Um espelho que reflecte a vida, que passa por nós num segundo (espelho)

17
Dez 14

Sempre que tomo conhecimento de um acto tão profundamente cruel como este e praticado tão perto de mim, é que me apercebo de como o mundo em que todos vivemos é tão pequenino e de como o que o que se passa lá longe só cá não acontece, porque não o queremos ver: unicamente por receio (proibição) de aceitarmos a realidade.

 

img_757x426$2014_12_15_23_54_52_424369 B.jpg

Bruna Nunes

 

A jovem estudante de 17 anos terá sido encontrada já morta num terreno da localidade de Aldeia Velha situada no concelho de Aljezur (Algarve), onde terá sido abandonada após ser assassinada (por asfixia). Mas aqui não interessa salientar a cadeia de responsabilidades desde o predador até à vítima (talvez mais um caso triangular mãe/filha/padrasto).

 

Do que aqui interessa falar é do abandono progressivo a que tem sido submetida a esmagadora maioria da sociedade civil, entregue a si própria na sua luta diária pela sobrevivência e da comunidade onde está inserida, depois de ter sido espoliada de tudo o que tinha conseguido com imenso trabalho e sacrifício, nestes seus últimos 40 anos de vida.

 

Enquanto assistimos sem nada podermos fazer ao deplorável e revelador espectáculo proporcionado pela nossa elite económica convivendo em tempos de crise – com prisões, exposições, declarações, exibições e outro tipo de protagonismo (comunicativo) banalizador e aceitável – o novo paradigma agora transmitido, subliminarmente e por sugestão, aponta para a desvalorização do indivíduo (a fonte de conflito) por sobreposição da mercadoria (a fonte de lucro).

 

img_757x426$2014_12_15_23_54_52_424369.jpg

Aldeia Velha

 

Por isso se abandona o interior, se fecham infra-estruturas básicas como escolas e tribunais, se deixa morrer a indústria e a agricultura, se despreza a nossa cultura e a memória dos nossos antepassados, se privatiza sem o mínimo de vergonha a nossa soberania (educação, saúde, justiça), se ignora a existência de milhares de desempregados, velhos esquecidos e jovens novamente perdidos.

 

Tendo ainda os nossos governantes – como principais responsáveis por todos estes crimes e traições contra a nossa pátria (que pelos vistos estes jamais permitirão serem levados à justiça) – o descaramento de connosco partilharem as culpas desta catástrofe (anunciada), pedindo-nos para sofrermos e aguentarmos um pouco mais para no fim e graciosamente, nos solicitarem a aceitação do inevitável já que de facto tínhamos abusado das circunstâncias e vivido acima das nossas possibilidades.

 

Os Políticos deveriam obedecer a um Código Deontológico próprio e responder perante um Tribunal Popular: o povo imporia as leis e o código e os políticos seriam poder (como ministros no Governo) e oposição (como juízes no Tribunal Popular). Teriam que actuar, teriam que se contradizer, teriam que evoluir – ou seriam demitidos.

 

Uma jovem que mesmo passando ao lado do mundo (tão grande e que tão pouquinho a tantos oferece) não foi autorizada a viver.

 

(imagem – CM)

publicado por Produções Anormais - Albufeira às 00:07
tags: ,

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

18
20

24
27

28
29
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO