “doutores”, hoje perto dos 10 milhões de portugueses) não espalharem por lá o alcatrão e a civilização, chegando lá com as suas bombas (motorizadas e as outras) e destruindo tudo tal como o fizeram com o “magnifico”, apologista da monocultura e monocórdico (um sinónimo de ser português) Algarve. Se me tivesse virado em vez de para norte o tivesse feito para sudeste (mesmo para esse lado estando a Rússia, a China e agora e pelos vistos, coisas da moda, o Afeganistão) e nem percorridos 150Km, estando então a entrar num outro mundo, mas só com capacidade de aceitação e de adaptação para generalistas (os leigos, conhecendo a sua terra e para além dela, daí emigrando, sendo emigrantes, descobridores, professores) e nunca podendo estar por definição ao alcance dos especialistas (os eruditos, só conhecendo o seu buraco, evoluindo pretensamente protegidos e bem pagos, em posição fetal).

o-que-fazer-aveiro-portugal31-820x1235.jpgo-que-fazer-aveiro-portugal6-820x1235.jpg

Antiga fábrica de Cerâmica e humor nos desenhos dos moliceiros

(p/ além do Museu de Aveiro do séc. XV, Princesa Santa Joana filha de D. Afonso V)

 

Se possível nascendo, vivendo e morrendo no mesmo espaço, esquecendo como um drogado o passar inevitável do tempo e sendo religiosos ou não confiando na outra vida: ou tal como na religião acreditando-se ao estar a dar uma esmola, estar como dizem não a dar uma esmola ao pobre, mas a emprestar a Deus, logo, reservando de imediato (à falta de escravos para uma pirâmide) o respetivo camarote no Céu – restando sempre aos outros incluindo o dono da caixa de esmola, um lugar na geral (onde Jesus se senta connosco ao lado do ladrão e da prostituta), no apeadeiro do Purgatório ou mesmo numa das estações de referência, depois do Céu (onde reina o Anjo Bom), o Inferno – território do Diabo Vermelho, cornudo e peludo. E perdido na estrada de Santiago, forçado a ir a pé dada a mota roubada numa das viagem (agora dando currículo) pelas antigas estradas nacionais (agora ressuscitadas/comercializadas), encontrando Marcelo (com um só L), ainda Judas (dos doze o único a ter iniciativa e opinião, daí a sua infindável perseguição) e muitas outras almas extraviadas − tendo diante de si uma infindável palete de cores e de tons, não se limitando ao P/B − não sabendo dizer simplesmente tal como um simplório ou um doutor, sim ou não. Já quando eu andava a estudar e vendo todos a responder não perdendo tempo em pensar, com o meu professor preocupado e vendo-me a ficar para trás a gritar (carinhosamente ao ver-me a ser atropelado pela manada em fúria, seguindo o chefe, de turma) “burro, responde, não percas tempo a pensar”.

No Afeganistão (com os nossos “intelectuais” VIPS, iluminados, brilhantes, nunca fundidos quanto muito “fodidos”, só se lembrando disso no momento preciso e mais lucrativo) continuando-se a matar a raça afegã, uns em nome do Bem, os outros em nome do Mal.

(imagens: melhoresdestinos.com.br)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 22:14


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.